MÃE DUM VEZ E NÔS EDUCAÇON NA VIDA DE NÔS RUA

Um vez, na tchon de Soncente, moda era custume, mnines tava nascê, criá na sês rua na tude um liberdade djunte ma sês culiguinha de sempre, cada um c’um storia prop de sê vida ma de sê rua pal contá e que tava companhal tê vrá home grande, pa depôs um dia el pudesse passá quel boa mensaja na tradiçon de grande pa piqnim e de geraçon pa geraçon.

Assim nôs de rua de Sá d’Bandera, pamode quel boa infância que nô tive passode deboxe d’asa de nôs santa mãe, cada um na sê tonte, sem stora nem complexe de nium espece que seja, de pobre ô rique, prête ô brónc, marel ô otes côr que Deus betá nesse munde, quê lá nôs tude era djizesame (mesma cosa)e tava vivê, entrá one sei one, naquel boa paz e harmonia dum vez.

Assim, gravode na funde de nôs coraçon, nô tem também nôs stora pa contá pa recordaçon e passá quel mensaja pa geraçon, pas fecá também ta sabê cma recordá é vivê!...

Nascide, registode, butzode e criode chei de “morabeza” na nôs rua, deboxe de cuidode de tude quês mãe sem igual nem rival na munde inter, disposte a partilhá, mesme deboxe de sês pobreza, tude cosa de vida ma vezim sempre qu’ocasion tava parcê, ma sês fidje e fidje dos’otes sem espiá cada um na cara e, um puntinha de rebuçode tinha que tchegá pa tude gente pa ninguém ca fecaba desfrençode.

Mãe daquês que brazá que sofrê pamode rigor daquês pai “motche”, mãe trabaidera, mãe de rigor ma seriedade, mãe fiel, ma mãe também de “coraçon grande tamonhe de munde” que tava cuidá de nôs tude na respeite ta beto’n quel “bençon” ê daquês mãe que nunca no podê esquecê. E hoje em dia, tê ta perguntode c’tude ês mudança que tem tide nesse planeta se tê inda ês ta continuá ta existi na nôs terra?! Mãe de pobreza, ma mãe de grande riqueza de espirte na solidariedade prop de tude mãe de Cab Verd que nô convivê e conchê naquel tempe! Mãe, sempre mãe!

Pa nôs menine de terra daquel época, pamode quel bom educaçon que nô tive limitode pa nôs espirte d’insular, tude gente nesse Munde era bom e, ca tinha gente mau.

Ma, inda bem que tive quel mei de Baía de Porte Grande que dá tcheu fidje de terra chance de sei pa lorgue pal bá oiasse realidade de Munde, n’otes terra ma c’otes gente, p’abril horizonte pal podia realizá na estranger e tmá fê cma cosa de vida era diferente. Quê pa nôs, na tude nôs inocência e dente de realidade de nôs terra Soncente, creditá quem crê, gente brónc era tude aquel que tivesse dnher e nada tinha haver que stora de côr de pêle!!!

Inflizmente, esse shocking realidade de diferença de côr ma raça, gente bem tmá fê del sô quonde nô cumeçá ta frequentá otes tipe de gente, ô bem ta tchegá p’ês terra piaboxe d’Europa, Merca, África etc,etc. Cosa que tê tava po’n problema de consciença, a ponte de nô tchegá perguntá nôs mez:

- Porquê que nô há de pertencê esse espece “animal” que Deus betá na Munde e que ta dzê ser Intligente, Racional e que ta situode na Top de cadeia alimentar por nome “’d‘Home” ?!

Bzote desculpame de feji um csinha desse tema, quê esse xplicaçon tinha de ser(queston de feeling), quê cosa ca amdjorá em nada dês daquel tempe tê data de hoje, quê quonde m’ta pensá manera que cosa era um vêz e moda quel ta agora, um home ca podia fecá calode sem manifestá sê profunde tristeza.

------------- Ma, sapatinha mar aboxe e cônte vai atraz. Ma piqnim ta ba panhá, ma grande ta bá cercá!...

Tude esse Storia de vida de nôs rua tem que ter quel sabôr, quê el é dedicode especialmente pa tude aquês mãe de nossa que crio’n, mesme s’uns tinha más qu’ote, ma sempre c’aquel preocupaçon d’ensinone respeitá, partilhá tude c’morabeza nôs que nôs e ma otes culiguinha, sem nunca fazê’n senti ô notá nôs diferença c’aquel amizade, paz, amor e harmonia na sês pureza d’alma que pa nôs sempre passá p’arriba de tude cosa triste desse munde.

