NA FORÇA DE LETE DUM PARIDA


Ca tem amor má grande nesse Munde qu'Amor de Mãe!... E só pa el é que Planeta podê ser SALVODE...

Tanha Fina, irmã de Fluripa d'Olte de Bomba, tudes'dôs amdjer inda nova na flôr d'idade ta rebentá de toque, tive de separá de cumpanher, naquês dia lassim, despôs de tonte one ta vivé djunte na mesma casa, lá ondé que sês mãe criás desde piquenim, quê pa Tanha mãe d'oite fidje, na vespra de nove, lugar já tava ta fecás prop ingotchode e, té ta saís de poque…

Anton, Fluripa que pla graça de Deus, já tava ta trabaiá e que té inda ca tinha tide fidje, fui obrigode cum czinha de tristeza, de proveitá quel quadra de Natal, pal fazesse sê separaçon, desmudá e basse morá lá pa Tchã de Calapáda e cumeçá um nova vida, pa despôs basse morá em fixe, lá pa mei daquel rebolice de Tchêtchenia na Soncente.

Tude ês chatice, pamode sê irmã Tanha que ca queria sabé de descançá, sô ta pari, e inda ca tinha mute tempe qu'ela tinha tide um par de gema… Assim, na tude quel sê filosofia barote de ter fidje, quê Deus é que dexá!... Lá tava ela, más um vez cum barrigona tamonhe de manhã, ta torná esperá mnine.

rublema é que naquel tempe, ca tinha ecografia, anton ela tava passá tude quel tempe, só ta pedi ''Nosse Senhor Jesus Criste'' pa defendel de torná tem gema, quê senon era log um chatice, ter de podê sustentá más dôs boca nesse catchupa, deboxe de tonte pobreza…

Flizmente que Deus uvil e, pa sponte de tude gente, du que bem desse vez fui um matchim d'oie aberte, prop scritim, um czinha piquenitchim, mode el qu'era de sete mês, ma fortim louvar a Deus e chei de saúde… E, pa mãe Tanha, el ca tava fecá esfrençode, quê pa ela ês tude era ''djize same'' e dode nô num só tripa ...

Morode naquel casinha fete de pedra e borre, coberte de paia ma coipe de pau de carapate, trazide da lá de Monte Verd, pa sês Olte, deboxe daquel sombra onde era sês casa, sempre lumnhode pa quel candirim de pitrol, pa tistmunha e use de tude dia e, de tude cosa lá dente de casa, moda gordá lume pa pegá fagon, lumenhá casa etc…etc…

Fui lá qu'ela ma Djê de Nha Chiquinha, sê cumpanher que cabá d'ijdal medjorá quel casa que mãe dexal, ijdode pa sês cumpade Djindja ma Spirre, tive quês monzada de fidje na pobreza, ma sempre que mute amizade, respeite, paz e amor.

Sr.Djê, bom pai e cumpanher, home de traboie na stiva de vapor de mei de Baía de Porto Grande, nunca faltá sês fidje c'aquel três por dia derriba de mesa…

Sô quel era, daquês home de rua sem posente, cunquistador que tava corrê que tude rote, lá ondê que tava tcherel saia… Ma Tanha, na sê bom intendimente, ca tava ligá pa nada desse munde, quês cosa Djê, quê pa ela, Djê pudia bai e torná bem, quê lá qu'era sê casa, e el é qu'era sê motche de certeza e cabá, dá lá el ca tinha más pa dondé bai…

Tanha, um strong d'amdjer bnitona, já era custumode na criá fidje sem merrinha, bem mamode na lete de sês dôs bom peite que Deus dal… Basta té jal era cunchide de tude gente lá d'Olte de Bomba, pas er um Mãe carinhosa que sempre sube cuidá de sês fidje e, ás vez té de fidje dus'otes cabode de nascé, que sês mãe ca tava podé dá vencimente na lete, pa sustentás…

Anton, log naquês dia, despôs de nascimente de sê ultme fidje Tchubim, Tanha bem parcê cum prublema ta chatial, quê Tchubim mnine nascide de sete mês, tava ta fecá gordim, ta mamá drete pa sê tamonhe e pa sê idade, só quel ca tava ta podé dá vencimente, na tude quel rebera de lete que peite de mãe Tanha, tava ta fabricá…

Basta era tonte lete, ta bem de veia de peite de Tanha, que tinha ela más era ta sofré, chei de dor dia e note, c'aquês dôs máma tude ratezode sempre ta esgritchi lete pa tude banda, nem quês bica de casa d'inglês de nôs terra, na tempe de tchuva…

Sofrimente de Tanha era tonte, té que vezinha tava bem tcheu vez por dia esfregal ôlie de calipte na peite, pa ijdal escambrá, ma era cosa que ca tava durá mute, quê assim, quês paraba d'esfregal, quel dor desusperode tava log torná bem…

Anton num tentiva d'esleviá Tanha, de tude quel sofrimente, fui betode mnine que gente grande, lá pa quês Olte de Bomba, ma Calapáda, Spia, Tchêtchenia, ma Ilha de Madera e tude quês banda pra lá perte, ta spiá um casa ondé que tivesse cadela parida que catchurrim nove, pa bá pôs ta máma na peite de Tanha, pas pudia tral tude quel lete e eslevial de tude quel dor, pa desconce de sê corpe… Tal era custume de terra, quonde exe cosa tava contecê, c'alguns amdjer parida de nove…

Quel hora lassim, n'era hora de nada, quê cmade Tanha Fina, cuitada tava pra lá infrontada, desusperada ta torcé de dor… Ma, nôs tude sabê manera que nôs criol é…

Apôs, n'é lá dente de casa, daquel hora, que cumpade Djindja ma Djê, ta resolvé sei cum pate-pate de fadiga, ta descuti prublema de colé dor que tava doé más tcheu derriba desse Munde?!..
E dá, quel teimosia pegá, quê cumpade Djindja log dzé, cma era dor na dente!...

