MINDELO - UM CAPITAL CULTURAL NA CAB VERD RECUNHICIDE MA BANDONODE

Dês que munde ê munde e home parcê t’andá derriba de planeta Terra, já tem quate milion d’one, sempre sês diferença ê que fazê tê hoje sês força, na história de sê evoluçon.

E, pamode “livre arbitre” que natureza pol na mon, el decidi, pum ô ote razon invadi terra d’otes, o que pa força de guerra, ganança e ignorança, el cabá c’tcheu brilhante civilizaçon.

Espirte atrazode ê cosa que tê gora ca cabá derriba de Munde, quê em vez de procurá um consertaçon na compreenson de cultura de cada um, cosa dás foi pa mal, de tchegá moda contecê c’Espanhol contra Aztecas, Maias, Incas na Merca Central e Sul, sem contá o que passá na Merca d’Norte, c’Indio que também foi vitema d’invason e reduzide a reserva etc.etc.,

Êsse mesme tipe de história, nô t’otchal dum manera diferente pa tude conte de munde ondê que gente bai, de Norte pa Sul e d’Este pa Oeste, quê moda ta dzide na latin e ê verdade “homo homini lupus” ( home ê lobe d’home ).Porquê? Ninguém sabê!!!

No intante, otes talvez de espirte más vançode e pa nescidade, cosa dás pa tchegá, oiá, vencê e fecá convincide pa depôs levá pa sês terra moda Ptolomeus (Dinastia Lagide Grega) que reiná na Egipte, siguide depôs pa Alexandre o Grande, destronode na fim pa Octavio de Roma um daquês de Triunvirato que sigui (Marco António, Viriato e Lépido) 44 a 30 one A.J.C..

Ma já, c’um manera diferente d’oiá cosa, ês trazê ma ês pa Grécia tude o quês pude prendê d’egíptes o, que depôs fui copiode e puste na sês gete pa César (Roma), cosa que ta ressintide em força quonde ta visitode Grécia (Museu de Micenas) ma Itália (Roma), ondê que tude estátua ô buste d’egipte tem nariz quebrode (godzide pa ca dexá revelá caracteristica negroide de Civilizaçon Egipcia), cosa que na nhas oie parce’m evidente.

Nescidade de Cultura e Cultivá Espirte, foi cosa que sempre persigui home dês quel era inda “homo sapiens” e cumeçaba ta mexê c’sês mon! E, naquel força de tonte oiá sês mon mexê, sê cabiçinha pô ta trabaiá e poc a poc bá ta despertal curiusidade de criaçon.

Ês tema ê mute grande e, nô pudia levá tcheu tempe ta descutil, quê el tem mute cosa que dzê, assim, nô dexal p’ote vez. Quê ca tem causa sem efeite nesse munde e vice-versa.Porquê, o qu’um ti ta bem dzê lissim hoje ta um csinha relacionode c’nôs terra ma nôs pove verdiane e sê comportamente na vida social e cultural.

Quem tava dzê, cma nôs Ilha de Monte Cara ô Ilha de Cabeça de Georges Washington (Head), ondê que na época vontade de sabê era tão grande quel tava pairá n’ar de tempe nem um brisa fresca que tava pô pove de nariz pu’ar, curiose, sempre ta goitá um nuvidade binde de fora, sô pal podia tem motive de conversa e desafiá sês cumpanher, pal podia assim exibi sês cunhecimente.

Na Soncente, dês de tempe de foche e mi inda rapazim ja’m tava uvi pescador na Praia de Bote na desafiu tapada cumpanher, na sês hora desconse, ô de cmodá rede, num jogue de pergunta / resposta ta procurá sabê quem qu’era más bom intelectual de terra, s’era Nhô Baltas, Dr.Rosinha, Nhô Roque ô otes que tava bês na cabeça de momente... etc...etc.

Sem procurá protagonisme, quê n’ê nha estile, nem procurá ofendê ninguém, quê gloria ê pa nôs tude “Verdiane”, nês ultme one qu’um tem bode, m’ta cuntinuá ta dzê cma Mindelo pamode sê cosmopolitisme, tê inda ca perdê quel Alma de Capital Cultural d’Arquipelague de Cab Verd, embora alguns diasá p’ignorança e ódio, tê certe ponte, tem procurode tral ês carta de vesita.Ma ca ê pa esquecê cma Mindelo tem um Alma e Alma ca ta morrê.

No intante, depôs de tude exe one, mute rebera já corrê pa mar, e moda nôs grande Sr.Dr.Henrique Teixeira de Sousa tava custumá dzê na sê Djar Fogo admirável num “frado qui frã” (dzide que dzê)... Cma nunca ca podide esquecê papel importante que Mindelo na Soncente de Cab Verd tive na base d’educaçon e formaçon de pove de Naçon Cab-Verdiana.

Certe que dantes tive San Ninclau e sê Seminário que nôs ca podê esquecê e fazê gloria de Cab Verd naquel época, ma depôs c’transferença pa Soncente, cosa bem centrá tude na Mindelo Ilha de Soncente c’sê Liceu aberte pa tude pove.

Sem esse força cultural cunsiguide na tempe e na espace, representode e transmitide pa tude Ilha de Cab Verd de geraçon pa geraçon, quaz que nô ca tava tem nunca ês força de base d’existença.

Ma, conte vai atrás, porque ê mistide sempre recuá um csinha na tempe pa lança e podê lembrá quem que sabê, ma quem que ca sabê, importância histórica e cultural que Mindelo sempre tive na educaçon de nôs pove verdiane e de ter cunsiguide exportal e espaial pamode posiçon estratégica de Porte Grande de Mindelo (via de comunicaçon principal na época) e sê desenvolvimente, pa tude Ilha de Cab Verd e Diáspora.

Presença d’inglês na terra de Soncente, tive também grande influença cultural na nôs pove,dali presença de tcheu anglicisme (exemple: - catchil-panhal ta bem de verbe inglês to catch caught caught) na nos linga verdiana mode tude modalidade de desporte quês trazê pa nôs terra que tava já fazê parte de sês cultura(football, cricket, rugby, golf etc.,). E, desse troca ês levá algum cosa de nôs, quê na casa de Rinen, ma Alerton inglês moda tcheu que trabaiá na Soncente, sês fidje tê gora ta falá criol, cmê catchupa tude fim de semana na Gloucester – U.K.(donde um troca cultural de czinha).

