PIRINHA DAZ ’ILHA

Quel pasta d’açucra escura, era puste derriba daquel mesa de quintal, p’enton e pa rapte el ma sês mnininha Vitória ma Ana, pudesse cumeçá ta rolá quês bolinha d’açucra escura, antes de pasta vrá dure, betode spirte de flôr de laranja, pirinha ma ortalon, por nome de Pirinha daz’Ilha que sempre tava fazê regale e ligria de tude mninada d’Escola ma de nôs rua

Ana Tchraf ma Vitória de Nininha c’sê oie calôi, custumode na bem tude dia ijdá nha Candinha pexa rubeçode na sê quintal de rua Da Luz, jás tava lá log c’aquel plumanhã ta cunquil na porta. Basta, Nha Candinha sustode, tê quemá bic c’aquel golpada de café quente quel ingli na sobressolte daquel cunquidura.

El, bai pa porta devagarin c’gitin pa ca incmodá quem qu’inda tava ta drumi lá na casa e, quonde el abril qu’el oiá quem era, el exclamá log cum, ah ê bsote? Ma mnis, hoje bsote bem mute cede, cmnaera?

Enton, Vitória de Nininha de Spulk, qu’era um bocode tchefra e ca tinha papa na linga, ma sempre na respeite, vrá dzel:

- Adèche Ti Candinha, já bocê esquecê cma hoje ê dia d’exame de mnine de quarta classe na Escola Camões li perte de casa e qu’ês tude, antes de prova ma n’intervale, ta custumá bem sempre li na bocê, comprá bocê especialidade de dia, quê ês “Pirinha daz’Ilha”, sem igual na Munde, betode quel spirte (essença) de flôr de laranja que t’ijdás calmá tcheu pas podê infrentá prova d’exame sem problema.

Nha Candinha, fidje de pobreza ma amdjer digna moda tcheu amdjer de nôs rua, trabaiadera sempre ta procurá frá vida, fecá tude bajofa c’aquel expressar de Victória, cum risin na conte de boca, sem exagerá, quê el era uma amdjer de caratcter.

Log el mandás entrá, e sirvis um cafizim c’lete e um ratchinha de cuscus quente c’mantega de garrafa, daquês que Nha Lorença tinha ela cabode de vendê log de madrugaga pa matá jejum. Também log quês cabá de cmê, el mandá Ana pa bá comprá más cuscus pa sês mnine que tê inda tava ta drumi, pa ca faltás na mesa na hora de cafê.

Lá na quintal, Victoria mnina d’expediente, já tinha cindide quel fagon de lata de pitrol ma borre czide, que tude gente tava usá na época, fete lá na ferraria de Martilhone na rua de Talione. Fagon, foi cindide c’carvon Cardiff de rocega de mei de Baía e cma el tava inda um csinha moiode d’ága de mar, carvon tava ta bai ta pegá lume ma sempre ta dá cada estole, que gente tinha que fecá ta fastá e fazê mute cuidode.

Assim que lume pegá, foi log poste quel primer panela d’açucra branca pa fazê quês rubeçode brónc normal que tude gente de terra já tava conchê, betode quês spirte de tude espece (essença): - flôr de laranja, pirinha, manga, ortalon, nanaz e otes, comprode lá na Drogaria de Djandjan.

Na quintal, perte de fagon, tava quel mesa bem limpin c’aquel tejela de borre binde de Bubista, comprode lá na loja de Muchin Sequeira, sempre c’ága pas bai ta esfriá mon na hora de puxá rebuçode qu’era um verdader ginásteca e gente tinha que estode preparode, quê senon ca tava podide guentá quel estocada.

Log que rebuçode ta dá na ponte, Ana, Vitória ma Nha Candinha, tava tral de panela inda quente e sem pará, num sô movimente d’abri ma fetchá broce c’aquel pasta de rebuçode sempre na mon ta puxal, t’abril, t’estical, ta dobral, ta bai ta passá cumpanher el de mon pa mon, pal ca esfriá, sempre ta bai ta metê mon na ága de tejela pa esfriá quel quintura de mon, tê torná pegal.

