SAN ANTON DE TARRAFAL DE MONTE TRIGUE TÊ BARBOXE – SINAGOGA Ones 40/60

Naquel dia datardinha na hora de lezimparim, vapurim d’ága “Vascônia” somá ta bem na Sul, dode tud’a duc de Tarrafal de Monte Trigue - SanAnton, carregode d’ága doce, cunchide pa gente de Soncente, más pa ága de Vascona que sirvi durante tcheu tempe pove de sê Ilha irmã de Monte Cara, e tude quês vapor que passaba na sê Baía de Porte Grande.

Embora na Soncente, também tivesse ága que tava bem de compe de Maderal, ma que tava saí de poc e era vindide, hora marcode, na morada lá traz d’Igreja na site de mesme nome tchmode Maderal, ma que ca tava tchegá pa matá sêde de gente de cidade de Mindelo, quontá de tude Ilha de Soncente.

Capton Mulato, na pasta de “dutchache” de borde de sê vapor, tava ta trazê um mensaja bastante urgente de Sr.Djê Ferro pa Dator Furtado na Spital de Soncente (Baptista de Sousa), mode “LEPRA” que tinha atingide um nivel perigose e ta rebentá c’aquel pove pescador d’aldeia de G’stim Pereira na Tarrafal de Monte Trigue, lugar ondê quês tava diazá pra lá bandonode na sês sorte e sem ricurse.

Basta, tude quês mnine que tava ta nascê pra lá, Sr.Djê Ferro dente de sês poc pussiblidade tava bá ta tentá isolás de sês pai leprose, e cunsigui assim salvá tcheu dês de contaminaçon. Quê “LEPRA” ê um doença infectiosa crónica motivode pum bacile tchmode bacile de HANSEN e que ta manifestá puns mantcha ô tumor na pele tchmode “LEPROMA” e se gente fazê atençon e tmá cuidode el ca ê contagiose.

E, quel cosa na Tarrafal de Monte Trigue - San Anton, podia ser pior se ca fosse Sr.Eliseu Lima enfermer que tava viajá sempre quel tava podê, pa Soncente, e tava trazê smeme assim ma el pa desinrascá, alguns cumprimide de “SULFONA” que sês colega infermer moda Nhô Manel Damchô e Sr. Mendonça tava ranjal sempre que tinha na Spital, o que tava bá ta sirvi quel pove sofredor, na tratamente daquel doença.

Primera vez qu’um uvi falá de “LEPRA” foi naquês tempe de merguiá quonde nô tchegaba cruzá ma pescador de Sinagoga - San Anton, bons marinher, ta bai pescá na deserta (Santa-Luzia, Djêu Brónc ma Djêu Roze) num luta pa sobrevivença, em perigue de vida, na sês pobre bote de vela tude ramendode, escavacode e, ás vez mesme tê de costode tude aberte sem flaça pa estorvá ága d’entrá dentre de bote.

Enton, Ti Jon d’Alcanja de Calhau qu’era das Pombas – Paul – San Anton e que tude quês pescador tava conchê e respeitá na área, mode el qu’insenaba tcheu dês navegá naquel mar de canal carambolente. Tive de xplico’m tude quel situaçon de “LEPRA” que tava ixisti diazá na terra de sê Ilha San Anton.

Sempre, el tava mostro’m alguns daquês pescador curode, quel tava conchê, sem dêde ô ponta de nariz já cmide. El, tchegá de dze’m também cma pas midiba sum pessoa tava contaminode de tal doença, ês tava panhá um cigorre cindide, ês tava incostal na pele. S’aquel pessoa tava reaji na quemadura daquel cigorre, era bom sinal. Quê senon, s’el ca tava reaji naquel quemadura, ê que jal tava estode leprose bastante vançode.

Conhecedor daquel situaçon, el tava falo’m sempre daquês caminhada quel tchegaba fazê quonde el era mnine, de Ponta de Sol pa Paul de passaja pa Barboxe, ondê que tude quel pove leprose tava morá e vivê pra lá num liberdade total na bera de estrada, ta vendê sês quêje de cabra e mas ôtes cosa quês tava fazê que sês mon, pa vendê e pudesse bá ta sobrevivê. Basta, dzide s’aquês quêje tava contaminá pove, tude nôs gente tava vrá leprose de tonte cmê quês quêje de Barboxe que tava bai na naviu Faluche pa vendê na Soncente.

