SOC DE CATCHUPA

Assim dia 3 d’Agoste de 1959 foi recibide quel triste noticia na terra de Cab Verd daquel massacre que tropa português fazeba contra Valentes de Pindjiguiti na Guiné-Bissau, sem dô nem piedade, cosa que tcheu cab-verdiane sistiba na tude realidade c’dente marrode na quexada e làgrima na oie, sem podê fazê nada pa quel pove irmon

Dês de tempe de “Caniquinha”, quaz ca tive mute mnine de nôs terra que cunsigui escapá daquel colde de catchupa c’bobra plode pa cumeçá e, depôs qu’idade ta bai t’entrá na corpe, passá a um ote velocidade e podê cmel c’ingron e tude otes ingridiente.

Pa lembrança, lá na casa ondê que nha mãe Bia criá tonte mnine, quês ma piqnin, tava detode ês na ragoce puste quel babete deboxe de pescoce pa ca sujá ropa, quês ma grande também, ma sentode e, enton tava pintchode gente el na cadera, as vez qu’um csinha de lete coiode, cosa que nô tava gostá tonte, basta era cmê lembê bic e na caneca ca tava fecá nem flaça.

E, foi assim que nôs tude daquel tempe depôs de ter mamode lete de nôs mãe, num época que ca tinha lete em pô “Dutch Baby” e otes cosa fabricode moda hoje me dia, nô foi criode na ritme daquel cantinguinha que tê hoje feca’m n’uvide de:

- Quem tem sê mnine gurdin, detal na paia de midje, cobril de pega saia...

O certe, ê que nôs tude, num espece de seleçon natural, nô dá home m’amdjer na força de nôs catchupa c’cavala e sês colde.

Catchupa, assim cma tcheu d’otes cosa sempre fazê parte de nôs cultura e na época, jal tava fazê também tude diferença, entre nôs fidje de Cab Verd ma português que tava bem de Lisboa-Portugal c’aquel mentalidade colonial, ta dzê’n cma Catchupa era cmida de cavole, n’insurra, já pa tentá diminui’n.

Enton, ês manera d’seus de querê considero’n inferior, foi sempre motive de mil e um chatisse, tonte na terra cma na Diáspora. E, exemple pa tistemunha ê cosa que ca ta faltá moda:

- Quel guerrona na Praça Nova na hora de saída de Cinema Eden Park, que fecá na história, em que Batcha porter, filme quaz ta cabá, bem ta gritá pove pas bai quê era nôs contra ês. Enton foi batatada de meia-note que nunca más tava cabá, de malta contra quês maruje busode de vapor de guerra LIMA. O que dá lugar a prison dum data de fidje de Soncente que fecá revoltode e dês daquel dia maruje de vapor de guerra vrá ta fazê ronda armode, pa tude banda de rua na Mindelo.

Cosinha dês li, tive tcheu na terra e depôs imbiente bem vrá prop mafe, quê aquês maruje de LIMA pa provocaçon, num jogue de Campionate de Cab Verd entre Sporting de Praia X Mindlense, entrá na Compe de Football antes de jogue cumeçá, cum bandera de propaganda scrite LIMA SAÚDA PRAIA, num tentativa ô pa dividi’n ô enton p’oiá se pove de Soncente tava reagi pas podia carregá parriba de nôs. Ma ninguém ca descosê e ês tê ê que fecá suje.

Ma conte vai atrás, quê ignorança naquel tempe ca tinha limite e tude podia ser diferente se tava tratode gente c’consideraçon.

Basta ‘m ta lembrá um vez que fidje de Dona Maria do Rosário (alfacinha-binde de Lisboa frisquinha) embora más bedje queris lombá um amigue d’infância d’nossa por nome de Jaime de Nha Luzia. Enton Jaime, más nove e ma piqnin, intchi de coraja log pintchá quel boys uns dôs gron de soc de “catchupa” na costela dá betal na tchon.

Dona Maria, quonde sê fidje tchegá perte dela tude escavacode, ela riagi log chei de raiba e ba ta dzel gritode pa Jaime e tude gente uvida:

- “Ó Eurico, já te tinha dito para não brincares com esses pretinhos, pois eles sô comem Cachupa que é comida de cavalo, por isso, são fortes assim”!!!

