FANEC - UM PLIÇA C’INSTINTE DE MORTE

Dês d’ones quorenta pa fins de cinquenta, ironia de destine queris pa Staçon de Pliça ser lá na rua de San Jon, cara a cara c’nôs casa, naquês bons tempe de vapor na Baía e tude quel movimente de passager trançode c’tripulante, uns pa ruas de Mindelo na sês Bar chei de ligria múseca e cores, otes na camin de Lombe cumpanhode pa Ciçarone ta bai e bem daquel “spend a good time”.

Naquel tempe de capton Mota Carmo em que “mnina de vida” era tude cartada e ubrigode a bai passá quel vesita médica na Spital de trás, na camin de Fonte Dator, tude segunda-fera pa Dator podia espiás e ijdás mantê sês saúde, longe de tude quês doença cunchide de munde, menes “sida” que na época ca tava existi.

Pa sigui tude ês movimente e mantê orda num cidade moda Mindelo e mesme tude Soncente, Ilha já tinha um bom corpe de pliça, ijdode pa “cobe-chef” ô seja gente de respeite, representante de cada um daquês localidade moda Monte, Montesussegue, Rebera Bote, Fonte Felipe, Fonte Francês, Farnande Pau, Tchã de Licrim etc,.

Era um época em que respeite pa pliça era cosa sagrode e de nome. Assim, tinha, Chef Marques, sargente d’época colonial deboxe d’orda de Mota Carmo, siuguide de tude quel velha guarda qu’um conchê dês de mnine, moda Toi de Carmo (sub-chef) que depôs bai pa Guiné-Bissau, substituide pa Sr. Aguinaldo, Cardose, Nhô Manê Jêjar, Lela Madera (Albergue), Nhô Jon Quinha, Nhô Quim Quim, Antone Grigola, Manê Sumenhon, Lela Corneter, Jon de Deus, etc.,

Ês li, ê dum geraçon retirode de pliça qu’inda ‘m otchá lá na Staçon dês qu’um cumeçá t’intendê nha nome.

Quê depôs, inda tude lá na mesme Staçon de Pliça, cumeçá ta tchegá otes pliça, já d’ote geraçon más nove moda Dezoite, Emidio Barrete, Biurim, ”Fanec”, Lentcha, Jardim, Nhô Bernolde, Grama, Raspa e tude quês ote que sigui pa trás, tê Staçon ser tranferide la pa Pavilhon, pegode ma antigue casa d’ága Vascona, c’um banda vrode pa Praça Estrela e ote pa lode de Plurim de Pexe, lugar qu’era de Club Sportiv Mindlense e Mota Carmo tmaba d’ofice sem consultá ninguém e dexá C.Sp.Mindlense sem podê possiblidade de fazê nada pa recuperal.

Certe que morá perte d’um Staçon de Pliça, pa mim, ca tive nem ca tem nium vantaja e nem ê um privlége, pamode quel movimente de bai e bem qu’um qualquer Staçon de Pliça ta sofrê na sê dia a dia sempre perturbode pa barulhe de gente, ora fusc, ora guerra entre gente, ora uns bem levode de pau mode rafilá ma pliça, quês tava trazê pa Squadra c’uns stora as vez más grave c’otes e nôs curiose, c’nôs oie de mnine t’assiti tude quês cosa, gatchode trás de nôs veneziana, era dvera dvera qualquer cosa de angustiante... e gente tinha que fecasse sempre caladin c’nôs medonha de pliça.

Enton, na mei de pliça ta tinha cada um c’sê caracter diferente uns d’otes. Aquês de velha guarda enton, ‘m ca tem mimória d’oiás arri ma gente, quê ês tava fazê papel más d’educador que de pliça. Pa mnine ma gente grande, tratamente era mesma cosa, ês tava dá gente salva, as vez puste quel cuntinencia c’cara sêrie e tchau... sei ta bai moda sês ca queria fecá ta devê ninguém favor.

