CESÁRIA ÉVORA - MORTE E VIDA SEVERINA

Ma Cize, o quel tinha d’admiravel e ‘m tava aprecial tcheu, era sê modestia de vida. Diferente de tcheu gente na sês comportamente, ela, dnher nem folia de grandeza ca sebil na cabeça e ela cuntinuá sempre quel Cize qu’um conchê dês de nôs infância

Nascide de barriga de sê mãe Joana na dia 27 d’Agoste de 1941, quonde inda ês tava morá lá na Socodol, quel casa mesme ta quei de padoce que mãe Joana nem ca queria sei da lá, ma foi obrigode á força pamode perigue de vida dela ma sês mnine.

Fidje de pobreza, moda tcheu de nôs terra sempre foi, num época que niguém nem tava pensá cma Cesária Évora, moda num conte de Kafka, um dia tava metaforfosá, ma na sentide contrare dês romance, pal podia bem ser, um dia nôs Rainha / Embaixadora na Munde inter de múseca de Cabo Verde.

Moda de custume, bodzê ta procurá sempre orija de cosa pa tapa’m nhas bróc de lacuna d’existença de tude nha vida.Ta be’m sempre na mimória, quês data de pergunta que tcheu vez ta fecaba e fecá sem resposta, pamode ê prop assim... e, o “Ego” na ser humano ê e ta ser ser sempre odiose (Oedipe Rei ).

Pa quem tem sentimente e ta senhá c’um Munde diferente moda aquel de Louis Armstron (Stachmo) na sê cançon “the what a wonderfull world...”,ta levo’n inda a fecá sempre naquel duveda absurde de comportamente humane, ma sempre na esperança cma um dia el ta podê mudá, que ta cumpanho’n c’tristeza d’oiá cma cosa n’ê nada assim tão facil, pamode inda tem gente na munde que ca querê comprendê.

‘M ta lembrá, tude quel admiraçon dês de mnine, que nôs tude tinha a Charlie Chaplin (Charlot) que tonte fazê parte de nôs infância, faze’n arri que sês filme comic na geste e na gete d’apresentá (cinema mude de Papim na Olte de Bera-Mar) ma que na funde tema era bem serie, cosa que sô depôs de grande e de descubri orija de cosa, bem faze’n tma conta de realidade daquel mensaja forte que na época el tava tentá passá.

Desiluson qu’um tive, depôs de ter lide livre de sê vida, ondê quel dzê log d’entrada e ‘m sube apreciá, cma “el tava gostá d’ijdá, brónc, prete, judeu e tude gente oprimide ô considerode cma inferior na espece humane. Ma tempe depôs, num grande intrevista quês fazel na Suiça (Berna) ês perguntal, sel tinha fete tude aquile pa dnher, el sem exitá dzê cma sim e, sem nium estade d’alma.

CIZE, foi completamente o contrare de tude ês cosa lissim que ja’m relatá.Pa quem que conhel dês de piqnim, quonde de Socodol el ma sê mãe e irmon bem morá na rua d’Antone Nola, rua ondê que pa cuincidença também ‘m nascê.

Lá cosa cumeçá ta fecal diferente, quê el mnininha na fase de criaçon, sem possiblidade de bai pa escola pamode mãe ca tava podê. Enton, ela ma sê amiguinha Guida, tava andá sempre djunte, naquel área de “spend a good time” de Lombe, sobretude ta frequentá quel Bar de Nha Plona, ondê que Cosca ma Vicente Ciçarone (guia de estranger) ca tava cabá de trazê estranger de borde pa terra pa sês business.

Enton, Cize ma Guida, tinha que cmê e pa sobrevivê, pessoa que más podia e brazá qu’ijdás naquel época foi nha Plona. Lá na Bar, ês tava cantá pa animá lugar deboxe d’orquesta de Ti Goy Caraca que poc a poc notaba possiblidade de Cize e bai ta dal uns lamirê ma toc n’educaçon e entrada na ritme de múseca que sê bom voz natural.

Cize cuntinuá ta criá tê dá amdjer grande, mãe de fidje,sempre deboxe de sê pobreza, tê qu’um dia moda ta dzide na nôs terra, um porta abril e ela pude bem pa França cantá na sês primer presentaçon, o que cumeçá log pa ser um sucesso.