Jaime, mei gogue, zarode daquel expressar desaforode de Dona Maria, bai ta corrê pa casa ba dzê sê mãe. Enton, Nha Luzia, rafilona, que ca tava “mejá na nheme”, nem leva abuze de criston, ba log qu’um raiba de matá, ter de Dona Maria, ba dzel p’ela dexaba de trivimente, quê graças a Deus na sê casa, sês fidje ca tava cmê sô Catchupa.

E p’ela espiaba bem côr de sê fîdje Eurico qu’era mas escure que Jaime e p’ela fecaba ta sabê cma nem catchupa qu’era cmida d’Deus, nem pritura de sê fidje de parte de sê pai té hoje ca tinha ês betode de cama pla graça de Deus c’certeza.

E Nha Luzia, inda crescental quel culcincinha de favor qu’ela ba ta dzel, gritode pa tude gente uvi, cma na nôs terra gente brónc era quem tivesse dnher.

De certeza, ô no crê ô nô ca crê, desde que Cab Verd ê Cab Verd, exe diferença já tava ixisti, entre nôs e aquês que beba pa mandá. Pamode nôs linga, nôs manera ma custume de vivê que vrá ta fazê parte de nôs prop Cultura que pove de Cab Verd criá el mesme.

Ma, pamode regime de ditadura salazarista, ma repesson, nô tive tchéu tempe, t’ingli pexe pa robe, tê quonde, bem depôs, quês araja fresc de fim d’ones cinquenta que cumeçá n’ar de tempe ta bem de longe p’activá consciença de pove que c’certeza já tinha el diazá ta trabial na sê consciença prop de pove oprimide.

Naquel tempe, já alvicera na trublaçon daquês Muvimente de Libertaçon na Munde Inter: - África / Ásia / Merca Latina etc., tava ta bem ta tchegá de tude banda e nôs Cab Verd, pamode sê posiçon que Deus pol na Munde, ca podia fecaba fora mitida.

Assim nuticia, direte ô clandistine já tava tchegá na terra sobre, muvimente na Angola, d’Agostinho Neto ma Holden Roberto (1961), na Ghana, de Kuame Nkrumah (1957), na Tanzania d’Jules Nyerere (1962), ô na Quénia d’Jomo Kenyata (1963) e de tude quês ote país d’África Ocidental que já tava estode ta fervê.

Assim dia 3 d’Agoste de 1959 foi recibide quel triste noticia na terra de Cab Verd daquel massacre que tropa português fazeba contra Valentes de Pindjiguiti na Guiné-Bissau, sem dô nem piedade, cosa que tcheu cab-verdiane sistiba na tude realidade c’dente marrode na quexada e làgrima na oie, sem podê fazê nada pa quel pove irmon.

Dês stora, bem sei log muvimente de tropa português pa tude banda de colonias. Na Soncente tchegaba uns pa cumpainha de caçador, pa qortel de Praça Nova, Jon Ribere, Morre Bronc e um data de maruje de borde daquel vapor de guerra Vouga que fecá tracode na Cais Costavel de Porte Grande durante uns tempe ma depôs el foi substituide pa ote tchmode Lima que tchegá de fazê gente de Soncente tcheu miséria.

Na mei de tude exe contecimente, malta que já tinha tide uns contacte, rancaba c’aquel primer grande manifestaçon (politica) d’alunes de Liceu Gil Eanes, ta desfilá pa rua de Mindelo cum grite sô na garganta de “FORA SEMENTE…VIVA QUIRINO!!! Ora, Semente de Manga na época, era um reitor intrine sem personalidade, que parceba lá pa Liceu Gil Eanes, por nome d’Antero Simões e que malta ca queria sabê del, pamode el qu’era comissario de Mocidade Portuguesa e agente de PIDE.

Também, lá pa Olte de Nhô Lêle, perte daquês quarte anexe d’Hotel Chave D’Ouro, ondê que tava morá uns PIDE, que tinha tchegode fresc binde de Lisboa-Portugal pa nôs terra, “ês” popa ês bomba, ma más pa intimidaçon, quê ninguém ca foi fride. Ma depôs pa boca de pove, foi dzide cma ês ê que popa sês bomba ês mesme, pa justficá prisença dês ma tropa na tchon Cab Verd. E assim foi, quê depôs tude Ilhas passá ta tem tropa.

