CAB VERD - ECOSISTEMA MA ECOLOGIA NA ESCOLA DE VIDA DUM POVE (Parte 2)

Nem sempre um criston ta podê abrangi, pal oiá, sigui, podê estudá e ô mesme ijdá desenvolvê, parte de sê Ilha ô de sê terra ondê quel nascê, criá, tive fidje e morrê, pamode um data de razon que sô razon podê explicá.

Ma na nha piquene dimenson de Geôgrafe-Geôfisic e frequentador curiose d’Oceanografia, ‘m t’otchá cma isse sempre ta ijdon oiá cosa de Munde dum manera diferente, quer dzer, el ta done um capacidade, modestia à parte, d’analisá tude quês sector primarie, secundarie e terciarie que ta fazê parte de nôs esquema geografic, quaz ubrigode de vida, pa cosa podê avançá.

Primarie – sector d’agricultura e sês industria extrative. Secundarie – sector de transformaçon de matéria prima tê tchegá na produte de consomaçon. Terciarie – sector de populaçon active de tude espece, dês d’empregode admistrative, bonc, comerce, ensine, tropa etc., Certe quês estrutura em principe t’otchode ês hoje em dia na tcheu parte de munde (c’valor statistic na movimente, ta foncioná, ma sempre em dia...) dzide avançode.

Universalmente ta dzide, cma georafic ê que dá lugar a historic ma tem que ta dzê o contrare, pa podê levantá polémica. Ma pa Cab Verd cosa ê clore, quê quonde português tchegá na 1460, era sô cagarra ma robe de junc e lagartixa ma lagarte ê que tava dominá Ilhas. Por isse nô podê cuntinuá sem merinha, quê ninguém ta tmone nôs parte.

Ês liger explicaçon, sem querê dá ninguém liçon, ê na sintide de podê amdjor cuntinuá ês explicaçon de tude o que tita bem más pa diante, útil a nôs pove ma nôs terra, num tentaiva de tchmá nôs gente a tmá consciença de nôs prop realidade, sobretude de sobrevivença nês munde d’hoje em dia.

Nês vida, cada um ta defendê quel quê d’seu e quel ta conchê d’amdjor manera possivel, lá ondê que circunstança de vida obrigal.

Assim, nô ta cumeçá pa cidade de Mindelo na Ilha de Soncente, um cidade cum passode históric já bem cunchide, pamode tude sê prestaçon de sirvice na seguimente de SanNinclau quel fornecê Naçon Cab-Verdiane na sê educaçon.

Soncente c’sê Mindelo, um Ilha, cum cidade antigue porte de mar aberte diazá pa estranger, de sês sessenta mil alma naquel época, hoje em dia dobrode pa cente e vinte mil alma senon más, já cum desorda importante na construçon de casa pa tude banda. Cosa que pa cumeçá, divia ter fête objet dum nescidade importante dum ordenamente de territore pa CMSV (Camara Municipal de S.Vicente).

Certe quel ‘n’ê cosa facil, porque el t’obedecê um serie de criter, baseode pa cumeçá na fotografia aerea (fete c’seriedade) que ta ser depôs introduzide n’aparelhe prop pa determiná na orda, tude aquês elemente d’geografia humana e geomorfologia estrutural que ta permiti escuí quel bom lugar segure de contruçon cum certe matematicisme moda norma de vida ta mandá pa evitá um monzada de perigue que mute gente ca t’oiá, porque ês ca ta sabê. Certe que ninguém nascê prindide, ma.

Ês ê pa cumeçá, um daquês ponte importante que ta permiti regularizá tude o que ta sigui na distribuiçon dum verdader cidade (ága, luz, esgote etc...etc,.)

E cabá, cidade de Mindelo hoje já estendê pa tude banda, graças a emigraçon e emigrante, amigue de sê terra que ta mandá construi, sempre quel ta podê e ês ta dexal. Ma tê inda, nôs Ilha tem falta de mute casa pa melhorá vida social de tcheu criston na colectividade.