Aliás, ês ca tava ganhá mute naquel tempe qu’um pon de midje era dôs toston, ma mesme assim ês n’era estragode pa corrupçon, quê ês era tude orguiose de ser pliça, cosa quês tava mostrá naquel manera bem particular de seus de estode sempre bem fardode, c’aquel espada ô terçode na cintura em vez de pistola ma manduc que n’era cosa de custume naquel tempe lassim.

Moda nhô Queitone carpinter, home rafilon e traquine de rua Sá de Bandera tava custumá dzê, quonde tava falode el de seriedade de pliça de Soncente daquel época, el tava dzê adèche mnis, qsê que bsote querê se “bondade dum catchore ê ser mau?!...Ehehehe”.Tinha uns gente que tava bai t’arri e otes não, c’mede de reaçon de pliça depôs.

Violença tinha certe naquel mei, na tempe de palmatora, ma era um violença moderode tê certe ponte ceitode pa pove que tava oial moda um espece de correçon na falha d’educaçon casera, em vez dum violença abusive declarode.

Mnine ô gente grande que fosse panhode pa pliça na certes condiçon ta fazê asnera, ês tava dás na mon c’palmatora na Squadra o qu’era cunchide na terra pa “levá bolacha” que tava bai de 10 (dez) 12 (doze) tê 20 (vinte) bolacha ô seja palmatorada, sem cumisson e depôs pliça tava betás pas basse pa casa.

Ô enton, quonde cosa era grave, lá tava mandode ês pa “Vôvô” qu’era uma antigue cadeia que tava fecá perte de Compe de Jogue de football lode de baliza deriba, na camin de bai pa Rebera Bote lode de Sôguel ma Toi de Forre.

Tcheu dês pliça de velha guarda foi de tempe de “Revoluçon de Fome” de Nhô Ambroze na Soncente, moda Antone Grigola que sem querê na mei de carrera de pove naquel dia de movimente de revoluçon, espetada um mnine c’sê baioneta n’encontre dum ponta de esquina daquês rua de Mindelo.

Certe que foi um abole, quê pliça nunca tinha matode ninguém na nôs terra, inda más num terra de gente de Morabeza que nunca tinha cunchide violença, tipe matada gente qu’era cosa que sô podia intchi coraçon de gente de terra dum bem profunde tristeza.

Antone Grigola fecá também tão sucdide que quaz el baba cabeça, quê nunca el tive intençon de matá quel mnine, nem niguém. Ma el foi suspense, pas podia fazê inquerite, depôs julgode, absolvide e integrode de nove na pliça, ondê quel fecá junte ma sê celebre “bicicleta” tê reformá.

Geraçon de pliça cuntinuá ta sucedê, cuns cara cada vez más estronhe e nôs ta bai ta criá, sempre naquel respeite pa tude pliça de terra, especialmente pa Jardim, Emidio, Dezoite c’sê espirte natural de detetive sem nunca ter bode pa sês escola, Lentcha etc,.

Tê que bem parcê ês tal “Fanec” que cunsigui impô na sê manera d’agi um certe terror na Soncente e assim pa tude banda ondê que cosa era dure el era log tchemode, moda mantê orda na bilhetera ma entrada de cinema, ô enton pa mantê orda na bicha de loja, quonde alguns cmida moda midje ma fejon ô açucra tava faltá na terra.

Ora, bem contecê cma tava c’falta de midje na terra e quel poc que tinha n’Alfandega, cma tinha dode tchuva, Chef d’Alfandega d’acorde ma Casa Miller’s tive de bai pô uns poc daquês soque de midje na sês quintal. Enton quês boys de Cais que tava cumpanhá carregadera pa dá quel fure na soque pa depôs ês parti, tmá fê daquel manobra e dá log alvicera pa sês culiguinha.

