PA NININA CA TIVE PENICILINA

Na épca, efeite de tal ramede, moda tava falode na boca de pove, sem sabê, tava já ta fazê milagre na munde inter... Sperança, na uvi dzê, nascê na cara de nôs Ninina. Ma!

Ninina, scurinha de goste e odju preto di uva maduro, fidja de Nha Nina e irmã de Nuna (familia de N) moda nô tava tchemás, era daquês menininha de nôs rua de SanBandera que sês grande argola pindide n'oreia tava vral tão bnitinha, ta incantone e pô nos tude dode na el.

Deboxe de sê pobreza, sempre limpinha na sê bestidim fluride de ramaja, tava bem tude dia da tarde daquel escola de prendê fazê renda na casa de Dona Maria Amélia Miranda, lá na rua de Matijim. Escola qu'era de graça pa quem cris e ondê que tcheu menininha, despôs de sês quarta classe, moda nha mãe e otes, incontrá sês flecidade de cuntinuá ta ser útil na sociedade.

Nôs, na épca rapazim de nôs nove pa dez one, era tude paixonode pa Ninina, que era já menina de sês dezasseis pa dessasete one.

Nada arisca, de bom coraçon, ela tava custumá Pará e falá ma tude nôs e, quonde ela tava corrê um de nôs mon na cabeça ô na cara, era logue mutive pa galantaria ma bajofaria na mei de malta.

Diferente dum ote bnitinha de nôs rua, por nome de Bilinha, que tinha um medonha de sê mãe, que tava stode sempre na janela ta goital e ca tava dexal nem falá ma nôs... Assim, logue que ela tava somá ta bem d'escola e entrá na nôs rua, ela tava trá uns pé de carrera sô pal podia entraba na casa sem dexá nium de nôs tchegá perte dela.

"Hidroavião que levou a primeira dose de penicilina a S. Vicente para salvar o filho do consul inglês da época" Nuna (Honório), sê irmon más bedje, tinha ranjode um trabaim de verificador n'Alfândega que n'era mute bem pogue.

Ma, c'aquês renda bnite que Ninina prendê fazê e tava dá cumpade Franguinha pa vendê na borde, nha Nina ma sês fidje tava ta bai ta scativá vida moda tude criston de nôs rua, cada um na sê tonte!

Anton, bem contecê que Juvine de Nh'Antonha Rique Sena, vezim de Ninina, também grande amigue de Clube Sportive Mindelense e fundador de grupe "Júnior", que tava fazê bons desfile pa Carnaval dum vez na Soncente, bem panhá Ninina e pol na sês grupe.

Basta Ninina vrá logue dama prefirida de tude quês baim na Castilho e otes sala de boie de nôs terra, cum monzada de moce pa trás dela, ma ela sempre fiel a sê grande amor, Felicione de Nha Nené, que também era menine de nôs rua e de quem nôs tude tinha ciúme.

Num daquês note calorente de Mindelo, lá bai nôs Ninina pa más um boie de grupe "Júnior", cumpanhode pa sê tchutche Felicione, que n'era de grupe ma Nha Nina tinha cunfiança pa intregal sê fidja fema e dexal leval e ba bescal na boie... Por uns dôs vez, dzide cma el tchegá brigá pa descorajá uns paixonode de sê tchutcha!

Esse famose boie na Clude Sportive Castilho tinha mesa sirvide sem merrinha de salgadim, croquete ma pastel, sandwich fete de pon de forma ma quês ponzinha recomendode de padaria de Nho Anter na rua de Machado e canalim de Telégrafe, ma bibida de tude espece, não sem esquecê quel pontche ma quel cocktail de fruta fete pa Nh'Armandim de quiosque e, pa completá quel mesa, um tchuquim assode cum maçã de SanAnton puste na boca.

Note tava quente, pove tava sabe de munde, tude na descontra, ta bibê e ta cmê pa descontá sês denher. Dama ca tava pagá, quê pa ês entrada era de graça. Ninina, fidje de miséria de nôs rua, pa ela quês boie era importante, quê não sô ela tava cmê bem cmide tcheu cosa qu'ela ca tava incontrá na casa, cma também ela tava trazê sê mãe ma sê irmunzim Nuna sempre um cusinha pa casa, que tava sirvis uns dia pa cmê.

Na mei daquel sabura de boie, ta bibê cosa fresque, só ta entrá ta sei de sala pa bem tmá fresque na rua, Ninina bem sinti mal, dal um cosa, el quei na tchon e pove bem logue socorrel. Felicione também tava lá na rua, ês cambá Spital. Marê Roque é qu'era infermera de sirvice, logue el dzê pove cma ela tinha mede que fosse um "tísica galopante"...

