MAMAN... MA QSÊ QUÊ POLUIÇON

Bitine, tinha arguide quel segunda-fera log cidim pa basse trá um dia de traboi na Cais Costável, ma problema ê quel tava cum tosse de catchorre que já tinha uns dia, ca queria largal, mesme assim, c’tude aquês ramêde de terra, chá de mote ma xarope d’agrion que sê Mã Nênê tinha el fete pa temá, dês de sexta-fera, quonde el tchegaba na casa depôs de traboi, trançode c’tude quês exfricçon d’azete de pulga ma olie de calipte... Nada!!!

Também el era más um daquês fidje de pobreza, chei de morabeza, que tava morá justim lá pa trás de 1888 (Sumeter de Soncente) perte de rotcha de Montesussegue.

Únic sustente de familia, pamode nescidade mesme c’aquel tosse e febre, el tinha que pô pê na mama de cadera, pal basse trá quel dia de traboi, pal ca perdeba vez na lista de chamada e também pal ca faltaba c’aquel três por dia na mesa lá na casa, pa el, fidje, mãe ma irmon.

Quel plumanhã el mesme assim febrode ta tingui tude angustiode, besti chei de coraja e tava pronte pa sei ta bai c’tude quel febre iliode el na corpe, quonde el abri porta de rua e... broook...broook…. el caí la pa tchon, inda na entrada de porta de casa, nem um pedra. Enton, log tude familia ma vezim bem ta corrê socorrel, panhal torná detal na sê cama.

Mã Nênê, mandá Livinha (Olivia) bai ta corrê lá pa Junzim de Panoche na Bela-Vista bescal dôs borrache fiode ( fidje de pomba ) de sê pombal de criaçon. Cosa que Junzim, sende amigue de casa especialmente de Bitine sê cumpanher de traboi comprendê log quel situaçon explicode pa Livinha, mandá log e bá ta dzê Livinha pal dzê Mã Nênê cma el ca tava ta devel nada.

Fui fête quel colde de borrache, c’uns gruzim d’arroz ma uns puntinha de batata sepulcode que na dvera dá Bitine log um csinha de força e trançode c’aquês cumprimide que sê mãe tinha bode comprá na Farmácia de Nena, fazel caí febre.

Ma, cma quel tosse de catchorre cuntinuá ta cansal estome e fazel moda um espece d’asma ta estorval respirá. Enton, el tive de bai d’urgença pa Spital de Soncente (Baptista de Sousa), ondê que na época pa increveba na consulta, um criston tinha que pagá 20 (vinte) escude CVE e depôs voltá pa casa, moda tude fidje de pobreza, pal bai fecá ta esperá tê dia quês mandá tchmal de Spital pa consulta.

Moda Vicente irmon de Bitine contá, ás vez, uns quonde ês tava mandá tchemás tê jas ta tinha morride. Ah pobreza na munde?! Cuitode de quem que ca tem, assim dzem Mã Nênê cum cara triste, naquel dia qu’um ba espial.

Bitine, pamode sê problema de saúde, tava estode mute fróc sem podê trabaiá, sempre c’aquel tosse cum fibrinha que tava calmá c’aquês cumprimide, ma que tava bai, torná bem que cosa cada dia ta piorá.

Enton Junzim de Panoche, preocupode c’falta de Bitine qu’era sempre pontual na traboi de Cais Costável, largá pa Montesussegue bá espial. Quonde el tchegá lá na casa, lugar tava moda um naviu na quebra, quê Mã Nênê, amdjer ja d’idade ocupode sô ta cuidá de Bitine, ca tava estode que tempe de cuidá d’otes cosa de casa e daquês monzada de mnine ma piqnim.

Assim, Hirondina irmã de Junzim bem fecá ta dá Mã Nênê quel help de tude dia de limpá casa, lavá ropa, cuidá daquês mnine, tude pa conta de Junzim que deboxe de sê silence tava cuntinuá ta ijdá quel familia c’tude amizade.

Cma Spital tava ta demorá de mandá tchemá Bitine pa consulta, Junzim resolvê leval pum “Dator Particlar” e lá ca foi sês triste esponte, quonde quel Dator dzel cma Bitine tinha que bai fazê um rádio de pulmão d’urgença pal podia confirmaba sê doença.

Junzim, tchemá Dator á parte e dzel qsê quel ma Bitine era, pal dzel qual era sê mal de favor, quê quel moce era únic sustente dum familia de 8 (oite) pessoa entre mãe e mnines.

