SONCENTE E QUEL CODE D’HONRA NA GUERRA DE VALENTE DE TEMPE DE CANIQUINHA - ( ONES 1930/1950 )

Dês de tempe de Caniquinha tê quonde ‘m cumeçá t’intendê nha nome, quonde “Guerra de Valente” na tchon de Soncente era marcode, brigode c’lealdade ma coraja na ritme de quem pudesse a más. Quel manera de brigá lassim, criá na espirte de gente d’época um mentalidade bem especial que pove tchemá “Code D’Honra” e que fecá durante tcheu tempe ta fazê parte de nôs ixistença ma de nôs cultura, baseode na seriedade e respeite de “man to man”.

Moda era custume naquel tempe, log que tava parcê quês “Guerra de Valente”, alvícera tava corrê na rajada de vente pa tude conte de nôs Ilha de Monte Cara, tê cma naquel tempe ca tinha telifone, ás vez, tambor d’araute repicode ê que tava anunciá quel ô quês acontecimente.

Era “Guerra de Valente”, sim!. Ma pa nôs mnine, que ca tinha orda de basse pa quês lugar sisti quês guerra, cosa que n’era vontade que tava faltone, assim, nô tava limitá ta tchemás “Guerra de Gente Grande”, pa respeite pa quês home más grande que nôs.

Já na nôs rua, malta rapazim que tava querê incará na quês moce más bedje, ta querê dá pa home, ês, tava fazene log sinti nôs diferença d’idade e tava done quel grite de ba t’imbora, ô enton de mnine tchequer fagon. Sô pa pone na nôs lugar, de mnine que nôs era, pa nô pudia calmá e dexá de cuntinuá de ser insurra, ta querê cantá abuse ma trivimente.

Pa do que nô tava uvi contá daquês guerra, nôs tude tinha manias de bescá imitá sempre quês home más forte de nôs terra, ondê que cada um de nôs tava incontrá sê Campião. Assim, na mei de malta de nôs idade, pa saíba um guirrinha tinha que ter um más bedje pa betaba quel “CUSPE” na tchon, p’insulta podia saí, e quem pezaba cuspe primer ê qu’era cunsiderode más forte. Log tava sei quel soc.

Ô enton tava fazide quel menhoce de trá “CABEL” na bô cabeça, pa pol na cabeça de bô adversare e, cma gente tava teimá na ba bescal, log tava sei quel guirrinha brutchida c’soc trapaiode. Ma flizmente que ta tinha sempre gente ma grande pa partil, pa ca tem chatisse.

“Guerra de Valente” era ote cosa, era guerra de rixa d’home grande e, moda na tude parte de munde, na Soncente também nô tinha nôs Bezana de Campião. Home valente, esfolode que ca tinha mede de nada nem de ninguém, sempre dsiposte pa brigá.

Naquel tempe ca tinha mute jornal, nem televisão, quontamá pa teba internet! Ma nuvidade e nutícia, bsote creditome se bsote querê, log quês tava parcê, ês tava corrê pa depressa naquel bem cunchide telifone de moreia, assim tchmode pa pove, pa tude conte de Soncente, desde Baía de Porte Grande, Praia de Bote, Plurim de Peche, Praça Estrela, Barbaria, Plurim di Virdura, Norte, Sul, Este, Oeste de nôs Ilha em pese.

Quem ta dzê cma tude ês cosa já contecê na nôs Ilha, naquel tempe que tê “Gote de Mané Jon, moda Sérgio Frusoni dzê na sê morna, tava ingordá na gemada”. Era Vapor na Baía de passaja,ta carregá de carvon pas podia cuntinuá viaja, carregode de gente pa quês Sul aboxe, e quel negoce que tava dexá sempre um truquim valente que tava muvimentá e fazê vivê vida de tude nôs Cab Verd, via Soncente, que sempre partilhá sês rendimente ma tude quês ote Ilha irmon. Cosa que hoje em dia, já ca ta nem lembrode.

