NHÔ FRAGUINHA --- UM ÊRRE D’ESCRITA QUE CSTÁ CORE

E assim foi, ma p’abuse ô êrre tê hoje ninguém sube quê sô Manin Estrela e más ninguém ê que podia firmá. Ma cma jal morrê, el levá quel segrede ma el pa cova e paz a sê Alma!... Quê na hora de escrevê quel carta el pô: - Caro amigo,.... Podia ter a bondade de me enviar “ 1 0 2 macacos “ em vez de 1 ou 2 macaccos, o que tava fazê um erre de “cento e dôs macóc”.Um verdader chatice!!!

Nh’Antunin Cunote, depôs dum note mal drumide pamode mosquite, argui log cede sentode naquel mutchinha (bónc) de custume, na porta de sê casa na rua de Moeda, esparajode ta trá uns long femaça naquel canhatin bedje tipe “Johnny Walker” quel tinha trazide já tinha um monzada d’one de borde dum Blue Star Line que passaba na Baía de Porte Grande ta bai pa Sul.

Basta daquel hora lassim, nium de sês vezim e amigue moda Jack Cunquelicôc , Manin Estrela, Ti Silva, Mnine Pirú, Capenga vendedor de lotaria, Damonse e más otes personája madrugador daquel rua, tê inda ca tinha dode sinal de vida.

Mêmê Ove, sê fidje, que ca tava custumá drumi d’note mode problema de nerve, espantode, perguntal c’voz baxim:

- Adèche papai, quaz hoje bô dexá LUA inganobe mode ês clareza? Cuidode pa bô ca vrá moda Djê de Chiquinha quonde el tava inganá c’LUA que Gongon (alma d’ote munde) tava custumá cumpanhal tê sê casa la pa quês funde de Farnande Pau.

Antunin Cunote, zarode daquel conversa de Mêmê Ove, ba ta passal log uns dôs pascoçada e, ba ta escunjunrá c’mede de praga de boca de sê fidje, daquel hora de madrugada inda más em jijum, ca ba caísse el derriba.

Uns hora depôs, dia ta bem ta clariscê, quel gole de pena de tcheu core lá na quintal de Mã Balica foi primer naquel rua ta rancá e coroá dia de sê cantar bem prolongode prop de “Gole Múseque”, moda tava usode tchmás na terra.

Enton, Manin que já sabia daquel capoera la na quintal de Mã Balica, tava mandá log Mêmê Ove ô Djondon de Bolinha de Nhône de Derby, bai ta corrê dá Mã Balica fala, pa ranjal ora uns ovim fresc pal tmá cafê ô uns borrachin pal fazê colde ô assá na brasa.

Naquel dia lassim, la na rua de Moeda, tude cosa tava ta parcê ta corrê suave, smeme assim c’aquel stora daquel despertá avançode na tempe de cumpade Antunin Cunote que tude gente daquel rua já sabia log cedin, pamode quel linga pintode de sê fidje Mêmê Ove um mnine mei “taná” (anormal) que já era custumode de passá na casa de vezin tude dia plumnahã, pa ba manhentás sês cafê c’catchupa guizode e, tava bai ta contás tude cosa quel oiaba que passá naquel rua tonte didia cma dnote, pamode el quaz que nunca tava podê drumi.

De siguida, Sine na Cumpanhinha Inglês Nacional (Cª de Carvon daquel tempe), cumeçá ta repicá, cum toc final pa vapor de Norte e dôs pa favor de Sul, moda de custume. Log, quel pessoal cumeçá ta sei de tude banda c’reme, crôc ma forqueta na mon ma na ombre, direçon Praia de Bote pa bai betá bote na mar pa negoce na borde de dôs paquete que tinha cabode de tchegá quel hora mesme, um Mal Real e um Blue Star Line inglês.

Enton, na mei daquel confuson, bem parcê Franguinha ma Jon Fabal que tava custumá negociá era c’aquel bote de Nhô Studante de rua de Morguin, tude desorientode num expediente pa rapte, bem espiá s’Antunin Cunote podia vanças uns 4 (quate) ô 5 (cinque) macóc pal vendeba na borde de Mala Real ma Blua Star, quê sês 10 (dez) últme macóc, el vendês tude uns três dia antes, num paquete que tinha passode na Baía e el esqueceba de pedi Nhô Studante pa mandá incmendá más de Tarrafal de Santiago.