Nôs grande orquesta, “Voz de Cabo Verde”, constituide, pa Luiz Morais (Deus dal céu), Morgadin, Toi de Dudu, Franck Cavaquim, Jon Da Lomba, Djusinha etc., que fazeba sê primer grande exibiçon na dia 1 (um) de Janer de 1968, na Hotel Porto Grande de Soncente e três mês depôs na Capital, Cidade da Praia na Ilha de Santiago de Cab Verde, ondê que tude foi um sucesse e tive também grande impacte na tmada de consciença de pove pa unidade na luta p’Independência de Cab Verd.

Ês ê daquês cosa, que tcheu malta de nova geraçon ca vivê, ma nô tem que contás pês fecá ta sabê, cma era um época bem dificil, quê nôs terra tava completamente invadide, pa tropa d’ocupaçon e, ês mesme, ma pide, sô que sês presença, sirviba pa consciensalizá pove.

C’tude ês situaçon, imbiente na nôs terra de Soncente-Cab Verd cumeçá ta vrâ prop pesode pa tude gente inda por cima pa cabá d’infêtá lugar, ês cumeçá pa abuse de força de poder ta mexen c’nôs Criolinha.

Assim, um dia ô ote, cosa tinha que rebentá e assim foi motive daquel guerra na Praça Nova na saída de Cinema Éden Park e bem otes guirrinha que tive pa defendê honra de nôs terra ma de nôs Criola, quê ês pensá cma terra era d’seus. Ma também, naquês dia lassim ês cmê bons soc de catchupa.

Basta dês dess dia, ca fui nem mistide explicá ninguém nada, quê pove (num aspecte conjuntural), tmá conta de sê cidade e ês vrá ta lombá tuga, bem lombode, tê que fazês recuá pa sês quortel ma pa cais costavel e obrigás passá ta fazê ronda.

Pamode tude exe muvimente, pove, ba ta tmá consciença devagarin de situaçon e sinti cma nôs ma ês, n’era mesma cosa.

Pior inda ê que na dia siguinte, quonde maruje de vapor de guerra Lima saí pa rua de Soncente ta fazé ronda armode, cosa foi mandode pará, pa Sr.Augusto Miranda (grande sumidade fidje de terra), que na época era Juiz na Comarca de Barlavente na Soncente, home mute respeitode de tude gente, juntode ma nôs grande admistrador Rendal que também brazá que defendê sê pove verdiane.

Pamode stora de “Soc de Catchupa”foi prindide um monzada de gente fidje de terra, basta Staçon de Pliça intchi de gente e lista era tão grande qu’um ca ta nem podê pôs tude li na papel. Tchéu dês levá na cara de mon de pliça português, sem podê dá também.

Tristeza, foi grande e geral na terra, ma lá ê que Loreta bem sentá tuga pele, quê foi da lá pa diante que tcheu verdiane, cumeçá ta fuji e ta cambá, Guiné Conackry, pa bass entrá na fila de combatente, junte de nôs Lider que ta merecê tude respeite AMILCAR CABRAL.

As vez ca mistide mute cosa pa pintchá um pove pa revolta... Pa nôs foi sempre quel “Soc de Catchupa” ê que mostro’n nôs diferença e o que tê hoje fazê sempre nôs FORÇA!!!

Zizim Figuera (José Figueira, jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Meu amigo Z.Fig´s. Saúde sempre e muito boa disposição. De volta da minha ilha onde passei as férias, quero enviar-te um grande abraço e o carinho de sempre. Não interpretes mal qualquer interrégono na nossa comunicação, já que nada tem a ver com a amizade que nutro por ti. Quando inicio o ano lectivo,fica tudo mais complicado, pois fico a correr de um lado para o outro, só tendo acesso à net durante a noite, e quando não há luz tudo vai por água abaixo. As estórias, continuam a ser o meu bálsamo. O tema desta está muito bem escolhido porque realmente foi assim a nossa vida para que os nossos jovens que não conheceram fiquem sabendo. O texto está muito bem elaborado. Gostei e muito obrigada. Um abraço Deolinda

Deolina Silva                    deosilva@yahoo.com.br


Comentário:

Cher frère, Deus te protegerá de maus olhados e inveja alheia para continuares a produzir ês sturinha tan sabim. Eu fui criado na modje de Saninclau, talisca, farinha de pau e tude casta de fruta na Tantchon e nunca tomei nenhuma vacina nem antibiótico que não existiam para gente das ilhas, criado rije que nem aço. A selecção natural fazia-se naturalmente e os meninos mais fraquinhos iam para os anjinhos. Os que ficaram, como nós, só atropelados é que morriam. Um abraço. Arsénio

