NHÔ FIDRIQUIN LANÇADOR DE “PAPAGOIE”

Morode naquel tempe, na sê casinha de pedra e borre caiode de brónc, ma janela e porta pintode d’incarnode, lá pa quel funde d’Olte Sularine. Na mei dum munde sô de cosa piqnin sempre bem limpin e tude bem ranjadin, dês daquel tchon de borre d’entrada de porta de casa sempre bem barridin e moiode c’ága, pa poera ca levantada e basse sujá interior de casa.

Dode nô num tripa, gema de pai e mãe de sê irmon Alfritin, Nhô Fidriquin lá na sê cantin el sô, completamete esquecide de munde, revelaba ser um grande artista, ma daquês bons artista dum época em que pa gente daquel sociedade na tempe, quel ma otes fazê parte c’tude sês utilidade, nem se quer tava existi. Porque era um época em que ca tava insenode ninguém valorizá nem apoiá gente daquel natureza.

Na sala, log n’entrada de porta de casa, tava incontrode quate cadera fete de pau de larangera, madera binde de Sant Anton, c’aquel misinha chei de ratrote, grande c’piqnin sô gente de familia, pa recordaçon, c’aquel ratrote lá na mei, orgui de casa, de sê pai pintiode ratchode cabel na mei moda um livre ma sê mãe incostode naquel grande e bnite garrafa baziu d’whisky marca “Dimple”.

Fixode na parede pa decore, el tinha um casquin de tataruga (códegue), um cavaquin bidjin herança de sê pai, um leque chinês de Hong-Kong e na mei dês, na tude sê esplendor num mosaic de côr, um “Grande Papagoie” forma de triangle, fete de carrice ma arame e papel de seda de tcheu côr, reforçode colode duple pas ca ratchaba na vente.

Ele tava ganhá sê vida ta fazê baloie de carice ma baloie de tentê, carrice que sê prime Djunuque tava mandal de Sant Anton, ô enton quel tava ba bescá lá pa Selada de Baleia deboxe de Forca naquel funtinha de Nhô Fula, ô enton lá pa quês banda d’Asmancãs lode de Calhau ma Santa Luzia de terra.

Lá na casa, Chqiuinha sê cumpanhera tava fazê rubeçode rafilon (que tava fecá escure) qu’ela tava pô num grande boion de vidre ta vendê o que tava fazê ligria de tude mnine ma gente grande lá de sês aldeia.

Que tude ês dnher de venda de baloie de carice, rubeçode ma quês uvim que galinha tava pô tude dia, sês preocupaçon era dexá quel dnher juntá, pas podia garanti compra daquel sóc de midj ma fejon, pa pô lá na casa, quê pexe era cosa que ca tava faltá pla graça de Deus, quê sem merrinha nem priguiça, el ma sê irmon Alfritin sabia betá inzol na mar pa pescá, escalá pexe e pôs ta secá.

Buldonhe moda ês era, nunca ninguém na lugar ta lembrá dum dia ter ês oiode inrascode. Vida tava bai sempre ta corrês dritim deboxe de sês pobreza, pamode ês que ca tava morrê pa sês desmanzel, sempre ta vencê pa esforce de sês prop traboie honrode.

Fidriquin, más artista que Alfritin, era também artista desenhador duns bnite quadrin, ma navizim c’tude sês vela dentre de garrafa, cosa que tava intrigá nôs mnine c’graça sempre de sabê cmanera quel tava metês lá dentre, uns verdader obra d’arte, que tude gente tava ba comprá sempre naquel muvimente de expediente pa rapte, quê um vez fete, ês era vindide one time.

Ma, sê amdjor especialidade era refazê quel “Grande Papagoie”, quel ca tava vendê pa nada desse munde, mode era um herança que sê pai trazeba ma el de Brazil e passal quel arte, gete e manera de fazês.

Enton, quonde mês de Morce ( tempe d’equinoce ) tava bem ta tchegá c’sês ventania de matá, lá Nhô Fidriquin tava entrá naquel “frenesi” de fabricá ô reforçá sê antigue “Papagoie” quel ma sê pai tinha refete c’tude amor antes del morrê.

Lá na tchon de casa, era papel de seda de tude côr, comprode lá na Djandjan ô Casa do Leão, tesora, ma cola de sapater fete de farinha de trigue, pincel, um régoinha de madera antigue, c’aquês data de carice ma arame cortode pa reforçá quel armaçon de sê papagoie.

Rafinode na perfeiçon moda el era, Nhô Fidriquin tava passá quaz uns dôs semana ta retocá quel obra d’arte lá na funde de sê Olte de Solarine, tê dia quel estimaba vente bom e um dia clore prop pa lançamente de sê bnite e grande papagoie que tava fazê más um alvicera p’admiraçon de tude nôs pove de Soncente. Quê um vez “Papagoie” no ar, tava el oiode quaz pa tude banda d’Ilha.

Quel lançamente de “Papagoie” n’era cosa tão fácil e Nhô Fidriquin já tinha tê uns mnine lá na Olte de Solarine quel já tinha iniciode na arte d’ijdal mandá sê obra pu ar.

Mnines, tava fecá pegode na linha, pa ca dexaba Papagoie escapá e, el enton da lá derriba na tope daquel rotcha d’Olte Solarine já ta descambá pa lode de Camin de Cruz de Jon Ebra ma Olte de Miramar, tava dá quel corrida ta proveitá quel força de vente, cosa que ás vez el tava fazê na dôs ô três tentativa, tê el tava cunsigui pô sê Papagoie no ar ta pairá, sempre c’mnines pegode na linha.

