DESILUSON DE TUTCHIM DE NH'ANTONHA GUIMAR

No tinha side cuvedode pum matança de tchuque naquel olte trás de Toi de Forre, na Rebera Bote, lá na Tite de Nho Poce, irmon de Brumedje, naquel madrugada de sóbede pa demingue de cinque de Junhe de mil novecentes e troca o passo, moda Totche tava custumá dzê.

Ambiente nimode pum juguinha de bisca perdida, tchurice de sangue que vin ô anton grogue que bafa de tchoresque fete quel hora mez pa nos famosa Rosara de Nho Studante (que Deus dal céu). Assim, bisca tive prop renhide, té dia demingue plumanhãzinha, hora que nos tude resolvê sei da lá.

Ma, cma segunda era feriode e ninguém ca tava que sone, Tutchim de Nh'Antonha Guimar (vulgo Totche), que tinha estode ta cumpanhone naquel muvimente de longe, da lá de sê casa, resolvê cuvedone pa no basse cuntinuá quel festa lá na el.

Anton, sei log um direta, quê assim nos tude desabá lá pa Totche, ondê que também tava custumá tem quês jogue de bisca ma uri, nunca pirdida denher ma sim ganhada costeleta de tchuque passode na farinha de pon, specialidade de sê amdjer Liza ma sê prima Deana, irmã de Jon Batata Cru, grande isgador de futebol na épca de Clube Sp. Derby.

Pa cumpanhaba tude ês cmidinha sabe na boca de manhente, tinha sempre quel bocal de malagueta de pardal preparode pa Dona de Casa, que tava fazê ligria de tude gente ma também tava psune bique na hora d'usal ma tude quês ingrediente prop forte na boca ma, na mei daquel sabura infrontode, tude gente tava bá ta cmê ma ninguém tava piá.

Totche, mnine cunchide de pove, rapaz de força, estivador lá fora de mei de Baía de Porto Grande, de borde de paquete ô qualquer ote vapor de carga que parceba na terra, sempre scativaba sê vida d'amdjor manera quel pudia leval, pa el ma sê santa amdjer Liza pudesse ba ta criaba quel monzada de fidje que Deus dás, deboxe de sês pobreza ma na dignidade.

Recode já tinha tchegode na nos, anton nos passá na sê porta quel hora de madrugada. Jal tava cordode diasá, ta guitone sei da lá de Tite, logue el done fala, bá ta mandone entrá e bá ta longone quel bom gruguim pa no basse ta trá espece e ta lamentá ca ter pudide estode lá na Tite ma nos. Totche, rapaz finote, cumpanher, tava sei na paródia, tmá sê coque valente ma nunca tava ranjá stora, assim tude gente era amigue del ma sê família, na ruspeite.

Anton lá é que loreta bem sentá pele, quê no otchá sê cumpade Muchim de Monte que sê rabeca, cumpanhode pa quel bom violão de Lilinha de Nha Maré Remis ma quel bantche de Marcel de canalim, de Nh'Anton Djudjim, e quel cavaquim de Bitú (Unha de Piriquite) ma sês cumpanher, que tava ta sei dum bóie lá perte e que Totche tinha cuvedode também pa nimà lugar... Um verdader surpresa, bunzim de munde! Basta sone fejine d'oi, dá no fecá! Tite cumeçá que sês ciúme, ta dzê cma s'el sabia festa tava cuntinuá lá na el...

Ma Totche, diplomata, log dal fala pel besse ter de nos e assim fui, quê ês dôs era grande amigue e bons vezim e pa nada desse munde nem um nem ote ca tava perdê quel mizade dum data d'one vivide perte de cumpanher.

Pa nos malta, cma era sóbede, manchende pa demingue, inda más que sigunda feriode, ca tinha razon pa no ca fecaba naquel ambiente, que tava ta parcê cma tava ta bá vrá prope sabim... Quê demingue manchê cum Sol quente, tempe paradim sem vente, cum calor de ratchá, basta té quês ropa de traboi de Totche, que Liza tinha lavode de note, ptode na corda, já tava seque.