Um vêz rebuçode bem puxode e inda mole, Nha Candinha, tava pol derriba de mesa, estical tê moda el divia fecá, p’enton, ela c’faca basse ta fazê quês escadinha de cinque, cortá e pô naquel prote de forma puste um csinha de mantega na funde pas ca pegaba, assim já pronte pa vendê pa dôs toston cada escadinha de cinque.

Inquonde, Nha Cndinha, tava ta bai ta cortá recbuçode derriba de mesa, Vitória ma Ana Tchraf, já ta tinha puste quel sigunde panela c’dôs quile d’açucra escura também comprode lá perte na loja de Muchin Sequeira, pa bai t’avançá, quê era hora daquel tarefa más deficil qu’era de fazê “ PIRINHA DAZ’ ILHA ”.

Tude cuidode era poc, quê quel açucra ca divia dá na ponte moda rebuçode normal, nem tão poc fecá mole e não sem esquecê também de betal quel spirte já escuide pa dá goste. Enton era lá, c’aquel oiada d’experiença daquel grande fazedera de Pirinha daz’Ilha de nôs rua qu’era Nha Candinha, tava actuá c’certeza e firmeza.

Log quel tava oial na gete, tinha que actuode rapte, el tava bai ta passal quel pau de bli rebuçode na volta de panela, log qu’el sintiba dureza daquel açucra, el tava moiá mon n’ága friu de tejela, pa depôs metê mon dentre daquel panela c’ajuda daquel pau e, panhá quel pasta cum coraja de matá pa pol derriba daquel toalha moiode de cima de mesa, ás vez tê na perigue de cada quemadura que tchegá tcheu vez tê de contecê. Ma cma Nha Candinha, era um amdjer segure e sempre bem prevenide, era lavá quel quemadura n’ága friu, depôs secal e pol “inchunda de galinha” dá curá.

Quel pasta d’açucra escura, era puste derriba daquel mesa de quintal, p’enton e pa rapte el ma sês mnininha Vitória ma Ana, pudesse cumeçá ta rolá quês bolinha d’açucra escura, antes de pasta vrá dure, betode spirte de flôr de laranja, pirinha ma ortalon, por nome de Pirinha daz’Ilha que sempre tava fazê regale e ligria de tude mninada d’Escola ma de nôs rua.

Era bai ta fazê quês pirinha, bai ta pôs naquês cartuche de papel de saquinha fete a mon lá mesme pa quel pessoal. Cada cartuche era 10 (dez) pirinha pa 1 (um)toston, naquel tempe que drops ma chewinga era core, ma mnine e gente grande tude tava otchá sês felicidade naquês Pirinha daz’Ilha de Nha Candinha de rua Da Luz, c’sês mil e um goste mode quês spirte (essença) qu’ela tava custumá betás pa alegrá inda más paladar de quem tava tchepás.

O interessante naquel area de nossa que tava brangi dês de Ponta de Praia, passá pa Rua de Matijim, Rua de San Jon, Rua de Sá de Bandera, Rua da Luz, Rua de Moeda, Rua de Talione tê Rua de Côc, limite Loja de Pudjim ma Nh’Antonha Sulidade, cada um daquês mãe de nossa tinha sês especialidade quês tava fazê, pas bai ta safá vida, o que tava levás a desenvolvê um spirte d’imaginaçon e criatividade bem forte, ma tão desinteressode, que nunca ta tinha nem concurrência, nem rivalidade entre ês, quê sês úneque priocupaçon era fazê felicidade de sês pove.

Nha Lorença, era quês binde de cuscus de plumanhã cidin que ca tinha tempe de dexá esfriá, Nha Candinha, era quês rebuçode ma sê especialidade de Pirinha daz’Ilha betode quês spirte sabim, Nha Da Luz D’Eduarde, era quês funguim ma fongue de banana fete de farinha de midje c’ove e mel de San Anton, quel tava pô ta vendê na sê Butequin de Rua de Sá de Bandera, cabá one time.

Nha Bia Ferre, sê especialidade era rebuçode de mancarra, ma rafilon (quel rebuçode escure) e jupeta.Nha mãe Bia, era quês sucrinha fete de cacau ma lete que tava fecá moda chocolate e também ca tinha tempe de esfriá na prote, quê gente tava tês tê recomendode.Nh’Antonha Sulidade, também ta tinha diverse, rebuçode, sucrinha ma bolacha na venda na porta de sê casa.