Enton el tava bem ta corrê, tmás linha de mon e pô ta manobrá sê papagoie, moda sê pai que Deus haja insenal, pa ijdal sebi no ar, más olte quel podia certe, ma sempre ta proveitá quel bom vente. Enton, el tava fazê sê papagoie dançá, dançá, sebi bem olte lá no ar, c’tude sês côr e sês rabim de fita solte de tude côr, quel tava infeital pa cabá de nimá tude quel decôr.

Um vez Papagoie no ar depôs dum boa luta pa pol na Top, Nhô Fidriquin ma sê irmon Alfritin tude feliz tava cumpri, assim, tude one quel promessa de sês falecide pai que tava dzê cma “Papagoie” no ar, era sobretude más pa ligria de mninada. Assim, c’tude sês ligria, deboxe de sês pobreza ês tava bai ta distribui bole de mel ma rebuçode rafilon pa tude quês mnine que ta tinha bode ma ês ijdás sebi quel “Papagoie” no ar.

Depôs, el tava marrá sês papagoie dalá deboxe ondê quês tava, num ferre e, tava dexal bem linhode na vente, ta voá... ta voá... no ar sem desviá nem pará, pa el ma quês mnine podia senté e admirá sês obra, quê Nhô Fidriquin tava conchê moda sê palma de mon tude evoluçon daquel vente de rotcha binde de Cagode de Poce, Cruz de Jon D’Ebra e Olte de Solarine.

Assim, sê bnite e grande “Papagoie” de tude côs, podia cuntinuá t’evolui tude one na cumprimente dum promessa quel fazê sê pai, na tude sê esplendor, inquonde tivesse vente, da lá d’Olte Solarine.

Pa grande ligria de tude mnine que tava cumeçá ta juntá na rua ta pontá c’dêde pa céu e falá c’admiraçon daquel obra de Nhô Fidriquin, más um artista popular desconhicide, que ás vez também tava solicitá algum admiraçon dalguns gente de terra, embora de manera más ligere e passager que mnine de nôs Ilha de Monte Cara, que sabia apreciá e qu’obra de Fidriquin fecás gravode pa tude tempe na más profunde de sês coraçon d’Ilhéu.

Zizim Figuera ( José Figueira,Júnior)


V o l t a r


Comentário:

Zizim, Tude nôs juntode ta mandobe mantenha dali de Sidney-Austrália. Hoje já bô intchi'n nôs dia qu'esse sturinha original que nem já nô ca tava ta lembrá de Nhô Fidriquin d'Olte de Solarine fazedor e lançador daquel bnite papagoie de tude one lá naquel Olte de Rotcha que nôs tude mnine conchê mute bem e c'tcheu admiraçon pa quel artista bem escundidim moda tcheu otes lá pa quel funde d'Olte de Solarine. Moda Toi de Mã Tudinha mandá dzêbe sô um gaje mnine de Soncente moda bô que vivê tude ês cosa, era e ê capaz de desinterrá e pô na História de Soncente Cabo Verde tude ês nôs fidje de pobreza. Ubrigada pa tude ês. Parabens e um ubrigada de nôs parte também. Esse sturinha batê record que ja'm passá 110 na print pa nôs malta. Braçona Terencio

Terencio Lopes                          terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Z.F., Desta vez uma Storia pequenina mas grande no seu conteúdo. Desta vez, temos artistas, gentes dotadas de trabalhos de mão, feitos com precisão e método. Aliás, o princípio deste texto já nos preparava para isso. Curioso notar que ate o "arrumar" da Storia já demonstrava que ela iria ser diferente. Não o bulício das festas ou a galeria imensa das figuras do dia a dia da cidade, com o movimento do Porto Grande e azáfama do ganha pão, nas mil e uma ocupações que a cidade gera, mas a descrição minuciosa de uma casa pequenina, arrumadinha, cheia de tesouros amorosamente dispostos e preservados. E é assim que somos conduzidos a presença de Nhô Fidriquin, o artista, que o Autor nos descreve como homem minucioso e cuidadoso no seu trabalho de restauro, para a cada ano cumprir a promessa feita. Que, à gente grande, não impressionava muito, mas que era a alegria dos meninos, a quem ficou certamente a imagem daquele Papagaio lançado a cada ano, cheio de côres e alegria. E o Autor faz notar quão raro eram o reconhecimento e a aceitação dos artistas naquela época, época sim de luta pela sobrevivência, onde a arte era um "luxo" desconhecido. E,naquele cantinho, esquecido do mundo, Nho Fridiquin, vivia a sua arte em meio aos seus tesouros... E esta Storia vem hoje homenageá-lo, singelamente. Adorei e fiquei tocada por aquela arte vivida longe do mundo e do ruido que ensurdece e não deixa ouvir a voz da Alma. Foi quase uma Storia escrita para mim!Saúde sempre, Luz e Paz para viver e continuar a escrever São Vicente é o que te desejo. Beijão Silvia

Silvia Lopes                           silvialopes@yahoo.com.br


Comentário:

Olá Z.Figueira Desejo-te um ótimo fim de semana. Um muito obrigado pelas lindas estórias de São Vicente que espero as Forças sejam contigo para continuares a contá-las.Gostei imenso dessa. Parabens! Um grande abraço do amigo de sempre Álvaro Benrós