Ma, ca foi fete mute espuma, quê moda el tava dzê el ca queria dnher nem nada, sô tava tchegal sê garrafa d’whisky ma sê cigorre... Ca mistide ‘m fazê bsote um desenhe pa bsote oiá o que contecel na future durante tude quel tempe.

Ma depôs, francês qu’iterressá pa el, ma ninguém ca nem falá dês cosa durante tude ês periode de sê morte que balá nôs tude verdione de gema, ê que bem lançal c’controte, conta na bonc e tude proteçon social quês pude dal na sês terra, pal podia assim gordá algum cosa.

E, foi sô sim que Cize, pude juntá ainda na fim de sê carrera de vida um csinha de dnher, ter um casa e vivê desafogode tê últme dia de sê vida.

Ma Cize, o quel tinha d’admiravel e ‘m tava aprecial tcheu, era sê modestia de vida. Diferente de tcheu gente na sês comportamente, ela, dnher nem folia de grandeza ca sebil na cabeça e ela cuntinuá sempre quel Cize qu’um conchê dês de nôs infância.

Dês de tempe de escola de Sr.Alfredo Brito na rua de Djacô lá na Lombe ondê que nô fazeba nôs preparaçon d’admisson e depôs Liceu Gil Eanes ( mi, Nhelas de Mucim Mercone, Djibla, Bitim de Nhose, Oldegar de Djandjan etc...), Praça de Dator Regala e tava incontral ora ta saí ora ta entrá, na bar de Nha Plona ma rua d’Antone Nola, sempre quel Cize sem escruple nem vaidade mesme depôs de tude o que contecel p’amdjor na sê vida que nôs tude conchê.

C’um coraçon grande tamonhe de Munde, ela sempre que pude ijdá e fazê gozá de sês vantaja tude quês fidje de pobreza sês cumpanher más perte dela na sês vintura e desvintura de tempe de pobreza.

Ta partilhá, ta dá sê best pal oiá feliz tude aquês que ca tive quel oportunidade de vivê moda el, c’intensidade quel ô quês bom momente quel tava dás pas vivê, desinteressode sem pensá na dia de manhã.

Quonde alguém tava tentá abordal ta tentá tral quel ideia de cabeça ô dal consei, ela tava prop zangá e ca tava dexás vançá mute, porque el tava dzês, ôm dexás proveitá quê mi também ja’m passá pra lá quonde ‘m ca tinha nada.

Que geste más nobre e liçon pa Munde Inter, Cesària Évora, nôs Cize, fidje de pobreza de nôs terra Soncente de Cab Verd, ca podia dexá de do’n c’tude ês sês atitude espontêneo de partilhá ma sê pove, moda el tava dzê: - Pove ê que da’m tude por isse tude o qu’um tem ê de pove. E, sês promessa nunca foi em vão sô de palavra no ar.

Cize, grande cantora de vida curte ma chei de glória que bô foi, bô rastone nôs tude na bôs estera sem distinçon de cab-verdione d’Ilha de Cab Verd que fosse, o que sô ta intchibe de glórai e ca dexá ninguém poderá de bô espirte Livre de Liberdade que nôs tude conchebe.

Bô foi cantora, grande Embaixadora de Cab Verd representante c’força de “Morna ma Coladera” c’reconhecimente de bô pove verdione e de pove estranger qu’uvibe, escutobe c’admiraçon, sube apreciobe e dobe bô valor graças a mérite de bô prop voz conquistador.

Nunca bô esquecê bô tempe de galera, em que bô passá fome e riqueza ca sebibe na cabeça moda mutes que tê inda hoje ca comprendê cma maior riqueza que nô ta levá dês Munde ê espiritual e ês li ê que sempre fazê bô força. E, Deus defendê se cada um tinha direite de levá sê cofre ma el pa quel ote banda di lá. Era log um chatice. Ma inda bem que Deus sube fazê sê Munde.

Pa nôs Cesária Évora, aliás Cize moda pove butzobe, cantora fora de serie recunhecide na Munde inter, amdjer de poc intruçon, ma dadera de leçon de vida sem fazê mute barulhe, bô tem tude nôs admiraçon, assim cma admiraçon de tude pove de Munde inter qu’uvibe e sube apreciobe.

UM SARAVAHHH.... CIZE!!!

BOAS FESTA E FELIZ NATAL PA TUDE GENTE C’PAZ E HARMONIA...


