VIDA E MORTE DUM ATLETA PROFESSOR FIDJE DE SONCENTE E DE CAB VERD - SR. DR. ANTERO DE BARROS PA RECORDAÇON...

Gustave Flaubert (escritor francês de séc.XIX) dzê: - L’homme ce n’est rien, son Œuvre c’est tout !!!

Hoje ca bzote estranhá s’ês sturinha de gente de nôs terra ê um csinha difêrente de tude quês ote que bzote ta custumode alê. Ma pa mi, momente ê dum tristeza bem grande e de reflexon, u que levá’m a pegá na pena c’tude nha sentimente, pam podia falá bzote dês home que marcá c’admiraçon tude malta de nôs geraçon e más.

Dia 31 d’Outubre de 2011, quonde ‘m recebê quel triste notícia de morte de Sr. Antero de Barros, mandode de Tomar Portugal pa nh’amigue Adriano Lima (Didi) ‘m dzê lá c’nhas botons:

Caramba ‘m ca sabê sum triste noticia dês t’agradecide, no intante. Uli más um de nôs últme ilustre “mnine de Monte”, fidje de Soncente e de Cab Verd que já bem dexone más pobre e orfe (orfão) na camin dês nôs mediocridade intelectual que nô tem estode ta travessá já tem 36 one.

Sê nome, Sr. Dr. Antero de Barros, fidje de lendarie Nhô Fula, valente merguiador que tava dá tubaron luta na nôs Baía de Porte Grande, irmon d’Eduardo Fula também um grande desportista de multifaceta (golf,cricket e sobretude grande futebolista de Club Sportiv Mindlense) que nascê lá na Monte (Soncente) dia 23 de Fevrer de 1922 e morrê dia 31 d’Outubre de 2011 na Lisboa-Portugal.

El dexá um obra bastante grande (Subsidios para a História do Golf em Cabo Verde e também sobre cricket e sê pai Nhô Fula amdjor wicket-keeper de tude tempe dês modalidade) ma sempre de manera bem modeste moda el vivê, sempre c’aquel espirte dum desportista normal c’tem na funde de sê alma quel sintide de misson colectivista e patriota.

‘M tchegaba incontral li na Paris ma contacte foi mute breve nô ca tive nem tempe de falá drete.

Ma pa sês “oitenta one” nô tive um longue conversa pa telifone em quel dze’m quel sabia qual era disponiblidade que nôs tude sês antigue alune de Liceu Gil Eanes e pa tude lugar ondê quel tinha passode na Cab Verd tinha pa el.

Moda ca podia dexá de ser, foi lá cum reconhecê na el más um vez, quel grande home quel sempre foi na tude sintide de palavra, um mestre e um grande patriota margurode d’oiá nôs terra ta tmá rume perigose pa certes cosa de nôs vida colective.

El levá ma el, um grande dor pamode quel triste situaçon de nôs Club de Golf de Soncente que tava ta ser negociode pa gente que nada tava conchê de história daquel Club, um club quel contribuiba tcheu pa sê fundaçon e foi dirigente e também grande golfista, senon amdjor de Soncente que baba tê representone na Estoril Portugal num campionate e n’otes parte de munde.

Sês colaborador de Club de Golf na época que também foi grande golfistas foi nha tiu Pedro Silva, João Faustino (Nhô Junzin de Central), José Figueira (Ti Djô Figuera), José Fortunato Aburaya (Djidjê de Fortunote) José Dias (Djô de Puldina), Amâncio dos Santos, Djêdje de Lourdes (Avezinha), Adolfe de Juff, Tchtuche de Ti Noba, Nhô Herminio de Télégrafe, Dr. Fonseca e tonte e tonte otes de velha guarda que lista tava ser mute grande demás pam cunsigui metê tude sês nome li nês piquene texte d’amizade.

Na telifone, quel dia de nôs conversa ‘m sintil tchorá de tristeza sô de lembra’m daquel “Big Tree”(grande arve) já tude sec sem vida, dexode pa inglês la naquel tchon de sês antigue compe de golf.

Ma, também ‘m sintiba el fliz de podê contá c’apoie de tude fidje de sês cumpanher de golfe, na mesme trinchera ta combatê contra venda daquel propriedade, nôs “Património” quê aquel nôs Club de Golf de Soncente ondê que nunca tive problema de classe social e tude gente podia ijgaba sê golf sem problema, Antero de Barros tive nobre misson de levá golf pa Praia-Santiago.