Assim era quel vida digne de nôs pove verdione, na sê manera de vivê. Ma depôs cabá carvon, carvon ca tem. Vida mudá tcheu e, ubrigá nôs gente a fugí na vapor c’coraçon pertode, pa ba espiá vida na estranger e garanti familia quel panela na lume de tude dia, quê quel Rafinaria de Standard Oil ( Holandês) que teria salvode tcheu impregue e evitá pove verdione d’emigrá, fui tropedeode já bsote sabê pa quem.

Na época de carvon, naquel grande actividade de traboi na mei de Baía de Porte Grande de pove ta bescá vida, tava tem sempre quês rixa de “Valente”, em que justá conta e exprimentá cumpanher força, pa galantaria de ser más forte na mei de colega era cosa que ca tava cabá. Enton, cma ês ca podia brigá na traboi, quê senon ês tava perdê ses job, assim quês Guerra era sempre marcode pa depôs de traboi.

Enton, maioria daquês “Home Valente” dum cone sô na pulse, daquel tempe que sabia brigá, ês tinha um “Code D’Honra”que ninguém tava tentá traí. Quê pa ês, selvajaria era cosa que ca tava ixisti na sês mei e na quês rixa ca ta tinha nunca nem facada, nem paulada, nem pedrada, nem garrafada e sobretude nem ruma, que pa gente de Soncente,ruma, era considerode cobardia (guerra sô de catchorre). Era sempre uns guerra isolode de “man to man” num quem pudesse a más, ma sempre naquel respeite e lealdade c’cumpanher sempre t’obedecê quel “ Ritual Sagrode” d’home na tchon ca ta sotode.

‘M tinha nove one quonde nha pai, que Deus dal Cêu, depôs de ter mi fete quel liçon de moral, levame pa primer vez pam ba oiasse nha primer “Guerra D’Home Grande na Compe de Jogue”, ta dzeme cma quel lá era pam pudia prendê ser home.

Soncente, naquel tempe tinha tcheu lugar cunchide d’incontre pa quês guerra depôs de traboi, moda: Praia de Bote, Praia de Corê, Cova d’Inglesa etc, ô enton, quonde cosa era dvera prop forte e que ta tinha tcheu gente pa sisti guerra, lugar principal di ricurse pa quês incontre, era lá n’antigue Compe de Jogue, perte de Funtinha.

Basta, moda tradiçon tava mandá, na rancar de qualquer guerra, tava fazide log quel grande roda na tchon c’tude gente de volta e aquês dôs brigador ês dôs sô lá na mei, siguide pa quel “Home de Respeite” que tava sirvi de “refree” (arbitre), pa controlaba quel guerra, pa ca tivesse golpe de cintura pra boxe ô soc boxe, cunsiderode vergonha e deshonra o que tava pô pove log ta reagi c’grite. Tude quês guerra, era na realidade uns verdader liçon de box, leal, c’força, valentia sem brincadera, ma c’mon nu na carã, sem luva.

Enton, tava sistide quês bons Guerra, em que cada um tinha sê manera prop d’seu de (brigá) boxeá. Uns era rapte dmunde moda ta querê resolvê problema log d’entrada, ês tava entrá c’força ta dá, dá, dá tê fazê adversare caí, otes era moda ta dzide “counter punch”, ês tava fecá ta esperá adversare bem dás, ês tava defendê, trocá pê e repicá cum serie de soc esquerde, direite rapte dmunde, tal era specialidade de DinDin de Nh’Antunin Mercone, bons esquiva de cabeça, bons hook (gonche ô crochet), upercut ô straight ( soc deboxe deboxe pa riba ô direte), tê six intches (seis polegada soc dode de mute perte curte e forte).

Moda jam dzê, e ‘m ta torná reptil, ês Guerra tava obedecê um ritual prop sagrode na nôs terra, cum verdader Code d’Honra, que pove tava respeitá bastante. Cosa era bem organizode, quê tinha uns árbitre (refree) bem cunchide e respeitode na mei popular, qu’era tchemode pa tistemunha, sempre que ta tinha quês Guerra considerode d’importante, moda Nhô Guste, pai de Nhê de Bilaus antigue guarda-redes d’Académica, Nhô Verissimo, pai d’Olavo ma Casmiro, Nhô Jack Rita e otes e otes, que ca ti ta beme grinhassim na mimória, quê lista é bem grande.