Hoje em dia é prop um tristeza passá naquês rua tude baziu, rua cum vez era sempre chei de pove de plumanhã té de note.

Quonde um ta ba vesitá nha terra, durante tude quês dia um ta ba fecá lá um bocode na cumpainha de nha madrinha Laura ma sê rmã tia Lili, pam podê vivê ta recordá e uvi tude quês son dum vêz de mnine ta gritá, ta corrê, quês mãe ta tchemá cada um naquel hora de entrá pa casa. Madrinha Laura ma tia Lili é quês dôs unique sobrevivente daquel rua que dantes era chei de vida, côr e dum grande riqueza de movimente.

Mi lá sentode naquel mutchinha (bónc) que tia Lili po’m lá na rua pam sentá, de vez inquante tava bem-me na mimória uns passája moda rajada, daquês grite de momente, de tude quês mnine que nô brincá e criá djunte lá na nôs rua de Sá d’Bandera sem merrinha, moda :

- quês gema, Totoi-Munzinha ma Djunga de Nha Da Luz d’Eduarde, Côrre de Nha Laura, Antone de Zabel, Tlia ma Gaby, Lili de Nha Ginha que nô butzaba que nome de Rudolfe, Lorençe Pilinha, Curuca de Nininha, Titina ma Bertole d’Nha Mari Guimar, Maria, Ilidio (Ungá) ma Manel de Nh’Antonha de Ceril, Pole ma Pirra de Nh’Antuninha, Stanislau de Briza cunchide más pa Lau (Bizen Taizen ô Staniz Briza), Nuna ma Ninina, Euriza de Nha Rosa, Amâncio de Nha Rosa Mendes, Valim Viroboi, Henrique de Nha Lorença e mute mas otes que ca ti ta bem-me grinhassim na mimória, ma que fecá pa sempre gravode moda irmon na nôs coraçon.

Também tinha tude quês rebera de “mantia”, mãe e madrinha de bençon moda Nha Laura de Gaspar ma sê rmã tia Lili, Nha Rosa Mendes, Ti Da Luz d’Eduarde, Tia Nizinha Bandera, Nha Carlota Araújo, Tia Djodja de Guste Maderense, Nha Mari Guimar, Nha Ginha de Nhô Pedro Badiu, Nha Zidora ma Bia, Nh’Antonha de Ceril, Nha Djodja de SaNinclau, Nha Da Luz de Pidrim Cruz e más e más, não sem esquecê nha mãe Bia Figuera que também fazê parte de tude ês santa mãe que tude dia que Deus tem na cruz, lá na nôs rua tava rogo’n sô boas pragas e Onje de Nôs Guarda ma Sonte de Nôs Nome. Cosa sagrode que nô tava ceitá c’aquel grande respeite, quê quonde no nascê nô otchal.

Foi prop assim que nô foi criode, sempre protijide paquês oie vive na melon de Mãe que nium de nôs tava consigui escapá. Basta qualquer mufneza, recode tava tchegá na casa sempre antes de bô. Ma, ca tava estorvo’n continuá ta fazê nôs picardia (sem maldade) e de vivê um vida fliz.

Assim, tude dia log cidim, menine tava juntá pa bá pa escola e datarde ora que escola tava cabá, nô ta tinha quel pressa de sei ta corrê pa casa pa ba fazê nôs cosa de escola c’ás vêz tê era fete pa camin. Prendê rapte nôs liçon, sô pa na fim quonde tchegaba quel hora, pa nô pudesse uvi quel mãe perguntá se cosa de escola já tava fete? Log aquel resposta de sim Senhora tava sei de funde de nôs guela c’um força de matá, enton Mãe tava dzê fidje :

- já quê assim, cma já bô fazê tude bôs cosa de escola, agora bô podê ba brincá um csinha na rua.

Enton, rua que tava cubri área de nôs brincadera, tava branji dês de Padaria de Matos, Praça Estrela, Rua de Matador Bêdje ma Nove, Plurim de Pexe, Praia de Bote, Rua de Praia, Rua de San Jon ma Rua de Sant’Antone também cunchide pa rua de Canecadinha depôs Rua de Matijim, Rua de Travessa de Praia, Rua de Sá d’Bandera, Rua Da Luz, Rua de Moeda, rua de Talione limite Rua de Côque..

Naquel bocadim de tempe que tava ba de cinque hora datarde tê sete hora e meia da nôte, hora que tude menine tinha que entrá pa casa, bá lavá pê ma mon, jantá, xixi, detá mode escola na dia siguinte. Era um verdader maratona, quê no tinha d’inventá tude espece de brincadera que podia be’n n’ideia pa cobri quel espace de tempe!...

