NÔS GENTE - E UM DIA DE TRABOI NA SONCENTE D’HOJE EM DIA

Pa quem conchê Soncente-Cab Verd c’sê Mindelo cosmopolita dum vez e sê bnite Baía natural de Porte Grande, que tava recebê quaz cem vapor carregode de gente, carga e otes cosa binde de tude parte de Munde. Num forte movimente que tava garanti pove dum manera ô dote quel panela na lume de tude dia.

Quel movimente na “Rua de Lisboa”, chei de gente, cada um ta falá sê linga, ma ta ser sempre cumpanhode pa nôs Ciçarone que tava levás pa tude banda pa mostrás terra, naquel tempe de Lombe, London Bar, Scotand Bar etc. Era, Cafê Royale c’sê bom presentaçon sempre c’porta aberte, c’sês acorde melodiose de ta sei de lá dentre, na trompete de Morgadin, pione de Tututa, violão de Tchuff ma Lela Preciosa e Ude na bataria.

Era vapor na Baía de Porte Grande e traboie pa tude gente! O que tava motivá tude um deslocaçon daquel pove trabaiador d’nossa, binde de sês área de posente moda Monte Sussegue, Rebera Bote e d’otes lugar de terra, c’sês ponte de fazê quel “break”pa dasse dôs dede de conversa, ô pas carregá sês farnel antes de bai pa traboie, fazida compra na rua de Matijim. Ô pa tmá quel bom grogue antes, pa corpe podia reagi e dás coraja pas betasse mon c’força na traboie, ô pa dás quel desconse de corpe datardinha depôs dum dia luta pa sobrevivença na mei de Baía. Era assim, quel Soncente dum vez c’tude sê charme particualr.

Quel Soncente de pobreza, ma de respeite pa gente más bedje, na quem, tude mnine tava tmá quel “bençon” e palavra solidariadade na vezin era rainha.

Um situaçon que ca tinha razon d’existi pa pove de Soncente e mesme pa Cab Verde se tcheu cosa tivesse tchegode a tempe e side fete drete na nôs Ilha de Monte Cara. Mute gente ta custumá dzê cma ta parcê’s tê cma Soncente nascê pa ser maldiçuode?! Ma, não!!! N’ê Ilha quê maldiçuode, ma sim quem que tava e ta mandá ê que vral assim e tita cuntinuá ta dexal bai pa lâma.

Pr’além de nôs “Património” que tem side nês ultme tempe sempre demolide e estragode sem consultá ningúem, ô enton se tive consentimente de demoliçon prop de gente de terra, problema ê ote, ê que tive cunivença.

Hoje em dia, cma já fui trode pove de Soncente tude sês hipotese ma possiblidade de ponte d’encontre moda sês famose “Praça Estrela” dum vez, c’sê “Espinhera” que tava fazê sombra p’abrigá gente na sês passája pra lá, Pracinha d’Igreja, tê quês Barbaria nimode ondê que tava sabide d’alvicera ma cosa de vida de gente de terra, mesme binde na carta pa quês que tive sorte de sei pa estranger.

Nôs pove de Soncente, um pove curiose que ta gostá de ser informode e n’ê vontade que ta faltal, ma sim matéria informative quê bem poc.

Hoje tem “Parlamente” quel pracinha quês fazê diante de Tribunal Nove, ma sô pa ijga uri ma carta e contá partida.El ca tem quel calor nem de Praça Estrela nem dum Pracinha d’Igreja ô quês “Jackasse” de vendê cmida na rua de Matijim, ondê que ta tinha sempre tcheu gente, quê la n’ê um ponte de break. Dzide cma tê gora, nôs gente te estode ta espiá um lugar de “break” daquês dum vez ondê incostá.Cosa normal, quê tude na vida tem de ter sês ponte de referença.

Quonde m’tava na Soncente, tude dia plumanhã cidim volta de cinque hora e meia, m’tava rancá pa Laginha a pê e moda tude gente m’tava ba da um goitadela na Montra de Djibla que vrá um ponte “break” de gente de Mindelo-Soncente.

Era leitura e comentare, o que tava faze’m prazer d’oiá cma tcheu daquês malta sabia lê, o que n’era caso daquel tempe antigue. Quês boys tude de saquin na costa, rume “Cais Costavel – Enapor”, pa bai espiá traboi, tava juntá tude dia daquel hora, la naquel Montra de Djibla ponte “break”de sês informaçon. Pa cmida ês tava comprá sês bolacha de cavala frite, ô otes ingrediente la pa banda de Cais.

Enton, na conversa ma Arlinde e Vicente dôs boys fidje de gente cunchide e nhas amigue d’infância que tava la de passaja pa basse espiá traboie, nô metê conversa e lá enton, ês desabafá c’mi ta dze’m cma felizmente, tê inda na Soncente tem quel “Montra de Djibla” na rua de San Jon que sempre num grande esforce e na continuidade ta bai ta fazê sês “Açon Social” c’imaja ma escrite, dum manera desinteressode, ta procurá sempre informá pove de cosa de nôs terra e de Munde inter.

