MITCHILINHA

Quem na nôs tempe de rapaz nove, ca ta lembrá daquel boys spurtin por nome de Mitchilinha, c’sê camisinha branquin rolode mei manga, aberte na peite, pintiode c’um super banana bem roladin ta brilhá, na estile de Tony Curtis moda época tava mandá, bem lubzode de brilhantina Yardley sempre ta tcherê sabe.

Mtchilinha, um verdader mnine de Soncente de Cultura Éden Park, vendedor ambulante, frador de vida na nôs Ilha de pobreza moda tcheu otes, na venda de drops, bonbon ma chuclate, quês tava custumá bai fornecê em grosse, lá n’antigue JBC, pa revendê. Más alguns cigarrin de contrabone binde de borde não selode, quês tava vendê c’mute cuidode.

Certe que ca foi el qu’inventá quel sistema de vendedor ambulante na tchon de Soncente, quê primer que lançá quel manera de venda lassim, foi Rui Crucundinha na camin de Monte Sucegue e c’grande sucesse, tê que depôs el cunsigui abri um loja lá mesme na terra d’indio.

Baseode na nha mimória e, bsote desculpame pa quês nome qu’um podê ter esquecide de mentá lissim nês storia, ê de lembrá cma tava fazê parte dês famose grupe de vendedor ambulante de porta de cinema, tonte d’Éden Park cma de cinema de Tuta:

- Chico “drops” que foi grande ponta direita d’Amarante, Ceril, Corre de Nha Laura, Faustino, Lela “bigode”, Manel “magnifico” e nôs dôs broda Mitchel e Mitchilinha irmon d’Orlando de Derby.

Gente podê firmá c’certeza cma ês vendedor ma sês venda ambulante,em nada tava prejudicá quês famose produte artesanal regale de vida de tude gente,fete p’um pessoa que nunca nô podê esquecê,quê nôs grande mãe Tuda “Sucrinha”, mãe de Rui “sucrinha”,Madalena, Aguinaldo ma Beta, na venda de sês chupeta, rebuçode de mancarra, sucrinha ma mancarra torrode que tude gente tava levá ma ês na bolse pa cumpanhá filme, c’sê barulhin bem cunchide daquel critche... critche... dentre de cinema, mesme depôs de luz pagode na hora de cumeçá filme.

Segunde sês área de distribuiçon, ês vendedor ambulante tava prestá um grande sirvice a tude pove de nôs Ilha Soncente, num época em que tê taxi inda era bem poc na praça. Assim, ês tava andá tcheu quilometre durante o dia de rua a rua sem incomodá alguém na sês porta, p’oferecês cosa fresc de venda. E, pa depôs datardinha, ês tude ter de dexi pa morada, na roda de cinema, ondê que ta tinha sempre espectacle e vida active de venda era más forte, pas podia ganhá algum cosa.

Nôs Mitchilinha, sempre bricalhon e pirracente que tava fazê parte dês grupe simpatec de gente vendedor ambulante, tinha um lugar bem a parte na mei daquel munde e na malta.

Cunchide pa sês grite únique de “CASBÁ”, expresson quel tinha uvide e recuperode num filme de nome Hadji Bábá, c’Cornel Wilde e Debra Paget (Éden Park - ones 50) e que vrá sê grite de guerra e propaganda pa sê vindinha, o que malta sempre curti.

Basta, nôs Mitchilinha home de pirraça ma sempre servental, pa tude banda ondê quel passá, el tava intchi rua d’ligria sempre c’aquel grite sô d’seu já mute bem cunchide de CASBÁ. Enton, tude mnine, gote ma catchorre e gente grande (más bedje) daquês rua, tava bem log pa porta dá Mitcilinha quel salva de Deus e perguntal se ca tinha nuvidade.

Mitchilinha, moce de paz que tava dá bem ma tude gente, para além ser vendedor ambulante era um grande fanátic de Club Sportiv Mindlense, junte má sê irmon Mitchel que morrê n’Holanda, tude’s dôs irmon d’Orlando de Derby, também grande ijgador, naquel tempe de “mama no bode...”de Marquin de Nhô Quim Chavinha e sê grupe de claquista favor a Mindlense que tava passá durante tude match ta dá volta na Compe de Jogue sempre ta gritá quel: - mama no bode...

Mitchilinha, foi grande ijgador de ping-pong de nôs Ilha de Monte Cara senon de Cab Verd, junte ma Manuna de Lela de Nê ( Tchasse ) ma Tuca de Cacai que depôs bai pa Dakar.

Basta, um vez num Campionate d’Arquipelgue que passaba na Soncente lá na Club Sportiv Derby na Soncente, Mitchilinha tchegá de bai pa final ma um de nôs ex-colega de Liceu Gil Eanes, também bom pinponguista por nome de Carlos Vasconcelos natural de Djar Fogo que tinha ganhode tude malta, menes Mitchilinha que foi puste n’andor e dode quel volta de Praça Estrela, moda tradiçon de terra tava mandá.

