ABSURDE CA TA ESPLICODE - ONES 1950 / 1960

Sóbede pa dmingue datarde, dôs semana antes de primer campionate de caça submarina que tava ta ba ser na mês julhe de 1958 na Calhau de Soncente Cab Verd, malta tinha bode paquês banda de costa leste de nôs Ilha, fazê quês últime mergui de preparaçon.

Cma lorgue de Calhau tinha de ser popode pa quel competiçon, enton dia dmingue plumahã, nô rumá pa Costa que dôs bote, direçon Ponta de Viana (área de Vulcão) camin de Saragaça, guiode pa nôs amigue Mone Lela de Baía das Gatas ma Ti Jon d’Alcanja que Julin de Siminhas tinha dode fala de vespra, dôs pescador d’experiença conhecedor de mar daquês banda de pra lá.

Na cada bote c’sês patron e remador, nô tinha formode dôs equipe distribuide, um c’nôs July de Siminhas, Djibla, Borja ma Jurgin, ote c’mi, Edgar Sousa, Manecas ma Zeca Matos e Claudio.

Condiçon de merguiá quel dia tava super, sol quente mar moda azete cum visiblidade na funde duns trinta metre. Assim, na força de juventude no rancá quel dia chei de coraja e boa vontade que ideia de proveital d’amdjor manera que nô pudesse.

Quês patron de bote, pescador de costa d’Ilha de Soncente, ta tinha sês pesquer tude marcode de terra dês de Jon d’Ebra tê ponta de Palha Carga, pa ês de Salamansa ma Calhau e da lá de Palha Carga pa Sul já era área de pesca de gente de S.Pedre moda Jack Camila ma sê fidje Martin, Ti Pole ma cumpade Dmingue de Padjon num espace quês tude tava respeitá, menes Dserta qu’era aberte pa tude gente.

Nôs, mergulhador sportiv, nô tava fazê parte de A.M.A.S. (Associação Mindelenses de Actividades Submarinas) que tinha side fundode na 1957 e que durá quate one.

Enton, nôs mergui cumeçá naquel bom dia dmingue plumanhã, c’nôs malta espaiode pa grupe de cinque, uns ta fazê cuidode na otes, c’aquês bote sempre ta cumpanho’n ta bai incostode naquel Costa dês de ponta de Viana, ta bai ta dexi pa Saragaça c’nôs na mar ta merguiá ta bai ta panhá pexe ta betá na bote.

Quonde nô entrá dentre de baía de Saragaça na direçon de rastadurin de Ti Manel de Matos, nôs de grupe de bote de Mone Lela, nô cunsigui, sebi naquês rutchinha que já nô tava conchê pa descança. Assim quel bote de nôs grupe, pude bai directe pa rastador.

Ma, mar ca brincadera e mesme quonde tude cosa ta parcê cool, ê precise estode sempre c’oie vive na melon e fazê atençon. E, bsote bem oiá o qu’um tita bem firmá bsote li sobre um drama que escapá de custá vida a um de nôs amigue quel dia lassim, num fracçon de sigunde. Pa nôs, tude ok! Ma, naquel grupel de Ti Jon D’Alcanja, tude cosa também tava ta parcê ta bai dritim, já c’alguns malta ta sigui quel mesme camin que nôs tude tava conchê pa sei na praia.

Derapente, nôs amigue July de Siminhas que divia ter destraide ta sigui algum pexe, fastá uns metre de linha de mergui e enton, el fui panhode pa um currente prop forte, lá na pê de tchon daquel praia de mar de Saragaça e el pô ta nadá ta tentá vencê currente ta tchemá malta, quê moda el contá depôs era nadá, nadá c’funde de mar bodzê sempre ta fejil deboxe de pê.

Nôs tude lá ta sisti quel cena, sem podê fazê nada, quê já no tava longe, tude na praia e cabá quel bote de Ti Jon D’Alcanja tava sempre active deriba dês, ta sigui sês grupe. Ma currente tava prop forte e July a rasca sem malta da lá de longe ta podê midi pese daquel situaçon, quê tude cosa foi rapte.

Enton, foi lá que experiença daquel “Vei Lobe de Mar” de Ti Jon d’Alcanja actuá e, el pô ta gritá July de Siminhas pal ca nadaba contra quel currente de portin, quel tava conchê e pal dexaba corpe bai moda currente queria, pal ca cansaba, quê senon el tava fogá. E assim foi felizmente, quê nôs July comprendê mensaja, gordá sê sangue friu e dexá corpe bai na currente tê ba sei na prainha deboxe, quaz um quilometre e mei más longe, num daquês prainha más bnite de Costa Leste de Soncente.

