CONTRABONE

Moda Dona Saida (assiriana) tava custumá dzê na sê criol rastode: - Tude nês vida ê moda um jogue de “laranjas’casca”. E dvera na sê filusufia e manera já d’oiá cosa de vida, pa tude bidjinha quel era derriba de sês 97 (noventa e sete) one d’idade, ela tinha razon.

Quê nês vida, pa tude banda ondê q’home passá sempre el dexa sê marca, mariode ô drete, c’tude sê inteligença dês que munde ê munde já naquel tempe quel era presa de tigre de dente de sabre e otes predador “d’era de pliocene”(fin de terciare principe de quaternare)etc.,Tê dia quel cabá pa impô e vrá predador chef de cadeia alimentar de nôs planeta Terra.

Tude isse, ta bem na linha de conta daquel tempe antigue em que pove de Soncente na sê “struggle for live” (luta pa vida) de tude dia, deboxe daquel parcença calme e tranquile de nôs Baía de Porte Grande de Mindelo c’sê Monte Cara e sês pôr de Sol sem igual ta invadi nôs mar datardinha, de sês bnite escama de prata.

Ma sê Praia de Bote (Patrimone de nôs terra Soncente), c’sê “Muralha Forte” c’dôs entrada, fête de pedra ma cemente, coberte de cripi que tava protegê areia de sê praia.

Lugar ondê que tude mnine, mesme naquel balbúria de gente, tava bai dá quel primer tchluff pa prendê nadá, na mei de tude quês bote pintode, numerode lá rastode ta esperá muvimente de sei pa lorgue, pa negoce, pa pesca ô pa rocega c’ pescador ma fazedor de corda, lá sentode ta cmodá rêde, ta fazê corda, ma sempre c’oie vive na melon, na mantcha de pexe que entraba na quel área, pa podia betá rede, ô na mnine de gente ta nadá, pas ca fogaba na mar.

Tude isse, hoje em dia desaparcide (prova - fotografia d’amigue Jack de Captania, aliás Joaquim Saial), c’um tristeza bem grande pa tude quem que ta lembrá, sobretude daquel antigue e bnite “Murallha” que já li na fotogarfia gente t’óiá cma el ca’stá, um Murallha daquel, parte dum patriomone c’sês monzada de storia ma “souvenirs” pa contá.

Quê log que d’note tava tchegá, ta tinha marinher ma guarda d’Alfândega, espaiode pa tude banda ta goitá tude quel pove negociante e sês tentiva de passá quel contrabone, quê lá na Praia de Bote ê que tava morrê pexe. Certe que tinha quês negoce moda madera que tava bem de borde e despache era baratim.

Ma tinha otes cosa, moda cigorre qu’era proibide mesme sel beba de borde, mode concurrença ma comerciante de terra. Assim um vez passode, tinha um que tava compra quês carton tude dum vez e tava fecá ta vendês na gente e malta de sês relaçon, mode quês carton que ca tinha quel “sele”de despache d’Alfandega, ma que nem por isse se tava dexá de ser, um denhirim quente na mon.

Ma, ‘m ca querê dzê, cma storia de contrabone seja binde de mei de Baía de Porte Grande de Mindelo, ô de grogue de SanAnton, ô d’otes lugar na época, era cosa fácil e tava passá sempre sem problema. O contrare, tive tcheu que foi panhode e que bai pa lama, gente cum conchê que foi vitma de denuncia, ma hoje ‘m prometê de ca mentá nome de gente, nalguns ação que tita bem passá lissim nês texte.

Soncente, tinha três área de negociante de Baía, área de drogaria de Djandjan, c’Pidrim Bettancourt, Lelona, Alvaro, Cucha etc., área de Praia de Bote c’Oscar de Nha Bia d’Antone Gêgê, Joaquim Silva (Quim Chavinha), Faia Santos, Anacleto Évora de Casa Lopes e Madeira, Josê Figueira (Ti Djô Figuera), João Damata Costa (Damatinha) pa Casa Figueira & Cª, área de rua de Moeda ma rua de Morguine, c’ Jack Cunqueli Côque, Antunin Cunote, Manuel de Joana, Jon ma Jack Estudante e mutes otes más que tava incthi tude ês área de negoce.