Ti Jon d’Alcanja contá cma, mas ô menes na ones cinquenta na tempe de Nhô Jon Serra (admistrador) foi mandode fazê um grande “GAFARIA” pa resolvê quel problema e fazês fetchá Barboxe e transferi assim, tude quel pove doente pa Sinagoga, lugar de juste nome puste pa pove, mode antes lá fui lugar de culte Judeu.

Assim c’presença de GAFARIA, ês cunsigui juntá tcheu daquês leprose e c’aquel triste isolamente situaçon amdjorá tcheu pa tude gente e também pa quel pove sofredor que passá ta ser siguide regularmente pa Dator ma infermer Dario que tava bem da lá das Pomba.

Nôs saudose e grande Dator Henrique Teixeira de Sousa, na sê livre Ilhéu de Contenda, ta falá precisamente desse problema de “LEPRA” na Cab Verd em geral e Djar’Fogo em special (quel drama de Belinha bandonode pa Eusébio).

Enton, na volta quonde vapurim d’ága Tarrafal, tava ta bai pa Tarrafal de Monte Trigue carregá d’ága doce, pa trazê pa Soncente, nô cunsigui c’ajuda de Capton Julion, más um boleia pa bass dá um mergulhe, cosa que tava interesso’n mode quês bons pexe pelágicos sobretude cheréu ma inforcode que pra lá ta custumá tem sempre. Ma quel dia lassim mute especial, marco’n tcheu, quê na borde de vapurim d’ága Tarrafal, tava Sr.Dator Furtado de Spital de Soncente que tava ta bai pa quel misson de tratamente de “LEPRA” na quel aldeia de pescador de G’stim Pereira lá na Tarrafal de Monte Trigue.

Pa camin, no tive sorte, quê el ba ta xplicone csê qu’era LEPRA e manera quel tava parcê, el ta dzê’n também cma LEPRA n’era contagiose ma pove tinha que tem mute cuidode: - Primer el falá na problema de higiéne pa ivitá LEPRA de contaminá gente, era precise mute limpeza de corpe, ma na tude cantin e recantin de casa. Tinha que matode tude espece de bitche moda rote, barata, pulga, mosca ma musquite e sobretude quel mas perigose de tude ês e, grande transmissor dês doença qu’era percevêje que alguns tava usá tchemá prufezêje.

Dzide cma um percevêje, ta secá e fecá num estade de letargia (moda ta drumi) durante tcheu one, ma basta el sinti calor de corpe, el ta torná bem que vida e ta pô ta alimentá de sangue de gente. Enton, na sê pic quel ta dá gente el ta bá ta passás log quel microbe.

Antes na G’stim Pereira ca tinha leprose, dzide quel foi trazide pa um moce estafeta que tava custumá bai fazê mandode na Ponta de Sol, quê el ê que foi primer doente daquel aldeia.

Dr. Furtado, dator indione que já tinha custume daquês situaçon, d’acorde ma autoridade e Sr.Djê Ferro, ês passâ tude quel pove pa um grande casa dês ôte banda de Rebera, ondê quel tava consultás e enton, ês pô lume de gasolina na paia de tude quês coberta daquês funco de pedra, cosa que matá e fazê fegi tcheu daquês percevêje e otes tonte daquês bitchin perigose que pra lá tinha.

C’tude esse atitude d’higiéne, mas quel tratamente tmode a série c’SULFONA, lepra diminui tcheu naquel aldeia de G’stim Pereira de Tarrafal de Monte Trigue e assim tcheu daquês pescador que nô concheba, cunsigui torná fazê sês casa e passá ta tem um vida normal.

Pena ê que “GAFARIA” na Sinagoga fui fectchode log depôs de nôs Independência!!! Será que na nôs terra já ca tem LEPROSE ?!...

Zizim Figuera ( José Figueira,junior )

V O L T A R