Presença cultural francês, binde via San Anton, na quês comande(de tempe de corte de Rei Louis XIV) de posse de dança de “mazurka”(orija Polonês) c’sês galicisme de:

- en avant coté... changement de cavalière

Quem que naquel tempe ca ta lembrá ô tem na mimória moda se fosse hoje, quel romaria de malta fixe Estudante, cada um na sê tempe, que na principe ma na fim d’one tava imbarcá, na cais d’Alfândega (Cais de Ver Partir) ondê que hoje ê Centre Cultural de Mindelo, pa sês Ilha, depôs de Liceu fetchá ô enton pa Lisboa-Portugal, pa basse trá Curse Superior. Assim c’exe lembrança e consideraçon d’orda geral, mensaja tem que bai ta ser passode, quê recordá ê vivê, o quê dever de nôs tude.

No intante, História de vida dum pove na munde, dês que munde ê munde pa más que gente querê, gente ca ta podê pagal moda quonde ta passode borracha num folha de papel ondê que gente cabá de escrevê um treche c’lapis.

Quê ê de lembrá, pa tude mortal que nôs ê, cma nô ta fazê parte dum programaçon cósmica que nô ca ta podê feji e assim, nôs cab-verdiane nô tem que comprendê cma pa nô podê escrevê nôs História, nô tem que cumeçá pa comprendê história de Portugal, ô nô querê ô nô ca querê.

Tê gora, tem parcide de vez inquante um ô ôte criston c’mania de querê justificá cma Cab Verd, já na sécle XIV, quonde inda el era Deserte foi visitode pa arába ma pescador binde de costa d’África.Cosa que tê hoje ca fui provode por falta dum estude profunde de busca na terrene de “vestigios” pa esse fim e pa depôs dês ser recuperode c’mute atençon, ser tratode na laboratore (potássio-argon-carbone14) num espectógrafe de massa. Pa sô assim tude verdade fecá esclaricide e provode c’seriedade, pa depôs el ser escrite na história de nôs terra pa historiador.

No intante, quem populá e colonizá Cab Verd, fui português certe, e esse li nô ca ta podê negal, nem trás el. Assim, durante sécle, pa processe histórico de Comerce Triangular e tude sês triste consequença (esclavagista e escravocrata) na muvimente de populaçon, que nôs tude ta conchê c’mágoa, quê nôs tude ê vitema. Nascê um Pove e sê Naçon Cab-Verdiane c’tude honra, não sem dficuldade, baseode num mestiçaja c’um Identidade Cultural Insular (bipartide)na respeite pa cumpanher, bem definide, que nô ta manifestá sempre na tude momente de nôs vida, na tude parte de Munde, ondê que nô tiver de vivê.

M t’otchà cma esse tema lissim, tude nôs já ta conchel, quê jal fui batide e rebatide, ma m’torná falá del um bocadim sô pa lembrança, quê moda m’ dzê hoje tema ê Mindelo.

Enton, ê de lembrá moda ja’m dzê antes, cma pa Mindelo ser Capital Cultural de Cab Verd, antes e pa cumeçá, quel primer pedra pa formaçon de gente de nôs terra, foi poste na Ilha de San Ninclau (Seminário-1866) dirigide pa Igreja e subsidiode pa estode português na época.

Depôs el fui transfride pa Soncente, mode sê importância estratesca, sobretude mode muvimente e desenvolvimente de Porte Grande e sês facilidade de linha cumnicaçon, dum porta aberte pa munde Inter. Enton, dantes ês tava tchmal Liceu Infante D.Henrique, pa depôs passá ta tchmal Liceu Gil Eanes.

Dexe instituiçon saíba na época tude quês grande vulte de nôs país Cab Verd e de tude Ilha confundide qu’em siguida sube transmiti’n grande parte de sês valor.E nô ca podia dexá de falá dês quê ês ta fazê parte de História de Républica de Cab Verd.

S’um bem mentaba tude sês nome lissim nês escrite, papel ca tava tchegá, quê lista ê mute grande.Ma de tude manera sô m’ta tentá fazê um esboce rapte de situaçon pa’m ca feji de nha tema inicial.

Assim, quel passaja de sês cunhecimente ta na nôs cuntinuidade, na tempe e na espace, quê graças a ês, nô tem um Literatura Cab-Verdiana ric, consequente qu’antigue geraçon sube criá e sustentá na ALMA de revista CLARIDADE (Movimente Claridoso), fundode na 1936, pa homes de valor moda Manuel Lopes, Jorge Barbosa, Baltazar Lopes da Silva, Jaime de Figueiredo, Aurélio Gonçalves e más e más otes na cuntinuidade.

Foi um época que Mindelo na Soncente de Cab Verd marcá, na tude sê esplendor Cultural de contacte. Materia informativa era cosa que ca tava faltá e tava bem de tude parte de Munde o que tava mantê populaçon sempre bem informode pa mei de revista de tude espece, binde de estranger e rádio BBC de Londres que tava transmiti em português pa Brasil. Um época que tinha tcheu cosa que já nô tava conchê e que maioria de português na Portugal nem ca tava conchê, moda whisky por exemple.

Gente t’incontrá, nesse mei, um certe sincronisaçon na existença dês movimente literário, moda Modernisme brasiler na pessoa de José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Jorge Amado, um toque de Presencisme e Neorealisme que na época tava prop forte na Portugal.E ês três muvimente tive grande influença na estile de nôs escritor.

Enton, na tempe de luta pa Inpendência bem parcê tude quel geraçon verdiana que establecê tude um querela entre “des Anciens et des Modernes” (os Anciãos e os Modernos), denunciode na obra “Renunciando A Pasargada” de Francisco Fragoso e Conciencilização na Literatura Caboverdeana d’Onésimo Silveira. Inda fazê parte desse geraçon de valor: - Ablio Duarte, Ovidio Martins, Kwame Kondé, Kaoberdiano Dambarà, Mario Fonseca, Arménio Adroaldo Vieira e Silva etc...

