JUVITA

Moda Damatinha, home de mil partida, na sê tempe de rapaz nove, sempre janota ta tcherê sabe de cabel lubzode de brilhantina “Yardley” trazide de borde de Mala-Real inglês, bom desportista tonte na football, cma na cricket ma golf etc., tava custumá dzê quonde um mnina bnita tava passá pa el e ca tava ligal:

- Sabe qu’é boa e não liga aaaa geeente!!!.

Enton, malta tava otchá quel expresson d’seu c’tonte piada, quês ca tava podê fecá sem largá quel rintchada de rise, menes el que tava fecá sempre c’sê cara séria quaz ta cismá, mode quel ideia fixe de diasá quel tinha pa quel padoce de fema de nariz rebitode por nome de JUVITA de rua de Murallha, também cunchide pa rua d’Escadinha.

Cosa qu’era dvera e Mata (Damatinha) tinha razon, quê tude vês que Juvita mnina pura, carregadera de Cais d’escola d’Antonha de Bill ma Mana de rua de Suburbana, plumanhãzinha tava dexi pa morada e passá n’avenida marginal deboxe d’oie galose daquês monzada de manhente, era sô c’sê cara p’u ar,sei ta bai, c’sê rebolar de cadera, t’andá derriba du quê d’seu, sustentode paquel chaile prete-violeta marrode na cintura, sem espiá pa trás, quontamá pa passás carton.

Um, pamode ela sende mnina nova c’sê tchutche pa casá, ca ta tinha tempe pa quês cosa lassim, mode também tempe de ba espiá vida na Cais qu’era cosa más importante naquel momente, ote, pamode ela ca tinha tempe pa perdê sobretude ma quês home casode de gente.

Juvita, n’área de carga de Cais de Soncente ligode a antigue armazem de Cais d’Alfândega, já foi, pamode evoluçon, daquês últme geraçon de carregadera de cais, quê “Cais Costável” já tava ta temá forma quaz na fim de construçon e sistema de carga expediente pa rapte, também já tava ta temá ote rume e cumeçá um nove era na vida social de Soncente.

Dali tude ês história que marcá, más um passaja na vida de Porte Grande de Mindelo na Soncente Cab Verd e tude sê pove que durante quaz um sécle e mei vivê de braçal, servental, na tempe que mecáneca pa carga na Porte Grande inda era bastante reduzide p’alguns “wintch ma pau de crêne”. Sende, tude reste de traboie de Porte fête pa valente, tonte pa broce d’home cma pa cabeça d’amdjer, moda maior parte de nôs tude sabê e quem que ca sabia agora ta fecá ta sabê li na más ês mensaja que tita bai nês storia.

Juvita, amdjer lutadera, fradera de vida lá tava bai tude dia log cidim paquel Cais Bêdje de descaraga, fête de madera pegode ma Cais d’Alfândega, ondê que tê inda tava estode ta tchegá tcheu carga de mei de Baía, binde de borde naviu das Ilha, ma pa negoce de casa comercial na Soncente, binde na paquete de Lisboa- Portugal.

Enton, ela na sê expediente pa rapte ê que tava dirigi tude quel orquesta de carga derriba de Cais, quê assim que carga tava ser desimbarcode ela, tava log pôs sês marca, pa quês ote ca traba ela sê pon de boca e assim junte ma sês cumpanher, podia saí ta dá quel expediente d’intrega de carga de gente.

E, assim naquel “struggle for live” ela ma quel puquin de cumpanher carregadera de cais qu’inda fecá pa tistemunha, lá tava ta bai ta frá vida devagarin, completamnete despriucupode, sem pensá, na do que tava ta bês pa trás, sem pensá na futur.

Bem contecê que Ricardo Tristão, home frador de vida também, casode ma Dona Tanha de Nha Rosalina de Jon Bête, professora, mãe de Nini ma Pexe que tinha loja e tava morá trás de Telegrafe Inglês, tava estode diasá ta estudá volume de tude quel carga derriba de Cais Bêdje que Juvita diasá tava estode ta marcá.

Enton, el mandá bem d’estranger um camionitim de marca Peugeot, daquês c’caixa pa trás e mola forte qu’era vindide pa francês, na país ondê que tem deserte moda Libia, Tunisia etc., fête prop pa resisti tcheu carga.