C'aquel quintura, era malta spaiode pa tude banda, uns sentode na estera, na rua, na sombra, otes dentre de casa, tude cool, tude nice, que ocupaçon ca tava ta faltone naquel jogue d'uri e bisca, ma quel tocatina sabim, guentode baxim, pa Muchim de Monte e sê malta… Basta pove, na son daquel melodia "bôs odju di uva maduro... strela di céu na bo rosto", morna TANHA, de nôs grande B.Leza, espnicadim na rabeca naquel raiar de Sol, cumeçá ta bem ta juntá, que Totche ma Liza tude feliz na sês porta de casa.

Um ta lembrá cma quel one lassim tinha dode tchuva drete, té c'aquel Rebera que tava separá Rebera Bote de Monte Sussegue tava tude virdim, basta té pove butzal que nome de Rebera de Paúl...

Anton, tcheu mnine de zona ma quês fîdje de Liza ma Tutchim tinha estode, já uns dia lorgue, lá pa Rebera ta panhá quês caranguejona bronque (Ciclo de Carangueje), cmedor de petim de galinha, que tava custumá parcê sempre lá pa trás de Compe de Jogue, na tempe das'água.

Quês carangueje ca tinha tempe de descansá, quê quaz tude gente vrá ta bá panhás na Rebera, pôs num baloie de tampa (uns vinte) ondê quês tava fecá uns dia. Passode quês dia, cma carangueje mas forte, que fome, tava cmê tude quês otes, anton lá tava fecá um só grande carangueje, que pove tava passá na brasa e cmel. Bom bafa!

Dia cumeçá ta fecá olte, anton cada um dá sê truquim, Totche mandá log Liza ba fazê compra na Rebera de Paúl que, pela graça de Deus, quel one tinha mîdje verde, pa ela pudesse ba prepará quel bom mîdje ingron, quê Liza dvera tinha sê bom mon de panela.

Tempe que Liza tava prepará quel bom cmida, tude malta já dexí pa Rebera, ondê que sei log quês juguinha de custume: rudiada pau, gole a gole ptada pa diante e balizinha, pa home; jogue de ringue p'amdjer, etc.

Num ambiente prop sabim, que té gente que n'era de malta, que parceba pra lá, tava tmá parte naquel devertimente prop calorente, que malta de bom coraçon, plu menes naquel tempe, que ondê tava cmê um tava cmê dez.

Despôs dum bom bocode, tempe passode na Rebera ta isgá, suode e cansode, na mei daquel calor, Liza ma sê prima Deana somá na porta, ês dá gente quel bom grite de:

- Ó, nhas fedjode, bsote bem quê quel CHÁ já ta pronte!

Nôs tude sabia que n'era CHÁ ma sim quel bom mîdje ingron que tava lá ta esperone... E ês tava dzê assim so pa evitaba tcheu boca, quê senon quel cmida tava sei poque! Ma, smeme assim, sempre no tava parti nôs parte de cmida ma tude aquel que tchegasse de perte.

Naquel muvimente, gente ca tinha tempe d'infadá quê era cada um que sê prote, que Liza de cumpade Totche tava ba ta longal, té qu'às vez n'era cmida que tava sei de poque, ma gente é qu'era tcheu... Ma, quel malta, fixe moda el era, ca tava dexá ninguém, mnine que gente grande, esfrençode!

Quonde tude nôs tava bem instalode ta preciá quel mon de panela de patroa, codjerada ta bai, codjerada ta bem, tchegá Mone de SaNinclau, grande mergulhador de Shell na épca, qie otchá quel barulhada de cudjer ma prote deboxe de silence, quê ninguém tava ta falá, anton el rancá c'aquel vojona, na sê Criol de SaNinclau:

- Iau, quase esse cmida sta prope sabe?! Quê nem mosca nem musquite sta t'uvide ta papia?!