Enton, nôs Mitchilinha que tava andá sempre janote, bem bestidin, tude cool tude nice, tinha fete cambadinha betada na mar ma um grupin malta d’seu, fiode cma nunca ês tava cunsigui panhal descuidode derrriba de Cais pa betal na mar, quê el n’era mute daquês cosa d’orela de mar.

Ma um dia quonde Craveiro Lopes (Presidente de Portugal) tinha binde visitá nôs terra Cab Verde, de passaja pa Soncente, Mitchilinha moda tude gente, bai pa curiusidade oiá, quel corteje maritime c’vedeta de Captnia pa diante chei de bandera, siguide p’um rebera de bote pa trás tanbém bem enfeitode de bandera ma bandirinha.

Enton, nôs Mitchilinha bai pa esperteza, fecá la na ponta de Cais Nacional, daquel ote banda de Cais d’Alfandega, t’oiá sê corteje seguirode bnitim, devagarim sabe contente, c’foguete na prainha de Praça dos Aviadores (ondê que tem quel Águia) ta estalá no ar bem olte e forte, mandode pa especialista DjaBraba...

Derapente, risarada foi tão forte tê que quaz tchegá de cubri quel barulhe de foguete, quê dôs boys com quem ês tinha fête cambadinha betada na mar, bai prop devagarin entrode na Cais Nacional e quonde ês tava na bom posiçon ês foi um data quês cambá na mar c’ropa e tude da la derriba daquel Cais e entre Val de Nhô Batas e tonte otes, tava nôs Mitchilnha completamente desincantide, ma sempre c’um sorrise na conte de boca.

Enton, quonde el sei na prainha de Praça dos Aviadores, ês perguntal: - Oh Mitchilinha cmanera, ês betobe na mar, ma bô sempre sorridente porquê boy? Enton, el respondês cma ês betal na mar ok, ma smeme assim el tava contente quê mar ca estragal sê pintiode de bana estile Tony Curtis, pa desuspere de sê malta de cambadinha betada na mar...Eheheh.

E, assim vida pude cuntinuá naquel ritme e humor prop de nôs pove e tude ês nôs cumpanher que sempre ta cuntinuá ta fazê parte de nôs afectos.


ZIZIM FIGUEIRA (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentário:

Uma estòria bem contada, pois não foi do meu tempo, mais uma ou dois protagonista eu os conheci pessoalmente tal como "Chico Drops" pai de um verdadero amigo e companheiro de escola meu que todavia esta vivo em são vicento que se chama Manuel Jesus Santos, antigo funcionàrio do banco e hoje jubiliado. Ao recordar o nome de Mitchel eu me recordo o Mitchel de ribera bôte que era um amante e admirador do famoso actor americano Victor Mature. Tambèm de Djabrava que era um experto em tirar foguetes, tambèm tem um filho em soncente que se chama (Calu boca polpa) companheiro de trabalho e amigo de imfância que trabalha nos armanzêns do alfândega la no cais acostàvel. Zizim os nossos antepasados sempre e serão estòrias do pasado que tù e todos nòs vivemos e comvivemos. Muito obrigado.

Djê Guebara                          nhela80@yahoo.com


Comentário:

Zizim: por favor colabora com alguèm mais moderana das èpocas de 60, 70, 80, para que possamos nòs mais jovens reviver os passado dos acontecimentos vividos porque cada facto têm su època. Pois não è para ofender nem tampoco para contralhiar, simplesmente para entender. Saudades fraternais: Dje Guebara Lake Worth Fl, U.S.A.

Djê Guebara                     nhela80@yahoo.com


Comentário:

QUALQUER DIA DOU-LHE UM PREMIO MONETARIO PELA FORMA COMO ESCREVE CRIOLO!!! QUALQUER DIA N`TA DOB UM PREMIO . DIVULGA ES FORMA DESCREVE CRIOL

jr                      joserui66@hotmail.com


Comentário:

CARO BRUDINHA ZIZIM, QUE SAUDADES AO VER ESTA LINDA FOTO DE MAIS UM RAIAR DO DIA NAQUELA TERRINHA POBRE MASA ABENÇOADA POR DEUS!!! UM BOM DOMINGO, COM UMA BOA DISPOSIÇÃO.AS TUAS RICAS SEMANAIS HISTÓRIAS SÃO SEMPRE AGUARDADAS POR MIM E SABES MUITO BEM, QUE SÃO APRECIADAS, PORQUE RETRARAM O DIA A DIA DA NOSSA JUVENTUDE, VIVIDA COM ALEGRIA E COM A BÔCA SEMPRE DESCANCARADA, PROVOCADA PELAS NOSSAS (PIRRAÇAS), QUE O NOSSO SONCENTE JAMAIS VAI CONHECER. COMO TUDO MUDOU. NÓS FOMOS OS "GONGONS" DA NOSSA ÉPOCA, MAS NINGUÉM SENTIA MÊDO DE SER ASSALTADO. MUITO E MUITO AGRADECIDO POR MAIS ESSA QUE ESTÁ MESMO UM "PAPA C'LETE ". HOJE O NOSSO MINDELENSE VAI JOGAR COM O BATUQUE E UM EMPATE CHEGA PARA SERMOS CAMPEÃO DE SONCENTE. BOM DOMINGO E UM ABRAÇO APERTADO. RUITUDA SUCRINHA