‘M ta lembrá de nh’amigue Jon Modeste que tive priocupaçon de levam tê la derriba na Cagode de Poce, ondê que dvera gente tem um vista mute bnite de tude Soncente. Enton, el chei de tristeza dzem: - Oiá Zizim, jás frá Soncente tonte broc que nem três vintem se jal tem... ahahaha. Mi ‘m largá t’arri, ma el não e c’razon, enton ‘m dzel sorry!

Tude pove instalode na certes condiçon, ta sinti depôs, quel nescidade de dá sê best na vida social pal ijdá levantá sê terra que sê força produtive de traboi, pal ser pagode em consequença e podê vivê normalmente moda tude gente divia vivê. O que nem sempre ê facil, quê ligode a tude isse ta sempre quel sobrevivença de massa que nem sempre ê igual, pamode poder, ganancia e prepotença dalguns.

Assim, pal podê prendê segurá sê sobrevivença na sociedade sem agredi sê “ecosistema” ô cometê algum erre “ecologic” tem que fazide el bai pa escola prendê e ô ser informode de tude matéria que ta passá na sê munde e nês planeta “sans parti pris” ô qualquer elitisme (Montra de Djibla na rua de San Jon – Soncente, ma Sociedade Caboverdiana de Zoologia).

‘M ta lembrá dum vez, quonde nôs escola de boxe tava ba corrê na treine, lá pa Rebera de Julion ma Calhau que nô incontraba Engenher Manuel Rodrigues pra lá ta tmá nota naquês camponês d’area, enton ‘m perguntal cmanera? El dzem cma el tava ta estudá circuite das quês “rebera” na tempe de tchuva (sirvice de CMSV) lá pa quês banda e, quem amdjor qu’aquês gente de pra lá, podia informal (uli mas um case importante d’empirisme ô cunhecimente baseode na experiença de vida, moda aquel de Ti Jon d’Alcanja)?!

Tude ês cosa foi sempre importante na vida de pove pa sobrevivênça na sê terra. Ma hoje em dia, quês munde de tecnologia moderna, ês tipe de gente de nôs terra dum vez, já ta inflizmente bastante ultrapassode e n’ê dahoje.

Porque, qualquer dês pove de tecnologia avançode na munde, ê capaz que sês helicopter, radar, sonar etc., localizá na mar qualquer cardume de pexe ô lagosta de funde, tchegá penetrá pa rapte moda pirata e ba robá, na zona de 200 (duzentes milha) cum qualquer país tem direite pa protegê sê ecosistema nês munde, sobretude ondê que mar n’ê protigide pa patrulha (vapor de guerra).

Enton, ê log um desgraça, quê ês ta tchegá que sês rêde (long line), moda japonês e otes pove, dá limpá tude (fauna e flora de funde maritme) sem hipotese de dexá nada torná criá naquês zona pum monzada d’one. Hoje na mar de Cab Verd, pamode ês tipe de pesca, já tem tcheu espece de pexe moda “cavala branca” e otes pexe que tita bai ta desaparecê de nôs prote e ninguém ta reclamá ô procurá investigá o porquê.

Nô tem case de pexe pelágicos moda atum de care bromedje que quaz já desaparcê na Atlantic Norte ma Mediterraneo. Hoje por isse ê quês pove pescador tem rebatide pa nôs zona de pesca moda quel baixa (Nova Holanda) ric de pexe que ta fecá entre Mauritanea e Cab Verd, pa bem panhone nôs pexe, quê nôs unic riqueza que nô tem.Perante tal sacanaja, quem de direite ca devê nem podê fecá indiferente! Não?!

‘M ca podia fecá indiferente d’oiá gente de nôs terra ta interessá e ‘m ta esperá desinteressadamente pa nôs “ecosistema” moda ês gente de Sociedade Caboverdiana de Zoologia, cum ta felicitá pa sês grande traboi de denuncia, informaçon, motivaçon de pove pa proteçon de vida de certes espece animal que ta fazê parte de nôs sobrevivença. E, Amigos da Natureza cum ta esperá ta cuntinuá sês traboie.