Álvaro Benrós                   albenros@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Como sempre adorei mais esta história que por sinal me lembra a minha infância,bem como a todos nós, por relatares factos e personagens conhecidas fazendo parte profunda e integrante dos nosso afectos, em especial Nhô Fidriquin lançador de papagaio, que beleza,que maravilha das que já nem me lembrava. Tuas histórias, além de bem detalhadas, referem-se a histórias verídicas e desta forma, nós desse tempo nos reportamos aos ambientes e às pessoas relatados. Muita saúde e que Deus te proteja para continuares nos gratificando com o teu trabalho. Um abração, Io

Iolanda Antunes                  iolantunes@yahoo.com.br


Comentário:

Z.Figeuira, Sturinha sabim cum tema mute original que ta tocone nôs parte a cada um de nôs. M'gostá tcheu e bem tcheu pa mode bô sensiblidade. Parabens e quel braça d'irmon pa irmon Hermano Um abrace, Hermano

Hermano Almeida                hermanoalmeida@hotmail.com


Comentário:

Caro, primo, cada vez estás mais "molode nês storia". Lembro-me, perfeitamente dos papagaios a que, nôs, mnine de Tchã de Sumeter era molode. Curioso é que associo aquele tempo ao pião de macacauda de Nhô Fula, que, na Salina, rachava os piões adversários. Aquele abraço, com muita amizade. Gui

Aguinaldo Wahnon                  guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Dear Brother Zizim, A tua storia que fez o ragalo de todos neste domingo, está "um verdader pápa c'lete". Lemos e relemos duas três ou mais vezes, para os meninos que se deliciaram à volta do Toi Tuda que retocou tudo explicando a obra prima de Nhô Fidriquin d'Olte de Solarian na arte de fazer e lançar Papagaio. Ficaram tão entusiasmados que vamos lançar um Papagaio hoje na praia de banho perto donde vivemos. Como v~es as Storias lá vão fazendo aquele grande efeito socio-cultural procurando raizes. Obrigado pelo teu grande trabalho com um beijinho e votos de boa saúde sempre Yo

Yolanda Dias                        yoldias@aol.com

V o l t a r


Comentário:

Sim Senhor Zizim! Uma maravilha de estória deveras bastante original. Confesso-te que não acabas de me espantar com a tua força de memória que nos trazes nestes teus/nossos escritos todos os domingos fazendo-nos reviver a nossa. Parabens e muito obrigado.Adorei. Um beijo Helena

Helena Sousa                         helenasousa17@gamil.com


Comentário:

MAU CARO,ESTA FOI CURTA MAS EXCELENTE! CONTINUAS LIDERANDO A NOSSA LINGUA VARIANTE SONCENTE ADMIRÁVELMENTE BEM.LI COM APRUMO,MUITO GOSTO E SOUBE APRECIAR A ACTUAÇÃO DO SR.DR.FRANCISCO FRAGOSO E SUA BRILHANTE CARTA ABERTA AO MANUEL VEIGA O MEDIOCRE EX-MINISTRO DA CULTURA DE CABO VERDE. NESTA CELEUMA SÓ O NOSSO REAL ALFABETO TERÁ A GANHAR SEM SE RECORRER A INVENÇÃO VEIGUIANA DO"KAPISMO" ESPERO QUE A CARTA SIRVA DE EXEMPLO E LIÇÃO A TODOS OS CABO-VERDIANOS SEM EXCEPÇÃO. PORQUE DAR A MÃO Á PALMATÓRIA É UMA ATITUDE COERENTE DE GENTE INTELIGENTE!POIS ERRARE HUMANUM EST... MAS INSISTIR NO ERRO É PRÓPRIO DO BURRO.VOTOS DE MUITA SAÚDE PARA PODERES CONTINUAR E UM ABRAÇÃO NOSSO MANU

Manuel Martins da Fonseca             manumartinsfonseca@gmail.com


Comentário:

Nosso amigo e Sr Zizim, Que estória extraordinária de uma originalidade batendo todos os recordes inesperados e igualados em relação ás outras que tem escrito. Nhô Fidriquin lançador de Papagoie está uma verdadeira obra prima cujo o tema toca o "Artista" o verdadeiro, na elaboração das suas cratividades completamente desinteressadas. A minha mãe mais o conhecia pela obra e venda dos seus diversos e magnificos balaios de caniço.Também o conhecia pelo seu lançar de papagaio mas como rapariga ela não podia ir até lá ver como todos os miúdos mas ouvia contar. A sua escrita está mesmo cada vez melhor assim como essa curtinha mas magnifica estória pelo que o parabenizo. Vai um abração meu e da mãe com votos de muita saúde. Suelly

Suelly Fonseca                  suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Pois é Mano, Artistas, pessoas como nhô Fidriquin, conseguem levar-nos ao Mundo de fantasia e de Sonho. E, pessoas como tu que todos os fins de semana nos oferece, sem nada esperar em troca, Momentos Mágicos de Stórias Inéditas da nossa Ilha de Monte Cara. Um abração. Annie

Annie Mascarenhas               ancal@netcabo.pt


Comentário:

Oi, Zizim Não guardei na minha memória nhô Fidriquin e lançamento de papagaio, porém o teu relato tão bem elaborado passou tudo diante dos meus olhos e do meu sentir, como se estivesse a reviver um momento real... Bela essa relação saudável entre crianças e adultos. Gostei também da parte da distribuição de «bole de mel ma rebuçode», pessoas que conhecem muito bem a forma de sentir das crianças e as sabem mimar OBRIGADA BRAÇA!

