DJA D’ SAL – E SÊ PESQUER DE “TI CLAU”

Quonte vez de passaja num “lugar” na nôs terra, nô t’uvis falá e mentá nome del, sem plo menes procurá conchê ô sabê storia verdader d’orija daquel nome que pove butzal.

Quê nôs, de tude manera, p’além de nome que pai do’n n’assente de baptisme, nô tem sempre um “numinha” que ta dode mute importância, quê el ta reperesentá pa nôs quel força, moda espece dum afirmaçon que ta seguro’n e faze’n lembrá nôs orija. El t’ijdá também tcheu gente, situá, localizá ô lembrá pa rapte, nome e cara de gente quês ta estode as vez ta bescá.

Resultode ê que na terra, se nô dá um pessoa sô nome cru d’ote quel tiver ta bescá, exemple, sô Pedre Almeida, el ta tem dificuldade na localisal, enton el ê ubrigode a procurá tude sê filiaçon ta recorrê pa quel numinha e, se dzide el: - Pedre Almeida, Piduca subrin de Nhô Faustine de Maderal quel homona dum oie de vidre! Log desse manera lissim, pa depressa, el ta cunsigui tchegá naquel pessoa quel tiver ta bescá, sem cmida de camin

Assim, depôs desse piquene relate pa lembrança e pa refresco’n mimória du que nôs ê na gete e manera de situá gente ma lugar, cosa quê quaz sô de nôs verdiane nesse munde,m’tita bem contá bsote um sturinha breve dum incontre de mi ma um saudose e inesquecide amigue “Pescador de Pê de Pedra na Dja D’Sal, por nome de “Ti Clau”.

“ Ti Clau”, aliás Nicolau Silva Mosso, nascide dia 10 (dez) de Setembre de 1913 na Bubista, Freguesia de Santa Isabel, ma que vivê grande parte de sê vida más, foi naquel cantin dessegode de Dja D’Sal na época, tchomde Vila de Palmeira dirige pa cabe-chefe Nhô Gastão home mute respeitode na lugar.

Lugar dessegode sim, quê na época se lá tava vivê 150 a 200 pessoa era tcheu. Uns tava trabaiá na Shell, otes tava vivê de pesca de bote ô enton moda Ti Clau qu’era pescador de pê de pedra.

Na época, pr’além de Vila de Palmeira, na lugar tinha deposite de Shell pa gasolina d’avion, tinha Pousada, bem cuidode pa nôs amigue Antone de Pousada, sob direçon d’Aeroporte, ondê que tude pessoal tava bai tmá quel bonhe de mar pa sparajá corpe naquel espece de piscina que na marê cheia era um marabidja.

Hoje, Palmeira na sê evoluçon, o quê natural mode sê Porte de Mar c’cais acostável, Electra etc., de Vila vrá um Cidade bem ranjode c’tude sê matematicisme na linhamente de sês casa pa bem estar de sê numbre importante d’habitante.

Assim, vrá tude Dja D’Sal dês de 1957, quonde m’betá pê na sê tchon pa primer vez, pa ba fazê estage na Service Meteorologic, vrode pa Soncente substitui Dinha de Nha Concha que largá Sirvice e cambá Brazil. Depôs m’torná voltá de Soncente pa Dja D’Sal na 1960, subsituide pa nha prime e amigue Ilidio de Toi Pumpinha.

Dja D’Sal na época se tinha 1.200 a 2.000 pessoa espaiode pa tude Ilha era tcheu. Ma hoje c’amdjor infrastrura, Industria Hotelera e más investimente, Dja D’ Sal, vrá ta ser um Ilha de 30.000 habitante senon más.

Ma conte vai atrás, quê storia n’ê esse li, ma sim quel incontre de mi ma Ti Clau na Pesquer de sê nome. Ora, uns dia depôs dum ter tchegode na Dja D’Sal, m’dexi pa Palmeira c’tude nha material de pesca submarina pa’m basse fazê cunhecimente de lugar naquel costa e pudesse dá uns merguie.

Poc a poc m’ba ta fazê cunhecimente ma gente de terra tê vrá Saliner ô Salense. Enton, nesse bnite dia de bom Sol, m’pô ta percorrê um csinha quel costa parriba de Palmera, ta procurá um lugar pa ba dasse quel merguie pa fazê mon, quê m’tava um csinha destreinode.