Pa mucim, cma Sol inda ta estode quente era quês juguinha de futebol de bola de meia, dez trocada vinte cabada c’ás vêz nem tava cabá e tava fecá de faxon pa ote dia naquel pelada traz de Corete de Musequa de Praça Strela, lode de Corte de Tenis de Mindelo, ô enton quês juguinha rapte naquel praçinha de cemente de Nha Fina de Niclete, goitada pliça.

Nhor’Deus, ô tonte topada espancode na jogue, naquês tchon de Mindelo mei areia mei calçada c’aquês unhona ma sola de pê escuode. Era log um afronta de matá na mei daquês juguinha, suode, cansode sem lei nem rei, ondê que tude nôs vontade era de ijgá, podê partcipá e sobretude podesse shutá quel bola.

Pa cada topada dode na tchon de jogue c’um de nôs desuriantode de dôr ta esfregál, tava bem log um cumpanher chei de boa vontade ta corrê socorre’n pa ijdone pará quel sangue ás vez infiode ta escuá. Pa consolone, el tava dzêne:

- Dexam oiá moce, dexam oiá, dexam xixibe na el pal podê curti. Depôs el tava beto’n quel tirrinha fine panhode lá mez na tchon, dá el tava curá. E dvera dvera, quel tirrinha tava fazê milagre.

Ô enton, também tinha mar pa soluçon e ás vez era dá de sola pa mar, bá lavá quel pê de topada o que talvez foi sem nô sabê um daquês amdjor soluçon pa nôs tude!... Quê pa sorte cosa que tive ê que nunca nium de nôs morrê de teta (tétano), na mei de tude quês risc inocente que nô tchegá de corrê. Queston de sorte?! Talvez?! Deus ê que tava gordá cada fidje de parida.

As vêz também quonde bola de meia tava falto’n tava usode bexiga de porc na nôs juguinha tê el frá!... Ma, tinha otes divertimente moda jogue de Pica-Pau c’aquel roda fete que giz na tchon mas ô menes c’um metre de diâmetre e quel taca grande de pau dum metre que tava pegode na mon, e quel puntinha de pau duns dez centimetre bem labrode naquês dôs ponta.

Tava rancode quel jogue dente daquel roda de giz, cum tacada forte bem certode naquel puntinha de pau betada pu’ar, depôs gente tava cuntinuá ta ijgál sempre naquel ritme de dá tacada naquel puntinha de pau, pa bá ta leval mas longe que jogador pudesse e n’era pa falhaba tacada. E quonde um jogador tava guentá tcheu tempe ta ijgal sem perdê, nôs menine pa galantaria nô tava tchmal dá “bebéba” !

Ma também ora que tava falhode quel tacada naquel puntinha de pau tava pirdide e lá log ote cumpanher é que tava tmá mon de jogue e cumeçá ta ijgá c’tude gente pa trás ta siguil tê el perdê sê mon de jogue, pa ote podia ijgá. Era um verdader obra d’arte pa manobrá quel pauzim naquel juguinha que tude nôs tava gostá d’ijgá e que pudia durá tcheu tempe se nô era hablidose.

Depôs tava ijgode Rudiada-Pau, quê moda basebol mercone, trada tacada c’mon nu e cru nuns bolinha de meia fete pa nôs mesme. Jogue qu’era bastante nimode e tava tem tcheu assitência sobretude pa bá oiá quel hablidade de “sucará um ijgador na boca de tac ” (fazel perdê jogada). Uns era sucarode na boca de tac pultada quel bola log lá mesme na rancar de tacada ô enton, pultada quel bola de longe e rufenal c’força pal espancaba naquel ijgador inda na corrida e, se bola espancasse n’el, el tava perdê.

De nutinha era currida rudiada rua pa desafiu entre nôs e menines d’otes rua. Nês currida o que era bnite d’oiá e sinti era quonde nô tava somá ta bem na nôs rua, um ta bem derriba ote ta bem deboxe c’tude nôs culiguinha ta grito’n nôs nome pa no pudia dá quel best e esforçá pa tchgasse primer na meta, pa gloria de nôs tude e nôs rua. Nô era tude piqnim, ma naquel hora nô tava sinti grande, sobretude quonde no tava ganhá contra mnines d’otes rua.