Tava tchmode el Code d’Honra sim, porquê ora cum home tava panhá K.O. (Knock Out) quel tava bai pa tchon, arbitre tava fastá quel adversare e tava cumeçá ta contá tê dez, siguide na fim pa quel abrir de broce ma quel grite “d’OUT”(fora) pa tude gente uvi, case quel home já ca tava podê argui, completode na fim da quel: - D’ home na tchon ca ta sotode (um atitude nobre que tava dignificá tude gente de nôs terra).

E que tude gente tava respeitá, coroá quel geste dum silence siguide dum salva de palma e más palma. Aposta de denher era proibibide naquel mei, ma tava parcê sempre e fazide el gatchode d’autoridade.

Tava tem tcheu guirrinha, ma sempre c’aquel grande lealdade que tava fazê orgui e gloria de nôs pove, o que tude gente, menine c’gente grande, tava procurá imitá e sigui exemple daquês bons brigador, qu’era tude home de palavra que tava mantê, tê na fim, tude du quês tava dzê.

Na mei de tude ês stora, tive alguns “Guerra” que marcá tchon de Soncente e tude um geraçon de nôs gente cunfundide. Ma, moda ês li, que tita bem sigui, bsote creditame cma nunca tive igual. Por isse el fecá na historia de nôs terra.

Jon Dilô que tinha tchegode de Merca, forton, cum peitaça, daquês que sô d’oial tava pô gente respeite. Pove na Ilha, já sabia cma na Merca el tinha frequentode quel bom escola de Box d’Irvin Cohen, grande treinador de Rocky Grazziano, que fui campião de pese médio, pa ca cunfundil ma Rocky Marciano Campião de pese pesode que bateba Joe Welcote. Ondê quel tava ba guentá time, ta fazê sparmat (um boxer más pesode, que ta treiná ma otes más leve, que ta estode ta bá ijgá pa chalenge).

Assim, nôs Jon Dilô, tchegode na Soncente binde de Merca, sporton moda el tava, pensá na sê cabeça cma el ê qu’era “Chefe” e que ninguém na terra tava tentá bescal guerra, insultal, quontamá sotal.

Enton, num dia normal de estiva (descarga de vapor) moda tude dia na Baía de Porte Grande de Mindelo, na borde de paquete, tava GAGANHA quel guarda fiscal que ca tava “mejá na nhame” bem fardode, pa controlá situaçon de traboi ma trabaiador, lá na borde.

Contecê que, JON DILÔ que nesse dia também tava ta trabaiá na estiva desse mesme paquete, ta trá sê dia de traboi, tive um diferença que vrá stora grave entre el ma GAGANHA, na borde. E na mei daquel discusson ma gritaiada dês dôs, Jon Dilô fetchá mon de soc, espancal c’força na palma daquel ote mon e mandal el num sinal de desafiu.

Nhas gente, basta foi log um suspense, quê dá, tude quel pove de estiva pará de trabaiá uns segunde, num silence d’interre, ta esperá quel decison saí. E lá Jon Dilô inda dzel p’insulta gritode e tude gente podia uvi cma:

- Hoje bô bá c’sorte, quê li, nem bô nem ninguém ca ta meteme mede e o que tita salvobe, pam ca betobe el li mesme na borde, ê sô bô “fardinha” limpim, prop bnitim, que bô ta bestide.

Gaganha, rapaz valente cunchide na terra pa sê bom esquerde, na qualidade de guarda ca perdê sê sangue friu na momente, ma cma por dentre fecá ta fervel, el vassalá, enton resposta foi clore pa Jon Dilô:

- “Fardinha”, não!... FARDA de favor! E, se bô quiser, depôs de traboi incontre la na tchon de Tabuga (Compe de Jogue-perte d’antigue Funtinha) num “Man to Man”, se bo crê?!

Jon Dilô reagí log de mon na cabeça c’sê “UÁ NHA M”! Ês li é que boca ti ta pedime diazá!... Basta foi log um abole já lá na borde, quê estiva celerá log traboi pal podia cabasse más depressa. Alvícera bem log quel hora, de borde pa terra, na gasolina de Captania ma Lantcha de Casa Miller que trazê quês primer trabaiador.