Antone de Pousada, já tinha mi falode desse tal “Pesquer d’Alvacória”, lugar que podia sirvida pa du qu’um queria. Foi lá enton pa camin qu’um incontraba pa primer vês ma quel homona de quaz 2 (dôs) metre d’altura, na pessoa de Nhô Nicolau que más tarde moda tude gente m’ vrá ta tchmal Ti Clau.

Home habituode de sê lugar, sempre ta ingodá pexe que sê mistura mágic de pexe, buze trançode c’folha de mote panhode pra la mesme e que na força d’ingodá el tava cunsigui fazê atum bem ta tchegá tê pê de pedra daquel pesquer de seu, ondê quel tava tchegá de panhá boas peça.

Depôs de dôs dede de conversa, m’prepará pa basse caí na mar pa basse merguiá, el dze’m log cma não, quê lugar tava ingodode pam espiaba du que tava ta bem la longe. Era na dvera um grande “tubaron martel” de sês 2 pa 3 metre ta bem ta bescá que catá, e cma m’tava mi sô, o que n´ê recomendode nunca de merguiá quonde gente ta sô, ja’m ca bai pa mar.

Assim tude vez qu’um tava bai pa Palmeira, m’tinha que fazê nha peregrinaçon tê “Pesquer D’Alvacória” que depôs vrá “Pesquer de Niclau” e más tarde “Pesquer de Ti Clau” .

Era c’um grande prazer que sempre qu’um tava podê, m’ tava bai passá um monzada d’hora lá sentode ma el , ta conversá de cosa e d’ote de mar e de vida, el sempre c’tude sê serenidade, especialista dum tipe de pesca que tava exigi mute calma, paciença e sobretude tacte na cunhecimente daquel bom momente de lançá quel linha na mar, em quel sabia quaz c’certeza quel podia trazê um cosa grosse que podia valê pesca de tude quel dia inter. E assim era!!!

Pr’além de pescador de pê de pedra, em quel tava ganhá sê vida honradamente, el era um excelente tocador de violão em que na sês acorde el tava dexá transparcê aquel monzada prindide ma Mestre Luis Rendal.

M’tive ocasion d’uvil tocá, num note dum bom colde de pexe de fanbil, lá na casa de sê sobrin Dino (Bernardino Mosso de Nhô Gastão) na Palmeira cumpanhode junte ma Tanin, Piuna e más otes malta que tava podê c’aquel cosa.

Destine de Vida e Morte Severina, queris que “ Ti Clau” de nôs afectos, dexasse nôs na dia 10 d’Agoste de 1978 qu’idade inda dum home nove de 65 one ( 1913 / 1978 ). Paz a sê Alma!

“Pesquer de Ti Clau” hoje em dia ta fecá na Palmeira, parte Oeste de Dja D’Sal lá pa quês lode ondê que ta situode “Electra” pa quem que pa lembrança quizer ba vesitá lugar, o que seria sempre bom, quê recordá ê vivê!!!

E, ê de esperá, qu’um placa comemorative na figura emblemáteca de Nicolau Silva Mosso, aliás “TI CLAU” que durante um monzada d’one marcá sê presença c’tude sê serenidade fisica e espiritual naquel “Pesquer d’Avacória” que na fim pa força de pensamente e consciença de tude Salense, foi adoptode e convertide de forma unânime e a “juste titre” através d’ones, pa nome de “PESQUER DE TI CLAU”.

Zizim Figuera ( José Figueira,Junior)

V O L T A R


Comentário:

Bom dia amigo Zizim! Já tinha achado demorar a Storia de hoje mas felizmente já chegou. Fui atá reler a tua Storia da semana passada para ver se a minha impressão se mantinha. De facto, manteve. Desta Storia, como da anterior, retiro uma grande Paz. Ao trazer até nós almas solitárias que prosseguem a sua actividade um pouco longe do mundo e a margem da sociedade(não sendo marginais no sentido que hoje entendemos a marginalidade, entenda se!), desafias a escutar o nosso Eu interior, num desafio que a vida de hoje cada dia faz mais dificil de aceitar e a que a sociedade em geral,em meios mais pequenos como em grandes e cosmopolitas urbes, torce o nariz.É verdade. Afinal, o artista retirado na sua casinha ordenada e limpa da semana passada e o Ti Clau horas esquecidas no seu pesqueiro solitário, conversando com Deus e com a Natureza, convidam nos seguramente a olhar para dentro de nós mesmos e a questionar esta corrida para a morte em que andamos todos os dias. Porque, está a tornar se um acto de excentricidade ouvir a Natureza e o chamamento do Universo na Paz de Deus. Obrigada por trazeres estas figuras e a sua forma de estar no Mundo. Que Deus te dê vida e muita saúde para continuar a partilhar connosco a tua escrita, desta feita numa fase diferente e ainda mais intensa. Parabens por mais essa maravilha. Bom domingo e obrogado. Abraços Helena