Também tava brincode otes brincadera moda“stickout ô hands up” imitada quês filme de cowboy d’Eden-Park que nô tava uvi contá pa quês moce mas bedje de nôs rua. Tava brincode sport ma bandide, mangatchada ondê que tava contode pa trá sorte, cantada quel :

- Um dó li tá é de mendá o senhor calorêto um dó li tá! ô duna duna. Se conta caíba na bô, bô ê que tinha de bá corrê pa panhá tude gente na mangatchada.

Tava fazide também currida de barata dente daquês caxa de papelon, ganhada pon de trança c’mel dá lá de rua de Matijim, na Dminga badia que sês dede suje de sirê qu’ela tava usá pa frá gente quel pon trança pal podia betá quel caniquinha de cinque toston de mel prop sabim que tava fazê ligria de tude menine, cosa que nôs tude tava gostá.

E cabá, Dminga o que tava fazê tude mnine gostá del é que na tempe de exame, ela tava bá ta betá gente quel cinque decilitre de mel de cana d’açucra binde de SanAnton, naquel bróc quel ta tinha fete nôs na nôs pon de trança e ela tava bá ta corre’n mon na cabeça, cada um sê vez ta rogo’n boas pragas pa exame podia corrê’n drete. Enton, cma ela era Mãe também, ela tava pô ta rezo’n um refron já bastante cunchide de nôs tude, chei de Morabeza:

- Minino, Deus bençuau e ta dau um bom ciência n’ideia, pa bu podê passa bu exami lebi e Anjo di Bu Guarda Santo di Bu Nomi ta companhau sempre.

Cma jal sabia e el tava sinti cma dentre de nôs mesme nôs tude tava fecá contente, assim el sabia cma nô tava torná voltá pa bem comprá sempre la na el.

Nôs sempre na depressa de bescá brincadera que fazê c’note sempre ta vançá. Enton, na escure era hora que pirraça tava começá, nô tava sei que nôs grupim ta tocá na sineta de casa de gente, ô ás vez no tava fingi brigá nôs c’nôs c’um pau borrode na cáca de catchorre já pronte pa quês curiose que tava juntá pa bem parti ô sisti nôs guerra ranjode pa quel fim. Lá, nô tava estendês quel pau e pedis pas pego’n n’el. E, quonde pessoa tava estode bem pegode, nô tava puxás quel pau de mon c’força, dá ês tava fecá c’mon tude suje de cáca de catchorre e nôs, nô tava trá log que pê na vente.

Ma as vêz loreta tava sento’n pele, quê quonde era gente que tava conche’n ês tava bá log fazê quixume na casa, mode nôs, que tá ta tinha curride.

Assim cma recode a ta tinha tchegode primer, nôs quonde nô tava tchegá na casa, Mãe tava labardo’n corpe daquel lote de três perna que tude ês ta tinha espundrode num pregue de parede de casa, sempre pronte pa trabaiá. Quês lote lassim era especialidade de sapataria de Nhô Raimundim de Rua da Luz.

Pa quês mnininha, brincadera na tempe de calor sobretude naquês note de luar bnite prop de nôs Mindelo era roda roda cinque cantin, ondê quês tava rancá sempre c’aquel data de cantiguinha moda:

- Sapatinho delicá…licá…licá…ôdju pa cêu…olal…olal!… Ô enton ês tava pô ta ijgá ringue, brincá putim, dá d’azête sentode naquês bónc cumpride pa betá cumpanher fora, fazê mûntim de catchorre, coitode de quem tava fecaba por boxe etc…Cosa que nôs mucim nô tava cumpanhá e partecipá também.

Ma daquês brincadera que tude menine tava gostá más e qu’ás vez, tê gente grande tava brincal ma nôs, era Trividinha é quel em que bô tinha fazê atençon e ser rapte na resposta. Assim, um de nôs tava rancá c’aquel refron qu’era:

- Trividinha ê quel qu’entrá na casa de nhô padre robar um pê de mejêricão, padre feri um? Assim, pa depressa, bô tinha que respondê se bô é qu’era nº 1 (um) e rapte de munde, aquel:

- Nosse tal! Tava perguntobe bô, pusquê? Bô tinha que dzê Tupa (pa dobe tempe de pensá bô resposta) e respondê:

- Padre feri dôs e nº 2 (dôs) tinha que pegá e respondê mesma cosa e bá ta passá palavra pa nº3 (três) etc. Se bô perdê, bô tava bá pa robe de fila e torná cumeçá etc, etc.

Depôs de tude ês activdade e já na luzc’ fusc ta cambá pa note escure, nôs tude já cansôde t’oiá hora de bá pa casa ta bem ta tchegá, ma sempre c’aquel graça de fecá na rua mas um csinha ma nôs cumpanher.

