MINDELO - SÊS NOTE NA TEMPE DE SERENATA

Quel bom grogue ma quel puntchin sempre fazê parte daquel instrumente de cumpanhamente de malta na sês Serenata. Assim, trode quel poera de garganta, grupe tava bá ta fastá, que voz de cantor ma instrumente ta bá ta desaparcê na mei de note devagarim, já que rumo pa ote destine, e dexá assim n’uvide daquel piquena quel doce melodia daquel son e coraçon pertode

Moda voz de pove sempre dzê, “Recordá é Vivê”, e cma Pove tem sempre razon, assim de vez inquante ê bom d’escrevê uns cosinha sobre vida de nôs terra, sô pa podê mantê cindide na lembrança quel chama antigue de tradiçon, sobretude daquês cosa que sempre fazê parte de nôs mesme, pas ca perdê na femaça, moda naquês note quente d’um vez, ondê que malta jovem chei de vida e inspiraçon, ta tinha coraçon chei de promessa pa sês tchutcha, naquês Serenata que tava intchí rua de nôs Mindelo “by night”.

Quem que vivel devê lembrá, pa contá quem ca sabê, cmanera que tava vivide naquel época de respeite, em q’era mute deficil tchegaba perte dum mnininha na terra pa mostral bô amor o exprimil bôs sentimente.

Na expresson de nôs grande poeta compusitor Sérgio Frusoni que nô ca podê esquecê, já desde de “Tempe de Caniquinha” em que té gote de Mané Jon tava ingordá na gemada, tava ixisti na tchon de Soncente, o q’era e é natural, quês mucim ma quês mnininha de coraçon chei de sentimente pa cumpanher. Sô que tinha um problema!

É que naquel tempe quês mnininha tava vivê quaz tude deboxe daquel ”oie vive na melon” de família, na proibiçon daquel pai ma quel mãe, p’ela ca bá ranjaba chatice. Quê cosa tava cumeça dum manêra e cabá sempre dote! E, quel força de respeite ca tava facilitá vida d’incontre, nem dum banda nem d’ote.

Assim, pa cosa podia ranjaba, Serenata era um manera bastante bom pa pudesse tchegá perte dum piquena ma tude sê família. E, tinha família que tava apreciá Serenata, especialmente se gente de casa tava gostá daquel rapaz!... Assim, ês tava uvi quel Serenata c’goste, despôs tava abride quel janela pa dzê ubrigada!...Ô enton, também o contrare tava contecê ás vez quê ta tinha família que tava reagí mal e tava pô descompô pessoal c’nome obcena, rufná bacia d’urina, etc…etc.

Também tava tem quês cena de ciúmes, quonde tava bá fazide Serenata na casa dum vezim que tinha mnininha e q’otes tava fecá desfrençode, sem gente lembrá de bá tocás uns dôs cosinha deboxe de sês janela. Enton, quês mãe tava somá na janela, chei de raiba e tava gritá:

- Bsote ca bem tocá li na casa pa nhas filhas?! Apôs, também já n’ê mistide bsote bem cuvdás bsote boie ok?!… E nem pensar!!!

Assim, ca tinha amdjor manera pa mostraba quel cretcheu sentimente cma um boa Serenata naquês note quente de luar de nôs Ilha, chei de poesia, múseca e sonhe e mar ta brilhá, o que tava alimentá tude quel esperança daquês boys ma sês tchutcha naquel momente e dexás ta pensá na dia daquel grande primer incontre ma cumpanher…

Serenata sempre fazê parte de nôs vida, nôs folclore, e sempre provocá um grande animaçon na mei de nôs rapaziada, sobretude quonde ês tava estode t’ ensaiá, ês quês, já ta pensá naquel amigue quês tava ta ba dá quel bom help na conquista de fim de semana.

Tchegode quel hora, era um grande felicidade, pa ês ma sês amigue, quonde grupe tava rancá c’aquel múseca baxim, chei de melodia no ar, sabim de munde, na son daquel violine ta ratchá quel calor d’note, cumpanhode pa quês violon ma cavaquim, tude ta bem ta tchegá de perte e dvagarim deboxe de janela de casa daquel tchutcha...

Felicidade inda era maior quonde tava oiode quel janela abri sô um ratchinha, c’aquel piquena lá traz, ta escutá na respeite e descriçon quel homenaja, que sê tchutche ma sês amigue tava bem dedical, chei de prazer e boa vontade.


Na tchon de Soncente dum vez, sempre tive grupe e más grupe de malta fixe, bons camarada desinteressode, q’era capaz, c’sês instrumente, de fazê grandes distança a pé, naquel época que ca tinha transporte, não só pa mostraba tude sês valor cma também pa satisfazeba deseje, naquel morabeza prop de terra, dum amigue fixe paixonode.

