CAPOTE – Um figura de CARNAVAL MINDLENSE

Carnaval t’aí, vamos vadiá, vamos vadiá pra policia não pegá!... Era assim naquel tempe baseode naquel semelhança e transferença de cultura de nôs má Brasil tava cumeçode qu’esse cantiguinha popular ta festejá e cantá Carnaval na nôs terra moda num espece de mensaja espontaneo pa ba ta cordá pove de Soncente devagarin, cma Carnaval tava ta tchegá.

Ês semelhança de cultura ê tão grande que Professor Gilberto Freyre (Recife, 15 de março de 1900 – Recife, 18 de julhe de 1987 – dados de Wikipedia) nordestine, natural de Recife Brasil, grande sociolgue, antropolgue, escritor e grande nome de Historia de Brasil, na sê passaja pa Cab Verd (na tempe colonial) tchegá dzê cma el sabia cma jal tava na terra de Portugal, má que tê quel momente na terra de Cab Verd, inda el tava ta sinti na Brasil.

Ma ês stora dahoje ca ti ta bem feco’n li sô sim, quê Carnaval ês one é terça-fera dia 21 de Fevrer e cma tude cosa ta cabá na quarta-fera dia 22, m’ tem que contá bsote el rapte, pa nô podê vivel djunte na linha direta dum grande magic e personaja mitic de tude tempe de nôs Carnaval por nome de CAPOTE.

Assim, hoje m’ti ta bem fala bsote más ê dês grande figura Mindlense tchmode Capote, Rei e Pai de Dinastia Mandinga d’Ilha de Monte Cara. Naquel tempe que conceite de Mandinga ma Ximi-Boi era completamente diferende de hoje em dia na Soncente.

Capote era daquês figura popular frador de vida que nô tava cruzá tude dia na área de Cais d’Alfandega, Praia de Bote, Bar Tubarão na camin de Casa Nova-Rebera Bote e tava passá despercibide ma sempre ta fazê parte de nôs afectos.

Casa Nova, fui lugar de quaz tude sê vida ondê quel vivê, na mei tude sê pobreza, ma sempre ta escativá moda tude gente naquel cicle de catchupa c’cavala o que pla graça de Deus evital sempre de passá fome, quê home de traboie moda el era, el ca tava morrê pa sê desmazel, nem nunca tava dexá priguiça nem tempe tmal conta de corpe.

Depôs e moda tude gente, cma el também tinha direite, el bem juntá ma Nha Teresa de Monte Sussegue, lugar ondê quel bem passá ta vivê. E cool moda el era, quaz quel ca tava falá mute, ma enton c’aquel monzada d’amigue quel tinha, moda Bete ma Djê, djunte ma quês ote de Casa Nova, ês de fundaba quel Grupe Mandinga de Soncente que tê hoje fecá na história.

El ê daquês figura popular de Soncente, fidje de pobreza que tava levá quel vida de tude dia na terra, na tude sê simplicidade na mei de pove. Um home de mil actividade, “buldonhe” moda ta dzide na terra, quê quonde traboi de estiva tava escassiá, tava otchode el lá pa lode Coré ta catá pregue ma parafuse caide de soldadura de lantcha, pa basse vendê lá Nhô Palimirin, José Semede ô Liz Cone, flinner que tinha quel tal capoera ondê que tava otchode tude espece peça ma bugiganga que sempre desinrascá pove de Soncente na sês problema de mecâneca.

El também, moda tcheu de nôs caompatriota verdione sofrê quel cicle infeliz de bada pa SanTmê naquel vapor de escrove por nome de Quanza. Ma felizmente quel tive sorte de voltá c’ vida.

Durante tcheu one el fui também home de forre ô forrer na Padaria de Matos, t’assá pon ma bolacha, lugar ondê que fui sê ultme lugar de traboie qu’um dexal.

Deboxe de tude quel serenidade, sempre que ta tinha qualquer festa o açon popular, lá tava otchode el, ma já completamente diferente daquel Capote de tude dia.

Lá jal era quel Grande Capote, inteligente, criador, inovador, ta vivê tude na mei de sê pove na tude quel simplicidade de sempre sem bajofaria, ta preferi dexá os otes aprecial ô elogial, o que tava, na nhas oie e manera de pensá de mnine que mi era na época, tava dal más valor ainda.

Gente moda Capote, devê tem tcheu na Munde sempre ta esperá opurtunidade pa exprimi sês“Inteligência” que dvera é Universal e nada tem a ver c’instruçon, inflizmente pa desgraça de mutes que ta vivê inganode.