Inflizmente, quonde ‘m tive pra lá na ones oitenta/noventa, prainha já ca tava existi assim cma otes daquel Costa, pamode sês areia que foi panhode pa fazê casa na Calhau (triste e grave drama ecológic motivode pa nescidade e ignorância, quê sigunde lei geográfeca de regresson marinha um praia ta levá mas de cinquenta one pal torná criá).

Assim dês manera lissim, adeus quel Saragaça dum vez c’sês grande onda bronc ta desquebrá nem crina dum cavole a galope ta corrê desenfreode na praia c’tude sê romantisme.

No intante, nôs July de Siminhas lá cunsigui safá daquel situaçon graça a ideia de Ti Jon d’Alcanja e saí tude cansode nem um tchuck la na prainha, ondê quel dá fecá detode na tchon ta recuperá força.

Basta, nôs tude que tinha bode ta corrê já tava la ta esperal pa dal coraja e el, tude trapaiode, sustode, bai ta conto’n de padoce quel ventura, ta gaguejá, cmanera que tchon na funde de mar tava ta bai ta fejil deboxe de corpe cum velucidade que nunca el tinha oiode daquel lá.

Ma, pa nôs tude, o principal ê quel tava vive e sê primer atitude positive foi log ba braçá Ti Jon d’Alcanja t’agradecel. Assim, malta voltá tude feliz pa casa de Ti Manel de Matos na rastadurin, ondê que Cujinha sê amdjer tinha preparode pa rapte num lata de pitrol, usode cma panela, um bom arroz c’faba que nô cmê cum super escabexe de plombeta... E, nôs na mei daquel ligria sempre ta gozá c’July.

Dôs semana depôs, na mês de Julhe de 1958 foi fete Primer Campionate Iternacional de Caça Submarina na ága de Soncente - Cab Verd c’forte partcipaçon de Club (MED) Mediterranée chefiode pum tal Albert Foex que tê fazeba um Filme tchmode “La Route de l’Atlantide”, que nunca no tive ocasion d’oiá ma que devê estode arquivode nalgum parte de Munde.

Grande dia pa tude gente de Soncente e pa malta que tava diazá c’graça de midi força de merguiá e caçá, ma quel grupin de fanfarron de português ma fancês que tinha um material superior a nôs tude. E quês equipe foi fete assim:

Primer equipe: - Djibla, Borja e Jurgim Fonseca.

Segunde equipe: - Zizim Figuera, Edgar Sousa e Neta Freitas.

Tercer equipe: - (mixte portruguês/francês) Elisio Correia Ribeiro, Jean Louis Robin e Albert Foex.

Quarte equipe: - Miguel Pinto (Miguelona), Claudio Duarte e Orlando Victoria.


Cada bote c’sê fiscal, naquel plumnhã dum tempe e mar não mute famose mute agitode e c’vaga, o que motivá que tcheu daquês fiscal que ca tava custumode c’mar, tava mariode e enjuode ta passá mal, ma sempre corajose ta dá sês best.

Resultode foi bastante bom, cada um na sê tonte de material que cada grupe tinha. Equipe de Djibla, armode cum espingarda moderne de presson “Co2 Peletier”, ês cunsigui panhá sô bitchona (tubaron d’areia más cunchide pa Gata) e cma classficaçon era pa pese, ele Borja e Jurgin, fecaba na primer lugar. Nôs grupe, ô seja segunde equipe, fecaba na tercer lugar, ma nô tive um prême pamode nôs que panhaba más variadade de pexe na competiçon. Quel ote malta, tive um prême de consolaçon.

E, tude na fim coroode denote pa quel boie d’entrega de taça ma midalha, la na Club de Caça Submarina que tava fecá la trás de Liceu Gil Eanes, derriba de casa de Nha Gêgê Custurera, c’aquel malta fixe de custume.

Tempe bai ta passá, malta continuá sempre unide ta dá sês mergui c’cada vez más malta interessode na merguiá ta bem ta parcê e ta parteçipá ma nôs, tê que nô tchegaba de reuni um bom grupe c’ Rui Machado, Fernando Wahnon, Augusto Nolasco que foi nôs melhor merguiador na época, Pedro Santos, Jorge Pizim e más otes.

Depôs, grupe sofrê tcheu c’aquel partida ubrigode de malta pa tropa na Portugal na one de 1961. Ma smeme assim, nôs que fecá na terra, nô continuá nôs façanha de bai desafiá pexe na mar, tê que nô bem tive azar daquel grande desastre de merguiá na Tarrafal de Monte Trigo, Sul de San Anton na mês de junhe de 1962...

E li ê qu’um ta dzé cma: - ABSURDE CA TA ESPLICODE !!!