Sobretude era quel hora mas sabe que nôs tude já um bocode cansode tava juntá, pa bá uvisse quês moce ma mnina mas bêdje de nôs rua, contador ma contadera de “Stora... Stora... Fortuna de Céu Amen!” sabim dmunde, moda Pole ma Pira de Nh’Antuninha ô Uriza de Nha Djodja de SaNinclau que tinha quel dom especial de juntá nôs tude, mesme quês mas regaçode, na volta dês num silence pa basse betá nôs sô quês sturinha sabim d’incantá mnine, num mistura de mede ma curiosidade trançode c’aquel munde de sonhe, prop de nôs idade.

Enton ês tava sentá nas calmas naquês praçinha de cemente de nôs rua que nôs tude rudiode na sês pê, t’uvis ta bá ta betá quês Stora de Ti Lobe ma Ti Ganga, Ove C’um Cmê C’um Ca Bibê, Chibim, Jon Que Non Tem Mede ma Jon Pulpinha, Capotona, Canilinha, Mîdim ma Medon, Quel Home Di Tchapeu di Panamá e más e más sturinha que nunca tava cabá. E nôs tude tava gostá mesme se jás tivesse el contode dez ô más vez.

Pa ca pelaba oie, moda tradiçon tava mandá, Stora era contode sô de nutinha ora que Sol cambá. E, tude ês tava começá pa quel tradicional Stora Stora Fortuna de Céu Amen c’ ma piqnim ta bá panhá e ma grande ta bá cercá.

E nôs, nô tava entrá pa casa que cabicinha chei de sônhe prop de menine, ás vez sem uvi fim de Stora. Quê hora de fim de brincadera tava tchegá e ês tava do’n log quel bom grite pa entrá pa casa. O que era log um chatisse, sem quel Stora cabá e, nôs tude tava fecá prop triste e xatiode.

Quê hora d’entrá pa casa era sagrode pa tude menine de nôs rua e sem rabica. Assim, na dia siguinte tinha de fecode ta esperá de note fetchá, pa cumpanher podia cabá de conto’n reste daquel Stora que nô ca ta tinha uvide sê fim de vespera e que tava interesso’n tcheu!...

Ma lá já ca tinha ramisson, log que nôs mãe tava pô ta grito’n buquinha da note, já nô sabia cma era sete hora e meia, hora sagrôde d’entrá pa casa e, cada um pa sê ponta ta sigui quel movimente num obediença sem gaguejá d’alma bem grande.

Honra pa tude quês mãe de terra que sube betá cuidode na nôs, ijdone criá e que sube transmiti’n, ás vez mute dês sem sabê lê nem escrevê, um sem numbre importante de valor moral que nôs sempre na nôs humildade sube respeitá e procurá bá ta passá mensaja.

Mesme quonde ês tava do’n quel fala e que nô tava fecá xatiode ta tchiá que graça de fecá mas um csinha na rua, ma sempre na respeite de menine pa gente grande, nô tava entrá dritim pa casa sem gaguejá, nem espiá pa trás, quê nô sabia cma era pa nôs bem e que naquel ote dia, era dia de escola.

Zizim Figuera ( José Figueira,jùnior )

V O L T A R


Comentário:

Broda Zizim, Um bom dia domingo com muita saúde e força para ti.Pois por cá em Sidney-Austrália já são 5 h 45 da tarde. No entanto o tema desta storia sobre "Mãe" que é bem grande e sempre de actualidade, está muito bem gerida por ti através da tua excelente escrita na nossa lingua cabo-verdiana. Ela caiu-nos bem e transportou-nos a todos, nós os filhos das nossas ruas de outrora, ao mais recôndito do tempo passado nelas junto aos nossos colegas e nossas boas, para não dizer como tu "santas mães". Ôh moce, ôh que SODADE!!! Bons tempos que penso já não voltam mais. Mas que sabe? Se a tua mensagem for bem curtida pelas novas gerações, talvez guardemos sempre aquela esperança que um dia tudo vemha a entrar na ordem e que as ditas ruas se preenchem de novo de meninos aos gritos bricando roda-roda cinque cantin, reanata, rudiada-pau etc. Pois enquanto há vida há lida. Bem hajas broda Zizim! Obrigado e recebe aquele abraço de todos. Terencio

Terencio Lopes            terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, cumpanher e irmon de criaçon de nôs rua de SanBandera, hoje já bô intchime nha dia nesses stoiria c'tude ês bons lembrança que ta fazen tonte sodade qu'até um ca pude de dexá de vertê uns lágrima pa oie, pa tude nôs mãe que dvera crion, apesar de nôs pobreza, deboxe de sês asa c'tude amor e carinhe e moda bô dzê sem espiá cada um na cara. 'M gostá tcheu e haja vida e saude sempre nh'irmon. Um braça tamonhe de munde de bô broda Lili

