SONCENTE - NA TEMPE DE BUNIQUINHA DE FARROPE

Nha Tchirla e sê irmã gema, Marquinha d’Isabel Canhobá, era dôs bidjinha mute estimode de rua de Talione na Mindelo. Amdjer já de sês noventa e poques one, Tchirla, mãe de Marçalina, e Quinha, mãe de Martilhone, tava vivê tude’s três daquel mesada que Martilhone emigrante, sempre garantis d’Argentina tude mês.

Martilhone, antigue ferrer e cumpanher de Maica Barronc, lá de ferraria de Jon Fliner, qu’um vez era na rua de Matijim ma depôs bem passá pa rua de Talione ligode p’um passaja ma rua de Coque, já tava estode forte daquel vida de ferraria, de trabaiá suode, cansode, derriba de forja, té qu’um dia sê sorte cail de céu, log el proveitá de dá sê pinote num vapor gregue, banderode de Panamá, p’ Argentina.

Assim, naquês primer mês, casa fecá um bocode escombalide, quê Marçalina ca tava trabaiá, só ta cuidá de sê mãe ma sê tia e de más alguns mnine de vezim, sem recebê nada. Pla graça de Deus, nada tava faltás na casa quê Martilhone sempre fui um fidje cumpridor. Ma c’aquel mudança de situaçon, casa cumeçá ta faltá alguns cosa.

Enton, Marçalina tive que saí ta espiá vida pa sustente de casa, quê de Martilhone, nem fume nem mandode se tava ta bem d’Argentina na principe. Assim, depôs de tonte espiá, ela lá tive sorte de cunsigui um traboi na Spital d’Inglês, perte de telegrafe, na camin de Praça Nova. Ma, ote problema bem parcel, quê ela ca tinha ninguém pa cuidal daquês dôs criatura d’estimaçon, inda más naquel idade.

Ma pa depressa pove daquel rua temá fé daquel situaçon e, pa ca dexá quês dôs bidjinha ês só. Enton, bem parcê Nha Ninha Paris, mãe de Candim guarda d’Alfendega, que pegá levás ma ela pa sê casa, assim elas tava fecá lá bem cuidode, té quonde Marçalina tava bem de traboi.

De Nha Tchirla tinha mil e um peripécia pa contá quê ela, rija na parcença, tava ta cumeçá ta fecá na mninença, o que bem vrá más um chatice pa conta de quem tava cuidá dela.

Cosa que Nha Ninha bem temá fê, um dia qu’ela mandal ba fazê uns cumprinha p’almoce na Plurim de Virdura, lá perte de casa, ela sentá, deboxe de sê nocença, e cmê tude quel denher. Enton Nha Ninha, na sê manera monse de falá, perguntal:

- Ah, Tchirla, ondê quês virdura?!

Ela vrá prope na descançode, c’um façura, e respondel cma na Plurim quel dia lassim, tinha só cosinha d’apetite: - laranja, papaia, banana e cma corpe tava ta pedil el dal. Basta, nha Ninha ma tude quês gente de casa ca tive ote ramede senon sende de largá t’arri.

Ma dentre de casa quel cosa vrá um afronta, quê sê irmã Marquinha, qu’era más rija e que tinha tude sê cabeça, tinha que fecá só pa trás dela, quê ela tava gostá d’entrá na casa de bonhe só pal podia fecá ta lavá mon e depôs podia cmê sabon.

Ma Nha Ninha, que Deus dá tude ês céu, era uma santa amdjer e tava temá tude quês cosa c’serenidade e mute paciença, quê ês tude fui colega, mnininha daquel rua, criode djunte.

Té qu’um dia Nha Ninha, que tava custumá fazê quês “Buniquinha de Farrope” pa ligria de tude mnininha de Soncente, cosa que só ela ma Nha Silva de Toi Pumbinha e um amdjer d’idade por nome de Nha Bia, que tava custumá dá sês flash quonde ela tava estode parode sem fazê nada, também era bom na fazê quês buniquinha, ma sempre djunte ma Nha Silva.

