QUÊS SEGUNDA-FERA DEBOXE DAQUEL ESPINHERA DE PRAÇA ESTRELA

Fudjinha somá descolce moda de custume, ta bem t’andá na ponta de pê c’sês crove duride, ta esquivá d’incostás naquês pidrinha maldite de tchon de Tchã de Sumeter e Deus defendel de tocaba num sô dês, quê sê dia tava fecá log estragode chei de dôr tê funde de coraçon.

Chei de deficuldade ma c’mute cuidode e sempre ligirin, ta bem c’gitim, na depressa de tchegá naquel segunda-fera lassim, deboxe daquel Espinhera Preta de Praça Estrela perte de Club Sportive Mindlense, ondê que tude gente tava bá juntá p’uvi alvicera de cosa de vespera (dia Dmingue) passôde na tchon de Soncente e, quel Fudjinha pa nada dês munde tava fecá sem marca sê ponte.

Gente tava tchemal “Folha” em vez de Fudjinha talvez sô pamode el qu’era magrim ô pamode el que foi um grande admirador, daquel tal “folha seca” grande pontapê de Didi (capton de seleçon de Brasil), que parceba na Copa de Munde de Futebol na Suécia, one de 1958.

“Folha”, grande amigue e cunchîde na terra, irmon de Jack de Beta, Mayca Barronque e Vula capton, deboxe de sê poc escola, bom na colc mental, tinha um mimória feliz pa fixaba e prendê d’uvide, tcheu cosa de nôs cultura e de cultura Brasiler que tava bai dês de Nordeste de Brasil, tê Rio de Janer.

El tava conchê Jorge Amado escritor, Luiz Gonzaga múseque de sês baião, quel tava passá vida ta subiá ô cantá e compará c’alguns cantiga de nôs terra que tava na moda sima “Bô cabel já da’m na cara...” e más ôtes que ca ti ta be’me grinhassim na ideia. Um verdader enciclopédia ambulante de tude ês cosa que tava incantá gente de nôs Ilha de Monte Cara.

El tava conchê Mangueira c’sê Escola di Samba e também quel trio rival infernal brasiler de foot-ball, Botafogo, Flamengo/Fluminense (o tal Fla/Flu ), quês dôs equipa sagrode e más rival de Rio, moda Mindlense/Académica na Soncente c’tude sês storia, ma sês samba, sem nunca el ter puste pê na Brasil.

Pirracente moda el, ca tinha dôs na tchon de Soncente, inda por cima c’tude cosa d’arri quel tava contá cum descontra de matá tê fazê pove xixi na calça, na sê gête sô d’seu sempre serie, sem arri, o que tava faze’m lembrá, quel grande actor comic mercone, que na sês filme, nunca tava arri, pa nome de Pampelinas ô aliás Buster Keaton.

Quel plumanhã lassim, Espinhera tava tude fluride de marel ta tcherê prop sabe, Sol já tava prop quente, ma cum tempe bronde quonde Fudjinha tchegá cumpanhode ma sê cumpade, Putche de Nha Sabina, más cunchide na praça pa ser um boys medente p’afronta, que tê um folha de mote se caíba de note na tchon perte del, cabel tava intchal na cabeça e era capaz log de sei ta corrê em perigue del sinti um cosa de coraçon.

Ma naquel momente, Fudjinha ma Putche já bem ta tchegá na conversa ta lembrá cumpanher daquel bom arroz c’atum de malagueta, c’azeitona ma tomate fresc, quês tinha cmide de vespra, lá na Bar de Gêgê ma Alberte manquim, perte de Quintalona.

Quonde pa depressa, parceba quel primer arreloce de dia dmingue pa segunda cum monzada de gente, ta bem pa traz de Djô de Jon du Chique que na época era guarda-rêdes de Mindlense, chei de raiba, cum bique grosse dum kile e mei, intchode dum soc que Curuca (Deus dás céu) tinha el dode naquel jogue de foot-ball Mindlense/Amarante de dia Dmingue.