Enton Dator, peguntal na qsê qu’el Bitine tava trabaiá más? Junzim dzel cma el tava custumá trabaiá na tude du que parceba, quê el era buldonhe, isto ê, quel tava dá na tude cosa. Cosa bem ta tchegá, tê que stora del trabaiá na cemente ma pozolana e também na Cais Costavel na área de tcheu movimente de corre a gazole sem nium protecçon na nariz pa respirá, foi explicode de Junzim de Panoche pa Dator.

Ês log riagi e dzel pal levaba Bitine pa “Ray-X”sô pal podia fecaba mas segure e assim foi. Cma, pa sorte ray-x tava livre, log quel dia mesme ês passá Bitine na el e qual ca foi sês esponte, Bitine tava c’dôs pulmon tonte prete quês ca tava nem ta podê diagnósticá.

Junzim, deboxe de tude sacrifice c’vontade d’oiá sê amigue Bitine de saúde la torná leval pa Dator depôs de ray-x e, Dator dzê Junzim cma quel cosa era um consequence de “Poluiçon” um xatice que tava ta dá cobe nôs tude derriba dês planeta Terra sem nô tmá fê. Porque Bitine tava c’pulmon atingide pa doença de cemente trançode c’otes cosa más de poluiçon e que ca tinha nada a fazer, quê sê mal ja era sem ricurse.

Lá ês voltá pa casa, Bitine sempre ta tossê c’aquel falta d’ar, tude inocente de sê doença.El agradecê sê “broda” Junzim de Panoche ma Hirondina pa tude quel esforce quês tava ta fazê pa el, sê Mã Nênê ma quês mnine.

Moda de custume, alvicera de doença de Bitine, corrê log pa tude banda de tchon de Montesussegue ma otes lugar na Soncente.Foi passode el uns xarope pal tmasse, ma Mã Nênê tava cuntinuá sempre ta dal xarope de agrion. Certe que tude ês ramede era más pa consolal quê jal tava condenode paquel doença infelizmente.

Ma Junzim, preferi ca dzê Mã Nênê nada, pal ca basse cabeça mode sê idade. Enton, el bai ta prepará Vicente que já tava que 17 (dessasete) one pa tmasse lugar de chef de familia na lugar de Bitine e el fecá ta leval tude dia pa traboi na Cais Costável pal basse ta custumá, quê el, ao menes, Junzim pol o corrente de situaçon du que tava ta bai contecê ma sê irmon Bitine.

Enton, dia que tchegá quel dia de Bitine bai pa munde de verdade, el tinha cordode tude esperte c’sê Mâ Nênê sentode na borda de cama tude feliz d’oiá sê fidje esperte assim. Ma lá, Bitine perguntal: - Oh Maman qsê quê poluiçon ?

E Mã Nênê respondê sê fidje Bitine cma ela ca sabia qsê era e perguntal razon de sê pergunta? Enton Bitine dzel cma foi únic cosa quel uvi, quonde Dator tchemá Junzim de Panoche á parte pa falal sobre sê doença, quel uvil dzel cma mi era más um vitma de POLUIÇON.

Naquel sexta-fera volta de cinque hora de plumanhã Bitine morrê de pulmon ma sem ser doença fraca.El foi interrode lá perte na 1888 trás ondê qu’era sês casa c’tude quel aldeia de Morabeza na sê interre.

ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim, Acabei de reler a tua Storia, que ja tinha lido pela manhã. Tem a beleza das coisas simples e a tristeza e realidade da vida dos filhos da pobreza!Meu amigo escreves melhor cada dia que passa, sempre num descritivo do real que nunca deixa de me impressionar Um beijinho e votos de força e coragem para continuarmos a fazer o papel que no palco na Vida nos foi distribuido. M.Armanda

Maria Armanda Ferreira           marmandaferreira@gmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Tudo o que dizes aí é verdade crua e nua daquela vida de pobreza da nossa terra. Mas ainda bem que há gentes de bom coração como Junzim de Panoche que bem conheci embora mais velho do que eu, ele era muito amigo do meu tio Lela de Canjinha. Tmabém conheci o infeliz Bitine de nha Nênê e a sua morte provocada pelo pó de cimento e pozolana que se instalaram durante anos de trablaho nos seus pulmões. A tua Storia é uma lição para esse malta jovem que joga sempre no "não faz mal" e quando isso acontece já é bem tarde infelizmente. Partlhamos da tristeza daquela familia que ficou um bocado desorganizada com a morte do Bitine chefe de familia praticament. A storia está muito bem escrita e todos soubemos aprecia-la. Um abraço Terencio