Nha Ninha, conselhode pa Nha Silva, bem exprimentá um manera d’ocupá Nha Tchirla e cosa bem dá dritim, quê ela ravelá ser um cortadera sem par daquês pone pa fazê Buniquinha de Farrope, que depôs era intchide pa Nha Ninha ma Marquinha d’Isabel Canhobá.

Sês Buniquinha cumeçá ta fecá tão famose, té quaz quês escapá de trá Nha Silva tude fraguês, se n’era Nha Bia que tava bem ijdal fazê sês Buniquinha de Farrope cada vez más mimode e chei d’infeite.

Esse descoberta bem fazê reiná paz e harmonia durante tcheu tempe na rua de Talione, quê tude gente tava betá um oie sempre naquês dôs bidjinha, más na nha Tchirla, log quês tava somá na rua, recomendode pa Nha Ninha, mode ês ca fegiba. Assim, tude cosa entrá na orda e Marçalina pude fecá ta bá pa sê traboi sem problema.

Martilhone, bom fidje, lá bem parcê e cumeçá log ta mandá mesada d’Argentina pa sê família. E, primer priocupaçon de Marçalina fui ba pagá loja de Sr. Belmire Gil na rua de Moeda, que té gora tinha ês dode quel bom help, tude do quês tava ta devel, ma Sr.Belmire, bom home estimode de sê pove, log dzel pa tem calma quê el ca tava infronte e que ela podia ba ta pagá de puquim.

Assim, sês casa fui cumpuste de nove, coberte de telha incarnode, porta pintode de fresque, sês sala de vesita torná vrá ta brilhá moda dantes c’aquel misinha chei de ratrote, fui comprode um cama, ma cadera. Fui fete um capoera de galinha na quintal e comprode um cabrinha de leite pa sirvintia de casa.

Dá tude cosa pô na camin, Nha Tchirla ma Nha Marquinha d’Isabel Canhobá, sempre na actividade, cuntinuá ta ijdá Nha Ninha ta fazê quês Buniquinha de Farrope cada vez mas bem fitim, que sês cabel fete de linha prete ma quês bestide na moda de gente antigue de terra, c’aquês saiona de vental ma julberona por boxe ondê quês tava pô denher ma quel canhatim pa esparajá.

Prece de buniquinha era três pa dez toston. Basta quês mnininha tava butzás de cada nome, uns era “Bia Jalanga”, otes era “Bia ma Laia”, ês tchegaba té de trás um cantiguinha que fecá na moda e tava sirvi pa colá mnine piquenim qonde ês tava betás pu ar e enton ês tava cantás:

- Ah Bia, ah Laia

gatinha cmebe bo pexe?!

Salibana seri coté, coté, coté!!!

E mnine c’sês Buniquinha de Farrope tava fecá tude feliz e contente d’uvi quel cantiguinha.

Rua de Talione era um rua só de gente buldogne (artista que ta dá na tude cosa) e pa Natal, quês Buniquinha de Farrope era comprode pa tude gente de Soncente, quê tude quês mnininha tava gostá de sês Buniquinha de Farrope recomendode pa Nha Ninha, pa ca dás bonhe mode ês ca estragá.

Ma ta tinha otes cosa fete pa mon d’artista moda quês corre c’vulante cumpride fete d’arame ma de latinha de sardinha, c’panel fete pa Nhô Delfim lá na Ferraria de Jon Fliner e que tava fazê ligria de tude nôs.

Gente podia dzê cma quel rua era devera um rua só d’artista, quê gente daquel rua ca tava trabaiá na estiva, uns era mecaneque d’escola de Sr. Cunque, Oficina Naval de Puntinha, otes era fliner, carpinter, pintor, pedrer, caiador, não sem dexá pa trás nôs fazedera de Buniquinha de Farrope de rua de Talione por nome de Nha Ninha.

Uns tempe depôs, tcheu cosa bem mudá naquel rua, quê Nha Marquinha de Isabel Canhobá bem morrê primer, um semana despôs fui Nha Tchirla, sê irmã gema, pa tristeza de pove.