De vez inquante, tinha também quês tocatina espontâneo que tava parcê de note naquês bonque de Praça Estrela… Moda um vez que JotaMont (Jorge Cornitim), num de sês momente d’inspiraçon, parceba pra lá ta fazê pove sabe té de madrugada.

Voz de Pove, Voz de Deus… Recordá é vivê!

Cma ca podia dexá de ser, tive grupes de Serenata que fecá gravode na Storia de Mindelo p’Iternidade, moda quel grupe de Luluzim, Djindja de Nh’Amélia, Lela Maninha, grandes cantores que tava nimá Serenata, Lela de Mari de Jôna, Jack Estudante, Mané Querena, Muchim de Monte, etc… E B.LEZA, Mestre que sê violon BRONZE, na sê casa dondê que tcheu Serenata tava bá dá fim.

Ô enton, quel grupe de Praça Nova, cunchide pa Estrelas da Noite, c’Fausto Medina (Fofona), Junzim Estrela, de cinema, Antonin Marques, Albertino Sales Martins, que fui também sempre grande cantor de grupe. Más pa diante, tinha quel grupe d’Amândio Cabral, Manel de Novas, Eduardo de Nhô Jon Chaline e más otes, que ca tita beme grinhassim na mimória.

Resultode daquês Serenata é que tava parcê sempre quês convite de boie pa quês tchutcha. Enton, naquel tempe, família tava responsalizá quel rapaz que tava cumpanhá dama. El é que tava bá bescaz na casa pa levás pa sala de boie, recomendode pa pai ma mãe, que tava fazel grande cunfiança.

Tinha quês grande cumpanhador de dama, moda Bécona, Fetose de Nha Liza Manobra e más e más. Assim quel dama tava baiá tude quel note, deboxe daquel cunfiança, ma sê tchutche, que também tava procurá respeitá quel situaçon, pa cara de sê amigue.

Na fin de boie ta tinha quel ba levá dama na casa, que malta tcheu vez em grupe ta cumpanhás, deboxe de múseca, té tchegá na porta, ondê c’aquel rapaz cumpanhador tava bá fazê intrega de dama na familia.

Quonde ês tava tchegá perte de porta de casa, moda de custume, c’aquel múseca baxim, ês tava fecá lá alguns minute ta tocá e quonde pai ma mãe era cool, tava parcê sempre quel gruguim o um garrafinha daquel bom pontche pa trá poera de garganta, na entrada de porta, q’era p’agradeceba quel malta, q’inda tude nimode tava cuntinuá ta tocá lá na porta té hora di bai.

Quel bom grogue ma quel puntchin sempre fazê parte daquel instrumente de cumpanhamente de malta na sês Serenata. Assim, trode quel poera de garganta, grupe tava bá ta fastá, que voz de cantor ma instrumente ta bá ta desaparcê na mei de note devagarim, já que rumo pa ote destine, e dexá assim n’uvide daquel piquena quel doce melodia daquel son e coraçon pertode.

Serenata era mas tcheu na cidade de Mindelo que na fralda, mode problema de luz, ma tava fazide mesma cosa lá pa MonteSussegue, Rebera Bote, Tchã de Licrim, Maderalzim, na mei d’escure, ondê que ta tinha sempre quel amigue c’sê oie de boi pa lumiá camin, pamode gente ca rolaba.

Também tinha quel bada pa casa d’amigue B.Leza, sempre na fim de Serenata, que tcheu vez tava compô quês múseca de bloque pa desfile de Carnaval e que malta daquês grupe, moda Juvenil, Flor Azul, Júnior, etc, que pa agradecel tava ba fazê quel tocatina lá na B.Leza, que tava log puxá sê violão, por nome de BRONZE, e tava cumpanhá malta naquel sabura.

Quês grupe tava andá de munde, cumpanhode sempre pa tcheu gente, ta honrá porta a porta daquês piquena, tude na corrida daquel note té madrugadinha.

Enton, ora que cansera ma fome tava temá pessoal conta de lampeda, era quel corrida, directe pa quês padaria pa bá comprá pon quente, moda padaria de Niclete Cabral, Nh’Anton Djudjim o Nhô Antere, que tava fecá bem situode na cidade, inda por cima perte daquês praçinha d’Igreja, Liceu ô de Dr. Regala, ondê que tude gente tava bá sentá ta cmê quês punzinha quente, ta sei de forre.

Esse ambiente sempre tava fazê parte desse decor folclorique e marabidjose daquês note quente de Mindelo. Aliaz, Osvaldo Alcântera (Baltazar Lopes da Silva), num de sês brilhante poesia, c’um ta passá ta transcrevê bsote nesse Storia Mindlense, ta tradusis e ravelás na tude ês nôs força ambiente:

A SERENATA


Vestida de gemidos de bordão,

lancinàncias de violino,

na noite parada

vem descendo a serenata.


