CATCHUPA RONCOI

Naquel dia, depôs dum entrevista ma Pidrin Moreira na Radio Nova de Soncente, mi el ma Tigins, nô cambá Rebera Bote bá espiá nôs grande amigue Pole Maurício más cunchide pa Pana, grande ijgador marcador de penalte d’equipe d’Académica do Mindelo e também de Shell que tchegá d’existi um vez e de quem ‘m foi treinador.

Pa camin, cma ca podia dexá de ser, no passá na Sapataria de Ninája cumpanher de falecide Cacói ma Lis Cabel. Lá enton, nô incontrá Lume (grande tocador de violão) e pa cuincidência, nôs longe, bsote duvnha’m quem tava sentode lá num cantin de Sapataria?! N’era, nem mas nem menes que nôs Mijada (figura Mindlense na sê stile sôs d’seu) já um bocode sucdide pa idade moda nôs tude, ma sempre buzode rije e valente. Basta el cabá d’oia’m, el dame log quel grite d’oi Zaize’m e, bá ta dze’m quel: - Li tava ta faltá só bô e já bô bem ta tchegá!... Eheheh.

Da lá, el cumpanho’n tê lá na casa de Pana, ondê que nô passá um bom bocode djunte, ta lembrá um monzada de storia de nôs terra á volta dum canja d’atum c’malagueta, quês mandá prepará pa rapte e lá enton, na mei daquel conversa nimode, Ninája pedi Mijáda pa conto’n quel sturinha de Catchupa Roncoi. El marcá um pausa, pô ta espiá pu’ar e dze’n ok maltas, ‘m tita bem lembrá bsote el, ma antes ‘m querê fazê bsote um confesson dum segrede cum tem ma mi diasá gordode por dente.

Bsote ta lembrá quel storia daquel boys que tinha cmide um data de cmida na tcheu lugar lá pa morada, por ca ter ninguém pa pol um panela na lume de tude dia? Apôs quel boys era mi. Ma cma ‘m tinha cumpanhode quês cmida sempre c’coque, c’aquel fraqueza cum tinha, quonde ‘m tava lá pa lode de London Bar de Nha Bia Gaxa, trás de antigue Télégrafe Inglês, da’m foi pa vomitás.

Enton, chei de pena e na meia de nha cabeça de fusca, pa lembrança, ‘m tava ta bai ta contá cada um daquês vomite e ‘m tava bai ta dzê: - Ês colde pexe ‘m cmel la Tudinha de Canalin de Fogá Macóc... ês arroz c’atum foi la na Mateus Tchaina... na fim bem quel canja cum cmê la na London Bar. Mi ta vomital parce’m um catchurrin ta cmê’m quel vomite. E mi espantode c’nha cabeça mariode moda um tava, ‘m dzê: - Ma oh catchurrin, bô ‘m ca tita lembrá ondê cum cmêbe!!!... Da la sei log quel risarada de malta que fecaba tude espantode.

Pirraça na vida Mijáda, era cosa que ca tava cabá.Enton depôs dês surpresa, tude gente pará d’arri, el rancá log sem exitá ta contá sê storia daquel Catchupa Roncoi. Enton, el c’sê vôz roc na garganta ma incantador, moiode p’uns dôs grogue pal bai ta clarescê voz, rancá assim c’sê storia dês manera:

- Mijáda, fidje de pobreza, quebrobe nem djosa, tinha saide ta navegá pa quês rua de Mindelo sem rume nem direção, moda de custume ta bescá que cmê, naquel madrugada de sóbede pa dmingue depôs de tude festa de custume de fim de semana na Soncente.

Dantes, sem ni um toston na bolse, el tinha cunsiguide entrá graça na cinema Eden Park, facilitode pa sês dôs amigue bedje e fixe de sempre, Tiu ma Toi Cicil, ondê quel tive d’oiá pa ijdal passá sê note, “Uma Ilha Com Ela”, um filme d’Esther Williams sê grande paixão.

Depôs de cinema, pal fetchá sê note, el tive nuns dôs porta de boie tê de madrugada, ta esperás cabá. Enton, já de madrugadinha na saìda dum boie, um boys fixe passal um truquin na mon, el c’sê fome de gaita, largá log ta corrê tude contente pa Canalin de Fogá Macóc la pa Tudinha de Mateus Tchaina, comprá sê catcupinha guizode c’sês ingridiente, dum churice e dôs ove estrelode moda de custume.