Martilhone cuntinuá ta mandá mesada d’Argentina pa casa e despôs el mandá bescá Tudinha, sê cretcheu. Marçalina bem tive fidje ma Djunga de Nha Nené e ês cuntinuá sempre morode lá naquel casa.

Nha Ninha, estimada de pove, inda vivê uns one lorgue, sempre ta fazê sês Buniquinha de Farrope, ijdode p’uns mnininha de gente cunchide de rua de Talione, que despôs d’escola tava ba pra lá prendê fazê quel traboi delicode.

Enton, linhode naquel baloie de tentê, ondê que Nha Ninha tava custumá pô sês Buniquinha de Farrope de venda, parcê más um nuvidade na mei daquês nome que tude gente já tava conchê, moda Bia ma Laia e Bia Jalanga. Pa recordaçon, parcê más dôs nome de Buniquinha de Farrope:

- Nha Tchirla, ma nha Marquinha d’Isabel de Canhobá.


Jose Figueira,junior

V O L T A R


Comentário:

Caro Zizim, Adorei esta estória que toca parcialmente minha gente e a minha rua de Talione. Em cada uma das tuas estórias há um pouco de nós mesmos sãovicentinos que se aponta acompanhado de tudo aquilo que um pouco que faz parte da nossa vida e que encorporamos numa única e linda palavra que é "MORABEZA". Esperemos que a nossa Ilha e a nossa gente um dia poderão encontrar de novo este sentimento tão caracteristicamente nosso e só nosso. Bem hajas Zizim! E mais uma vez obrigado por este trabalho magnifico que tens prestado á Nação Cabo Verde. Hoje é dia de voto e vou votar MPD porque COSA MESTÊ MUDÁ!!! Abs Tony

Tony Silva
tonysilva22@gmail.com

Comentário:

Zizim, Muito obrigado por mais esta soberba estória de Soncente de fim de semana. Como sempre já estava á espera da edição esta noite e como fan e leitora assidua não podia deixar de vir cá dar o meu palpite. Certo que sou jovem mas compreendo bem perfeitamente este sentido de humor bem nosso de outrora que não se encontra em nemhuma outra parte do mundo. És portador de uma grande mensagem e la vais ajudando moralmente o teu povo com estas magnificas lembranças da terra escritas num crioulo deveras forte apreciável e que a titulo de ensaio já podia ir sendo tomado como padrão. Sergio Frusoni e tantos outros lançaram a pedra da escrita de nossa lingua caboverdiana e tu és um herdeiro seguidor e como tudo na vida há em paralelo o que se chama evolução e a nossa escrita lá vai evoluindo contigo e tantos outros que ousam e porque não?! Bom fim de semana e que a força seja contigo. Abraços Gilda

Gilda Barbosa Leite
gildableite@gmail.com

Comentário:

Caro Zizim, Ri há dias bastante com a tua expressao de "cabelo ratchode mode livre" dos homens do povo de Soncente. Os teus contos em crioulo mindelense são maravilhosos e trazem-nos á memária aqueles tempos da nossa juventude e das nossas gentes tão simples. Bonita a estória de há dias do Papim e aquele quadro de caloteiro. Lembro me perfeitamente disso tudo pois eu estava sempre lá tirando conversa com o Papim e o Vasco. Reconheçoo que estás fazendo uma compilação de contos mindelenses para as futuras gerações ficarem sabendo comoé que conseguimos chegar até hoje labutando diáriamente para sobrevivermos! "Uns menos pobres que outros", foi a definição dada pelo escritor Brasileiro (se não me engana a memória) ao povo de S.Vicente. Mas a nossa amizade e maneira de ser vale mais do que todo o ouro deste mundo! É um prazer enorme ler os teus contos... naquele crioulo de Sergio Frusoni e nosso também. Que Deus te dê forças para continuares esta maravilhosa incumbência ... porque estás certo. Crioulo mindelense é nosso. Se bô crê bô crê... e se bô ca crê bô dexá. Essa "riola" de lingua crioula vai custar e lvar muito tempo, pelo que vejo. Aquele abraçoo de crioulo mindelense e que te agradece com sinceridade. Se não existisses... tinhas que ser inventado, pois fazes falta para nos trazeres o calor das nossas praias (Matiota, Baia das Gatas, S.Pedro, Flamengo...). ..."Bem bibê um puntchim, bem ardigá bô vida... bem fazê bo corpim sabe, oi" ... (Intentaçon de Carnaval)... saudades infindas da nossa cidade e das nossas gentes. Fraternal abraço largo como a nossa Baia do Porto Grande. Ninguem nos tira o nosso Monte Cara... Ah cale'... Tony Marques P.S. O tal escritor brasileiro foi Gilberto Freire quando passou e esteve connosco e disse também: - "Ja estou em Portugal mas em Cabo Verde me sinto ainda no Brasil"...

