DODE E ANTIDODE (D'ÔNES 50 A NOS DIA)

Esse storia é dedicode p'aquel piquene, má grande obra de caridade na lombe tanque (espaço de apoio aos doentes mentais) que fui inaugurode dia 21 Janere de 2002 pa sua Exa. Drª Isaura Gomes Dmª Presidente de Camara Municipal de Soncente - Cab Verd

Confúcio filósofe chinês, na sês reflexon dzê cma ''FAZÉ MAL É FÁCIL'' e qu'anton já que nô sabê, porquê que nô ca ta cumeçá pa procurá FAZÉ BEM?!...

Inflizmente, na tude parte de MUNDE tem gente dôde (bsote sculpame esse expresson), quê assim é que ta dzide e traduzide na nôs terra, tude quem tem sê pancada na cabeça… Ma smeme assim, cma nôs tude sabê tem tcheu tipe de dode…

Cosa q'um ca sabé classficá, quê mi n'é psiquiatra, mi n'é sociolgue nem tão poque historiador e, na tude nha simplicidade, mi, n'é nem mas nem menes q'um humilde contador de Storia de vida, vivide na tude realidade, ma gente de nha terra Cab Verd em geral e de Soncente em spécial…

Espaço de apoio aos doentes mentais, em Mindelo

Dôde de nôs terra fui ''Gente'', de quem quaz nunca tava falode, a excepçon de Sérgio Frusoni má Nhô Djunga Fetógrafe (João Cleofas Martins) na sês storia, ma que sempre vivé ma nôs, ta passá despercipide e ta fazê parte, moda nôs tude, de nôs decore popular… QUÊ NA REALIDADE DE VIDA, BEM PENSODE, POVE NÔS TUDE É!...

Na vida, tude podê contecê !... Moda na nôs terra dum vez e d'agora, tonte qu'era drete e que vrá cabeça mariode, mute vez sem gente sabê porquê ?!... E, ôtes que bem quel de nascença…
Naquel tempe, se tivesse tide Spital prop pa tratás, tcheu dês pudia ter side recuperode, Ma ?!… Hoje, na LOMBE TANQUE (Praça Vila Nova), tem quel ESPAÇO DE APOIO AOS DOENTES MENTAIS que fui inaugurode, pa Sua Excª Presidente de Camara Municipal de Soncente, Srª.Drª.Isaura Gomes, na dia 21 de Janer de 2002.

Esse ESPAÇO criode e de conotaçon positive, que tita funcioná mute bem é um obra que ta merecê apoie de tude nôs, tonte fora cma dente de país, independentemente de qualquer posiçon d'orda politco-dogmática… Quê, pa quem crê, cum ( 1 euro ) pa mês que ta representá 110 escude na Cab Verd, nô ta cunsigui fazê flicidade, de tcheu dês nôs compatriota pobre, ma doente mental… Deboxe daquel serie e bom gestão, quês ti ta fazê lá naquel Espace…

Um queria dexá bem clore li nesse Storia, cma um ca ta li ta fazê propaganda, nem demagogia a favor de ninguém e, (honni soit qui mal y pense !), quê li, moda um ta sintil, quem que ta em causa é nôs mez, ma nôs Sociedade que tita mestê dum bom HELP.

Um bem da lá gosturdia e um oiá que nhas oie que Deus dame, cma lá naquel espace de Praça Vila Nova na Lombo Tanque, quês doente n'é prese, ês é cmide, bestide, lavode, ês ta vivê na tude liberdade de muvimente, num ambiente limpe, que sês cama bem ranjode (del home del amdjer, cada um na sê lugar), sala de stode que televisão, ês tem Dator e é medicamentode que direite de saí, pa bá passeá e torná bem…

Um atitude desse li, que tude o quel tem de positive pa nôs doente mental e pa nôs sociedade, nô ca podê dexá de denuncial.