Ês, era um area que tava sirvi más era mnine de Escola e tcheu trabaiador moda carregadera de cais etc.Na Rua de Matijim, cosa já era diferente e tava puxá más pa carre, talvez mode grogue ma pontche qu’era “rei” naquel area de trabaidor de estiva de mei de Baía de Porte Grande daquel tempe, pas fazeba bafa.

Assim ta tinha Dminga Badia que sês pon ta vendê junte ma tchorresque de “slache” binde na Velbote de Noruega. Lá na Nininha de Pole Tata (Jackasse) ta tinha sempre quel cavala frite tude dia ma catchupa pa trabaiador, pratin que tava bai de 5 (cinque) toston tê dôs e quinhente ô seja 2 (dôs escude ) e 50 (ciquenta). Lá na Nininha d’Adão, Ti Faustino de Bar Tubarão, ma Adalberte, também ta tinha tchorresque, tripinha trucide ma tchurice de sangue sempre pronte de bafa pa cumpahá quel coque.

Bom, moda ta dzide na terra, nô dexal tê li de tonte fazê bsote criá ága na boca! Sorry!!!

E ‘m fazê bem de pará, quê Vitória de Nininha, Ana Tchraf ma Nha Candinha seguerode ta puxá quel rebuçode e depôs betode mon ta fazê quês Pirinha daz’Ilha especial betode espirte de flôr de laranja mode quel dia d’exame de mnine de quarta classe d’Escola Camões, ca tmá fê cma diasá ês tava ta cunquis na porta.

Vitória, pô dêde na bic pa mandás pará c’conversa e, lá ês uvi cunqui prop forte. Enton, Nha Candinha dona de sê casa, bai pa porta e moda de custume el abri só um trintchinha pa goitá, tal ca foi sê esponte era quel trupida de mnine de Escola Camões que já tava lá pa bem tmáss quel ramede sonte de Prinha daz’Ilha c’spirte de flôr de larangera pa sês exame que tava quaz na hora de cumeçá.

C’sê surise na cantin de boca, ma sempre autoritária, el dzês ah ê bsote?! Enton, el mandá quês mnine tude pô na bicha, cosa quês sigui log e ela bai ta dzês:

- Hoje, ca bsote boda nhas mnine, quê tem Pirinha daz’Ilha especial“p’allova the way” (allover the world) pa bsote podê passá bsote exame tranquile e mi Ti Candinha dês li ta desejá bsote tude: - GOOD LUCK!!!


Zizim Figuera (José Figueira.Junior)

V O L T A R


Comentário:

Brother Zizim, Bom dia! Pa bô inda ê plumanhã ma pa nôs prei na Sidney-Australia já ê sete e meia da note. Hoje já bô fazê nôs tude boca doce qu'esse lembrança de pirinha das Ilha de Nha Candinha mãe de Pinúria. Nô foi vezim um data d'one e dvera el era campião na fazê quês pirinha das Ilha prop sabim ptode tude quês qualidade de spirte da lá de Djandjan. Parabens pa bô boa mimória que nô ta pedi Deus pa mantebe el sempre assim pa bô podê continuá ta fazê gente sabe na coraçon embora Sodade ê grande. Dia feliz e um braça de nôs tude c'tcheu amizade. Terencio

Terencio Lopes                          terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr.Zizim, Que lindo texto sobre a confecção de produtos que eu não conheci tais como esta célebre e muita falada até presentemente pelos meus pais que é a Pirinha daz'Ilha. Vejo que clientela não faltava a Nha Candinha sobretudo nos tempos dos exames em que ela deitava o tal "spirte de flôr de laranja" que tem o poder de balsamo tranquilo. A storia está riquissima e muito bem elaborada como sempre cheia de pequenos detalhes que desconhecia totalmente. Muito tenho aprendido consigo. Obrigado e bom domingo. Um xi-coração da familia Gilda

Gilda Barbosa Leite              gildableite@gmail.com


Comentário:

Zizim,Se o mundo tem fim finda... Senão,prossegue indefinidamente! Lá dizia o nosso saudoso e grande professor de instrução primária Sr Alfredo Brito(Ti Fefa). Pois as tuas estórias continuam fazendo aquele furor aqui no bairro e o interessante é que muitos cabo-verdianos de todas Ilhas confundidas hoje veem cá para o nosso grupo para não perderem a leitura das Storias de Soncente por Zizim Figuera. Ora isso é louvável e todos te parabenizamos pelo teu excelente trabalho que é o de fazer reviver históricamnete toda a gente da nossa Ilha de S.Vicente-Cabo Verde. Saúde sempre e um rijo abraço do Toi de Ti Tchutche

Antonio B.de Pina           toipina@clix.pt


Comentário:

Excelente estória como sempre que me trouxe á presença todos as minhas recordações de infancia fazendo me recuar no tempo... Naquel tempe que Soncente era sabe!!!. Obrigado amigo e carissimo compatriota. Bem hajas. Um abraço Silvia

Silvia Lopes            silvia.lopes@live.com


Comentário:

A D O R E I !!! Um abraço Tina

Albertina da Cruz              tinacruz@gmail.com


Comentário:

Boa Zizim, Hoje já bô intchim nha dia não sô ta falá de nôs pirinha daz'Ilha qu'era taõ sabim cma tambem de nha Ti Candinha e tude ês gente cum ta conchê.Sempre espantode c'bô mimória. Força e um braça Liz

LIZ CABEL                  lizcabel@hotmail.com


Comentário:

Ola Zé, boa lembrança da nossa Pirinha das Ilha, é mesmo muito bom lemprar, era na epoca o que no's todos gostava-mos, era mesmo gostozo, nha Candinha, era muita querida, aquela amizade que ela tratava toda gente. Daqui vaie aquel abraço amigo Januário

Januário M.Soares                  jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Oh ( irmao da nossa comunidade ) o valor sentimental das tuas estorias ,em relaçao à maneira de viver ,-naquele tempo - em Sao Vicente ,faz nos reviver e se sentir devirtido alguns momentos ,(desnuviando da nossa memoria certas leituras da vida complicada atualmente do nosso pais .Tens razao de falar das ruas do Mindêlo, -daquele tempo -em que cada uma delas ,tinham uma forma de viver tipico ,com as suas vendas de "rubsôde ,doce-de -côco -pirinha d'asia - rubsôde de mancarra ; etc ;cada rua tinha a sua estoria . A lendària rua de CRACA ,que pelo nome ,metia mêdo aos meninos de outras ruas ,menos os meninos de lombo ,de muralha ou da rua de Moeda !Bela estoria ,bem contada ,dos nossos bons e velhos tempos de (nös sao cente ) Aquele abraço do irmao da nossa comunidade ; Um criol na Frânça ; Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA               soalmeida@free.fr


Comentário:

Bravo Zizim, Esta historia é para mim como o francês diz no seu inglês ‘the must’. Para mim isto tudo faz sentido pois transportaste-me para a nossa Zona Ponta de Praia, e revejo-me a passear pela Praça Estrela, Rua de Matijim, Rua de San Jon, Rua de Sá de Bandera, Rua da Luz, Rua de Moeda, Rua de Talione, Rua de Côc, etc. Embora sendo mais novo do que tu conheci Nha Candinha de Rua da Luz, que morava perto do Sr. Leão. A loja de Nhô Muchim Sequeira era outra referência da Rua da Luz no canalinho onde se situava O Manin Duarte, o Nhô Dmingue comerciante do Fogo e o Nhô Jon Tolentino relojoeiro. Não posso me esquecer da loja do Nhô Matijim que deu o nome a rua, da Tilina e do Nhô Bento . De repente relembro com saudades dos cheiros da Rua de Matijim, pastel normal e de milho, peixe frito, grogue, vinhos,os sacos das vendedeiras com os drops e as pirinhas as deliciosas sucrinhas de leite que a tua mãe fazia, doces de côco e de batata, as gazosas do Sr Galeano e os pirolitos de Sr Timóteo Antunes. Tudo o que deliciava . E não podemos esquecer o barão, o pom de midje, as bolacha de Matche e tantas outras variedades. Enfim a lista é interminável.Zizim a riqueza e a fineza da nossa culinária típica ou tradicional era grande e é mais um património a desaparecer. Temo, que sejamos os últimos mohicanos, ou seja ‘Après nos le deluge’, e é por isso que estas tuas histórias têm um valor de memoria histórica de um Mindelo muito recente, mas que parece fazer parte já de outro país. Por isso que a nossa luta pela dignificação na nossa ilha não pode parar. Abraço Jose