Tude feliz já ta esfregá mon, el tive um azar da gaita, quê quonde el tchegá lá, quês boys que tava ta ijdá sirvi quel cmida de madrugada lá na Tudinha, era sô daquês boys mufine de Soncente que tava gostá de dá pa scrête-buzode e ca tava dejá nada passá. Assim, log quês oiá Mijáda bem ta tchegá, ês dzél:

- Oi broda,qi tal? Qu’ês carinha contente que bô está, hoje mama devê estode prop grosse hum?!...

Mijáda c’sê cara mascavode ma sempre contente t’arri, trá log quel truquim de bolse, quê cma jal sabia, era pagáda primer, antes de cmê. Enton, quonde el trá sê troque, foi contà, contá, contà, torná contá derriba de contá. El chatiode dá log um grite de: - PORRAAA!!! Chei de raiba e c’razon, quê, quel boys tinha el dóde, sô 90 (noventa) escude CVE e um prote complete era 100 (cem) escude CVE.

Quê na ementa de sirvi pove cmida, pregode lá na porta de restorante de Tudinha, pa tude gente oiá, tava marcode “um pratim complete de catchupa cum linguiçinha e dôs ove estrêlode, prece total era = 100 (cem) escude igual pa tude gente”. Má nôs Mijáda c’sô tinha 90 (noventa) escude, quaz quel sinti um esmurce na corpe e, inda más pra lá já ca tava c’niguém pa socorrel. Enton, um daquês boys dzel: - Oh Mijáda, hoje já bo nhánhá, quê li hoje já bô fecá sem cmê.

Mijáda, mnine de Soncente custumode na sê catá assá pal sobrevivê, esperte nem rote d’Igreja moda el era e c’aquel fome ta ratchal por dentre, pô log sé cabecinha ta trabaiá. El vrá pum daquês boys, el perguntal: - Oh tchêps, dze’m prece de cada um dês cmida, li nês prote de favor?

Enton quel boys, na presença de Tudinha, pa galantaria tude contente, pensonde cma el tava ta bá gozá c’Mijáda, pa depressa log mordê n’inzol e tude na goze, pô ta contá um por um quel total de 100 (cem) escude que tava custá cada um daquês ingrediente naquel pratin.

- Catchupa 55 (ciquenta e cinque) escude; linguiça 25 (vinte e cinque ) escude e cada ove 10 (dez) escude, donde 2 (dôs) ove 20 (vinte escude), o que na total de tude escola de munde tava fazé 100 ( cem ) escude OK?! Dzel quel boys gritode, pa tude gente uvi.

Mijáda, diante de quem inda tava lá, vrá cum calma de matá, pa quel boys e dzel:

- OK!...OK!...OK boy, clare que bô tem razon! Ma, se bô po’m naquel pratin, um catchupa 55 (cinquenta e cinque) escude, quel linguicinha 25 (vinte e cinque) escude e sô um “OVE” sô 10 (dez) escude, mesme sel fecà um CATCHUPA RONCOI, el ta fazê 90 (noventa ) escude na tude parte de munde, n’ é dvera ???!!!

Tudinha de Mateus Tchaina, mãe de bon coraçon e dona de casa que tava lá diazá t’uvi quel conversa, otchá quel ideia de Mijáda tão ingraçode, que depôs de ter dode um boa rintcharada de rise, mandá quel boys log sirvil quel cmida e, ela decretá cma a partir daquel dia, na lista de cmida de sês RESTORANTE NA CANALIM DE FOGÁ MACÓC tava fecá escrite na ementa pa tude gente:

- CATCHUPA normal, pratin 100 (cem) escude CVE e CATCHUPA RONCOI 90 (noventa) escude CVE!!!