Dona de casa ba log ta longal sê prote e ba ta dzel:

- Tmá esse li que Deus dobe e bo dexá de pô lume, quê li ninguém ca tita dzê nada...

Anton, Lau de Briza, na brincadera, log repicá cma Mone tava mas era que sê manha daquel cmidinha sabe, de cá de Liza! Ma Ti Mone ca desarmá e confirmá cma el, da lá de sê casa, já tava ta tcherel esse tchere de cmida sabe, que certeza ca pudia ser d'ote lugar senon sende de casa de sê cmade Liza… Assim, guiode pa quel fume ma quel tchirim, el pô ta bem, ta bem, té certá que porta!

Dá tude gente largá t'arri.

Da tardinha, malta que barriga bem forte daquel bom almoce, sentode, sparajode e espaiode na sombra daquel pracinha de casa de cmade Liza, tava tude muque, talvez ta pensá na dia de manhã, sem dzê um só palavra ma de certeza ta preciá quel por de sol ta incendiá, lá longe, pa más um vez nôs Monte de Cara, na mei de luz e cor, lá na funde daquel nôs Baía de Porto Grande de Mindelo, cosa que na Munde ca tem igual.

Anton Totche, que sê vojona, ratchá quel silence e pô ta contone tcheu stora de sê vida na estiva, na mei de Baía, quel ranjar de vida pa pudia pô quês mnine quel panela na lume de tude dia, não sem risque pamode quês fiscal de borde, qu'às vez era prope lixode, etc, etc, malagueta…

Assim, na mei de tude sês stora ma vintura e peripécia de vida, Totche contà nôs, que mágua na roste e na coraçon, sê grande desiluzon num dia quel ba espiaba traboi na estiva, ma quel dia ca tocal sê vez... El ta bem pa casa, cum quebra da merda, já prope desconsolode.

Quem quel t'oiá, que grande esponte, bodzê pa sorte, na portaló de borde de paquete?! Sê tiu Kapute, ta bem de Merca via Lisboa, que sê tchapezon moda Texas Rangers, chei d'anel na dede ma boca rinquiode de dentre d'or, bem bestide… Dá nôs Totche pô ta esfregá mon de ligria e pô log t'arri.

Tude contente, prop sabim, Totche já dá sê tiu fala! Tiu Kapute também já fecá mute contente, quê Totche, chei de boa vontade, ba log ta dzel cma jal sabia cma el ca tinha más nium lugar pa dondê bai, senon sende lá pa sê casa, na Rebera Bote... Sê tiu ba log ta metel $10 US dollars na mon.

Agora é que fui senhá e cuntinuá t'arri por dentre...eheheh! Anton el, naquel mei tempe quel tava ta ocupá de sê tiu ma sês bagaja, el mandá Liza recode pa casa, pal mataba quel gole más gorde quês tinha lá na capoera de sês quintal, pas pudia festejaba quel dia de sorte, na paz de Deus e Virgem Maria, de sê tiu que tinha tchegode de Merca.

Assim fui fete, tiu Kapute fui bem recibide pa Tutchim ma família, tude contintim, que Totche lá pa rua ta mostrá tude quel pove sê tiu, que tinha binde de Merca, que certeza chei de dollars?! De manera que situaçon tava ta ba remá pa tude gente, quê mama tava ta ba fecá prope grosse, tude bnitim, prop escantchim!

Anton, el panhá mas fui um lau de gaita quê, afinal, um semana despôs, Totche ma Liza ca tava t'oiá nada ta bem. Tiu Kapute, sempre bem cmide, bem bestide, bem lavode, tude muque sem dzê nada! Ês resolvê dal fala, perguntal cmanera e esplical sês situaçon de vida, qu'era prope de pobreza... Basta, era catá, assa!