Assim, um daquês boys que na sês casa já tinha uns dia, ca tinha tide cicle de catchupa (cusenhode d’note, trada colde pa bibê inganode cuns gruzin e depôs, na dia siguinte pa onzi’hora guizode cum calava ô du que parceba pa ninal, cafê almoce... esperada tê jantar) resolvê bai tentá sê sorte la pa quês soque de midje na canal de Miler’s, pal podia ranjaba uns ingrunzin pal levaba sê mãe, pas poba quel panela na lume.

Ma quem tava lá camuflode gatchode, sem gente sabê, era ês tal pliça mau por nome de “F A N E C” que naquel dia divia estode bem carregode de tchitchorre. Enton quel “ B O Y S “ sô tive tempe de panhá um mon de midje pal metê na sê bulsinha,quonde Fanec sei de mei daquês soque, agressive c’pistola esbenhode na mon já pa dá tire, ta dá quel boys fala, log one time, ês dôs rancá ta corrê, boys pa diante Fanec pa trás, ma c’Fanec bom “sprinter”, ca tive mute deficuldade pa tchegá na el.

Pa rapte el ba panhá quel boys la perte d’antigue Télégrafe Inglês, boys esquival e pô ta sebi rua de canalim de Télégrafe arriba, quonde Fanec esquecide cma era um mnine, um ser humane quel tinha pa diante del na mira de sê pistola, bazal dôs tire, um que panhal na cabeça e foi log sê morte, pamode uns ingron de midje, ote que panhal na costa.

Nhas gente, foi daquês ma grande abole depôs de Revoluçon de Nhô Ambroze que já tive na Soncente e que dexá tude gente bem triste.

Enton log bem tude quês chefona d’Admistraçon, Pliça, CMSV tê de Comande Miltar, mode quel pistola qu’era um parabellum de militar. Rua foi fetchode pa imquérite, Fanec foi passode pa arma, fetchode na Cortel Militar, depôs julgode, mandode pa Fortim ondê quel cumpri sê pena.

Depôs quonde el sei, el traba um carta de chaufer e tava andá naquel corre de Nhô Vintura, moda um pesoa maldiçuode. Sel rapendê ô não ninguém nunca sube. Ma um cosa ê certe, Soncente nunca perdoal e el fecá sempre recunhice pum mau e, moda ta dzide VOZ DE POVE VOZ DE DEUS!!!


ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim nha broda,Hoje já bô trazem na lembrança um contecimente que pa nôs terra nô podê tchmal d'histórico, quê dvera tê quel data lassim munca pliça tinha matode alguém na nôs terra Soncente inda más daquel manera e era precise ter um Fanec c'aquel cara de mal incarode, pa basse matá quel mucim la na canalin de télégrafe. Bõ escrevê esse stora c'tude quel realidade moda foi e um ta dobe parabens mas um vez pa bô manera facil de escrevê o que tem facilitode leitura de tude gente mesme d'otes ilhas qu'um ta conchê.Aliás m ta procurá imitobe n'esse escrita quê el ê mas facil assim. Morte daquel mnine dvera abalá nos terra na época.Tê hoje um ta lembrá de nha mãe la na Craca ta tchoral moda se fosse sê fidje. Saude e força sempre pa bô trazen mas storia desse li que ta cuntinuá ta fazê História de nôs Ilha Soncente de Cabo Verde. Quel braçona de nôs tude li de Sidney-Austrália Terencio

Terencio Lopes                    terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Amigo Z.Figueira, Calha bem quando publicam cedo as tuas crónicas pois assim acompanham o pequeno almoço da familia toda reunida nem crónica brasileira, só com uma diferença é que essas são bem nossas e bastante instrutivas para os meus filhos e netos que ja nasceram por cá e passaram a adorar Cabo Verde graças ás tuas crónicas. Estamos preparando para irmos todos no mês Junho deste ano 2012 para ficarmos ali até fins de Julho se Deus quizer. Tornas-te mestre no maneamneto da nossa lingua cabo-verdiana escrita ultrapassando até certo ponto certos limites e taboos pelo que te felicito do fundo coração. A estoria é bem triste e me lembro bem desse acontecimento que marcou a nossa Ilha e a nossa gente que nunca fora habituada a violencias de morte do género. Um grande abraço aí de Campinas-Brasil. Cesar