Depôs dum note bem passode, ta festejá más um one d’existença de nôs Associação Mindelense de Actividades Submarinas (A.M.A.S.). Nô cunsigui moda de custume, na mei de tude quel folia de juventude chei d’fluença, autorizaçon de Captania ma Cumpainha d’Ága Vascona que tinha um vapor que tava ta bai carregá d’ága na Tarrafal de Monte Trigo – San Anton pa Soncente, de bai cabá quel celebraçon c’uns mergui pra lá.

Assim, c’aquel bom grupe de malta decidide, nô tinha planeode dês que vapurin fundeá na Baía de Trrafal, de bai começá quês mergui dês de Ponta d’Tum (Ponta d’Atum) tê Baia de Poce Pau (nome dum lugar que foi dode pamode um Pirata e sê papagoie que foi incontrode séc morte de cêde, quaz perte dum nascente d’ága sem ês sabê...) na Sul de San Anton ta sebi pa praia Formosa, lugar ondê qu’incaiaba quel Liberty Ship por nome de John Smetsller cum moia de midje pantchera que salvá pove de fome, quê tcheu gente d’Ilha ba sentá banca pra durante uns one drete.

Madrugada, cada um c’sê destine traçode, imbarcá smeme assim c’aquel espece de festa, na Vapurim d’Aga, sob orda de Capton Julion, destine Tarrafal.

Cansode de festa, tude nôs tmode uns cleps, uns más qu’otes sem querê desculpá nôs cabeça. Auguste Nolasco que tinha tmode uns cleps a más bem tmode, na principe, tava num cantin ta curtil devagarin e nôs tude contente já c’ideia de ba passá um bom dia, ta contá já c’aquel morabeza de custume de Senhor Djê Ferro.

Pa viaja, tive um cosa que marco’n tcheu naquel dia, quê derapente quês moce moda Nolasco que tava num cantin ta curti sês grogue devagarin, cordá, e junte ma Pedro, Deus dás cêu, rancá num gritaria tê quaz nô tchegá na Tarrafal, sem pará, tude ta cantá cantiga d’Igreja ta brincá c’Sonte num verdader delire tê que Eurico Leça Ribeiro ma otes adulte que bai ma nôs, tchemás atençon, ma ês ca queris sabê e continuá c’aquel:

- Santa Tirizinha, orai por nobis!... Sempre ta repeti torná repeti mesme refran, moda num carrocel dvera dvera anormal.

E, quel cosa continuá tê nô tchegá na Baía de Tarrafal, sempre abrigode de vente mode quel rotcha (Covão) olte na cuntinuidade de Tope de Coroa, ondê que mar moda de custume tava calme bodzê dode d’azete.

Oite e meia de plumanhã c’tude malta preparode, nô cumeçá ta merguiá em grupe dentre de Baía de Tarrafal que nôs tude já tava conchê sem problema e bem. Enton, Auguste Nolasco c’Pedro ta companhal, fazê sê primer bom mergui de quaz uns trinta pa quorenta metre e arpoá um super inforcode (pexe pelàgic carrangide) que ta custumá parcê na Costa de nôs Ilhas entre Junhe e Novembre.

Ma cma pexe era forte demás, el reagi e Auguste tive que largá espingarda pa dexá pexe leval. E, pexe cma tava bem feride bai tê fecá la na funde detode c’arpon fincode ma espingarda, cosa que gente tava t’oiá bem quê mar tava prop clarin, uns quorenta e cinque metre de funde.

Foi lá que Auguste cometê quel erre fatal, que custá vida del ma sê cumpanher e amigue Pedro. Depôs que nôs tude grital pal largasse quel pexe ma quel espingarda da mon, quê lugar era dvera funde demás.

El ca queris uvi c’ninguém e rancá... e realmente el bai tê tchegá lá na funde, pa admiraçon de nôs tude, el panhá quel espingarda, ma na ora de sebi, nôs tude oiá cma el tava prop á rasca, ma nium de nôs ca tava podê tchegá na el, quê inda el tava bastante la pa funde. Foi um trapaiaçon e na bote nem um corda se tinha pa gente tentaba panhal, um verdader drama c’tude gente ta tentá, sem podê fazê nada de nada, bodzê se nô fecá tude bloqueode.

Ti Cai quel pescador que tava cumpanho’n sempre c’sê bote lamentá tcheu quê el dexaba quel corda de ricurse na terra. Era sô marral na cintura dum de nôs e dexi pa depôs ês puxo’n pa riba.