Antunin Cunote qu’era home sempre de bem e bom fê, dzês cma inflizmente el tinha inda lá dôs, ma um era de casa e quel ote el era dum pessoa que jal tinha promitide.

Franguinha ma Jon Fabal, tude zaraode c’aquel situaçon sei ta espiá ricurse ma em vão.Enton, ês ba ter de Nhô Studante pa contal sês mágoa e Nhô Studante enton dzês cma ês divia era ter diantode pedide de macóc pa Tarrafal, era diazá, quê ês sabia qu’era cosa que tava ta vendê bem na borde de vapor de turista naquel época.

Enton, Nhô Studante qu’era um home de expediente, proveitá log daquel passaja de sê amigue Capton Jesuino e sê naviu Rex qu’era n’altura e sem bajofaria, naviu más rapte que tinha na área de Cab Verd, pal pedi moda de custume a Manin Estrela pa escrevel quel carta ta incmendá quês macóc na Tarrafal de Santiago pa sê bom portador e amigue.

Manin Estrela, sempre pronte pa prestá gente sirvice, log betá mon na pena e escrevê quel carta de Nhô Studante ta pedi “ 1 (um) ou 2 (dois) macacos” pa sê amigue na Tarrafal de Santiago, pas podia daba quel bom portador qu’era Capton Jesuino pa trazês quês macaquin inda de volta.

E assim foi, ma p’abuse ô êrre tê hoje ninguém sube quê sô Manin Estrela e más ninguém ê que podia firmá. Ma cma jal morrê, el levá quel segrede ma el pa cova e paz a sê Alma!... Quê na hora de escrevê quel carta el pô:

- Caro amigo,.... Podia ter a bondade de me enviar “ 1 0 2 macacos “ em vez de 1 ou 2 macaccos, o que tava fazê um erre de “cento e dôs macóc”.Um verdader chatice!!!

Quê, sem sombra dum dúveda, cma macóc tava ta vendê bem na borde de paquete na época, Capton Jesuino, quinze dia depôs tchegá na Baía de Porte Grande carregode de sês 102 (cente e dôs macóc) moda foi pedide na carta.

Foi log um afronta, Captania mandá tchemá Nhô Studante que dzê log cma el tinha pedide era 1 (um) ô 2 (dôs) e não 102 (cente e dôs) macóc. Smeme assim foi recuperode uns 20 (vinte) ma quês otes foi tude mandode pa trás pa Tarrafal de Santiago de Cab Verd, dondê quês bem.

Foi um êrre que cstá core! Ma Manin Estrela, sempre firmá cma el tinha escrite “1 (um) ou 2 (dois) macacos” e não 102 (cente e dôs). Ma, cma copia de carta ca tinha pa prova, ninguém pude prová VERDADE e REX trazê tude quês 102 MACÓC que durante dôs dia e dôs note, intchi Baía d’Ilha de Monte Cara de GRITE ma GUINTCHE de MACÓC, ta esperá sês dia de volta.

Zizim Figueira ( José Figueira,Júnior)

 

Comentário:

Sr.Zizim, Nosso caro amigo, a mãe e eu acabamos de ler esta sua curtinha mas deliciosa estória que tanto nos fez rir só de imaginar o panorama do 102 macacos a borde do navio Rex do capitão Jesuino pessoa simpática que os meus pais bem conheciam por o meu pai ser do Maio. Olha que essa do Manin Estrela está mesmo delirante e boa. E ainda estamos a rir. Com os diabos foram tantos macacos mesmo hum! Continuação de boa saude e um bom domingo. Abraço familiar Gilda

Gilda Barbosa Leite                    gildableite@gmail.com


Comentário:

Dear brother Zizim, Bom dia por lá! Nós por cá estamos seguindo o campeonato de rugby que na nossa terra se chama"jogue de carnirim" que etá se passando no país vizinho da New-Zeland. Mas isso não nos impediu para fazer a nossa pausa e ler essa estória que como sempre nos traz aquele calor da terra de que tanto necessitamos nessa terra-longe. Conhecia bem essa dos 102 macacos mas não me lembrava dos detalhes e graças a tau memória e o descriptivo pitoresco do quadro me senti na Rua de Moeda, participando em tudo especialmente no rir doido cheio daquele humor bem nosso com a chegada de tantos macacos nas terras de São Vicente. Está mesmo excelente essa sturinha. Dia feliz e um abraço da malta cá de Sidney-Austrália. Terencio