Cesar Melicio                  cesarmelicio@yahoo.com.br


Comentário:

Boa storia, muito bem escrita e elaborada, digna de o pincel de um artista, a tal ponto que até daria para fazer um filme tal como o descriptivo realista feito pelo autor o apresenta. Bravo Sr.Z.Figueira! Sou fan assidua das suas estórias domingueiras e acho que você está fazendo historia. Por isso merece mais atenção da parte do nosso Ministério da Cultura que há anos devia ter mexido já consigo no bom sentido do termo, reconhecendo-o com autor e defensor da lingua cabo-verdiana. Que estrão á espera? As vezes penso nas causas de todas essas negatividades do género que não teriam razão mesmo politico-partidária de existir. Pois isso só revela um aspecto retrógrado da nossa Répulica de Cabo Verde toda inteira demosntrando que desde da nossa indepencia para qual trabalhei com honestidade não conseguiu evoluir e sair dessas reminescências ditas neo-coloniais, afim sermos um só povo de negros, mestiços e brancos e porque não. Que a paz seja conosco meu povo e que Deus nos abençoe e nos ajude a libertar-se deste mal que devora todos os humanos do interior. Que cada um faça a sua mea-culpa e se relance numa outra auto-educação dimensional afim de encontrarmos juntos o progresso na paz de Deus. Força Sr Zizim Figueira e continue nos brindando dessas suas maravilhas do seu arquivo Mindelense-Sãovicntino. Um beijinho carinhoso da Elsa

Elsa Teixeira              elsateixeira@netcabo.pt


Comentário:

Para uma estoria especial como essa, um tratamento bem especial de comentario se impõe. Pois sou Ivone vivo há anos nos USA neta de Manê Jejar pessoa que como tantos outras que foram seus colegas e que você teve a honra de citar aí pelo que muito lhe agradeço. Me fez recordar S.Vicente nossa Ilha querida, nossa boa gente e tanta coisinha, que não pude deixar de verter umas lágrimas que me sairam dos olhos sem eu querer. A estoria do Fanec foi mesmo assim e o meu avô dizia sempre que o que mais o chateava daquele homem é que ele nunca se manifestou culpado ou não, guardando com ele até á cova aquele sergredo de culpa ou não com ele. Obrigado pela estoria que me foi passada por um vizinho ca na America seu amigo Chico Pliça casado com Titina de Mari Guimar, lembra-se? Espero um dia encontra-lo para lhe dar um abraço. Bom domingo e até proxima semana. Forte abraço Ivone

Ivone Sousa                       ivonesousa@aol.com


Comentário:

Zizim, Isto hoje está uma maravilha nem um "papa c'lete" dado ao manancial de recordações umas alegres de ver desfilar tanta gente conhecida que ja me havia esquecido, outras triste na pessao do Fanec que melembro e o rapzinho que nunca se soube seu nome. Obrigado Zizim por todo esse valente trabalho de memória e boa escrita que vens fazendo em prole da nossa nação cabo-verdiana. Suade e um abraço Guey

Miguel M.Monteiro                      mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Sim senhor amigo José Figueira, te felicito por todo o teu trabalho que tens o cuidado de nos apresentaraos domingos através dessas sublimes crónicas ricas de recordações que fazem vibrar a nossa gente. Esta esta mesmo otima e bem escrita. Abraço Thom

Thomas dos Santos                 thomasantos@live.com


Comentário:

Por qualquer razao que so encontra justificacao nos abismos da psique, os fracos, se nao tem caracter, se a sua mente eh deformada e os seus valores distorcidos, tem uma natural tendencia para se mostrar violentos com os mais fracos. Era assim a criatura de que fala esta Storia. Que se arrependeu, pois nunca ninguem sabera... se calhar nem ele mesmo, conseguia interiorizar qualquer sentimento, que nao parecia ser rico deles. De resto, uma galeria, hoje ainda mais variada e rica, de pessoas e eventos que fizeram uma epoca e uma Historia, que nao vem nos livros e menos ainda os seus anonimos interpretes. E ja agora... para quando um livro, o grande painel da Historia ainda nao escrita de Sao Vicente e suas gentes quase anonimas? Quase... porque as tiras do anonimato a cada domingo. Um abraco e os melhores votos para mais uma batalha que sera vencida

Maria Armanda Ferreira                    marmandaferreira@gmail.com


Comentário:

Por ironia do destino esse Sr. ficou imortalizado. "FANEC" é nome de um bairro que fica na ribeirinha nas imediações da actual cadeia civil, porque foi o primeiro a construir a sua casa nesse sítio, onde viveu com a família até o fim dos seus dias.

mindelense de gema                   em17001@gmail.com


Comentário:

Comentário para o texto do Zizim Excelente, excelente, Zizim, é o que tenho a dizer, antes de mais. Nunca tinhas abordado este tema, mas bem o fazes, trazendo-nos de volta a memória da nossa polícia daquele tempo. Tempo que era de miséria extrema, apesar das cores buliçosas com que pintas cenas típicas do povo do Mindelo. Tempo que era de autoridade de cara “marrode” e palmatória punitiva. Mas tempo também em que se matou com tiro e espada por causa de uns grãos de milho. Felizmente apenas dois casos pontuais e por isso ficaram gravados na memória. Foram mais devidos à ignorância e impreparação, e provavelmente uns grogues a mais, do que à malvadez assassina. Porque, ao fim e ao cabo, eles e os outros da mesma “staçom de pliça” estavam interligados na mesma escala social menor, em que um sargento do exército, inculto e sem preparação adequada, consegue ser chefe de polícia num município, e em que um capitão do exército só tinha a autoridade militar pura e dura a recomendá-lo como administrador de concelho. Enfim, outros tempos, tempos de autoridade salazarista. Dos polícias que mencionaste, e cujos nomes citas com uma precisão extraordinária da tua memória, lembro-me bem do Lela Madeira e do Jardim, tendo ouvido falar do Raspa, mas sem me lembrar de o ter visto em pessoa. Mas há um deles que não esqueço nunca por causa de um episódio pessoal. O Jardim, além do ofício de polícia, tinha uma loja anexa à sua casa. A casa tinha um quarto excedentário que alugou a um colega meu do liceu, porque este era da Praia e fora estudar a S. Vicente para frequentar o antigo 3º ciclo do liceu. Um belo dia, eu e esse colega estávamos na Praça Nova, pouco antes da estreia de um filme que se chamava Os Sete Magníficos. O Jardim aparece, à paisana, e como tinha boa relação com esse seu inquilino, meu colega, perguntou-nos se queríamos ir ao cinema. Respondemos afirmativamente, e ele, sem que tivéssemos pedido coisa alguma, ofereceu-nos o dinheiro para os bilhetes, dizendo: “um sabê que estudante é quebrod”. Foi a primeira e única vez que aceitei dinheiro de um estranho para ir ao cinema. Nunca esqueci esse gesto amigo do Jardim, que de certeza absoluta seria incapaz de fazer mal a alguém no seu ofício de agente da polícia.