Helena Ferreira                  helenaferreira@gmail.com


Comentário:

Meu caro Zizim, Queria testemunhar-te o meu apreço pelo trabalho relevante que andas a fazer em prol da conservação daquilo que nós os cabo-verdianos temos de mais precioso: as variantes bem fortes mas uníssonas da nossa "Linua Cabo-Verdiana". Sigo sempre com interesse os teus escritos na variante de S. Vicente não só pelos seus conteúdos sociológicos e de conservação de memória muito importantes, mas também porque representam uma certa forma de resistência à doentia vontade por parte de alguns iluminados, que nos querem impor uma uniformização dum certo crioulo na nossa lingua já constituida desde há 500 anos. Sempre me opus e me oporei com todas as forças contra essa tentativa de atrasar Cabo Verde promovendo a sua bestificação. Queria que soubesses isso e que podes contar comigo nessa tarefa. Espero que o teu estado de saúde melhore com a maior rapidez possível, para te termos firme como sempre nesta luta. Um abraço, Patrício amigo do Tuia

Artur Vieira                       tuiavieira77@hotmail.com


Comentário:

Caro Zizim, Esta manhã quando me acordei tomei o meu café mergulhado na leitura da tua magnifica Sturinha. Todas essa leituras como sabes, me permetem de reciclar e aprofundar os conhecimentos de certos detalhes da nosssa Cultura Cabo-Verdiana. Onde descubro com enorme interesse a magia da nossa lingua. Um grande abraço e bom domingo. Manou

Manuel Cardoso                manu.cardoso@gmail.com


Comentário:

Ti Figas, Como bom Salineiro ou Salense que sempre foi, amigo do seu povo onde deixou uma excelente reputação de direitura no trabalho tanto no campo desportivo com Juventude Ca Brincadera como no ensino, para além do seu trabalho no Serviço Meteorológico que como Oficial de Movimento e Tráfico Aéreo. Vejo que também pôs aí em vigor toda a sua excelente memória e espirito de observação nessa estória do Pesquer de Ti Clau que me deixou deveras espantado pela sua memorável memória. Porque tudo o que diz aí corresponde aquilo que todos nós bem de perto vivemos naqueles bons tempos da Palmeira e sua tranquilidade. Mas infelizmente o progresso tem dessas. Risca do mapa da vida por vezes tudo aquilo qte temos de mais precioso.Tal era aquela paisagem daqueles lindos "Pôr de Sol" á tardinha a partir do Pesquer de Ti Clau. Ah saudades!!! Obrigado Ti Figas e um grande abraço de um amigo que nunca lhe esquece Toi Tuda

Antonio da Graça                   toidagraça@yahoo.com.br


Comentário:

Caro Zizim, Se bô ca tava existi m'tava mandá fabricobe. Esse Storia hoje ta toco'n profundamente nôs tude li de Dja D'Sal. Quê dvera Ti Clau (aliás Tio Nicolau) era um personaja que marcá sê presença lá na quel área que bem merecê sê nome de Pesquer de Ti Clau. Agora cma el era fidje de pobreza m'ca sabê sês tchegá de pôl um Placa Comemorativa na nome de Pesquer de Ti Clau. Foi bom bô ter falode quê m'tita bai interogá. No intante lá na Mordeira ês pô, gente ca sabê nem porquê,um sinal que letra bem grande ta indicá Praia de Jurgin Fonseca. Qsê quel Jurgin fazê pa pove de Dja D'Sal e pa pove de Cab Verd? NADA!!! El foi daquês que bai gatchá la pa Lisboa. Ma nô tita bai odjá se ta trode quel sinal dalá quê el ca ta merecê nem tem nada que fazê lá. Quem foi quel levione que mandá pol lá? Esse ê daquês cosa injuste de Cab Verd que ta pegá gente na bananinha. Nôs terra trem tonte gente que ta merecê. Ubrigada pa esse Stora e Ti Clau da lá de Céu ondê quel está devê t'agradecebe Amen. Um braçona Idal