Larry de Pina             LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim, Adorei esta récita e cá estou para te parabenizar de todo o coração. Pois todos nós estamos envolvidos neste saga conjuntamente com a nossa malta e com todas as nossas mães e os devidos qualificativos que seriam bem poucos para enaltecê-las. Obridago por me fazeres reccuar no tempo e pela tua memória que me traz sempre a cara das pessoas quasi que apagadas da minha. Bom domingo e rijo abraço Tchida

Alcides Brito            tchidabrito@live.com


Comentário:

Sr.Zizim, Há muito que não tinha aparecido por cá, mas continuo lendo e fazendo cópias para os que não teem computador cá no bairro e como são muitos agora somos 6 a fazê-lo, pois assim todos os domingos após leitura associativa, cada um leva a sua cópia para casa e leem para outros o que tem sido genial pelo número incalclável de fans que tem agora e de todas as Ilhas de Cabo Verde o que se tornou deveras interessante. Adoramos a storia e houve muita sodade manifestada no meio da nossa coumnidade cabo-verdiana. Forte abraço Suelly

Suelly Fonseca                suelly.fonseca@netcabo.pt


Comentário:

Zizim Nh'Armon, - Bô stória d’oje lembrá’m, c mut sodad d nhâ temp d criança. Kand ‘m tâ falá d nhâ tempe de Soncente, de nhâ 12 tê 20 na, ‘m tâ falá nâ criol de Soncente, má kand ‘n tâ lembrá d nhâ temp d criança, ‘n tâ falá nâ criol de Djarfog. Bu storia lenbrán di nhâ infáncia. Tudu bu stória ê um stória de bardadi, di bida ki tudu nós vivê. Nâ nhâ tempu era mesmu cuza. Kandu ‘n tâ tchigaba nâ caza ku nhâ amigu KAKARINU DI BODÓNA, dipôs di scóla, tudu nós tâ tumába bensôn di nhâ má y di tudu guenti bédju ki stába djuntu: - “Déus tâ cumpanhabu ! Bu anju di guarda tâ guardabu !” tudu mundu tâ fraba.Ê kês main,cumó bu main, ki'nxinanu um cuza ki kunpanhanu tutu bida: - “Nhô ó nhâ dá’n benson, si fass fabor,sin senhor, sin senhora, obrigadu bu debê frâ sempi pamó nunca ê kâ dimás!”Ê sin ki nós guenti grandi ‘nxinaba nós, ki du ten guardadu nâ nós cabeça y ki tâ guianu pâ restu di bida.Bu sabê, ZIZIM, ‘n tem um fidju ki ê juiz di direitu. Êl tem 33 anu di idadi. Si ele tchigâ pertû di mi y ‘n stâ konbersâ ku arguên, el tâ dá’n um bêju y el ta frâ pâ nhâ amigu: “Bença tiu !” ‘N xiná’l desdi pikininu ki si êl pidi bençon pâ guenti más bedju, menor cuza ki podê kontisê ê arguên dezejá’l um bem. Bu crónika di oji lembrá’m ki kandu du tâ fazeba arti nâ kaminhu di caza dispôs di scóla, kel notísia di nós arti tâ tchigaba antis bi nós nâ nós caza. Nês tempu, ‘n temba ês amigo Kakarino. Mi ‘n nassê nâ dia 1 y el na dia 2 di agostu. El era fidju di Bodóna, pescador. Nós pá ku nós má era mutu amigo embora nhâ pá era procurador judicial e sê pá era peskador. Nâ kriaçon ki nhâ má dánu, era tudo igual y el tâ fraba : - “Tudu mundu nessê nu... !” Nhâ má só tem quarta classi má era um sábia ! ! ! ! Kandu du tâ fazêba argun cuza nâ caminhu di scola tê tchigâ nâ caza, kel kêxa djâ tchigaba nâ nhâ caza antis di nós. Nhâ má tâ dába un surra nâ nós dôs, dispôs du tâ armuçaba, dispôs du tâ fazeba cuza ki du trazeba pâ fazê nâ caza y dispôs du tâ bá brincaba nâ praça. Di tardinha du tâ bába nâ caza di Kakarinu y sê má, mudjê di peskador, tâ tratába nós kumó dôs fidju. Era ôtu surra nâ nós dôs. Antán, du tâ andaba nâ linha pamó si du fazeba cuza erradu, era dôs surra di cada bês... Nhâ má ku nhâ pá sabeba di tudu. Um dia, ‘n razolvê fazê kêxa di surra ki má di Kakarinu dá’n. Nhâ má frâ: - Manhan bu tâ lebál um óbu pâ el fazê gemada pâ el ficâ más forti pamó el sotábu mutu pôku. Nunka más ‘n fazê kêxa di surra di má di Kakarinu. Ês bem kerer y amizadi ki kâ tem más ... ! ! ! Djâ tchigâ pâ ôji. Ki sodadi di quês nós tempu di mininu. Muto mantenha di Vavá di Nhâ Nita

