CAB VERD - ECOSISTEMA MA ECOLOGIA NA ESCOLA DE VIDA DUM POVE (Parte 1)

Moda gente ta custumá dzê, cosa dês Munde mesme sem nô dá fê, ta tude ligode entre ês dum manera ô d’ote, ô nô crê ô nô ca crê, pamode assim ê que natureza dexá. Ma, ás vez ta contecê c’força de custume de vivê ma ês cosa, t’obrigone a esquecê sês presença. E, portante...

Enton, ês tema d’hoje ê um bocode especial, pamode el ta dzê nôs tude respeite. Assim, ‘m tita bem tentá presental dum manera bem curte e más simples possivel e c’tude modestia qu’um poder.

El, ê sobre nôs frágil “Ecosistema” que já ê tempe de nôs tude interessá pa el e cuidá del, quê além del ser dnossa, el n’ê nem más nem menes qu’um conjunte formode pa mei ambiente, ondê que nôs tude ser vive realacinode entre nôs mesme, seja d’orda animal ô vegetal, ta vivê djunte

Depôs d’ecosistema, ta bem “Ecologia” qu’ê um parte de biologia (vida) que ta estudá relaçon entre ser vive e sê ambiente ondê quel ta vivê. Sobretude home e sês instituiçon na espace vital quel ta explorá sobre ês planeta Terra, ondê quel t’incontrá situode na cabeça de “cadeia alimentar”num geste d’açon mandibular determinode pa destine...

Ma, antes de tude, ‘m queria falá bsote de nha primer liçon d’ecologia qu’um tive na vida, um dia d’note, ta ijdá Ti Jon d’Alcanja panhá carangueje pa isca, na praia de Portin de Santa Luzia.

E portante, el que ca sabia nem lê nem escrevê e nunca tive na nium escola, tal foi sê destine, pal prendê tonte cosa daquel quel sabia, ganhode sobretude pa experiença d’escola de vida ma sê Tiu Bastion binde Senagoga (San Anton), tude’s dôs pescador de Deserta, daquel área d’Ilha de Santa Luzia, Djêu Roze e Djêu Bronc.

Primer manifestaçon de Ti Jon qu’um ta lembrá,ma certe,pam besse reconhecê tude ês cosa levá sê tempe, quê foi sô ones depôs dum vrá home e ter estudode um bocadin de cada um dês cosa quel dzem, foi quel instinte natural de luta pa sobrevivença naquel mei ambiente natural ondê quel tava vivê.

Depôs del ter mi betode quel bençon, el dzem log n’acte cuntinue cma el tava gradecem daquel ajuda, quê assim cafotche de lume tava popá pitrol e nô tava intchi quês lata de carangueje bronc (plard) más rapte. Quês bitche tava sirvil pal levaba pa casa na Calhau pa fazê isca pa pesca lá pa quês banda uns dia lorgue, quê na Praia Grande quaz que já ca tinha mute daquel tipe de carangueje.

Pa camin, na praia de Portin de Santa Luzia el dzem cma quês carangueje melhor tempe de panhás era na “Lua Nova” mode escure, quê na tempe de “Lua Cheia”, gente ca tava nem podê tchegá perte dês.

Naquel panhar de carangueje, bem conversa sobre manera de pescá, cosa quel era mestre.

Enton lá ê que Ti Jon sinti sabe, prop na sê mei imbiente e el tive d’explicá, pa cumeçá, na sê manera d’oiá cosa, quel diferença que tinha entre pesca na costa d’Ilhas, também tchmode pesca de pê de pedra c’sês quaz tude tipe de pexe quel tava custumá pescá, bem classficode, moda: garopa, bidion, bidion meredia, benteia, sorgue, sorgue salema etc.etc., ma pesca de lorgue na olte mar (pelágicos), ondê que tava panhode atum, bicuda, dorode, na currique pamode era tude quês pexe que tava dá caça na lorgue trás de cavala, arenque, poce-voador e más otes pexe más piqnim que tava sirvis pa cmê.