Arsénio de Pina                    arseniopina@hotmail.com


Comentário:

Caro Djô Figueira, O que admiro em ti é que tens cada ideia e uma memória fantástica pelo que te felicito. Olha que essa de "colde de catchupa c'bobra ptode leite coiode"era das coisas que mais gostava mesmo depois de adolescente e ainda se eu encontrar eu como. A estória em si tem sumo e é uma boa lição para certos que nada conheceram da nossa vida e das nossas lutas. Bravo! Continua meu caro. Rijo abraço Armindo

Armindo Lobo                  armindolobo@msn.com


Comentário:


Caro irmao ," da nossa comunidade ", hoje tu nos trouxestes vàrias estorias, todas elas com o seu contiùdo de caracter tradicinal e que na verdade, merece leitura, com calma e ao mesmo tempo revivendo aqueles momentos inesqueciveis e que jà nao voltam mais. Entre elas, gostei desta (d'soc -de -catchupa), quel guerrona na praça nova, frente porta d'Eden Park, em que o nosso inesquecivel Jaime de Nha Luzia saiù vencedor do (alfacinha binde Lisboa . O nosso amigo Jaime, neste momento, com a memoria bastante gastada, Ainda recentemente aquando a minha estadia no (nosso Sao cente) , vàrias vezes passei em frente du sua casa, que naltura, era uma bela vivenda, hoje abandonada, sem portas e sem janelas à mercê dos " squatores... pois hoje isso existe, em Sao Vicente. So ver os grandes prédios que foram construidos ao lado daquela casa, para se compreender, que falta alguém dos herdeiros, para se ocupar duma vivenda, que nos anos 50, 60, embelezava aquela zona do Mindêlo. E so visto a diferênça ,-em termos de construçao- , para constatar a mudança do nosso Mindêlo, como cidade!... Assim vai o mundo, assim vai o nosso pais. Mais uma vez obrigado, -irmao das nossas comunidades-ter trazido mais estorias do (nosso Mindêlo) fazendo-nos reviver alqueles bons momentos, que como jà disse, jà nao voltam mais. Desejo de um bom fim de semana e boa inspiraçao para a proxima estoria. Aquele abraço d'um Criol na Frânça !..Morgadinho.

Joaquim ALMEIDA               soalmeida@free.fr


Comentário:

Carissimo Sr Zizim, Esta estória de hoje é mais uma lição para mim e graças a si lá vou reconstituindo o puzzle da história da minha terra São Vicente de Cabo Verde onde nasci, mas não tive o privilégio de viver tanta coisa aí vivida. Para mim a nossa Ilha tornou-se um "Ícone ou Legenda". Digo isso porque muitos dos nossos amigos dizem que as suas estórias são autenticas mas que aquilo mudou muito em vários contextos. De toda maneira pouco me importa porque lá é que é e será sempre a nossa terra que como diz a mimnha mãe "quê lá ê que no tem nos umbigo interrode". Achei muito gira esta expressão e aprovei. Adorei a estória que li do principio ao fim com muta paixão. Bom domingo e saudades de todos cá de casa e da nossa vezinhança. Abraço Gilda

Gilda Barbosa Leite                      gildableite@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Bom dia! Olha tenho estado a acompanhar este campionato mundial de rugby porque apostei numa final Nova-Zelandia contra ou França ou Africa do Sul. Valeu a pena apostar, pois mesmo o prémio de consolação é interessante. A ver vamos. Mas nos fins de semana passo a estoria no print e aproveito nas horas minguadas para lê-las. Esta está muito bem elaborada com um cunho de lição que acho bem para os mais novos. Recodar é viver! Sobre a da semana passada dos 102 macacos um rapaz amigo de São Nicolau veio me perguntar ainda hoje se a estória era "DVERA"? Disse-lhe que sim e tornei a lê-la para ele. Meu Deus pensei que ele morrendo de tanto rir. Como vês as sturinhas da nossa terra continuam fazendo efeito. Bom fim de domingo e uma boa semana com muita saúde para todos nós. Braça Terencio