Rui Fonseca                   ruituda-fonseca@hotmail.com


Comentário:

Caro, primo, belíssima estorinha que me conduziu ao tempo que sonhava com um mundo sem miséria e solidário. Lembro-me perfeitamete dos vendedores e vendedeiras ambulantes sempre sorridentes e amáveis com seu clientes. É com saudade que evoco a figura de nha Juana, com o seu cesto de verga, no meu quintal a mostrar fazendas, pó de arroz etc., à minha mãe. Vendia coisa boas vidas da Metrópole que alguém lhe enviava para negócio. O serviço que prestavam era precioso, pois evitava deslocações a lojas de morada. A propósito, será que a praça dos Aviadores não tina outra denominação? Um rijo abraço, com muita admiração pela tua foça e coragem. Grande abraço Gui

Aguinaldo Wahnon                   guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Dear Brother Zizim, Dado á hora da publicação da tua estória pelo Liberal que felicitamos, ela chegou em boa hora e podemos assim lê-la em conjunto a hora do almoço cá em Sidney Austrália. Claro que como sempre fazem furor e nos enches daquel saudoso calor da nossa terra Soncente de Cabo Verde. A foto está mesmo linda e vendo o Monte Cara a saudade ainda é maior. Certo que a maioria de nós nos lembramos do amigo Mitchilinha com quem fui vizinho muitos anos. Bons tempos dos drops de saisfrute e com licor dentro mais os tofés etc. Mas em nada defacto substituiam aquelas chupetas sucrinhas e mancarra da saudosa TUDA. Esse pessoal bem merece vir para a tua estória para que sejam imortalizados com a tua habitual afeição que como sempre dedicaste ao teu povo. Parabens Zizim! Obrigado e até a próxima. Um abraço de nós todos Terencio

Terencio Lopes                       terenciolopes@yahoo.com.au

V O L T A R


Comentário:

Moce, mas um sturinha sabim cumpanhode dum fotografia bnitim de nôs terra Soncent...Oh nha mãe...oh que SODADE!!! Boa Zizim! Bô escrita ta 100% na TOP e nôs tude prei tita usal e isená nôs mnine el. Quel braçona Fausto

Fausto M.                     faustom@aol.com


Comentário:

Como fan assidua, gostei imenso dessa estória que como sempre nos mata de saudades da nossa Ilha de São Vicente. A tua escrita está sublimee me lembro de todo esse pessoal vendedor ambulante sobretudo á saída da nossa UNIVERSIDADE CULTURAL ÉDEN PARK (PATRIMONIO) que tanta coisa nos ensinou através dos espectáculos. Esperemos que um dia alguém o possa comprar e o ponha a funcionar como dantes ou melhor. Realmente Tuda e os demsis vendedores ambulante como Mitchilinha e todos os outros prestaram grande serviço a todos nós. Força Zé e um grande abraço Inês

Inês da Silva Duarte                 inesilduarte@gmail.com


Comentário:

Djô Figuera, Recordadr é viver, diz o povo e tem razão. A estória está como sempre uma maravilha cheio de boas coisas e recordões vivivdas por nós naquele bom tempo da boa solidariedade. Forte abraço Lili

Larry de Pina                  LPINA1@tampabey.rr.com


Comentário:

Das figuras populares que o Zizim já evocou nestas suas “storias”, o Mitchêl é talvez quem melhor conheci, não porque tenha tido alguma intimidade com a sua pessoa, mas porque ele se dedicava a uma actividade que o tornava muito notado, mesmo que o não quisesse. Pois para além da sua venda ambulante de drops, chocolates e cigarros, calcorreando os locais mais movimentados da cidade, distinguia-se pela sua postura histriónica e divertida, sem ser leviano e exibicionista. Nas sessões de cinema gostava de mandar as suas bocas em voz alta quando acontecia algum imprevisto, como o atraso no início da sessão ou a interrupção acidental da projecção do filme. Certa vez, no Parque Mira Mar (cinema do Tuta), lembro-me de que isso aconteceu e ele manifestou o seu protesto em voz bem alta e sonora (tinha uma voz grave e forte) e o Djone (filho do Tuta, que provavelmente estava na cabine de projecção), recorreu à instalação sonora e disse: “Mitchêl, um sabê que foi bô que manifestá pois bô voz ê cunchid”. De facto, ele dedicava uma atenção especial ao penteado à moda do Tony Curtis, actor americano então em voga, e também à apresentação do seu vestuário à base de jeens bem apertadas e camisa branca dobrada pelos pulsos, como o Zizim aqui descreve com minúcia. Sempre lhe conheci uma atitude educada para com as pessoas, o que penso lhe granjeava a estima de todos os seus fregueses ambulantes, independentemente da idade ou condição social. Quantas vezes não lhe comprei drops e chocolates, principalmente quando o apanhava a jeito lá para os lados da Praça Nova e da Pracinha da Igreja! A partir de certa altura, no auge do negócio, passou a ter um ou dois boizim como auxiliares, cada um com a sua prateleira/expositor dos ditos produtos. Pelo menos, na Praça Nova tive ocasião de o ver com esses jovens ajudantes naquelas noites mais movimentadas que antecediam as sessões de cinema no Éden Park ou quando a Banda Municipal actuava no Coreto. Era uma figura popular realmente muito castiça, comunicativa e divertida, e recordo-o com certa emoção e simpatia por me levar de volta à minha adolescência. Há já muitos anos ouvi dizer que ele faleceu, não sei se na sua terra ou no estrangeiro. Se assim foi, morreu ainda relativamente novo. Gostaria que algum comentarista o confirmasse. Obrigado por estas recordações, Zizim.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Oh..; ( Irmao das nossas comunidades ), Michel " mais coinhecido por " Mitchilinha "!. Na verdade " irmao" naquele tempo existia personagens - fora de comum - . Aqueles célebres vendedores ambulantes de " drops ", mas que eram bons artistas, verdadeiros ( sport's de cinema ). Micthilinha para além de vendedor ambulante , foi também um excelente jogador de ( ping-pong ) , chegando a ser campeao em Sao Vicente , -como tu dizes irmao - e que confirmo !.. Êle foi também um grande fervôr- adepto do Derby !.. Os gritos que êle dava;. ( CASBA ) !..relembrando o filme ( Hadji Babà ) filme que fez grande sucesso em Sao Vicente no ( nosso inesquecivel cinema Eden Park ), com os actores " Debra Paget / John Derek , ( e nao Cornel Wild , que por lapso mencionastes !.. Simplesmente para te acompanhar na tua extraordinària e verdadeira estoria daquele tempo do NOSSO MINDELO e que eu vivi emocionalmente !. Os meus parabéns " irmao " ; com aquele abraço d'Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                    soalmeida@free.fr


Comentário:

Pena é que não tenhamos muitos Zizins Figueiras nesta terra , tão cheia de estórias , á espera de alguem que os conte ! Sou salense e sinto grande orgulho em ter um patricio como o ZIZIM FIGUEIRA ! Sem bairrismos ! Infelismente , os africanistas e obscurantistas que tomaram Cabo Verde de assalto em 1975 , tudo fizeram para destruir a nossa memória colectiva . Mas jamais conseguirão ! ! Daqui da Ilha do Sal , mando-lhe Sr. ZIZIM , um grande abraço , cheio de admiração e amizade ! Por favor , continue escrevendo assim ! Que Deus lhe proteja !

LUCAS SANTOS                  LUC134@HOTMAIL.COM


Comentário:

Oh homem, Zizim, você está a fazer um bom aliás óptimo trabalho! É pena que não usa o alfabeto fonético-fonológico designado de ALUPEC-Alfabeto Unificado Para a Escrita do Cabo-verdiano. Sabe com com esse alfabeto dá para escrever em qualquer variante? Santiago, Sal, S.Vicente, Brava, etc. Pelo menos disciplina a escrita e você escreve as mesmas palavras sempre da mesma maneira. Não meta também na cabeça que lhe querem obrigar a falar badiu ou a adoptar a variante de Santiago como língua oficial. Mesmo que fosse você já estaria velho para isso, não acha? Escreva na sua variante utilizado o ALUPEC! Ajuda-lhe a disciplinar a escrita. Força Zizim! Não "tome corda" dos bairristas de Sonsente e ignore os insultos que por vezes saem da escrita do bairrista badiu chamado de Marsiano. Seja você mesmo, homem! você tem muito potencial! não tenha medo do seu potencial, também já está velho para isso, "ter medo". O velho seu pai (hoje desencarnado) Ti Djo Figuera não tinha medo, agora seria o seu filho Zizim a ter medo. Assuma-se homem, assuma-se Zizim, não se deixe arrastar por esses bairristas ignorantes da nossa terra (Mindelo) que comentam os seus textos dando-lhe corda, no fundo alimentando o seu (deles) bairrismo! Você vive na Europa, na terra longe e no mundo largo. Não deixe que lhe estreitem os seus horizontes!