Certe que na época, ta tinha tcheu dês pexe más piqnim mode abundança de “placton” (microrganisme) na nôs mar.E moda um cientista mercone que tive na Dja D’Sal de passaja, amigue de Sr. Engenher Geografe Humberto Fonseca (chef de sirvice de meteorologia na época) tchegá d’explicá cma quel riqueza de nôs plancton, tava bem em grande parte naquel poera que vente de Deserte de Sahara más cunchide pa Harmatão, tava trzê e depositá na nôs mar.

Ti Jon d’Alcanja, c’sê oie vive na melon, home d’experiença, timonere e mestre na arte de navegá na bote à vela dês daquês costa de San Anton, Soncente além ta bai pa Deserta, qu’insená tonte geraçon, era capaz d’ordená, quaz na perfeiçon tude quel cicle de cadeia alimentar, ta cumeçà pa plancton (microrganisme) e tude quel fila de pexe e otes que ta sigui uns pa trás d’otes tê tchegá na pexe de lorgue etc...etc,

El falaba também de profundidade limite na mar pa pamhá pexe de funde c’inzol, ondê qu’as vez ês tava otchá corrente d’ága ora quente, ora friu e lá já ca tava morrê pexe.

Na terra, el sabia nome de quaz tude quês poce (ave) moda robe d’junque, fragata, massarique real, cagarra etc., e também de tude quês tipe de lagartixa, ma quês lagorte mute especial que tê inda el otchaba na Djêu Roze, ma que foi cmide pa catchorre, pamode asnera dum Presidente de CMSV na época que mandá betás pra lá. O que dá lugar a um grande erre “ECOLOGIC”.

Quel pove costere d’nossa sempre vivê de sês pesca, na moda antigue de “linha ma inzol” sem nium porteçon, um pove que nô ta devê tonte mode sês coraja na bescar de vida na mei de mar, pa pon quel pexe de tude dia na mesa.Quonte dês ca fecá pa mei de camin d’note, naquel dobrar de Ponta de Viana, ta passá pa Canal de Santa Luzia, moda Ti Jon tava contá c’mágoa, as vez tê c’ága na oie.

Ês pove, era um pove solidare entre ês e sempre ês sube passá quel bom mensaja pa fidje, nête tê bisnête, pa más incrível quel parcê, qu’era de sirvi na natureza de tude o quês ta tinha falta, ma sem prejudical. Lá sem ês sabia, num acte reflexe de sobrevivência, ês tava ta protegê sês “ECOSISTEMA”que sês prop regra.

Basta, quonde ês tava pescá num área, pa pexe ca cabá lá, ês tava mudá de Lugar pa fazê pausa e dá tempe dês criá e torná parcê, ês tava fazê igual c’tataruga quonde ês tava pô ove na praia de Deserta, moda Ti Jon d’Alcanja tava dzê, ês tava panhá sô metade d’ove e marcá lugar cum pau, lá ondê que tataruga tinha puste, pamode otes pescador que besse, podia sabê cma quel lin (ninho) lassim já ta tinha side mixide.

Na tempe que cagarra salvá quel pove costere daquel fome d’ones trinta, smeme assim, na Djêu Roze, pamode cagarra ca cabasse, ês usá sempre mesme sistema, ês tava partilhá entre ês (pescador de costa de Soncente ma San Anton, ás vez ma de San Ninclau) sô metade de Djêu Roze e dexá quel ote metade vivê pas podia garanti sempre cagarra na Djêu qu’era sês pon de boca.

Certe quê de lamentá, quel panhar de cagarra embora na sês manera, mesme na época. Ma, plo menes sempre ês tive cagarra na Deserta que depôs foi panhode sem regra, c’ove e tude pa gente que ca tava preparode e assim eliminás quaz tude, moda ês contam, cma hoje pra lá já nada ca tem.Mas um erre “ECOLOGIC” por falta de preparaçon e formaçon de gente pa protegê, animal ma planta que ta sirvin etc., na nôs mei imbiente.