 

Quontá má agora, qu'esse tentiva de proteçon pa desenvolvimente turistique e manera que cosa tita bái, um t'otchá, cma já é tempe de quem de direite, procurá ma é de cabá de convencê tcheu dês, que té inda ta stode pa rua de cidade de Mindelo, sala de vesita d'Ilha de Monte Cara ma Cab Verd, durante o dia tude chuje, num gritaiáda ta pedi esmola, ês c'aquel possiblidade de ser tratode e stode limpe, lá naquel Espace de Lombo Tanque, que tude quel conforte e cuidode que Sociedade tita podê dás grinhassim… Cosa que podê ser reforçode e melhorode, se nôs tude pô um czinha de boa vontade pa ijdá.

Tude Sociedade de Munde, tem sês dode e sês razon que té prop razon ca ta podê explicá…
Na nôs terra, já Nhô Balta (Dr.Baltazar Lopes da Silva) tava custumá dzê, quonde el tava betá um oie na sê Pove, pa fazê um análise social de tude sês vintura ma desvintura, cma :

- inda bem que tem quel CAVÁLA (pexe) que BOLACHA de Matos (quadrode ô rudonde), cunchide também pa sizudinha, mode el que ca ta fazê barulhe, quonde gente ta dal na dente, pa matá fome de Pove ma, quel GRUGUIM pal betá na guela, moda um espece D'ANTIDÔDE (antidoto), quê senon, pa mode situaçon e falta de traboie, na cem por cente de gente de nôs terra, quaz três quarte tava cabá pa vrá prop DÔDE.

Sobretude, naquel tempe que té gote de Mané Jon, dexá d'ingordá na gemada, quê ''cabá carvon, carvon ca tem'' e mute familia cumeçá ta fecá desiquilibrode, sem vintêm, despôs de tonte ône, custumode ta vivê drete, que pai pa depressa, sem traboie e possiblidade de trazê, quel Pon Nosse de cada dia, pás pudesse pô quel panela na lume lá na casa…

Na épca, c'aquel mudança de situaçon, cosa vrá prop grave na terra e pudia ca ter contecide, sês tivesse tchode instalá, quel grande rafinaria Holandês Standard Oil, ligode c'aquel exploraçon de pitrol de Curaçao na Antilha Holandês, o que sò seria bom pa nôs tude… Triste resultode desse situaçon, fui CAMIN de S.TOMÉ e ôtes cosa más que té hoje india, nôs Pove ta cuntinuà ta sofré consequence.

Num resume, e despôs de tude exe cunsideraçon, q'um ta sperá, bsote ta sabê apreciá e compreendé, beme na ideia, não sem um poque de tristeza e que tude respeite, de falá d'alguns vitma ô ''Dôde de Nôs Terra Soncente''que nô conchê e que marcá um passája naquel épca, sô pa nôs jovem de hoje india, também podé fecá ta sabé, pa nô ca perdé, quel ''SPIRTE D'HUMOR''que sempre fazê parte de nôs vida e que té na dôde gente sempre otchal…

 

Bom, naquel tempe tinha gente dôde, ma pove de Soncente buzode e pirraçente moda sempre fui, ca tava ijdás e tava cabá té pa vrás más dode… Hoje india, cosa mudá e pa amdjor…
Pa lembrança e pa cumeçá, na tempe de Liceu Gil Eanes, nô tinha nôs grande ''Bloques'' poeta spontaneo, más cunchide pa Ildo de Nhô Henrique Bapbtista que beba de Lisboa que cabeça mariode, de studá direito, moda pove tava dzê.

Ildo, na tude sê talente de poeta e, que sê grande amor platonique pa Dadinha, a quem el dedicá e ca tava cansá de declamá aquel célebre:

- Quem me dera dera dera
Estar sempre a dar a dar
Beijinhos até morrer
Abraços até fartar…

Moda esse li, el tinha tcheu q'um gordá pa recordaçon, ma sum tava bem screvés li, um ca ta tinha lugar pa contá bsote esse Stora.

Ildo, ca tava chateá ninguém e na sê style sô de seu, de fote e gravata, ma sempre scolce que pé na tchon… Tinha um raiba danode de sapote.