Já pa festa de Sr.San Jon, tava incontrode nôs Capote de bonê de pala, pite na boca, não de tocador de tambor, ma sim de Capton Farwell (Farel) ta impô sê comande dentre dum daquês navizim bnitim de vela brónc esfraldode na vente que tava cumpanhá tambor,naquel ritme infernal daquel colar dum Senhor San Jon revulteode.

Pa San Miguel Alcanja, lá tava nôs Capote na rua de Coque ta lançá desafiu c’sê pion de goiavera, junte ma Nh’Anton de Sena e Nhô Fula quês dôs grande Campion de Jogue de Pion de Soncente... Ratchada pion na mei, num dôs três pic quemada San Miguel Alcanja.

Ma lá ondê que Capote dvera tava dá sê best, era naquês Carnaval d’Intintaçon que nô conchê e vivê na Soncente em quel bestide de “Mandinga” tava desafiá tude crónica deboxe de sê silencie, ratchode pa quês forte grite d’ardááá… d’ardááá... ardááá... ardááá… que tava fazê tude gente recuá, t’abri quel circle c’grite naquel folia de Carnaval, pa depôs torná fetchal e cuntinuá ta segui, El ma Bete e Djê, cumpanhode p’aquel cavaquim de Marcel de canalim de Nh’Antone Djudjim, Antone Violão e más...e más otes pa aquecê imbiente.

Bestide sês sainha de tanga, fete de corda de piaçaba desfiode pa Nai, fazedor de corda pa rede de pesca na Praia de Bote, retocode na casa pa Capote ma sês cumpanher Mandinga, Bête ma Djê.

C’sê caroa de pena de galinha ma passaron, na cabeça, Capote ê que tava presentá de Rei de Mandinga, ma tude ês ta tinha sês espada na mon e, ês ca mestia tisnába corpe nem d’olie, nem de tisna de carvon porque jas era prete de natureza.

Grupe, Capote ê que fundal na tude sê simplicidade silenciose, moda bodzê num espece de recue na tempe e na espace ta bescá sês orija africane já bastante longe, cortode p’umbigue pa colonalisme portugês, cosa que ninguém ca podê negá. Ma Capote sim, el na tude sê serenidade, consciente ô insconcientmente sempre cunsigui negal, pa sê atitude tude one pa Carnaval.

Tude geste e açon de Mandiga na tempde de Capote era executode, sem raiba nem violença ma que seriedade moda n’execuçon dum peça de teatre sempre na ritme daquel nôs musequinha tradicional sabim de:


Pas Pomba... Pas Pomba...

Pas Pomba... ca tem batata

Mi jam ba nha camin Pas Pomba

Quê Pas Pomba... ca tem ôrroz

//

Ô mascrinha... Ô mascrinha...

Mascrinha de cú pelode...elode...elode… elode


E pove ta sigui pa trás, quel abertura de Carnaval de tude one sempre fete pa Capote naquel ritme infernal daquel bacanal qu’era nôs Carnaval d’Intintaçon dum Soncente de pobreza, ma inteligente, espontaneo e chei de vida ma criatividade, sem ódie nem violença, fete pa gente moda CAPOTE REI DE MANDINGA...

E dnher que n’era talvez cosa más importante pa Capote e tude sês cumpanher, naquel momente de folia de Carnaval, ca tava faltá naquel bolsa de Mari da Cruz cumpahera fiel recebedera, pa tude quês banda quês tava passá, ta bem de Monte Sussegue, Praça Estrela, Rua de Coque, Rua de Paloce, Rua de Lisboa, tê rudiada Praça Nova, ma sempre naquel ritme sabim de ô mascrinha...ô mascrinha. E, pove sempre ta cumpanhás.

Paz a alma de nôs grande Capote, home serene ma dum força espiritual sem igual, que desafiá tude professia de Munde Colonial, ta trabaiá, ta festejá e ta bibê sê bom grogue... bom grogue dum época sem merrinha, ma pa quarte de litre, quê nunca el tava ceitá cinque toston de grogue, lá naquel cantin de Bar Tubarão de nôs saudose Ti Faustine na Ponta de Praia de Bote...

AMEN !!!

ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Vida longa ao Sr ZIZIM Figuera. O sr escreve o nosso criolo mto bem e compreensivel pª todos. Mta SAÚDE pª si.

jrodrigues                     jrod@hotmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Como lá diz o velho ditado Recordar é Viver e tem razão. É sempre com lágrimas nos olhos de coração apertado cheio de "SODADE" que lemos todos os domingos as tuas crónicas muito bem escritas na nossa lingua cabo-verdiana, sobretudo quando são do género. Concemos bem o Tio Capote cujo o teu descritivo como "mnine de Soncente" que sempre viveu com seu povo não podia ser melhor. Quanto ao Carnaval Taí lá estaremos em espirito. Obrigado pela recordação e um forte abraço nosso cá de Sidney-Austrália. Teu broda Terencio

Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.br


Comentário:

Figueira, O descritivo está mesmo soberbo e cheio de boas recordações. Só quem não é bom Mindelense-Sãovicentino pode sentir tanto essa VIBRAÇÂO Carnavalesca da nossa terra. Um beijinho Yo

Yolanda Dias              yoldias@aol.com


Comentário:

Caro Zé, Cá fico sempre em admiração perante os teus textos e a facilidade da tua escrita que está ao alcance de todos. LI, ressenti e vivi todos esses momentos cheio de saudades ai nesta cronica. Grande abraço Sergio

Sergio Barros                      sergiobarros@live.com


Comentário:

Boa Zizim de Ti Djô Figuera, Nunca é demás falá de personaja de pobreza de nôs terra moda Capote. Lá na Céu ondê quel está el ta rezá pa bô saude. Força nha broda. Um braçona de malta li de Reberabote. Guey

Miguel M.Monteiro               mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Adorei meu caro Zizim, Pois esta não a tinha na minha colecção. A tua esrita está excelente. A Storia tambem pois conheci muito bem o Capote e aquel "cinque toston de grogue" lá na Bar Tubarão de Ti Faustino. Que de boas recordações. Parabens Um abraço Tidic

Antonio T.Estevão                 tidicestevao@yahoo.com


Comentário:

Onte ´m apreciá movimente de grupes. Más "glamour", más gente na rua, sem dúvida. O que agradá-me devera é respeite de pessoal. Na leitura desse estória ma sé personaja principal, CAPOTE, figura-referência de nôs Carnaval, lembrá-me quel cantiguinha desse época "Dô di dô, dô di quá, parafuse di polegá"... Obrigada Zizim, pa tude es viaja pa nôs cultura... e ...Oli um monzada de farinha de trigue...BRAÇA

Maguy Alfama            maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Zizim obrigado por nos trazer a estória sobre o Carnaval em San Vicente e os enredos que ambientam a sociedade de então. Mais uma longa saúde e forte para continuar a presentear-nos com recordações e vivências Caboverdeanas. Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso                 hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

O Figueira revela-se dia a dia um grande defensor da cultura cabo-verdiana

Joao de Deus                     jdsantos48@hotmail.com


Comentário:

MAS SR.ZIZIM...NAO FOI NA ZONA DE FONTE-FILIPE QUE SURGIU O PRIMEIRO MANDINGA..? CONHECIDO POR DJUNGA DE LIKINHA...?

SANVICENTE               sanvicente@hotmail.com


Comentário:

Oh broda SAVVICENTE , Capote era nha TIU e moda Zizim ta dze li na storia ta dritim, que nha tiu Capote ma Dje e Bete e que leva Mandinga de Casa Nova pa Monteessusegue mode nha tiu bai mora pra la ma se amdjer. Foi es e que cria primer grupe de MANDINGA na Soncente Cabo Verde.Pena que hoje em dia el e mal interpretode . Es mndinga de hoje ca tem ndada a ver c aquel antigue grupe. Zizim, bo ta ok na bo Storia. Um bracona e cuntinua ta trazen mas cosa desse. Tatoche

Anastacio do Rosario             tatocherosare@gmail.com


Comentário:

Uma estoria bem contada sobre um persongem do Carnaval Midelense. Muito imitado mas nunca igualado dado aquela espontaneidade nata do Sao Vocentino. Um povo de MORABEZA que sabe tomar conta da siua Ilha e sabe festejar o seu Carnaval com sus propria mentalidade. Parabens ao autor Zizim Figueira aue cada dia vem enriquecendo a nossa Cultura Cabo Verdiana. Um abraco Fuasto

Fausto Almeida               fafafalmeifda@gmail.com

V O L T A R


Comentário:

Caro " irmao das nossas comunidades ", esta é semana carnavalesca a semana de todas folias ,o povo sai à rua cantando as melodias jà preparadas com antecendênica ; como sabes eu participei nos anos 50/ 60 em vàrios cortejos carnavalecos , como mùsico autor e compositor para o meu grupo daquela época ; (Unidos do Mindêlo) , festejava-se toda a semana , com aquela alegria tipicamente Mindelênse ; Na verdade naquela época , havia màscaras , personagens que eram conhecidos por se desfilarem todos os anos , vestidos da mesma maneira e lembro perfeitamente dos ( mandingas ) pintado todo de preto ,com os làbios pintados de branco ; as criânças tinham medo deles mas atirava atençao das pessoas ; deresto o tema a melodia do carnaval de Sao Vicente ,que vem desde os anos 30 , melodia esta popular, pois jà ninguém sabe quém foi o autor . Aquele abraço do " Irmao das nossas comunidades", Um Criol na Frânça , Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA               soalmeida@free.fr