Na menos dum hora, tude Soncente já sabia daquel incontre de VALENTE, que tava ta ba tem na nôs Ilha de Monte Cara. E naquel tempe, moda gente tava dzê, ês era dvera quês dôs “Home” más forte de terra que tava ta ba brutchi. Enton, incontre fui marcode, moda era de esperá, quê tava ta ba tem pove pafronta lá na Compe de Jogue, pa cinque hora e meia da tarde.

Cidade de Mindelo quaz fecá basiu, quê tude loja ma comerce fetchá. Basta era pove e más pove ta infiá, desde quate hora da tarde, pa Compe de Jogue, home c’amdjer trocolode, num faladareza, trapaiode naquel currida sem fim de ba oiá um guerra daquel.

Basta tê Nha Bilaia, um amdjer já grande de quaz sês oitenta one, na confuson daquel currida pa Compe de Jogue, pa basse oiá guerra, tchegá de perdê sê dentadura, na mei daquel trupida de gente, ma pove fazê um break p’ijdal espial, ma cma despôs ês otchal, tude ês pude sigui sês camin pa diante sem merrinha. Nhô Abel, sê maride que também tava linhode, zangá ma ela na mei daquel confuson e betal um boa escrepa log lá na mei de gente e dzel:

- Oh Bilaia, lugar d’amdjer ê na casa, qsê quê bô também, ta bem oiá Guerra?!

Nha Bilaia, fresca e tchefra moda el era, dal log sê respustinha sec la mesme:

- Ei Abel, culcincinha de favor, adèche um Guerra dês li n’ê tude dia que gente t’oial li na nôs terra e hoje, ô bô querê, o bô ca querê, mi jame cmê corrente e fecá ta sabê cma nôs tude tem direite.

Basta risarada foi geral paquel manera de reagi de Nha Bilaia, pove pol na mei e djunte, ês sigui viaja pa Compe de Jogue, ba oiá quel guerra. Tude gente sabia, na terra, cma quel lassim era um “Guerra d’Home de Respeite”. Basta gente oiá tê “PLIÇA”, trode capacete, instalode lá traz de parede de Compe de Jogue, pa bá oiá quel guerrona.

Quel guerra lassim, foi um verdader liçon de box naquel dia, sem igual, pa tude quem tava la ta sistil. Quê nô oiá tude espece de soc, ma tapona, troca de pé, ma esquiva de cabeça, que pudia tem nesse munde. Um super guerra de dôs “HOME VALENTE” tê de fazê inveja e orgui de tude gente de nôs terra.

Basta ês brigá bem brigode, tê que tude ês dôs panhá “knock down” dôs vez, quer dzer, bai pa tchon dogode de soc, ma cma home na tchon ca ta sotode,“refree” ( arbitre) tava contá, ma sempre antes de dez, ês reagi, moda VALENTE, t’argui de tchon na mei de contaja, marrá dente na quexada, torná bem, torná cuntinuá sê guerra, sem reiá bandera.

Na fim, Nhô Guste pai de Nhê, arbitre (refree) de respeite, dás “all square” (impote), quê tude ês tava cansode, que nem uns tchuque depôs de ter dode prova de sês valentia. Decison que pove concordá, regode más um vez pa quel salva de palma de custume de tude assitença que durá quaz meia hora.

Guerra d’Home Valente daquel lassim, fecá resgistode, pa sempre naquel Livrona de Historia de Soncente – Cab Verd.

Basta tê hoje em dia, quonde nô t’incontrá malta nôs tempe, más bedje ô de nôs idade, inda nô ta lembrá daquel “Guerrona de Gaganha ma Jon Dilô”, que na época intchi más un recital de Pove de Soncente na sês tradiçon cultural e quel bom humor chei de morabeza d’outrora, moda Sr. Nena escrevê e c’razon na sê livre.

Na fim daquês guerra, mnine c’gente grande tava fecá sempre cum goste agradável na lembrança daquel bom momente passode, d’oiá depôs tude quel pove de Compe de Jogue rumá lá pa quel Bar de Nh’Antone Patrice la na Lombe, ba temá quel gruguim, pa trá poera de Compe de Jogue e falá daquês passaja más importante e bnite daquel “ loyal fight ”( luta leal ).