Nôs ta sebi de funde, quem que nô oiá ta dexi cum força que espantá tude nôs, Senhor Pedro(Bubista) que ca tinha mute tempe quel tinha cumeçode ta prendê merguiá. El dexi nem um verdader kamikaze e el cunsigui tchegá na Auguste que pegal log naquel estirada de morte e já ca largal.

Basta, ês dôs fecá la pegode já morte e inda por cima, na mei daquel confuson parcê um tubaron grandon que más de cinque metre, cosa que nunca nô tinha oiode na tude nôs vida de merguiá na quês Costa.

O certe ê que depôs daquel abole sigui um tristeza bem grande. No ribá tude pa Soncente ondê c’aquel triste noticia já tinha tchegode sem ês sabê quem era ê que tinha morride. Era um data de gente ta esperá nôs deriba de Cais. Depôs da lá foi bode pa Captania ma Capton Julion pa prestá declaraçon sobre quel acidente que passá na Baía de Tarrafal de Monte Trigo - San Anton. Tude quel pessoal de Direçon d’A.M.A.S. tava la triste e solidare, quê Captania c’ajuda de Shell decidi ba oiá se tê inda tava recuperode quês corpe.

E, mi Zizim ê quês escuí pa bass indicá quês merguiador de Shell, Jack de Pantacha ma Ti Mone d’SaNinclau, lugar ondê c’aquês dôs cumpanher e amigue de nossa tava na funde, lá na Baía de Tarrafal.

No dia siguinte, log cidin, nô bai na rabocador, Matiota de Shell pa Tarrafal e lá ‘m mostrá Jack de Pantcha ma Ti Mone lugar e, ês caí log na ága c’sês garrafa d’ar e mascra, ês bai justin lá ondê c’aquês moce fecaba de vespera moda nô dexás, ês panhás.

Nô voltá log pa Soncente, ondê que interre foi grandiose e moda voz de pove tchegá dzê cma daquel la ca tive igual tê hoje na tchon de Soncente, senon sende quel de Ti Manel de Matos... Tristeza, foi bem grande pa tude gente e sobretude de cumpanher pa cumpanher, pamode quel morte inesperode e ABSURDE!


Zizim Figuera (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Obi Primeru-Ministru ta diskursa na lingua kabuverdianu la na 66º Asenbleia-Jeral di Nasons Unidu! Obi-l lisin: ://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2011/09/discurso/ (ka bu skese po, na prinsipiu di link: h t t p)----§---- Nos lingua e ka pinton!

Pa vive nos lingua             nos_lingua@cvtelecom.cv


Comentário:

Zizim, Moda de cstume um Storia mute bem escrite num criol de Soncente suave que tude gente ta comprendê e em que bô ta relatá realidade de tude um vida vivide.´M ta lembrá moda se fosse hoje quel abole na Soncente sobre esse acidente da Caça Submarina na Tarrafal de Monte Trigo na Sintanton ondê que Pedro ma Guste Nolasc morreba. Depôs quel interre de nôs dôs amigue dum grande tristeza na Soncente. Ubrigada nha broda e bô tem razon quê RECORDA É VIVÊ pa nunca gente ca esquecê e passá mensaja pa más nove. Saúde e força sempre pa cuntinuá. Quel braça de bô amigue Claudio

Claudio Monteiro              claudiomonteiro@yahoo.com.br


Comentário:

Amigue "Pa vive nos linga", Presunçon e ága benta ê de graça n'Igreja e cada um ta temá du quel querê. Descurse na O.N.U. Ok! Ma em que variante? Criol de Sintanton, Santa-Luzia, S.Ninclau, Sal, Bubista, Maio, DjarFogo, DjaBraba SanTiago ô Soncente??? Já ê tempe de cabá quês stupidez e rivalidade regional ô bairristas e temá cosa prop a sério e não dês manera insultosa moda bô presental li inda más cobardemente sob pseudonme ta tentá tchemá cada um atençon moda se gente fosse ainda mnine de ESCOLA. Nôs luta ta cuntinuá tê dia que nôs RAZON for uvide e tchau!!!