Mindelense amigo do Zizim            amigo_dos_homens_de_coragem@hotmail.com


Comentário:

Efectivamente amigo Lucas Santos, Você tem toda a razão no que diz e alinho consigo na totalidade dos seus propósitos. Creia-me que não somos os únicos a reagir assim, pois 99% da população de Cabo Verde pouco a pouco desde 1975 vem tomando consciência dessa critica situação, ficando apenas o 1% devoto aos corruptos poderosos e vendidos do partido condicionados e com olheiras como as "limárias"do PAIGC/CV. O efeito nefasto da tentaiva neocolonizadora de José Maria Neves das Ilhas do Noroeste há muito que se fez sentir atravéz da tranferência cultural negativa dos "Cassy Bodys" e outras belongas mais que veem aterrorizando o povo insular noroestino aliado á destabilização económica descentralizadora enviando tudo para PRAIA. Mas já nos acordamos e estamos dispostos a dizer BASTA! E que venha a Regionalização já! Na realidade é pena não termos mais Zizins Figueiras nestas nossas Ilhas do Noroeste para escreverem nossas estórias num crioulo simples e castiço de caracteres greco-romano, sendo o crioulo uma lingua novi-latina, idêntico ao do compatriota Zizim pelo que lhe parabenizo pela sua simplicidade e modestia. O PAIGC/CV quando chegou em força na nossa terra CABO VERDE como invasor sem pedirem opinião a ninguém, vieram num "TOTAL DESTROY" e nem sequer procuraram reconciliar o povo de Cabo Verde na sua integralidade, mas sim só se preocuparam em nos lançar uns contra os outros num "DIVIDIR PARA MELHOR GOVERNAR" tal como se fez no periodo colonial pidesco Como lá dizia o meu amigo Chico badiu, SAIU A MOSCA FICOU A MERDA e a prova aí está, pois nem sequer respeitaram todo o contexto socio-histórico-cultural do nosso país querendo deitar no mar tudo o que para eles era "CATCHORRE DE DÔS PÊ E RASGANDO E QUEIMANDO ARQUIVOS DA ALFANDEGA EM QUE ALGUNS FORAM EM PARTE AINDA SALVOS A TEMPO. Agora pergunto finalmente perante tanta selvajaria com os mesmos direitos que todos temos se " CATCHORRE DE DÔS PÊ" não são eles os invasores das nossas pacificas Ilhas de gente evoluida vivendo em boa harmonia entre nós sem problemas de côr ou mesmo raça, termo que não gosto de utilizar, pois raça é de cão. Para o Homem prefiro dizer "Espécia Humana". Pois assim vai o Cabo Verde do governo fascista de José Maria Neves e os seus capangas do PAIGC/CV. Mas não há mal que não acabe e bem que sempre dure!Amigo Lucas estamos juntos. Abraços Alcides

TCHIDA                tchidasasvslsnbvsama@gmail.com


V O L T A R


Comentário:

Pa nha pseudo-amigue Mindlense qu'um ta pedi pa proxima vez de ser home e ter coraja de sês opinion pal prsentá sê cara. Quê mi Zizim, criol fidje de Bia ma Ti Djô Figuera,c'certeza,c'firmeza e c'tude honra de nôs Munde Cab-Verdiane que mi ê tê dia qu'um morrê OK!!! Ma corrupte, vindide nunca 'm foi nem 'm ta ser. Quê na bô manera de falá moda francês ta dzê e c'razon "les caresses de chien cela donne des puces" ô enton, bô ta dá um na crove ote na ferradura. But never mind. 'M foi daquês que lutá dês one 1964 pa Independência de Cab Verd c'tude conviçon ma infelizmente depôs tive um monzada de cosa que ca dá, enton 'm fecá de fora de qualquer partide, quê mi nha controte ê ma nha pove e má nha terra Cab Verd sem qualquer opçon bairrista ô otes c'tude respeite pa tude cab-verdiane sem excepçon. Depôs dês piquene introduçon, ´m querê pa bô fecá ta sabê cma nha Criol 'm ca ta impô ninguém el quê m ta procurá transcrevel moda 'm ta sintil, escrite na base de caracteres greco-romano moda m prendêl na bonc d'escola. Sabende cma criol ê um derivode de português e el ca ta podê feji nunca de sês orija novi-latina apesar de tude forma inventode ta querê pagal de nôs mimória. Filólogo 'm ca ê, ma sim um curiose e na tude África Banta ô Zulu de Norte a Sul Leste a Oeste,´m ca incontrá tê hoje um só dês pove que ta utilizá esse maldite " K " alupekador, desgraça de nôs juventude, cosa criode pa Manuel Veiga ma que felizment el ca pegá tê que jal caducá. Ora Criol ca ta mestê ser oficializode, quê já cagarra tava voá derriba de nôs Ilhas que jal tava existi em espirte e el cabá pa nascê ma sê pove cab-verdiane e pove ê que ta fazê sê LINGA!!! N'ê meia duzia de gote pingode que ta julgá por cima de tude lei e de tude gente, ijdode pa poder politique e pertidare de JMN que ta resolvê dum dia pa ote inventá um escrita sem consultá ninguêm pa que ô menes tivesse um consense de gente de tude ILHA DE CAB VERD pa pronunciá sês opinion..."et c'est lá que le bas blesse profondemente"!!!Ora mi Zizim,'m ta cuntinuá ta escrevê nha criol verson Soncente que tude gente te gora ta podê lê sem deficuldade ta esperá qu'um dia ta parcê gente inteligente e de bom sense pa nô pô cosa na lugar qu'um escrita linear pa tude gente sem imposiçon fascista neocolonialista e anti-democrata. Vindide m ca ê e nunca ´m foi nem m ta ser. quê sempre m vivê c'suor de nha fronte. Esse ê nha opinião sem rancor nem ódio ô raiva qu~e cosa que ta fazê parte de nha Dicionário. Pa bom intendedor meia palavra basta. Abs Zizim