Sr.Dr Antero de Barros, Presidente da A.D.B. e a Selecção de S.Vicente - CABO VERDE

El foi durante tcheu tempe Presidente de A.D.B. (Associação Desportiva de Barlavento) pa football, ondê quel fazeba também um bom traboie, dentre dum certe evoluçon que malta ca tinha cumprindide na principe, naquel fase de transiçon de ijgá a vontade ma tude team de quem que parceba la pa terra de Soncente, moda na tempe de carvoer ma vapor de guerra. Ma, moda el cabá pa explicá gente e c’rason era más pa cumeçaba ta protegê ijgador de foot-ball na Cab Verd.

Nha verdader contatcte ma el cumeçá, embora amigue de pai de quaz nôs tude e de nha pai Djô Figuera pamode sês afinidade desportive (golf, cricket, football etc...), foi na Liceu Gil Eanes (ones 60) ondê quel foi Reitor e nôs grande professor de Geografia na 6º e 7º one d’alinea “G” que nô terminá tê na fim junte ma el.

Antero de Barros, era um bom professor bastante avançode pa época e, foi ma el ê que nô conchê quês primer auditorie d’aula livre, em que se bô tchegaba tarde ô se bô faltaba aula, ca ta tinha falta, ma também bô tinha que estode preparode pa espiá um colega, pa bô pôba bô liçon em dia, quê na dia siguinte bô era primer quel tava interrogá.

Assim, s’el oiaba cma bô tava em dia que bô liçon tava dal grande satisfaçon quel tava demonstrá sô cum piquene sorrise, no contrare el tava fazebe comprendê cma bô tinha que estode em dia pa proxime ponte escrite ô exame. Assim, malta na respeite tude tava cumpri sem mute esforce e sempre c’bons resultode na fim d’one.

Sê misson d’ensená na Liceu Gil Eanes em especial e na Cab Verd em geral, foi sempre exemplar pa sê manera bem competente de fazê malta comprendê sem brutlindade quel nescidade qu’um ser humane tem de prendê na vida pal podê evolui.

Na mei de tude ês cosa, nô ca podê dexá de esquecê sê grande e nobre luta que sempre el levá tude sê vida p’um Cab Verd amdjor pa tude cab-verdiane e mas recente sê papel importante quel tive na criaçon de Comité Olimpico de Cabo Verde.

Pai de Nhô Balta, um daquês nôs primer mnine de Soncente combatente que daba sê grite d’ Ypiranga, ta cantá nôs libertaçon de jugue colonial que sê “Nhô Queitone Somá Ta Bem...”

Sr. Antero de Barros, ê sem duveda um daquês que ta pertencê aquel punhe de familia sãovicentine que marcá História e que nôs tude pa mute bons cab-verdiane que nôs ê, nô devê valorisá e reconhecê c’tude orgui e mérite sê grande contribuiçon pa nôs Naçon Cab Verd.

Que terra ta ser leve pa Sr. Antero de Barros e sentides psames pa tude sê famlia.

Um braça bem solidare Mindlense – Sãovicentin e Cab-Verdiane de

Zizim Figuera ( José Figueira,Junior)

V O L T A R


Comentário:

Oh... (irmao da nossa comunidade).A tua estoria de hoje ,-como tu nos acostumastes- ,nao é para rir ,hoje a tua estoria foi para homenagear o Sr. Antero de Barros .Grande cabo Verdeano ,grande mindelênse ,no tamanho e na qualidade de pessoa ,que em boa hora tu falas dêle ,- a titulo pòstumo - claro està . Creio que com o desaparecimento do Dr. Antero de Barros é o ùltimo dos grandes ,-da geraçao dos grandes -que jà desapareceu é o fim de uma geraçao de (intelectuais ) que possuio o nosso pais é o fim de uma pàgina prenchida de (bons crioulos) e que jamais Cabo Verde possuirà igual .Eu nao tive o previlégio de ter sido o seu aluno ,todavia guardo comigo boas lembrânças dêle aquando da deslocaçao da selecçao de Cabo Verde à Guiné ,afim de tomar parte no torneio de pàscoa que se realisava naquele pais em que eu participei como atleta no basquebol . Com justa razao falastes deste cabo-verdiano e espero que haverà mais pessoas ,sobretudo aquelas que foram o seu aluno ,manifestar aqui nesta pàgina electronica ,relembrando este Senhor . Aquele abraço do (irmao da comunidade) ;Um Criol na Frânaça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                        soalmeida@free.fr


Comentário:

Olà amigão manera qu'esse saúde tita ba?'M ta espera quel ta drete. Mi um ta na cabo verde ta passa uns mês que ja tita cabà. Oiá ê moda bô dzê nô tita fcá cada dia más pobre na nos cultura. Dr Antero de Barros ê sem duveda más um grande perda que nô ca ta podê substituí. Ma moda gente ta dzê pa diante ê que está camin inflizmente, nôs tude tem que bai um dia. Oia è um espetacle moda que bô descrevel na bô bom criol, e m t'otcha que tute gente tita ba gosta como sempre de bo manera de contaz. Uli quel grande braça de bô fan Lutchinha