Ê de lamentá ma cum tristeza bem grande, quel costa Leste de Soncente, Calhau, Ponta de Viana, Saragaça, Palha Carga, tê tchegá na S.Pedro, ondê qu’aquês praia de mar tão bnite que pra lá tinha, hoje em dia uns já ca ta nem existi, pamode panhar d’areia escundide pa fazê casa (um praia ta levá 50 (cinquenta) pa reconstitui se ca panhode más nada na el.

Ô enton quês area d’orela de mar (praia) tude suje, chei da caneca ma garrafa e soc de plastic espaiode pra lá sem moral (tmara bsote subesse cma um soc de plastic ta leva parcende que não uns 300 a 400 (trezente a quatrecentes) one pa desaparcê e ê um perigue grande, pa bitche moda TATARUGA que ta cmê água viva (medusa) e ta pensá cma platic na mar ê água viva.Enton, isse ta provocal, provode pa ciença, uns tumor d’orija cancerose (catastrofe écologic).

Um vez tataruga verde, tava emigrá dês d’Oceane Pacific via Cab Horn, sebi tê Estreite de Gibraltar, hoje já tcheu dês, ta tchegá tê Ilha d’Ascençon e já ca ta sebi más.Ta suposte também que podê ser motivode ô pa diminuiçon d’espece ô pamode “Deriva de Continentes” mode quel falha que tem na mei a mei de funde d’Oceane Atalntic ta separá Continente Mercone d’Euro-Africane e que ta sofrê um separaçon de 5 (cinc) centimetre anual.

Certe que nês artigue, n’ê sô nôs cidade ma mar que tita bem fecá benficiode li, embora maior parte de nôs riqueza podia bem de mar se tude fosse mute bem organizode (produte de pesca controlode sem ser selvaja e colocode na cambra de gel frigorific regularmente pa pexe ca faltá na terra sobretude na dia de vente). Ma, moda Tchfinha tchegá dzem um dia, cma português nem ca insenone betá inzol na mar, quontamá.

Também na Cab Verd, inda tem tcheu terra que ta pra la sem cultivá, ta ser invadide pa quel “Acácia” que foi puste um bocode atoa pa tude bande de compe c’storia d’arborizaçon certe. Ma el ê um bescadera d’ága pa tude banda, capaz tê de frá canalizaçon d’ága c’sês raiz.El tem um grande poder d’invadi lugar e ca dexá otes planta vivê. Tê um certe ponte más um erre écologic, quê ‘m ca tem mimória de gente la pa Rebera de Calhau falam de qualquer benefice quê podia trá dês tal acácia moda, madera, baginha pa dá bitche, proteçon de terrene d’areia etc etc.

Na nôs dimenson, nô podê inda falá de introduçon de “mil pês” na SanAnton dum manera que ninguém sube (desastre écologic) e que ca ta dexá nada criá d’agricultura.

Grande parte dês cosa cum dzê li, ‘m ta esperá cma ês ê consequente e já ta bai ta ijdá gente na sês reflexon, moda contecê c’mi.

Quê, dum manera geral ês tema e mute vaste e não sô nô tem tcheu cosa pa fazê e dzê sobre nôs terra Cab Verd. E, ê sô ta procurá através de mensaja escrite ô verbal, c’ajuda de nôs tude ê que nô ta podê cubri quel falta de proteçon de nôs frágil “ECOSISTEMA”. O que podê, pa bem de nôs tude evitá qualquer desastre “ECOLOGIC” moda tem contecide na munde, as vez sem gente dá fê.

Exemple moda quonde quês tanker (petroler) bem carregode de pitrole, t’incaiá ô dessapá na mei rotcha de costas, atingi praia e tude vida, seja animal, vegetal ô otes que ta vivê naquel área o que ta transformá vida na lugar, log num verdader pesadele.

Ê bom sabê cma, introduçon as vez volontaria ô involontariamente dum qualquer bitche ô planta que n’ê de terra, podê tchegá adapta e vrá um verdader “PREDADOR” potencial pa destrui tude o quel otchá.