Antonio B. de Pina             toipina22@clix.pt


Comentário:

Zé, Gostei imenso da maneira como relatasta a estória que me trouve montanhas de souvenirs de toda a nossa malta fixe. Os anos passaram mas nunca me esqueci do tal acontecimento. Mas devia ser assim que remédio senão seguir as coisas como elas devem ser. Um muito obrigado por estas lembranças que por vezes mesmo dolorosas fazem parte da nossa vida. Agora, não compreendi patavina sobre o que veio cá fazer esse tal gajo disfarçado em "pa vive nos linga". Mas um que não tem que fazer e que va o Diabo.Continua a tua magnifica obra que todos de apoiamos sem dar cavaco a esse tipo de gente anti- dialéctica. Forte abraço Silvino

Silvino Lima                     silvino.lima@hotmail.com


Comentário:

Força sempre Zizim, pa bô cuntinuá ta fazê gente lembrá de tude ês cosa. Bô escrita na nôs Linga Cab-Verdiana ta prop nice e um dia dês um tita bai discursá na O.N.U cum TEXTO escrite tude na Criol de Soncente e depôs Sintanton etc... Pás oiá cma Cabo Verde tem otes variante de linga. Bom dmingue e um braçona Ligia

Ligia Ribeiro                    ligiaribeiro@gmail.com


Comentário:

Caro Sr.Zizim, A sua estória está magnificamente bem escrita num crioulodeveras bastante castiço e que merece fazer objecto de reflexão pelo novo Sr.Primeiro Ministro da Cultura afim de sairmos deste marasmo antrpológico linguistico. Sou de uma nova geração por isso não me lembro do tal acidente, mas ouvi contar e deste facto faço sempre atenção com mar quando estou com meus filhos á volta. Obrigado por todas essas lições. Abraço Vanda

Vanda Teixeira                    vandateixeira@live.com


Comentário:

Dear Brother Zizim, Cá estou juntamente com a malta verdiana amiga de Sidney-Austrália a acabar de ler o texto para nossa comunidade. Hoje foi a minha filha de 14 anos é que procedeu á leitura na perfeição. Olha que os nossos filhos cá todos falam a nossa lingua e com as storias que lemos sagradamente todos os domingos há já 8 anos o progresso tem sido enorme. Essa estória é bem triste mas lembro-me perfeitamente de tudo. Obrigado por mais esta e até á próxima semana. Abraço de todos Terencio


Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro amigo e Sr.Zizim, A sua estória de hoje apesar de estar como sempre muito bem aparesentada numa escrita da nossa lingua que falo e leio perfeitamente, ma entristeceu muito no fim pelo facto vivido por si. O meu pai lá veio explicar-me tudo como sempre e graças a isso lá vou me compenetrando cada vez mais da nossa sociedade São Vicentina. Gostei como sempre pois as realidades da vida são feitas de más e bosa coisas. Há que positivar. Obrigado e bom domingo um abraço da familia e vizinhos Gilda

Gilda B. Leite                   gildabarbosaleite@gmail.com


Comentário:

Ó broda Pa Vive Nos Linga, MEI TOSTON CA TEM TROC!!!

Teodorico                     teodorico@gmail.com


Comentário:

É muito mais interessante ler Zizim Figueira que ouvir O PM a discursar em crioulo nas N. Unidas. Saber português é para qquer. europeu decente, ainda que portugês, motivo de troça, mas saber crioulo é motivo da minha alegria junto dos meus. Quem quiser que o aprenda é côsa sabi.

marcos                      marcos@hotmail.com


Comentário:

Caro irmao da "nossa comunidade" . Todos os fins de semana tu nos traz boas estorias ,do "nosso" Sao Vicente e isso so nos faz reviver aquele tempo ,que infelizmente,jà nao volta mais. Jà me encontrava fora da minha terra, mas lembro-me perfeitamente dessa tragédia a respeito do Augusto Nolasco,-pessoa que eu conhecia bem -e do seu amigo Pedro. So te digo, continua a escrever as tuas estorias, de maneira como as escreves, pois so assim elas serao lidas e apreciadas com aquele valôr tradiconal e sem modificaçoes na sua escrita de forma absurda, como nos querem impor. Aquele abraço e bom fim de semana. Um Criol na Frânça, Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr


Comentário:

Como vês" irmao ", a reaçao dos colunistas entre as tuas estorias, -tradicionalmente contadas - e o discurso ,em crioulo do nosso PM , na assembleia das naçoes unidas, se fez sentir ràpidamente. A diferênça,que existe, entre o discurso do Primeiro MInistro ,-em crioulo-e a tua estoria no seu crioulo tradicional , é porque ela é contada, com toda realidade e sem influências de interesse politico-partidàrio. Um irmao da comunidade. Um Criol na Frânça. Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr


Comentário:

Nha broda, maz un vez bô descrevê pedoces de bô memória c'quel mestria de sempre, ta encantá nôs tud. Como un já tem dzid, bô escrita em criol ê lida c'facilidade e escorreiteza pa quolquer mindelense. Ês cróneca ê rique de conteúdo (conhecimente de nôs praia degradode, de mar de nôs costa,de nôs espécie piscícola, de problema ambiental, etc) ma tambêm ta trazê lembrança dum episódie triste que enlutá Mindelo e em que inflesment bô foi protagonista directe. Quel braça pa bô.