José Fortes Lopes                  joseflopes@netcabo.pt


Comentário:

Zizim, Bom dmingue de Mari Santíssima. Já li a tua estória que é um tributo às nossas mães, mulheres da nossa terra, que davam ajuda na criação dos filhos e contribuiam para agradar o nosso paladar, Aquela pirinha antes das provas e nos intervalos, ajudava muito a repôr energias. Eu comprava pirinha perto da praça Dr.Regala Os bolos da Dona Leia que morava perto do Bar Estrela eram famosos e não dava a receita a ninguém. Só quem deveras não viveu tudo isto não pode apreciar. Como somos da mesma geração posso testemunhar. Grande abraço Celeste .

Celeste Vieira               celestevieira@hotmail.com


Comentário:

Um sturinha sabim chei de cosa sabe e de gente de nôs cunhecimente. Inda bem qu'existi gente sim'a bô pa desinterrá tude nôs passode histórico c'ês storia que ta fazê tude quem vivel vibrá e recuá na tempe. Ubrigada Zizim e Deus ta dobe força e saúde sempre pa cuntinuá ta nimá gente. Braça Guey

Miguel M.Monteiro                 mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

EXCELENTE ZIZIM!!! A CULINARIA FAZ PARTE DA NOSSA CULTURA E DAÍ DO NOSSO PATRIMÓNIO NACIONAL. A TUA IDEIA DE ESCREVER ESTE TEXTO "PIRINHA DAZ'ILHAS" É DE UMA GRANDE IMPORTANCIA. POIS VI JÁ ISSO NAS REACÇÕES DOS COMENTARISTAS EM QUE CADA UM VEIO ENRIQUECRE COM AS SUAS LEMBRANÇAS A TUA/NOSSA HISTORIA. BEM HAJAS! FORÇA E CONTINUA. Jorge

Jorge Cleofas Martins               jcleofasmartins@gmail.com


Comentário:

Es Home li hoje compon nha dia, realmente. Que grande conto e que bom criolo. Obrigado Pedro Cardoso

Pedro Cardoso                       cardoso@hotmail.com


Comentário:

Zizim, esse estorinha cai’m sabim. Moda tude menine manhent também m’tava gosta de nha pirinha ma sucrinha. Achei giro o fim da historia com Nha Candinha a dar no seu inglês, que naquele tempo era muito habitual em S. Vicente.

Fatima Ramos Lopes               fatimaramoslopes@yahoo.com


Comentário:

Esse bô estória, Zizim, ta mute interessante porque ele ta trazé-ne sabôr de infância lá de nôs ilha de Soncente. Tambén bô ca esquecé daques especialidade de b,sote bafa. Mas, más importante é esse homenaja pa MUDJER de nôs terra, que tava presenteá nôs ma ses especialidade e es tava contribuí pa equilibrá orçamente lá de casa. Obrigada e BRAÇA.

Maguy Alfama                    maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Broda Zizim, esta é mais uma daquelas storias que nos deixam uma lagriminha no canto do olho, por tanta autenticidade tornada poesia. Por tanta beleza e magia que assumia a simplicidade das nossas coisas antigas. Todas as guloseimas que aqui hoje nos serves em bandeja de prata pertencem ao imaginário das delícias dos meninos e meninas que fomos. Outras guloseimas mais sofisticadas vinham nos navios estrangeiros e eram vendidas pelas ruas do Mindelo nos expositores ambulantes do Mitchel, mas estas de que nos falas, saídas das mãos escaldantes das nossas mulheres, tinham a genuinidade de uma essência inigualável: a poção do amor. Zizim, esta storia e aquela do papagaio uma vez por ano lançado no Alto Selarino será uma pena que não figurem no teu livro. Aquele abraço.

