QUEL CASAMENTE NA FUNDE DE MOQUE

Munquite verdione natural de Bubista, subrin de Ti Iszê de Zulina que tinha loja na linha de cruzamente de travessa de Praia de Bote ma ponta de esquina de rua de Matijim, era um rapaz mute conversador e tava vivê na Soncente diasá, ilha que sê Ti Iszé trazeba el dês d’idade de cinc one, sende assim mute cunchide na terra.

Sempre bestide de brónc de bic de pê na cabeça, c’aquel bunizim de pala que tava fazê inveja de malta jovem, ranjode lá na Fábrica Favorita (antigue padaria de Matos) lugar certe, ondê quel tava trabaiá quaz sempre. Ma traboie ca tava faltal na terra, mode além de ser bom profissional nada malondre (preguiçose), era também um home de palavra.

Buldonhe de profission, quê el tava dá na tude cosa, ma sê especialidade era pintá e caiá casa, naquel tempe que tude pintura era fete que pincel na força de broce, quê ca tinha pistola nem pincel rolada moda tem hoje em dia.

Sê traboie era sempre fete na perfeiçon, expediente pa rapte, assim, tude gente na terra tava regatial, sobretude quonde tava tchegá tempe de festa de Natal e San Sulveste, época que tude criston tava gostá de tem sê casinha limpim, caiode ô pintode de fresc, pronte pa recebê vesita.

Magrim, home de fibra na sê ligereza de muvimente, tava dá impresson cma el t’andaba sempre ta corrê, ca tava pará, quê nunca el tinha tempe. Basta se gente cruzaba el na rua e, tava dode el fala p’um traboie, el tava reagi moda “Jon Buze” personája Mindlense que também fecá cunchide na Storia de terra pa sê resposta de:

- “ Nem qu’um tem tempe um ca tem mode!!!”

Ma de nutinha p’incontral, era sô bai naquel “Butequim” de sê pai espiritual na pessoa de sê Ti Iszê de Zulina que também era Bubistiane, ondê quel tava estode ta fogá sês mágua naquel gruguim, ma bafa de tchitchorre assode de violão na peite, pa ranjá manera de esquecê Bela, sê amdjêr que sempre el gostá e que pla graça de Deus tive el dode dôs fidje motche. Ma que inflizmente na sigunde porte, ca pude resisti e tinha largode ês, sô prei nês munde, o qu’era causa de tude sê grande tristeza.

Esse sentimente qu’era natural, fecaba gravode Munquite tão forte na mimória ma na funde de sê coraçon, quê log que coque tava sebil na tchife, el tava pô ta cantá, ta contá tude gente quel storia del ma Bilinha, grande amôr de sê vida, siguide daquês peripécia de sês famose casamente quês fazeba na Funde de Moque e que fecaba recunhicide pa eternidade, pa tude quem tive lá naquel festa! Um pausa, e Munquite tava respirá funde, pa depôs pudia continuá ta cantá, ta contá...

Foi um Casamente pensode, cumbinode pa ês dôs, quê já n’era sem tempe, anton ês proveitá pa bá dasse quel crotcha dia de festa de Nossa Senhora da Fátima, lá n’Igrijinha de Mote Inglês que tê inda ta existi e ta fecá, justim lá naquel sebidinha de estrada de Montona ondê qu’era casa de Cunque (Teodoro Gomes) na camin de bai pa Sêlada de Baleia.

Enton era quês dôs camiunitim, por nome de “Brumidjinha ma Fincá Pau” carregode de gente, guiode pa Felipe de Nh’Antonha Henrique Sena, ma Tuquim, quel que tinha ponta de dêde rudonde moda quês martilim de bola, também cunchide pa Bob de cmade Bidjuta Polpona de rua de Côque.

Pa diante de tude quel pove e inda bem, pa mode quel trupida de femaça de terra c’aquês dôs camiunitim tava ta dexá pa traz, tava quel autemóvel de Nhô Leão Cohen, marca Ford antigue de 1914, estile Dona Carolina, c’porta sem vidre, capota de lona e um buzina de pêra sempre ta buziná, pa mode pove na estrada ta sigui casamente, guiode pa Guilherme chofer de Paloce de Governe na época, tude bajofe ta comandá quel fila de corre, ta levá noiva Bela ma noive Munquite e sês padrinhaja de casamente, Nhô Damatinha ma sê amdjer Guilhermina pa noiva Bela, e Nhô Vasco Lopes ma Candinha de Nhô Bil Macedo pa noive Munquite...