Sumiu-se a cidade barulhenta

inimiga das crianças e dos poetas.


Uma voz canta sentimentalmente um samba


Aquele aperto de mão

não foi adeus!


Os cavaquinhos desmaiam de puro sentimento,

a cidade morreu lá longe,

e a lua vem surgindo cor de prata.


Nessa historia de amor todos são iguais,

até rei volta sua palavra atràs…


O meio-tom brasileiro deixa interrogativamente a sua nostalgia…

E a hora que os poetas escolheram

para a procura dos seus mundos perdidos…


Amanhã a cidade virará novamente

inimiga dos poetas.

Mas agora ela dorme,

ela não sabe que os poetas falam com Nossenhor,

com a lua e as estrelas,

nesta hora tão lirica…


Menina romantica, irmã

das crianças e dos poetas…

A tua janela, florida de esperanças,

é um mistério que a cidade não entende.


Passa a serenata.

Mas no coração dos que temem a primeira luz do dia que vai chegar

ficam os gemidos do violão e do cavaquinho,

vozes crioulas neste nocturno brasileiro

de Cabo Verde.

 

Certeza c’um tem é c’aquês note quente de Serenata de Mindelo, que marcá um época, fecá té inda bastante gravode na mimória ma coraçon de quem vivês na sês originalidade.

Despôs, Serenata na tempe (fim d’ones 50) bem caí tcheu mode autoridade colonial, que cumeçá a ca ta oiá quel manifestaçon c’bons oie. Quê ês otchá cma tinha gente que tava estode t’ ixagerá, moda ês tchegaba d’explicà. Ma sememe assim, tava fazide Serenata gatchode de pliça, devagarim e sempre c’aquel mesme força, prop de malta jovem paixonode.

Hoje em dia, um ca sabê se ta fazide Serenata na terra, naquel estile de Soncente dum vez, na sês note de luar ta brilhá lá na Céu, ta invadi mar na tude sê extenson de nôs bnite Baía de Porto Grande, num quadro digne de pincel dum artista.

M’ ta esperá cma, li nesse Storia, pa quem lel e vivel, ta cuntinuá ta passá mensaja pa Nova Geraçon, pês fecá ta sabé e passá mensaja também sês vês. Bom seria se Serenata tava podê ser relançode… Quê m’ t’otchá cma é um dever de nôs tude de denunciá ês cosa, só pa ca dexá nunca FOLCLORE de NÔS TERRA MORRÊ..


Zizim Figuera (José Figueira, jùnior) -  Email:        jfigueira@wanadoo.fr

V O L T A R


Comentário:

BRAVOOO! Acabei de ler o texto e gostei imenso deste tema sobre as serenatas que foram obras da rapaziada amiga da minha época. Sinceramente relembrei-me de tudo o que transcreves aí fielmemte mas com muma grande nostalgia e muitas saudades de uma época revoluta.Continua Z.Figueira a nos deletar destas coisinhas bem boas sobre a nossa queria Ilha de São Vicente. Grande abraço Teófilo

Teófilo Chantre            tchantre55@hotmail.com


Comentário:

Como diz aquela giria brasileira: quem não gosta do samba bom sujeito não é... Pois a mesma coisa com estas "sturinhas sabim de Soncente" quem não gosta bom sujeito não é! Longa vida ao meu amigão Zizim com um beijão bem carinhoso. Ruth

Ruth Teixeira             ruthteixeira11@gmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Esse cosinha hoje ta prop sabim nem um pápa c'lete. Cuntinuá q'esse força q'Deus dobe pa Soncente podê cuntinuá ta ser defindide e mostrá sê valor qu~es querê caba. Ma ês ca ta podê qu~e nô tem um ALMA!Força sempre Zizim. Um braçona tamonhe de Munde Guey

Miguel M.Monteiro             mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Excelente! Gostei imenso e está aí bem traduzida numa escrita simples,lógica e emérita todo aquele modus vivendi sãovicentino no mais profundo do seu comportamento humoristico e socio-cultural. Parabens! Abraços Gilda

Gilda B.Leite             gildableite@gmail.com


Comentário:

Olá, Zé Ja'm gostá tcheu desse storia. M'lembrá c'sodade nôs ones cinquenta. M'lembrá té manera c'um fecá feliz na dia em que m'pegá pa primer vez mon dum menininha pa quem m'tava paixonode. Hoje em dia cosa mudá tcheu na tempe!!! Um bom dmingue pa bô nh'amigue fixe. Abs Ajveracruz

A.J. Veracruz           Ajveracruz@sapo.pt

V O L T A R