MYCROZYATUS, QUEL VAPOR GREGUE D'ESPERANÇA (ONES 60/70)

Baziu e olte, de tamonhe dum casa de três andar derriba de sê linha d'ága, fundiode lá na lorgue que dôs ferre de fundeador, quê naquês dia lassim quel vente de nordeste tava pegode de ponta, ta soprá forte na Baía de Porto Grande, tava esse vapor gregue sentode banca, já tinha uns dia valente, ta esperá orda de Cumpainha pal pudia siguiba viaja pa Sul.

Cunchide de pove de mei de Baía pa Mycroziatus, nome quel tava trazê pintode naquês dôs lode de proa ma na popa, ondê quel tinha também sê bandirinha de Panamá (pa facilidade de navegaçon ma alfândega naquês Porto de Merca de Sul) espundrode na mostre de popa ta gorgoloteá na vente, era um vapor que já tinha sirvide tcheu criston de nôs terra pa dá pinote (feji) e gregue tava fetchá oie sempre, quê ês também ta tinha falta de mon d'obra!...

Assim, Mycroziatus vrá quel Vapor Gregue d'Esperança de Criol pas pudia basse orientá vida na estranger, inda más naquel tempe de deficuldade de caba carvon, carvon ca tem...

Vapor Gregue banderode de Panamá sim, ma era cosa que tcheu Cumpainha estranger tava praticá sempre quês tava passá na nôs Porto ta dexi pa Sul, pa basse carregá de mineral ô cmida pa trazeba pa Europa…

Ma, naquês dia lassim, n'era quel tal bandera de Panamá na popa daquel vapor gregue que tava ta cansá Muchim de Nh'Antonha Brumidjinha cabeça…

Ma sim quel sonhe quel tinha senhode cma Mycroziatus tava lá na mei de Baía, pa obra de mon de Deus, ta esperal pa ba ser, moda já tinha contecide ma tcheu de sês coliguinha, sê Vapor Gregue d'Esperança pal pudia dasse sê pinote e sei fora de Soncente pal ba espiasse sê vida n'oracle.

Moda conteceba ma sê cumpade Cláudio Mula Manca, que bai e vencê e já tava estode diasá té ta mandá mesada pa familia da lá de terra longe, cosa que sê tchutcha ma alguns amigue tava estode sempre ta mental pa fazel a ver!

Ma Muchim dvera, dvera, pa quem que conchel, ca tinha nescidade de estode ta pensá assim quê Nh'Antonha, sê mãe, amdjer trabaiadera, que sê venda de rubeçode, pirinha das ilha, cuscus e mas otes cosa de cmê, sempre tratal bem c'aquel preocupaçon, pa nada p'la graça de Deus nunca faltal na casa. Sobretude quel três por dia!...

Basta Chima tava estode na Liceu Gil Eanes, ondê que sempre e té lá el tinha dode conta de recode, pa ligria de sê mãe querida que tava cuntinuá ta fazê quel grande sacrifice e que tude prazer desse munde, só pum dia ela oiaba quel fidje vencê na escola e ser um home de bem na sê feture…

Inda más que, aquel one lassim, Chima já tava tude pronte pa basse fazê sê quinte one de Liceu, não sem angustia, quê cma jal sabia e moda sê Mã Antonha tinha el dzide, sê carrera de escola tava ta ba fecal té lá.

Anton esse cosa também tava ta dal que pensá na sê situaçon e criá dente del um espece dum revolta de ca podê ba mas longe, sende el smeme assim capaz e bastante inteligente.

E ser obrigode a fecá limitode a um carrera n'administraçon, o que pudia valel más certe, ô um bada pa Angola ô Moçambique na categoria de Chef de Poste, quê na Cab Verd nem vaga se já tinha!

Assim, quel pove que tava conchel bem dá fé e cumeçá ta fecá admirode d'oial sempre ta frequentá quês banda de Praia de Bote, cosa que n'era de sê custume. Ora na esquina de Sociedade Lopes ô Bar Tubarão, ora lá pa quês lode de Plurim de Pexe, só lugar que n'era de sê posente...

