FORÇA DE LETE DE PARIDA

Naquel hora de tude quel sofrimente, de cmâde Balbina d’Antonha Fina, ê que cumpâde Djindja, ma Djê, c’uns dôs grogue ma butche, ta resolvê ranjá um stora lá na casa ta descuti colê dôr que tava doê mas tcheu na Mûnde ?!.

Ca tem amor ma grande na Munde qu’amor de mãe!!!...

Balbina d’Antonha Fina, amdjer inda nova na flor d’idade sempre ta rebentá de toc, morode lá pa quês funde de Fonte Flipe, mãe já d’oite fidje tude nascide de porte feliz, ca queria sabê de descancá, quê tude vez quel traba um fidje de peite, tava estode já ote ta bem.

Basta na boca de pove, era bodsê trá um pô ote nem chuquelindra (porc d’India), quê basta na sê últme porte, pa cabá d’aumentá familia, ela tê tinha tide um par d’gêma. Assim, na mei de tude quel trublaçon de ter fidje um trás d’ote, quê Deus ê que dexá, môda ela tava custumá dzê pa desculpá sê cabeça. La tava nôs Balbina, ote vez c’sê barrigona, tamonhe de munde, ta torná esperá tem mnine.

Problema, ê que naquel tempe, ca tinha ecografia, inda más, c’aquel barrigona, ela tive de vivê tude quel tempe deboxe dum angustia, c’mede tê na fim, sô de pensá na torná tem gêma, Deus defendê! Ma dês vez, p’la graça de Deus e pa esponte de tude gente, nascel foi sô um matchin, já d’oie aberte, prop scritim, chei de saúde, pena sô quel era piquenitchim, mode el era de sete mês. Ma pa Balbina, ca era problema, quê el tava querês tude tcheu e sem merrinha.

Morode naquel casinha fête de pedra e borre, coberte de paia, guentode pa coipe de pê de carapate, trazide da lá de Monte Verde naquel burrim castonhe de sê cumpade Zac. C’aquel candirim de pitrole, pa tistmunha, de tude cosa de casa (moda pegá lume na fagôn, cendê cander de note pa lumenhá casa) etc,.

Foi lá, qu’ela Balbina ma Djê de Nha Chiquinha, que fazel quel casinha, ijdode pa sês cumpâde Zac, Djindja ma Spirre, tive quês monzada de fidje, na respeite, paz e amor. Ma, Senhor Djê, home sem posente (vagabune), pai sô de sês fidje ca tava morá lá ma ela. Grande cunquistador, ma era daquês home, bom pai, trabaiador na estiva de borde de vapôr, que nunca tava faltá sês fidje, c’aquel três por dia derriba de mesa.

Balbina, bnitona, um strong d’amdjer que na sê manera d’andá, tava betá pê na tchon derriba du quê d’seu, o que tava fazê tude quês manhente fecá ta espial quonde ela tava passá na rua. Ela, era cstumode na criá tude quês mnine d’seu, bem mamode, na lete de sês dôs peite que Deus dal e era mãe carinhosa, chei d’amor e cuidode pa sês fidje, sobretude pa quês cabode de nascê.

Ma um problema que n’era de custume, bem cumeçá ta chatiá Balbina, depôs de nascimente de Tchubim, sê ultme fidje de sete mês. Quê Tchubim, tava ta mamá dritim, pa sê tamonhe, ma el ca tava ta podê dá vencimente na lete daquês dôs peite de sê mãe Balbina.

Assim, lete tava ta cuntinuá ta bem demás na peite de Balbina, a ponte de pol num sofrimente sem fim, chei de dôr c’aquês dôs mama retezode, chei de lete ta esgritchi pa tude banda moda quês bica de casa d’inglês, na tempe de tchuva. Sofrimente de Balbina, era bem grande. Basta, vezinha tava bem esfregal oleo de calipte, que tava fazel bom efeite na peite, ma que ca tava durá mute e era um dor infrontode que sô ela podia explicá.

Enton, foi betode, mnine c’gente grande, lá pa quês banda de Fonte Felipe, Olte de Solarine, tê lá pa quês banda Rebera Bote, ta espiá, moda era de custume, quonde ta tinha amdjer ta sofrê de peite mode lete, casa ondê que tivesse cadela parida, pas pudesse trazê, um ô dôs, daquês catchurrin nove, pas podia pôs ta mamá na peite daquel mãe de parida e podia assim eslivial de tude quel dôr de matá, sô p’ela pudesse incontrá um desconce de corpe.

Naquel hora de tude quel sofrimente, de cmâde Balbina d’Antonha Fina, ê que cumpâde Djindja, ma Djê, c’uns dôs grogue ma butche, ta resolvê ranjá um stora lá na casa ta descuti colê dôr que tava doê mas tcheu na Mûnde ?!.