Vladimir Koening               v.koening@uol.com.br


Comentário:

Oh .. (irmao d'nôs comunidade) ;Hoje a tua estoria é diferente e tao rica ,nao so no seu sentido como também na diversidade. ( Mae d'um vez e nôs educaçon )! Foi a primeira e a melhor educaçao que houve naquele tempo . Na verdade havia respeito as criâncas obedeciam, tinhamos mêdo de faltar alguém que conhecia a nossa familia ,porque senao ( era lote ) -qu'onde nô tà t'chegâ na casa - e bô tà levà d'lôte câlâdim !....Muf'nêza de menine naquele tempe ,era um muf'neza sô pâ pirràça e sem maldade !.. Hoje êsse muf'neza d'agora ê cheio de màs intençoes, com armas e outras porcarias ,que nem vale a pena mencionar . A tua estoria , fazendo-nos relembrar aqueles bons tempos e que seria tao bom se ela pudesse servir de liçao para esta nova geraçao . Mas os tempos sao outros e ninguém tem a varinha màgica, para combater o que é de negativo para a nossa sociedade ; Aquêle abraço do irmao da comunidade ; Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA              soalmeida@free.fr


Comentário:

Caro amigo Zé, gostei muito como sempre, ler as histrias é reviver os dias de meninos, amizade que tinha-mos na aquela alatura, a irmandade que tinha-mos, não a dinheiro no mundo, que paga a nossa amizade.Daqui vaie aquelo abraço amigo Januário

Januário M.Soares                jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Caro Zizim! Com’ é um stora de Soncent, ‘m podê classefica’l de “GREAT”. Como sempre foste genial, transmitindo-nos emoções falando das nossas mães que podemos chamar de heróis tanto o espírito de sacrifício para seus filhos é incomparável, tendo em conta as dificuldades da época. Depois, como uma maestria que é preciso reconhecer, lembras-nos, numa escrita perfeita, vários aspectos da vida naqueles tempos e de que lembro com saudades e uma “lágrima no canto do olho”. Agora, digo-te! Ultrapassaste-te quando nos lembras todas as nossas brincadeiras (corrida pau, mangatchada, pica-pau, “stickout ô hands up”, mas também apreciei muito quando nos lembras que os nossos antepassados diziam que histórias só podiam ser contadas a partir de uma certa hora da noite “pa ca pelaba oi”, etc. E o “lote de 3 perna de nho Raimundim”? Esse texto é como sempre uma preciosidade e espero que alguém terá um dia o bom senso de propor que teus textos façam parte da matéria escolar já na instrução primária e que venhas a ser reconhecido oficialmente como aquilo que realmente és: um dos grandes escritores modernos cabo-verdianos.

manuel delgado                    manuel.delgado@sapo.pt


Comentário:

Boa Zizim tu contaste quase tudo da vivência infantil daquela área que inclui a Padaria de Matos, Praça Estrela, Rua de Matador Bêdje ma Nove, Plurim de Pexe, Praia de Bote, Rua de Praia, Rua de San Jon ma Rua de Sant’Antone também cunchide pa rua de Canecadinha depôs Rua de Matijim, Rua de Travessa de Praia, Rua de Sá d’Bandera, Rua Da Luz, Rua de Moeda, rua de Talione limite Rua de Côque. Toda esta área circundava em torno da Praça Estrela hoje completamente descaracterizada e transformada numa zona pouco frequentável. 20 anos depois de ti percorri este mesmo espaço e brinquei exactamente as mesma brincadeiras que tu enumeraste e as mesa horas. Lembro-me do ‘stick-out ‘ uma brincadeira que se fazia à noitinha antes do jantar com as correrias pelas ruas, e era preciso esconder-se bem para poder apanhar o ‘inimigo’ de surpresa. Eu também dei muitas topadas nos jogos na Praça Estrela à ponto que uma prima ficava preocupada se o meu deddo não cresceria. Era ‘balizinha’, jog de loa de meia etc, etc. Não mencionaste o ‘Ring’ que as meninas jogavam os domingos à tarde, e que às vezes envolviam até algumas senhoras, que apareciam por alguns momentos para dar animação e relembra as infâncias. Outro jogo interessante que eu nunca mais joguei que era o ‘fitch-fatch’, mas esse era mais intelectual e exigia concentração. Existe muito mais Pé de Gol. Mâ Gachad, Trouxe as cartas etc. Bom trabalho de memória colectiva este exercício que nos vens brindando todos os domingos, há já muitos anos