Ma, cma quel ideia tava sempre ta continuá ta trabaial na sê cabicinha, jal tava estode pra lá mas era ta ranjá sês contacte e ta informá cmanera quel pudia daba sê pinote naquel Vapor Gregue, ondê que na época tude gente sabia cma gregue ca tava pagá pove mute bem, ma ês tava dá clandistine sempre chance e traboie na sês vapor.

Angustia de Muchim era tão grande, té cum dia, c'aquel ideia que tinha el incasquetode na cabeça, na conversa ma um de sês amigue d'infância, el vrá, el dzel cma n'era el que despôs de sê quintone sacrificode que tava ta ba sirvi português de Capataz la p'Angola ô Moçambique!

Anton, log que Mycroziatus recebê dutchatche, alvícera corrê na tchon de Soncente moda de custume, pa sê telifone de moreia, cma vapor tava ta ba pa Sul de Merca e assim quem tivesse sê ideia de feji pudesse decidi e agi pa depressa!

Muchim de Nh'Antonha Brumidjinha ca esperá pa más. El inchi de coraja, el ba ter de Palapa ma Tchifinha, quês dôs pescador prop bom na imbarcá clandistine na Baía de Porto Grande, dôs boys fixe que tava custumá fazê quel traboie d'ijdá malta feji na vapor de graça, de bom coraçon sem recebê nada de mon de cuitode e só tava dzês:

- Ba bô lembrá na nôs, ok?!

E era prop assim!

Cosa fecá tude clore e combinode, nôs Chima já camba pa casa ranjá sê malitinha na jete, sempre bem gatchadim de sê mãe. Jal trazê espundrode na pescoce, marrode na corda de bananera, dôs litre dum bom grogue quel compraba lá Nha Joana de Pascual, pal basse ta tmá e pudia ba ta dal más coraja e sangue friu!

Pa chatice, quel Vapor Gregue baziu tava prop olte e Chima ca tinha mute custume de sebi pa força de broce, na corda de nó, inda más já inglide uns dôs pitrole (grogue)!

El ta sebi, tude quês pescador fecá semide barriga ta rogá na Deus pal ca debangasse, inda más que naquel note só el é qu'era clandistine!

El consigui tchegá na top, Tchifinha ma Palapa desejal quel ''good luck'' e dzel pal basse na paz de Deus.

Anton peripécia bem cumeçá, quê nôs Chima, despôs daquel sebidura carangoie na corda de nó, já tchegá dente de borde de Vapor ta saltá, cum coraja e força de matá ta procurá log manera de fecá bem gatchode, justim naquel broque de proa moda Tchifinha tinha el dzide! Ma, el sempre ta pintchá sê grogue na cadera pa dal coraja...

Quê nhas gente, dvera, dvera, pa daba pinote naquel tempe era mistide um bocode de coraja! Inda más naquel primer vez, que tude sês angustia ma suor friu e Muchim, na força de solerá djidjula naquel biberon, el cabá pa secá sê primer litre de grogue e cumeçá ta fecá prop carrosque, cum nhanha de matá!

Apôs, c'aquel quente que jal tava, el sei fora de sê broque, lá na proa de vapor ondê quel tava gatchode… Cidade de Mindelo, bnite p'afronta, tude chei de luz, bem luminode, el resolvê ptal más um oiada de despedida num mistura de tristeza e raiba ta rebental coraçon !

Anton, da lá derriba de sê altura, na proa de Mycrozyatus, num geste que só el é que sabia razon porquê, el despi calça, el vrá polpa pa terra… El FENI SONCENTE POLPA e bá ta dzel:

- Oh, Soncente de gaita, que tonte angústia, sacrifice ma miséria que já-me passá li na bô… MI GORA, PA BÔ OIA-ME É LI NA CÚ!

Moda voz de pove na terra ta dzê:

- Cuidode, quê se bô falá SBERBA, SBERBA TA CAíBE NA RAGOCE?!