Rivalidade daquês dôs criatura, Djô keeper de Mindlense e Curuca d’Amarante, já tinha durode tchêu, quê tude ês tava passá vida ta chatiá cumpanher c’stora de quem qu’era, mas bom keeper (guarda-redes). Enton quel dia Dmingue lassim, num jogue de campionate, Mindlense/Amarante log na príncipe de jogue, Mindlense metêba Curuca, um senhora gole.

Djô du Chique, proveitá log e pô ta grital dum baliza na ôte, ta fazel biogue, ta dzel cma el era um azelha e ta fazel um data menhoce, ma palhaçada que broce etc,.

Curuca zarode, vassalá e ca pude guentá quel goze, proveitá um jogada, bem da lá de baliza deboxe ta corrê tê tchegá na Djô, na mei de confuson daquel jogada e proveitá pa bem dal quel bom soc na boca, pa log bai ta sei fora de compe ta corrê sem dá arbite tempe, ondê quel despôs foi castigode e suspense pa Federaçon de Futebol um one sem ijgá bola na Compe de Jogue.

Djô, quel segunda-fera, tchegá na Praça Estrela, c’sê bic intchode ta perguntá tude gente pa Curuca, ta explicá pove, cma tude foi tão rapte, quel ca tive nem tempe de riagi. E, sô o quel tava pedi tude gente era pa dzel ondê que Curuca tava pal bass descontá sê soc.

Afonso Coronel ma Canhota, quês dôs grande buzode de sempre e rote de Praça Estrela que sabia de tude cosa, proveitá log de situaçon, ês vrá pa Djô t’arri, ês dzel:

- Quont’ê que bô ta do’ne se nô dzebe ondê quel está? Djô dzês, vinte escude cada um! Enton, pô’ne el já li na mon de favor primer ok ?! Dzê Afonso. Djô pôs sês nota de vinte na mon cada um, Afonso ma Canhota tude contente largá t’arri, ês dzel cma ês tinha ôiode Curuca quel hora mez, ta bai pa Caizim bá cagá.

Djô, largá ta corrê pa Caizim log quel hora que tude quel trupida de gente traz del, el tchegá lá, tava Girolde pliça scocá-cáca qu’era guarda de Caizim, el perguntal chatiode dmunde :

- Ondê Curuca? Girolde que ca sabia de nada, vrá dzel log cma Curuca, tava lá na gabinete numbre 2 (dôs)! Djô bai, cunquil na porta, Curuca inocente e em paz lá ta dá de corpe prop sabim, longe de pensá na Djô, vrá dzê:

- Ô pessoa, quem bô?... Djô, chei de raiba, forton nem um touro c’sê voz grosse, vrá dzel, cma el era Djô de Jon du Chique e pal abrisse quel porta, quê el sô o quel queria era descontá sê soc quel tinha el dode a traiçon naquel jogue de dia Dmingue.

Basta, nôs Curuca que já sabia cma Djô c’sê bic intchode tinha estode ta espial pa tude banda de tchon de Soncente, dês daquel dia dmingue, panhode de surpreza e sem sabê cmanera que Djô sube cma el tava lá, inda más na Caizim. Boca cumeçá ta vral margose, tê dal log goste de sabon trançode c’tcherrica que bel dum vez, na mei de tude quel trapaiaçon.

Da lá dente, el vrá pa Djô, el dzel log cma el ca tava t’abril porta nem flaça. Enton Djô, respondel cma el também ca tinha pressa de basse da lá, quê já agora quel tinha el incontrode el ca tava ta bá largal. Depôs duns hora de conversa, nôs Curuca resolvê dzê Djô ok, ma a condiçon, quel daba el, um suquim bem devagarim...

Djô, ca esperá pa más e dzel log Ok!!!