Terencio Lopes                         terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim Figuera, com atenção de sempre `m lê más um estória de bossa e sempre tão bem estruturode. Lembrá-me comentárie de Manuel Delgade na semana passada - e se naques ote ilha tivesse também otes Zizim? Realmente é um manera sempre interessante pa jovens inteirá de nôs passode. Sim, nesse bô estória, sempre pedagógica, como tude ques ote, bô ta mostrá como o que tava acontecé na Mindele, situações espontâneas ou não), tava bem interligode ma acontecimente de munde daquele període. Obrigada e BRAÇA

Maria Magarida Alfama Fragoso               maguyalfamafragoso@gamil.com


Comentário:

Z.Figueira, Como te disse da ultima vez, não estou muito treinado a ler o crioulo, por isso o faço devagarinho para poder compreender e relembrar expressões que esta diaspora roubou-me. Depois tiro uma grande satisfação de ter lido todo o texto que acho muito bem estructurado tendo em conclusão compreendido tudo sem problema. Vou até te dizer mais, pois fui "criode" a caldo de cachupa e sobrevivi sempre forte como um touro. Bem hajas amigo! Forte abraço Miguel

Miguel Costa                   miguelcosta@tellefort.nl


Comentário:

Sr Z.Figueira, Sou da Ilha do Maio adoro as suas crónicas. Pois consigo lê-las normalmente compreendo bem o conteúdo delas que são todas maravilhosas. Continuo compilando-as há já algum tempo. Gostei imenso da semana passada em que falou do meu tio Jesuino e o problema dos 102 macacos. Esta foi de morrer de rir. Continue nos dando dessas coisas boas que sabemos apreciar. Um abraço Helder

Helder de Brito                 helderbrito@hotmail.com


Comentário:

Zé, Esta de hoje esta mesmo boa para uma lição aos mais jovens. Ja fiz varias copias para que eles as possam guardar. Continuamos a proceder com a leitura colectiva e já menino aqui em Orlando que nasceu cá mas graças aos teus textos já leem, escrevem e falam o crioulo de S.Vicente sem problema. Que a Força seja contigo meu irmãozinho. Um beijinho carinhoso Yo

Yolanda Dias                    yoldias@aol.com


Comentário:

Um sturinha daquês que malta ta gostá! Ess ta prop bunzim. Nô tita ba lel la na casa de Nhenga quê no ta cuvdode num catchupada. Depos um ta mandá dzebe. Mantenha de malta que já ta c'graça de bô bem. Quel braça Guey

Miguel M.Monteiro             mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Como sempre muitos parabéns por mais esta interessante crónica . Hoje em dia os portugueses passaram a gostar da nossa cachupa e a brincar costumo dizer ás amigas portuguesas que não fui desmamada a batata mas sim a cachupa que tem força. Muita saúde e boa disposição para continuar nos brindando todas as semanas com as suas /nossas crónicas . Um abraço , Gaby

Gabriela Amado Silva                gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Gostei Zizim abraço

Jose F. Lopes                     jflopes@ua.pt


Comentário:

Zizim, Formidavel!!! Bô storia ta mute bem escrite como sempre, e um documento vive de tempes de PIDE ma tropa na Soncente,,,,na regime de Ditatura. Mi era mais nove, e não mute politica, ma me sabia tudo que tava acontece , pamode bô sabê, nha Pai era um revolucionário contra ques gente de PIDE,e el queria tonte sê terra livre! El ca tinha mede dês ,,,,e nha irmon Donald foi daques que da tcheu magala de soc de " catchupa",,,Don se cafe de pulmanha era sempre cathcupa guisode... Uns dois ves al ba pa cadeia,,pamode da soldadim de soc pamode sês trevimente. Enton, mim m cria na casa onde nô ta uvi e fala dês abuse de Mondrongue na nos terra. Por isso esse storia de bossa cai me sabe. E ê um tempe que tem que ser preservode na nos Historia, e que ninguem ca ta fala dele. A parte de tudo,,, ja bo fazem ri, quês expresson de criol que diaza m ca tinha uvide... Oh sodade !! aquele cantiguinha de " deta bô fidje na paia de midge cubril que pega saia...." ês tava canta'm el! Bo tem tude se letra?? Basta da'm tê repiu ...quonde um alêl, pamode dez quonde na munde m ca tinha el uvide. Parabens querido amigo por mais esse conto, parte da nossa Historia, e de tantas lembranças. Adorei. Beijinhos Ju


Judith Wahnon            juwahnon@aol.com

V O L T A R