Boca d'Onje fetchá, Deus dzê Amén! E assim foi, quê infelizmente pliça de Captania, ta passá ronda na vapor antes del saí de porto, moda lei tava mandá, ês bem otchá nôs Muchim de Nh'Antonha Brumidjinha cum moque de matá, sem podê dá corpe de si, ta drumi um sone sem ninguém podê cordal!

Pesode moda el tava, pliça de Captania que pudia fazê d'ote manera, tive de dexil foi reiode na ''winch'' moda um bloque de carga, el sempre sem dá fé de nada, tude ta drumi!

Jás leval pa terra e, pa sorte, cma el era fidje daquel ''SANTA MÃE'', cunchide de tude quês bons moce, pliça de Captania na época, pa estorvá Chima de basse pa cadeia, quê na tempe tude primer fejidura na Vapor Estranger era punide que três mês firme de cadeia, lá derriba na Furtim, p'aquel rapaz nove ca fecasse que sê vida estragode, num geste mute bnite mandá tchemá Nh'Antonha lá na sê casa, antes de Patramor (chef) tchegasse.

Nh'Antonha, coitada, pai e mãe de sê fidje, qu'ela tava ta criá que tonte sacrifice, tude desoriantada, sem sabê do que tava ta passá ma Muchim sê fidje, jal marrá sê xaile na cadera, que sê cirê quente puste num conte de boca, jal largá pa morada dritim pa Captania…

Log qu'ela tchegá, quês moce, que tava conchel drete e diasá, bem ter dela explical situaçon.
Ela ba ta tchegá té otchá Senhor Muchim detode, escarapatchode lá naquel bonque de pau na entrada de Captania, moque sem podê té inda dá corpe de si! Nh'Antonha já bem, já sucdil, já tchemal pa sê nome, sem podê fazê nada! Anton, chei de raiba, grital derriba bem olte pa tude gente uvi:

- Oh, Muchim, nha fidje, bô é nha vergonha, bô ca tinha nascidade de feji na Vapor, basta lá na casa bô tem cmida, bô é lavode, bô é bestide! Porquê, Muchim? Humm?! Porquê?!

Chima, muquim na tude sê delire de gata, cordá, lá cunsigui abri um oie, despôs quel ote, dá espantá e dá um griiiite d'oiá sê MÃE, quel tinha dexode na casa dessegadim, lá derriba del! Prop desuriantode, na mei daquel barafunda ta pensá cma jal tava na OLTE MAR ta navegá, el vrá pa sê MÃE e perguntal:

- Adês, Mamãe?! Bocê tambêm, bocê bem fejide nesse VAPOR???

Zizim Figuera / José Figueira jùnior

V O L T A R


 

Comentário:

Zizim, A estória está sublime como sempre em todos os pontos de vista e comecei o dia a rir por tua causa o que é bom sinal.

Obrigado por continuares a insistir através da tua boa e sempre excelente caboverdeaneidade a procurares com persistência e com as "STORIAS" demonstrar ás Novas Gerações o caminho certo a seguir para que possamos conduzir, mediante estudo e bom senso a carácter sério e, a bem a nossa tão linda escrita Caboverdeana, herança dos Grandes Mestres Claridosos: Eugénio Tavares, Baltasar Lopes da Silva, Pedro Cardoso, José Botelho de Carvalho e tantos outros seguidores do Movimento Claridosos como Gabriel Mariano, Virgilio Pires mais os da Geração que não quiz ir para Pasárgada como Armènio Vieira, Felisberto V.Lopes(Kaoberdiano Dambara) Francisco Fragoso(Kuame Kondè)Onésimo Silveira que continuaram e econtinuam escrevendo sem procurar alterar o que quer que seja do nosso alfabeto que todos aprendemos e conhecemos.

Ora quando um Ministro da Cultura faz um dissertação sobre o Crioulo em Criolez(no Centro Culutral do Mindelo dia 30 de julho)em vez de manter o seu discurso até ao fim em Crioulo como tu Zizim o tinhas feito e Agosto de 2006 pelo primeiro encontro dos antigos Alunos do Liceu Gil Eanes de que todos soubemos aptreciar por teres mantido a tua intervenção até ao fim em CRIOULO.