Assim, log naquês dia el dexi pa Cais Bêdje e, dum sentada, el intchi sê camiunitin e sirvi c’satisfaçon um data de gente, c’sês carga levode tê casa cum prece negociode pal podia ganhá cliente. Assim, c’sê camiunitim “guela de tubarão”, derriba de Cais já ca fecá ta fecá mute carga e quel reste de “Pove de Carregadera de Cais” revoltode, sem nada podê fazê, tava descompô Ricardo Tristão de tude nome ta dzel cma el era de “cú lorgue e otes mau expresson... etc”, ma el Ricardo, tava fazê d’oreia de surde e ca tava ligá nada daquês storia.

Enton, pa vingança quês “Carregadera de Cais”, zarode pa mode Ricardo qu’era espiçode (dôde na dnher) moda sês colega JUVITA, cascal quel camiunitim nome de JUVITA, nome que pegá e fecá registode pa sempre n’anal de história de tude quês ote caminuitim (JUVITA) de mesme tipe (Peugeot) que tchegá depôs na tchon de Soncente Cab Verd.

Más um prova evidente, daquel bom espirte d’humor de gente de Soncente, que quer seja na ligria ô na tristeza, tem sempre quel últme tóc espontaneo pa salvá situaçon cum rizarada. Apôs, ê prop assim ô gente querê ô gente ca querê, quê na funde el ta fazê parte integrante de nôs cultura ô de nôs auto-cultura.

De nôs verdadera JUVITA, ela cuntinuá sempre bnita t’andá sempre c’sê nariz rebitode p’u ar sem passá pove carton. Depôs, ela largá vida de carga na Cais, casá ma sê tchtutche cum ca ta bem dzê bsote sê nome nem flaça, ês cambá Brasil ondê quês ta tude drete chei de fidje ma nete e ta manda’m sempre mantenha na carta.

ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Caro Mano, Não me parece que tenha passado muito tempo sem dar sinal de vida mas se calhar tens razão. É com imenso prazer que leio as tuas saborosas crónicas. Pois fazem-no muito bem em recuar com agrado no tempo. E desejo-te como sempre muita Força na tua luta. Da minha parte, cá vamos indo, pagando o preço da idade. O papá dizia "ô triste jus da idade "...Que o novo ano te traga surpresas agradáveis, muita força,muita luz. Um abraço com carinho da Mana Gaby


Gabriela Mariano                 gabriela.marianocv@gmail.com


Comentário:

Olá Zizim. Uma storia "sabim" como as sabes contar. Eu desconhecia a origem da designação JUVITA para aquelas carrinhas. Obrigado. Gostei imenso e fez-me lembrar os velhos tempos. Bjs. Zica

Zuilda Maria Avelino Fernandes          zicavelino@hotmail.com


Comentário:

Nh'Irmon Zizim, Ainda de pé antes de ir dormir, notei que a tua estória estava publicada cá no Liberal e aproveitei logo de a ler e passar no pnint para mais logo entregar aos vizinhos que não teem internet mas apreciam grandementa as tuas crónicas que teem sempre aquele sabor e cheirinho da nossa área de Praia de Bote. Adorei mais essa e conhecia a storia mas não aasim tão bem detalhada no teu estilo de sempre. Parabens, obrigado e que as Forças esjam sempre contigo. Bom domingo e um abraço. Sergio

Sergio Lima Barros              sergiolimabarros@live.nl


Comentário:

Zizim, Que venham mais e mais "sturinhas sabim" dessas para o nosso habitual regalo domingueiro. Elas muito ajudam a nossa comunidade diasporense no fim de semana no seu "relax" que se passa sempre com muito riso e boas recordações daquele "Soncente um vez era sabe". Mas como lhes digo e continuo a dizer, Soncente inda ê sabe dmunde, sô alguns gente que ta lá ê q'nê drete. Mas vamos continuar a lutar e contribuir para encontraemos a nossa face perdida mas não morta. Obrigado por todas essas recoradções. Firme abraço Vicente

Vicente Dias                 vicentedias@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Mais uma storia sabim para minha/nossa coleção amigo e irmão. Não acabo de aprender sobre a vida da nossa própria terra contigo. Pois desconhecia tanta coisa e mais esta da Juvita entre outras. Mas graças a ti lá vou me ajustando em paz com o nosso Soncente de Cabo Verde. A escrita na noss alingua está excelente e muitos cá apreciam porque conseguem ler te sem dificuldade alguma. Que tenhas um feliz anon novo e muita saude. Um abraço Pedro

Pedro Chantre                   pedrochantre@verizon.com


Comentário:

Boa Djô, Curiose ê que nha irmã que morrê tava tchemá Juvita também. Ma clare qu'ela ca tinha nada a ver que Juvita de rua de Murallha que nô tava conchê. Storia ta prop um papinha c'lête. Bom dia dmigue e quel braça de broda to broda Lili

Larry de Pina                   LPINA1@tamapbay.rr.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Mas um sturinha sabim que ta bem fcá na história de nôs Soncente. Jam tava esquecide desse storia de Juvita que da quês camiunitim peugeot nome de JUVITA. Boa nha broda nô quer~e más. Um braç de mamlta Guey

Miguel M.Monteiro               mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Oh " irmao das nossas comunidades" ; tornou-se um hàbito para nos todos ,-daqueles que apreciam as tuas estorias -o vicio desta leitura dominical das tuas estorias que tem contribuido muito nas nossas lembrânças ,no modo de vida sanvicentina daquele tempo .Como diz Gabriela no seu comentàrio ,faz nos recuar com agrado no tempo e estou de acordo .- aproveito esta oportunidade para enviar à Gabriela ,aquele abraço de cabo-verdianidade -. ( O saudosismo cabo-verdiano ) é o nosso astado de espirito ,( qui na mundo ca tem) !.. Ele é uma forma de patologia que infelizmente ainda nao foi utilizada como deve ser ,com beneficios ,posso dizer desta maneira .Hoje tu homenageas esta criola ,-por nome JUVITA -com todas as suas aventuras tipicamente das nossas (criulinhas de sao-cente ,daquele tempo .Aquele abraço ,do" irmao das nossas comunidades" ; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr


Comentário:

Afinal o nome de juvita, tem a ver com o carros que transportavam mercadoria tinha uma origem bem real e não apareceu por acaso. Bien Vue. Este é daqueles artigos que deveriam inspirar os nossos sociólogos a investigar a origem de muitas nomes e histórias em S. Vicente e em cabo Verde em geral e desenvolver um trabalho de investigação interessante. Estás a fazer um grande trabalho para a memória e a história cabo-verdiana. Só posso felicitar por todos os domingos conseguires ir ao fundo do baú e encontrar história populares.

Jose F Lopes               jflopes@ua.pt


Comentário:

Caro Zé, Falar do nosso povo nas tuas crónicas é valorizá-lo e alinho perfeitamente com a sugestão do Sr.José F.Lopes sobre um estudo sério e profundo sobre a origem de coisas da vida social do nosso povo Sãovicentino Pois tens feito um grande trabalho de demonstração de toda a nossa riqueza folclórica, socio-histórico-cultural. Estás fazendo História. Aguardamos o livro por todo este ano 2012. Sabemos que o problema da saúde é que te tem retido. Mas, estamos torcendo por ti. Um abraço Fausto

Gil Semedo              gilsemedo@yahoo.com.br


Comentário:

Bonita lição de história social de Mindelo com muito ensino à mistura. Como poderia eu saber donde tinha vindo o nome Juvita, colado àquelas camionetas, sem o nosso grande escritor Zizim, a quem envio um forte abraço?

manuel delgado                manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Tenho o grande prazer de comentar esta "storia" inédita do broda Zizim. Está na linha do que nos vem proporcionando ler com agrado e proveito, tanto ao nível da narrativa literária como do estilo imprimido a um certo modo de contar que evoca a singularidade dos nossos costumes e tradições. Assim,ao mesmo tempo que o crioulo ganha uma expressão literária sem precedentes na pena do Zizim, recria-se a alma do povo da nossa terra, que, não obstante a evolução dos costumes sociais, permanece imutável no que ela tem de mais genuíno. Com esta "storia", fiquei a conhecer a razão do nome dado a essas carrinhas do nosso tempo, as Juvitas. Zizim, não me passava pela cabeça que fosse o nome de uma rapariga carregadera de cais. Mas que coisas sabes e não esqueces, rapaz. Um grande abraço. Adriano

Adriano Miranda Lima



Comentário:

Zizim, No dia em que a "storia" saiu fomos os primeiros a le-la de certeza ca em Sidney-Australia por causa da diferença horaria. Mas não sei porque não apareceu. No entanto é só para te dizer que a sturinha fez aquele furor habitual cá na malta e foi lida em casa do Lucas a volta de uma catchupada muito animada. As tuas cronicas domingueiras são sempre bem-vindas. Pois elas nos ajudam muito a suportar "quel Sodade de nôs terra Soncente Cabo Verde". Forte abraço Terencio

Terencio Lopes                  terenciolopes@yahoo.com.au

V O L T A R