Adriano Miranda Lima

Comentário:

O São Vicentino é um povo de morabeza mas intrasigente. Acho até que na época convertiram o FANEC ao ostracismo. Pois uma vez ele no Bar de Capitcha no Lombo não lhe serviram absolutamente nada quando saiu do Fortim e em muitos botequins da terra São Vicente faziam o mesmo. Eu nunca mais lhe falei como muita gente. Ele perdera toda a sua dignidade com tal assassinato da criança que só tinha 12 anos. Obrigado Zizim por este tratado socio historico que nos afectou a todos. Abraço Tutchim

Crisostome Vieira                        crisvieira@hotmail.com


Comentário:

Oh .. Irmao das nossas comunidades" ;lembro perfeitamente deste caso do policia " FANEC " ; a travessa aonde aconteceu a tragédia ,tornou-se por muito tempo um sitio de curiosidade das pessoas ,imaginando de que maneira foi a crueldade daquele homem , mantando a sangue frio , um jovem por ter furtado nas alfândegas , um punhado de milho e cevada ,- coisa de nada - . Aquele homem ficou marcado nos olhos da populaçao do Mindêlo . Da nossa tradiçao infelizmente aconteceu coisas que podemos considerar desumana e que lamentàvelmente farao parte da nossa historia . Aquele abraço " do irmao das nossas comunidades !.Um Criol na Frânça ; Morgadinho !.

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera:As tuas crònicas dominical me faz recordar do meu querido mindelo e das policias de ordem publica que alguns erão bons e outros rigorosos ou talvez crueis como o tal Faneco. Eu ja não vivi no seu tempo de policia mais eu o conheci era tão cruel que a cara de el se metia medo. Tambèm não mencionaste o nome do Senhor Alfama, que era boa pessoa e policia, tambèm do cabo chefe de ribera bôte que era Senhor Matias que era rigoroso que toda a gente tinha medo e respeito. Zizim cada domingo cuando eu me sento em frente da computadora e leio as tuas crònicas me faz recordar da minha ilhinha do encanto e eu me sinto levar dentro de mim um pedacinho da minha querida ilha que è sanvicente terra dos meus amores. Zizim por favor te peço da-me mantenhas a Bibica, Concha, e nha Piedade la rua d,praia e que Djê lhes manda mantenhas. Para ti Zizim um forte abraço.

Djê Guebara                      nhela80@yahoo.com


Comentário:

Zizim Este episódio é de uma época mais remota, mas retrata tempos de ditadura salazarista em que o polícia tinha direito de espancar e tuti quanti, cidadãos indefesos, levando até a morte. Hoje infelizmente ouvimos ainda relatos deste tipo de incidentes. A preparação moral e psicológica é essencial para as forças de manutenção da ordem.

José Fortes Lopes

Comentário:

Caro compatriota José Figueira Junior aliás Zizim, embora seja santiaguense do Tarrafal, há muito que me habituei à ler as suas crónicas dos domingos que compilo e adoro porque me fazem muito bem e me ajudam a continuar a compreender melhor o povo irmão de S.Vicente lugar onde estudei até ao sétimo ano e deixei muitos amigos e saudades até agora. Fui inclino na casa do Sr João Miranda de rua do Côco, excelente criatura que nos aturou a todos com tanta paciencia. Me lembro bem de si garoto porque fui colega da sua irmã Verónica Figueira que nunca mais tive notícias. Admiro a sua escrita na nossa lingua cabo-verdiana que leio e compreendo com maior facilidade deste mundo. Sou favorável a esse tipo de escrita que só pode ser favorável e benéfico as nossas gerações futuras. Deturpá-la como a veem fazendo releva de uma grande irresponsabilidade futura e só servirá a dificultar a abertura de contactos para trabalho nas áreas lusófonas de expressão. Tenho a dizer-lhe que tiro-lhe o chapéu por este enorme trabalho que há naos vem apresentando e que um dia espero seja tomado em consideração no capitulo socio hisórico cultural pelo minstério da cultura. Parabens e força par continuar. Abraço Cipriano

