CARPIDERA NA TRADIÇON DE NÔS TERRA

Na más um plumanhã log cidim dum dia que Deus tava ta ba beto’n na Cruz, sentode num bónc de Pracinha d’Igreja deboxe daquel pê de bela-sombra (arve), ta trá uns últeme femaça infrontode naquel tôc de cigorre falcão c’mede del cabá, tava nós André ingraxador, más cunchide pa André de Pracinha, inda sem ba temá quel café de custume de catchupa guizode c’cavala, pa matá jijum lá na “Jackasse” de Ninha de Pole Tata na rua de Matijim, cada pratim p’um cruzode.

Tude sês boys também já tava lá ta conferi sês caxa moda de custume, pas podia rancaba dia ta ganhá vida e garanti mãe quel panela na lume de tude dia, lá na mei daquel rebolice de pove ta bai ta bem, ta passá pra lá na depressa d’ingraxá sapote, ma sempre d’uvide espetode no ar pas podia captá quel últeme alvícera de terra.

Ambiente prá lá, na mei daquel mancher de dia, tava prop movimentode, quê de vespra tinha tide más um note de boie de Carnaval na Cinema Éden Park e nôs Andrê já tava lá ta contá sês vintura! Quê basta tude one pa quel festa de tradiçon, sê grande prazer era besti d’amdjer!... E nem tude amdjer?!

Desfarçode de preta liza desaforada, marrode quel lence na cabeça, estile criada d’inglês dode quel laçim derriba de cabeça, de mini-saia, perna bnite dode d’azete ma xixi (urina), só pas podia fecasse ta brilhá, vrode um boa gaja pa quem ca sabia.

Assim, el tava consigui pô tude quês moce desufnode na boie de Carnaval ta corrê trás del, pensonde quel era fema. Basta tinha tê que tava ta tchemal nhum. E, gatchode trás de sê mascrinha, el tava matá munde, quê, ês era tcheu ta conquistal, ta mandá Saturnine pa dal drops, chocolate, chewing ma coca-cola e tude do quel queria lá na Bar de Cinema Éden Park, pa despôs feji e dexá más dum c’ága na boca, sô pal podia tem que contá na dia siguinte lá na Pracinha d’Igreja e pô tude quel pove t’arri.

Na mei de tude quês pirraça e risarada d’Andrê, ma sês stora e partida qu’era cosa que ca tava cabá, lá el tava bai ijdonde pove diverti e, fazês esquecê grande parte d’sês miséria de munde. André tava imbalode ta contá stora del ma um boys que naquel note de boie de máscra tinha el tacode e puste el na catumba de fogue, prop dôde na el (ela) que sê cinte lorgue incarnode de taca brónc, bem pertode na cintura, ta dá que cadera na ritme de biguine sénegal. Assim, tude vez c’aquel boys tava ta tral pa boie tava bá ta dzel uns cosa baxim n’uvide moda:

- Hoje já bô infrontá, quê um ti ta bá pobe el é lá na N°13!

André, tude nocente, perguntal:

- É o quê, quê Nº 13, moce? Bô ta doide ?!

Boys dzel:

- Ome, lá na tupim! Já bô sabê?!.

Tude quel pove morte de rise, quê André dzê cma daquel lá nunca el tinha oiode, dá el largá quel boys na mei de sala, el escupli e sei ta corrê. E stora ca pude continuá, quê bem ta tchegá Guste Cavirinha, também um daquês mobilia carismátic de nôs terra que tava vivê sempre na descontra,‘’Grande Aventureiro”e home de sês mintirinha, natural de São Vicente moda el tava dzê na sê bom português.

“Grande Aventureiro”,nôs Guste Cavirinha, porquê?! É que sês ventura cumeçá foi quonde el só, que sê garganta, consigui ba pa Timor contratode de Chef de Carpinter, basta el ca sabia nem dá um pregue na madera… Despôs, dá lá ês mandal pa Angola, lugar ondê que sês ventura tinha cuntinuode ma, cma el cansás cabeça demás pra lá, ês mandal de volta pa sê terra Soncente de Cab Verd! Assim, el tinha tchegode de nove na terra e mute gente já ca tava nem ta lembrá del, sempre bajofe que mania de Chef, bestide sê amdjor fatim quel tinha trazide, té cabá, ma el na corpe.

André, que conchel bem, vrá dzel log lá na mei daquel pove :

- Puxa, Guste, hoje bô ta prop nice!