MaguyAlfama Fragoso              maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Pa komentariu di Manuel Martins da Fonseca / manuelmartinsfonseca@gmail.com: ----§---- Odja li: Francisco Fragoso e mediku. El ka e nen lisensiadu na linguistika kifari mestri na linguistika pa ka papia na doutoradu na linguistika. El ka publika nenhun obra di investigason sientifiku di linguistika di lingua kabuverdianu. ----§---- Sendu un leigu nes materia, se karta abertu avaliandu negativamenti konpetensia di sientistas di lingua kabuverdianu ki interve na moldajen di nos alfabetu nes ultimus 31 anu, so pode interpretadu komu indisiu di perturbason mental. Efetivamenti, N ta akredita ma so un mediku maluku al ten tantu poku burgonha ti pontu di ben nun jornal kataloga di mediukri sientistas di lingua, un aria ki el e leigu, INKONPETENTI konprovadamenti. N ta akredita ma mas maluku inda e kes ki karapati nes tipu di avaliason. ----§---- Di Fragoso, so N ta resebe lison di medisina, enbora el debe sta kaduku i bedjisa asves ta ben djuntu ku surtu di senilidadi. ----§---- Bu sa ta delira ti ki bu fla “nos real alfabetu”. Alfabetu di kualker lingua e obra di INVENSON SIENTIFIKU undi ta konxedu: sientista(s) ki faze-l; kolokiu(s) undi sientistas di lingua i di arias afin aprova-l; i diploma(s) legal ki institusionaliza-l. ----§---- UNIKU alfabetu di lingua kabuverdianu ki ten tudu es atributus, e alfabetu kabuverdianu institusionalizadu pa Dekretu-Lei nº 8/2009, di 16 di Marsu di 2009. ----§----Alfabetu di nenhun lingua ka e fidju di txokadera nen es ka nase di txon nen es ka kai di seu. ----§----Ba kore arku, oh Manuel Martins da Fonseca!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera            marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Um quadro bem pitoresco tipicamente São Vicentino de outrora em que o relacional se passava mais através do gesto do que da expressão verbal em que o Autor fino observador e de excelente memória soube trazer-nos até nós num descriptivo muito bem elaborado na nossa lingua cabo-verdiana. Pois na realidade a vida era mesmo assim sobretudo entre adultos e crianças onde o respeito mútuo imperava no " betár bençon, distrinuiçon de pon ma pexe frite, bole de mel ma rebuçode" tal como aqui na pessoa de Nhô Fidriquin e seu irmão gémeo Nhô Alfritim.Na maneira do exposto daria para fazer um filme. Cá venho parabenizar o Autor Zizim Figueira pela sua excelente obra que há anos venho seguindo com admirção pela sua perseverança que lá vem trazendo seus frutos aos olhos de todos. Um grande e forte abraço. Artur Vieira

Artur Vieira                     arturvieira@yahoo.com.br


Comentário:

ESTE IGNORANTÃO PAU MANDADO DO MARSIANU FILHO DE PADRE, FUNCIONÁRIO D'ECONOMIA NA CAPITAL PRAIA A NADA A FAZER COMO MUITOS NO SEU GABINETE RECEBENDO A SUA FOLHA NO FIM DO MÊS, LÁ TINHA QUE APARECER SEM SER CONVIDADO COMO SEMPRE NESTE NOSSO AMBIENTE SALUTAR DAS LINDAS ESTÓRIAS DO NOSSO AMIGO E COMPATRIOTA ZIZIM FIGUEIRA. REVELANDO A SUA FALTA DE EDUCAÇÃO ATRAVÉS DE TODOS OS SEUS COMPLEXOS DE TENDÊNCIAS RECALCADAS ATIRANDO AO FLANCO DO SR.DR.FRAGOSO PESSOA IDÓNIA RESPEITADO DE TODOS A QUEM NEM OUSOU RESPONDER PORQUE O TIO "MANÊ BEGA" DISSE-LHE PARA NÃO O FAZER.DE TODA MANEIRA MARSIANU JA É TEMPO DE CAPITULARES COM TODOS OS TEUS DECRETOS E DIZERES OBSOLETOS RECONHECIDOS DE TODOS QUE ATÉ JA CHEIRAM "MAFE" A POPULAÇÃO DE CABO VERDE TODA INTEIRA. POIS SEM DAR POR ISSO VOCÊ E OS SEUS LÁ VÃO FICANDO MESMO CADUCOS. SR.DR.FRAGOSO É MEDICO COMPETENTE QUE FORA SUB-DIRECTOR DO HOSPITAL DE MEAUX EM FRANÇA O QUE RELEVA DA SUA COMPETÊNCIA E CATEGORIA. QUANTO AO FACTO DE NÃO SER FILÓLOGO PODE PERFEITAMENTE SER CURIOSO E AUTODIDATA COMO TODO O SER HUMANO QUE SE PREZA E SE INTERESSA PELA CULTURA DO SEU PAÍS COMO BOM PATRIOTA QUE É. POR ISSO NÃO DEVE O SR.MARSIANU FILHO DE PADRE SEM CONHECER COMO É SEU HABITO TROÇAR DA INTELIGÊNCIA DE CADA UM. E ACONSELHO-O A DESAPARECER E VÁ CAIR NA QUEBRA CANELA ONDE OS TUBARÕEZINHOS NÃO ESTÃO A DORMIR NUNCA PARA GENTE COMO VOCÊ.

