NASCIMENTE DUM MNINE BUTIODE

Já tinha uns dia qu’Alcanja tava estode lá pa casa ta quexá dôr, depôs de sete mês ta suportá quel mnine que más tarde el pô nome d’Alexandre, na sê barriga de mãe. Ma deboxe de sê pobreza mesme assim ligria era bem grande pamode era más um fidje que Deus tava ta dal, assim poque tava t’importal tude quês dor bem especial.

Era um movimente de gente de vezinhança ta bem, ta ba espial se tude tava ta corrê drete, pas podia assim que fosse, basse bescá pa depressa, Nha Chica de Scolte Dade, grande partera de nome e d’área coberte pa Monte Sussêgue.

La na Djidsal, nha Prazer, amdjer de respeite, mãe de Bia e avô de Nastoce na sê confidença ma Alcanja que tava cunsideral moda um mãe, tava sempre ta dzel, cma pa du qu’ela tava ta contal, ela Alcanja tava ta ba ter um “mnine butiode”, pamode sê manera de comportá.

Tê qu’um dia, Alcanja inda noviça na stora de tem mnine, ca pude guentá más e tive de confessá Nha Prazer cma ela tava estode dnote ta vivê num tormente, sem podê drumi drete, pamode era um barulhada de mar ta esquebral deboxe cama, c’um“sirena”(sereia) na borda de cama, gole múseque ta cantá rafincode sabim, c’más um data de cosa que nem ela c’tude sê cabeça tava ta ba podê explical.

Enton, Nha Prazer amiga de Nha Jona Tchuca ma Nha Joana Mari Nha Mãe qu’era gente de terra que tava conchê tcheu dês cosa, um dia juntá na segrede la na casa, ês sô ma Alcanja, pa basse benzel corpe e explical sê manera qu’ela tinha de vrá ta comportá tê ela pô quel onje de Criste bem especial na tchon.

Nha Jona Tchuca, moda de custume ê que tava t’orientá quel sesson mode sê grande experiença de vida, bem cunchide pa tude gente de terra e assim, ela tive de cumeçá pa explicá Alcanja primer, qsê queria dzê um mãe ta ba ter um “mnine butiode”.

Dzide cma ela mandá Alcanja sentá perte dela, pol mon na cabeça e cumeçá c’voz boxe moda na ton dum oraçon ta dzel:

- Primer bô tem que jurá, cma tude o que tita bem passá li ma nôs tê dia de nascimente de mnine, cma bô ca ta falá nem dzê ninguém nada, quê se bô crê pa bô fidje fecá drete, gordá segrede que nês case ê mute importante. E, Alcanja sem pensá ba ta jurá!!!

Nha Jona Tchuca dzel calma quê tê inda nem ‘m ca explicobe que já bô tita jurá... Uvi primer, quê p’u que já bô conto’n li, ca podê ser ote cosa senon um mnine dês li que bô tita bem ter e fecá ta sabê cma bô n’ê primer. Assim, bô tem que ter mute coraja e sobretude força de vontade pa gordá ês segrede ok?! Sim senhora, respondê Alcanja.

Já quê assim, uli nha explicaçon cum sabê que foi passode de geraçon pa geraçon de nha familia, de Nhanha nha bisavô tê tchegá na mim, cosa que foi confirmode pa sês dôs amiga que tava lá diasá t’uvi sem dá um piu.

Enton, Nha Jona Tchuca, amdjer de respeite, na sê seriedade de custume rancá c’aquel explicaçon, assim de manera que mnina fecá ta sabê cma:

- Mnine butiode, ê tude quês mnine que ta bem pa Munde cum misson bem especial mandode pa Deus e sempre siguide p’Arconje San Gabriel. Assim, 7 (sete) dia depôs quês nascê, ês ta bai pa sês “Munde de Legenda” que tê hoje ninguém ca sube dondê e, mãe oiás ta bai, mãe ca gritá nem dzê ninguém nada durante 7 (sete) dia, ês ta torná bem 7 (sete) dia depôs pa sês posente lá na cama, ondê quês tava dantes. Embora, dzide tê que mutes dês ta tem bode e as vez ês ca ta tem binde.