Adriano Miranda Lima



Comentário:

Zizim, Que mais dizer senão que continuas sendo o Top do Top das "Storias Mindlenses de Soncente Cabe Verde" onde nos envolves a todos num rico passado conjuntamente com todo esse pessoal dos nossos afectos de que guardamos em memória quasi virtual para sempre. Fizes-te com que eu recuasse no tempo para viver coisas da minha infancia de que guardo as melhores recordações onde até figura o gostinho sagrado das "Pirinhas daz'Ilha" de Nha Candinhade rua Da Luz.Obrigado por tantas recordações memoráveis que espero ponhas num livro de histórias que ficará para sempre registado nos anais históricos da nossa Cultura. Um robusto e fraterno abraço do amigo de infancia Mauro(Bubista)

Mauro Silva                 maurosilva@live.com


Comentário:

Meu caro Djô, Hoje ja fizeste-me até chorar de "SODADE" da nossa terra S.Vicente com todas essas lindas e ricas lembranças de que fomos todos companheiros de uma vivencia colectiva. Soubes-te honrar a nossas mães que com aqueles rebuçadinhos e sucrinhas confecionados la iam ajudando a nos educar mandando-nos para escola. Obrigado por esta honra e por tudo mais. Um abraço do amigo Rui

Rui Teixeira                        ruiteixeira@hotmail.com


Comentário:

Brother Zizim, Te felicito por esta estória que muito gostei por varias razões. Me senti dentro dela e soube apreciar esta homenagem as nossas mulheres e seu papel prepoderante naqual ajuda economica que davam em casa. Genial tua estoria. Grande abraço Fausto

Fausto Miranda                 faustomiranda22@hotmail.it


Comentário:

Adorei esta storia de Pirinha daz'Ilha. Parabéns, pela veracidade da sua confeccção. Aquel braça Lourdes

Marai de Lourdes Chantre               lourdes.chantre@netcabo.pt


Comentário:

Oi irmon, Esse stória fazem lembra nhas tempe de mnininha de rua Da Luz.'M compra mute rebuçode ma pirinha daz'Ilha na nha Candinha, ma tb, mute sucrinha na bô Mãe Dona Bia Figueira. Tempe sabe! Sodade ê tcheu. Bijin Minda

Arminda Sousa            arminda.sousa@uol.com.br


Comentário:

Mais uma contribuição inestimável para nos lembrar factos que caracterizaram a nossa vivência naqueles tempos e impedir que caiam no esquecimento, o que seria muito prejudicial para a nossa verdadeira História, aquela que foi feita por esses grandes heróis cabo-verdianos...

manuel delgado                  manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Brother Zizim, Parabens por esta excelente obra cuja e perante a tua boa memória me inclino com deferência. Claro que somos da mesma época e crescemos nos mesmos limites dessas ruas todas com toda essa nossa boa gente que nunca mais encontrei nem encontrarei no mundo inteiro. Gente de coração que faziam tudo com amor e "QUEL GRANDE MORABEZA" sem igual. As lágrimas me vieram aos olhos por causa do meu coração apertado cheio de SODADE de nha terra Soncente. Que venham mais dessas. Bem hajas! Um abraço Tony

Antonio Sousa Almeida            tonysousaalmeida@hotmail.com


Comentário:

Kel storia li dibia staba skritu cu nos alfabetu alfisial "AK" (alfabetu kauberdianu", ex-alupec i nau des manera mariadu sima nho zizinhu sa ta teima ta skrebe nos lingua. Si nhos kre prendi skrebi nos lingua nhos inskrevi na skola ki mi marsianu m-sa ta bai abri brevimenti.