Comentário:

Hoje nao resisti. Anos foram que o meu Pequeno Almoço dominical é acompanhado pelos seus escritos matinais. Zezim, Felicidades e muita Saude. Gosto das suas Storias, Contos e ou melhor "Cusas di Vida"! di S.Vicente e di Cabo Verde inter! Aquele Abraço Zé Controlo Marseille/France

Dos Santos Marques Jose               zecontrolomarques@gmail.com


Comentário:

E' verdade que Gilbreto Freyre disse essa frase mas ele também disse outras frases muito mais despreziveis em relaçao ao povo crioulo o que levou o nosso Mestre Baltasar a escrever a sua célebre resposta acutilante ao célebre brasileiro. Falamos sempre no Brasil, mas temos também de relativizar as coisas pois Gilberto Freyre defendia um lusotropicalismo que nao tinha em conta o negro brasileiro mas sim um brasileiro mestiço e cultural que é nao passa de um mito. Os negros no Brasil, continuam a ser marginalizados e ha muito racismo no Braisl, um racismo que Gilberto nunca denunciou. Alias as palavras que ele escreveu sobre o povo crioulo mais nao eram do que um racismo cultural, o que provocou a reacçao do professor Baltasar, que ficou muito ferido com a atitude do sociologo brasileiro. E' que Baltasar que pensava ser esse tal europeu mestiço entre o Brasil e Portugal, nao estava à espera das palavras de Gilberto. HA que ler esse debate à distância entre Gilberto e Baltasar; Nao so ler mas ja era tempo desses nossos estudantes que andam por Brasil, pegar nesse estudo e fazer uma tese de antropologia social e cultural. Tanto o Brasil como Cabo Verde ficariam a ganhar. Em vez desse nosso doutorado em antropologia no Brasil, que passa a vida a intoxicar-nos com Cabral, o panafricanismo e a consciência negra brasileira, ele devia debruçar-se mais sobre esta questao que o povo crioulo lhe ficaria grato. Infelizmente, ele parece mais preocupado com a sua propaganda a favor do africanismo do que com a sua condiçao de mestiço complexado. O curioso, é que o homem é de pele muito clara, podendo passar-se mesmo por branco. Ouvi-lo a reivindicar a sua condiçao de AFRICANO (na mente das pessoas africano é negro) propagandista faz-me rir! Conclusao: nem 8 nem 80. Com isto quero dizer que esta estôria de estarmos sempre a comparar-nos com o brasileiro, sabendo que o Gilberto nos desprezou gozando mesmo com a nossa psicologia perturbada (ha que ler o homem!!) nao me satisfaz, assim como do outro lado esta insistência de africanizar-mos os espiritos nao tem nada a ver com a alma deste povo crioulo. Sem complexos de preto, mestiço, africano ou menos ainda europeu, eu tenho a certeza absoluta de que inventamos uma "raça" propria, uma mistura de preto, branco e mestiço, com um pormenor muito importante de sermos ainda por cima ilhéus. OS ilhéus pretos ou mestiços sao especiais, sao povos complexos. E' isto que os nossos antropologos têm de estudar de maneira rigorosa e nao com disparates de que somos africanos porque Cabral decidiu assim, ou porque somos quase europeus porque ser europeu é ser superior a outros povos. Como é evidente o europeu aqui é sinônimo de branco. E os europeus pretos nisto tudo? Bem, em Portugal ou na Europa duma maneira geral, sabemos que nao sao vistos como europeus pelos europeus brancos. E meus senhores, também no Brasil, os pretos sao vistos como pretos. Até aqui nada de anormal. So que na visao daqueles que te vêem como preto no Brasil, esse preto quer dizer inferior, marginalizado, desempregado, feio, enfim preto!!!E' tempo de desmontar-mos todos esses discursos, e é o que venho fazendo, sempre de maneira objectiva e sem peias doa a quem doer. E' que nao gosto de racistas e complexados quer sejam brancos quer sejam pretos. Eu deixo a subectividade de uns e de outros em relaçao a cores, mas por tras està um ser humano, homem ou mulher que tem de ser respeitado na sua dignidade humana, que tem de ser respeitado, porque somos todos iguais, sem superioridades sem inferioridades. Iguais!

Jornalista               jornalista@yahoo.com


Comentário:

Zizim, Eu lembro-me com saudades dos personagens mandigas com os trajes tribais que faziam fugir os meninos nas serenatas carnavalescas animadas de violão com os gritos d’ardááá… d’ardááá... ardááá... ardááá….Era um período carnavalesco festivo mas muito são. Boas recordações

José Fortes Lopes