Manuel Martins da Fonseca              manumartinsfonseca@gmail.com


Comentário:

Que vem cá fazer este marsianu nha ida filho de padre? A sua atitude releva de uma teimosia sem par. Que faz este homem no governo? mais um parasita da corrupção colectiva cabo-verdiana?

Antonio Monteiro                          toimonteiro99@hotmail.com


Comentário:

Todos aqui em Montana-USA te parabenizamos por esta magnifica história que á volta de um "Tea Time" soubemos apreciar com explicações de confirmação complementar do nosso avô Tio Manel que conheceu tudo isso muito bem. Pois também moarava no Olte de Solarina e conheceu bem os dois irmão muito unidos e trabalhadores Fidriquin e Alfritin. Diz também se lembrar de ti como um bom atleta especailmente bom boxer. Bem hajas! Recebe nossa bençãp como votos de saúde. Um beijinho Stella

Stella Lopes                     stellalopes@veraizon.com


Comentário:

Caro Zizim Figuêra! Não vou só dizer que apreciei porque poderia cair num "lieu commun". Mas agora pergunto? Se não fizesses isto para a memória da nossa vivência, quem iria fazê-lo? Por isso muita força e boa continuação nessa missão empolgante de que deitaste mãos. Bom fim-de-semana. Amitiés sincères!

manuel delgado               manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Pa II komentariu di Manuel Martins da Fonseca / manumartinsfonseca@gmail.com: ----§---- Bo e ton insignifikanti ki nen N ka konxe-bu. Alias, provavelmenti es nomi e falsu pois nhos ten burgonha di pasa pa idiota asumindu nhos nomi ti ki nhos ta spadja asnera. ----§---- Es jornal e P-U-B-L-I-K-U i N remete komentariu pabia bu ataka, nes post, alfabetu kabuverdianu, un instrumentu libertador ki sa ta sirbi-m. ----§---- Si bu ka kre pa N interve, ka bu ataka alfabetu kabuverdianu i/o ses utilizador. ----§---- Bu linguajen na bu primeru komentariu e disprovidu di urbanidadi. Li na nos tera, ta fladu: buru, la undi el da-bu koxi, da-l po! ----§---- Kuantu a Txiku Fragozu, el konxe kel ditadu universal: si bu kre rispetu, rispeta tanbe. Ora, el disrispeta tudu kes pesoa ki ten stadu, nes ultimus 31 anu, ta kontribui pa nu ten es nos ALFABETU KABUVERDIANU – sima Doutor Corsino Tolentino fla: un patrimoniu komun. Asin, el dexa di merese nos rispetu. ----§---- N ta prefiri ba konsulta na algen ki ten diploma di mediku na nves di ba dexa un autodidata abri nha korason. Idem pa kestons SIENTIFIKU ligadu a linguistika. ----§---- Nhu sta dizatualizadu: spesialistas di lingua e linguistas. Filologus, oji en dia, es e spesialistas di literatura, non di gramatika. ----§---- Na artigu di Kwame Kondê, N fla ma N ta reaji OPORTUNAMENTI atraves di un artigu nes benditu jornal. ----§---- Oh Manuel Martins da Fonseca, ba toka lata!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera                  marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Na broda, este é mais um dos teus fidelíssimos relatos do nosso antigo modo de viver. A narrativa é simplesmente notável e nem os naturais condicionamentos do vocabulário crioulo inibem uma inequívoca equiparação com a boa literatura universal no que se refere à mestria da descrição e caracterização dos personagens e ambientes sociais. Adorei ler esta crónica sobre nho Fidriquim e as suas artes e o seu quotidiano familiar. Além dos preciosos detalhes que incorporas neste fantástico quadro, a poesia está também nele impregnada nessa maneira singularmente humana de viver a existência, que é pobre mas plena de riqueza na valorização de cada um dos seus momentos. E a eclosão poética é exactamente o lançamento desse papagaio para as alturas a que o homem do Alto Solarine não alcança senão na fruição do prazer de uma momentânea vitória partilhada com a meninada da vizinhança. Penso que a maior recompensa de nho Fidriquim era a felicidade estampada naqueles rostos infantis. Apesar de ter vivido parte da infância em Fonte Cónego, que é relativamente perto de Alto Solarine, não me lembro de ter ouvido falar de nho Fidriquim e seu papagaio. Mas lembro-me bem de, por volta dos meus 4 e 5 anos, morando na rua do Matadouro Velho, o meu pai construir um papagaio aos sábados à noite, depois de vir do trabalho, e levar-me no dia seguinte à Cova da Inglesa para o lançarmos juntos. Fez isso algumas vezes, tanto que a lembrança nunca mais se me apagou do espírito.

Adriano Miranda Lima                     amlima43@gmail.com


Comentário:

MARSIANU NHA IDA FIDJE DE PADRE. TOCADOR DE LATA Ê BÔ QUE BÔ GUERRA DE P... MODA ALGUÉM QUE STA PIRDIDE NA DESERTE TA PROCURÁ UM ROLHA.PÁRA C'BÔS ASNERA QUÊ M'CA STA C'TEMPE PA TURÁ BÔS BURRICE.POR ISSO SANTCHO BURRO BU PODE CUNTINUA LADRA BÔ SÔ NA DESERTE E TCHAU.