Ês contacte directe ma natureza, dês geraçon de Ti Jon d’Alcanja, pa ês era um cosa normal e de pai pa fidje ês sube bai ta prendê, cma du que natureza tava dás, ês tava dzel ubrigada e tava salavaguardal, gordal c’tude quel amor natural e atençon, pamode del tava dependê tude sês sobrevivência.

Ês liger introduçon, ê sô pa fazê bsote oiá, quel amor de manera quaz involuntare qu’um ser humane, podê dedicá a certas cosa, sobretude quonde el ta directamente ligode a el, o que ta ijdal protegel c’força e corája.

Quem más qu’um lavrador Santantonense ca podê amá quel terra d’seu quel mesme ta cultivá e sinti na sê mon moda sê coraçon ta batê?... Certe quem dzê Santantonense (comparaçon) dzê otes gente dês munde ligode a otes cosa que ta dzês respeite na más profunde de sês alma.

Hoje em dia tcheu cosa já mudá, pamode quês razon que nôs tude sabê e ta conchê em grande parte. Ma, pa isse ‘m ta preferi dexá pa desenvolvel na (Parte 2) dês nôs crónica...


ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Caro primo, acabas de levantar uma das mais candentes questões com que o mundo enfrenta. Com efeito, ainda a generalidade das populações não tomaram consciência do processo, em curso, da sua auto-destruição. O belo exemplo que nos apresentaste, pertence a uma velha guarda de pessoas, embora analfabetos usavam a inteligência e intuição para pensarem sobre os fenómenos da natureza. Hoje, a intuição natural tem vindo a ser ofuscada pelas teorias, mal ensinadas, nas escolas, incluindo as universidades. Por outro lado, a idolatria do deus dinheiro e do lucro fácil, leva ao egoísmo, individualismo e materialismo, sentimento estes contrários a manutenção dos sistemas ecológicos. Gostei muito do artigo e... força e coragem. Rijo abraço Gui

Aguinaldo Wahnon              guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Obrigado amigo Z.Figueira. O texto é admirável e de actualidade. Grande abraço Viriato

Viriato Barros           barros.viriato@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Aí vão como sempre as saudações fraternais do nosso grupimho cabo-verdiano de Sidney-Australia. Lemos e soubemos apreciar o texto que vale a pena. Pois tocas num ponto de actualidade que espero muitos dos nossos em Cabo Verde comecem a tomar conciencia da situação. Porque os produtos que o mar nos dá não são eternos. E actualmente com a ganancia do "dinheiro" ha ladrões espalhados por todos os mares do mundo, roubando e pilhando, sobretudo nos mares que não são patrulhados, onde chegam e entram sem respeitar as 200 milhas peretecentes aos mares dé um país. Iniciaste aí uma boa lição espero que a nossa gente leia compreenda. Aguardamos a "parte 2". Bom domingo e fraterno abraço Terencio

Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro compatriota. Não posso deixar de me debruçar perante a originalidade deste seu texto. Pois o tema inicial está muito bem abordado numa escrita simples e muito bem elaborada. Quanto ao conteúdo cuja a parte 2 estou aguardando com entusiasmo, está mesmo de actualidade e é a primeira vez que vejo alguém do meu país Cabo Verde trazer a superficie um problema tão delicado que nos diz respeito a todos. Parabens e força para continuar. Um beijinho Silvia

Silvia Lopes                 silvialopes@gmail.com


Comentário:

Boa nha broda Zizim, Ess inédito de bossa hoje já bai pa TOP mode ess tema bem forte e bom pa nôs tude na s~e mensaja.Um braçona li d'Orlando - USA Yo

Yolanda Dias                         yoldias@aol.com

V O L T A R