Zizim Figuera (José Figueira,Junior)

V O L T A R


Comentário:

Caro Zizim, Hoje ê dia de Natal! Feliz Natal, pa bo e bo familia. Cma 'm ta li mi sozim, so menahça que nha fidja ma se familia ta bem li, ja me proveita tempe desse socego pa le bo Storia. Oia,,, ja me fca ate emocionode. Bela homenagem a nossa Cize! Nao deixaste escapar nada, da storia da vida dela. Muito bem escrita, o resumo da vida dessa grande cantora esta mesmo boa. E as comparações de comportamento na vida social, com Charlie Chaplin , etc, estão bem oportunas. Eu sempre admirei a Cize pela sua humildade, E o que sempre repeti a todos. Eu sempre assiti os shows dela aqui na California e uma vez em Washington. Para chegar perto dela, tinha que passar por uma grande segurança, era dificil, porque ela era uma grande artista International, então aqui fora era protegida,como a Madona, ou outra grande cantora. Mas chegando perto dela, uma pessoa via que ela não ligava para nada disso....era a nossa Cesária, mnininha de Soncente, que nada subiu a cabeça. Falaste disso e muito bem. A nossa Embaixadora por direito, ninguém melhor que ela fez Cabo Verde conhecido, era uma alma boa, simples, e generosa. Ela estará no Céu, ou seja que lugar bom temos que ir depois desta vida,era uma pessoa iluminada, que deu uma lição de vida,como disseste. Beijinhos querido amigo , e parabens por mais esta storia desta vez muito especial Ju

Judith Wahnon                 juwahnon@aol.com


Comentário:

Belo texto e muita bela homenagem comparativa que dedicaste com força á nossa Cize. Parabens e mais não digo que tudo aí está mesmo sublime. Feliz Natal e um rijo abraço Antonio

Antonio Simas                      antoniosimas@gmail.com


Comentário:

Oh. "Irmao da nossa comunidade" ; a tua estoria desta semana nao podia ser melhor dedicada à "nossa Cesària Evora " ,filha dessas ilhas berço de Eugénio ,nhô Balta e B.Leza ;para nao citar que esses (três grandes responsàveis) da nossa cultura ,da nossa mùsica ,que a Cesària soube levar tao longe fazendo conhecer ao mundo inteiro a existência daquele arquipélago,com uma tradiçao tao forte e uma mùsica extremamente cativante que surpreendeu o mundo inteiro . A " CIZE " nunca serà demais elogià-la nunca serà demais que ela seja O MOTIVO DE UMA SIMPLES CONVERSA pela importância da sua prestaçao como cantora cabo-verdiana nas suas interpretaçoes DA NOSSA MORNA e que teve um extraordinàrio epacto na opiniao INTERNACIONAL pela maneira como ELA foi homenageada e que possivelmente jamais haverà um enterro igual em Sao Vicente.Curiosamente o ùltimo enterro com uma multidao tao grande ,foi o enterro do Luis Morais ,-isso prova a importância dos nossos grandes artistas em relaçao ao nosso pais E O VALOR TAO -MARTIRIZADO- ,DA NOSSA MUSICA ,DA NOSSA MORNA!.. Desejo-te caro irmao ,um Bom Natal e sobretudo a tua saùde que é essencial para que possas continuar a nos fornecer as tuas tao apreciadas estorias . Aquele abraço d'Um Criol na Frânça !..Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                soalmeida@free.fr


Comentário:

Broda Zizim ´M tava li ta aguardá um homenaja de bô parte, b,nite e sincero, moda ele saí. Bô d,zé tude e bô sube d,ze-le. E Cize onde ele estiver ele há-de gostá de aler esse ratrote que bô fazé d,ele bem resumide nesse bô frase: “amdjer de poc intruçon, ma dadera de leçon de vida sem fazê mute barulhe.” Um bom 2012 bom pa tude nôs. BRAÇA, Maguy

Maguy Alfama maguyalfama@mail.com


Comentário:

Para falar do desaparecimento da Cize e da tristeza que nos corroe o fundo da alma, só faltava escrever em crioulo da sua ilha natal, e ei-lo presente nesta crónica do Zizim. É a forma mais genuína de evocarmos a diva.Andar descalços com ela pelas calçadas do Mindelo antigo e pelas ruelas da sua periferia.Ouvir as sonoridades melancólicas do seu canto em cada esquina e em cada botequim. Feliz Natal para ti, nha broda.