Guste, tude janota e sempre ta falá sê português, dzê pa André:

- Despacha-te lá, rapaaazzz, porque estou com pressa e hoje não estou muito para conversas!

Godzide, mode el que tava ta ba rapte pa Wilson, ba dá um recode!

André prepará sê caxa d’ingraxador e mandal pa pô pê na marca e, na sê manobra, el notá cma Guste tava cuns meia mute bnitim, dum marca que nunca el tinha oiode na tchon de Soncente! Enton, moda de custume, pa ca sujal sês meia, André metel quês plaina de papel carton dentre de sapote pa protegel meia, pa mode graxa ca tocal na sês meiinha quel tava que mute luxe, tric e trac ma xlicha…

Enton, el cumeçá sê traboie t’ingraxá Guste sapote tude dritim! Ma na fim, quonde el cabá cma el puxá quês plaina de sapote que mute força, bem quês carton c’aquês dôs garganta de meia e tude, quê quês cosa que tava ta passá pa meia, quel tinha poste pa inganá pove, n’era nem más nem menes que manga dum froque de sê tiu Damata quel tinha cortode e poste pa da estile que sê fatim!... Hehehe!... Quel pove, que ca tava estode ta esperá pa más log largá t’arri.

Ma nôs Guste Cavirinha, sempre latose, ca inrascá c’aquel risarada de pove, quê na vida jal tinha conchide pior na mei de tude sê munde de vintura!... El trá sês sapote lá mez na mei de tude quês gente, el torná compô sês garganta de meia bnitim dentre de sês sapatim bem ingraxode, el rancá pa Wilson ba dá quel recode…

Nha Jona Carpidera (tchoradera de casa de morte), tinha mandode Guste bá tchemá sê amigue Putche, pal besse pa casa urgente quê sê fidje tinha morride!... Basta, lá na casa na Tchã de Sumeter, já juntode moda tradiçon de terra tava mandá, já tava tude quês cmade, tude ês amdjor Carpidera de tchon de Soncente, pa bá ijdasse Nha Jona naquel tchore sintide, ritmode e cantode daquel manera só de seus, capaz de fazê ága esgritchi pa cara aboxe dum qualquer pessoa, “moda bananera na tempe das tchubas”, pa más dure quel fosse!...

Quê dvera, ser Carpidera pa conduzi tchore na casa de morte era um verdader obra d’arte, sô d’artista! E tinha quês Carpidêra de terra que marcá, prop de fama moda Nha Jona Carpidera, que nunca m´sube sê nome, Nha Mana mãe de Jon Ninclau, Nha Antonha mãe d’Orlando de Derby ma Mitchilinha, Nha Maninha de Tiofe, Nha Narcisa de Praia Branca, tude ês na maior parte de SanNinclau terra, moda storia ta contá que sempre tive amdjor Carpidera ma Partera de Cab Verd!...

Na casa de morte tava rancode sempre c’aquel tchore na ton de “Ahaaa Mansin”, na tchoradera de casa de morte sempre que tava morrê um mnine ô anjim, c’aquel lincim brónc aberte derriba de perna ta rolá, desrolá, torná rolá devagarim, sempre naquel ritme ta pará, torná começá...

Um semana antes, pai de Lulú de Gena tinha morride lá na Rebera Bote, ma cma Lulú já ca tinha mãe e el era piqnim (10 one) um daquês amdjer Carpidera parcê log pra lá de bom coraçon e, sem recebê nada, tmal conta de casa.

Carpidera, que sê bom coraçon, pô tude cosa na orda, dirigi sê tchore té pai de Lulú interrode, tude dritim. Ma despôs, ela inda fecá uns dia lorgue lá ta dirigi casa e Lulú, cma el era piqnim, cuntinuá a ca ta dzel nada.

Assim Nhanha, continuá ta fazê tude o q’ela queria lá na casa! Ma despôs, flizmente q’irmon Manel bem de Merca bem besca Lulú. Só más tarde, quonde Lulú bem vrá home grande, é quel bem comprendê e vrá ta contá tude gente quel interesse que Nhanha tive mostrode pa el, de fecá lá na casa, na morte de sê pai!…. É que sê pai tinha um lujinha e Nhanha, qu’era fraguês e tava conchê lujinha bem, sabia ondê que Pá Toi tava custumá gordá tude quês bons gruguinha, qu’ela herdá e bibê té quonde cabá e ca dexá nem um garrafunzim pa tistmunha, nem pa sê irmon Manel levá pa Merca.