Um dês stora de contrabone que marcaba nôs Ilha de Soncente ma SanAnton, foi quel daquel guarda d’Alfandega imprudente (nada corrupte) por isse cunchide pum gaje mau dmunde que prendeba um contrabone de grogue, el sô,lá pa praia de Jon D’Ebra,binde de SanAnton. Dzide cma quês contrabandista propol um data de cosa ma dnher, el de pistola na mon, sempre ta dzê cma não. E era um carregamente mute importante de grogue velha que tava valê um fortuna.

Cma el ca queria sabê e cma quês home sinti pirdide, dzide cma ês dexal descuidá ês dal um salha na pistola, tê quel tchegá de feri um c’tire na broce. Enton, ês pol na tchon despil calça ês plal ove (testicles) c’pedra e dexal morte lá na praia de Jon d’Ebra. Ês bem pa morada, ês fazê sês contacte ês vendê tude quel grogue one time, depôs ês cambá sês terra SanAnton e, tê hoje nem fume nem mandode se foi descoberte quem foi.

Um note, tude quel romantisme de Praia de Bote foi quebrode, quê cosa dês vez, bem passá foi lá na sê Muralha, c’tude mute bem organizode: - Três bote na lorgue carregode ta esperá orda, otes gente ta goitá guarda ma marinher d’Alfandega bai jantá pa podia dá quel “free”, quês amdjer de força ( Frente de Libertaçon de Praia de Bote ) e expediente pa rapte, escuide na ponta dêde, quêz home dentre de praia tude linhode de stand-by.

Orda foi dode, Rosa de Conhe que sê pescoce de força, nem boi de Dja D’ Moie, foi primer que pô na cabeça, quel primer caxa de cigorre Malbore, siguide de Mari Binisse, Armanda de Vivi e más uns dôs ô três otes cumpanher de confiança, deboxe dum silencie, ondê que quaz bô tava uvi sês coraçon ta trabaiá c’força e, num esfregar d’oie tude quês vinte cinque caxa de cigorre foi passode e mitide na lugar segure, c’tude ta parcê normal.

Enton, tive um denuncia daquel movimente na Alfandega, pa um home que nem sê nome se ta merecê ser metode li nês storia, quê naquel dia, el tava ta ba desgraçá um data de pai de fidje (soce daquel negoce), em que uns tê tinha doze fidje senon más. Ma, ês home, voz de pove voz de Deus, vida punil de tal manera quel morrê na miséria la pa USA.

Ma, boca d’Onje caí de cêu e Raul ma Raulin marinher d’Alfandega, dzê Amen! Quê ês uvi tude quel relate daquel denuncia fête pa quel bandide delator. Enton, la ês actuá não cma autoridade, ma sim pa sentimente de pai de fidje quês era e dode aquel bom tratamente quês tinha ma quaz tude quês moce negociante daquês área.

Ês rancá, sem exigi nada em troca, ba ter dês, ba dzês cma dentre de um hora, Alfandega tava ta bai fazês vistoria na sês casa, pamode denuncia daquês vinte cinque caxa de cigorre passode de contrabone na véspra d’note lá na Muralha de Praia de Bote.

Certe que foi panic geral, depôs duns segunde de reflexon, tude quês caxa de cigorre Malbore que tava na alçapon daquel casa, foi passode c’ajuda de Rosa de Conhe ma sê equipe d’amdjer vassalada, sem preveni pa quintal de casa de vezin, ês tude espantode, ma moce bai ta dzês cma: - depôs ‘m ta explica bsote, quê grinhassim, nôs ê uns data de pai de fidje que ta c’corda na pescoce.Vezim, nice dmunde dexá cosa bai sem problema e assim c’sês help, um data de vida foi salvode dum grande desgraça más que certe.