Pa nôs mnine, era um ligria bem grande, quê nôs nô tinha direite a temá nôs Pirolite, qu’era quel limonada que tinha um bolinha de vidre lá dentre de garrafa, binde da lá de Fábrica de Limonada de Sr. Timote Antunes e que tava fazê inconte de tude mnine na hora d’abril pamode quel pfsiiiiiittt...

Quel combate d’antologia de Gaganha ma Jon Diló lassim, fecá falode e registode pa tude tempe e tude um vida na História de Campião de nôs terra Soncente-Cab Verd, estimode, respeitode e mandode na têlêgrama, ma carta de pove pa pove verdione espaiode pa nôs Ilhas e MUNDE INTER.


ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Zizim nha broda, Obrigado por mais esta que está mesmo um regalo. Pois o meu tio Jon de Nha Nácia, falava-me sempre dessa maneira leal (guentada soc) de brigar e esss tal código de honra bem da nossa terra São Vicente. Dos personagens lembro-me de quase todos especialmente do Gaganha que ainda conheci. Recordar é viver e a nossa malta aqui em Sindney-Auatralia, todos teus fans te agradecem por essas riquezas domingeiras. Saúde sempre e até próximo domingo. Um grande abraço comum. Terencio

Terencio Lopes             terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zé, Li com muita emoção e satisfação este teu texto que está muito bem elaborado e ao alcance de uma leitura aberta a todos. Confesso que no principio lia tudo devagarinho para poder compreender. Mas fizeste tanto progresso que hoje leio correntemente as tuas magnificas estórias, aliás como muitos que conheço e que partilham do mesmo aviso. Que a Força seja contigo oara continuares. Adorei a estória e me senti transportado no tempo lá na nossa querida ilha de São Vicente. Bons tempos sem dúvida nenhuma. Pois ele como todos os magnificos outros

Silvio Antunes             silvioantunes@yahoo.cm.br


Comentário:

Caro Zizim: È bom recordar aqueles bons tempos em que os sanvicentinos se portavam com aquele respeito do homem por homem. Os homens daqueles tempos não sò eram bons boxeadores mais tambèm tremendos glariadores,que àtravez dos filmes de Cowboy que tantos viam-se ali no Èden-Park tais como os filmes de Jack Palance, Jonh Waine, Gregory Peck, Alan Lad, emfim uma gama dos bons actores daqueles tempos que ja la vão. Zizim essos glariadores eu lhes chamava-os (Homens do Carvão) que resolviam as suas problemas como homem ao punho limpo. Não vivi em esso tempo porque nasci no de 1952 mais cresci dentro de alguns do meu tempo, tais como Frank Dina, Nhô Rei, Jon Despi Morte, Luiz de Nuna, Alcindo de Fonte Felipe, Funha, Djêrê, muitos e muitos mais que não recordo neste momento. Djê Guebara Lake Worth FL.U.S.A.

Djê Guebara                nhela80@yahoo.com


Comentário:

Zizim, Um dia dmingue sem bôs storia na Liberal ê moda um cmida imsôce. Basta já nô vivel más um vez hoje bem vivide li na hora de lonche li na casa c'tude ês cena bem muvimentode chei de pirraça ma cosa série que sô bô sabê conta. isto ê na nôs linga cabverdiana. Braçona de malta e mi também. Guey

Miguel M.Monteiro          mucindereberabote@gmail.com


Comentário:

A estória meu caro Z.Figueira, está muito bem contada. Foi deveras um verdaeira lição de box naquele dia pois o meu pai que esteve presente falava-me sempre disso e asua admiração pelos dois beligerantes que correctamnet fizeram o povo vibrar naquela tarde la no campo de jogue. Obrigado meu caro por todas essas lembranças. Pois estou ansioso para que venha o Livro. Grande abraço

Arlindo Gomes          arlindogomes@yahoo.com.br


Comentário:

Caro amigo, Não só gostei como adorei de vover a minha terra. Obrigado. Abraço Tony

Antonio Silva             tonysilva@yahoo.com.br

V O L T A R


Comentário:

Zizim, voltei a ler com gosto esta storia. Naquele tempo era mesmo assim, o código de honra imperava e não apenas nas lutas de rua.

