ALTAR DE SETE DIA

Naquel dia plumanhã, era más um anjim d’one e mei que tinha cabode de morrê d’ itricia lá na Rebera Bote. E, moda nôs tude sabê, tude vida assim cma tude morte de criston nesse munde é sempre importante. Ma nesse dia, cosa era bem especial porque fui fidje de Mantchola, irmon de nh’amigue Paulo Mauricio (Pana), grande ijgador de futebol e marcador de penalte, moda Lela de Panante (Mindlense), sem rival nem igual d’ Associação Académica do Mindelo.

Era um abole naquel rua, de barulhe de martel ma pregue, ta crupe crupe naquel caxunzim, p’aquês carpinter d’expediente pa rapte, bafode pa tchore de tude quês carpidera, já dexide de Rebera Bote ma de Tchã Monte Sussegue, juntode naquel lorgue de rua de Mantchola que sês lincim brónc na mon ta rolá na perna, ta guentá tchore, naquel ritme folclore de terra, de:

Ah...Ah... Mansim (anjim)!... Assim cma baleia ta tchorá sê fidje… assim tude mãe ta

tchoráaa tambéeem… ah...ah...ah... na Munnnde!

Pana, que tava lá pa borde de paquete ta trá quel dia de traboi na estiva, ca sabia de nada. Da tardinha, logue que traboi cabá, el largá pa casa moda de custume, já que sês dôs grogue na butche, inglide junte ma sê amigue Capote lá na Bar Tubarão de Ti Faustine, pa trá quel poera d’estiva.

Despôs, el pô pé na mama de cadera e cuntinuá sê camin, direção Rebera Bote, sempre cumpanhode e cum truquim valente na bolse, quê mama tava grosse, pal levá Djena pa garanti mnines quel catchupa na lume e pal pudia gastá quel reste t’ ingli ma sês cumpade Funha (Culitio), Bilack (Lalake) de Franck Doze, quê ês também, era cumpanher certe de tude dia, que tava parti sempre ma el, tude do quês tinha, sobretude na dia de quebra.

Já quaz ta tchegá perte de casa, pa camin, ês incontrá Mari Caela, preta lisa desaforada, um beleza d’amdjer, amiga e cmade de Djena, já ta bem ta tchorá… Ês perguntal csê qu’ela tinha? Ma Mari Caela, muque! Ca dzês nium cosa, sô ela espiá pa quês moce c’oie chei d’aga ta esgritchil pa cara boxe e cuntinuá sê camin…

Enton, quonde Pana somá que sê calma de custume, naquel pracinha de semente de casa de sê irmon Mantchola, quel oiá tude quel pove lá rinquiode na porta, é quel cumeçá ta comprendê situação! Log el ba ta corrê e quonde el sube, el pô mon na cabeça, el rancá cum tchore gritode na mesme ritme daquês carpidera.

Na dia siguinte, tude nôs, amigue de casa ba cumpanhá quel anjim té Dezoite Dôs Oite (1888 - Sumeter de Soncente) ondê quel fui interrode que múseca, na ton daquel rabeca de Muchim Querena ta fazê pove tchorá c’aquel tradicional “Djosa Quem Mandobe Morrê, siguide d’Hora Di Bai” que tude gente num grande tristeza, rudiode na Mantchola ta procurá consolal.

Despôs d’interre, moda de custume, nôs tude torná voltá pa casa de morte, levá quel alma, ba dá pêseme e tmá quel gruguim d’amizade pa trá goste de terra de Sumeter!

Fui levantode log aquel “Altar de Sete Dia” despôs d’interre, moda tradição ta mandá, cum panim brónc derriba daquel Mesa, um grande Cruz de Criste imprestode n’Igreja, e um Grande Vela cindide, que gente sempre t’entrá ta sei, num muvimente rique de força espiritual naquel munde de pobreza, bem dá pêseme e prová sês amizade, chei de sentimente, moda é custume na nôs casa de morte, quê o que ta fazê nôs força e parte de nos Cultura, tonte na terra cma ma diáspora!

Dia ba ta passa sem nada faltá, pla graça de Deus, lá na casa de Mantchola, té dia que tchegá dia de “Sete Dia”, quê dia de levantamente “d’Altar”, que tude quel pove lá juntode, sempre naquel força d’espirte, ta ijdá família na sê dor.

De note bem ta fetchá, enton lá na casa de morte na mei de pove tava quel estampa de Mari Caela, amdjer bnita de sê padoce de cadera, basta p’ondê qu’ela passaba ta rebolá, tude home tava fecá que manha, ta babá... Té que sê prisença, na esplendor de tude sê beleza lá na sala, fazê quel pove fecá muque e esquecê durante uns minute cma nô tava na casa de morte?!

Ma prublema é qu’ela tava estode sempre cumpanhode paquel manhente daquel Lela Catumbela, fortalhace de rua, ijgador de futebol de Derby, que ca tava dexá ninguém tchegá perte dela... Amigue de casa, Lela também tinha binde pa levantamente d’Altar de Sete Dia lá na casa de sê cumpade e amigue Mantchola!

Fui sirvide um colde de pexe de bidion que malagueta ma papa de midje de terra, pa desconce de corpe de quem queria, siguide más tarde dum bafa de pastel de midje c’atum fete pa Djena que tude sê morabeza, e um gruguim pa quecê imbiente. Assim, na mei daquel calor, que tude gente já quente, num mar de conversa puxa conversa cada um na sê conte, que sê grupe ta contá partida e ta falá olte té de note fetchá.