Cuitode de tiu Kapute, já bedje, quebrode que nem Djosa, tive que explicás cma el ma Antonin Piu, Ti Fei e Pole Ginguinha e mas otes tinha side expulse e deportode de Merca pa Cab Verde, mode quel contrabonde de Moon Shine (Brandy fabricode gatchode)... Cma Pliça Mercone tinha ês ptode mon, ês mandas tude pa sês terra, sem cmida de camin, só c'aquês $10 US dollars quel tinha el longode na Cais...

Log, um afronta pa Totche ma Liza, c'aquês monzada de mnine pa dá cmida, inda por cima ter de gordá tiu Kapute té dia quel morrê?! Ma Totche, home de bom coraçon e que Deus dal glória na céu, ca esità dôs vez e Tiu Kapite vrá ta fazê parte de más um boca naquel catchupa... Dum manera ô d'ote, el era sê tiu direite, que tinha binde de Merca e que ca tinha más pa dondê bai... E, despôs, sangue ca ta lavá!

Anton, Tutchim de Nh'Antonha Guimar, sem remorse, quê el ma Liza fazê tiu Kapute tude, té dia quel morrê. Sempre qu'ambirente tava estode quente, prop sabe e que tava dal na cabeça, el tava contá esse Stora, um passàja dure de sê vida, quel tava terminá sempre pa:

- Ó MNIS, QUEL DIA Ô QUE DESILUSON! CMA BSOTE SABÊ, POBREZA NESSE MUNDE, O QUE TA CUVEDAL É MISÉRIA…

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

O desfecho desta storia faz-me lembrar um adágio muito nosso, muito cabo-verdiano: Remédio de pobre é pobreza. É o sentimento que deve ter-se apoderado de Tutchim e sê santa amdjer Liza quando a situação de penúria do tio Kapute se lhes apresentou em toda a sua cruel realidade, frustrando-lhes a expectativa de uma temporária fonte de receita para equilibrar o magro orçamento familiar.

Um julgamento mais severo poderia sentenciar assim: Bem feito porque a solidariedade familiar deve ser assumida de forma pura e desinteressada. Mas isso só sairia da boca de um juiz que não conhecesse a verdadeira índole da nossa gente.

Temos aqui mais uma bem recheada narrativa dos usos e costumes do povo mindelense, para quem uma matança de tchuque foi e continua a ser, ainda nos nossos dias, um acontecimento muito apetecido. Na minha última visita a Cabo Verde, participei em duas matanças de tchuque, respectivamente, no Calhau e na Ribeira de Vinha, e em ambas o pretexto foi comemoração de aniversário natalício.

Estas storias servem também para, com o privilégio que temos da memória do Zizim, recordarmos pessoas e lugares. Desta vez fica-me uma dúvida que o Zizim pode perfeitamente esclarecer-me, ciente de que o arquivo dele está bem mais arrumado e documentado que o meu.

Quando dizes que houve matança de tchuque naquel olte trás de Toi de Forre, na Rebera Bote, fico a pensar se seria um Toi de Forre diferente do que conheci. É que conheci um, mecânico afamado, que tinha a sua oficina num alto que ficava entre Fonte Cónego e Fonte Doutor, perto da casa do senhor Pedro Neves.

Se calhar estás a falar de outra pessoa ou então da residência do Toi de Forro e não da sua oficina. Outra lembrança que me avivaste foi desse jogador que dava pelo nome de Batata Cru.

Já não vislumbro os seus traços fisionómicos nem o seu perfil físico, mas o nome é desses que não se apagam da memória.

Aliás, no futebol cabo-verdiano proliferavam nomes muito pitorescos como Morá na Rua, Toi de Bedja, Tambor d'Óleo, etc. Continua a deliciar-nos com estas memórias, irmão. Adriano Lima

Adriano Lima

V O L T A R