Munquite, chei de grogue na buctche e deboxe de sê tristeza, cuntinuá que sê storia ta fazê tude gente arri na sê linga criol de Bubista que Deus dal e que depôs de tonte one el ca tinha perdide. El fla, cma el tinha cuvedode tude quêr gente de rebêra d’Asmancãs, Cadjau ma Maderal. Ma cma pa êr ca tive camiunête, enton êr pa honral sê casamente, bem tude :

- Uns muntode na limária, ôtes na oze (burre), ôtes na capode etc. Foi fête mas um pausa, basta tude gente espiá pa el, ma el ca desarmá e cuntinuá c’sê storia sempre ta ranhá na cordas de sê violão, moda se nada fôsse.

Noiva tude benitinha, bestide de brónc de vêu ma grinalda c’sê maride na lode tude fadjode além ta bai, naquel Ford de Nhô Leão Cohen que fazês honra pa sês casamente, pa respeite e consideraçon quel sempre tive pa quel home sêrie e trabaidor, na pessoa de Munquite.

Damatinha que ca sabia cma Nhô Vasco ê qu’era padrim de casamente de Munquite, fecá log imbutchode ta rogá na Deus, pa Nhô Vasco ca basse fazê asnera e dá cobe daquel bom ambiente de casamênte. E, temara el subesse?!... Quê caquêr, home de pirraça e ás vez um csinha maldose que tava ranjá chatisse sem preveni, moda Nhô Vasco, nha tchon de Soncente ca tinha dôs e, quaz nunca tiva.

Cerimónia na Igrijinha de Mote Inglês corrê tude dritim, c’Damatinha ma Nhô Vasco bestide sês fote prête d’asa de cavanhote, calçode sês sapatim de pulimente prête bnitim, daquês que n’ê mistide ingraxá. Ma quel sapatim de Damatinha, tava el pertode demunde ta doel na pê prop pa matá, por via dum calim malvode que tava ta minal tê funde de sê coraçon.

Foi levode noiva pa Altar, deboxe daquel múseca de casamente que tude gente ta conchê, tocode na orgão pa Sr.Sulveste sacriston d’Igreja. Depôs na saída de porta d’Igreja, foi quel grupe de Muchim Querena de rabeca, viola e bic que pegá companhamente de noiva, siguide de tude quel pove pa trás ta cantá Nha Meguel Pornore tê tchegá lá na posente de festa.

Também log que cerimónia cabá, Damatainha infrontode de dôr daquel calim na dêde de pê, pa depressa dá de sola bá trocá quel sapatim bnitim de pulimente pa ote bidjim, brumêdje má molim quel tinha trazide num sóc, prop bunzim. Basta pove que sube daquel sofrimente de Mata (numinha de d’amizade) e que oial ta sei ta bai assim infrontode mudá quel sapote, p’abuse dal fala :

- Oh Mata?!... Cmanera ?!

Damatinha, tude feliz de ter trocode sapote e saide daquel infer, bem ta tchegá devagarim cum sorrise na conte de boca pa mei de tude quel pove, quê el também sê boca ca tava lá, bá ta pontá pa sê pê p’aquel sapatim bêdje desconce de sê corpe ma coraçon, e bá ta dás sês resposta, ta dzês cma quel sapatim lassim pa el era: - Puta Velha!

Depês de casamente casode naquel bnite dia de mês de junhe e pa completá, gente continuá ta dexi a pê pa Funde de Moque la perte, deboxe de son daquel rabeca de Muchim Querena, cumpanhode p’aquel violão de mestre Ti Luis Rendal grande tocador, familia e amigue de Munquite, Lela Preciosa e más otes tocador p’animá ambiente, e assim fui... Amen!

Múseca “pumping sweet”, boda ta corrê prop sabim, tude dritim... Que pove de vez inquande ta rancá c’aquel Nhô Meguel Pornore, sempre ta cantá desde mei dia té cinque hora datarde. Cmida p’afronta e sem merrinha cma ca podia dexá de ser. Basta, quel bom tchacina que Munquite recomendaba diazá de sê Bubista natal é qu’era rei, fete cum bom fejon pedra tcheu d’otes igridiente.