Adriano Miranda Lima               amlima43@gmail.com


Comentário:

Zizim, Adoro ler as tuas estórias que são muito bem elaboradas num excelente crioulo de S.Vicente. Desculpa-me abrir um parentisis aí, mas esse tal P.M., Se é erudito de gema e homem de diálogo que faça em primeiro lugar uma sondagem de contacto directo em todas as Ilhas com o povo das Ilhas para que possa enfrentar as realidadesa das nossas variantes para que possa aprender não a nossa Lingua que existe desde os tempos em que já as cagarras esvoaçavam sobre as Ilhas de Cabo Verde mas sim um meio para que consigamos criar conjuntamente algo de concreto. Uma vez que somos todos cabo-verdianos vivendo sob a mesma cupola como os mesmos direitos e obrigações. Que não venha apenas seguir as pisadas do anterior ministro porque ele fez tudo errado e senão é chover no molhado. E nós não vamos aceitar.

Amilcar Castro amilcarcastro@aol.com


Comentário:

Bravíssimo, primo, belíssima estoria , com que pude reconstituir parte da minha vida em Soncente. Lembro-me, perfeitamente do drama dos dois atletas, que abalou toda a população da ilha. A propósito, tenho estado ausente, no Algarve, e só agora regressei. Peço a Deus que te tenha em boa forma e que continues a premiar-nos com as tuas bem contadas estórias. Aquele abraço, com muita amizade. Gui

Aguinaldo Wahnon guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Zizim, viveram bons tempos na vossa mocidade. Hoje os tempos são outros, mais televisão, drogas e álcool e menos convívio são. No mar os perigos do mar estão sempre presentes e o pessoal da nossa baía era muito destemido. Como se diz o mar e traiçoeiro. Historia bem contada.

Jose F Lopes                   jose.flopes@netcabo.pt


Comentário:

Amigo, Zizim Foi com emoção que li mais este teu texto, repleto de vivências daquele tempo. Felizmente a sabedoria daquele vosso companheiro deu uma boa orientação a Julim de Siminhas. Foi deveras um tempo excelente na vossa pesca submarina, que congregou muita rapaziada numa experiência única. Relembraste e bem aquele triste acontecimento. Lembro-me, como se fosse hoje do enterro e como todos nós ficamos tristes. Zizim, somos muitos que entendemos a relevância desse teu trabalho. Já não sabemos passar o domingo sem essa leitura que vem da tua pena. Continuamos à espera de mais. BRAÇA

Maguy                          maguyalfama@gmail.com


Comentário:

É um prazer continuar a ler-te e a aprender contigo, irmão Zizim. Abraço e saúde! Didinho

Fernando Casimiro (Didinho)              didinhocasimiro@gmail.com


Comentário:

Gostei de ver que um dos meus grandes nesta terrinha - Morgadinho - me soube compreender. A mi é badiu pé ratchadu, mas a minha cabo-verdianidade é de si ampla e ubíqua como bem dizia um certo poeta. Por isso delicio-me com tudo o que de bom possuímos

marcos               marcos@hotmail.com


Comentário:

Meu irmão querido, Quando comecei a ler esta última história cujo título não me sugeriu absolutamente nada, à medida que avançava na leitura, logo lembrei como sempre acontece quando se fala de mergulho, este episódio tão triste que abalou o povo inteiro do Mindêlo, sem ainda suspeitar do que se tratava da história. Finalmente cheguei ao ponto onde constatei que se tratava daquilo que recordei ao iniciar a leitura. Mal sabia eu que tivesses participado deste triste acidente que causou tristeza a todos sem exceção. Com não podia deixar de ser, ao final, arrancou-me as lágrimas, até porque foi um episódio que vivenciei, pois ainda estava lá na ocasião estudando no Liceu Gil Eanes e cheguei a conviver de perto com o Augusto Nolasco e o Dante Mariano pelo tanto que ambos viviam aprontando. Acredito que este episódio te marcou tanto pelo facto de só agora relatares a história da qual fizeste parte integrante. Desta vez não cabe dar-te parabens em respeito aos que se foram e apenas falo do sentimento que plantaste não só em mim, mas acredito que em todos que leram e recordaram aquela época.Termino apenas dizendo que apreciei muito. Tua mana Io

Iolanda Faustino                 iolandafaustino@yahoo.com.br


Comentário:

Prezados Compatriotas Cabo-Verdianos, Estou indignadíssimo com o discurso(regionalista) do JMN em badio de Santa Catarina na O.N.U. Este prepotente do JMN(PM),completamnete ultrapassado pelos acontecimentos ja oficializou o badio como a lingua caboverdiana, com o seu discurso histórico na O.N.U. Depois virão todos os documentos oficiais em badio? É a agenda badia/santacatarina em cheio. Já agora podem declarar até a sua própria independência no interior da Ilha de Santiago excluindo o resto da população da sua própria Ilha e todos nós das outras Ilhas. Porque para o CLAN deles enquanto os cães ladram a caravana passa. Utilizando o poder politico-partidário, eles se encontram organizados sempre com um espirito vingativo sem cabimento contra o povo e nós outros é cada um por si Deus por todos. Assim nao dá."Cab-Verdiane já cabá na nada!" Hoje nem Homens de "CULHÕES se temos nas terras de Cabo Verde. Onde é que para Jorge Carlos Fonseca nosso actual Presidente? Estará ainda de férias? Será que nós cabo-verdianos todos unidos não conseguimos organizar para manifestar contra mais esta atitude provocante vinda deste homem(JMN)que se encontra em plena decadência. Pois já é tempo que demissone Sr.PM para que cesse a sua prepotência e tudo poder entrar na ordem. José Figueira,Jr

José Figueira, Junior                 jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Caro Zizim, Todos Reconhecemos o teu valor nesta luta desigual para a salvaguarda da nossa identidade e do nosso crioulo, coisa que todos os outros das outras Ilhas devem fazer também e com veemência e decisão. Nós os Mindelenses costumávamos ser abertos humanos e solidarios e esse pequeno punhado bairrsita de badios de Santa Catarina passando por cima até dos seus próprios conterraneos estão a abusar. Hoje em dia e cada um por si e por isso que o JMN tem-nos feitos tanta miseria. Isto é uma mais uma vez uma atitude provocatória deliberada, sem consultar ninguém decidiu representar a lingua de Cabo Verde pelo dialecto de Santa Catarina. Onde é que para o Zona para lhe passar um raspanete. Pois Cabo Verde tem a sua Lingua mas com muitas variantes e é preciso respeitar isso. Porque senão é a agenda deles em marcha, enquanto nao rebentarem com tudo mais do que já fizeram não ficam satisfeitos. Ja exportaram violencia, droga e ma educação para todo Cabo Verde, secaram Mindelo, e agora querem exportar a lingua deles. Eles querem sufocar-nos. Thats enough... JA BASTA!!! Eu penso que é tempo de formar um partido autonomista declarar a autonomia e deixar os badios a falar entre eles! Acabou o tempo da conversa mansa. Enquanto nao fizermos isso eles nao tomarão Juizo. Abraço Fausto

Fausto Lima Pereira             faustolimapereira@gmail.com


Comentário:

Gostei que o criolo seja falado e escrito para todos entenderem, senon pa ke tanto cofuson nece Sontonton e sonjon revotiado. Pença pa ca pecá na dia de verdade ( de Santon A Brava) e mas quês ilha espoiode pess mundo fora...?

Anton Jon Manel.                girassol@cvtelecom.cv


Comentário:

Oi Zizim bom dia, un cabá de lê e que mute atenção esse documente de bossa "ABSURDE CA TA EXPLICÔDE" escrite c'tude permenor daquele situação rialmente inexplicavel, Zizim, aga bem pa oie sem un sinti, ô que momente triste que bocês passá. Um ta lembrá e bem dess grande abole que tmá conta de nôs li na Soncente. Inda por cima mi ma nha irma Maguy muite sabe nô passá naquês festinha fête c' AMIZADE entre malta e com tude respeite. Zizim, grinhassim imoção já tmá conta d'min. Zizim, nha amigue d'infância, um BRAÇA

Cralota Alfama de Menezes                carlotalfamenezes@gmail.com


Comentário:

Lisin fika klaru ma es gentis ka e kontra alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC), mas sin, kontra lingua kabuverdianu trokadu bairismu duentiu, alienason i anbison kolonial. ----§---- Asves, es ta xinti vergonha di fla ma es e kontra lingua kabuverdianu pabia es sabe ma maioria di Kabuverdianus kre ses lingua maternu txeu, nton, pa spiki, es ta fla ma es e kontra nos alfabetu pabia K ta da-s dor di odju. ----§---- Tudu patriota kabuverdianu sta orgulhozu ku faktu ki nos lingua ekoa na sala mas inpurtanti di mundu. ----§---- Nos Primeru-Ministru uza varianti ki el sabe, sima Zizim sta lisin ta uza varianti ki el sabe i ningen ka sa ta koba Zizim. ----§---- UNESCO ta defini lingua nasional komu konjuntu di variantis sen diskriminason (konferi: education in a multilingual world - UNESCO position paper, 2003). Es ki e definison kontenporaniu ki ta defende diversidadi kultural - un rikeza. ----§---- Tudu algen e livri di uza lingua kabuverdianu na varianti ki el kre. ----§---- Pa vive Primeru-Ministru di Kabu Verdi, Dr. José Maria Pereira Neves! ----§---- Nhos ka pode inpidi-nu uza nos lingua, nen di skrebe-l di forma lojiku. ----§---- Dja nhos ten un monti di anus ta ameasa ku autonomia/independensia, mas nhos ka ta konta: pesoas ki ta pensa sima nhos (PTS), na dia 6 di Fevereru di 2011, tevi 0,5% di votus. ----§---- UAPU!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera            marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Esse Marsianua Nha Ida, Que nos traduza tudo isto em crioulo de Santiago correcto escrito em alfabeto "Greco-Romano" que é o que todos nós aprendemos nos bancos das Escolas desde a nossa infância. Não precisa vir com termos bombásticos acusando os contras de serem contra a lingua cabo-verdiana,alienação, ambição colonial etc etc. Pois bem sabe que é mentira e faz isso só para lançar confusão uma vez que tudo isso já está cadudo e ultrapassado. Nós que lutamos pela nossa independencia e para um Cabo Verde melhor só queremos que haja um tratamento de igual para igual relativo a todos os cidadãos de todas as Ilhas de Cabo Verde e em todos os aspectos. Por isso Sr Marsianu, você que foi contra JMN durante as eleições, não venha aí passar-lhe graxa. E não gaste a sua saliva porque já todos o conhecemos.

Artur Santos                tuiasantos@yahoo.com.br


Comentário:

Sr. Zizim parabéns pelo texto! Eu li o texto até o fim. Tive de ler bem devagar, algumas palavras tive mais dificuldades na compreensão, mas isso não privou-me de continuar a leitura. Eu não sou de São Vicente, nunca morei la, nem tão pouco sei falar a variante de SV. Sou da ilha de Santiago, mas isso não me impede de conhecer estórias tão bonitas, embora esta muito triste, de outras ilhas só porque a variante da escrita é diferente da que eu falo ou escrevo. Está mais do que na hora de pararmos com este regionalismo barato que não nos leva a lugar nenhum!!! Se o sr. Zizim é de São Vicente, o mais lógico é escrever na variante que sabe. Acho rídiculo comentários do tipo do sr/a "Pa vive nos lingua". Cada kriolo/a que se expresse na variante que sabe e que domina!! mais uma vez meus parabéns sr. Zizim! Abraço Sophie

Sophie                      vicsophie@hotmail.com


Comentário:

Alo Zim carissimu, recebi es braça di sodadi y mais....... Força y muita saudi.

CreolinhaCV              creocv@otmail.com


Comentário:

Caro Zizim,Como sempre nos brindas com mais uma história para fechar o fim de semana.Gostei! Acho bem que continues a escrever obras destas no nosso crioulo de Soncent para que fique registada a forma de falar da nossa ilha, para a posteridade, para que se saiba que o nosso crioulo existe. E espero existirá sempre. Especialmente numa altura em que os os governantes de CV, apesar das polémicas à volta do alupec, já consideram que o crioulo de Santiago é que é a língua caboverdeana. Isto vem a propósito do discurso do PM nas Nações unidas que apresentou a língua de Santiago como sendo a língua caboverdeana. Se assim for nós não falamos caboverdeano pois falamos diferente. Enfim, o homem quer ficar na história. O teu contributo tem sido precioso nesta área e penso que a compilação dessas histórias em livro seria muito bom. Um abraço Fátima

Fatima Lopes                  flopes@ua.pt


Comentário:

Caro Zizim, e não ouvi o discurso e nem faço tenção do vir a ouvir alguma vez. toda via quero te dizer uma coisa: O PM está à procura de algo de novo. Tá pior do que esgotado e quer fazer figura. Voilà!

marcos               marcos@hotmail.com


Comentário:

Parabéns Zizim pelo seu comentário acerca do discurso do sr primeiro ministro Josá Maria Neves . Ele endoideceu de vez só lhe falta a camisa de força . Ele pode discursar á vontade em crioulo badiu só que não pode dizer que o fez em nome dos caboverdianos porque da minha parte não lhe concedi autorização e julgo que também a maioria dos que estão na diáspora são da mesma opinião . Como sempre gostei muito da crónica que mais não é do que as nossas vivências e é sempre bom recordá-las . Desejo -lhe a continuação de saúde para nos brindar todos os domingos com as suas crónicas . Um abraço , Gaby

Gabriela Amado Silva           gabybamado@hotmail.com

V O L T A R