Lá nô imbalá na conversa, enton Arlinde e tude quês colega d’seu dze’m cma na Soncente, naquel tempe que n’era tude gente que tinha televisão, sempre que ta tinha um cosa importante na Munde (moda guerra de Golfe, Copa d’Munde de Football etc,) Sr.Djibla tava pô log televisão na rua pa tude gente oiá, a ponte tê de pliça bem, pa fetchá rua e evitá passaja de corre naquel rua, pa pove podia fecasse descansode t’oiá televisão. Cosa que tude quês gente aprová cum csinha de pena de ca ter tide más, quê depôs quaz tude gente passá ta ter televisão na casa.

Conversa tava nimode, ma Arlinde dá um grite d’alerta paquês moce, ês sei ta bai pa depressa ta corrê pas podia tchega a tempe e ser tchmode na lista de traboie na Cais, pa garantiba quel pon de dia. Quê senon, sel ca tivesse quel ocasion de tra quel dia de traboie la na Cais, el tinha vrá camin ta corrê e bem oiá sel tava otchá lugar pa trasse um dia de traboie na Estrada e, se tivesse?!

Dôs dia depôs nô incontrá na camin de Tchã Sumeter, el cabá de conta’m más um csinha de sê vida, ta dze’m quel n’era malondre quel tinha cunsiguide fazê sê decime segunde que boas nota, ma cma bolsa agora ê poc e contode na dêde, el era ubrigode a fecaba naquel dure finaçon de corrê tude dia log cidim de plumanhã, bai espiá traboi na Cais ô na Estrada, pal podia cmê, tal era destine del ma tcheu de sês colega de mesme idade. Quê cosa ta bem mau pa nôs tude prei Zizim e, li ca ta c’traboie. O que cada dia tita bem ser pior e essse cosa tita bem ser prop um afronta.

Mi, na nha ponte de vista pessoal, dês de tempe de “Caniquinha em que Gote de Manê Jon tava ingordá na gemada”, ês situaçon na Soncente ca tinha razon d’existi. Embora hoje em dia, tude cosa ta nôs mon, ê mistide pensá sériamente na situaçon de Soncente que parcê’m também ê CAB VERD.

Zizim Figueira ( José Figueira, Junior)

V O L T A R


Comentário:

Amigão, Sinceridade acima de tudo e é isso o mais importante. Não é das tuas estórias que mais gosto, e pode pensar se que ês passadista ou tens intenções que não aquelas que sei bem serem as tuas, ou seja, o bem da tua terra. Gosto, como sempre, da forma como falas das gentes e seus modos de ganhar a vida. que não é fácil hoje em dia em lugar nenhum, vá se la saber porque! O Mundo evoluiu extraordináriamente e nem sempre para melhor. Aos antigos "modos de vida", como se dizia noutros tempos, nem sempre sucederam outros, que permitissem o ganhar a vida honestamente a todos.Ás vezes nem já sabemos se a culpa é dos governos de cada país ou se a culpa é mesmo da Economia Global e da Loucura Colectiva. Porque tempo já ninguém tem e menos ainda ninguem quer ter. Que bom que eram os dois dedos de conversa matinais para saber as últimas lá no nosso Soncente! Agora, sabem se ao minuto, na internet, solitáriamente,"cada um na sua", como é a palavra de ordem do mundo em que vivemos, no meio dos mil afazeres de todos os dias e para aumentar o stress que nos esta a matar...Afinal, queres saber? Passadista e nostalgica sou eu!!!!! Que a FORÇA seja sempre contigo e vai daí um abraço amigo Herminia

Herminia Ferreira                        herminiaferreira@gmail.com


Comentário:

Olá meu caro, Esta está curtinha mas bem boa. Pois falar verdade não é crime. Embora não seja da vossa geração mas os meus pais que foram vossos colegas confirma-me sempre todas essas dissertações sobre a nossa terra S.Vicente. Realmente todos que conheço vivem actualmente esta situação angustiante de um futuro incerto para com os seus e as gerações futuras. Tocas te num ponto deveras bem sensível. Vamos lá ver como vão reagir os leitores. O tema está bem desenvolvido numa escrita não menos bem elaborada. Bom domingo e um abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite                        gildableite@gmail.com


Comentário:

PURA E DURA ESTA REALIDADE EM QUE VIVEMOS ACTUALMENTE NA NOSSA ILHA DE MONTE CARA QUE É S.VICENTE DE CABO VERDE. BRAVO AMIGO ZIZIM POR ESTE TEMA QUE ESPERO FARÁ REAGIR A MASSA GOVERNANTE PARA QUE NÃO NOS VOTE AO ABANDONO.ABRAÇO

Lis Cabel                          liscable11@hotmail.com


Comentário:

Boa nha broda Zizim, Hoje já já bô po'm prop sabe qu'esse Storia de bossa. Quem tem pal cmê ma vivê nem sempre ta pensá na cuitode. Ma bô li nesse storia bô prová aquile que sempre bô foi. Um amigue de bô pove que bô querê oiá na bem-istar. Parabens nha broda e força sempre quê nô ta djunte. Guey

Miguel M.Monteiro                     mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Parabens ao autor pela diversidade de temas sobre a nossa Ilha Cabo-Verdiana de São Vicente e nossa gente que muito tenho sabido apreciar. Um tema pertinente e de actualidade numa época em que tudo no país necessita ser revisto tanto na sua constituição como na distribuição das riquezas obtidas por donativos estrangeiros para que haja um minimo de trabalho para todos. O equilibrio da sociedade cabo-verdiana está deveras em perigo com a catual clivagem social de tudo rico e tudo pobre. Pois já não há massa média na nossa sociedade. Atenção. Artur

Artur Vieira                           arturvieira@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Hoje bô storia ta diferente ma el ta toco'n na funde de nôs coraçoan nôs fidje de pobreza pa ca dzê de miséria dum vez que tive sorte de bem pa estranger ganhá nôs vida pa podê mandá tude mês quel pon nosse de cada dia pa nôs familia. Nô ta comprendê bem quel situaçon e quem quizer pensá cma nôs tude tem direite de vivê, ta comprendê du qye bô pO li nesse mensaja.Braçona de nôs tude. Terencio

Terencio Lopes                        terenciolopes@yhaoo.com au


Comentário:

Forte apreciável o que escreves te hoje amigo Zizim.Também partilho do mesmo principio que tu ao pensar nos outros menos previlégiados da nossa sociedade cab-verdiana. Abraços Manu

Emanuel Ramos                            manuramos@live.nl


Comentário:

Irmão Zizim saúde e força para continuares a caminhada na difícil missão de escrever as estórias do nosso povo! As tuas escritas de verdade traz ânimo e discussão animada e salutar ao nosso povo. Apesar de aparecerem aqui alguns intelectuais bem encaixados que também têm direito a opiniões contrárias. É de saudar a tua coragem, a tua força e vontade de estar entre o nosso povo Caboverdeano sempre! Parabéns por mais uma espero que mais e mais um de cada vez irão surgindo . Obrigado . Mantenha desde cá do exílio, algures no Mar Mediterrâneo

Henrique De Pian Cardoso                 hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Dear Zizim, Hoje a Storia veio cedo e já tive assim tempo de preparar a leitura e discussão sobre este assunto bastante pertinente que nos diz respeito a todos sem excepção. Parabens por esta novidade escrita. Depois te escrevo sabore as reacções aqui na Associação. Bom domingo e um beijinho da semapr amiga Yo

Yolanda Dias                                     yoldias@aol.com


Comentário:

Zizim, nha broda Esse é um lamente - um grite de ALMA- de um menine nascide e criode na Soncente BRAÇA

MaguyAlfama                        maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Broda, Zizim Só um frase: esse é um lamente de ALMA de um pessoa nascide e criode na Mindelo. BRAÇA

MaguyAlfama Fragoso               maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Caro Zè,mies uma das boas recordações daquelos bons tempos. È bom sempre lembrar, e citar dos passados para que essa nossa juventude, venha saber daquelos tempos, que ja não volta maies. Daqui vaie aquelo abraço amigo Januario.

Januàrio Matias Sopares                   jmsoarses@jpnmail.nl


Comentário:

A cada semana um tema diferente recheado de boas recordações . Muitos parabéns e saúde para continuar . Um abraço e até domingo .

Gabriela Amado Silva                      gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Na serenidade dês bô Storia que ta mute bem escrite tem tude um grite daquel alerta que nôs pove de Soncente mestê tmá cuidode e estode atente. Porque se COSA CA MUDÀ tita bai ser más uns tontes one de sofrimente desse mediocridade governamental em que tude Ilhas de Norte sês ca dá sês grite d'Ypiranga tita bai sofrê inda más do que nô tem sofride. Eliminaçon d'Aeroporte de Sal, eliminaçon de Porte Grande de Mindelo-Soncente, São Nicolau ca mistide nem falá, San Anton igual, Boavista ta entregode na Talione etc.Pove de Norte d'Ilhas de Cabo Verde amdjor ê nô tamá TON QUÊ SENON TON TA TMÀ CONTA DE NÔS. Pa vote m'ca tita oiá um soluçon, quê Inocêncio não! El ê um sampadjuda frustrado a service de JMN. Aristides Lima sel passá JMN ta mandá votá pa el de certeza o que ta trá JCF (ZONA) tude hipotese de ser eleite. Ê assim que tita bai quel MAFIA politica de nôs terra Cabo Verde. CA TEM TRABOIE,TRABOIE CA TEM. Força nah Pove de Norte.


João Gilberto Spencer                  jogilspencer@yahoo.com.br

V O L T A R