Coque enton ca mistia nem dzê, quê sô sê Ti Iszé de Zulina tinha trazide de sê butequim, dôs garrafon de vinte litre daquel bom grogue de SanAnton e assim tinha pa bibê á vontade e betá tê pa oie, deboxe daquel Sol quente de ratchá.

Quel hora sagrode d’abri “bole de noiva” bem ta tchegá, c’tude quel pove feliz sabe contente ta espiá um sumbrinha ondê gatchá daquel Sol quente. Já tinha alguns deboxe duns amendoera ma tumbarinera que pra lá tinha, quê quel calor tava prop ta sofocá pove!...

Nhô Vasco, na qualidade de padrim de noive já tava bem carrosque despôs de ter inglide bem inglide, inda más deboxe daquel brazer de Sol ta dal na testa e n’era el sô, quê também tude quel pove já tava que pê olte de tchon, ôie esgaziode na mei daquel mistura de tonte bibida. Enton ês cumeçá ta pedi padrim um descurse…um descurse…um descur... Psssiiit, dzê assintença pa fazê silence...

Dôs rapaz nove bem ijdá Nhô Vasco sebi derriba dum cadera, ma el sebi log foi pa derriba de mesa pal pudia fecasse mas olte que tude gente. Ma pove naquel sabura de festa nem ca dzê nada. Sô Damatinha que já tava conchel na sês pirraça quonde el tava embalá, ê que tapá oie e pô mon na cabeça. Enton sigui moda de custume um tchuva de palma…palma...palma e mas palma c’Nhô Vasco d’oie esgaziode, brumedje moda lacre pa força de coque e sem palavra na boca pal podia rancá que sê descurse. Pará, fecá ta bescá ar pal pudia respirá pa cabeça pudia vrá clore, tê quel cunsigui.

Derapente bel quel inspiraçon, lá el pedi silencie más um vez e tude gente calá. Basta nem mosca, nem musquite, se tava uvide voá. El dexi de mesa, el sebi derriba dum cadera, torná respirá funde e torná pedi pove silencio. Enton, bom hme de descurse quel era, el rancá c’um senhora descurse moda bel na ideia, sem fum-fum nem gaitinha, quê na sê cabeça de fusca o principal era preenchê quel espace na momente. E num delire, el rancá c’aquel descurse que fecá na storia dum casamente na Soncente pa tude tempe, e foi prop assim :

- Enquanto que, Egas Moniz atravessava o estreito de Dardanelos a pé e chuto!... Procedia-se a uma lavagem de mulas no quintal do meu compadre Pidrim Bunucha!... Mulas essas, emprestadas ao amigo Jon Bintim, “que pás cmê paia séc tem c’usá luneta verde”!... Risarada, siguide dum monzáda de palma.

Enton, Nhô Vasco continuá e fetchá sê descurse cum:

- Sem portanto, nada mais ter a dizer de momento nesta excelente quadra festiva matrimonial, termino o meu discurso que eu espero tenha sido muito prolixo e pouco profícuo, desejando muitas felicidades á “prostitua da noiva e ao cabrão do noivo “!!!

Pove, na mei daqel confuson de festa, coque e bafa, otchá smeme assim aquel descurse de Nhô Vasco formidável. Enton, agora é que foi palma, palma e más palma, siguide na continuaçon duns gritim de boa Nhô Vasco. E assim descurse cabode, festa pude continuá sempre naquel rabolice ma sabura de custume, sem nada de especial ta perturbá lugar c’aquel pove tude feliz e sabe p’afronta. Tive bodje té plumanhã, siguide daquel tradicional canjinha de malagueta, sirvide na caneca de madrugada. Depôs, tude gente cansode, entrá pa sês casa.

Dia dmingue pa trá espece, Munquite ma Bela fazê um grande colde de pexe de bidion c’tude ingrediente (bobra, nhame, banana verd, mindioca etc.). Ma, moda tradiçon ta mandá, quel colde de pexe era sô pa ês sô, ma padrins de casamante. De manera que cmida foi fete na quantia, sô pa cinque pessoa, quê Nhô Vasco, ês leval pa casa na camiunitim, moque sem podê dá corpe de si.

Hora de mesa, ês já sentode ta bá cumeçá de cmê, tchegá Nina ma sê maride e mas quate fidje que sabia daquel colde de pexe, ma ês n’era cuvedode.