Antonio da Silva Marques

tonimarques29@hotmail.com

Comentário:

Dear Zizim, Cheguei tarde do meu trabalho nocturno mas antes de me deitar vim dar uma vista de olhos no Liberal e vi que a tau Storia já cá estava e aproveitei logo de lê-la. Nela como sempre encontrei uma multitude de referências e nomes que o meu compadre Artur que tambem le as Storias me disse: caramba moce nôs Zizim Deus ta leval sô sim quê el tem um mimória de boi. Precisamente Artur é sobrinho de Martilhone de rua de Talione que emigrou para Argentina. Esta sturinha está Top e obrigado por nos deleitar delas todos os fins de semana. Compila tudo isso e põe no Livro de Storias de Soncente. Uma delicia e fico sempre feliz nos fins de semana o que me tem ajudado sempre a empurrar a semana seguinte. Grande abraço nha broda e até a proxima. Terencio

Terencio Lopes
terencio.lopes@yahoo.com.au

Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Esse é um sturinha sabim chei de nome de pobreza ma de gente honeste e drete de nôs rua. Lembrá na ês é sempre bom pa evitá c'aquês gente de MORABEZA dum vez desaparcê de nôs mimória.Tudo nôs malta li na Rebera Bote gostá e ô ta djunte ma bô sempre nha broda. "You are the best". Grande braça Guey


Miguel M.Monteiro
mucimdereberabote@gmail.com

Comentário:

Linda estória cheia de recordações para a minha mãe que hoje até verteu umas lágrimas de saudades pela nha Ninha e nha Silva com suas "Boniquinhas de Farrope" que faziam a alegria de todos. Pois a mãe até hoje tem uma boneca daquelas de nha Ninha por nome de Bia Jalanga. Obrigado Sr.Zizim por todo esse prazer que deu á mãe hoje e a todos nós por cá. Porque sempre que acabam de ler os contos já se juntam aí para comentar as estórias ou cá em casa ou lá em baixo no barzinho da esquina preenchendo com satisfação os fins de semana. Um beijinho nosso Suelly

Suelly Fonseca
suellyfonseca17@gmail.com

Comentário:

Bravo Zizim de Djô Figuera, a estória está maravilhosamente bem delineada "nem um papinha c'lete". O teu crioulo está soberbo que até estou com inveja...ahahah é só para rir e metr um pouco de sépia. Parabens irmão continua. Abraço Chico

Francisco Almeida
chicoalmeida55@hotamil.com

Comentário:

My Big Brother Djô, Today you made may day. Antonita minha irmã adorava aquelas boniquinhas de Nha Ninha mãe de Candim. Excelente recordação rapaz e te agradeço sinceramente por todas essas lembranças que nos mateem vivos.Big hug Lili

Larry de Pina
LPINA1@tampabay.rr.com

Comentário:

Zizim, Hoje o dia amanheceu cantando com as Buniquinha de Farrope de Nha Ninha e de Nha Silva. Eu tambem quando miúda as adorava e pelo Natal tinha sempre uma que não sabia nem fazer com ela de tanto mimo. A leitura vai ser feita amanhã porque lá vamos votar MPD para que a coisa mude com Dr Carlos Veiga. Esperoq eu faças o mesmo. Pois sei que és um homem independente mas de muitisso bom senso democrático e amigo do teu povo e tua terra.Naturalmente. Um beijinho da amiga de sempre Yo