Já bsote pensá naquel “suspense de cinema” de tude quês gente, tistemunha diasá traz de Djô ta esperá quel hora daquel soc. Bzote ca ta nem imaginá. Basta Girolde, que bem sube, du que tava ta passá, cma el era Plica Scocá-Cáca, guarda de Caizim (cagatore public) pa recebesse denher d’use daquês ratrête, bá log ta escoá da lá, pa ca dasse tistmunha, cosa prop de custume de terra, na época, quonde ta tinha quês rixa, ma guerra marcôde lá pa lode de Corê, etc.

Enton foi um verdader cena de teatre, Curuca abride porta já preparode, marrode dente na quexada pa recebê quel soc de gigante Djô de Jon du Chique, inda c’calça mei na mon ta cabá de besti c’Djô ta dal quel grande soc guentôde. Nhas gente, foi one time (um cosa sô).

Nôs Curuca levode sê bom soc, debangá da lá derriba dá escuá na sê broc de CAIZIM, ondê quel tinha estode antes ta dá de corpe, dritim pa mar. Foi um verdader espetacle d’oiá Curuca ta nadá, ta sei na praia tude borrode c’aquel pove morte de rise e nôs Djô de Jon du Chique ta bai tude bajofe, pamode el que já tinha descontode sê soc.

E, sorte de Curuca ê que marê tava cheia, assim el caí foi dente de mar, quê se marê tava seca era log um chatisse. Assim, el ta sei de mar, Djô dexi, bá bescal ta dzel cma agora ês tinha fecode “all square”(impôte).

Ês dá quel shake hands (monzada) e, moda de custume, tude quel stora de dmingue pa segunda-fera, bá cabá lá na butequim de madrinha Laura de Gaspar na Praça Estrela,deboxe de Mindlense c’uns grogue c’bafa de escabeche d’ôie-lorgue (pexe), especialidade de casa, c’tude pagode pa conta de nôs “big man” Djô de Jon du Chique que na funde tinha um bom coraçon.

E assim, moda de custume, vida pude cuntinuá na tude sê serenidade, c’más um alvicera de segunda-fera betode pa traz que bem juntá ma tude quês ôte passode naquel fim de semana de tchon de Soncente, deboxe daquel Espinhera Fluride de Praça Estrela perte de Mindlense, c’tude sês gente feliz, sabe, contente.


Zizim Figuera (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Olá Zizim Figueira, Como é bom,estando longe de SONCENTE,como eu e muitos outros no BRASIL há tantos anos, ler essas histórias relacionadas ao povo de SONCENTE e que são coisas próprias da TERRA ou do lugar,ao ler essa história parecia que eu estava lá na Praça Estrela vendo a cena, e mesmo indo para o CAIZIM lugar tão caracteristico de SONCENTE daquela época.BELO TRABALHO . Um grando abraço do amigo Álvaro Benrís

Alvaro Benrós                 albenros@hotmail.com


Comentário:

Caro Amigo Z.Fiueira, Como sempre muito apreciei "Ques segunda-Fera Na Praça Estrêla" e adorei a referência "aquel arroz c'atum"! (Deformação profissional.) Fico satisfeita ao constatar que vai melhor de saúde e que continua a deliciar-nos todos os fins de semana com as suas saborosíssimas storias do nosso sempre amado Mindelo. Bem haja pelos momentos em que nos faz relembrar, nesta terra longe, os seus usos e costumes! Muita Saúde, um forte abraço da amiga que muito o admira Lourdes

Lourdes Chantre             lordes.chantre@netcabo.pt


Comentário:

Oh "irmao da nossa comunidade; " antes de mais que a tua boa disposiçao nao te abandone e que a tua memoria continue intacta. Esta està mesmo bem boa, "quês segunda fêra ,deboxe daquel espinhêra ", de praça estrêla, -antiga salina, tens muitas estorias ainda para nos contar. Creio que, como antiga "salina " deve sair ainda por ti ,boas ideias !..Pena é que os grandes dasafios de criket, de futebol ,que naltura se jogava ai, na salina ,-que nao era ainda do nosso tempo - podia inspirar-te boas estorias !.. Mas esta da espinheira, nao fica para tràs. Aquele especial abraço, do "irmao da nossa comunidade " Um Criol na Frânça, Morgadinho !..


Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr


Comentário:

Zizim, Arrastado nas ondas dos ventos da tua estória lá me senti rejuvenescer com este conto teu com a nossa tão bem amada "Praça Estela dum vez" e todos esses personagens que tanto fizeram parte dos nossos afectos e continuarão a fazer FOREVER!!! Graças a ti. Bons momentos passamos ali debaixo da nossa espinheira sobretudo nas segundas-demanhã depois das estrias de filmes no Éden-Park e encontros de futebol de fins de semana "na Compe de Jogue". Força amigo e muita saúde. Forte abraço Viriato

Viriato Évora                viriatoevora@aol.com


Comentário:

Caro Sr. Zizim, Como sempre admirável com suas crónicas de fim de semana. Soube que tem estado bastante doente, mas aqui em casa toda gente está torcendo pos si nas suas preces. Gostei imenso da estória e a mãe como sempre com seus detalhes da época que não conheci me fez gostar ainda mais. A escrita está perfeitinha e lá vamos treinando com ela tanto em leitura como escrita. Continuação de um bom dia de domingo e melhoras. Um abraço bem forte de todos nós. Gilda

Gilda B.Leite              gildableite@gmail.com


V O L T A R


Comentário:

Dear brother, Hoje mais uma vez adorei a estória com todas essas sublimes recordações de uma época que já não volta mais. Mas enfim, assim vai a vida e não podemos inverter o processo. Soube que o Onésimo Silveira quando foi presidente da Camara Municpal de S.Vivente mandou deitar abaixo todoo aquele monumento histórico que era a Praça Estrela e transfigurou-a completamente para pior deixando a nossa gente "sem posente". Disseram-me que hoje já nem pessoal nosso se aí vai. O Miguel ficou para me mandar uma foto da recente, pois tenho uma cá da nossa antiga e carinhosa Praça Estrela. Onde é que ele estava com a cabeça para estragar um Monumento daqueles e portanto se diz grande intelectual defensor do património de S.Vicente. Que de tristezas, mas ainda bem que te temos Zizim, para desencovar tudo isto para que não percam o seu valor histórico na nossa História. Obrigado e força para continuares. Um abraço Fausto

Fausto Martins                 faustomartins@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Cma já bô sabê dia dmingue é dia de festa li na nôs grupim de Sidney-Auatrália. Hoje Bete ê que fazê um feijoada na moda de nôs terra Soncente c'tude quês ingrediente de cstume. Enton,depôs no fazê quel leitura, csê que já nô arri de lembrá desse storia de cumpade Djô de Jon du Chique ma Curuca. Bô tem razon nha broda Recordá ê Vivê! Moda nôs pove ta dzê. Ubrigada pa más esse sturinha sabim. Quel braça de malta e de minha também Terencio

Terencio Lopes               terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Boa Djô! Um sturinha sabim sô de gente sabim, inda más naquel ambiente de nôs antigue Praça Estrela. Mi mnine, quel dia influide ta bai pa Caizim trás de Djô, quonde 'm tchegá na casa 'm lev´de lote mode era lugar ondê cum ca divia bai mode mar. Ma ca ta fazê nada quê 'm fcá lá tem quonde Curuca levá quel bom sóc de Djô... dá quei na broc bai pa mar. Força n'irmon um braça bem grando Lili

Larry de Pina                  LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Sr.Zizim, Sigo sempre com aquel interesse particular as suas crónicas domigueiras que continuam tendo aquele impacto positivo em todos nós, pois os mais antigos lá vão retocando e nos fazen compreender a história do nosso São Vicente. Adoramos esta e lá fiz as passagens habituais na minha imprimadora que passo a muitos maigos que não teem internet. Receba votos de melhoras de todos nós. Um baraço Suelly

Sulelly Fonseca                suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Ao ler mais uma das "estorinhas" do meu primo, Zizim, não posso deixar de dizer que estamos perante, não de um contador de estorinhas, mas de um grande escritor, cuja arte, rara, leva o leitor a participar em cenas reais, a conviver com as personagens descitas com realismo , proprio de um bom observador minucioso, conhecedor profundo das gentes de Soncente, com seu sentido, fino e humor. Parabens, caro primo, e aquele abraço.

aguinaldo Wahnon             guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Broda Zizim, mais uma vez li e deliciei-me com esta "storia" ceia de humor e picardia. Mando-te aquele aquele costumeiro abraço de felicitações e desejo de uma recuperação da tua boa forma física.