Esse Ministro da Cultura, neste segundo encontro dos antigos alunos do Liceu Gil Eanes, que até ninguém sabe porque o convidararm, para agravar ainda mais a sua situação que já vai de mail a pior.Do alto da sua prepotência e arrogância teve o descoco, que fez rir toda gente, de dizer que o CRIOULO de CABO VERDE tem muitos DIALECTOS...

Ora o conceito de DIALECTO há muito que foi banido da CARTA LITERÁRIA do Mundo.

Pois o nosso CRIOULO é uma Lingua una e indivisvel veicular mas com variantes certo de todas as Ilhas que também são CaboVerdaenas, e todos nos compreendemos entre nós.Sr Ministro faça favore de se meter ao "DIAPASÂO para não continuar a abrir a boca para falar só por falar.Siga o trabalho de Baltasara Lopes e/ou Dulce Almada Porque o caboverdeanbo é um povo inteligente que compreende depressa e não perdoa erros.

Sejamos coerentes. Abilio

Abilio M Saldanha


V O L T A R


 

COMENTÁRIO:

Irmão, cada domingo que entra, cá estamos nós de antena no ar à espera de mais um episódio do teu rico repertório mindelense, qual deles o mais divertido, o mais delicioso ou o mais verosímil na arte de contar as grandezas e as misérias da nossa gente.

A escolha é deveras difícil. Mais uma vez, eis o nosso Porto (Grande) como epicentro de sonhos e devaneios que ali ganhavam forma e consistência ao gosto de cada um.

Podiam os sonhos e os devaneios sair da sua clausura e galgar distância, com as asas da sorte ou da fantasia, medrados naquele espaço oscilante entre o compromisso e a contingência; ou podiam eles extinguir-se sem remissão, como a espuma do mar se desfaz na areia da praia, afogando-se na própria vertigem do seu destino.

Esta última hipótese era a mais susceptível, pois o nada, ou a sua aparência, permitia todas as veleidades sem nenhuma cláusula de exigência. Foi nesta armadilha que caíu o Muchim de nha Antonha Brumidjinha quando, na sua ingénua visão da vida, encenou o psicodrama da sua evasão sem cuidar que viria a ser protagonista de uma rábula cómica.

A propósito, vejam que esta estória tem todos os ingredientes para uma peça teatral.

Continuemos, Zizim.

Adriano Miranda Lima

 


Bom dia, A estória de hoje é bem divertida e domingueira. Fala do simbólico "barco grego" encasquetado na cabeça de todos os filhos daquela nossa Baía.

Os teus admiradores vão "WIN MY DAY"e rir a bom rir. Mas o que quero hoja é homenagear essa tua luta, detreminação e por vezes teimosia em te aperfeiçoares-te dentro do rumo escolhidopor ti.Tens sido tanbém para mim e para muitos que conheço, um encorajamento para enfrentar as outras lutas que temos tido em paralelo com os tratamentos e desânimos.

Ninguém melhor do que eu para admirar essa pontualidade, generosidade e persistência.

Esta tua força ânimica que foi conquistando o coração de muitos leitores por esse mundo fora.YES WE CAN. MAG

Margarida S.Mascarenhas

V O L T A R


Comentário:

Estória tipicamente Mindelense sãovicentina em que tudo girava num ritmo sagrado á volta do nosso Porto Grande que tantas vidas deu mas também levou na época dos pinotes e fugas intempestivas em direcção do incerto, o desconhecido onde o caboverdiano na sua lógica de vida soube com inteligência e morabeza se adaptar apesar dos aliás desta vida terrena.

Até agora não parei de rir só de imaginar o quadro do Chima e o desenrolar da fita.Genialmente bem escrito numa Linguagen que se compreende sem problemas.

Bem hajas Zizim.Abraços Odile

Odile Rodrigues          odilerodrigues@gmail.com

V O L T A R