Jose F. Lopes             

José Fortes Lopes
jflopes@ua.pt

 


Comentário:

Bom texto que nos faz reviver a nossa infância. A minha foi apssada quase toda À volta da pracinha do liceu onde também fazíamos todas essas brincadeiras o que trazia uma grande animação a esta praça à noitinha e aos fins de semana. Votos de bom trabalho.

             

Fátima Ramos Lopes
fatimaramoslopes@yahoo.com

 


Comentário:

Pois é, Zizim, mais uma vez nos deliciaste o espírito e rejuvenesceste o coração com a evocação da nossa infância. Se cada um de nós é um portador de saudosas memórias dos tempos de criança, ninguém as relembra e escreve e divulga com o teu talento. Talento que se serve de uma memória pessoal fidelíssima, talento que as revive com rara sinceridade poética, talento que tem a virtude de as reproduzir no mesmo crioulo em que foram vivenciadas e que, por isso, lhes confere uma espantosa autenticidade. Repito, e creio que sem risco de errar, não conheço nenhum cabo-verdiano que alguma vez tenha reproduzido as nossas memórias como tu. O teu livro vai preencher uma parte importante das nossas vidas, porque se recordar é também viver, mais o é se pensarmos que o nosso passado é recheado de valores sublimes, apesar da pobreza material que revestiu o viver da maioria.

Adriano Miranda Lima



Comentário:

Zizim, Nesta storia, trouxeste-nos toda aquela força criadora caracteristica da gente da nossa Ilha de Monte Cara e da sua própria Cultura baseada em usos e costumes que vão por vezes buscar bem longe. Digo, uma cultura tipicamente por vezes portuária dado ao contacto com o estrangeiro em especial o inglês, passando pelaa nossas grandes Unversidades Desportivas Da Salina e Cinematográficas do nosso velho e saudoso Éden Park que quando ali passo até tenho arrepios de ver aquele que foi uma grande escola da viad ali fechado, acontecendo o mesmo com a Praça Estrela que aquele COXO teve a malvadez de desfigurar. No meio dessa boa sequencia escrita num bom criol de Soncente,lá recuei no tempo embora com um coração apertado e cheio de um grande saudosismo que tentei apagar com umas lágrimas que enxuguei em favor das nossas saudosaa Mães que tantos cuidados e carinhos nos decicaram. Esta tua crónica releva da antologia cabo-verdiana. Mereces ser reconhecido como um excelente escritor cabo-verdiano pelo Minsitério da Cultura de Cabo Verde.Um abraço José M.Marques

José de Menzes Marques              josemenzesmarques@yahoo.com.br


Comentário:

Como sempre gostei muito desta crónica . Muita saúde e boa disposição para continuar . Até domingo ,um abraço Gaby

Gabriela Amado Silva                  gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Zizim, Esse sturinha d'hoje ta sabim nem um papinha c'lete ta fazê gente um nô na tripa, manha e tcheu sodade daquel bom tempe de tude nôs rua ondê que apesar de nôs pobreza nô criá, nô vivê e tive um infancia feliz graça aquel grande solidariedade de nôs mãe que tive um papel impotante na nôs educaçon, isto é, sem tcheu dês ter tide mute instruçon. Viva nôs mãe pa eternidade!!! E ubrigada nôs Zizim! Quel braça Miguel

Miguel Costa                    miguelcosta@gmail.com


Comentário:

Zizim Com muita satisfação li o teu texto e que me merece uma nova leitura, pois que repleto de recordações, de jogos, vivências, presença das “madonas” e até aquele lato de três pernas, pendurado na parede. Lá em casa havia um, baptizado “Santa Cruz”, pois foi estreado por mim e Lota no dia 3 de Maio, dia de Santa Cruz. Ler as tuas estórias é ver passar diante dos olhos muita forma de estar no mundo correcta e cheia de bons ensinamentos. Esta estória vai ficar uma das minhas preferidas. BRAÇA

Maguy Alfama               maguyalfama@gmail.com

V O L T A R