Quê Nina ma sês mnine, pa esperteza tinha dexode tude pove cambá morada ês, ês cambá la perte pa Borre Brónc ba drumi na casa de Nh’Alfritim massongue. Bom, cma educaçon ta mandá foi log ranjode ês lugar na mesa e, tude quel cmida foi partide dritim chei d’amizade pa nove pessoa.

Nina que era amdjêr de sê gorfe e qu’oiá cma cmida tinha cabode derriba de mesa, argui e bá espiá s’inda tinha más na caldera, ma el panhá foi baziu. E, cma caldera já ca tinha más, Nina resolvê mandá boca e bá ta dzê cma colde de pexe dvera tava prop sabe, sô pena quel era poque. Enton Munquite, na sê serenidade de custume vrá e dá Nina sê bom resposta, basta tude gente que tava lá fecal contente t’arri, quê el dzel :

- oh Nina, n’ê colde de pexe quê poque! Gente é quê tcheu!

Quel bom resposta de Munquite, fazê Nina fecá que cara podre na mei de gente, dá ela zará!... Enton Nina, chei de raiba trançode c’vergonha, cma ca otchá nada pa dzê, bem covás naquel descurse de Nhô Vasco ta dzês mode quem quês tava prá lá ta dá pa esperte quonde ês ca tava nem comprendê certes conversa de gente?! Quê ela ao menes, n’era nium parva e qu’ela sabia bem perfeitamente qzê que queria dzê “prostitua ma cabrão”. Na momente tude quem tava lá fecá imbutchode. Damatinha, Mimina sê amdjer ma Candinha de Nhô Bil, inda tentá calmá cosa ta dzê cma Nhô Vasco tude gente já tava conchel e sabia du’quel era capaz que sê cabeça de fusca.

Ma, quel conversa daquel trivida daquel Nina, foi moda um “batatinha quente” ta sei de for quel betá quês gente lá dente na mon. E a força de calmá jogue, ês consigui tampal na marmita. Ma quel batatinha fecá sempre quente.

Dia bá ta passá, Munquite ma Bela tude feliz na sês “honeymoon”, té cum semana despôs quel alvicera tchegá n’uvide dum subrim de Munquite, rapaz nove já quintemanista de Liceu Gil Eanes e que tinha estode também na casamente, ma cabeça de gata moda tude gente ca tinha el tchode dá conta de nada. Enton el pô ta pensá, e bem tmá fê de gravidade daquel situaçon, cosa quel bem explicá sê tiu Munquite.

Munquite, não mute convicide de tude aquel “conbersa que Nina tinha flode” e agora confirmode pa sê subrim Nadir, pô log ta benzê ta esconjurá dês dôs, ta dzê cma el sabia cma aquela Nina era uma doida, que sê subrim era inda rapazim nove e cma tude gente sabia quel Home P’el Senâl Santa-Cruz ca tava gordá mnine. Basta Munquite, ca queria nem creditá e pal creditá, sê subrim tive que jurá.

Também, quonde ês comprendê gravidade de situaçon um semana depôs, era tude quês dôs familia de Munquite ma Bela juntode, saide na tchon de Soncente, ta espiá Nhô Vasco pa bá matal!

Nhô Vasco esperte moda rote d’Igreja quel era, tive uns tempe lorgue gatchode ta andá que mede daquel pove betal el mon e que razon, quê sês tava panhal, ês tava fazel tchoresque.

Ma depôs cosa bá ta calmá, Nhô Vasco sempre c’sê medona trançode na corpe bem reconhecê sê erre e, bá na loja pedi Iszé de Sulina ma Damatinha pas fazeba el paz ma sê fedjode de casamente, Munquite.

Enton um dia lá na loja, Nhô Vasco sempre esperposente e que sês dôs grogue de custume bem puste na corpe, pô de joei e pedi Bela ma Munquite perdon lá diante de tude gente. Um espetacle, moda de custume.

Enton Munquite Bubistiano de gema flal, cma perdoode el staba. Ma que pa brio d’home quel tinha na roste, nunca más pra vida s’el tava trabaiá nem päpia ma el Nhô Vasco, e pa Nhô Vasco fecaba ta sabê “CMA GENTE DE BUBISTA CA TA FEETA“ (furtá / robá / honeste)...