Yolanda Dias
yoldias@aol.com

Comentário:

Caro irmao das comunidades; esta estoria de (soncente na tempe de buniquinha de farrôpe), era tempe bom , alegre ,cheio de esperânça e respeito , coisa que jà deixou de existir , nesse tempo de agora . As criânças aceitavam , a sua buniquinha de farrôpe, com muita satisfaçao, brincando com ela, como uma outra criânça , que tivesse a sorte de obter uma (buniquinha de celuloide). Naquele tempo , nao havia ciùmes e nem inveja, sobretudo entre criânças , hoje tudo mudou ; a humildade , deixou de existir , para dar lugar ao odio , inveja , maldade e crueldade . As tuas estorias, nos fazem lembrar, os bons tempos, que jà nao voltam mais . Aquele abraço e bom fim de semana . Um irmao das comunidades !..

Joaquim ALMEIDA
soalmeida@free.fr

 

V O L T A R


Comentário:

Zizim meu querido, Quem me dera no dia de hoje, deixar por um momento este ritmo de Copacabana e poder dar um mergulho até nôs Soncente para ir visitar rua de Talione também conhecida como rua de Suburbana afim de poder recordar todo este movimento sincrono de personagens cheio de MORABEZA que pões nas tuas Storias.

Esta de "Buniquinha de Farrope " então está mesmo Top. Isto é, não só bem escrita naquele bom Criol de Soncente como também muito bem orientada até me fazes sinceramente lembrar Jorge Amado pela maneira como pintas os nosso afectuosos personagens que sempre fizeram e farão parte da nossa vida.

Os meus sinceros parabéns por mais esta crónica que tanto nos ajuda a viver a nossa aculturação por estas terras da Diáspora. Que Deus te dê força para continuares meu querido.Um beijão IO

Iolanda F.Antunes
iolandantunes@yahoo.com.br

Comentário:

Zizim, Fiquei mesmo feliz de ler esta estória pois sou daquelas que como muitos outros dado á pobreza dos nossos pais recebiamos todos os anos para o Natal como prenda uma Buniquinha de Farrope toda novinha que me enchia o coração de alegrias e sonhos de infância sem me preocupar com as riquezas efémeras deste Mundo adverso em que vivemos.

Pois sabia valorizar aquele esforço que faziam os meus pais naquela época. Gostei imenso e em especial detas pelo facto de teres mencionado todos este personagens da nossa convivência porque cheguei ainda a conhecer e bem Nha Ninha Paris, Nha Silva de Toi Pumbinha, Nha Bia bem como a familia de Martilhone Canhobá, grandes amigos dos meus pais que viviam na rua de Moeda.

Como vejo, graças a ti o nosso Mundo vai pequeno e cheio de lembranças maravilhosas e lá vais nos tocando no mais profundo dos nossos afectos. Tens toda razão quando dizes que a gente de rua de Talione eram todos de uma rua de artistas que de boas recordações dos carrinhos de arame, arcos, navios de cana de milho e pena de galinha e as nossas simples mas célebres lindas Buniquinhas de Farrope.

Estou certa que hoje lá na Associação o povo vais adorar. Many thanks Zizim and God bless you. YO

Yolanda Dias
yoldias@aol.com

Comentário:


Eis mais um daqueles quadros repletos de vivências e realidades mindelenses que o nosso artista vai buscar a esse grande e inesgotável baú que é a sua memória.

Pessoas reais ou ligeiramente retocadas com recurso da imaginação, acontecimentos verídicos ou simplesmente inspirados na temática social local, o certo é que tudo é perfeitamente verosímil nestas storias, daí que todo o natural de S. Vicente as vem lendo com o deleite de alguém que viaja ao passado sem sair do lugar onde está.

Por vezes, parece haver uma certa diacronia entre as peças da narrativa, mas no momento próprio elas encarregam-se de encontrar o traço de justaposição com o contexto da storia e com a ilação emergente dos factos e realidades que a recheiam.