Adriano Miranda Lima

Comentário:

Zizim, Acho muito bem que tenhas tomado essa iniciativa de escrever sobre a nossa Ilha de São Vicente, retratando muito bem numa escrita fluida em nossa lingua cabo-verdiana forte apreciável, nossa terra e seu património socio-cultural e toda a nossa gente que faz parte integrante desse decor. Como lá dizia o avô Damata a Salina fora a Universidade Despotiva de São Vicente e com toda razão de Cabo Verde e porque não. Gostei imenso de ler este artigo que só nem não conheceu o sítio daquele tempo não poderá avaliar. No entanto as tuas escritas lá vão ficando para testemunhar concretamente todo esse nosso passado histórico bem nosso que ninguém nos poderá o demolir. Pena que estúpidamente por ganância de dinheiro lá vão demolindo e dando cabo do nosso São Vicente e seu património a começar pela Praça Estrela hoje completamente desfigurada dado a renovação feita pelo Sr Onésimo Silveira eis presidente da CMSV. Uma tristeza e mágoa para todos nós que tanto apreciávamos a nossa antiga Praça Estrela cuja foto ainda guardo no meio das minhas fotos souvenirs. Saúde e força amigo. Grande abraço Nununa

Humbeto Eliso Costa             nununacosta@gmail.com


Comentário:

Zizim, nha queride amigue! O que sabe, abri computador e otcha bo storia !!! Sinal que ja estas bem melhor graças a Deus, e com energia para escrever, e esta storia esta tão engraçada,,,,,que mostra a tua energia positiva. Já fizeste me rir como há muito não tinha rido! E, como sempre a storia escrita com pormenores, e que mostra tao claramente o humor de gente de nos terra, que na falta de maior entertenimento, se divertiam com suas próprias vidas e acontecimentos, talvez um caso único no mundo. Tambem gostei muito das comparaçoes com o Brasil,e assim mesmo! como canta a nossa Cesaria,,,Soncente e um Brasilim. Parabens por mais esse conto que esta ótimo, pelo teu "criol sempre sabe" e tão bem escrito. Bijim, e continua melhorando a cada dia que passa. VOu ter férias a partir do dia 16, e falaremos ! Sodade Ju

Judith Wahnon                   juwahnon@aol.com


Comentário:

Zé, Não só ri tanto como também soube apreciar este teu grande trabalho que vens fazendo práticamente reconhecido pela maioria que conheço. A tua escrita continua sublime e peço-te que continues . Grande abraço Eloisa

Elosa Carvalho               elcarvalho@aol.com


Comentário:

Como sempre, gostei muito . Que Deus lhe dê saúde, muita força e disposição que não lhe tem faltado porque embora tendo problemas de saúde não se tem esquecido dos seus leitores e apreciadores das suas crónicas. Continuação de uma excelente recuperação é até domingo . Um abraço, Gaby

Gabriela Amado Silva         gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Caro Zè, Gostei muito, uma istorinha de primeira, não terminas das boas surpresa, assim vamos relembrando sempre das coisa da nossa terra que são muitas. Desejo as tuas melhoras, e que tenhas muita saude, a tua memoria é mesmo inagualavel. Dqui vaie aquelo abraço, que as Forças Superiores te acompanha Januário

Jnauário M.Soares                 ludu54mi@kpnmail.nl


Comentário:

Parabéns Zizim! Um abraço de amizade e reconhecimento.

manuel delgado              manuel.delgado@sapo.pt