Na dvera e através de tempe, geraçons ta sucedê. Depôs desse época, hoje jà tem otes geraçons que ta cuntinuà ta lutá pa mantê, embora divide p’algun disparidade ideológica, nôs força literaria e cultural ta mantê sempre vive e ta batê moda um coraçon. Tal ê presença escrita de Germano Almeida, Benoni, Nelson Cabral e más e más otes.

Tude esse esboce rapte li, foi sô na vida de Literatura Cab-Verdiana. Ma também nô tem que ter em conta tude quês ote valor e muvimente importante que ta fazê parte integrante de nôs “TODO CULTURAL”, moda tude quês valor artistico de nossa que já nô ta conchê e tude aquês otes que ti ta esperá quel ocasion pas podê exprimi sês talente ma vocaçon, más tude quês otes qu’inda ta pa bem.

Na teatre, na terra, nô tive quel tentavia de recuperaçon na pessoa de João Branco, certamente que ta estagnode grinhassim. Ma não sem nô esquece, cma teatre, já tava existi diazá na Soncente, ondê que tive boas peça bem representode pa quel grupe T.C.T. (Teatro Cénico Tropical) que marca’m nha infância e tcheu otes Club representative na Soncente moda Amarante, Castilho, Derby, Lombiano etc etc... Na Portugal, Dr.Fragoso (Kwame Kondê) e sê grupe Kordá Kaoberdi ta cuntinuá sempre active na secçon teatral.

Cma bsote podê oiá, tude esse força intelectual active de tude esse pessoal na linha de cuntinuidade e transmisson de valor, tê hoje em dia, ti ta bem de base desse malta que recebê tude quel mensaja de tempe de Liceu Gil Eanes que sube preserval e bai ta passal tê nova geraçon, sem ofensa pa ninguém. Cosa que caí tcheu na Soncente sô gora ultamente mode quel desinteresse geral provocode.

Ê c’um grande tristeza que tê inda, gente ta incontrá fetchode na Soncente, um data de Centre (moda num espece de má vontade pa cabá c’Mindelo-Soncente ) que podia contribui tcheu pa cuntinuaçon de desenvolvimente Cultural de nôs terra, moda quel Centre d’Artezanate na Praça Nova ondê que’era antigue Grémio, que s’el tava cuntinuá, grinhassim era primer Museu representative de vida activa cab-verdiana.

Mesma cosa c’Atelier Mar, Polibel e más “ateliers” de formaçon artezanal de nôs jovem. Tudes três tem grande importância na desenvolvimente de valor artisticos de gente de nôs terra.

Eden Park, pai e mãe espiritual, de nôs primer escola de vida active de Soncente c’sês monzada de filme, ondê que tava prindide tcheu cosa. Eden Park de bons Teatre, de bons Boxe e pa Carnaval quês boie sem igual nem rival, sem distinçon de raça ô côr num tude munde dança naquel ritme infernal de: - “folgue sta faltan” na bataria ora de Djosa Marques, ora Ude ô Ti Goy Caraca, siguide daquel clarinete de Ti Fefa e trompete de Jack Estrelinha e más tarde de nôs Morgadin.

EDEN PARK lá fetchode, pa desgraça Cultural de tude um pove Mindelense sem dia d’abri ê prova más qu’evidente de vontade de pô Soncente, um Ilha que foi boa madarasta pa tude fidje de Cab Verd, costa na tchon (Mnine de Gente Laval Um banda Bô Dexal Ote). Quê um cidade moda Mindelo sem Cinema ê um prova bem forte de sê decadença.

Já ê tempe de malta antigue ma jovem uni, seja com que deficuldade que bsote podê incontrá pa camin, bsote tmá conta de bsote cidade de MINDELO e de bsote Ilha de Monte Cara na respeite, pa lutá e, cunqui na porta de quem de direite pa exigis d’ijdá Soncente bem pa frente e, vral quel Soncente cosmopolita dum vez, de grande actividade Cultural Universalizode, moda na tempe que tava fazide Colóquios, Conferenças, Teatre, Cinema, Festival, Desporte e tude espece d’otes actividade que tava ocupá sempre tude malta.

Participaçon de tude gente, grinhassim ê más que necessare e importante na nòs Mindelo d’Ilha de Monte Cara, pa levantal, pa nô ca caí naquel marasme antropologique dum “Dolce Farniente” moda ultmamnete tem estode ta contecê.

Quê tê inda, Mindelo ê um Baluarte Capital Cultural de nôs Cab Verd tude inter a nôs de limpal s~e brazon e fazel torná brilhá pa dal sê lugar quel ta merecê de Centre de disperçon d’ideia de nôs Arquipélague, pôs sê intlectualidade inda ta lá quente sô ta pedi pove pa ijdal podê existi, qu~e inda el ca morrê, más do que tcheu gente podê pensà.

Pove de Soncente, ca nô dexá, nôs MINDELO CULTURAL morrê, quê el ê que t’alimentá tude nôs força, moda pulsar dês coraçon que tude dia ta batê’n na nôs peite!!!


ZIZIM FIGUERA (José Figueira, júnior)

V O L T A R


Comentá

Querido Zizim, Esse li ca storia! El ê HISTORIA !!! adorei ler, um artigo muito bem escrito, em que foste buscar exemplos ate na Historia da antiquidade opressores contra opressionados, para esclareceres os pontos do que esta acontecendo no nosso querido Mindelo. E realmente uma historia paralela ao que aconteceu aos outros povos que acabaram desaparecendo ( Incas e Mayas), como aos reduzidos a nada, como os nativos Americanos. Sera qeu e a itencao do governo de Cabo Verde fazer isso com Mindelo??? Pelo desprezo que tem tido com nossa cidade querida, tudo indica que sim. Mas estas certo, Mindelo tem Alma, e essa não morre, para inveja de muitos. Ha que sim nos unirmos, e fazermos chegar a nova geração que nem sabe a historia toda a importancia do Mindelo na Historia do cabo-verdiano, e exigirmos atenção aos centros culturais fechados, e a reabertura dos mesmos, a reconstrucao do nosso Liceu Gil Eanes, e os demais. Foi com mta. tristeza que vi ha dois anos, o antigo Gremio as moscas, virando ruina, como o Liceu, e outros predios abandonados. Bem hajas meu querido , pela tua incansavel luta pelo bem de Soncente, e Cabo Verde, e usas a tua arte de escrever para fazer este chamado na nossa lingua. Que Alguem que pode te escute! Beijinhos e parabens por mais esse conto. Magnifico. Com tcheu sodade Ju