Marsianu                   marsianu@hotmail.com


Comentário:

Marsianu, Dexá de trivimente e ca bô nem pensá na tocá na nhas Storia porque ês ta inscrtie na direitos de autor na SACEM tanto na Portugal cma na França pa quem que mexém na ês, nô t'andá camin longe. E nha escrita ê fete c'convicção e não teimosia moda bô que ta escrevê e ninguém ta comprendê inflizmente. 'M ta lamentá que bô mediocridade ca ta dexobe oiá más longe que ponta de bô nariz pa horizonte. Hoje pa tude parte de Munde tem associações ondê que mnines cab-verdiane ta lê nôs Storia em variante de Soncente sem gaguejá. Nôs tambem ja nô tem Escola Universal diasá aberte pa tude compatriota e el ê de graça. Quanto ê que jas pagobe pa torná bem xatiam? Ma nha luta ta cuntinuá porque nôs ê tcheu e nô ca está nôs sô!!!Dja Nhô Fronta!!!

Josê Figueira,Junior         jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Esse Santcho Burro de Marsianu tinha que bem estragon esse festa de nôs Pirinha daz'Ilha quel nem ca conchê. Mandal ba tusquiá macoque Zizim. No ta djunte. Braça Toi

Antonio Sousa Almeida           toisalmeida@gmail.com

Comentário:

Esse MARSIANU É UM VERDADEIRO ABUSADO E UMA PESSOA ? SEM FORMAÇÃO. ESSA ATITUDE É a DE UM VERDADEIRO MUGABE QUE SE TERIA PERDIDO NAS NOSSAS ILHAS, QUE QUAL HITLER NEGRO QUER LIMPAR O CÉREBRO DOS CABO-VERDIANOS, EM PARTICULAR DOS SÃOVICENTINOS. MAS ISSO JÁ FOI TENTADO DESDE 1975 E NUNCA PEGOU. QUEM DISSE QUE HAVIA NA PRAIA " ALGUNS BURROS NA LADERA"? PORQUE NÃO APRECIAR UMA HISTÓRIA DESSAS MOSTRA UMA ASNICE A TODA A PROVA...

John Martins                     johnm@comcast.com


Comentário:

Caro john Martins! A expressão " Macaco na ladêra" foi utilizada por uma pessoa que só podia ser Primeiro-ministro numa terra de zarolhos como nós. Deus há-de nos ajudar a ver-nos livres desses imbecis, que apareceram não se sabe donde, porque antes não éramos tão servis como agora...

José Mariazinha Pires               jm@hotmail.com


Comentário:

MAS QUEM É ESTE HOMEM PARA SE JULGAR TUDO PERMITIDO. QUE EU SAIBA O ZIZIM FIGUEIRA HOMEM BEM FORMADO E EDUCADO NUNCA O INSULTOU NEM O DENIGROU NAS SUAS ACÇÕES SR MARSIANU. MAS TUDO TEM LIMTE NESTA VIDA.ACHO QUE ESTE MARSIANU DEVIA SER CHAMADO A ORDEM POR ALGUEM DE DIREITO DADO A SUA ATITUDE ANTI DEMOCRATICA EM QUERER SE IMPOR POR TODOS OS MEIOS EM VEZ DE PROCURAR ARGUMENTAR.UMA VEZ QUE NÃO HA DIALOGO COM TAL INERGUMEN É CASO QUE SE LHE DIGA DE VIVA VOZ: SE QUERES A PAZ PREPARA-TE PARA GUERRA PORQUE ESTAMOS DECIDOS EM TE FAZÊ-LA MARSIANU. ESTOU SATISFEITO EM VER QUE O SR NAPOLEÃO REAGIU BEM COM UM ARTIGO ESCRITO NA BOA E DEVIDA FORMA NOVI LATINA QUE É A VERDADEIRA BASE DA NOSSA LINGUA.QUE VENHAM MAIS NAPOLEÕES E ZIZINS DAS OUTRAS ILHAS PARA QUE TUDO ENTRE NA ORDEM EM CABO VERDE.PORQUE NINGUEM ESTÁ NO DIREITO DE PRIVARNOS DAQUILO QUE NOS É MAIS SAGRADO QUE É A NOSSA LINGUA CABO-VERDIANA.

Leonel Ramos                         leonelramos@gmail.com


Comentário:

Parabéns, esta crónica faz-me recuar no tempo e relembrar os tempos da minha infância . Muito obrigada e um grande abraço . Muita saúde e boa disposição para continuar . Até domingo .

Gabriela Amado Silva           gabybamado@hotmail.com

V O L T A R