Moda foi quel case daquês catchorre que presidente de CMSV na ones cinquenta mandaba betá la pa Deserta (Santa Luzia, Djeu Bronc e Roze) e que eliminá não sô quel bnite lagorte, únic na munde, de Djeu Roze que tava existi sô na nôs terra.

Nh’intençon nês artigue n’ê de dá ninguém liçon li moda jam dzê, ma sim de trazê, na esperança que quem sabê más podê fazê o mesme, más cosa dês li que podê interessá e ser útil pa nôs tude na proteçon de nôs “Ecosistemta e nôs vida Ecologic” afim d’evitá poluiçon de tude espece e de estragá beleza de nôs ILHAS.


ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Dear brother Zizim, A vida é feita de lições e cá vamos aprendendo todos os dias porque o saber não ocupa lugar. Aliás só os pretensiosos mediocres é que julgam saber e se posicionam num pedestal de superioridade que não passa senão de um grande complexo de inferioridade da parte deles. Pois o sábio na sua humildade dimensional consciente diz que nada sabe, o que o eleva ainda mais. No entanto é para te dizer que o texto está ótimamente bem elaborada e muito aprendi a partir dali. Espero que os nossos compatrotas cabo-verdianos leiam este teu excelente artigo e façam bom uso para passarem a mensagem. Pois o nosso país Cabo Verde bem precisa de gente que escreva textos do género em alerta à protecção do nosso como bem dizes frágil écosistema. Parabens e que a força seja contigo irmão. Forte abraço Tidic

Antonio Teodorico Estevão               tidicestevao@yahoo.com.br


Comentário:

Meu primo, dizes, que não estás a dar lição a ninguém,porém, é uma verdadeira lição pedagógicamente correcta. Aliás, todas as tuas estorinhas contêm lições, algumas, de carácter moral. Continua, muita força e aquele braça. Gui

Aguinaldo Wahnon                  guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Broda Zizim,Lemos com toda atenção esta tua crónica muito original e cheia de lições que esperamos façam bom proveito á nossa gente ali na terra e lhes dê uma certa margem de reflexão. Pois bem precisamos de preservar aquilo que é nosso. Cá na Austrália onde a protecção do ecosistema está altamente avançado junto a uma população bem consciente do problema. Ainda há sempre gente que cometem erros delirantes na natureza criando desastre ecológico, mas a policia não lhes perdoa. Pois ela está sempre vigilante com a ajuda normal da população já bastante preparada neste sentido. Recebe mantenhas da malta fixe que muito te estima cá de Sidney. Abraço Terencio

Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Bravo Zizim!!! Li, gostei e muito aprendi com este texto teu tão bem apresentado que nos leva a uma reflexão profunda da nossa própria sobrevivência nas ilhas de Cabo Verde nesses próximos dez ou vinte anos. Porque se não acordarmos a sociedade de consomação Mundial e a Globalização nos fará morrer á mingua como já vem acontecendo com a Grécia. Esperemos que muitos dos que lerem este artigo atingam a tua intenção de chamada a realidade na protecção do nosso écosistema. A tua ideia é de mérito e te felicito. Abraço Daniel

Daniel Almeida                  danielalmeida@org.uk


Comentário:

Sr.Zizim, Você não acaba de me siderar com todos esses propósitos cada vez mais originais onde você revela uma força intelectual com toda serenidade. Este maravilhoso texto espero que seja lido e bem compreendido de todos para que se passe a mensagem que está muito bem clara nele. Continuo sendo sua fan embora não apareça sempre nos comentarios. Abraços Silvia

Silvia Lopes                     silopes@gmail.com


Comentário:

Nôs Zizim de Ti Djô Figuera,Malta de Rebera Bote tobe mute gradecide e recunhicide p'esse grande traboi q'hoje já bô presentone li na Liberal On Line. E nô fcá assim ta sabê de tcheu cosa que podê bai ta ajudone a evitá erre ecológico e protegê nôs écosistema. Esse parte 2 ta em seguimente e consequença de de parte 1 que foi um bom introduçon. Parabens de parte de nôs tude e saude sempre broda. Quel braçona Guey