Judith Wahnon          juwahnon@aol.com


Comentário:

Zizim, Numa só palavra e a malta cá de Sidney-Australia te agradece, pela lição de história. O tema é sério de refelexão. Espereo que todos os aue se prezam de serem cabo-verdianos a leiam e se compenetrem da situação. Obrigado nha broda. Um abração de todos Terencio

Terencio Lopes           terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim este artigo não podia cair em melhor momento. O Centro Histórico Cultural do Mindelo em S.Vicente promovido como PATRIMONIO NACIONAL. Sei que isto não é a maior das notícia do mundo para as pessoas se excitarem, mas ‘quand même’ acho que merecia regozijo da parte dos mindelenses, Mas acostumados que estão ao um sono profundo relativamente a assuntos de grande importância, não estranha. Fiquei deveras surpreendido com apatia. Apesar de tudo os mindelenses devem o seu nome e orgulho à sua cidade, sem ela não existiria mindelense. Por outro lado esta notícia não teve destaque merecido na imprensa nacional nem regozijo da parte dos mindelenses na net, passou pelo silêncio na imprensa Lembro a todos que desde a 3 anos por esta data temos desenvolvidos acções no sentido da preservação da casa do Dr Adriano D Siva, do Eden Park do Fortim del Rey etc.

Jose F Lopes             jflopes@ua.pt


Comentário:

Ao José Fortes. Tens razão no que dizes. Os mindelenses estão apaticos porque ainda têm o medo nas tripas e esta noticia pode ter caido como se fosse "fachom" de tudo quanto foi vandalizado.

Nita Fortes             nitafortes@sapo.cv


Comentário:

Zizim, O teu artigo está sublime e dá para tirar conclusões e lições sobre aquilo que Mindelo sempre foi e continua a ser. A grande cidade Capital Cultural de Cabo Verde. Embora um Mindelo espesinhado, um Mindelo magoado, um Mindelo bafejado mas um Mindelo sempre Mindelo... Minha gente já é tempo de acordarem e darem o mérito á nossa cidade. Pois água mole em pedra dura tanto dá até que fura... E a noss luta em favor do Patrimonio vai continuar. Vejam só o Centro Cultural do Mindelo em S.Vicente promovido a PATRIMONIO NACIONAL e não vi vossas reacções.

Vicente Dias               vicentedias@yahoo.com.br


Comentário:

Meu caro Djô Figuera, Bô ê sempre na TOP que bôs crónica de Soncente e li um prendê moda de custume tcheu cosa. Braça Lili

Larry de Pina           LPINA1@tampabay.rr.com

V O L T A R


Comentário:

Caro Zizim, Fiquei acordado até agora á espera do texto de domingo que chegou in time e com grande satisfação pelo brilhante tema. Por isso,quero antes de mais agradecer ao Jornal Liberal pela prontidão. Gostei muitíssimo do teu texto onde a mensagem está bem clara para todo aquele que sabe ler e que se sente São Vicentino. Realmente para além da portuguesa a influência inglesa teve grande importância no Mindelo de S.Vicente, das gentes que lá viveram e que levaram também eles a influência da nossa cultura crioula quando retornaram ao Reino Unido e outros lados. Olha tenho cá em Sidney-Austrália um amigo filho do banqueiro do meu patrão que foi consul em São Vicnete e é um apaixonado daquele Mindelo de otrora. Pois ele foi criado por uma senhora cabo-verdiana que os acompanhou trazida de lá para cá. Acho o facto de mencionar essa influência muito importante até porque São Vicente graças ao fenómeno de contacto se libertou mais e mais cedo da tacanhez cultural e intelectual portuguesa (teem que assumir isso!) devido a grande presençaa inglesa. De qualquer modo, tenho a dizer-te que o teu texto esta excelente, fugindo a um natural e habitual bairrismo bacoco em textos sobre uma Ilha/Região e falando de coisas realmente importantes. Soubeste, como sempre,fazer o equilibrio. Parabens! Bem hajas! Abs Terencio

Terencio Lopes           terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Meu caro Fig´s. Antes de mais, votos de um óptimo fim de semana. Quero felicitar-te pela pertinência e riqueza das tuas reflexões, trazendo contribuições importantíssimas. É legítimo que, de forma responsável, todos e cada um de nós lute e contribua para o resgate de tudo quanto já tinhamos, colocando acima de tudo a elevação da sociedade em todos os domínios. Importa, neste momento, uma grande sinergia de esforços, maturidade e cooperação face a um compromisso colectivo. Aquele abraço. Du

Deolinda Camões           ducamoes@hotmail.com


Comentário:

Adsmirável, primo. Conseguiste em poucas linhas retratar uma realidade indesmentível. Mesmno que queiram destruir nôs Soncente, ês ca ta podê. A nossa cultura, banhada pela Praia de Bote, cimentada nas nossas convivências não se apaga fácilmente. Aquele abraço Gui

Aguinaldo Wahnon          guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Um tema pertinente de grande envergadura e reflexão, que é de SALVÀ SONCENTE, muito bem elaborado escrito numa linguagem caboverdianamente simples. Todo o que sente realmente São Vicentino deve ler o texto e refletir sobre todas as linhas de pensamento ai claramente desenvolvidas e procurar soluçoes aos problemas. Se não cuidarmos da nossa Ilha quem a vai fazer. Obrigado Zizim por esta crónica que veio mesmo a propósito. Abraços Adão

Adão Oliveira            adaoliveira@yahoo.com.br


Comentário:

Caro irmao das comunidades ;nunca é demais, falarmos da capital de cultura, do nosso pais, nunca é demais relembrarmos o papel que ,Mindêlo, de ilha de Monte Cara, como tu dizes-é a capital cultural de Cabo Verde. Desde jà algum tempo, vem surgindo, na defesa deste valôr cultural, que INCONTESTAVELMENTE, nasceu no Mindêlo, Através de vàrias Associaçoes, que sejam no seio do pais, como na diàspora, vem se travando uma batalha, na defesa do patrimonio cultural, do nosso pais, evitando que, as suas raizes, nao sejam arrancadas, como se fossem, (ervas daninhas) ou mondas, prejudicando, a colheita das plantaçoes -politicas, cujos PATROES, que para os seus fins, utilisam a cultura de Cabo Verde, para ùnicamente, os seus interesses pessoais e politico-partidàrio. Mas no meio de tudo isso, o que me revolta, é presenciar o comportamento, do caboverdeano -claro està, nem todos - é se deixar levar, pelo fanatismo, pelo facto de pertencerem a tal ou tal partido, criticarem as manifestaçoes culturais, -sobretudo quando esta manifestaçao vem da diàspora, regeitando com agressividade, -ou melhor dizendo -SUSCEPTIBILADE, como se tratasse de invasores, que vem apoderar-se de Cabo Verde, na sua cultura. Confesso com tristeza, que a democracia, està entrando no nosso pais aos poucos, mas ainda, com muitas arestas por limar e infelizmente, sao arestas, que picam e faz muito mal, na vida do caboverdeano, o que estranhamente, ainda nao compreendemos esta situaçao. Bom domingo, aquele abraço d'um Criol na Frânça, Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA       


Comentário:

O proteccionismo e o nepotismo sempre foram, são e serão o apanágio das sociedades e suas camadas sociais de toda ordem e espécie deste mundo. Mas como a gangrena, precisam de ser denunciadas, para que sejam cortadas a tempo e não envenanerem todo o resto do nosso espaço vital. Para isso é preciso continuar a lutar sem perder esperanças, denunciando, até o dia em que o população compreender e reagir como vem acontecendo actualmente. Embora em Cabo Verde vivamos numa falsa Democacria completamente adulterada e bafejada pelas leis da intimidação. O caso de São Vicente é que três quartos da elite pensante é toda funcionária e dependente directamente do governo o que lhes leva a se fecharem na sua concha praticando a politica da avestruz, que mesmo vendo o perigo a chegar, mergulha a cabeça num buraco. Mas o medo não evita o perigo meus caros. Deste modo, a maioria desta elite, está se marimbando da sua cidade do Mindelo que ela desertifica todos os fins de semana deixando a cidade do Mindelo abandonada ás aves e ás feras e, da sua Ilha de S.Vicente nem se fala. Dir se ia uma Ilha Fantasma onde ninguém se quer responsablizar. No entanto, do Grupo Cordá Monte Cara que espero a pertinência deste artigo do nosso amigo São Vicentino de gema Zizim Figuera lhes faça efeito, aguardo boas esperanças. Porque se não formos nôs a mexer ninguém mexerá por nós. Obrigado Zizim e Força Cordá Monte de Cara. Abs Liz

Liz Cabel              lizcabel@hotmail.com


Comentário:

Excelente artigo Sr.Zizim, Não acabo de aprender consigo. A mãe diz sempre que você é a nossa Enciclopedia Crioula ambulante. E se mais não digo é porque estou emocinada com todo este seu potencial. Sinceramnete parabens. Um forte abraço de todos Suelly

Suelly Fonseca       suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, nha broda, Hoje esse li é um bomba e m ta esperá cam nôs malta ta lel. Se bô ta permiti'm m ta passal li na Radio Nova Ok?1 Quê esse cronica ta dzê nôs tude de Soncente respeite. Boa nh'irmon. Força e coraja sempre. Mantenha de mi ma malta Guey

Miguel M.Monteiro          mucimdereberabote@hotmail.com


Comentário:


Sr. zizim s.v. capital de cultura di ke? talves de parodia tem outros ilhas ki tem mas valores cultural ki sao vicente

toni       talaia89@hotmail.com


Comentário:

Zizim obrigado por esta crónica actualizada e bem urdida! Força para continuares a produzir esse excelente trabalho na nossa língua... Consegues regra geral trazer a realidade dum povo sofrido ao longo dos anos á tona de água tal como as nossas terras ficam á tona do oceano imenso! Por muito que nos digam o contrário mornas e coladeiras é a alma da nossa cultura e a raiz do nosso sentimento....! Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso            hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:


Boa, Zizim, por teres reproduzido em crioulo um importante relembório sobre a ilha de S. Vicente, em que perpassa a sua história, a sua cultura e sua alma. Oxalá não tarde a sair o livro há tanto tempo esperado. Que tenhas longa vida e saúde para realizares todos os teus anseios. Um abraço


Adriano Lima               amlima43@gmail.com

V O L T A R


COMENTÁRIOS

Extraordinariamente belo. Faz sempre prazer, grande prazer, ler um artigo na nossa lingua querida. Força irma, força. Continua sempre cada dia mais forte. Precisa sempre dizer a verdade, mesmo que às vezes dòi. Boa continuaçao, e sobretudo boa saùde, sempre. Sou: Joao Cancio

 Joao Cancio            joaocancio51@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Entende-se o saudosismo e outros sentimentos, que os dezoito anos foram criando no homem. Entretanto, a sua visão da cultura está antropológica e ontologicamente errada. A Cultura Cabo-verdiana remonta há mais de quatrocentos anos, quando algumas ilhas ainda eram poisio de cagarras e canoras. Além do mais, antes e depois da Claridade - importantítissimo movimento literário-cultural, diga-se - o Arquipélago mantém a sua Cultura em toda a sua dinâmica e expressão. Por uma história da Cultura, sem síndrome de elitismos e bairrismos. Cabo Verde é profundo, minha gente. De Santo Antão à Brava...