Idalina Cabral                       idacabral@hotmail.com


Comentário:

Dear Zizim,Valeu a pena termos esperado. Pois esta estória é de ouro e calhou bem porque ainda por cima se refere ao Pesquer de Ti Clau, pessoa que um dos nossos amigos salense bem conheceu. Este amigo por nome de Alberto, também te conheceu nas tuas actividades na dita Ilha onde deixaste muitos amigos e saudades segundo nos disse. E isso é bastante importante. Explicou-nos tudo e mais algum sobre o Tio Nicolau e seu Pesqueiro que passou a ter seu nome merecidadmente claro. Esclareceu-nos vários pontos sobre a vida salense da época onde tudo era serenidade e paz. Agora com o prograsso a Ilha carinhosa tornou-se uma Ilha sem cara. Onde ja não se sai a rua como se quer porque todo o cuidado é pouco. Mas que raio de vida é essa que vai nas nossas Ilhas de CABO VERDE?! Toda gente vem de lá com medo e muitos sem nenhuma vontade de lá por os pés. Ah nôs terra já bô cabà na nada. Obrigado Zizim por ao menos nos manter vivos através dos teus escritos. E sum ca morrê um dia um ta voltá. Forte abraço de todos nós cá de Sidney-Autrália. Terencio


Terencio Lopes                  terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Querido Zizim, M'ca vivê na SAL ma pa bô crónica qu'um gostá imenso, mesme imenso, ja'm fcá ta conchê tude ês particularidade qu'um ca tavav conchê. El ta mute bem escrite num bom criol de Soncente. Parabens e um ta esperá qu'esse storia ta sensiblizá tcheu gente sobretude d'Ilha de Sal quê bô falá hoje dum fidje de terra.Força sempre pa cuntinuá. Abraço Yo

Yolanda Dias                    yoldias@aol.com


Comentário:

Meu Caro Djô, Uma estória de grande sensiblidade e muito bem escrita numa linguagem que todos compreendem. Adorei a estòria sem conhecer o Tio Nicolau e o Pesqueiro do seu nome Pesquer de Ti Clau. Mas graças á leveza da tua pena me deixei transportar nas ondas do tal Pesqueiro que o Pescador Ti Clau fazia corpo. Parbenes e bravo.Bem hajas Djô. Abraço Lili

Larry de Pina                 LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Maravilha de Storia amigo Zizim! Compenetrei-me daquele mundo sem nunca ter lá estado. Daqui a valiosidade da tua pena e maneira forte apreciável do autor que advieste em nos fazer descer no teu mundo tal como o apraesenats. Bravo por esse Pesquer de Ti Clau que está uma maravilha . Força nh'irmon! Estás ficando mesmo bom. Abraço Lis

Lis Cabel                       liscabel11@gamil.com


Comentário:

Forte apreciável não só como estoria mas também como escrita na nossa lingua cabo-verdiana. Adorei todos esse detalhes da estoria que me fez sentir compenetrado no mindo do Ti Clau e seu Pesquer. Abraços Hermano

Hermano Silva                  hermanosilva@yahoo.com.br


Comentário:

Hola Sr. Figueira, Obrigada pelo seu tempo, pela sua paciência e pelo animo com que sempre escreve e partilha um pouco da sua experiência / vivências de Cabo Verde. Acho que disso se trata a nossa Cabo-Verdianidade, o viver, aproveitar a vida e partilhar as experiências. A nossa história é essa, é juntar todos os momentos e descrevê-los, metódicamente, com paciência e com alegria... tal como o senhor o faz a cada conto. Um forte abraço e já espero a próxima semana para um conto novo. Kiki

Kiki                       kikiestrela@gmail.com


Comentário:

Caro Zè, uma boa Historia. Lembro bem da amizade que viviamos naquela ilha, eu vivi No Dja,d, Sal nos anos 1953- 1956, eu trabalhava nas Obras do Aeroport, tinha-mos uma amizade fora de serio, era-mos todos compadres, os passeos pela terra boa a fiura, sinto-me saudades daquela amizade que era fora de serio. poucos daqueles tempos ainda iziste, contar a irmandade que tinha na naquela època, quandeo lembro sinto-me um nó por dendro. daqui vaie aquelo abraço Januario