Adriano Miranda Lima

Comentário:

O reste ê estória, broda. Prope bnite e sabim pafronta tude ês recordaçon. Tempe ta bá, ma ta fecá sempre algum cosa. Aquele abraço, Gaia

Edgar Silva               edgar.silva@uol.com.br


Comentário:

Caro primo, estas cada vez más finóte ma bôs estorinha.Temos um patrício que esta a escrever sobre a influência dos ingleses na cultura do Mindelo. Um dos aspectos é precisamente esta maneira de lutar. Participei bastante em guerras dessa natureza. no tempo de Socól, quando saiamos dos treinos de ginástica, realizados no quintalão da salina, o Groll ficava à espera do Humberto , filho do Vasco Lopes, Donald, meu irmão, eu e outros representantes de bairros rivais. O Groll era o refe e toda a guerra obedecia a cânones éticos. Não era permitido mordedelas, socos baixos etc. Os badios eram criticados por que usavam toda a casta de estratagema, deste dentadas a facadas. Parece que , ainda hoje tais costumes marcam a diferença entre mindelenses. Aliás, esta maneira de ser e de estar caracterizou o nosso desporto, pelo menos, no nosso tempo. Bravo Zizim por estas recordações preciosas, verdadeiras lições da história da nossa Terra. Aquele abraço fraterno Gui

Aguinaldo Wahnon             guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Caro Sr.Zizim, A mãe se lembra bem dessas guerras e de muitos dos personagens como Jon Dilò, Gaganha e outros com muita admiração pela sua memória. Isto não pode ser senão que estorias que vão edificando pouco a poucp a história da nossa Ilha de S.Vicente Cabo Verde. Espero este ano ir até lá em junho/julho. ´Passei no printa a storia para quem não tem internet cá no Bairro como sempre e todos são fans das suas storias. Obrigado e até próximo domingo. Grande abraço Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Zizim, Como sempre no Top dos Top's das estórias da nossa Ilha de Monte Cara de que todos os domingos fazem parate do meu pequeno almoço fazendo me arrancar o dia de bom humor e soretudo muita saudade. Claro que me lemro do Jon Diló que era o único que punha respeito ao Néné Malagueta. Essas guerras, quantas não assiti na pria de Coré, Cova d'Inglesa depois de sair do trabalho. Era um regalo. Grande Zizim de Ti Djô Figuera obrigado por todas esssa magnificas recordaçõa. Um abraço Djunga

João G.da Cruz                 dunga@yahoo.com.br


Comentário:

Interessante Zizim, Cada vez conhecemos o Mindelo profundo de outrora. As guerrinhas de valentes podia virar um passatempo para muita gente ciosa de sensações fortes. Bons tempos
            

José Fortes Lopes


Comentário:

Caro Zizim, És um grande depositório da história das nossas bandas. Espero que não te distraias em me mandar a tal pen porque será um sucesso o teu livro. Admiro-me como estando a fazer quimio tens cabeça e energia para recordar e escrever tudo isso. Um abraço e boas melhoras. As

Arsenio Pina                  arseniopina@hotmail.com


Comentário:

Amigo Zizim,saúde para teres mais força para mais ecritos na linga de nôs Tchom de S´ncente. Um abraço Bitu Melo

Bitu Melo                    bitumelfonseca@hotmail.com


Comentário:

Caro Zizim! Só agora estive a ler esse texto teu que, como sempre, é fenomenal não só pela escrita mas também pela carga emocional com que transportas o leitor do princípio ao fim. Bem haja um escritor como tu. Um abraço até para a semana!

manuel delgado             manuel.delgado277@gmail.com


Comentário:

Meu irmãozinho Zizim, Acabei de ler a história dos homens valentes do nosso Mindêlo. Por mais que eu entenda muito pouco de box, não pude deixar de apreciar todos aqueles termos inerentes da luta que emprestaste à história por meio dessa cabecinha privilegiada que na minha deram uma crotcha. Gostei de ver o nome do meu pai citado no final. Desejo-te muita saúde e que Deus te abençoe sempre. Um forte abraço da tua amiga de raíz, Io


Iolanda Antunes                 iolandantunes@yahoo.com.br