Filinto Elísio           filintos@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Gostei do artigo e leio sempre as historias do Zizim Figueira.Percebo muito bem o creolo que ele escreve e dou-lhe os meus parabens por não usar K Mantenhas

Amelia Sacramento Monteiro        ameliasantarita@yahoo.co.uk


COMENTÁRIOS

Konxi un parti di stòria di um di nòs ilha é interecanti comu també é importanti ami picualmenti n' gosta di storia di és homi kim ta txoma di voz do atlantiku. Djuda nòs guentis a percebi nòs kultura y tradison di kada ilha é um forma di dimostra afetu pa pa ses povos . Zizim nhas parabéns ami n' ka gosta di kes palavras là ku ismu y tismus. komprimentu y abracus pertadu.

ines Gonçalves        creolinhacv@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Felicito o Zizim Figuera por defender com bravura e fairplay aquilo em que acredita. Primeiro, através das suas estórias, a proposta de um alfabeto diferente do ALUPEC para a escrita da língua cabo-verdiana; segundo, neste artigo de opinião em particular, a defesa de um estatuto cultural de eleição para S. Vicente no contexto cabo-verdiano. Todos os países têm os seus centros de excelência cultural cosmopolita (não estou a incluir aqui as tradições populares), e estes nem sempre coincidem com as suas capitais (Nova Iorque mete Washington, DC num chinelo, e o mesmo fazem S. Paulo e Rio de Janeiro a Brasília, no que toca a prestígio e projecção cultural. Tanto quanto sei, quer os americanos, quer os brasileiros andam perfeitamente tranquilos e satisfeitos com esse estado de coisas. Por que haveria a Praia de se sentir diminuída nos seus pergaminhos de capital nacional se S. Vicente mantiver um estatuto de capital cultural?!... Esses pergaminhos deverão vir-lhe, antes, diria eu, das demonstrações de competência governativa da classe política. Essa sim, deverá continuar aí instalada. A não ser que algum surto de maleitas tropicais (Deus nos livre!...), causadas por insalubridades, e outras estagnações, obrigue a corte (desculpem, o Governo), a mudar-se para S. Vicente, ou mesmo para os ares mais frescos de Stº Antão.

Fátima Monteiro           monteiro.fatima@netvisao.pt

V O L T A R


COMENTÁRIOS

Sem opinião pelas "storias" do Zizim. Ele conta-os e quem quer ouvir ou ler é com eles; é como tudo. Como quando escreveu o Saial, filho adoptivo do Mindelo: eu li, gostei e aplaudi. Mas apareceu quem não gostasse a malhar. Agora é a vez do Zizim a levar batatadas (força irmão; coragem!). Eu podia dizer cada qual a sua vez mas tenho medo que estejam atràs pessoas que não querem saber do Mindelo Capital Cultural, o que é outra cantiga.


Pedro Vicente             pierre_vincent@yahoo.fr


COMENTÁRIOS

Ô que riola, criol te gostâ de riola!ô que riola ne mei d'munde, atê quel catchorr de tropa de Salazar tava lâ! ô que riola!!!, Bom deixemos de escabeche, caso contrario vai-me aparecer a Fatima Monteiro a dizer que eu também invento um crioulo diferente do do Alupec! Que raio de ideia é essa! Felizmente que o Djô Figueira Junior, não é homem que se deixa comprar e é pouco dado a graxa venha donde vier! Afinal temos aqui dois bairristas: o Filinto, que começa por ver 18 anos onde o Djô escreveu 15, e homem de ma fé, interpreta à sua maneira. NÃO Filinto! o Djô tem mais de 30 anos no estrangeiro, e não 18 e de saudosismo de mondrongue, so na cabeça do poeta do "poço"! O Djô andava a brigar contra o mondrongue quando Filinto não sonhava sequer ser um espermatozoide! Quanto a bairrismo, eu não consegui ver nada disso na escrita de Djô! Onde vi pelo contrario é na escrita de Filinto e de Fatima que para defender Djô resolveu atacar Filinto. NÃO percebo pois o que Djô escreveu até que não tem nada de novo, ele limitou-se a pôr no seu crioulo matéria que existe desde do tempo de Canecadinha em português. E estarmos aqui agora a renegar que Mindelo não serviu de Escola para toda a gente é ser simplesmente mesquinho, pois não existiam Liceus noutras Ilhas, logo toda a gente, até os pais de Filinto tiveram de passar por S Vicente. Enfim à Fatima que não se arma em es (x) perta, pois quando ela quis escrever uma tese escolheu (é o direito dela!) um poeta moçambicano e não Nho Balta ou Jorge Barbosa. Sabem porquê? Porque tem a mania de que era moçambicana, quando os moçambicanos a chamam de caboverdiana; e agora tem a mania de que é portuguesa, quando os portugueses dizem-na que ela é caboverdiana, e foi por essas razões que não lhe deram um lugar na diplomacia portuguesa, que esteve a reclamar aos berros! Conclusão mesmo que ela roube estatutos de Fundações lusas à procura de protagonismos em Fundações por criar em Cabo Verde, ela não tem lugar na crioulidade. E fico por aqui, porque senão vai-me cair encima essa Riola toda do criol e do cão de guarda de Salazar a mandar-me para uma Psiquiatria qualquer... Riola, riola na mei de munde, atê quel catchorr ja pô de gritâ ...riola!

Aldemiro Silve          saldissilves@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Conheço o Tarzan (Zizim) desde tenra idade e não duvido quando ele recorda o tempo em que me segurava ao colo e por vezes minha fraldita (hand made) entrava em incumprimento... lá tinha ele que ir a casa vestir outra camisinha "casca d'ovo" (made in Macau, acabadinhas de sair da Alfândega e amontoadas nas vitrines do Benvindo)que a Nhâ Bia Figuêra trazia sempre alvinha. Um retoque na colónia YARLEY, um gzinha dága na "pôpinha de Tony Curtis" e lá saía ele de novo, mangas da camisa viradas para fora, um bronze de despertar inveja ao comum mortal e perigar a relação do genuíno Tarzan com a Jane. Quem não se lembra desse tempo? Quem esqueceu os desafios de boxe? E quês bói na ponta de Praia, na casa de Nhâ Bia Mascarenhas ou no Clube de Caça Sub-marina? Tarzan, não páres com tuas estórias de Sóncente, e em crioulo, pois ao lêr cada uma "petit à petit" e em pensamento, regresso a essa "terrinha sabe" onde nasci e cresci. Os diálogos nelas estão escritos de tal forma que me sinto em cena, presenciando tudo por de trás da janela do meu quarto, escutando sons e vendo as imagens desse tempo... PARABÉNS, Tarzan!!! Escolheste muito bem o estilo!!! Conta tuas estórias e aponta os erros para que possam ser corrigidos. A democracia é para isso mesmo. Beijo, Lady Be (Princesa de Telheiras)

Beatriz M. Luís              beatrizluis2005@gmail.com


COMENTÁRIOS

Tarzan, não sei quem é o Aldmiro, mas parece um canhão. Dá-lhe um abraço por mim e diz-lhe que economize no combustível.