José Figueira, Junior        jfigueira@wanadoo.fr


Comentário:

Boa Zizim! Embora toda a história é uma caixa de ilusões,mas tu tens o dom de nos transportar agradávelmente ao nosso bom tempo do antigamente. Parabens e força para continuares Um abraço Tony

Luis Antonio Avelino                   laavelino@msn.com


Comentário:

Bravo Zizim! Bem respondido a esse palerma do mindelense camuflado. Muito te aprecio pela tua maneira franca de falar e sendo mais novo te respeito muito por isso. Pois és um bom exemplo a seguir. Um abraço do Djonsa lá tchada Sant'António.

DJONSA                djonsa@gmail.com


Comentário:

Caro Zizim Esta crónica vem mesmo a propósito. Conheci o Mitchel, uma personagem típica do Mindelo que emitava bem o Tony Curtis no penteado. Também tinha um vestimento típico da época dos star dos filmes do anos 60. 'Figure-toi' que joguei contra ele ping pong na sede do derby onde costumava frequentar. Ele que era um exímio jogador, eu cheguei a ganhá-lo várias vezes. Guarda boas recordaçoes do Mitchel pessoa muito correcta bem educada um mucin de soncent basofe.

José Fortes Lopes

 


Comentário:

Pa “Mindelense amigo do Zizim”: ----§---- Bairista kondenavel e kel ki ta defende privilejiu injustu pa se bairu (nes kazu, ilha) en detrimentu di kes otu. ----§---- Ben da prova na undi ki N defende privilejiu injustu pa nha ilha (Santiagu) i en detrimentu di ki ilha(s)? Ki privilejiu ki N defende? ----§---- Bu sa ta spadja inverdadi sobri mi ti ki bu txoma-m bairista.

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera           marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Na skola, nu ta nxinadu alfabetu purtuges na anbitu di studu di lingua purtuges. Nu ta nxinadu alfabetu franses na anbitu di studu di lingua franses. Nu ta nxinadu alfabetu ingles na anbitu di studu di lingua ingles. Es alfabetus ka e igual ku kunpanheru. ----§---- Alfabetu di kada lingua ka e so sinais grafiku (letras). Alfabetu di kada lingua e tanbe regras di uza es sinais grafiku, istu e, ki son kada sinal grafiku ta reprezenta i ben ainda ki silaba kada grupu di sinais grafiku ta reprezenta. E tudu isu ki ta da alfabetu di un dadu lingua. ----§---- Pa ezenplu, si bu ba le franses ku regras di le purtuges (istu e, ku regras di alfabetu purtuges), bu ta le tudu mal. ----§---- Nunka nu nxinadu alfabetu greko-romanu ki, alias, ka ta ezisti. ----§---- Dja N pidi-nhos un monti bes li na net pa nhos sita sientista i obra sientifiku ki ta diskreve “alfabetu greko-romanu”. Na nves di nhos da-m referensias, nhos ta ataka-m nha onra. ----§---- “Alfabetu greko-romanu” e un nomi ki nhos inventa pa nhos ka txoma kuza pa se nomi: “alfabetu purtuges”. ----§---- Dja nhos sabe ma, si nhos ordena “Oh Kabuverdianus, nhos skrebe lingua kabuverdianu ku alfabetu purtuges!”, nhos ta intriga patriotas di spiritu perspikas. ----§---- Efetivamenti, patriotas kabuverdianu di spiritu perspikas, al interoga ses kabesa: mas, si ten alfabetu purtuges, alfabetu franses, alfabetu spanhol, pamodi ki ka al ten alfabetu kabuverdianu?! Pamodi ki so nos ki ten ki skrebe nos lingua ku alfabetu di otu lingua?! ----§---- Nhos kre, atraves di es nomi inventadu “alfabetu greko-romanu”, kamufla nhos dilijensia pa obriga-nu skrebe lingua kabuverdianu ku alfabetu di otu lingua, ku alfabetu purtuges. ----§---- Alfabetu kabuverdianu dja diskutidu/aprovadu na 4 kolokiu (Kolokiu Internasional pa Valorizason di Kriolu -1979; Forun di Alfabetizason Bilingi – 1989; Grupu pa Padronizason di Alfabetu - 1993-94; Meza-Redondu pa Avaliason di ALUPEC - 2008). Un monti di Kabuverdianus ki ta ntende di asuntu (sientistas di lingua kabuverdianu, linguistas, profesoris di lingua kabuverdianu i skritoris di lingua kabuverdianu) diskuti i aprova alfabetu kabuverdianu susesivamenti duranti 30 i tal anu, antis di se institusionalizason. ----§---- Alfabetu kabuverdianu ta liberta nos desendentis di sofrimentu di dikora ortografias di palavras. Pur isu el e midjor ki alfabetu purtuges.