Dá la sei log quel teimozia, quê Djindja, gritá cma era:

- Dôr na dente! Cumpâde Djê ba ta dzês, cma era dôr n’uvide e assim, cada um ta betá d’seu, etc.. etc, malagueta. Foi lá enton que Mari Curvin bem ta tchegá, ma sê filha, Funny Eyes, dá el calás tude boca one time, quê ela c’sê voz roc na garganta dzês, qual stora?!:

- Ca tem nium dôr na Munde, mâs fôrte, que dôr de porte dum amdjer ta tem fidje. Ma lá,cumpade Djindja, ca fecal por boxe, enton el vrá c’tude sê façura de buzode, quel sempre foi, basta el pô tude gente lá dentre de casa t’arri, quonde el dá Mari Curvim sê resposta e bá ta dzel:

- Qsê que bô ta prei ta dzé ?! Falá, má sô pa bô Maria Curvin! Quê nunca, bô levá um pontapê n’ingrão!!! Agora é que foi arri derriba d’arri, quê log cumpâde Djê estendê sê cumpade Djindja mon, e ba ta dzêl:

- Boa nha cumpade!Sim Senhor! Bocê, traca cá quel shake hands (monzâda) li !!!

Foi andôde um data de camin quel dia, em vão, sem incontrá um sô cadela parida pa pudesse levá catchurrin nove pa basse fazê Balbina quel traboie de tral quel lete a más que tava ta fazel tonte mal, moda tava fazide, naquel tempe, pa bem, daquês mãe de fidje de terra. Quê senon, quês mama podia te rebentá e mãe ser ubrigode a bai lancetá peite na Spital, o qu’era dvera, prop um afronta.

Balbina sempre naquel sofrimente, c’casa chei de gente pa socorrel e ela na mei daquel confuson ma desusper, sem ninguém pa podê incontrá um soluçon pa eslevial de sê problema. Enton, bem parcel um cmade por nôme de Bia Nha Mari Lucreça que sube daquel situaçon e bem trazel sê ideia qu’ela Bia já tinha vivide pa experiença de vida, o que dvera podia esleviá Balbina de tude quel sofrimente. Ela pedi quês gente colcença, tchmá sê cmade Balbina á parte e de dzel:

- Ó cmade, amdjor ê bocê mandá tchmá cumpade Zidel, home d’idade e de grande respeite que ta custumode na esleviá prei tchéu “Mãe de Parida” na nôs aldeia, quonde ês ta estode infrontode quês problema. Ma sê mandá tchmal na segrêde hum?! Livrode de pecode sberba, limpá boca, cuspi na tchon, quê sel perguntá bocê quem que dzê, mi, m’ca dzê bocê nada ok?!

Balbina, coitada, na mei daquel afronta pedi tude gente colcença de sê casa, ela mandá log, um daquês mnine d’seu ba tchmá Nhô Zidel, home já bastante vançode n’idade e amigue de casa, pal bess socorel. Nhô Zidel, servental moda el era, ca pensá dôs vêz e bai log ter de Balbina, pessoa, quel tava conchê, dês de mnininha.

Log quel tchegá, Balbina tchmal á parte, fastode de sês mnine, quê, aquês ote gente já tinha tude bode pa sês casa, e pol sê problema. Nhô Zidel, que já era custumode c’aquês cosa, escutal c’atençon, depôs, el ba ta dzê Balbina c’sê boquinha motcha sem nium dintin, cma pa el, n’tinha problema pa tral tude quel lete, na respeite, que tava ta querê prejudical.

Ma, sô o quel queria sabê s’ela Balbina parida de nove, n’tinha por acase cortode quel mnine lete?! Enton, Balbina fazel comprendê cma dês qu’ela tinha tide mnine, Djê sê pai de fidje n’tinha ela puste um dede! E Nhô Zidel dzê, inda bem!!!

Cma la na casa já ca tinha ninguém, quê Balbina, pô tude quês gente ma sês fidje na rua pa bass brincá. Assim, pa ela ma Nhô Zidel pudesse trabaiá tranquile e na descontra. De sala, ês entrá pa reservode de casa, traz daquel biombe forrode dum pone azul chei de florzinha incarnode e brónc.

Nhô Zidel sempre deboxe de sê educaçon e na respeite, pedi Balbina colcença, el trá sê bonê ma casasóc, log el cumeçá, na sê manobra, ta tchepá... tchepá... torná tchepá... ta trá Balbina quel lete. Naquês primer buqenhada, el ingli uns dôs golpada, mode el que fogá, quê lete bem demás, depôs de tossê um bocode, el entrá na ritme, ora ta betá uns golpada de lete lá pa tchon, ora t’inglis.

Cosa ba ta bai...ba ta bai, Balbina viva moda tude gente dês Munde, na mei daquel sabura de tchepá torná tchepá pa tral quel lete, amdjer inda nova na força d‘idade, cumeçá ta sinti vice ta sebil na corpe. Ma ela sempre ta guentá, pa respeite qu’ela tinha pa Nhô Zidel. Ês dôs suzim traz daquel reservode cercode pa quel biombe, longe d’oie ma boca mau de Munde.

Balbina, infrontada de sabura daquel tonte tchepar de lete, vrá pa Nhô Zidel cum voginha doce chei de ternura, el perguntal:

- Ó cumpade Zidel, bôcê ta segure cma bocê ca querê mâs nada pa cumpanhá ês litim ???!!!

Nhô Zidel, seguerode ta trá sê lete, na descontra e tude sê inocência, quê nada el tinha cumprindide daquel conversa de Balbina, inda más pa home d’idade, que jal era e que tava la sô pa fazê sê traboie, vrá cum façura pa Balbina sempre na respeite, enton el perguntal:

- Bocê dze’m, pa cumphá ês litim du que tita falta’m ???... Ê sô uns bolachinha... sô uns bolachinha !!!

Zizim Figuera (José Figueira jùnior)

V O L T A R