Zizim Figuera (José Figueira Jùnior)

V O L T A R


Comentário:

Olá Figueira,Aquele abraço. Só me tira uma dúvida: Canalin de Fogá Macóc não é lá onde ia dar na padaria de Antonio DjuDjin? Se for lá,o portão de quintal da casa do meu pai,saía aí . Oh!Com a tua explicação vi onde se situa o tal canalin que dantes se chamava de Nhô Jon Bete atrás do antigo telégrafo inglês. As tuas "STORIAS" nôs faz lembrar muita coisa de São Vicente, são fantásticas. Te desejo um ótimo fim de semana. Um grande abraço do amigo Álvaro Benrós

Alvaro Benrós              albenros@hotmail.com


Comentário:

Olá velho amigo já fartei-me de rir. Continuas sendo um impagável com teus relatos da nossa vida São Vicentina que graças a tua excelente memória nos trás montanhas de recordações daquela terrinha bem nossa e que todos amamos. Lembro-me bem do Canalin de Fogá Macóc. Obrigado. Resto de semana feliz. Um abraço Dulce

Dulce Vasconcelos              duvasconcelos@gmail.com


Comentário:

Zizim: - Um bom fim de sumana. Que storinha gostoze de ler!!! Prumer foi Nhô Djunga; depôs Nhô Fruzoni e agora bô. Bsote que tem veia de screvê crónica câ bsote dxá morrê nôs storia scrivide na criol! Braça Vavá Koenig

Vladimir Koening               vakoening@uol.com.br


Comentário:

Olá Zizim, Obrigada pelas tuas histórias de domingo que são como um balsamo tranquilo que nos inonde e nos transporta para a nossa terra de Soncente Cabo Verde. Um bom fim de semana. Bracinha Zica

Zuilda Avelino Fernandes           zicaavelino@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, As tuas storias nos são tão preciosas que nem esta meia final de rugby entre a Austrália e Nova Zelandia nos impediu de a ler e rir um bom bocado, elogiando a inteligencia daquel buzode mnine de Soncente que ê o Mijada e que todos conhecemos. Saude e força sempre.Um grande abraço de todos Terencio

Terencio Lopes                     terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Dear Zizim de Ti Djô Figuera, Já fiz uma copia da Storia que vou levra lá na Sapataria do Ninája a ser colada para toda gente ler. O nosso Mijada um pouco mais velho mas cá vai vivendo na nossa boa solidadriedade. A malta toda te sauda por esta linda estória. Um abração Guey

Miguel M.Monteiro               mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

Caro irmao ,da nossa communidade ;é simplesmente de um grande e precioso valôr ,em termos cultural ,as tuas estorias em relaçao aos cabo-verdianos ,que vivem no nosso pais e principalmente àqueles que vivem no estrageiro ,-os chamados ,- da diàspora .- Como jà disse vàrias vezes,nao é por acaso que recebes ,-AQUELE OBRIGADO -de todos aqueles que apreciam as tuas estorias ,porque elas sao portadoras de contos relacionados com a maneira de viver,-D'ANTIGAMENTE- do cabo-verdiano- dos valiosos tempos ,do nosso CABO VERDE- ANTES DOS ANOS SETENTA !...em que viviamos com uma pobreza ,sem problemas ,cheio de esperânças de um dia melhor ,em que a violência so existia ,nesta simples palavra,que mal se pronunciava .mal se ouvia nas bocas de sem seja quem fosse .Este prato que fazes hoje o motivo da tua estoria ,CATCHUPA RONCOI - fazia parte ,-naquela época -da nossa alimentaçao predileta e às vezes com uma certa dificuldade em ,a conseguir trazer para casa . Aquele abraço do (irmao da comunidade),desejando-te saùde , força e inspiraçao para continuares a nos fornecer ,através das tuas estorias ,relembrando os velhos e bons tempos do nosso pais ,particularmente de Sao Vicente . Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA             soalmeida@free.fr

V O L T A R


Comentário:

Dia 18 di Outubru e Dia Nasional di Kultura i di Komunidadis. Pa selebra-l, MINISTERIU DI KULTURA sa ta organiza 1º Forun Kultural Nasional. Na Televizon di Kabu Verdi es dias sa ta pasa publisidadi di es forun kuju slogan sta na lingua kabuverdianu i skrebedu ku alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC): FURTUNA DI KADA UM, RIKEZA DI NOS TUDU (sic)

RIKEZA DI NOS TUDU            furtuna-di-kada-un@cvtelecom.cv


Comentário:

O Tchèps FURTUNA, Se Cab Verd ê um país Democrata moda ta dzide e se bô cabeçinha ta dobe pa atinji sintide dês palavra Democacria bô tava cumeçá era pa respeitá variante de tude Criol de nôs Ilha de Cab Verd. Pa depôs dum stude fete pa gente competente de tude Ilhas,fosse fete um proposta depôs dum debate c'diálog inteligente e coerente (que nunca tive) sempre baseode na ecsrita Greco-Romana moda aquel que nôs tude prendê na bonc de escola. E não bem prei tude vez, num atitude bairrista, moda ladron camuflode na pseudonimo metê bô nariz nês sublime, ric e bem esrite Storias de Zizim, pa bem tentá convencê pove cma bsote escrita inventode pa Manel Bega e tude sês amigue paigcivistas alupecadores, apoiode sempre p'incauto e fascistinha de JMN ê quê drete. Bsote tmá cuidode quê bsote atitude NEGATIVA sô tem side um desgraça e atrazo geral de pove na sabê escrevê, sobretude de nôs nova geraçon que hoje tê já t'incontrá tcheu problema na otchá traboie pamode sês dificuldade na sabê escrevê normalmente. Um cosa ê certo bô podê bem tonte vêz que bô quizer li na Liberal quê bô sabê cma tude nôs de Norte e tê de Sul nô ta alê c'prazer ês Storia de nôs broda Zizim. E,fcá ta sabê cma nôs d'Ilhas de Norte ma nôs Zizim nô ta cuntinuá nôs camin sem estode ta preocupá de bsote cultura já quê assim. Cada um fecá c'dseu e tchau. Dexá de ser teimose e ser más um csnha digne de bô pessoa, caso bô ê?

Jorge Estevão                    jorgeestevao@yhaoo.com.br


Comentário:

Amigo Z.Figueira, Uma estória "sabim sô de gente sabim" que tanto me fez rir com prazer hoje domimgo. Realmente sô quem não conhece São Vicente e todas essas figuras dos nossos afectos que vens descrevendo há anos nas tuas ricas crónicas, é que não pode avaliar nem saborerar como nós que ali nascemos e crescemos. Força para continuares a nos deleitar das tuas estórias escritas num crioulo são-vicentino impecável. Por favor espero que o teu livro saia bravemente, pois já é tempo. Aquele abraço Tiago

Tiago Q.Monteiro               tiagoqmonteiro@clix.pt


Comentário:

Sr Zizim, A sua estória está magnifica, muito bem contada e muito bem escrita cá na nossa vizinhança ainda estão rindo com gosto, da tal Ctachupa Roncoi e da esperteza do Mijada. Nunca se fiar nas aparencias, uma vez que Deus nos deu a inteligencia e o direito de manifestá-la para nossa eterna sobrevivencia Passamos um excelente domingo como sempre graças a si. Beijnhos de todos Gilda

Gilda B.Leite                  gildableite@gmail.com


Comentário:

Boa Zizim! Um sturinha sabim dentre de realidade de nôs terra e bem escrite na nôs linga. Foraç nha broda!!! Braça Liz

Liz Cabel              lizcabel@hotmail.com


Comentário:

Dear Zizim, Adorei esta e fartei-me de rir. Obrigado por todos esses bons momentos que nos vens proporcionando há anos com tuas "Storias"ainda por cima escritas num rico e lindo crioulo de S.Vicente acessível a todos. Pois como sabes sou de DjaBraba mas leio-as sem problema. E todos os domingos não perco uma que depois passo no print e guardo. Saúde sempre rapaz novo. Grande abraço Tony

Antonio Almeida                 tonyalmeida@gmail.com


Comentário:

Zizim, Sabes que nunca podemos te esquecer. Pois continuas mantendo sempre a"vilinha" acesa todos os domingos do contacto de Soncente e pove de Cabo Verde. Nós cá continuamos as nossas leiturasna Associação. Um abraço de Orlnado-USA da anmiga Yo

Yolanda Dias               yoldias@aol.com


Comentário:

Oi Broda, Fizeste-me lembrar tanta coisa com essa Sturinha e ainda estou a rir. "You made my day". Big hug Lili