Zizim Figuera ( José Figueira, jùnior )

V O L T A R

Comentário:

My broda Zizim, A semana passada soube pelo amigo Djunga que tinhas sido hospitalizado. Espero que ja te tenhas restabelecido.Tenho seguido toda a tua saga desta doença maldita, mas sei que és forte e vais continuar a lutar positivamente. A malta toda está contigo e mandam-te "mantenahs de Manê Craal". Apesar de tudo já ri muito com esta storia do Nhô Vasco Lopes que bem conheci naquela área de Chã de Cemitério, homem traquino, sabedor muito amigo dos miudos a quem dava-nos sempre bolos ou bolacha e assucrinhas. Embora bebia muito mas era um excelente homem. A storia está muito bem elaborada sempre naquela linguagem bem nossa e acessível a todos os cabo-verdianos de boa vontade. Obrigado Zizim! Melhoras com um grande abraço de todos cá de Sidney. Terencio

Terencio Lopes                  terenciolopes@gmail.com


Comentário:

Zé, Puseste em forma esta manhã com essa rica crónica domingueira e ainda estou a rir de todo o desfecho com todo esse pessoal conhecido a desfilar com as suas perpécias ao longo des maravilhosa estória. Melhoras e força sempre. Um abraço Vava

Vladimiro Pires                     valpires@gmail.com


Comentário:

Caro Zizim de Ti Djô Figuera, soube pelo nosso amigo Morgadinho que já está de volta para casa e a nossa malta de Rebera Bote te deesja muita coragem, força e saúde.Como sempre ja lemos a storia do Nhô Vasco e esse casamento na Funde de Moque com muita rizada e humor á volta deste cafézinho com "catchupa guizode e churiçe de sangue" dum tchuquim que foi morto ontem. Assim esse nosso domingo ja começou no bom humor e muita alegria com atua excelente participação habitual. Grande abraço nosso Guey

Miguel M.Monteiro           mucinderberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Caro Djô, Ainda bem que te temos para nos relembrar e fazer rir das pirraças de gentes da nossa terra São Vicente e seu humor sem igual nem rival. Gostei imenso e ainda estou a rssssss.... Um abração Eça

Eça Monteiro                     monteiroeca@gmail.com


Comentário:

Se bô ca tava existi 'm tava mandá fabricobe lá n'ofecina de Cunque na Puntinha. Qu'esse storia bô fazem recuá na tempe daquel bom Soncente dum vez que gente tava conchê gente na ruspeite e mizade pa cumpanher. One passode 'm tiva lá de féria, 'm bem dalá prop triste c'aquel manera de "cada um por si Deus por todos" de vivê. Ma mi ê feliz de bô que ta escrevê ês storia pa mostrá manera drete que no tava vivê. Obrigada Zizim e um granda braça. Sergio

Sergio Barros                    sergebarros@live.nl


Comentário:

Caro " irmao da nossa comunidade " ;Esse casamente de funde de moque " em que tu mencionas aqui na tua estoria ; Vasco Lopes ,Damatinha mà sê amdjer Guillermina,Nhô Bil Macedo mà sê amdjer nha Candinha ,Tedoro Gomes , "Cunque " -grande mestre - que formà bons profissionais mecânicos ,serralheiros mecânicos ,-em que eu tive o previlégio de ter sido o seu aluno -e tudo quês mùsicos como; "Querena" "Muchim de Monte ,Luis Rendall ,Lela de Preciosa ,etc; So tu ,com a tua memoria bem intacta ,podia trazer aqui nesta coluna do liberal online ,esta mais uma rica estoria de 'Nôs sancente daquele tempo" ; Para terminar ,desejo-te um bom fim de semana e votos de uma recuperaçao ,para estabilidade da tua saùde .Teu "irmao da comunidade" ;Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                 soalmeida@free.fr


Comentário:

Força companheiro! Estamos juntos e a malta fixe cá do bairro toda também estõa contigo. Continuamos lendo as tuas/nossas "Storias" todos os domingos como é habito. Pois todos continuam gostando como sempre com muito riso e admiração vai daí um abraço. Toi Pina

Dear Zizim, Cada domingo que entra já sabes que somos muitos espalhados por este mundo de antena no ar à espera das tuas estórias mindelenses de que és detentor de tão rico repertório. Qual delas a melhor ou a mais animada nem sei defenir. Pois todas fazem parte dos nossos afectos e são como o umbigo ligado à terra onde nascemos.

Esta já ficou para ser lida domingo próximo no meio da nossa comunidade porque só apareceu editada na segunda-feira e o pessoal já está trabalhando. No entanto no domingo passado lemos duas das estórias anteriores para animar o ambiente dos nossos compatriotas amigos e filhos que nunca faltam e a coisa passou.