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera           marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Pois é Zizim como sempre gostei imenso da tua crónica sobre o Mitchilinha personagem Mindelense dos nosso afectos. Apreciei e aprecio como sempre também a tua escrita que já pode servir de base para um forum porque esse alupek já não pega, nem pegará e só serviu para criar cizania entre o povo das Ilhas e cacofonia na escrita futura da nossa juventude que hoje anda ás aranhas por se definir. Pois já nem sabem como redigir uma carta quanto mais outras coisas e isso é gravissimo. Deste uma resposta bem coerente a esse Mndelense corrupto e camuflado, porque aqui em S.Vcente a parte os vendidos no PAIGC/CV, toda gente aprecia e te apoia no teu excelente trabalho. Falaste bem e quem fala assim não é gago!!! Pois estamos neste mundo para aprender com quem sabe mais... e não com quem sabe muito. Um dia serão chamados ao Tribunal o Sr.Manuel Veiga, JNM e todos os seus acólitos por terem gasto fortunas com o dinheiro do contribuinte cabo-verdiano nessa estória de quererem impor partidária e politicamente por viva força o tal "criol kapista santa catarinense" ao povo das Ilhas de Cabo Verde como se fossemos leigos e dispostos a dizermos amen a tudo. Corja de teimososo, isso tem sido uma verdadeira desgraça e já que assim é, então ha que prestarem contas ao Povo e á Nação. TRIBUNAL com essa gente e acabou~se.

David de Carvalho                      davidcarvalho@gmail.com


Comentário:

Este ( Mindelense ) - amigo-da-ônça- de Zizim Figueira , julga ser mais esperto que os outros !.. Este seu comentàrio nesta estoria tao bem contada , tao bem traçada da vida de "Michilinha " , que todos os Mindelenses conheceram , este ( falso Mindelense) veio intruduzir tanta hipocresia e cinismo , que nao entrou na cabeça de ninguém , a sua maneira de querer disfarçar a sua ( falsa amizade ) ao Zézinho Figueira . De qualquer forma, sabemos que anda por ai, tipos que so servem para comportamentos negativos , jà que para outra coisa , nao servem !. Este ( Mindelense du uma figa ) , é um dêles !..UM CABO VERDIANAO !..

UM CABO VERDIANO                    caboverdianamente@gmail.fr

V O L T A R


Comentário:

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera. seria bom si bu tomaba juízo!

Eugenio Delgado              ordel@hotmail.com


Comentário:

Oh nhu Ojeni Delgadu, ka ten "seria" na lingua kabuverdianu. Bu kabuverdianu e un krioles! Ta fladu: Al ser bon si bu toma juis! Na verdadi, normalmenti nu ta fla: E midjor bu toma juis! Oh kunfiadu, prende kabuverdianu dretu antis di bu da konsedju na jornal!

Odju Bibu                      odju_bibu@cvtelecom.cv


Comentário:

Oh Marsiano neto de padre , por favor , diga-nos quem te paga para fazeres o triste papel de leviano e ignorante ? ! Será o ex-ministro do alupec , Manuel Veiga ? !

