EDUCAÇÃO E BRINCADERA DE MNINE D'ESCOLA DE CARTILHA TÉ ESCOLA DE REI (ONES 1945/1950)

Esse "Storia" é dedicode de coração limpe chei de gratidão, pa tude aquês que na épca fui nôs professor ma professora, que passá sês vida cansode ta ijdone desburrá, pa nô pudia prienché quês primer pagene baziu de nôs existência.

Antes, quonde nôs era mnine q'inda nô ca tava intendé nôs nome e que nôs maior priucupação era sô cmê ma brincá. Tude cosa tava parcene bnitim, escantchim, sabim de munde e nô tava cuntinuá ta vivê despriocupode naquel inocência de vida, prop de mnine, o que ca tava dexone oiá cosa de vida que seriedade, nem ser exigente, quê nô tava contentá sempre c'aquel poque que pai ma mãe, deboxe de tude sacrifice, tava done.

Despôs, cma idade tava bem t'entrá na corpe, já na casa, tude mãe ta tinha quel priucupação de cumeçá ô mandá insená fidje prendê alé, mez antes de bá pa escola.

Chatice é que tude gente na casa tava tmá quel cosa mute a serie, o que tava levás a tmá gente conta de corpe ma espirte no dure, d'el irmon más bedje, prime, prime, tiu, tia, mãe té tchegá na pai, cosa que tava contecê mas poque, quê pai ca ta tinha mute tempe pa mode traboi e, tava considerá cma educação de fidje era traboi de mãe.

Naquel tempe, pa nôs, tude cosa tava cumeçá primer pa descuberta de Cartilha, despôs Fatilona, Fantilim, Tercera ma Quarta-Classe ta passá p'aquel Admissão que n'era nem más nem menes q'um quarta-classe reptide e reforçode, bem preparode p'aquel grande solte qu'era entrada na Liceu.

Nome de tude ês pessoa que desburrá, insená e ijdá nôs na passája de sês mensaja, que fui bem passode, pa nô pudia dá nôs primer posse na vida de prendê lê ma escrevê e abri oie pa realidade de munde, tita bem parcê que tude honra, num tentativa d'imortalisás, na cuntinuidade desse storia de nôs terra.

Quê, sô assim é que nunca nô podê esquecê importância quês "Gente" tive pa nôs tude na formaçon e escola de vida. Ês fui quel Pedra Mestra que guentá tude quel parede de nôs educação, num épca q'insená n'era cosa fácil.

Nesse fase de vida, cosa pa nôs tude tava cumeçá ta fecá diferente e tmode d'ôte manera, quê tempe de brincadera quaz que tava cabá, mode ês tava insenone ser responsável na cumpri nôs obrigação e sô tava brincode despôs de prindide lição d'escola.

Esse cosa tava contecê, quonde mnine já tava estode desburrode na casa e que mãe tava mandal pa escola que sê banquim, um pedra de conta, um latinha de cigorre capstan baziu, ondê quel ta tinha lapes ma caneta de pena pa moiá na tinter e escrevê naquel cadirnim de linha estrete, pal prendê fazê letra, mata borrão, um pedra de conta (ardosia) pal prendê fazê conta e quel Cartilha, livre ondê que tava prindide letra primer e despôs monosilba ma trisilba.

Log naquel primer contacte q'escola, tude mnine tava gostá de dá pa esperte, que mania já de julgá sabê lê abecedare, abcdefghijklmnopqrstuvxwyz, sem gaguêjá. Anton, professora tava mandone abri Cartilha e nôs lançode naquel cantiguinha de grupe tude influide, nô tava rancá c'aquel leitura gritode dum: abcdefghijklmnopqrstuvxwyz, no stop!... Tude cool, tude nice, ma na rialidade, nô ca sabia lê nem flaça!

Assim, tive quês escola ma sês professor que fecá gravode pa tude tempe na nôs mimória ma coraçon, ondê que tonte geração passá e fui desburrode, ta cumeçá pa nôs pai, passá pa nôs e que cuntinuá durante tcheu one sempre ta passá quel grande mensája, na sês gete e manera d'insená.