Sô que se tude cosa corrê normal moda jam explicobe bô mnine ta cuntinuá ta criá moda tude mnine, ma cum diferença de ser um “mnine super inteligente”. Ma se cosa corrê mariode, dode nem taná el ca ta fecá, ma jal ca ta ser um mnine normal moda tude mnine.

Assim que Nha Jona Tchuca terminá sê explicaçon, Nha Prazer que ca sabia nada sobre tude ês problema, ma Nha Joana Mari Nha Mãe, bai consolá Alcanja que fecaba um bocode chei de mede e fecá sempre ta dzê pa dentre del mesme cma promessa ê promessa e qu’ela ca tava ta ba dzê ninguém nada, pal podia ter sê fidje dritim na hora de Deus.

Cada um entrá pa sê casa, Alcanja fecá la ma sê sigunda mãe, Nha Prazer, lá ondê quês tava morá, ta cuntinuá um vida normal, sempre c’aquel segrede bem gordode.

Ma moda ta dzide la na terra cma, “quel home pel senal santa cruz” ca ta gordá minne, quê Nhela mnine de casa de sês 11 (onze) one d’idade, que tinha fecode deboxe de cama ta drumi sem quês gente temá fê e, quonde el cordá cma jal ca podia sei da lá, tive de fecá lá moda el contá depôs, tude ingurgunhide chei de mede também t’uvi tude quês cosa de Nha Jona Tchuca que na sê cabeça de mnine tava ta fazel um barafunda de matá.

Basta quel note el ca tava nem ta podê drumi, jal bai conta Djosa, sê vezim qu’era mute falador, tude quel stora segrede quel tinha uvide, assim na dôs dia tude gente de Djidsal já sabia d’alvicera daquel “mnine butiode” qu’Alcanja tava ta esperá.

Inda Nha Prazer tentá remediá tude quel mal de faladereza, ma sê nête Nhela cuns carol, ma já era mute tarde. E cma ca podia dexá ser, quel stora dexi pa morada via Praça Estrela ma Barbaria etc.

Tude quês amigue e vezim cuntinuá ta bai lá p’Alcanja ma Nha Prazer dás quel assistença moda de custume, ma sô que lá também já tinha um bocadim daquel curiosidade despertode pa quel “riola de criol”.

Curiose ê que, dia de 7 (sete) dia de mês de sete, Alcanja cumeçá ta perdê ága, gente pa bescá Nha Chica de Scolte Dade na Monte Sussêgue que bem pa depressa ijdá Alcanja pô sê mnine na tchon.

Enton, Alcanja depôs de tude, quê porte corrê dritim sem problema, na hora de gradecê Nha Chica partera, bem falal nês storia tude e Nha Chica fecá um bocode chatiada, quê ela ca sabia de tude quel peripécia, quê moda el dzel, ês divia ter ela dzide pal podia ao menes fazeba um novena de esguorde pa tentá salvá situaçon.

Ma, aquêlê!!! Já era mute tarde e destine daquel mnine por nome d’Alexandre já tava ta corrê la naquel casa piqnin de gente sempre t’entrá ta sei, embora Alcanja tava detode na sê cama, cercode paquel “biombe de fazenda de cor”.

Enton, na madrugada daquel tal 7 (sete) dia, tude gente ta drumi, Arconje bem e quel “mnine butiode” tal era sê destine, argui moda num espece de levitaçon, sei ta bai... ta bai...moda ta garanhá na parede.

Ma, Alcanja que cordá e assiti tude quel cosa, embora tude preparaçon que Nha Jona Tchuca tinha el fete, ca pude guentá de mede trançode c’amor de mâe e dá um senhora grite, dá contrariá tude. Basta gente cordá, “mnine” já ca bai e el bem log pa trás pa sê lugar la na cama ondê quel tava.

Bom, moda foi, Alexandre já ca fecá “mnine butiode” e el cuntinuá ta criá lá na Djidsal, na mei de tude otes mnine, ondê quel incontrá na mei de tude quel pobreza sempre mute amizade e afeição de tude gente que tava conchel tê 14 (catorze) de Setembre de 2009, dia quel morrê.

Bastante inteligente, el tive sempre mil um peripécia de stora de sê vida pa contá, dês daquel tempe de porta d’entrada de Cumpainha Wilson, ondê quel tava estode más.