Quê, um hora depôs, tchegá na lugar, Director cumpanhode de sês guarda ma marinher d’Alfândega e um oficial de diligência de Tribunal. Revista na lugar, foi passode bem passode na pente fine, ma nada ês ca incontrá naquel casa pa tistemunha e ês sei ta bai c’mon baziu e, tcheu pai de fidje salvode de bai pa cadeia na Vôvô perte de Compe de Jogue e dum miséria más que certe pamode quel delator.

Depôs, quel stock de cigorre sei na lorgue, foi vindide c’lucre pa tude banda de tchon de Soncente e Ilhas devagarim, c’raçon duple pa tude quem trabaiá naquel operaçon, moda era custume, panela na lume pa tude mnine cmê na sês fome e ta bai pa escola ba prendê alê.

Ês li ê más um treche de vida de tude dia de nôs terra Soncente dum vez, ondê que solidariedade humana e morabeza, apesar de tude quel pobreza, tava dominá na mei d’home que tava besti calça e era capaz d’assumi tude sês responsablidade sem pedi ninguem nada em troca, quê “Coraçon” ê que tava falá em vez d’inveja ô ganância de dnher.

ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Oi Zizim de Ti Djô Figuera, Como já te tinha dito, calha bem quando o Liberal publica as tuas crónicas relativamente cedo. Pois assim eleas acompanham-me no meu break-fast, o que não impede de as preparar no print para juntos lermos logo lá em casa do Lucas de Mã Tudinha. Adorei essa estória não só pela maneira sublime e sincrónica como a dispões naquela linguagem simples habitual como também por ver a minha avó Rosa a ser imortalizada na vida portuária da nossa bem amada Ilha de Monte Cara. Bravo! Bme hajas! Fraterno abraço Terencio

Terencio Lopes               tereciolopes@yahoo.com.au

Comentário:

Nha Broda, Moce ma bô tem um mimória e Deus ijdobe quel e criobe pa bem. Embora 'm ta levobe dôs one 'm podê dzebe cma ês storia ta bem contode e tude passá prop assim e m sabê quem foi quel bandide que bai denunciá quel ote n'Alfandega e quem era pessoa quel queris desgraçá. Ma cma quel pessoa era drete e sem maldade na coraçon, por isse qu'aquês dôs marinher d'Alfandega que tude gente tava conchê bai ta corrê socorrel. Raul ma Raulim, um era grande forte e era de Dja Braba e ote, Raulim era mas boxe ma forte tambem e era de Pedra Badejo na Santiago. Mi na nha manera d'oiá cosa ês dôs mariner foi nobre e uns verdader herói quel dia. Quê se cosa tava pegá não sô era um desgraça cmas tamém era um data soce ta bai pa cadeia na Vôvô e tava pô metade daquês gente de Praia de Bote na miséria. Por isse na vida cada um tem du quel ta merecê e sel morrê mariode lá pa Merca ê quel tava ta pagá du quel divia. Quê nesse Vida nada ta bem por acase. Boa Storia c'certeza, c'firmeza nha broda Ês ta ptop Top. Parabens e m sabê cma bô tem mas na gaveta pa bem espantá, encantá gente sempre e cuntinuá ta fazê História de Soncente. Quel braçona de bô broda Toi

Antonio Teodorico Estevão              atidicestevao@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Isso hoje está uma maravilha e não pude resistir a tentaçõa de vir cá comentar e dizer aquele: UNDERWAR!!! Abraço Nelson

NELSON S.          nelsonscv@hotmail.com


Comentário:

Oh.. ( Irmao das nossas Comunidades ) Oh qu'estora sabim !.. Dà vontade dizer ; ( Oh tempo ,volta para tràs ) E ssa bela fotografia que veio aumentar ainda mais o valor desta estorinha , para nos matar a saudade daqueles tempos , que jà la vao !... Se Jom d'Ebra tà falà ,el tàva pô techeu gente na cadeia !..Um pensemente amigàvel , pâ Nhô Jom d'Oia , qu'tàva fazê parte dess geraçon !...Caboverdianamente ,Um Irmao das nossas Comunidades ; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA               soalmeida@free.fr


Comentário:

Zizim, Gostei muito desta tua estória inédita.Inédita que era mas ainda em tempo de imortalizares, por um lado, homens e mulheres corajosos que arriscavam a pele e a liberdade pelo pão dos filhos, por outro gente de principios e normas de coração, que as outras tem tempo. Ocasião tambem para mostrar a maldade humana, quem sabe a inveja e o despeito... quem sabe? Só Deus la no Céu sabera o que moveu aquela alma penada, que pela Lei do Eterno Retorno veio a conhecer o pago dos seus actos. Gostei de conhecer mais estes heróis (quantos ja conhecemos pelas tuas narrativas???), anónimos uns, nomeados outros, que afrontaram as dificuldades com heroismo e principios, apesar dos pesares. Um Saravah para todos onde quer que estejam!Tem um bom dia de Domingo e um muito obrigado por mais essa. Até à proxima. Abraço Crista

Cristalina dos Ramos                cristaramos@live.com


Comentário:

Amigo Zizim, Já fiquei hoje bastante emocionado por teres imortalizado o nosso pai Raulinho bem como o meu padrinho Raul di Dja Braba, nessas tuas ricas estórias que lemos com prazer todos os domingos tanto cá em casa como em toda zona onde eu moro aqui em Portugal. Pois a escrota é muito facil e lemos sem problemas. Grande abraço Raulinho

Raulinho Cravalho                  raulcarvalho@netcabo.pt


Comentário:

Z.de Ti Djô Figuera, Continuamos a ver em ti o escritor preferido da nossa Ilha de São Vicente Cabo Verde e estou certo que um dia serás lembrado. Deixa a bola bolar. Nessa estória poões em destaque tanta coisa que já nem me lembrava mas graças a tua memória prodigiosa que te felicito, encontro todos os meus pontos de referência daquele São Vicente de outrora e que é bom que essas nossas gerações saibam. Defacto aquilo era um verdadeiro "strugle for live" onde havia sempre altos e baixos mas o povo la ia sobrevivendo do seu contabando sempre que podia. Fraterno e forte abraço Lucas

LUCAS                    lucas21@hotmail.com


Comentário:

Sr.Zizim Figueira, Sou uma fan assidua das suas crónicas domingueiras que nos enchem o coração de "sodade "de nôs terra SanCent. E hoje resolvi aparecer para felicitá-lo porque como filha de um eis negociante de Baía de Porto Grande do Mindelo, me senti transportada no tempo, relembrando todos esses acontecimentos que o meu pai chegou a me relatar tal qual você. Adorei a estoria e digo-lhe parabens. Um forte abarço Aleixa

Aleixa Fernanda Vieira                aleixafvieira@gmail.com


Comentário:

Sr.Zizim, Como sabe a mãe e eu não podiamos ficar calados, pois adoarmos essa estória aponto que não calcula que a ia lendo ela sobrsssaltava e mandava-me repetir e ia acessabdo que sim com a cabeça, tal o texto a impressionou. Em seguida veio de novo relembrar o que ela viveu de perto pois moravamos ali na rua de Matijim, não longe da Praia de Bote. Gostamos da foto tambem. Ja passei a estoria no print para levar meus amigos logo. Que tenha um bom domingo com rijo abraço da mãe.Beinjoinhos Suelly

Suelly Fonseca                      suellyfonseca@gmail.com



Comentário:

Zizim, Venho cá felicitar-te não só pela magnifica estória que apresentaste ao teu povo este domingo como também pela bela evolução da tua escruta. Obrigado Zizim! Tens sido incansável todos esses anos nessa luta e podes crer que não está só e tens toida a minha/nossa admiração. Abraço Viriato

Viriato Évora                   viriatoevora@aol.com


Comentário:

Gostei, de história também . SAliás sempre leio essas belas histórias daquela Ilha que acolheu o tio de um grande amigo meu de Santa catarina de S. Tiago. Vi que a Sra. Suelly Fonseca mencionou o nome de Nho Matijim no comentário que fez. Pergunto. Esse Nhô Matijim não foi também um renomado comerciante Mindelense, que teve inclusivamente uma rua que traz o seu nome " Rua de Matijim " e loja de muita fama lá na Rua de Praia de Bote ?

salvador                     salvador@hotmail.com


V O L T A R