Pa lembrança dês muvimente dum vez ma sês professor(a), tive Escola de Dona Cidália na rua de Serra, ondê que mnine tava tchegá c'aquel banquim de pau, marcôde sê nome e que tava fecá la na escola pra sempre. Quê assim, quonde tava mudode de classe, quel banquim tava sirvi p'aquês ote mnine que tava bem despôs e que ca tava podê trazê bonque.

Naquês primer dia de escola era um barulhada de matá… Cuitada de Dona Cidália, já bidjinha mei surda, ca tava nem dá fê daquel gritaiada de más de trinta mnine em core tude juntim, ta cantá alfabête siguide: abcdefghijkl… Gritode durante tude quel santo dia até hora ô d'intervale ô de ba pa casa.

Escola desse li, tchmode escola particular, tinha tcheu na tchon de Soncente daquel tempe e, uli alguns bastante cunchide que fecá na história moda: Escola de Nha Laloia Pite e Figue, na rua de Morguine, ondê que tude one pa Natal, ela tava dá mnine de sê escola, um pitim fete de cana de carice e três figue que tava fazê ligria na coração de tude quês inocente…

Também tive ôtes escola d'igual importância ondê que cosa já era ôte, moda escola de Sr. Orlando, ti Tiofe, irmon de ti Tchutche de Noba, Sr.Grigol, Sr.Teje, Dona Maria Amélia e más e más que ca tita beme na mimória grinhassim. Ês escola, fui nôs primer contacte c'aquel seriedade de vida na prendê lê ma escrevê, concentrá, educá gente pa nô prendeba ser responsável e sabê comportá drete, pa flecidade de nôs mãe que durante quês hora de escola, tava incontrá quel sussegue d'espirte, sobretude naquês casa que tinha tcheu mnine.

Na principe, pa tude nôs cosa tava parcene fácil e prop sabim na escola, quê nô tava lê quês letra que já nô ta tinha fixode decôr e salteada na nôs mimória tude curridim sem gaguêjá de tonte uvi quês otes mnine repetis.

Assim, nô tava lê rapte p'impressioná professora pa nô ca fecaba de castigue na escola p'intervale, sô pa nô pudia saí pa basse comprá nôs cartuche de pirinha das ilha sabim, betode quel essência de fruta, binde de drogaria de Djandjan que pove tava tchemá espirte, dez pa toston, lá na Nha Candinha mãe de Pinúria.

Ma também, cosa tava vrá prop dure despôs d'intervale, quonde professora tava pô nòs na joei c'aquel Cartilha na mon e um papilim frode um braquim pa nô bá dzeba que letra era aquel, letra por letra.

E prublema é que professora sabia fintá gente, quê primer el tava perguntone se nô sabia lê? Nôs, pa galantaria nô tava dzê log cma sim! Anton, ela tava mandone lê e, nô tava rancá desinfriode ta bai moda um corre sem travão, ta lê nôs abcdefghij… etc, prindide d'uvide. Na fim, ela tava dzene sim senhor, bô tita lê dritim ma sô que bô esquecê de (w)…

Ma ela, tava cuntinuá t'apoione c'aquel mute bem nha mnine! E lá anton é qu'ela tava frá quel braquim naquel puntinha de papel, quel tava pô deriba dum qualquer letra de nôs Cartilha e tava sei c'aquel pergunta que tava trapaiá tude gente:

já que bô sabê lê, dzeme que letra ê esse?... Era dá tapá e tude bajofaria que nô ta tinha na corpe tava cabá!

Anton, quel cosa tava vrá um verdader martirio, quê ela tava passá e repassá quel papilim frode quel braquim siguide um data de vez um traz d'ote naquel abcd… etc e tava cumeçá, torná cumeçá tê nô metel na cabeça.

Despôs, quonde já nô tava conchê letra, nô tava passá dum letra pa dôs, dissibla moda: d + a = da; d + e = de etc. Despôs trissibla: c + l + a = cla; c + l + e = cle etc. Té nô cumeçá ta prendê criá palavra e lá anton quês ma grande que já sabia, tava insená quês ma piqnim que tava bem ta tchegá de nove na escola, o que tava ijdá professor(a) tcheu.