Manuel Martins da Fonseca               manumartinsfonseca@gmail.com


Comentário:


Vou telefonar amanhã sem falta ao nosso Dmº Sr. Primeiro José Maria Neves para mandar fazer uma revisão de certos postos como este do Sr Marsianu Moreira que tenho a impressão nada faz senão estar a insultar pessoas honesta que estão obrando por algo de construtivo sobre a nossa lingau cabo-verdiana que ninguém está no direito de monopolizar.

Antonio Monteiro                    toimonteiro99@hotmail.com


Comentário:

Este espaço domingueiro serve para nos distrair e também nos manter ligado á nossa terra principalmente para quem está longe . Não é sítio para insultos e lavagem de roupa suja por isso deve-se respeitar tanto o colunista como os comentadores . A regra da Democracia é o respeito e o diálogo . Muitos parabéns por mais esta crónica , votos de muita saúde para continuar todas as semanas . Até domingo. Um abraço , Gaby

Gabriela Amado Silva                 gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Pa III komentariu di Manuel Martins da Fonseca / manumartinsfonseca@gmail.com: Na nves di N ben fika li na responde bus insultu i kes di gentis di bu laia (provas di nhos derota i dizesperu), N ta da-nhos na rostu ku faktus ki ta konprova afirmason inexoravel di nos lingua i di alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) mesmu kontra nos vontadi. Pois kontra faktu, ka ten argumentu! ----§---- FAKTU PA OJI: ----§---- Sa ta pasa, es dias li na TCV, un publisidadi di iogurti IOGUREL skrebedu na nos lingua ku alfabetu kabuverdianu: Iogurti IOGUREL, iogurti di verdadi, nos orgulhu, nos sabor ----§---- Komu nhos e un kanbada di iresponsaveis ki ta kritika alfabetu kabuverdianu sen konxe ses 11 bazi nen kes sujeston ortografiku integradu na mesmu lei ki aprova ALUPEC (Dekretu-Lei nº 67/1998), N ta splika-nhos ma es publisidadi sta na nos alfabetu pois, na nos alfabetu, letra O nunka ka ta reprezenta son U i, na testus ki ta uza asentus, kuandu sen asentu agudu, letra O ten senpri valor di O fitxadu na palavras. Asin, si kel publisidadi staba skrebedu ku alfabetu purtuges, el al staba asin: Iogurti IOGUREL, iogurti di verdadi, nÔs orgulhO, nÔs sabor.

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera                marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

SR.MARSIANU NHA IDA PADRE. QUANDO A TEIMOSIA IMPERA NO MUNDO DOS IMBECIS A RAZÃO E A MODESTIA DEIXAM DE SER DESTE MUNDO PARA GENTE DA SUA LAIA.A SRªDª GABRIELA AMADAO SILVA TEM TODA RAZÃO AO DIZER QUE SR.ZIZIM FIGUEIRA QUE ALIÁS NUNCA O RESPONDE VEM CÁ SÓ PARA NOS MANTER EM CONTACTO COM AS NOSSAS BEM AMADAS ILHAS DE SÃO VICENTE, SANTO ANTÃO, SANTA LUZIA, SÃO NICOLAU SAL E BOA VISTA ONDE TODOS TEMOS O NOSSO FORTE PASSADO HISTÓRICO SOBRETUDO NA LUTA PARA NOSSA INDEPENDENCIA.ORA FAÇA O MESMO COM A SUA ILHA DE SANTIAGO E DEIXE DE CIUMEIRAS.A NOSSA LINGUA CABO-VERDIANA EXISTE DESDE O TEMPO EM QUE JÁ AS CAGARRAS PAIRAVAM SOBRE ELAS. NÔS CRIAMOS A NOSSA LINGUA NÓS MESMOS E FICOU E FICARÁ DECRETADA AD VITAM AETERNAM. POIS VOCÊS NEM DESCOBRIRAM CABO VERDE QUANTO MAIS A NOSSA LINGUA DE QUE SOMOS TODOS ORGULHOSOS. DEIXE DE DIZER MAIS ASNEIRAS. VOU LOGO TELEFONAR A SªEXCª P.M JMN. PORQUE REALMENTE NÃO TEM QUE FAZER NO SEU TRABALHO PELA CERTA.

Antonio Monteiro                         toimonteiro@gmail.com


Comentário:

Muito linda historia e muito bem contada com aquele gostinho próprio da nossa Ilha de Monte Cara onde os personagens nos fazem reviver todas as nossas reminescências dum lindo passado de solidariedade humana apesar de toda nossa pobreza. Parabens ao Autor em todos os aspectos.Abraço Alfredo

ALFREDO                     alfredo88@gmail.com


Comentário:

Oops! ----§---- Pa III komentariu di Manuel Martins da Fonseca / manumartinsfonseca@gmail.com: Na nves di N ben fika li na responde bus insultu i kes di gentis di bu laia (provas di nhos derota i dizesperu), N ta da-nhos na rostu ku faktus ki ta konprova afirmason inexoravel di nos lingua i di alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) mesmu kontra nhos vontadi. Pois kontra faktu, ka ten argumentu! ----§---- FAKTU PA OJI: ----§---- Sa ta pasa, es dias li na TCV, un publisidadi di iogurti IOGUREL skrebedu na nos lingua ku alfabetu kabuverdianu: Iogurti IOGUREL, iogurti di verdadi, nos orgulhu, nos sabor ----§---- Komu nhos e un kanbada di iresponsaveis ki ta kritika alfabetu kabuverdianu sen konxe ses 11 bazi nen kes sujeston ortografiku integradu na mesmu lei ki aprova ALUPEC (Dekretu-Lei nº 67/1998), N ta splika-nhos ma es publisidadi sta na nos alfabetu pois, na nos alfabetu, letra O nunka ka ta reprezenta son U i, na testus ki ta uza asentus, kuandu sen asentu agudu, letra O ten senpri valor di O fitxadu na palavras. Asin, si kel publisidadi staba skrebedu ku alfabetu purtuges, el al staba asin: Iogurti IOGUREL, iogurti di verdadi, nÔs orgulhO, nÔs sabor.


Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera             marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Zizim,Sô agora me lê bô storia! El ta tão bem escrite moda sempre. So bo pa lembra de tonte gente que ta merece nos lembrança, ma ba ta fca na esquecimente! Bo ta escreve tao sabe, e c'tonte pormenor! dum manera tao precisa bo ta descreve quel decoraçao de casa de Nho Fridiquim,c'aques ratrote, tudo na detalhe, Ate m'sinti a moda sum tivesse la . Es storia de bossa ta encanta nos tude, e es e testemunho de cosas de nos terra, que doutro modo tava fecá pirdide na tempe se nô ca tivesse bô! Bijim. JU

Judith Wahnon                        judithwahnon@aol.com


Comentário:

CAROS LEITORES DO LIBERAL ONLINE.VEJAM SÓ A QUE PONTO CHEGOU A MEDIOCRIDADE INTELECTUAL DAS NOSSAS ILHAS DE CABO VERDE DIRIGIDA POR IGNORANTÕES DA ESTIRPE DESSE SR MARSIANU DE NHA IDA FILHO DE PADRE. ESTAMOS NUMA VERDADEIRA MISÉRIA INTELECTUAL GALOPANTE E O PIOR É SE ESTAR CONVENCIDO DO CONTRARIO COMO ESSE SANTCHO BURRO PADUCO.

Manuel Martins da Fonseca                     manumartinsdafonseca@gmail.com


Comentário:

Pa António Monteiro / toimonteiro@gmail.com i ses 3 komentariu: Pabia bu sa ta buska-l ku npenhu (3 blablabla di-bo ta ataka-m, sen nha replika), ben toma un bafatada ku un NOVU faktu relevador di afirmason di nos lingua i di alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) pois nhos (detratoris di nos lingua i/o di nos alfabetu) ka ten kanela pa inpidi-nu di labanta-s. Nos e livri i nos ki ta manda o ku PAICV o ku MpD na puder! I kontra faktu, ka ten argumentu! ----§---- FAKTU PA OJI: ----§---- Na 2005, Institutu di Biblioteka Nasional i di Livru publika un livru di autoria di Profesora Fátima Sanches i intituladu: “Atitude de alguns Cabo-verdianos perante a língua materna”. Es livru e un tezi di lisensiatura na aria di Studus Kabuverdianu i Purtuges i el sta parsialmenti na lingua kabuverdianu skrebedu ku alfabetu kabuverdianu.

kontra faktu, ka ten argumentu                    kontrafaktukatenargumentu@gmail.com


Comentário:

Não viria novamente a este espaço de comentários não fosse a necessidade de juntar a minha palavra à dos que aqui repudiaram as intervenções abstrusas do comentador que dá pelo nome de “Marsianu”. Como decorre do depoimento da comentadora Gabriela Amado da Silva, as crónicas do nosso amigo José Figueira não têm, como nunca tiveram, qualquer pretensão de ordem linguística e, tanto quanto conheço, nem sequer as encara verdadeiramente como um subsídio para o estudo da língua da nossa terra. Ele escreve segundo o crioulo que aprendeu ainda no berço, em momento algum lhe passando pela cabeça impor a sua grafia como solução de escrita definitiva nem aos seus conterrâneos mindelenses nem, muito menos, aos das outras ilhas. Mas a verdade é que, com a continuação, ele foi aos poucos burilando a sua forma da expressão escrita, logrando introduzir-lhe alguma regra e lógica gramaticais, sem, no entanto, ter a veleidade de a considerar uma verdade oficial. Mas o que moveu acima de tudo o José Figueira foi a enorme e louvável vontade de, explorando as virtudes da sua extraordinária memória e da sua capacidade literária de grande contador de história, reconstituir os quadros humanos típicos da ilha de S. Vicente e, assim, contribuir para a história, a sociologia e a etnografia da que é, sem rebuço, a ilha cabo-verdiana culturalmente mais rica, mais imaginosa e mais criativa. Ninguém de boa mente pode contestar ou ignorar o sucesso literário das crónicas (ou stórias) do José Figueira. O comentador Manuel Delgado afirmou: “ Se não fizesses isto para a memória da nossa vivência, quem iria fazê-lo?” É verdade, não conheço semelhante contributo de outrem, pelo menos que tenha o mesmo impacto e divulgação. Porém, indo mais longe, se o José Figueira encara a sua escrita principalmente como um património memorialístico, o certo é que, talvez sem o querer, está também a lavrar terreno no campo da linguística. Está a proceder debaixo para cima e a estimular acções transversais, ensaiando uma experiência de escrita que não poderá deixar de, num futuro próximo, surtir efeito como um real contributo para a língua cabo-verdiana, sobretudo se outros enveredarem por semelhante caminho e se tornarem parceiros do mesmo laboratório. Diferente de tudo isto é o alfabeto ALUPEC, introduzido por via político-administrativa e sem transitar por qualquer cadinho experiencial. Muito já foi dito a rejeitar esta solução, considerando-a contra-natura e ao arrepio de tudo o que reza a história de qualquer língua. Não querendo aceitar o veredicto popular, o senhor “Marsianu” aparece inusitadamente a atacar todos os que entendem ter o direito de pensar de forma diferente sobre o que é ou deve ser a chamada língua cabo-verdiana. O problema é que, por trás da questão meramente linguística, existe todo um propósito de centralismo dirigista e de subversão de valores, na tentativa de apagar a influência e o protagonismo que a ilha de S. Vicente já teve e por certo não deixará de continuar a ter no futuro, por muito que alguns remem em sentido inverso do alto do seu mando. É que a cultura de um povo é feita de camadas sucessivas de experiências e manifestações que se sedimentam de forma natural, pelo que a realidade estará sempre latente e a verdade virá sempre ao de cima, como o azeite. Querer impor artificiosamente formas de expressão cultural, contrariando os impulsos e as tendências naturais do espírito de um povo, como, por exemplo, criar e publicitar o Carnaval da Praia, ignorando compulsivamente o de S. Vicente, soa a falso e acaba por ruir estrondosamente como tudo o que é falho de alicerce. Esperamos que o senhor “Marsianu” e todos os que partilham a sua mentalidade ponham a mão na consciência e aprendam a ser mais humildes. E digo isto sem querer ofender ninguém.