Cipriano de Barros               cipbarros77@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Acho que o pessoal sensato como sempre já disse aí aquilo que todos na maioria pensamos dos teus textos e do excelente trabalho de ordem socilógico escrito na nossa lingua que vens prestando ao nosso São Vicente de Cabo Verde. A estória está um "bijou", muito bem relatada pois me lembro bem do quadro da época e dos personagens graças á tua excelente memória que nos faz vibrar. Quanto ao resto sem comentários e os meus parabens. Fraterno abraço Lucas

Lucas da Graça                     lucasgraca@gmail.com


Comentário:

Caro colega do Liceu e grande amigo Zizim ainda não tinha aparecido pois estive fora esse dias todos. Cheguei ha bocado e vim ver como é óbvio o jornal e deparei-me com essa reliquia histórica do tempo colonial do nosso célebre e famigerado Fanec que marcou a nossa vida em S.Vicente, mas tambem o povo nunca o perdoou e eue também. Obrigado e parabens por essa rica historia da nossa terra S.Vicente. Abarço Tidic

Antonio Teodorico Estevão                  tidicestevao@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Nha Broda Tas a ficar como o vinho mas do bom…aprimoraste com a idade. A estorinha desta semana, a do Fanec, vem com detalhes impressionantes, e faz-nos reviver uma era maravilhosa desta fantástica cidade e eu, muitas vezes, chego a duvidar de ali ter vivido e ter feito parte dos teus personagens. Aquele abraço, Elias

Elias Silva                     elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Nha Brudinha, O Liberal sem tuas crónicas domingueiras é como uma Copa do Mundo de Futebol sem Brasil. A o menos é o que ressinto desde que me habituei. Esta do Fanec de que me lembo está mesmo muito bem contada, tal e qual aconteceu. Obrigado por mais esta inédita. Fraterno abraço do Peter

Peter Santos                   petersantos@yahoo.com.uk


Comentário:

Caro amigo Zé,boa lembrança deste sr. Faneco, foi de facto um daqueles policias que deu muito que falar, eu conheci pessoalmente foi um homen sem escruplo. Lembro bem quando deu aquelo tiroteiro ali no canalzinho do Telegraf, conhecia os paies do malogrado, foi mesmo um dia muito triste, quando aconteceu eu estava naquel momento mesmo na casa Miller, foi quando deu aquelo alvarosso, engraçado é que o paie disse ao meu ja mataram o meu filho,o paie dele era marinheiro do rebocador Djon Miller

Janu.ario Matias Soares                jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Zizim,Hoje jantar foi catchupa trada colde moda na cicle dum vez lá na casa de Djena na Rebera Bote e quês ingron jam dzê Margarette ê pa nô cmê manhã plumanhã se Deus quizer cum pixim sêc assode pa cafê. Moce um ta dobe um viva pa bô mimória, quê esse storia ta contode tal e qual. Quel lugar durante tcheu tempe foi lugar de peregrinaçon de tude gente de Soncente e mesme de Cabo Verde quonde ês tava tchegá na terra ês tava querê sabê ondê qu'era quel lugar que pliça Fanec tinha matode quel mnine pamode uns ingrunzim de midje quel panhã num soque na canal de Miller. Foi dvera um tristeza!!! Ubrigada nha bro. Braça de nôs malta e de mi Didi

Celestino Pires                  didipires@hotmail.com


Comentário:

Que mais dizer se já foi tudo muito bem dito senão ajuntar mais um parabens pela estória, pela escrita e eplo teu valor cada dia increscendo. Abraço Silvia

Silvia Lopes                     silvialopes@yahoo.com.br


Comentário:

Belas recordações nos vais dando, caro primo. Fizeste-me vir à memória aquela figura pesada mas de bom coração que foi Lela Madeira, aliás meu parente, do lado da Alda Madeira. Lembras-te como é que avisavamos a malta da proximidade da polícia? Cuidode na SAPLI!Forte abraço Gui


Aguinaldo Wahnon                  guiwahnon@gmail.com

V O L T A R