Pa nôs más bedje, cma nô ta tinha avançode na prendê lé, era vida nova, nova vida, quê de Cartilha nô tava passá pa Fatilona, um livrona sô de dissibla ma trissibla e c'alguns palavra já pa completá na fim de livre. Despôs era Fantilim, um livrim más piqnim, ma más forte e chei de palavra ma figura pa nô prendeba soletrá e pudia fazê palavra composte.

Nesse evolução d'escola, de passaja de Fatilona pa Fantilim era um periode bastante critique e terrivel de nôs vida, quê cma já nô sabia lê um czinha, professora tava dexone dersinrascá.

Anton, tava cumeçá ôte prublema, quê cma nôs era tcheu e já nô sabia soletrá, ás vez pa facilitá vida, tcheu de nôs tava querê lê pa figura e quês soletrada pa desespere de professora tava sei assim:

D + A =DA D + O =DO = DADO nôs pa figura, nô tava lê Dupatrão…

V + E =VE A=A D + O=DO = VEADO nô tava lê Cabra Ganzela…

P + I=PI P + A =PA =PIPA…pa nôs era Barrilu…

N + I=NI N + H+ O=NHO = NINHO pa nôs era, Lim d'ove.. etc, etc…um verdader parodia que tava fazê arri tude gente, ma que tava cabá sempre ô que vara ô um tchuva de carole…

Anton, professora tava mandá tude gente pará pa cabá c'aquel paródia e aquês mnine más traquine que tava cuntinuá n'abuse, ela tava labardás de vara de mantampa.

Dente de rialidade, naquês passaja de classe de nossa, cada vez, na cada one, nô tava ba ta incontrá sempre más dificuldade o qu'era normal e professora tava ocupá drete de nôs, quê um dia ô ote, nô tinha de mudá de ritme e estode pronte, pa quel entrada na Escola de Rei.

Escola de más rigor, ondê que nô tava entrá que sete one d'idade e lá ês tava preparone pa nô fazeba,primera,sigunda, tercera-classe. Escola era plumanhã ma Sr.Carvalho professor e cosa era diferente pa tude gente, quê nôs tude rapazim que mnininha era obrigode a besti bibe, pa ca sujaba ropa que tinta de tinter, ondê que nô tava moiá nôs caneta de ponta de fer ô pena de galinha, ô que giz de quadre.

Mata-burrão tinha que estode sempre pronte, quê na principe cma nô ca tinha custume era cada desastre de tinta na ropa na hora de prendê fazê letra. Inda más c'aquel mede de professor qu'era rigorose na caligrafia, que tinha de ser fete que style e prop bnitim, quê senon palmatora tava cantá.

Cma intervale na Escola de Rei era más prolongode, anton era sabe pafronta quê tava dá tempe pa bá tmá quês bonhe de mar gatchode na Praia de Bote, sobretude lugar proibide p'evitaba mnine de escola de moresse fogode. Ma smeme assim que Muchim de Faria pliça de Captania que tava estode de sirvice ta goitone, nô tava venturá, pô nôs ropa deboxe de pedra n'areia de praia, corré rapte e trá quel bom tcheluff na mar…

Ma log el tava somá ta bem ta fazene moral, pa lembrá nôs, cma bonhe na mar lá era proibide, sobretude que nôs era mnine e que tcheu de nôs ca sabia nadá e se nô morreba fogode, el é qu'era responsável!... Chima tinha razon té pa betá tchuque, ma quel tcheluff pa nôs era más importante e assim consei de Chima tava entrá num uvide, sei na ote.


Também, cma el tava conchê nôs tude, recode já tava estode na casa antes de nô tchegá d'escola, mode quel tcheluff. Ma smeme assim puxode p'oreia ô levode de vara, na dia siguinte nô tava torná bai, quê tentação era mas forte que nôs e nô ca tava podê resisti.

Escola era tmode a sêrie e dum manera ô d'ote tude gente tava prendê, quê nô tava puxá pa cumpanher que nôs reflexão e quel mede de passá pa burre.