Adriano Miranda Lima                      amlima43@gmail.com


Comentário:

Pa IV komentariu di Manuel Martins da Fonseca / manumartinsDAfonseca@gmail.com: ----§---- Dja bu odja?! Di tantu spadja asneras, gosi dja bu da tiru na pe: afinal nen konta ka-si bu ka sabe – antis N spekulaba ma bu nomi e falsu, gosi N ten serteza. Bakan: bu e-mail e manumartinsfonseca@gmail.con o manumartinsDAfonseca@gmail.com ?! ----§---- Babaka: dja bu da-m prova ma: kenha ki e ignoranti, e bo; kenha ki e un intelektual mediukri, e bo. Un nosenti ki nen se e-mail ka sabe... ----§---- Mas, N ka ten tenpu pa ben analiza bus disparati. ----§---- Bu flaba txau. Entretantu, kes bafatada ku FAKTUS ki N da-bu, inda ka txiga-bu. Ben! Ben toma mas un NOVU tapona ku un NOVU faktu ki ta mostra ma nos lingua i alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) sa ta ganha kada dia novus korason di Kabuverdianus enbora dja nhos ten 36 anu ta uba inutilmenti tudu dia pa inpidi-nu di labanta-s. I kontra faktu, ka ten argumentu! ----@---- MAS UN FAKTU PA OJI: ----§---- MC Malcriado lansa ka dura li un novu CD kuju titulu sta na nos lingua i skrebedu ku alfabetu kabuverdianu: FIDJU DI KRIOLU (konferi lisin: http://www.lamcmalcriado.com/dsp_page.cfm?art_id=82&opening=82 ). Konven realsa ma pais di integrantis di MC Malcriado e di varius ilha di Kabu Verdi, inkluindu ilha(s) di Barlaventu...

kontra faktu, ka ten argumentu                 kontrafaktukatenargumentu@gmail.com


Comentário:

A Storia do Zizim, está mesmo lindamente bem detalhada muito bem escrita e rica de personagens dos nossos afectos que fazem parte da hsitória da nossa maravilhosa Ilha. O Sr Adriano Lima tem toda razão e aprovo também a Srª Dª Gabriela.Pois o colunista Zizim Figueira aliás José Figueira, junior tem feito um trabalho incalculavel desinteressadamente reconhecido por todos os cabo-verdianos na reconstituição histórica da vida São Vicentina sem quaisquer engajamento ou preocupações de que ordem for senão que fazer hsitória. Como disse o Sr Engº Maneul Delgado se ele não o fizesse quem o faria e tambem com razão. Ora aqui não é nenhum patio das cantigas onde cada um se possa se sentir insultado em especial por este Sr Marsianu. Uma vez que o Sr Zizim vem aqui para fazer reviver a nossa terra e fazer relaxar seu povo. Ora o Liberal que canalise esses comentarios repetitivos e cansativos (A MODA DO ANTIGO KGB). Pois se é uma tentiva de de sanimo e desmoralizaçaõ mandada por superiores ELES SE ENGANAM PORQUE OS MARGINAIS SEMPRE FORAM E SERÂO SEMPRE ELES. Rijo abraço a todos e em especail ao amigo e respeitoso Sr Zizim Figueira. Silvino

Silvino LIMA                           silvinolima77@org.no


Comentário:

PARA UM ANIMAL "STONE" COMO ESTE MARSIANU QUE ESCREVE MAS NINGUÉM ENTENDE. POIS SÓ VEM CÁ BORRAR AS PÁGINAS COM A SUA ESCRITA NO LIBERAL. PARA ESTE SANTCHO BURRO PADUCO QUE NEM JA VOU MAIS RESPONDER POIS NÃO MERECE! DESPEÇO-ME DELE COM A UNICA LINGUAGEM QUE CONHECE QUE É UM FUCK YOU!!! PAMODI A NHÔ Ê UM BURRO BRABO LARGADO NA CAMPO SEM CABRESTE...

Manuel Martins da Fonseca               manumartinsdafonseca@gmail.com

V o l t a r