De toda maneira já li estória e não pude conter-me de tanto rir. Para além de estar bem escrita está muito bem contada com aquele desenrolar habitual de cenas e personagens que a maior parte quase todos nós conhecemos na nossa época. Força Zizim com a tua memória prodigiosa e vai daí um grande abraço do amigo Toi.


Antonio B. de Pina               toipina@netcabo.pt


Comentário:

Dear Zizim, Soube pela Judith que estiveste no hospoital mas que ja estas em casa e vais melhor. Procedemos sempre a leitura das cronicas com a malta na Associação. Saude e forte baraço Yo

Yolanda Dias                    yoldias@aol.com


Comentário:

Mais uma fantástica "storia" do nosso broda Zizim, cuja veia recriadora não cansa de nos surpreender e encantar com a soberba narrativa de factos e acontecimentos de Mindelo de outrora. No momento em que tratas da recuperação da tua saúde, deixo-te aqui, Zizim, os meus mais fervorosos votos por que mantenhas sempre o moral e a fé inquebrantável de que foste sempre um exemplo para todos. Aquele apertado abraço do amigo Adriano.

Melhor dirão os especialistas se o cocktail de palavras incoerentes e explosivas de nho Vasco foi ou não o efeito de uns neurónios exaltados com os vapores do álcool. Mas até que ponto estes são verdadeiramente responsáveis pelos dislates que saem da boca dos ébrios? Há pessoas que sempre precisam de uns bons copos para fazer soltar a tampa dos seus recalcamentos, comportando-se então com uma inpertinência e agressividade fora do seu habitual.

Quais seriam os recalcamentos de nho Vasco? O Zizim terá certamente mais estórias de bêbados para nos contar, algumas hilariantes e outras tristes, já que na nossa terra o uso imoderado da bebida alcoólica era (e continua a ser) muito comum e, infelizmente, a causa da ruína física e mental de muita gente. E olhem que sem distinção de classe social, como bem sabemos, pelo que não se pode atribuir à ignorância e à irresponsabilidade a culpa do malefício.

Não sei bem como será nas outras ilhas, mas lembro-me de que o uso do grogue em S. Vicente era tido como uma marca de masculinidade, rotulando-se de enfeminado o jovem que não se iniciasse na arte da barriga encostada ao balcão. E assim se criavam as dependências. Não estou aqui a denegrir o nosso grogue, até porque o bebo, quando calha, e moderadamente, como qualquer cabo-verdiano que se preza.

Enquanto vivi em S. Vicente nunca aconteceu, não porque eu fosse um menino de coro mas simplesmente porque não calhou. Só muitos anos depois de viver na diáspora, apurado o sentido da minha identidade, compreendi que um cálice de grogue bebido mais com o espírito que com as entranhas era um acto de cultura.

É preciso beber devagarinho, com a pausa necessária para sentir o aroma da cana em todas as suas moléculas, única maneira de entrar na paisagem dos canaviais e ouvir o chiar melancólico dos trapiches. Quem está a comentar tem primos em Santo Antão (Longueira) que são produtores de aguardente de cana de boa qualidade, desde tempos remotos.

Começou com o meu trisavô António José de Lima, em meados do século XIX. Na visita a um desses primos, em 2003, foi-me oferecido um cálice do conteúdo de uma garrafa antiquíssima que, deixem-me que vos diga, não o trocaria pelo melhor nectar do mundo. Ao fazer a apologia do bom grogue, pode parecer que estou inconscientemente a caucionar o insólito comportamento de nho Vasco, mas não é verdade.

Pelo contrário, há um problema de alcoolismo na nossa terra que tem de ser atentamente acompanhado pelas autoridades sanitárias e vivamente censurado pela sociedade. Sirvam as crónicas do Zizim para deixar nas entrelinhas a nossa veemente repulsa.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Muitos parabéns por mais esta crónica bem narrada . Que tenha saúde suficiente, força e boa disposição para continuar. Rápida recuperação e até domingo. Um abraço ,Gaby

Gabriela Amado Silva                 gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Moce, Zizim, já bô trazé-me boa disposição ma esse casamente, ses peripécia e tude pícaro de vivência de nôs gente e ses forma de está na munde. Moda já foi dito "se bô ca tava existi, bô tinha de ser inventode.

Maguy Alfama            maguyalfama@gmail.com