Desta vez, temos na Rua de Talione o epicentro de um mundo rico de humanidade na sua intrínseca pobreza, onde as vocações profissionais ou os simples buldognes se descobrem e se amplificam na efervescência de sons e rumores que se repercutem em toda a urbe como um acústico cartão de identidade.

É onde nascem as "Bunequinhas de Farrope" às mãos e à imagem pessoal de ternurentas criaturas que são parte inconfundível dessa humanidade. Dão vida a "Bunequinhas" em quem certamente se revêem em corpo e alma, insufladas das mesmas emoções, sonhos e expectativas que tiveram nas suas moças idades.

Nha Tchirla e nha Marquinha não morreram, não senhor, continuaram a nascer todos os dias na rua de Talione do ventre materno de outras ternurentes criaturas, assim se perpetuando um legado de amor e solidariedade.

Memorialista do povo da nossa ilha, o Zizim, juntamente como o Valdemar Pereira, o Napoleão Duarte e outros, é um artífice da grafia do nosso crioulo cuja oficina tem o carimbo da rua de Talione, da rua da Praia, de Fernando Pau e tantos e tantos lugares desse mundo inconfundível que foi o Mindelo de outrora. Força amigos!

Adriano Miranda Lima

 

V O L T A R


Comentário:

Caro Zé Figueira, Há muito que venho seguindo as tuas crónicas e acho que já era tempo de me manifestar.Entre muitas outras que venho compilando no meu especial repertório Zizim Figueira, esperei esta sobre Buniquinhas de Farrope para te exprimir toda a minha afeição e te fazer os mais rasgados elogios alusivos a todo este trabalho de fundo que vens fazendo com perseverança e muita serenidade melhorando cada vez mais a tua escrita o teu estilo e arte de te exprimires na tua/nossa Lingua Caboverdeana.

Todo o trabalho bem feito merece apoio e recompensa.Por isso e para isso, tens aí todos os méritos. Pensa sériamente a por as tuas crónicas num Livro para que as novas gerações possam um dia saber. E, mais porque assim incorporas nele eternizando tudo o que temos de socio-cultural e histórico.

Se precisares da minha ajuda podes contar comigo e manda me o teu telefone por este mail.Pois vejo que nunca o Ministério da Cultura te abordou sobre o sujeito o que é alatmente lamentável depois de mais de cinco anos de um excelente trabalho.

Mas continua porque um dia serás relembrado Para completar digo te que este tema está muito bem desenvolvido na tua crónica o que é relevante e altamente apreciável exortares estas coisas da nossa terra e destas nossas gentes que continuam fazendo parte dos nossos afectos.

Parabens e força para continuares mais um Xi-Coração apertado Manuela

Manuela Pinto
manuela.pinto@clix.com

V O L T A R


Comentário:

Pois é amigo Zézinho, O Mundo é mesmo assim, há quem goste e quem não goste! Mas eu gosto e a maioria que eu conheço também gosta e adora as tuas belissímas e ricas estórias.

Pois elas para além de serem de um grande valor Cultural Caboverdiano, também veem sendo o baluarte na defesa da escrita da nossa Lingua que meia duzia de pseudo intelectuais querem matar em vez de procurarem consenso e diálogo que não sou contra.

É tão lindo o nosso Crioulo que ás vezes pergunto porquê tal e tanta tentativa incoerente de genocídio cultural baseado num "Bairrismo" que bem digo e não num "Regionalismo" tal é o nosso caso porque sou Santiaguense e sei e tu sabes que é apenas meia dúzia que veem tentando dar cabo dele e não todo o Sotaventista.

Sou pela escrita normal do Crioulo num alfabeto completo sem quaisquer alterações empregando-se o "K" normalmente onde se poder achar que se deve empregá-lo para facilidade de escrita.Assim poderá haver consenso e não atitudes fascisantes de imposiões absurdas.

O Povo de Cabo Verde é um sò Povo.Agradeço-te do fundo do coração meu caro Zézinho porque sei contigo se pode discutir.Linda estória de valores e muito bem escrita.

Mantenhas Zeza

Zezinha Fontes
zezinha.fontes@cvtelecom.cv