Miguel M.Monetiro                mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, bela lição de geografia e ecologia nos dás na língua materna. Isto demonstra que estás no caminho certo. Gradualmente, vais ensaiando múltiplas formas de aplicação da escrita do crioulo. Quanto ao conteúdo concreto do teu texto, é importante relembrar estes factos de que nos dás conta, com competência e conhecimento de causa. Um grande abraço, nha broda.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Caro irmao " das nossas comunidades "; Esta tua escola de vida , motivo hoje da tua estoria , estoria que testemunha a vida dura do cabo-verdiano , daqueles tempos , podendo dizer mesmo ,de todos os tempos ,merece leitura e admiraçao pelas tuas ideias ,bem cabo-verdianas !. Termino dizendo-te que , as tuas estorias sao verdadeiras e importantes liçoes , - para futuras geraçoes do nosso Pais ; Aquele abraço do irmao , das nossas comunidades ; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !.

Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr


Comentário:

Uma bela lição de ecologia em crioulo para que os comuns dos mortais possam perceber. Com efeito o desenvolvimento sem ter em conta os macro- equilíbrios pode conduzir a catástrofes, quer se fale do social, da cultura ou dos ecossistemas. Uma certa ideologia desenvolvimentista que não tem em conta aspectos mais simples do dia a dia, os conhecimentos empíricos, ou seja os modos de vida pode causar danos irreversíveis. Para um desenvolvimento respeitando os equilíbrios na natureza e na sociedade é preciso líderes com formação intelectual humana ecológica e cultural. Isso não se aprende nas pontas das esquinas mas desde a escola primária

Jose F Lopes                   

José Fortes Lopes

Comentário:

Obrigado grande amigo e compatriota Zizim Figueira, pela belissima lição que nos aparesentas-te no texto de hoje. Ja tinha lido a PARTE 1 como introdução e esta PARTE 2 veio mesmo em complemento e a propósito sobre um tema importantissimo sobre a protecção do nosso ECOSISTEMA do qual depende a nossa sobrevivência geral nas Ilas de Cabo Verde, mas que também até nisso o governo de JMN bem consciente, está-se marimbando.Pois teem a barriga cheia o que lhes impede e evita de pensar no resto dos seus compatritas cabo-verdianos. Venham mais artigos desses que são bem raros e que muita gente até agora não atinge o nivel por não serem nem motivados ou informados.Como sempre o nosso país carece de matéria inforamtiva sobre tudo isto e nosso espaço vital.Obrigado Zizim! Abraços AN

Amigos da Natureza                   amigosdanatureza@aol.com


V O L T A R


Comentário:

Prezados amigos e compatriotas, Não se pode ficar indiferente perante um tema tão importante como este do Zizim que nos diz respeito a todos. Esperemos que esta preocupação de proteger as nossas duzentas milhas maritimas afim de evitarmos pilhagens de toda ordem, esteja ja em vigor. Porque senão com todos essse moderbismos tecnologicos um dia o mar ficará sem peixe. Protegamos as nossas Ilhas e Costas, protegamos todo o nosso meio ambiente. Não deitemos sacos de plastico no mar nem nas praias. Quando fizermos um pick-nick nas praias, no campo ou onde quer que seja, deixemos o sitio bem limpinho tal como o cahamos. Pois de tudo isso depende a nossa sobrevivencia e a das especies que nos acaompanham nessa VIDA. Pois sem darmos por isso estamos todos ligados uns com os outros. Obrigado Zizim. Fraterno abraço Jorge

Jorge Cleofas Martins                      jcleofasmartins@hotmail.com


Comentário:

Vi, li e convenci-me de tudo o que diz aí amigo e Sr.Zizim. Estou deveras muito sensiblizada porque penso que há muito que se devia ter abordado tais propósitos. Até parace que o nosso mundo cabo-verdiano está sempre no relanti ou a dormir. Mas ainda bem que temos gente como você para dar uma espadeirada na água para acoradr nossa gente. Paranbens pelo o tema e não vamos ficar só até cá. Que venham mais. Forte abraço da mãe e Suelly

Suelly Fonseca                       suellyfonseca@netcabo.pt


Comentário:

Caro compatriota Zizim de Ti Djô Figuera mais uma vez te agradeço pela as pinceladas culturais da nossa ilhinha do encanto que esta situado no coração do oceano atlântico e portadora de muitas riquesas de seu fauna marina e que por tanto anos foi despresado talves por a ignorancia ou por o abandono do governo colonial portugues naquelas èpocas da colonização. Pois agora com um historiador como tu que faz com que o povo de soncente toma o conhecimento e a consciencia que todos temos a obrigação de cuidar das nossas costas marinas para o bem de todos nòs e tambèm da nossa ilha que è soncente terra dos meus amores. Djê Guebara, Lake worth, Fl.U.S.A.

Djê Guebara              nhela80@yahoo.com


Comentário:

Zizim veio por este meio pedir-te desculpa porque a partir deste momento eu da minha parte vou-me a começar a chamar-te Ti Djô Figuera a razão è que ao ver o teu foto me recordo tanto e tanto do teu pai inesquecido porque convivi de perto ali na rua de praia com Ti Djô Figuera. Naqueles tempos a gente de soncente nos descriminava e eles nos chamava-nos mnin d,ponta d,praia pois ali na ponta de praia era que saia o sustento de todos. Djê Guebara, Lake Worth Fl.U.S.A.

Djê Guebara                nhela80@yahoo.com


Comentário:

Nha broda Djê Guebara, Bô ca mistide pedi nôs Zizim desculpa pamode tchmal Zizim de Ti Djô Figuera, quê bô sabê cma el ê sem vaidade e tambem el foi mnine de Ponta de Praia, escola de vida e sustente de Soncente inter. Prova ê que hoje em dia sês storia ê tcheu sobre nôs vida na nôs tempe la naquel área que nôs tude criá. E el na sê grande traboi escrite na nôs linga cab-verdiana ta sempre ta defendê nôs terra ma nôs pove. Força nha broda nô ta djunte.Braça Guey

Miguel M.Monteiro                   mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Amigo Djê Guebara, Não tens que pedir desculpas e podes "sem merrinha" continuar a cahamar-me "Zizim de Ti Djô Figuera moda pove de Soncente baptizaba nha pai amigue". Para mim é uma honra o facto de todos nós sermos "Mnine de Ponta d'Praia"!!! Aquele fraterno abraço Zizim de Ti Djô Figuera

Josè Figueira,Junior                 jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Admiravel Zizim!!! Que mais dizer que este artigo de alerta não é senão que uma verdadeira chamada de atenção a todos os cidadãos cabo-verdianos de serem mais vigilantes como o seu ecosistema afim de evitarem erros ecológicos. Hoje cá em S.Vicente por exemplo no campo, onde se chamava COVADA já não há "PASSARON" aquela ave espècie de abutre branco de cabeça e gola amarela com pontas de asas pintadas de preto e por vezes havia uns mesmo meio cinzentos. Ora ao que parece com a matança de cães com pastéis envenenados, esses cães não eram enterrados e os PASSARON lá iam devorá-los ficando assim contaminados pelos veneno dos pastéis no corpo dos cães, morrendo depois. UM VERDADEIRO ERRO ECOLOGICO POR IGNORANCIA de uma ave de utilidade pública. Espero que este tema sirva de alerta a todos. Obrigado amigo. Um abraço Humberto

Humberto Cruz                 humbertocruz@gmail.com


Comentário:

Caro Amigo, Muito obrigado ! Bô ê formidável pa escrevê um assunte desse na nôs linga c.v.. E tud o que bô escrevê li ê devera ! Um braçona, Serafim

Serafim Morazzo Lima                smorazzo.lima@skynet.be


V O L T A R