Adriano Miranda Lima amlima43@gmail.com


Comentário:

Nha Broda Zizim, Dali de terra longe ondê que nô está, ja bô fazê nôs um sodade daquel Soncente que nôs tude conchê e que bô sabê traduzi'n nesse bô bom linguaja escrite na nos linga cabo-verdiana que tude gente ta podê alê e comprendê. Cize grande embaixadaora de Cabo Verde ta merecê tude isse e más algum. Parabens pa bô homenaja que pa nôs ê bô que ta dentre de realidade de tude do que jas dzê ma escrevêt~e gora. No fecá prop feliz d'Aeroporte de S.Pedro que vrá AEROPORTO CESARIA ÈVORA!!! UM ICONE!!! Braçona de nôs malta li de Sidney-Australia e Feliz Natal ma One Nove chei de vida ma saude e força pa cuntinuá. Terencio

Terencio Lopes                 terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Sr Zizim, Belo descriptivo nesta Morte e Vida Severina de Cesária Évora. Nesta sua crónica o Sr. soube devidamente conduzir as coisas recorrendo pela base de uma vida que você conviveu de perto o que a torna ainda mais admiravel. Belo texto e parabens pela sua secrita. Um abraço Herminia

Herminia Ferreira            herminiaferreira@gmail.com


Comentário:

Uma crónica muito bem elaborada desde a base até ao topo. Puseste nela todo o teu coração e prova de uma vasta cultura que demonstra que ainda temos xabo-verdianos cultos capazes de superar toda essa mediocridade que vai por aí. Estamos todos satisfeitos com o nome que vai ser dado ao Aeroporto de S.Vicente o de CESARIA ÈVORA o que não é favor nemhun antes pelo contrario só temos a ganhar ao valotizarmos os nossos sobretudo quando são reconhecidso internacionalmente tal é o caso da nossa CIZE FOREVER!!!Te parabenizo e gardeço-te pela tua obra.Grande abraço Franciso

Francisco Silva                chicosilva@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Mais um vulto de renome Mindelense São-Vicentino que desapareceu deixando muitas saudades e bem fizeste de homenagear. Eu sei que tens sido um combatente incansável e apesar de todas as peias e censuras vais levando a água ao teu moinho ao ponto de seres hoje uma inquestionável referência mindelense. As tuas obras ficarão para a posterida, igual os feitos dos grandes mindelenses, podes ter a certeza. Pois já fazes parte da lista e merecidamente. Força para continuares e continuação de saude e boas festas. Um abraço Serafim

Serafim Morais                serafmorais@telenet.be


Comentário:

Caro Zizim, Acabo de ler a tua crónica que para mim melhor prenda de Natal não podia ter!!! Obrigado Boas Festas e que o ano de 2012 te traga muita saúde e inspiração par continuares a nos deleitar com os tesu sublimes textos. Abraço salense Evel

Evel Rocha               ildo0836@gmail.com


Comentário:

Uma cronica absolutamente digna da homenageada, sem lugares comuns, frases feitas, elogios funebres de circunstancia e tudo o que eh costume dedicar aos que partem deste Mundo credores de notoriedade. Com a beleza e sentir do fundo da Alma que o Zizim nos habituou a cada semana. Saravah Cize! Sarava Zizim! Vida e saude para nos encantar a cada semana

Maria Armanda Ferreira              marmandaferreira@gmail.com


Comentário:

Bravíssimo, caro primo, é a primeira vez que vejo uma "biografia" real da Cize. Também me lembro dela na Praça Nova, nunca sonhando que ela pudesse vir a ser o que foi. Creio que ela nunca sonhara, nem lutara, para guindar na vida, como acontece com a generalidade das cantoras. Foi descoberta e empurrada para a glória com que deixou este mundo. Aquele abraço e muita força. Gui

Aguinaldo Wahnon              guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Cher ami Zizim, Linda estória da Cize. Mi ê agnóstico ma ´m ta pidi Deus pal dabo vida longa para continuares a encantar-nos com as tuas belas estórias. Não sei se leste um conto do nosso Chico Lopes da Silva em que aparece a Cize na sua tasca preferida, também um conto excelente e real. Um abração, meu caro, e boas entradas no NOvo Ano. 2012 AS

Arsenio de Pina              arseniopina@hotmail.com


Comentário:

Caro Sr.Zizim, Adorei esta sua crónica em homenagem à minha prima Cize.Você a conhecue devears muito bem e de perto. Pois a tia Guida companheira da Cize que você fala aí na estoria, vive cá em Dakar e também o ocnhece. Ela leu a estoria tambem e até chorou de saudades perante a realidade do seu descriptivo. Manda agradecer e eu também. Um abraço com votos de um bom fim de ano e boas entradas. Risa