LUIS DA GRAÇA               luid213@hotmail.com


Comentário:

Esse "Santcho Burro do Marsianu Nha Ida Padri Ferreira= a Odju Bibu + Midelense camuflado em falso amigo do nosso grande e amigo Zizim de Ti Djô Figuera, se tivesse vergonha já nem aparecia por aí com esta sua formula escrita já pré-estabelicida num kriolês cacofónico que ninguém consegue ler quanto mais compreender. Já é tempo que ele desapareça porque sabe bem que nós não arrearemos nunca a nossa Bandeira na luta em defesa da nossa lingua cabo-verdiana. Se realmente somos todos cabo-verdianos começemos por respeitar a variante de cada Ilha que se faça um forum convidando pessoas capazaes (não corruptas nem vendidas patidaria e politicamente) afim de que haja consenso e não imposição. Porque lingua nunca foi questão de maiorai e se assim fosse haveria muitas linguas conhecidas no Mundo que seriam absorvidas por outras. Tenha juizo homem e vá se ocupar do seu tacho que lhe arranjou o seu governo facista paigc/cvista de José Maria Neves

David Carvalho                 davidacarvalho@gmail.com


Comentário:

Zé, cada domingo ja ca estamos a espera, das tuas cronicas, para não esquecer-mos do nosso querido Mindelo (sancete), o Michilinha, foi bastante conhecido,era uma pessoa que fazia amizade com toda gente,era respeitador, sempre com as suas brincadeira. Este sr(.Mindelence amigo,) creio que ele enganou-se, não sabe onde vive, talves numa das ilhas desertas. Para dizer tanta barbaridade, era melhor não dizer nada, mas assim ficamos a saber destes espertalhões. Daqui vaie aquelo abraço amigo Januário.

Januário Matias Soares                   jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Amigo Zizim, Bô fazem lembrá de Michel ta vendê ses dropse na Pracinha d'ígreja e que tava jgá um bom ping-pong la sede de Derby na Praça Estrela. Que temp sabe. Um abraço

Bitu Melo                          bitumelfonseca@hotmail.com


Comentário:

Caro amigo Zizim de Ti Djô Figuera: Que por favor não discutas com uma idiota tal como esso fantucho de Mindelense disfraçado porque recorda-se bem, que ao discutir com uma idiota então a gente não distinguirà a diferência. Nada esta livre de dizer estupidezes, o mal è dizer-los com emfases. Carro amigo Zizim Te mando este grande apoio pessoalmente. Sejas forte para que nada te derrota, sejas noble para que nada te humilha, sejas humilde para que nada te ofende, e sigas sendo tu mesmo para que nada te esqueçe. Djê Guebara Lake Worth Fl.U.S.A.

Djê Guebara                nhela80@yahoo.com


Comentário:

Tanto a "Storia" como a escrita na nossa lingua cabo-verdiana (variante Soncente) e com todo o respeito pelas outras variantes do nosso Arquipélago de Cabo Verde, cá venho felicitar o nosso amigo Zizim Figueira pelo seu grande exemplo de caboverdianeidade, tenacidade nessa luta e seu grande trabalho de aplicação creativa deste "CRIOL" castiço de tipo humilde sem impor a ninguém a sua escrita, deixando as portas sempre abertas ao diálogo para que haja consenso. Mas com essa cambada de "STONE AGES" a começar pelo antigo M.Cultura Manuel Veiga e o actual "PAU MANDADO" Mario Lucio nossa lingua se encontra num verdadeiro "cul de sac" dado a teimosia dessa gente em quererem impor,politico-partidáriamente e com a ajuda do DIABO DO PM JMN assentado no alto do seu trono de governo fascista do PAIGC/CV, uma escrita que ninguém consegue ler e que vem sendo mesmo rejeitada pelo Santiaguense em geral porque a imposição é apenas Santacatarinense e não colectiva da Ilha de Santiago.Bravo Zizim e que a Força seja contigo. Um garnde abraço Pedro

Pedro Brito                       pedrobrito@yahoo.com.br


Comentário:

Odju Bibu, que eu saiba criolo é um dialecto. Seria não faz parte do teu criolo, pois do meu fez e continua a fazer. Cunfiado é bó qui cré impoi criolo di bu manera. Criolo ca tem regra. Canto nprendi papia criolo talvés abó bu staba inda na cuero.

Eugenio Delgado              ordel@hotmail.com


Comentário:

Oh Zizim? Belo foto de Don Tchente. Assim que eu chamo o Monte Cara porque el è o Don de todos nòs os Sanvicentinos,que por todas as amanhãs ao nascer do sol se amanheça com uma sonrrisa alegre,e que por as tardes ao cambar do sol, ali esta Don Tchente com a mesma sonrrisa desejando que todos nòs os Sanvicentinos, depois de um dia laborioso regressamos as nossas casas alegres. Don Tchente è que sempre dà o bem-vindo a todas as pessoas do bom coração que entra e sai pelas as duas fronteiras de entrada no Mindelo, os que entra por o Porto Grande e os que entra por o Aeroporto Internacional Cezaria Êvora. Viva S. Vicente Viva Don Tchente. Djê Guebara Lake Worth Fl.U.S.A.

Djê Guebara                   nhela80@yahoo.com

V O L T A R