Terencio Lopes                terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

É deveras de ficar com o coração partido com a realidade dessa estória do amigo Zizim. Só quem não tem coração e não conhece "tonte mal que nô ta passá" é que nunca poderá avaliar. O teu crioulo está soberbo e a estoria soberbamente bem escrita. Fraterno abraço Dany

Daniel Sousa                 danisousa@gmail.com


Comentário:

Estamos em presença de um texto de ordem social onde tudo está conformemente dito e bem apresentado em relação aos tramites do nosso quotidiano pelo o autor escritor Zizim Figueira. Nós os filhos da pobreza São Vicentina que não data de hoje. Embora tudo hoje esteja nas mãos de cabo-verdianos a injustiça social e a distribuição não equitativa dos orçamentos das nossas Ilhas de Cabo Verde em especial as do Norte continuam criando uma especie de revolta geral na nossa gente que calada vai sofrendo até o dia em que...Ora desde o inicio havia necessidade de se increver pagando 20 escudos no hospital? Isso é de uma negligencia puramente governamental desde o inicio na medida em que até a assitência foi toda concentrada na Praia deixando S.Vicente ja de rastos neste capitulo. Pois o pessoal hospitaleiro não tinha culpa alguma na medida em que trabalhavam com os magros recursos que tinham em mão. Para Santo Antão ainda bem que houve Luxemburgo que tudo fez pela a Ilha e pela sua gente. E o Zé Batoteiro cheio de ciumes quiz até ousar transferir todo o excelente material do nosso Hospital da Povoção para Praia. Uma vergonha. Essa estoria esta muito bem escrita num crioulo exemplar e ao alcance de todos. Quando vejo negligenciar pelo actual Ministro da Cultura até a escrita do Zizim que tem sido o homem forte na defesa da nossa lingua cabo-verdiana ha mais de 12 anos, também acho uma aberração aliada talvez a mediocridade do tal ministro que deve ser outro "PAU MANDADO" do governo de JMN. Zizim, gostei imenso dessa triste estoria que penso servirá a muitos de se prtegerem contra a maldita POLUIÇÂO. Obrigado por mais esta e que venham mais do genero. Saude e forte abraço Vuca

Viriato da Cruz                        viritaodacruz@gmail.com

V O L T A R


Comentário:

Caro " irmao das nossas comunidades " boa estoria num assunto importante e de atualidade ; na verdade o cabo-verdiano foi sempre "buldonhe" e para poder sustentar a sua familia ,êle tem de desenrrascar em toda especie de profissao .Dai que a sua saùde estarà sempre em risco o que aconteceu com o nosso amigo Bitine. Esse grande amigo seu , Junzin de Panôche , pessoa de bom coraçao a ver o seu amigo enfraquecendo dia por dia sem saber o que fazer para salvar o seu amigo é de admirar a sensibilidade dum amigo ,neste caso dum cabo-verdiano . A tua estoria ,caro "irmao das nossas comunidades " , como de costume està bem contada ,num "crioulo" claro esplicito o que aumenta o valôr (etimologico) -pode-se dizer mesmo isso - sem que seja oficializado que de modo nenhum poderà aumentar a sua autenticidade como uma das variantes na nossa riqueza de ( criulidade ). Aquele abraço do teu " irmao das nossas comunidades " Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                soalmeida@free.fr


Comentário:

Para começar amigo Zé Figueira devo dizer-te que faço das tuas crónicas domingueiras um acompanhamento entusiasmante do meu pequeno almoço. Soube apreciar imenso esta tua estória que está escrita com mérito na nossa lingua cabo-verdiana e também pelo triste conteudo dela que espero servirá de lição a muitos que trabalham em certas e determinadas condições vitais. Quando estive ali em S.Vicente durante seis meses tive a ocasião de presencear todos aqueles carrões 4 X 4 vomitando gasoile negro pelas ruas da nossa cidade do Mindelo, um verdadeiro foco de poluição mortal para os pulmões. Tinha até de reter a minha respiração ali na rua de Lisboa quando estava assentado no café do amigo Alberto afim de evitar de inalar toda aquela porcaria nociva aos pulmões. Parabens pelo bom tema que é bastante elucidativo e de actualidade. Votos de boa saude e um forte abraço do amigo José

José de Matos                 josematos@live.nl


Comentário:

Dear Zizim, Como sempre procedemos á leitura dos teus textos cá na nossa Associção de Orlando e os miudos mais o pessoal sempre satisfeito continuam progredindo. Agora dou aulas de Crioulo todas as sextas-feiras á noite e tenho cerce de 30 alunos entre adultos e crianças. Obrigado pela tua brilhante colaboração escrita. A estoria é real e embora bem triste dir te ei: That's Live Beijinho acrainhoso da amiga Yo

Yolanda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Há coisas na vida que não fazemos atenção e depois pagamos o forte tributo das nossas próprias asneiras.Esperemos que muitos leiam este teu artigo exemplar e tomem bem nota.Forte abraço Elisio

Elisio Lima              elisio.lima@yahoo.com.br


Comentário:

Não me canso de dizer que a escrita do crioulo atingiu na pena do Zizim um apuro tal que hoje se consegue lê-lo de uma assentada, como se fosse uma língua de escrita há muito consolidada. É este contributo que não se pode deixar de enaltecer a par e passo. E repito que não conheço ninguém, mas absolutamente ninguém, que o tenha conseguido com semelhante eficácia, nem no passado nem na actualidade. Posto isto, espanto-me mais uma vez com a qualidade da narrativa e com o sábio aproveitamento do nosso quotidiano para a extrapolação de magníficas lições de ordem sociológica e moral. Desta vez, também, entrando também no tema poluição e mostrando, com um exemplo tão simples, mas não invulgar como seria desejável, de como contaminamos o planeta e o nosso organismo de forma incauta, algumas vezes, e irresponsável, outras vezes. Ficaria mal se não tivesse também uma palavra para sublinhar que se um valor atingia uma expressão inigualável na vida da nossa gente, esse valor era a solidariedade humana. Sabiam repartir o pouco que tinham nas horas de aflição. Um grande abraço, Zizim.

Adriano Miranda Lima

 


Comentário:

Broda, Zizim Narração comovente, familiar, pois , infelizmente, uma constante na nossa terra. Na origem da doença do Bitine, como já é o teu hábito, sublinhas toda aquela situação sócio - económica desse tempo, (anos 60). Penso que agora, e ainda bem, há algum progresso, no que diz respeito à assistência médica, cuidados de saúde pública e há serviço ambulatório, caso os doentes não possam comparecer no Hospital. Ou seja, ainda não atingimos aquele patamar sonhado, mas avançamos, seguramente em relação àquele tempo... Sem dúvida, é importante os jovens de hoje conhecerem o ontem...e aí estão as tuas crónicas despretensiosas, cheias de conteúdo e plenas de pedagogia. BRAÇA

Maguy Alfama                    maguyalfama@gmail.com


Comentário:

Zizim para mim somente os parabéns, por teres consolidado o fantástico crioulo musical de Cabo Verde, em particular o de Sanvicente. As nossas queridas, queridos amigos e conhecidos disseram tudo sobre a crónica é de facto inegualável! mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso               hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Bendito seras tu Oh Zizim que cada doingo me faz encher de emoção ao receordar a vida cotidiana de cada um de nòs sanvicentinos que laboramos el dia-a-dia em são vicente, para el sustendo e o pão nosso de cada dia. Zizim eu tambèm fui um de aqueles que tanto contaminou o meu pulmão ali no cais acostàvel, porque eu fui estivador que as vezes por turno de trabalho nos tocava a descargar o barco das 7 de amanhã atè as 7 de amanhã de outro dia, que era 24 horas debaixo daquele inferno dentro dos purões respirando e transpirando o cemento,que tanto danho nos fazia a saùde, eis arazão que o pobre Bitine se morreu. Descança em paz Bitine: Djê Guebara Lake Worth Fl.U.S.A.

Djê Guebara                      nhela80@yahoo.com


Comentário:

Porque é que ZIZIM escreve essas palavras de maneira diferente, se a sonoridade é a mesma? "Qsê", "c’sê", "c’tude", "c’aquel", "cma", "c’uns", "qu’um", "c’aquês", "c’aquel", "c’aquês", "c’falta", "qu’era", "c’tude", "qu’el", "quel","c’dôs", "c’vontade", "c’pulmon", "c’otes". Porque é que as vezes ele escreve a mesma palavra com "Q" ou "QU'" e com "C", "C'" ou CU'"? E Porque é que aqui "broook...broook" usou o "K"? Não é por mal. Quero apenas saber qual foi o critério porque para que aprendamos temos de ter uma guia de instrução elaborada de forma clara e sistemática. Do texto em si gostei, aliás, todos os seus textos são fascinantes.

Armindo Tavares            amtavares3@hotmai.com

V O L T A R