Risa Lopes risalopes@gmail.com


Comentário:

Como sempre , adorei esta crónica em homenagem á senhora duma voz inconfundível e que físicamente partiu mas continuará para sempre nos nossos corações . Muita saúde e boa disposição para continuar . Um abraço , votos de Boas -Festas e um excelente ano de 2012

Gabriela Amado Silva                 gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Bravo Zizim! Era tudo o que todos nós podiamos esperar de ti relativo a esses dizeres sobre a nossa CIZE que tal como a descreves na sua simplicidade de vida assim viveu e assim morreu, o que é uma grande lição para muitos vaidosos e vaidosas que proliferem nas suas baixesas de espirito por este planeta terra se considerando grandes.Toda essa megalomania virtual não passa senão de um complexo de inferioridade. Mas a Cesária èvora apesar dos pesares e sem muita instrução superou todos isso. O que acho admirável. Obrigado Zizim e força para continuares. Bom fim de ano 2011 e boas entradas para 2012. Abraços Ulisses

Ulisses Almeida e Silva                  ulialmeidasilva@live.nl


Comentário:

Dear brother, Continuas sempre no Top dos Top's das crónicas de expressão crioula ou seja da nossa lingua cabo-verdiana (variante São Vicente). Hoje os meninos cá no bairro já leem sem dificuldades as tuas crónicas e depois discutem cada um na sua variante contando as "Storias" que lemos em comum e em casa uns dos outros sobretudo nos fins de semana. Este relato sobre a vida e morte da Cesária tocou-nos a todos profundamente. Pois Cize ear mesmo assim com seu grande coração. Paz a sua alma. Obrigado Zizim e boas festas com muita saude. Abraços Toi

Antonio B.de Pina               toipina@netcabo.pt


Comentário:

Nós Zizim de Ti Djô Figuera, Li nôs tude ta d'acorde cma bô foi amdjor de tude na presentaçon de vida e morte de nôs Cize. Parabens nha broba quê nô ca tem mas nada pa dzê. Saude e boas entradas pa 2012.Braç de malta Guey


Miguel M.Monteiro                    mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Caro Zè, Maies uma de varias cronicas, das pessoas que ficarà para sempre na nossa cultura, que não, e nem deve desaparecer, serà um patrimonio da cultura Caboverdiana, não so nós os Mindelensio, para Cabo Verde, embora estes elogios deveria ter acontecido astes do desaparecimento fisico, mas sabemos que maior parte do conhecimento vem sempre depois que a propria pesso não pode receber. Daqui vaie aquel abraço amigo Januário

Januário M.Soares                 jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Gostei da muito da mini-biografia de Cize que faz todos nós os caboverdeanos que vive no estrangeiro sentir a nostalgia da mãe terra, primcipalmente realidade da minha querida soncente. Eu pesoalmente conheci a Cize sempre sentada la Tiosco frente de escritorio de Julim Ciminhas, ela passava todo o dia ali sentada fumando, e de vez emcuando tomava um groquinha que todo aqueles trabalhador e trabalhadera que crregava em Julim Ciminhas e pelourinho lhe dava. Vivo em a Florida Estados Unidos de America todo son cênt ta comxêm pa Dje: Saudades fraternais e siga sempre escrevendo porque me faz recordar e viver ao mesmo tempo de todos os nomes das pessoas que eu tambèm relembro. O teu pai eu pesoalmente o conheci, porque eu fui marinheiro remador de botes para os negociantes la praia d,bôte, como Cuxa, Djô du chico, Kakon, Buckxim, Bòdi, Nhone, e varios mais. Saudades da casa Figueira Ship Chandeler.

Dje Guebara            nhela80@yahoo.com


Comentário:

Mut obrigôd pa bô extòria sobre Cezaria nós rainha de sôncent nòs il-inha k,nò cre tchèu. Sempre fazèm recorda de nhas gent, nha terra.Sôncent d,nhas amores. Bô êsksè um musika q,fazè Cizaria konxido pa nòs tud de sôncent nakel època de 60. Akel musika tava dze asim. Cezaria boca, nariz d,clarinete, repica tambor, pà nò bêm dansa tchà-tchà:

Dje Guebara           nhela80@yahoo.com

V O L T A R