Ma, despôs, quonde gente ta vrá grande é que gente ta bem oiá cma ninguém ca burre, quê intligência é universal, sô que tem uns quê mas lente ô preguiçose q'ôtes…

Cma na tude cosa de munde, vida d'escola tinha sês sabe ma sês margose, chei de pirraça que ca tava cabá e também quês mede d'exame, ma tude num espirte infantil chei d'imaginação.

É de lembrá um vez que nôs Jack de Beta, um bocadim mas bedje que nôs tude e que tava frequentá nôs escola de tercera classe, tava sentá na funde de classe num cartera el sô.

El tchegaba convencê nôs tude, cma Sr.Carvalho nôs professor que tinha um broce de borracha (protese), tinha pirdide quel broce na Batalha d'Aljubarrota que fui na 1111 mil cent'e onze ( sécle XII)… E durante tcheu tempe nô acreditá e fecá tude chei de mede e admiraçon pa heroi Sr. Carvalho, na nôs cabicinha de mnine, ta procurá situal na História de Portugal, cosa que hoje india quonde no ta lembral na conversa é motive pa rizarada de meia note.

Nôs escola tinha também quês mnine bzana moda Jack Filomena ma Toi Dionisio que tava trabaiá bem e quonde ês tava panhá zere erre na ditade, sês glantaria era sei ta mostrá tude gente sês caderne…

E, quonde ês tava tchegá na casa na Tchã d'Licrim que sês caderne, tude gente já sabia daquel novidade e ês tava ba log ter de Nhánha sês avô, que ca sabia nem lê nem escrevê, ma tava recompensás sempre cuns meia duzia de 'CRATCHIM' na cabeça, o que pa ês era cosa más sabe de munde.

Da tarde era escola de Ti Fefa (Senhor Alfrede Brito) grande professor d'instrução primária, pai de gerações e gerações com quem nôs tude prendê tcheu cosa: leitura, interpretação, analise lógica e sintética, fracção, regra de três simples, naquel preparação daquel grande exame de quarta-classe dum vez que n'era brincadera.

Sr.Alfrede, professor competente, ma home de sê varinha de mantamba ma palmatória, sempre pronte pa quei deriba d'oreia de quem ca tava trabaiá drete na sê escola…N'era de brincadera e desse manera, tude gente era obrigode d'estode sempre que lição em dia.

Era desafiu de tabuada dáda cumpanher na mon, pa conta de professor. Um cosa é certe, é que nium de nôs ca morrê, nô prendê bem prindide e fecá que tcheu base que sirvi nôs pa tude vida… Um grande UBRIGADA pa Ti Fefa e tude quês ote professor(a) que participá na nôs educação.

Pa completá tude, tinha quel momente de verdade qu'era quês prova d'exame de fim d'one na Escola Camôes, Escola Nova, Tchã de Sumeter e más otes escola.

Exame era composte dum prova escrita e um prova oral, pa despôs gente esperaba quel resultode na fim q'era quel parte más dure, na hora de leitura de pauta pa contínuo de Escola, nôs grande amigue José Tomaz.

El tava somá naquel janela de Escola Camões e num voz olte quaz gritode el tava anunciá:

Alfredo Justina Mota …………………Aprovado… grite de ligria de malta

Maria da Luz Lopes………………...... Distinto…… griiiittte e palma

Antonio Dioniso da Cruz ……………... Aprovado…. griiite

Pedro JorgeAlmeida……………….. ..... Reprovado…tristeza grande siguide dum oooohhhh..

Na fim era uns contente t'arri, ôtes ta tchorá, ma nada ca tava impede quel pove estudante de rancá c'aquel tradicional :

Viva quel bôle: VIVA!!!... VIVA QUEL VIM: VIVA!!!... VIVA SÊ PAI: VIVA!!!... VIVA SÊ MAE: VIVA!!!... SENHOR CARVALHO : VIVA!!!... MNINA CELESTE: VIVA!!!... MNINA ILDA: VIVA !!!...