Pa morte de Nhô Vitorino Bettencourt, pai de Chico, Pidrim, Pole, Bête ma Sr.Eloy, lá na sês casa ca tive problema moda na casa de Lulú, quê Nha Jona, mãe de Putche, amdjer de seriedade, ma tude sê grupe famose é que dirigi quel tchoradera e lá ca tive nada que dzê, tude corrê dritim. E pove já sabia que, log q’um pessoa que morreba na terra, ela ma sês cumpanher Carpidera de fama é quês tava mandá tchemá pa guentá quel tchore e dirigi casa naquês hora de tristeza.

Nês cosa de morte, guarda-cabeça ma levantar d’altar de sete dia na Soncente, sempre tava parcê uns rusga manhose que sabia cma lá naquês casa de morte podia ter quel bom grogue, lorgue e sem merrinha. Enton, ês tava passá vida ta goitá ondê que tinha casa de morte, pas podia bá nimá tchore e passá pa Carpidera, moda quel Lela de Pedre Sêron, que mute gente ca sabia s’el era motche ô fema, Aimonca ma Didi Finca Pau, tude ês que mania de ser bons “tchoradera” de casa de morte.

Contecê que na casa de morte de Nhô Henrique de Palha Carga, home de respeite, ondê quês tinha trazide corpe dum amigue de seu que tinha morride lá pa Calheta, Aimonca ma Lela de Pedre Seron, quonde ês oiá tonte grogue lá naquel casa, oie vrás azul dá ês resolvê sentá banca, sem dia de bá embora da lá. Enton tude ês, já moque, pô ta berrá em vez de tchorá! Era berre e más berre, que n’era tchore, n’era nada, que Nha Jona, mãe de Putche, ma sê grupe prop de Carpidera que tinha cabode tchegá, ca pude resisti d’uvi quês dôs home tonte de berrá, ês vrá mau de munde, cum raiba de matá, naquel criol funde de SanNinclau, gritode pa tude gente uvi:

- Nh’mãe?! Djoa cara dês dôs parbiça, djaz bem mas é stragone esse tchore de nossa!!!...

Done de casa, que comprendê situaçon, reagi log! El mandá dá Lela ma Aimonca más um bom grogue, despôs el fazês pô pé na mama de cadera e cambá morada, só pas ca basse quebrá quel ritme de tchore daquês Carpidera de verdade, que tinha começode ta guentá quel tchore tão bem guentode, na respeite e desconce daquel alma de Deus que tinha morride.

Ma nesse dia lissim, moda um dzê na principe de stora, era vez de ba ijdá Nha Jona Carpidera, mãe de Putche, que tinha pirdide sê nitim naquel note despôs de dia d’Entrude… Já tude quês cumpanher de sê grupe de Carpidera tava lá pronte, rancode ta guentá quel tchore, sô ta esperá Guste Cavirinha ma Putche.

Ma Guste tardá pa dá recôde, quê quonde el tchegá na Coré, qu’era camin más perte pal tchegaba na Wilson, el incontrá “bá ta bem” dum daquês guirrinha famose de rivalidade que tava custumá parcê, binde de borde de lantcha de mei de Baía dritim pa praia de Coré, tude frisquim! O que pa nada desse munde el tava negá e el ca tava ta bá dexá quel guerra passá sô sim!

Inda más qu’era Djosa Partera contra Batchinha d’Nh’Anton Batcha, mode um stora quês tive na borde. Moda de custume, lá na praia de Coré já tava quel data de gente, quê alvicera já tinha corride na praia, fete quel roda c’aquês dôs home na mei, ta esperá Djosa Partera, que ninguém tava pensá podê sotal mode quel peitaça e força dum home que tava valê pa quate! Tude quel pove tava intrigode, ta pensá que manera que nôs Batchinha, magrim moda um fiu de linha, tava ta ba podê sotá um home moda Djosa Partera, que de certeza tava ta ba rolal moda um folhinha de papel de cigorre e metel na julbera!...

Enton, cada vez más gente ta bem ta tchegá num tenson cada vez más grande! Ma quel manhose de nôs Batchinha resolvé quel stora ‘’one time’’, na dôs minute, pa esponte de tude quel pove! El trá sê camisa, el rufená lá pa tchon, el pô Djosa posiçon de boxe el fecá ta rudial... Enton, el esperá quonde Djosa rufenal quel bom nhame (soc) c’aquês mon pesode, el esquivá, passá por boxe de broce de Djosa, abril guarda, bá ta esquá, bal na boca d’estome, dal um bom palmadinha que mon aberte e bá ta dzel assim:

- Desse vez, escapa! Ma, pa ote vez, C U I D O D E !!!