Lady Be            beatrizluis2005@gmail.com


COMENTÁRIOS

Senhor Adelmiro, Ressalvando o devido respeito, eu não tenho atitude bairrista em relação a Cabo Verde, país que tenho por indivisível. A unidade nacional deve ser defendida por todos - TODOS - os meios. Agora, o que não aceito, nem seria lícito que aceitasse, é a hegemonia e o bairrismo de quem quer que seja. Os pequenos deuses de esquina não me espantam. Não passam de espantalhos para levantar a horrível figura do autocolonialismo. Quanto à Fátima Monteiro, também respeitando a sua posição, discordo aberta e criticamente das suas posições. Acho-as retrogadamente lusotropicalistas e de competência duvidosa. Prefiro beber nos autênticos, como o grande Gilberto Freire e não nos subprodutos. Ninguém nega São Vicente. Deus, Mindelo é nossa parte indissociável. Mas, lá por isso, não se eceitam argumentos bizarros e a-históricos da formação das elies, ora em santiago, ora na brava, ora em são nicolau, ora em são vicente. a proposito, onde estão hoje os melhores intmelectuais de Cabo Verde?

Filinto Elísio              filintos@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Eu não vos disse que Filinto queria conversa! Bem agora o homem com essa de autocolonialismo. Mas uma vez mais é não conhecer Djô em particular e o mindelense em geral. Eu não conheço nem um svicentino que queira colonisar Santiago. Colonizar o quê na Praia, homem? Simplesmente ma fé de Filinto, pois se ele não tivesse segundas intenções teria lido bem a frase de Djô onde ele declina os varios sotaques de criol; quer dizer, ele engloba todo o caboverdiano nas suas diferentes declinações sotaquicas. Ver no homem, bairrismo de esquina, é indecoroso por parte de Filinto. O Poeta quer é chatice, pois ele vai ao ponto de dizer que temos que defender a unidade recorrendo a TODOS os meios. Sim ele sublinha em letyras maiusculas o TODOS, para dar a entender que estaria disposto inclusivé a ir para a guerra! Coitado do homem! Quem quer guerrear com um poeta? Mas o poeta insiste e termina colocando a pergunta: onde estão os intelectuais? dando a entender que eles estão em Santiago e não em Mindelo. So que o Filinto esquece de dizer que poderiam estar em Santiago, mas são de outras ilhas a começar por S Vicente. Intelectuais santiaguenses são dois ou três e não estão à altura; a prova é o Filas que perde o seu tempo em busca de falhas quando devia estar a jogar na primeira divisão. Djo Figueira tem razão: são precisas muitas gerações para a malta perder essa mentalidade de escravo. E essa malta ficou com gente como Filinto. NÃO Filinto, os intelectuais não estão em Santiago, mas sim na Diaspora e veja la se faz uma boa tese no Brasil.

Aldemiro Siilves                   aldissilves@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Os intelectuais não andam por aí em cartazes publicitários nem são eleitos, felizmente. Cabe-nos descobri-los e apreender as suas mensagens! Falam uma língua diferente, a língua do conhecimento. Não falam sem saber e à falta de provas optam pela prudência. Vivem isolados. Não precisam de nada nem de "amigos", pois os seus bens estão sempre com eles (na sua mente, aberta e informada). Os AMIGOS "grudam"-se-lhes para sempre. José Figueira Júnior, Zizim para os amigos, é uma dessas pessoas e há que lho reconhecer. Estou certa de que muitas das suas "estórias" virão a ser estudadas, quiçá na disciplina de Literatura Caboverdeana. Ele conta tudo aquilo que realmente era a Sociedade do Cabo Verde de outros tempos, os hábitos e os costumes, a opressão por parte dos poderosos, uma cultura abafada durante centenas de anos. Lá no seu isolamento ele não está só. Ele sabe o que quer e sabe o que faz. E os AMIGOS existem e adoram-no! A independência vem permitir recuperar tudo o que estagnou ao longo de séculos. Para isso há que haver abertura, vontade e isenção. Agora câ bzôt cummçá tâ sentá na pracinha nem na tud pared bêdje sô pâ pôv bem pensá culi más ôt intlectual!!!

Lady Be                 beatrizluis2005@gmail.com

V O L T A R


COMENTÁRIOS

MEUS IRMAOS TOMAMOS ISTO COM CALMA RESPEITAMOS AS IDEIAS DE COMPANHEIROS VALORIZAMOS O DESFORCO DOS HOMENS DA BOA VONTADE . CADA ILHA TEM O SEU POETA , CADA ILHA TEM AS SUAS HISTORIAS MAS TODOS REPREZENTAM NOSSA QUERIDA CABO VERDE .COMO MINDELENSE DOU OS MEUS PARABENS A ZIZIM FIGUEIRA PELAS SUAS TAO BELAS HISTORIAS QUE FAZ O POVO MINDELENSA VIVER E RECORDAR OS TEMPOS QUE JA LA VAO .NESTE MESMO CONTEXTO APROVEITO DE DAR UMA FORCA AO JOVEM PAULINO DIAS PELO QUE ELE TEM VINDO MOSTRANDO E TRAZINDO ATE NOS AS SUAS HISTORIAS DE SANTO ANTAO . PARABENS PELO SEU LIVRO GENTES DAS ILHAS . SEJAMOS TODOS UM BOM CABOVERDEANO A FAVOR DA NOSSA TERRA CABO VERDE. PRA FRENTE LIBERAL ON LINE.

CARLOS LOPES                 CARLINHOSTEPTEP@TISCALI.NL


COMENTÁRIOS

Senhor Aldemiro Silves, demarco e dispenso essa Primeira Divisão. Preferências, digo-lhe. Ninguém falou aqui de Mindelo colonizar a Praia e vice-versa, o que seria uma coisa bizarra e ridícula, além de contra a natura. O autocolonialismo tem a ver com o comportamento de certas elites sobre a grande massa. No nosso caso, uma elite pós-colonizada, para não dizer neocolonizada. Agora, qualquer ilhismo sobre Santiago e vice-versa seria mesmo ridículo e não ponha na minha escrita intenções tão anacrónicas. Nada tenho contra o Senhor Zizim Figueira. Leio o homem com prazer até. Apenas e tão-só discordei de algumas colocações pontuais do homem. Em verdade, desconheço quem possa ser dono da verdade, com perdão pela redundância. Mas fique bem claro: não deixeirei de dar as minhas opiniões lá porque A, B ou C se sinta "cutucado" nas bases. Quanto à tese no Brasil, não se preocupe que saberei cuidar dela. Aliás, muitos deviam a esta hora fazer a devida reciclagem, pois os jurássicos não estão com nada. Concordo que a maior parte dos crâneos esteja na Diáspora. Mas vamos reuni-lo e classificá-los, ao invés de dizer larachas ao vento. Onde estão as competências, insisto? No tocanto aos resquícios da Escravatura, fiquemos conversados: mais vale ser filho de Escravo que de anónimo marítimo da roda do mundo. Preferências...