Anton cumpade Djê, done de casa que ca pudia fecá por boxe, replicá ta dzé cma n'on, quê era dor n'uvide!...

Mari Curvim que tava ta bem ta tchegá, ma sê filha Funny Eyes e que ca tinha nada ver c'aquel conversa, ma cum oreia sempre ta rastá, reagi log também e bá ta betá de seu, ta dzês pas calasse boca, quê cma ''dor de porte''na Munde ca tinha igual !...

Fui lá que cumpade Djindja, pirracente sem igual, vrá que tude sê façura, dá pô tude quel pove t'arri, quonde el dzé Mari Curvim, cma ela anton, ca divia nem falá, quê ela nunca tinha levode um pontapé ''n'ingrão''… Agora é que fui arri!...

E, cumpade Djê, bem ta corré log pa cumpade Djindja, ta estendel mon e, bá ta dzel, pal dal quel monzada, quê lá, sim senhor, el tinha metide um gol da merda…

Fui andode quel dia lassim, um data de camin em vão, sem incontrá p'azar de vida, um só cadela parida que catchurrim nove, pa pudesse fazé Tanha quel traboie de lete demás na peite… Cosa qu'era prigose e pudia té rebental que peite e ela ser obrigode de bá lancetal na Spital, cosa qu'era prop um afronta!

Casa já intchi de gente pa socorré Tanha, na mei de tude quel desusper, sem podé incontrá um soluçon… Anton, bem parcé Nha Mari Narcisa, um cmade antigue de sê mãe , que trazê ma ela, um ideia que pudia salvá Tanha, daquel situaçon…

Ela pedil colcença de favor, tchmal á parte, leval pa traz de biombe la dente de casa e dzel baxim, deboxe de tude quel respeite, dum cmade de sê mãe:

- Ô mnininha, amdjor é bô mandá tchemá na tude segrede, nha cumpade Antunzim, irmon de Zidel, home d'idade, ma de fama e respeite, que tem salvode préi, tcheu Mãe de Parida, nexe situaçon…

E, moda jame dzebe, na segrêde hum !… Livronde de pecode seberba, limpá boca, bá ta cuspi na tchon, quê mi, mi n'dzebe nada ok?!...

Tanha, infrontada de dor, ca midi dôs vez, pedi tude quel pove colsença de sê casa e mandá log um daquês mnine de séu, bá tchemá Nh'Antunzim, quel home de respeite já bastante vançode n'idade, pa besse socorel, quê ela, já ca tava ta podé más!...

Nh'Antunzim, home modeste, servental sempre desposte a ijdá pove, sem esperá pa más, pô pé na mama de cadera e largá log bá ter de Tanha, pessoa quel ca tava conché, ma jal tinha uvide falá. Na tude seriedade, log quel tchegá, Tanha ta gemê de dor, tchemal à parte e pol sê prublema tude na descontra!...

Nh'Antunzim que já tinha custume daquês situaçon, escutá Tanha c'atençon e despôs, que sê buquinha motcha, sem nium dente pa tistemunha, respondel cma pa el n'tinha nium prublema, pa tral tude quel lete que tava lá ta fazel tonte mal e, quaz tá ta cré prejudical!...

Anton, cma lá na casa já ca tinha ninguém, quê Tanha dantes tinha puste tude gente na rua, p'assim ês pudesse trabiá na descontra… Log, ês entrá lá pa reservode de casa, traz daquel biombe!...

Tanha, despôs de tonte manobra, lá cunsigui destacá, quel soutien que tinha ela, sês dôs grande máma rechiode de lete, completamente socornode e tude teze…

Nh'Antunzim, que tinha bode más era pa sê traboie, sem nium maldade na pensamenter, sempre deboxe de sê iducaçon e respeite, pedi Tanha colcença e log bá ta betál boca, naquês mámona, pal pudia cumeçá sê manobra de tchepá,… tchepá,... torná tchepá… pal trasse Tanha tude quel lete, que tava ta fazel mal…

Assim, log naquês primer tchupe, ma buqenhada na máma de Tanha, el betá uns golpada daquel lete lá pa tchon, ma despôs, el vrá ora t'inglis, ora ta betás fora, pa tchon!...

Cosa, bá ta bai, Nh'Antunzim que sê buquinha motcha, sempre ta tchepá na máma de Tanha, cuntinuá ta fazê sê bom traboie!...

Prublema é que na mei daquel sabura de tchepá, Tanha amdjer inda nova na força d'idade, imbalá e cumeçá ta sinti vice ta sebil na corpe… Ma ela, traz daquel biombe, el só ma Nh'Antunzim, longe d'oie e boca de Munde, cuntinuá ta guentá quel situaçon, tude na respeite pa quel home d'idade!...

Ma Tanha, infrontada de sabura, daquel tonte tchepár de lete, esquecé e vrá pa Nh'Antunzim cum voginha prop doce e perguntal:

- Ôh Nh'Antunzim, bocê ta segure cma bocê ca crê más nada, pa nô cumpanhá esse litim, hum…??!!!

Nh'Antunzim, um ônje na idade de sê inocência, que ca tinha cumprindide nada du que Tanha queria, na seguimente de conversa, respondel cma:

- PA CUMPANHÁ QUEL LITIM ?... EL QUERIA ERA SÓ UNS BOLACHINHA… SÓ UNS BOLACHINHA !!!...


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R