Enton Djosa, tude espantode, nem reagi nem queris creditá! Quel pove ca tive ote soluçon que fecá prá lá pa tchon tude morte de rise, ta pensá naquel pirraça de Batchinha! Basta té Putche, que inda tchegá a tempe de Wilson, cumpanhode de sê amigue Guste, inda participá daquel reste de Guerra na Coré ma também daquel risarada... Putche inda tude nocente de morte de sê fidje!...

Enton, despos de tude quel risarada, Guste devagarim ba ta calmá e tmá consciença daquel situaçon. El mandá Putche pará e uvi do quel tinha pa dzel, qu’era pa ês basse pa casa depressa quê el tinha tide um desgraça na familia! Má Guste inda faze um break e ca queris dzel más nada nem quem era! Pé na mama de cadera, ês rancá ta bai cum depressa de matá.

Quonde ês tchegá na porta de casa, lá na Tchã de Sumeter, Putche, que já tava ta bem que sê duvda na cabeça, comprendê log e tmá consciença de situaçon. Enton el entrá e quonde el oiá quel caxunzim na mei de casa, el dá um grite e lá el rancá tchorá gritode e prop desintuode:

- AH, NHA FIDJE! AH, NHA FIDJE! AH, NHA FIDJE!!!

Enton sê Mã Jona, Carpidera famosa, sinti magoada naquel manera de tchorá de Putche, ela má tude sês colega Carpidera argui, ês braçá Putche, que tava tude desconsolode sempre ta gritá, e num sô vôz, naquel bom ritme tuode, Carpidera pô cosa na lugar tude ta tchorá e ta dzê :

- Ó, Putche… Ó, Putche… Ó Putche… Calááá... calááá, quê bô ca sabê tchorááá!!!

E assim nôs Putche pude incontrá sê calma, pa felicidade de tude quês amdjor Carpidera de terra e amiga de Nha Jona, que pude cuntinuá sês tchore naquel ritme tuode de lincim bronc ora na mon, ora derriba de perna sempre ta rolá, desrolá, torná rolá, naquel cadença de tchore bastante particular prop de seus, capaz de fazê gente de tripa coraçon e entrá na ritme ma na pele de sofrimente de gente de casa! O que era um verdader obra d’arte d’expresson popular sô dês amdjer artista de valor na arte de tchorá morte por nome de CARPIDERA de tchon de nôs terra Cab Verd!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Força Zizim! Continua a manter e aumentar força porque precisamos da tua memória e do teu puro amor a Cabo Verde, principalmente na sua vertente mindelense. Um abraço forte e obrigado pela tua amizade.

manuel delgado                     manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Oh ;( irmao da nossa comunidade ); apesar dos momentos dificeis que neste momento estàs a passar ,apesar do teu estado fisico bastante deminuido,mas sempre com a tua boa vontade de nos fornecer as tuas estorias ,so tenho a dizer-te simp^lêsmente BRAVO , através das tuas estorias ,so quém sabe é que pode dizer ,ou melhor calcular o teu estado de saùde.Esta de Carpideira na tradiçon de nôs terra , é também muito boa . Desejo-te uma ràpida recuperaçao ,para que possas continuar ,nao somente ao lado da tua familia mas também continuar a nos fazer sonhar ,através dos teus contos ,os bons mometntos tradicionais do nosso pais ,particularmente (do nosso Saocente !.. Aquele abraço do irmao da nossa comunidade; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                soalmeida@free.fr


Comentário:

Muitos parabéns por mais esta crónica e mesmo doente continua nos brindando para não perdemos o hábito de todos os domingos . Que Deus lhe dê saúde , força e boa disposição para continuar . Votos de rápidas melhoras e um grande abraço , Gaby

Gabriela Amado Silva            gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Zé, primeiro desejo que tenha uma boa repuração, e que depressa estaràs em casa, junto a tua familia que tamto espera de ti, e dos amigos que deseja que tenhas muita saude. foi uma bela estoria, maies uma das varias veses, os nomes que muita gente de saocente conheceu, assim mostra a tua FORÇA de lutar pela tua saude, Eu da minha parte desejo que o ASTRAL SUPERIOR te acompanha, ilustrando cada ves maies e maies.

Januário Matias Soares                jmsoares@kpnmail.nl