Larry de Pina                LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Como Sérgio Frusoni, Nhô Djunga e tantos outros lançaste numa aventura e quanto a mim chegaste viste e venceste. Realçando teus méritos te felicito. Adoro todas as tuas estórias. Pois continua fazendo História. Fraterno abraço Paulo Isisdoro

Paulo Isidoro da Graça                pisidagraca@live.nl


Comentário:

Zizim, como sabes, já comentei este texto em edições anteriores, assim como já te manifestei bastas vezes o sentido do meu apreço e admiração pelo teu trabalho literário em prol do crioulo da nossa ilha de S. vicente. E se o contributo é em termos linguísticos e literários, não deixa também de o ser no plano sociológico, etnológico e mesmo histórico. Venha depressa o teu livro!

Adriano Miranda Lima                 amlima43@gmail.com


Comentário:

Irmon Zizim, As tuas estórias continuam fabulosas e não me canso de as ler pela simples razão de encontrar nelas toda satisfação e conforto daquele São Vicente de uma época que vivemos, partilhamos em grande e que hoje aquele complexado do JMN e seus acólitos num acto de vingança cega veem demolindo pouco a pouco em todos os sentidos. Espero que o nosso povo de S.Vicente se revolte uma vez para sempre e peça a sua Independencia. Comparei esta edição com uma que tinhas feita anteriormente. Posso dizer-te que é de louvar o progresso que fizeste na continuidade da nossa escrita que vai ficando cada vez mais apurada.Também notei que quando relanças um texto vem sempre preenchido de factos novos, certamente penso porque consegues colher ou relembrar-te no percurso da tua caminhada e isso de as relançar nessas condições não lhes releva os seus méritos. Antes pelo contrário. Parabens e obrigado. Abraço Rui

Rui Semedo                 ruisemedo@netcabo.pt


Comentário:

Caro amigo, Com toda sinceridade e carinho aqui vai o meu comentario: Mais uma galeria de gentes do Povo, nascidas nele e dele lutadores porque do Povo é a luta indissociavel. Esta é uma das "storias" que sempre recordo porque invariávelmente penso ao le-la que a necessidade aguça o engenho e sem o engenho não tinham os pobres sobrevivido aos temporais da História. É sempre actual esta escolha do Zizim, para publicar neste fim de semana, quando o Mundo está em convulsão e um vento de contestação varre o Mundo. Todos em luta pela sua cachupa, chame-se ela o que se chamar. A luta pela cachupa de cada dia parece que é intemporal e dela nao podemos abrandar, sob pena de nos arrancarem o prato e .... a pele. Mas o certo mesmo é que, sem engenho e arte não tinha o Mijada feito esticar o dinheiro para garantir o seu prato de cachupa com mais qualquer coisinha claro....a linguicinha e o ovo. Um... que o dinheiro não dava para dois, mas para um, dava e há que fazer o possivel com o que se tem!Mais uma bela"Storia", muito bem relatada e como sempre, plena de humanismo, sentimento e ensinamento. Abraço, amigo LENA


Helena Rodrigues               lenarodrigues@yahoo.com.br


Comentário:

Adorei e fartei-me de rir! Embora a problemática da luta pela sobrevivencia dum "CRIOL" como eu se tenha aparesentado. Só para te dizer que faz rir mas no fundo o problema é muito sério. Obrigado amigo e um grande abraço pedindo mais dessas. Tua amiga Tina

Albertina Monteiro             abertinamonteiro@hotamil.com


Comentário:

Bom dia... Mim e de Sintanton, ma tud dia domingo em te ale es estoria de Sr. Zizim e em te curti cada um. Em conche alguns des personagem so de nome, pq em vive 8 one ne S.Vicente te estuda ne Liceu. Agora te felicita |Sr. zizim mas um vez e convidal, se algum dia el bem pe Sintanton (P.SOl), pergunta pe Nelson de Djo Gote, pq seria um honra conchel pessoalmente e convidal pe um colde pexe seco ou ote cosa qualquer... Abraco e continua sempre... Saude e Felecidades

Nelson                  nelsonjoseleocadio@yahoo.com.br


Comentário:

Como já foi dito tudo de bom acerca da crónica, eu apenas desejo-lhe a continuação de boa saúde e força para continuar. Um grande abraço. Gaby

Gabriela Amado Silva            gabybamado@hotmail.com


V O L T A R