Malta de Liceu, tava gostá tcheu dele !... Inflizmente, el morré inda nove, cum prublema de teta (tétano), que tmal conta dum fridinha na pé, o que fui fatal pa el e, fazê tristeza de nôs tude.

Daquês que nascé dôde tinha uns data, moda Mário Dôde más cunchide pa Pompom Quêsqueje, um czinha violente se gente tava meté quel e tava fazê pove mede… Quê se gente meteba quel, el tava corré traz de gente e pô gente pedra.

El, sê specialidade era imitá quel rancar barulhente de motor de luz na Central Iléctrica que tava fecá perte de Praça de Datora, na tempe que Central era de Nhô Pidrim Bunutcha… Era, ver oiál suode, na manera d'imitá tude quês etápa de rancar de motor de Central, tude suode, pal pudia ganhaba quel Pon que Queje, cosa quel tava gostá, trançode que Pon de Midje ô Pon de Trança c'aquel Mel de Cana.

Desse grupe de dôde que ca tava fazê ninguém mal, tinha Faná Dôde qu'era um dôde special, mode el que tinha mede de tude ôtes dôde, specialmente de Mário Dôde… Ma el Faná, n'era mau! Pa quem que té inda ta lembrá del, era um dôde que tava passá vida sô t'arri e, quonde gente tava dal fala, el tava levá mon pa boca, num geste nervose bem forte tava pô ta gritá:

- Ô Deus, sê pum corre panhame… Um pé caçome!

Inda na grupe de paranoia, que pove tava tchemá dôde camuflode, tinha tude quel malta binde Merca deportode, mode fabricaçon d'alcol gatchode (Brandy-Moon Shine), moda Nh'Antunin Piu e sê famose grite de Robin Toche, quonde el tava stode tmode sê pîtrôl e que niguém, nunca sube czé quel queria dzé… ?!

Lira (Manel) que tude dia datarde, tava stode lá naquel cantim de Bar Tubarão perte de Captania, também cunchide, pa Pé du Tchumbe, Pé Grande-Pé Piquene, Lazy Bumbe etc.. Tude exe li, fui nome que Pove de Soncente butzal… E raiba tava tmal conta de corpe, quonde gente tava pô cara na el, e fecá ta fixal demás.

Cma, el tava stode sempre c'aquel cara balsere, intchode de grogue era sô spial e dzel cma el tinha BAD FACE, pa el cumeçaba log, cma el tinha side boxer na States, ta pô posiçon de boxe e bá ta gritá quel choose (scuii):

- what you want? Left or right?...Choose, choose (czé que bô cré ? Esquerda ô direita?…Scuii scuii…)

Quonde ta bá, que sês peson, el ca tava nem podé spendés de tchon o que tava fazé tude quel pove largá t'arri!... El, desconsolode tava dzé : - Next time I fix you… you win… you win…
Saga daquês gente perturbode mental, tava cuntinuá naquês plumanhã de revisão na tempe d'izame de quinte ône, quonde malta tava bá studá lá pa Praça Strela ô Cais d'Alfândega… Quel cosa, era um verdader desfile, quê bodzé ês tava stode ta sei de broque e, nôs mufine na tude nôs inocência, nô ca tava podé resisti tentaçon de ca dá quel grite de:

- Titia, olá quel rote!... Quê resposta tava bem log: - Quel rote era Loze de Mané Barronque, muntode naquel caroi de fer!... Gente grande de respeite, ca tava apreciá e ês tava betá nôs guerra, e nôs nô tava fecá tude incuidim, moda se n'era nôs que tinha gritode, pa recode ca basse pa casa.

Quês dode que malta sabia czé que tava chateás, sô basta daba ês fala e sei ta corré pás ca panhás ô pa ninguém ca oiaba ês...

Nha Carolina doida inocente, era um spetacle de tude dia plumanhã, de xixi na mon, pa lavá cara, dente ma boca, diante de tude gente e n'era pa dzel nada, quê ela tava log spendé sé saia, pa mostrá pove du quel ca divia oiá.