Enton, bem tchegá hora de fetchá porta pa durmi, fui betode dôs esterona na tchon pa tude criston pudia detá. Reiode cander luz, smeme assim fui dexode quel candirim de pitrol (obra artesanal de nôs Marquim de Beta, também cunchide pa Maika Barronque, de Ferraria de Jon Fliner) cindide, pa case de nascidade. E, moda tradição sempre mandá, quem tava na rua já ca tava entrá, quem tava dentre de casa já ca pudia sei e tinha que fecaba lá té levantamente d’Altar, pa Alma daquel Anjim, que Deus dal Céu, pudesse ser leve!

Basta tude gente detá na estera, num harmonia normal, home c’amdjer cunfundide, uns que cabeça pa riba, otes que cabeça pra boxe, num silence e na tude respeite pa casa de morte e p’aquel Onje de Criste!

Ma Senhor Lela Catumbela, na mei daquel escure, que tava já que sê ideia na cabeça, ba sizudim, el detá naquel ote estera trás de Mari Caela.

Ela tude inrascada, chatiada e pum queston de seriadade, pudor e respeite pa gente de casa, quebrá silencie daquel note na mei escure por uns dôs vez, cuns dôs grite de É BÔ LELA ESTODE QUETE, gritode, que VOZ BEM OLTE pa tude gente uvi!!!...

Vluntara, desaforada moda el era quonde ela tava rebá na pulguera e, já chatiada daquel inrascadura de Lela de ba detá trás dela, já lá ca tinha hipotese, nem ideia dela dexá nada passá quel note lassim, não sô pa sê cara, cma pa cara de sês cumpadrins Mantchola ma Djena, quontamá pa basse dexá Senhor Lela Catumbela… CANGAL quel note lá na casa de morte!

Catumbela, sempre teimose e cegue moda el tava, ca queris uvi razão, enton el cuntinuá sempre na sê intintaçon ta chatiá Mari Caela tude quel note…

Quonde pessoal pesá sone, cuns gente pra lá já ta roncá, Lela cumeçá ta pensá na sê cabeça cma note já tava olte e que ninguém ca tava t’uvi nem ligá quês grite de Mari Caela, cma cosa já tava puste na sê jete e que tude tava ta ba ser fácil, ehehehe!... MA FUI LÁ QU’INGANHA PARI FAREL!!!

Quê Senhor CATUMBELA, sem pensá na chatice nem consequência, ca midi dôs vez, TRÁ SÊ CORPE D’HOME na mei daquel escure e quonde jal tava pronte pa basse fincá MARI CAELA PAU, sem respeite, inda más num lugar daquel...

Enton, MARI CAELA, na mei de sê aflição, ca tive más ricurse nem mute tempe pa pensá, senon sende de reagi log c’aquel ideia que bel quel hora mez na cabeça e ela ba ta dzê dentre dela:

Esperá, Lela, quê hoje já bô psú!!!

Tempe qu’ela tive fui sô de dá um GRITE bem forte, pal cordá tude quês gente na sone lá na casa de morte e, pa defendê, ela brutchi na mon que força CORPE D’HOME DE LELA CATUMBELA E, PÔ TA GRITÁ:

ULI UM SAMPÊÊÊÊÊÊ…. ULI UM SAMPÊÊÊÊÊÊ...

Oh qu’abole na casa de morte!… Oh que trapaiada!… Basta era barulhe de gente ta cordá, t’argui, desuriantode, que mede de sampê mordês… LUZ de cander sebide, fui um cosa só… etc… etc…

Pa reste e p’aquel imbiente de CAELA ma sê POVE, ‘m ta sô dexál rialisá na bsote espirte e imaginação...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L V E R

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Querido Amigo, Esta estória tão pungente está tão bem descrita que me custa comentá-la na sua globalidade. Aceito-a como aceito uma reportagem do terramoto no Haiti e fecho os olhos a desfaçatez dos nossos patrícios perante o velório de uma criancinha. Esta tradição do Altar de Sete Dias, realiza-se cá em Portugal por algnus patrícios. Ainda há poucos meses assisti a um em Massamá, num prédio de condominio.Um bom domingo e que esta Força continue contigo. MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Este é um conto que está à altura do melhor que saiu da pena do Aurélio Gonçalves. Já não é apenas a descoberta da iniciação gráfica que a escrita do crioulo alcança na pena do Zizim, já chegámos a um patamar, e há muito tempo, em que, justo é dizê-lo, nos maravilhamos com as virtudes literárias deste nosso conterrâneo.

Ler este como outros contos, faz-nos sentir no epicentro sociológico do povo da nossa ilha, tal a autenticidade dos retratos humanos e dos costumes e maneirismos sociais. Este conto, além de nos relembrar tempos e costumes porventura reduzidos a uma esfera popular específica, elucida-nos sobre ritos, comportamentos e formas de estar.

E, embora se trate afinal de contas de um momento de grande tristeza, como o é a perda de um anjim, o desfecho é extraordinariamente divertido, fazendo-nos rir até às lágrimas.

Pronto, nha broda, é o que eu te queria dizer. Agora vou tomar um groguinha não para lavar a poeira deste conto mas para conservar o seu gosto e, quem sabe, fazer com que os seus vapores aromáticos me transportem até à Ribeira Bote, Chã de Alecrim, Fonte Francês ou Monte Sossego.

Ah, é verdade, não me lembro de alguma vez teres falado em Fonte Filipe. Um grande e fraterno abraço. Teu amigo Adriano

Adriano Miranda Lima

V O L V E R