Januario M.Soares jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Apreciei, particularmente, esta estória. Durante os meus anos de Liceu, passava todas as minhas férias grandes no sal e um dos lugares onde estava mais frequentemente era precisamente a Palmeira. Foi ali, aliás que aperfeiçoei a minha aprendizagem de natação. Tinham delimitado uma pequena enseada que se transformou numa autêntica piscina, onde nadávamos sem receio de jamantas que diziam existir por aquelas bandas. Não me lembro de Ti Clau, mas lembro-me muito bem do Nhô Gastão. Obrigado, Zizim, por continuares a avivar-nos as nossa memórias e assim contribuir para as não deixar morrer.

manuel delgado             manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Senhor Figueira (era assim que nos, as criancas e adolescente da Palmeira, nos referiamos a ele quando aparecia na sua potente moto), o Senhor fez muito bem em partilhar connosco a sua memoria e as suas lembrancas do Pesqueiro do (nosso) Tio Clau. A ourela de mar de Palmeira conhecia nesse tempo um movimento extraordinario aos Domingos, com dezenas, senao mesmo centenas, de pessoas na Pousada e sua piscina, ou assistindo Tio Clau a pescar atum com uma cana feita do nervo do ramo de couqueiro com menos de um metro de linha, tudo muito artesanal. Contado, eh mesmo dificil de acreditar. Ha alguns anos levei a minha mulher e o meu filho mais velho a esse Pesqueiro para lhes mostrar o sitio aonde o meu tio pescava atum e tivemos a felicidade de assitir a pesca de um atum na hora, o que lhes deixou boquiaberto. Foi bom tambem ter lembrado que Tio Clau foi um eximio tocador de violao, naquela maozada tipica da Boa Vista, hoje praticamente em extincao. Queria pois, daqui de Abuja na Nigeria formular-lhe votos de longa vida e muita saude e renovar-lhe o meu respeito e admiracao pela amizade que sempre devotou a Ilha do Sal. Embora adolescente, pude ainda assistir a forma como o Senhor estimulava na juventude do Externato o orgulho de ser cabo-verdiano. Nao eh, pois, de se estranhar esse lugar especial que o Senhor tem no coracao dos salenses, em especial das gentes da Palmeira, aonde deixou compadres e afilhados no meio de pessoas bem humildes. Na Palmeira, falar no Senhor Figueira eh trazer sempre boas lembrancas. Continue partilhando connosco a sua rica experiencia. Atenciosamente.


Benfeito Mosso Ramos                  mossoramos@yahoo.com


Comentário:

Olá Sr.Figueira Já de há uns tempos para cá, que me venho habituando ás suas lindas histórias de S. Vicente e agora com esta do Sal que é a minha terra natal, mais própriamente Sta. Maria, mas que tive a oportunidade de viver em todas as localidades da ilha excepto a Vila da Palmeira porque a minha mãe era professora primária. Isso não implica não ter conhecido bem a localidade, antes pelo contrário conheci bastante bem até. Isto tudo vem a propósito porque conheci perfeitamente a Palmeira e os peronagens relatados nesta crónica, e que me faz lembrar pormenores desta localidade,e da minha adolescência, tais como a figura do falecido Ti Clau e a pesquerona, o Sr. Gastão, cabo chefe pai do Basílio Mosso Ramos e do Benfeito Mosso Ramos. No que diz respeito á pousada tenho boas recordações dos banhos ali tomados principalmente aos fins de semana, em que aquilo estava sempre apinhado de gente e dos saltos que dava da prancha aí existente e também dessa linda pousada e do Sr.António. Senhor Figueira as suas histórias são muito bem contadas e muito bem escritas no crioulo de são Vicente que pessoalmente gosto, e que grande parte dos personagens conheci ou ouvi falar contados pela minha mãe. Ainda tenho na memória a sua imagem de um homem com um excelente porte atlético e com a sua respetiva mota, e não são poucas as vezes que dou comigo a rir quando estou a ler as suas narrativas. Continue a degladiar-nos com as suas excelentes histórias. Obrigado e um abraço

Jorge Henrique Ferreira Santos Rocha Rocha          Jorge.h.s.rocha@gmail.com


Comentário:

Ao menos algo escrito com coração e muita amizade que todos sabemos sempre dedicou a nossa juventude e pessoas idosas da nossa Ilha do Sal.Não me esqueço o tanto nos estimulou para estudarmos para que um dia tomassemos as rédeas da nossa Ilha e assim foi.Muito te agradeçemos Ti Figas.Pois o teu nome ficará garavadopara sempre nos anais da nossa história salense.Obrigado! Abraços Victor

Victor Duarte Santos                  vduartesantos@gmail.com


Comentário:

Olá, amigo Zizim, obrigado por esta linda historia da minha ilha. Ti Clau e Ti Carlos, são duas das mais emblemáticas figuras da ilha do Sal. Espero que estes dois nomes sejam devidamente perpetuados na historia salineira e que se faça algo para que os jovens possam se orgulhar ao estudar o passado para construir o futuro. Excelente! Espero um dia ver tudo o que escreveste compilado em livro. Abraços, Evel.

Evel Rocha                     ildo0836@gmail.com


Comentário:

Muitos parabéns , saúde para continuar . Um grande abraço e até domingo .

Gabriela Amado Silva              gabybamado@hotmail.com


Comentário:

As verdades se dizem por vezes doam a quem doer. Mas você foi dos únicos que sempre se misturou com a nossa massa popular salense sem quaisquer escrúpulos, pretensões e ares superior e isso a malta sempre apreciou e aprecia até hoje. Obrigado pela Storia ao menos merecida de Ti Clau e seu Pesqueiro que todos realmente conhecemos com as melhores recordações daquele homem simpático dotado de uma serenidade sem igual. Me lembro que ele era um eximio tocador de violão na linha directa daquela mãozada tipicamente Bobistiana. Não compreendo porque forma por na MORDEIRA aquela faixa de sinalização com nome de praia de Jurgin Fonseca. Que fez este tipo pela comunidade? A pessoa que mandou por aquela faixa desconhece em grande a Historia do nosso Dja D'Sal e da nossa gente CARAMBA!!!

Albertino Soares                      bitinesoraes22@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, mais uma pincelada da nossa realidade social, em que nos trazes mais uma bela personagem das nossas ilhas. Quando fôr ao Sal já posso relacionar o nome do local à pessoa que lhe deu origem. Obrigada por essas lições dadas com toda a naturalidade própria de pessoas que estão para além do supérfluo. BRAÇA

MaguyAlfama                         maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Pesquer de Ti Clau, Uma estoria singela muito bem elaborada na nossa lingua cabo-verdiana versão São Vicentina mas acessível a todos. Quando passar pelo Sal lá irei fazer uma peregrinação ao sitio e homenagem ao homem Ti Clau que não tive a possiblidade de conhecer. Mas se autor cá o exorta é que bem merece por ter ali marcado a sua presença durante anos no oficio da pesca artesanal. Felicitações ao autor Zizim Figuera por mais esta obra magistral. Forte abraço Jorge

Jorge Marcos                      jmarcos11@gmail.com


Comentário:

Obrigada, senhor Figueira, o senhor encheu-me de alegria. O nosso querido Ti Clau, para nós os mais chegados "LAU", é de facto de toda a justiça, que seja lembrado. Não seria favor nenhum que se atribuisse o nome oficial ao Pesqueiro que foi toda a vida o lugar eleito dele, e nós que o acompanhavamos, sabemos e conhecemos esta e outras histórias mais mais, daquele humilde que senhor, que ensinou muitos e muitos homens de hoje a tocarem violão. É de toda a justiça, sim para mim, senhor Figueira, não o conheço pessoalmente, agradeço-lhe em nome da minha familia, por se ter lembrado do nosso querido Ti Clau. Que esta seja um "alô" ás autoridades, um "lamireé" para que pessoas como ele não caiam no esquecimento. Um muito obrigado...

Celeste Ramos               celeste1_cv@hotmail.com


Comentário:

Caro Ti Figas, A Ilha toda de Dja D'Sal vos agradece por esta extraordinaria lembrança do Ti Clau um homem estimado de todos a quem a Ilha deve um nome que é o do Pesquer de Ti Clau. Merece bem uma placa comemorativa no sitio a nós de vermos isso com as autoridades. O Jurgim Fonseca que nada fez pela Ilha nem pela sua população deveras não se compreende porque foram dar o seu nome áquele sitio na Mordeira? Um estupida aberração. Mais uma vez muito obrigado Ti Figas Um abração Luizette

Luizette Spencer               luizettespencer44@gmail.com

V O L T A R