Traz de Matador, na épca pegode qu'antigue Staçon de Pliça, tinha quel home de barbon, por nome de Ti Fêi, quê Deus de cêu, na dvera czé quel era féi… Basta tude mnine tinha mede d'el, quê além de ter quel barbon, el tava stode bestide sempre cum capotona… Té que na casa,quonde um mnine tava stode que cabel grande, mãe tava dzel log, moce bá trá esse cabel, quê bô ta modaTi Fei!...

Nôs Ti Fei, que n'era quel tal dôde, má sim um marginal que viveba de rique na Merca, na tempe de pesca de baleia, despôs deportode e quebrode nem djosa, também pa quel stora de Moon Shine…

Contecel cma, tinha uns data d'ône quel ca tinha oiode amdjer… E el, ta bem na camin de Rbera de Julion, pa festa de Senhor Sanjon revulteode, el incontrá Chiquinha de Balica prá lá mal detode, ta scançá um fusca na mei, de chagas velha ma bombardera, que perna aberte, cosa q'um boys que tava também pra lá ta dá de corpe sisti e contá, quonde el uvi Ti Fei, dzé:

- Porra!... Ô que ligria!... Jal spiá pum banda, jal spiá pa ôte, jal corré mon na cabeça… El fecá tude ta dzê pa el mez : - Oh côcô, bô é côcô(sexe d'amdjer na nôs criol) ?!... Poff, dá el bafá Chiquinha de Balica que cuitada c'aquel fusca, quaz nem ca dá conta de NADA… E, quel boys morte de riso…

Desse grupe, ês era tcheu, quê tinha Nh'Anton David Pum Pum, Fragatinha Anton Dérola, Nh'Antunim trá mon dalá, Quitole que tava panhà catchorre, Dêcun Dâcun Dâcun Dêréz, John Fatiguinha e Reste, que fazeba quel cantiguinha que tive na moda tcheu tempe na boie de fralda:

- rebenta bexiga, na cú dum sapater…

Inda um conchê Cmé Deus, que sê Stora na rua de Lisboa, quonde de passája de Presidente, panhaba um caniquinha baziu, rufnal deboxe de corre, tapá mon n'uvide… Dá fazé um abole de matá, daquês cosa que sô ta contecé na tchon de Soncente!... Guarda costa dá derriba del, despôs largal.

Moda um dzé, tem dode que ca ta fazé ninguém mal, má tem aquês quê mistide fazé cuidôde. É de lembrá, quel prublema que tive, ma nha grande amigue, fidje de Ti Faustino, done de Bar Tubarão, t'abri sê porta de Bar, plumanhã log cidim, um dôde quel tava tratá bem e que niguém tava sperá, bál pa traz e dal um rabencada na cabeça, dá tral sê vida, na força d'idade!... E prublema qu'esse dode fui julgode, jal sei de cadeia e ta stode lá pa rua de Soncente á vontade..

ORA TUDE EXE GENTE MESTÊ SER ASSITIDE, NA TUDE PONTE DE VISTA E NA LUGAR PROP PA ÊS…
Ca tem nium país na Munde que ta gostá de mostrá sês ''Dôde''. Assim, és ta fetchaz na sês Spital ondé quês ta ser tratode devidamente. Quê ninguém é culpode de ter nascide, o vrode dôde, durante sê existencia li nesse Planeta.

N'é que nium prazer ô ligria, q'um ti ta contá esse Stora, má sim q'um profunde tristeza de lembrá quel tempe de nôs inocência, em que nô ca tava conché a origem das coisas e que cosa de ''Dôde'', tava fazene arri, lá na nôs terra.

Hoje, momente é de reflexon e nô devé oiá cosa d'ote manera, pa junte nô podê passá um nove mensája, forte de valor moral, pa nova geração e, procurá junte um soluçon, pa resolvé tude exe grave prublema SOCIAL que tita invadi poque a poque, nôs sociedade cabverdiana…

Zizim Figuera (José Figueira Junior)

V O L T A R