E era assim ta gritá que tude mnine tava rancá ta corré pa rua de Mindelo e fralda na mei daquel fulia d'exame que tava fazes percorrê grandes destança sem ês tmá fê moda: Rebera Bote, Monte Sussegue, Bela Vista, Cruz, Maderalzim, Tchã de Licrim bai té S.Pedre ma Salamansa..

Fui um épca rique na força d'instrução de pove de nôs terra, que sirvi tude Cab Verd, quê tude aquel que prendê na épca, sube passá mensaja de geração pa geração... Prova d'interesse de prendê na épca era tão grande, que té pescador, quonde tava descuti entre ês tava custumá perguntá cumpanher, quem q'era más bom?!... S'era Nhô Baltas ô Nhô Roque ???

 

Zizim Figuera (José Figueira Junior)

V O L T A R

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim meu caro, Ler uma "storia" dessas é voltar no tempo...fico emocionada até de ouvir falar de cartilha mata- borrão,caneta de tinter... os professores... e nós soletrando. Cartilha, Fantilona, Fantilim, então não era??...Que tempos bons aqueles e nós, sem imaginarmos o que era a vida,, aquele defacto era o nosso mundo, "sô de cosa sabe e um carole na cabeça de vez inquande pa quebrá quez mufneza de nossa"...

Quantos caroles fomos levando depois pela vida fora hum?! Não é mesmo? Mas olha o que aprendemos nas nossas escolas valeu pela vida inteira graças aos bons professores, mestres e educadores que tivemos. Pena é que como sempre só muito tarde vimos reconhecendo seus valores e não temos palavras para agradecê-los de terem feito de nôs gente instruida capaz de vencer em qualquer parte do mundo.

Mas voltando á tua estória falaste de PI+PA= BARRILO mas esqueceste de "CACHIMBO que diziamos CANHOTE".Mas não era para rir não, porque falar uma língua e ter de aprender outra o problema da dificuldade se punha e acho que este ponto de vista teu aqui está intencionalmente bem apresentado para sensiblisarnos a nós todos.

Bem hajas por todas estas estórias que são recebidas com aquele calor cabo-verdiano em todos os lares espalhados pelo mundo numa espécie de grande reconforto pelas lembranças aí escritas. Pois recordar é viver! Felizes páscoas e um beijinho da Califónia Ju

Judith Wahnon                juwahnon@aol.com

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Sr.Zizim, Embora seja de uma época diferente da sua em que mais cinquenta anos nos separa, posso dizer-lhe que esta sua maravilhosa estória tocou o mais profundo do meu ego no campo socilógico do termo, na medida em que eu desconhecia todo este método de ensino da sua/vossa época.

Certo que tudo mudou por causa da informática e robótica em que tudo está ali pronto é só compreender e transmitir o prato já digerido. No entanto tiro-lhe o meu chapéu em referência á sua excelente linguagem escrita que poderá fazer já objeto de discussão num contexto bem positivo do termo com gente postiva.

Continuo admirando também a sua memória. Pois os meus pais que o conhecem desde de infância confirmam sempre os seus ditos.Um grande abraço de todos nós e votos de felizes páscoas Vává

Osvaldo Tavares                       osvtavares77@hotmail.com

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Boa Zizim! Jam ri, jam tchorá de sodade num verdader delire de nostalgia q'esse sturinha tão sabim bem escrite chei daquês recordaçon que só nôs daquele tempe sabê e ta podê sintil moda el fui pa nôs.Rapaz parabens, quê bô tem um mimória d'infer, bô tita lembrá té de Sr. Grigol ma Ti Tiofe que nô fui de escola.

Sr.Grigol era mauzim e tude mnine tinha mede del.Ma o certe é que nôs tude dá gente e nô t'agradecés e pedi Deus pa dá um desconse na sês alma pa quês que já morré e longa vida pa quês q'inda ta vive. Força nh'irmunzim e obrigada pa bôs sturinha que nô ta tem pressa d'alé dia dmingue li na Sidney-Auatrália. Nõs mantenha Terencio

Terencio Lopes           terencio.lopes@yahoo.com.au

 

V O L T A R