Maria da Luz Cosmo                   lutchinhacosmo@hotmail.com


Comentário:

De todos os escritos sobre o nosso saudoso homem Sr Dr Antero de Barros, foste a que de maneira sucinta mas muito bem falaste sobre ele. Está muito bom o texto e realças de forma especial todo o esforço que todos os Cabo-Verdianos que vivem fora do país teem feito pela terra. Paz á sua Alma. Forte abraço. Toi

Antonio B.de Pina                   toipina@clix.pt


Comentário:

Indignadíssimo, É assim Zizim, mostra que santos de casa podem fazer milagres. Se não honrarmos as personalidades mindelenses ninguém o fará em Cabo Verde, por razoes evidentes. Vamos homenagear Antero Barros assim como tantos outros claridosos mindelenses caídos em desgraça politicamente e culturalmente pelas políticas centralistas. Outros mindelenses tem que tomar este exemplo e fazer algo mais pela memória deste senhor. Se fosse um badio seria um alarido total, o governo já teria o país a postos para a homenagem. Dr. Antero Barros que tanto fez pela cultura, ensino desporto e politica caboverdianas, professor de muitas gerações, não se ouviu nenhum pronunciamento da parte do PM, nem uma promessa de homenagem. O que é que disse o Ministro da Cultura? Estes são os sintomas do poder instalado que tenta silenciar tudo o que cheira a Mindelo. Os caboverdianos mindelenses, aqueles que não rastejam debaixo dos poderes, são censurados e morrem no esquecimento, proliferando os oportunistas e gananciosos. Existe um boicote programado e sistemático. É a agenda encapotado para o domínio cultural e económico. Praia não e Cabo Verde nem a sua dona. Temos que esquecer a Praia e construir um novo mundo.

Indignadíssimo                    Indignadíssimo@yahoo.com


Comentário:

Caríssimo, a prosa é oportuna e bem redigida. Porem, falta evocar o nome do Toi de Fula, grande golfista. Já conta mais de noventa e, segundo oiço dizer esta em boa forma. Estive hoje no velória na Basílica de Estrela. Muita malta do nosso tempo, muito choro de saudade. La estava o Coronel Lima, com quem conversei sobre as tuas magnificas estorinhas. Tivemos uma grande conversa pois fui levá-lo à estação que serve Tomar onde reside.Este inverno tem sido uma desgraça. Em pouco tempo foram, Antero, Aquilino, Carlos Caldeira Marques. Enfim é a vida.Parabens! Foste de todos o que até agora melhor falou sobre o nosso grande amigo comum Antero de Barros. Um garnde abraço Gui

Aguinaldo Wahnon                guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Zizim, Gostei imenso da forma admirável e em linguagen São-Vicentina como homenageaste do Sr.Dr Antero Barros que bem merece todo o nosso carinho e afecto Obrigado pela excelente iniciativa. Fraterno abraço Fatima

Ftaima CABRAL                  fatcabral@gmail.com


Comentário:

Carissimo Zizin Figuera, Meu irmão de sempre, Gostei da tua crónica e homenagem ao nosso saudoso Anterona, Professor e desportista de que muito nos orgulhamos. Ele é merecedor de toda a nossa veneração e respeito, como um dos grandes pilares da nossa caboverdianidade. Reconhece-lo é um acto de justiça e de honestidade intelectual. Abraço para ti. Humbertona

Humberto Bettencourt               humberto.bettencourt@cvt.cv


Comentário:

Zizim, todos te agradecemos imenso a ideia de aproveitar a tua coluna dilecta para homenagear o nosso Mestre. Fazê-lo em crioulo da nossa ilha é associá-lo profundamente à terra que o viu nascer e em que se fez homem grande em todos os sentidos da palavra. Não deixaste perder a oportunidade, rapaz. Estive, no passado sábado, no velório deste nosso grande professor, amigo e companheiro da jornada da vida. Desloquei-me de comboio a Lisboa e pelo caminho ia interrogando-me sobre como iria eu reagir perante o seu corpo despojado da energia colossal que lhe conheci. Ao mesmo tempo, ia ruminando a minha frustração pela expectativa que se gorou de ver inúmeros depoimentos em diálogo profícuo e continuado nos blogues e jornais online onde publicámos textos evocativos da sua memória. Depoimentos que pudessem ter-se desdobrado em réplicas de múltiplas reacções entrecruzadas. Depoimentos onde pudéssemos exaurir a palavra e cristalizar a saudade que nos deixa o nosso Mestre. No velório, detive-me por longos instantes frente ao esquive do nosso Mestre e a emoção invadiu-me ao contemplar o corpo, já exaurido pela idade e pelos últimos padecimentos, que eu conheci no esplendor do seu porte atlético e na energia varonil da sua alta estatura. Mas o seu rosto estava sereno e com uma discreta expressão da bonomia e simpatia com que me falou pela última vez, aquando da homenagem que lhe prestámos em Lisboa há uns 4 anos. Perpassou-me um tropel de recordações em que se misturavam esplêndidas aulas de geografia, o golfe, o cricket, o dirigismo desportivo, o Monte, a velha Muralha, o mar, a rua de Morguim, navios a vela, breu e estopa dos estaleiros, as oficinas da Miller’s, apitos na Baía, e novamente lições magníficas sobre cosmografia, clima e geoeconomia, a sua autoridade natural temperada com compreensão paternal. Um amigo teve estas felizes e certeiras palavras: “era um homem com mãos de ferro em luvas de seda”. Tudo isso senti em rodopio interior ao recordar o percurso de vida de alguém que estimámos e admirámos na nossa juventude. Alguém cuja memória me evocará sempre a nossa ilha de S. Vicente em tudo o que ela tem de belo, esplendoroso e romântico, razão por que, como referi no início, só faltava a tua palavra crioula para selar todas as homenagens com a maior das autenticidades. Oxalá que as autoridades autárquicas de S. Vicente venham a estar à altura das suas responsabilidades quando o corpo do nosso Mestre ali chegar.

Adriano Miranda Lima


V O L T A R


Comentário:

ADMIRAVEL!!! Olá meu amigo,Adorei a mensagem desta semana, sem deixar de experimentar uma grande tristeza. Pelo teu espírito de justiça e vontade trazer sempre à luz aquilo que muitos não conhecem ou ignoram, bem hajas Zizim Fig´s. Um grande abraço e votos de muita saúde e bom fim de semana. Aquele abraço meu e do teu broda Mário. Du

Deolinda Camões                ducamoes@hotmail.com


Comentário:

Boa Zizim, Nesse homenaja mericide que bô fazê nôs Dator Antero bô foi tê gora quem amdjor escrevê c'cunhecimente de causa.ê sempre bom sabê cma inda na Munde tem gente moda bô de nôs ILha de Norte que ta podê defendê tude nôs grande valor que já ê bem puquim ma nô ta vencê um dia. Parabene mute obrigada. Recebe um braçona de malta de Rebera Bote. Guey

Miguel M.Monteiro mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

BRAVO Zizim!!! Bõ foi "great" qu'ess bô cronica d'hoje. Sr.Dr.Anetro Barros bem merecel e nôs tude feca triste. Braça Liz

Liz CABEL                lizcabel@yahoo.com.br


Comentário:

Pegando nas palavras do ilustre conterrâneo Dr. Aguinaldo Wahnon, devo dizer que foi um prazer tê-lo encontrado no velório. Teve a gentileza de,no regresso a sua casa, fazer um desvio considerável para me deixar na estação de comboios Gare do Oriente.Conversámos sobre vários temas, um dos quais, de facto,as magníficas "storias" do Zizim.Bem-haja, amigo.Outros ilustres conterrâneos encontrei no velório, como o Eng. Edgar Gomes Santos, os professores Guilherme Chantre e Alípio Gomes e muitos outros.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Olá Zizin, enquanto leio o teu texto sinto uma nostalgia só de pensar que ainda há quem pense que devemos ter um crioulo unificado - o que significa o desaparecimento de artigos tão ricos e apetecíveis como este! Uma escrita simples e cativante que devemos preservar sempre. Deus te dê força e inspiração sempre. abraço Salense.

Evel Rocha                         ildo0836@gmail.com


Comentário:

Tive sempre um respeito, diria mesmo, sem exagerar, uma veneração pelos nossos professores no nosso saudoso Liceu Gil Eanes. É preciso recuar à época, lembrando das dificuldades e limitações da nossa Terra, para se poder medir a façanha que Antero Barros e os outros professores realizaram para nos ajudar a ser homens e mulheres de carácter e de respeito. Por isso,associo-me,com gratidão a essa merecida e bem apresentada homenagem do Zizim Figuera ao Dr. Antero Barros ao mesmo tempo que apresento à família enlutada os meus mais sentidos pêsames.

manuel delgado                   manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Caro Zizim, Não fui aluno do Dr.Antero Barros pois quando entrei para o Liceu encontrava-se destacado noutras actividades. Pelo que alunos os seus escreveram e pela herança cultural desportiva politica e intelectual reconheço nele um grande mindelense e caboverdano. Da minha parte obrigado por esta homenagem publica esperando que homenagem publicas do governo e da autarquia, merecidas ao extinto, não tardem ou não sejam improvisadas ou o resultado de pressões de ultima hora.

Jose F. Lopes                    jflopes@ua.pt

V O L T A R