Filinto Elísio            filintos@hotmail.com


COMENTÁRIOS

As "larachas ao vento" têm vindo do lado de Filinto, que cada vez que responde, adapta os seus escritos. Não sou advogado do Tarzan, logo limito-me a dar o troco ao Filinto naquilo que acho que ele me respondeu directamente. O Filinto tem o direito de escolher ser Escravo. So que não conheço ninguém que queira ser escravo e a historia nos mostrou e demonstrou que o escravo luta sempre pela sua libertação. Agora se Filinto quer permanecer um escravo isso não é da minha competência julgal! O problema é que desde o primeiro escrito de reacção, Filinto não tem sido leal e é por isso que vem sempre repor o seu pensamento, ajudado pelas minhas respostas. Por exemplo ele começou por dizer que houve um pré-Claridade, dando a entender que isso foi esquecido por Djô, que começou precisamente pelo Seminario de S Nicolau, que como todos sabem formou um PEdro Cardoso, que como é evidente é um pré-claridoso. Depois Filinto tentou tirar a Mindelo aquilo que a historia lhe conferiu em termos médio-estatisticos, para espicaçado por mim, reconhecer que Mindelo é Mindelo. Mas de ma fé, la foi metendo a faca à procura de uma ferida qualquer e não vou enumerar as bacoradas porque estão ali para todos lerem e fazerem da sua justiça. Agora veio com essa de escravo, quando eu falei de mentalidade de escravo. São duas coisas diferentes. Eu conheço gente dita branca que como é obvio não foi escravo, mas que tem mentalidade de escravo. Gente subserviente que não sabe pensar, que não tem um pensamento proprio e que despreza outro por causa da sua cor da pele. Gente inculta e néscio, que tem mentalidade de escravo. Mas o problema de Filinto, é que pelos vistos pertence àquela categoria de santiaguenses que sofrem de complexos de inferioridade frente aos mindelenses. Essa gente que acaba de ver o mindelense começa logo a dar coices! Eu não tenho esse problema porque eu pertenço a mim mesmo e não pertenço a ninguém. Por isso é que prefero ser escravo e não quer ser filho de marinheiro anonimo. O pessoal tem que ficar a saber que essa frase é recorrente em badius complexados quando se referem a svicentinos. Sempre vêm com essa de que o mindelense "é filho de maritimo", querendo com isso ofender as nossas mães e mulheres. Ja ouvi isso varias vezes da boca de malta de Santiago. Como é evidente não dou importância nenhuma a mentecaptos que assim pensam e estou desiludido que o Filinto va buscar argumentos desses calibre. Sabem porquê? Porque não tem tido bons argumentos. Mas o Filinto que fique sabendo que não é por isso que lhe vou coarctar a sua "liberdade de opinião", como disse. Alias nem poderia, pois a faca e o queijo estão com o Liberal. Sou daqueles que defende que a liberdade deve ser total, mesmo com derrapagens, porque o leitor farà a separação das aguas. O leitor sabe sempre onde parou a razão e entraram os sentimentos e as paixões. Quem não sabe é essa elitazinha mariadinha complexada, onde se inscreve o Filas. O Filas diz-nos que tem tento e crédito para fazer a sua tese. NÃO duvido, mas estou a ver que "as massas" e não os individuos estarão ali pois ainda povoam a sua cabeça. O Filas não nos disse igualmente que tem uma Bolsa que é a paga do seu trabalho durante a campanha de apoio a aquele que hoje é Presidente de Cabo Verde. As pessoas têm que saber isso, pois muitos filhos de parida, não têm nem comida para comer quanto mais agora bolsa para estudarem. Eu não estudei com bolsa e estou a estudar desde os 5 anos e agora é até à morte, mas sempre do meu bolso. Quanto às competências se estão na Praia, como o Filas quer, volto a dizer que elas são de todas as Ilhas e uma grande maioria de S Vicente. Continue a escrever Filas, pois não sou daqueles que reclamam ao Liberal para censurar este ou aquele.

Aldemiro Silves              aldissilves@hotmail.com


COMENTÁRIOS

Não o sabia tão mentecapto e oportunista, ó ilustríssimo desconhecido. Contrariamente ao lobbysmo corriqueiro, eu estudo no Brasil por conta própria e não concorri a bolsa nenhuma. A sua rede pidesca anda mesmo a falhar. Nenhuma entidade governamental tem algum pedido meu de bolsa de estudo. Creio que está a delirar sobre a sua mentirosa condição. Folgo em saber que acusou o toque. Sei que não é "cavaleiro solitário" como pretende, mas está enturmado numa corja que deseja perpetuar certas incongruências. Não me interessa o Aldemiro Silves, que não tem opinião própria, mas a cabala e o establishment que está por trás de tudo. A procissão ainda está no adro e esta questão nos ultrapassa, ó menino. Eu fiz a campanha do Presidente Pires, por coincidência e convergência política a dado momento. Analisando a conjuntura ainda persistente, fá-lo-ia de novo. Com muitíssima honra. Mas não me amarro à política, nem aos políticos. Tenho pensamento próprio e, me perdoe a imodéstia, luz própria. Amo São Vicente da mesma forma como amo as dez ilhas de Cabo Verde. Vim de um ninho nacionalista, rapazote. Mas também aprendi a ter espírito crítico, doe a a quem doer. Doravante, não respondo as suas provocações. Aguardo a energia para os seus patrões, bem localizados aqui e acolá. Acuide-se da histeria, viu? Às vezes mata...

Filinto Elísio              filintos@hotmail.com

V O L T A R