Enton, mi na 1987, dessaseis one sem bai pa terra, um tive que bai espial la na Djidslal, mi ma quem tava djunte dzem cma jal ca tava ta ba conchê’m, apôs, ‘m tchegá perte del um fecá parode ta espial.

El, c’aquel cordinha na mon sempre ta fazê moda um rabin de tchuque, fecá ta espia’m e uns miute depôs el dzem :

- Bô pensá ‘m ca tita conchêbe?!... Amdjor ê nô bai la na Loja de Nhô Vintura, bô bai intchi’m boca de farinha de pau c’açucra, moda bô tinha custume, quê bô ê Zizim de Ti Djô Figuera!!!


Zizim Figuera (José Figueira,Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Há mais coisas entre a Terra e o Céu que supõe a nossa "Filosofia" Esta é a mensagem contida na singela Storia desta semana. E, para quem não saiba, ou para quem não tenha ainda tido a felicidade de chegar ao conhecimento dessa realidade, presta o autor os devidos esclarecimentos que, para quem eles suscitem o interesse,serão o ponto de partida para o ir mais além.Não foi possível ao Alexandre cumprir o seu Destino. A alguns de nós assim acontece. A mensagem é clara: o medo, neste caso da mãe, Alcanja, impossibilitou o abrir a porta do desconhecido. É o medo do desconhecido que nos trava tantas e tantas vezes a evolução. Curiosamente, ja desde o inicio que o caminho do menino parecia encontrar escolhos, na sua evolução espiritual (porque disso se tratava, afinal) já que, coisas bem comezinhas e triviais se meteram em meio,trazidas pelas falas de uma criança,é certo, mas que ainda assim trouxeram "bate-boca". É que se ninguém foge ao seu Destino, a verdade é que as vezes outros o entortam. Excelente viagem o mundo ainda inexplorado do transcendente e - sobretudo - da sua implantação na Sabedoria Popular. Contamos consigo e com o seu Saber para nos continuar a fazer rir,chorar, refletir e pensar com as estórias de um Povo. Longa vida, em saúde e disposição de espirito Sr Zizim Figueira! Grande abraço Herminina

Herminia Ferreira               herminiaferreira@gmail.com


Comentário:

Zizim, Um tema mui sui géneris que aí desenvolves da tua parte e que muitas vezes ouvi falar cá na terra mas sem nunca ter sido tão aprofundado com minucia e uma explicação tão gira e cabal. Podes crer que li e tornei a ler paulatinamente este texto e ainda vou lê-lo mais vezes, por causa do seu grande interesse histórico e sociológico. BRAVO!!! O texto está muito bem elaborado numa escrita como sempre bastante simples e abordável de todos os cabo-verdianos de boa vontade pesno eu. Maravilha! Vai daí um abraço do Fausto

Fausto Oliveira de Melo                faustoliveiramelo@yahoo.com.br


Comentário:

Caramba homem e Sr. Zizim Figueira, Se todos os domingos fico cá á espreita para ter o privlégio de ler e aprender muito sobre a minha/nossa terra São Vicente e nossa gente, hoje então estou completamente siderada com esta estória de que nunca tinha ouvido falar e que você trouxe com toda aquela absurdidade que lhe é peculiar cá para o Liberal On Line.Confesso-lhe que adorei e já abordei a minha mãe para certas explicações por que eu possa ter melhor a imagem do conteúdo do texto que está excelente. Adorei!!! Bem haja!!! Parbens e muito obrigado. Abraços Gilda

Gilda B.Leite                   gildabarbosaleite@gmail.com


Comentário:

Amigo e Sr.Zizim, É só para lhe dizer que gostei imenso desta "sturinha" que tem um sabor muito especial para mim. Força sempre para continuar a nos deleitar com essas magnificas estórias bem nossas que ninguém melhor do si sabe contá-las dado a sua vida vivida com o povo da nossa Ilha de São Vicente Cabo Verde.Vos felicito e envio um abração com muito carinho Juvenia

JUVENIA                        juveniaf@netcabo.pt


Comentário:

Oi Zizim de Ti Djô Figuera,Hoje sturinha sei cede li na Liberal o que é mute bom pa nôs li na Sidney que grinhassim já é 5 da tarde hora de nô "tea time" moda inglês na Soncente. Storia ta prop nice e la na nha zina ond~e cum tava morá desde de mnine m tava uvi falá dês storia de mnine butiode e dvera tava dzide cma Xande de Djidsla era um dês. Nôs tude gostá e ta mandobe mantenha. Terencio

Terencio Lopes                 terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim,Sou leitora assidua e posso te dizer que gostei imenso da originalidade deste tema de hoje de que todos nós ouviamos falar despertando em nós aquela curiosidade que nos invadia o mais profundo das nossas Almas de criança. Excelente trabalho de ordem sociológico, cultural e por que não histórico. Este documento está mesmo rico. Que a Força seja contigo meu caro compatriota. Beijão Lena

Helena Sousa                   lenasousa@aol.com


Comentário:

Sim senhor amigo Zizim, Mais uma estória que adorei, embora poucas vezes venha cá comentar, mas seta ganhou porque me levou para aquele nosso bom Soncente de gente de Morabez de outrora Saúde sempre. Um abraço Piduca

Pedro Soares de Sousa pedrossousa@gmail.com


Comentário:

Boa Zé! Esta como apercebi é mais uma inédita tua. Rapaz, não imaginas como fico feliz de te ver activo assim e cheio de recursos. Vejo não só que tens uma excelente memória o que todos muito te apreciamos por nos trazeres a superficie todas essas coisas vividas que todos podemos juntamente contigo testemunhar porque são coisas bem nossas. Parabens e um bom domingo. Abraço Manuel

Manuel Almeida              manuelalmeida@yahoo.com.fr


Comentário:

Esta hoje está SUPER! Força nha broda Zizim.Logo vamos lê-la conjuntamente com aquela paixão dos domingos que graças a ti e ao Liberal nos transporta á nossa terra Soncente Cabo Verde. Beijão Yo

Yolanda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Dear brother Zizim, Today you made my day with this "sturinha sabim nem um pápa c'lete". Bijins Sivi

Sivi Almeida                     SAlmeida@org.com


Comentário:

Zizim, Inda bem que nô tebe pa defendê cultura de nôs terra Soncente e esse storia ta fazê bem parte de um parcela de nôs pove c'sês crença e disposiçon misticista. Storia ta mute bem escrite num bom criol. Parabens! Um braça Edgar

Edgar Silva                     edgarsilva@clix.pt


Comentário:

Oh ... (irmao da comunidade) " êsse menine butiôde" ,um t'chgâ conchêl e bem !.. Lembro-me perfeitamente quando eu trabalhava na Wilson ,quase todos os dias eu o via ,ao lado da estrada que vai para companhia wilson , o Alexandre -bem gordinho - com a sua cordinha na mao ,torcendo-a de esquerda para direita ,respondendo às perguntas das pessoas ,- à sua maneira- respostas estranhas mas originais ,que so êle, podia responder daquela maneira !..Esta é na verdade ,uma estoria original .Para terminar digo sinceramente apreciei o comentàrio desta estoria ,da colunista Herminia Ferreira , Aquele abraço do (irmao da comunidade) Um Criol na Frânça ; Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA                soalmeida@free.fr


Comentário:

Tud Dmingo m te alê bôs estória n esse pagina, ma pa mim esse li é daqués mas sebim que ja bo escrevé. Parabéns e tcheu POWER pe continuá. abração

Humberto Duarte                   humbertoduarte1@gmail.com


Comentário:


Zizim, nha queride amigue, Esse storia ta tão bem explicode,,,, que fazem lembra tcheu cosa de nôs terra que tonte tempe longe jam tinha esquecide Só fiquei confusa quando falas de Djidsal, mas depois realizei e vi que a storia passou-se em Soncente no Djidsal não longe da minha casa. Pois Alexandre, Lembro me bem dele, E não acreditas que de vez enquando penso nele, no que seria sua doençaa? Pensei que ele teria sido Autistico. Ele não se comunicava muito, e andava com essa cordinha na mão ,,,, é verdade ! Posso vê-lo passando na minha casa na Tchan de Sumeter, sempre com sua cordinha atirando a para cima, e para baixo.... a tua Storia trouxe me recordações desse tempo, e como sempre, descreves tudo com todo pormenor que da um gosto enorme ler. Deves ter ficado emocioniado quando Alexandre se lembrou de ti,imagino! Até aquele canudo de farinha de pau que le gostava com açucar,fez parte da nossa infância..não me esqueco do quanto gostavamos disso, mas não era par comer muito para não inchar o estomago! E por último, traz o nome de Nha Joana Mari Nha Mãe, esse nome tão conhecido, e parece me que nha Joana que trabalhou na minha casa era ela. Tens cada idea, Zizim, a tua memória e um poço de conhecimentos sobre a vida da nossa terra e nossa gente. Não vejo a hora de ter nas mãos o teu livro pronto! Se não fosse por ti, storias desses personagens do nosso tempo, quando Soncente era piqnin e nós nos conheciamos todos, ficariam esquecidas no tempo para sempre. Bem hajas por traze-las de volta a nossa memória, porque com isso outras lembranças esquecidas com o tempo e a diastância vão aparecendo. Que tudo esteja bem contigo e que Deus te ajude sempre. Beijinhos grandes, e bom fim de semana Ju

Judith Wahnon                 juwahnon@aol.com


Comentário:

Uma estória tipicamente São Vicentina, onde o autor em doses bem proporcionadas alimenta o aspecto socio-libidinoso da nossa sociedade cabo-verdiana d'outrora, aliado ao encantamento mistico de mnine butiode que também se dizia na giria popular "mnine incantode" o que resumindo,o problema é o mesmo, porque ficou assim gravado para sempre nas nossas memórias.Certo que tudo isso faz parte da nossa cultura caboverdiana e já não é sem tempo que o Ministéro da Cultura faça um gesto em favor do autor Zizim Figueira, aliás José Figueira Júnior, ao menos reconhecendo nele todo esse valoroso aspecto histórico socio-cultural de um trabalho de recolha que só pode ser útil ao enriquecimento da História de Cabo Verde. Embora esteja certo que não vai ser no imediato por causa da "ronha" existente ainda contra a quela nossa Ilha de Monte Cara cuja a tentiva de riscá-la da carta do nosso Arquipélago por todos os meios e aspectos tem sido mais do que evidente desde de 1975. Mas com ou sem o vosso reconhecimenteo lá se vai sobrevivendo porque São Vicente tem Alma e, Alma não morre!!! Parabens Zizim e continua com essa força em ti que faz parte integrante de todos nós. Abarços Jorge

Jorge Cleofas Martins               jocleofasmartins@gmail.com


Comentário:

Zizim, Que mais dizer, para além de tudo o que já foi aí dito pela nossa malta amiga e leitora assidua, senão que isto está uma MARAVILHA para quem conheceu o nosso Soncente. Mas me alegro porque através das tuas estórias lá vamos passando a mensagem aos nossos filhos e netos. Obrigado e grande abraço do amigo e patricio João

João CABRAL                    joaocabral@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, como nos dás a conhecer a alma do nosso povo e duma forma tão conseguida. O teu trabalho é muito importante, pois educativo. Esta estória prende a atenção


do princípio até ao fim e o final é muito interessante. Não ficou butiode, mas mesmo assim lá inteligente ficou... BRAÇA

Maguy Alfama                maguyalfama@gmail.com

Comentário:

Zè, um tema que muita gente ficará satisfeito em ler, e relembrar aquelas istorias de menino butiod, era mesmo coisas que muita gente falava quando apareicia aqueles meninos muito traquino, daqui vaei aqulo abraço cordial amigo. Januário

Januário M. Soares                 kmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Caro patricio e amigo Zizim Figueira, Você continua sendo com suas magnificas e instrutivas "Storias de Soncente" sempre de actualidade tanto no nosso país Cabo Verde como também na diáspora Pois, toda gente fala com grande satisfação e muitos dos cabo-verdeanos que não conheciam ou conhecem aquela "Tirrinha sabe de Soncente d'um vez" teem manifestado de passar a conhecê-la, compenetrando-se do humor da sua gente cheia de morabeza. Ora da minha parte o parabenizo pelo facto de ter de para além do aspecto instrutivo das crónicas, ter procurado conciliar o nosso povo cabo-verdeano. Um abraço do "patché" Zeca

Zeca Almeida                   zecalmeida@live.nl

V O L T A R