Terencio Lopes                       terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Como sempre fantástico as suas crónicas. O que estranho é que crioulo quando não se está treinado a lê-lo a gente tem de ir devagar, mas depois no fim compreende-se tudo e se observa agradávelmente uma espécie de uma grande satisfação compensaçadora. Adorei a estória e fartei-me de rir. Já fiz cópias para meus vzinhos que não teem computador mas as adoram. Abraço JJ

Jose Cabral                        jjcabra12000@yahoo.com.br


Comentário:

Uma estória forte agradável e que me fez rir ás bandeiras despregadas. Caramba, um erro que quasi ia deixando a minha Ilha de Santiago sem macacos. Essas coisas só acontecem naquela terrinha sabe de São Vicente. Obrigado por mais esta que adorei como sempre. Abraço fraterno Silvia

Silvia Amado                    silamado@hotmail.com


Comentário:

Só não pode apreciar essas estórias as pessoas que até hoje não atingiram o seio daquele humor fantástico bem Mindelense São Vicentino. Ainda estou a rir dessa do erro do Manim Estrela que eu não acredito. Pois Manim "busode" era bem capaz de o ter feito de prepósito, conhecendo bem o personagem. Só de pensar no panico que aquilo deve ter causado já faz rir. Força amigo. A malta manda mantenha. Alberto

Alberto Livramento             albertolivramento@live.com


Comentário:

Zizim esss storia ta contod sebim moda mnino de soncente tem cstume d'contas, ma uvid stroia d'Manin Strela, moda el era buzod, gente t'oia log quel fazel mesmo p'abuso so pa oia quel abol na tchon d'soncente. Um abraço bem grande, força e coraja pa bo fca sempre ta encanta gente d'bos storia. Jorge d'Xanda.

                     35619 capry5@hotmail.fr


Comentário:

Caro (irmao das comunidades), Apos uma estadia de 3 meses, - na nôs tirrinha natal -, cà estou de volta, para continuar a desfrutar o prazer das tuas estorias . (Nhô Fraguinha) mà esse erre d'escrita que c'ustà mute côre e que sô Manin Estrela ê que tava ao corrente, é simplesmente extraordiràrio. Mà o que màs tâ impressionô-me ê bô lembrânça de tudo esse (personagens) que tâ fazê parte desse estoria. Manin Estrela,- normal- M'nine Pirù ( estrônhe ), Capenga (vendedôr de lotaria) etc, BO TEM UM MEMORIA DE ( LAGRANCETA ). Pos mais de 50 anos e manter uma memoria desta natureza, escrevendo estorias tradicionais do nosso (Sao Vicente) é de TIRAR O CHAPEU !... Continua sempre, irmao das comunidades !. Aquele abraço do irmao das nossas comunidades!... (Um criol na frânça) ;Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Esse ê daquês sturinha de boça que ta batê record de plateia.M ta certe cma quel cosa de Manim Extrela foi prop goze dseu, mufine moda el era. Mi jam arri pafronta e inda nô ta tude li t'arri ma nhas compade na volta dum arroz c'atum c'malagueta e um vinzin pa cabá de ftchá imbiente. Ubrigada nh'irmon pa ês storia de nôs terra que ta intchin coraçon tude fim de semana. Quel braça dali de Cova da Moura de bô amigue de sempre Toi de Ti Tchutche de Mã Jona.


Antonio B. de Pina                 toipina@netcabo.pt


Comentário:

Caro Sr Zizim, Uma estória simplesmente admirável e a morrer de rir. A mãe Bia manda felicitá-lo pela sua boa memória trazendo á superficie sãovicentina todos esses personagens que ela bem conheceu. A estória está muito bem elaborada num crioulo bem castiço e quasi perfeito. Saúde sempre e um forte abraço nosso Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca@gamil.com


Comentário:

Que mais dizer nha broda Zizim, senão que contigo não temos tempo de parar de rir e passar um bom momento de fim de semana sob a exposição deste humor bem Mindelense-São Vicentino. Graças a ti consegui fazer reviver na minha memória não só o ambiente pitoresco muito bem descrito como também todos esses personagens dos meus/nossos afectos. Rijo abraço Griga

Gregório Ramos                grigaramos@hotmail.com

V O L T A R