Ma Dator Mirandinha bem ta tchegá, ma já Marê Roque tinha dode Ninina um sualfatiozol, que na épca era daquês ramede, pa uvi dzê, más importante de nôs terra. E, que más uns calmante de dator, Ninina bem cordá pa ligria de pove.

Nôs, no bem tive nuvidade daquel situaçon de Ninina só na dia siguinte logue cidim e tcheu de nôs ca ba pa escola sem ba spial. Cuitadinha, no otchal já cum cara tude diferente daquel carinha bnitinha que nô tava custumode oial, tude ta tossê, tossê, torná tossê sem pará! Nha Da Luz d'Eduarde, vezinha santa amdjer, amigue de nôs tude, ba logue fazel um xarope de agrion (ramede de terra) que cunsigui calmá Ninina quel tosse.

Naquel tempe, ramede bom era bem poque, felizmente que tcheu doença era curode que ramede de terra ma seleçon natural. Pa um consulta na Spital, tinha que bode cede pa pô na bicha e pudesse panhá numbre... Cosa que tcheu vez era bem dificil tchegá na el. Consulta particular era só pa gente rique.

Dator Daniel, que era um bom dator, home de coraçon grande, tava custumá dá consulta pa indigente tude quarta ma sexta-fera, de graça, que entrada pa porton na rua de Papa Fria... E tava recebê vinte escude na gente rique, o que tava representá um fortuna, quê um litre de midje era quate toston e um pon de midje era dôs toston!

Situaçon de Ninina tava cada vez ta piorá, anton fui fete um coleta lá na nôs rua pa quês mãe, cosa que tude gente partecipá. Té nôs no sacrificá nôs cinque toston de semana pa amor de Ninina. Assim, ela fui levode pa dator pa consulta pagode, cosa que dator Daniel ca cris nem recebê mode situaçon de pobreza de nha Nina, que el sube pa sê impregada.

Despôs de rai-X, um diagnoste bem triste caí de boca de dator Daniel, que dzê logue cma Ninina tava TUBERCULOSA!... Cosa que fui um abole, trançode dum grande tristeza pa tude gente de nôs rua. Ninina fui logue isolode naquel casa de Friza, na nôs rua ondê quês tava morá, pa orda de dator, moda era custume pa tude criatura daquel triste doença na épca.

Sê mãe, Nha Nina, ma Nuna, sê irmon, mudá de casa lá mez e fecá sempre ta prestal sistência, ma que mute cuidode ta sigui orda de dator Daniel. Era lavá prote na ága firvide e tude cosa que ela tava usá ô pô mon era sempre notode, pa ninguém ca tocaba mon na el, e puste à parte pa ser quemode lá pa tchada.

Nôs anton, nô fui tude proibide de tchegá perte dela, cosa que marcá nôs tude té data d'ahoje!... Ma Ninina, menininha querida de nôs zona, na mei de sê tormente sem sperança de nada, passá ta tem um boa sistência de pove de nôs rua, que deboxe de tude sês pobreza tava ta dá sês best, siguide sempre dum grande sperança d'oial otchá amdjor, quê alvicera dum tal ramede já tinha tchegode na Soncente na jornal inglês Times (ones 49/50) ma que té inda na terra pove ca sabia sê nome.

Tude dia que Deus tem na cruz, nunca tava faltá Ninina quel três refeiçon por dia, quê tava bá longode ela fruta, café, almoce, jantar, xarope d'agrion e quel sangue de boi quente que tude doente de doença fraca tava ba bibê lá na Matador pa dás força e que Nuna tude dia tava ba bescá e tava trazel ta suquedí pal ca cuagulaba e Ninina podia bibel.

No intante, bem contecê que fidje de cônsul inglês Alerton, que também era chefe de cumpainha Millers & Corys, tinha contraíde, despôs dum currente d'ar, um tosse moda quel de Ninina. El fui internode na Spital inglês e cma cosa ca tava ta amdjorá, logue fui telefonode pa Londres pa dasse expediente urgente pa esse tal ramede.

Dôs dia despôs, fui fastode e linhode pa más longe, na Baía de Porto Grande, tude quês lantcha baziu de carregá carvon que tava stode fundiode perte de Praia de Bote ma cais de Nacional, pa fazeba lugar pa esse tal HIDROAVIÃO inglês (foto li junte ), que alvicera já tava ta corrê na tchon de Soncente tava ta bem aterrá na mar, pa bem trazê PENICILINA pa primer vez na nôs terra.

Na épca, efeite de tal ramede, moda tava falode na boca de pove, sem sabê, tava já ta fazê milagre na munde inter... Sperança, na uvi dzê, nascê na cara de nôs Ninina. Ma!....

Hidroavião fazê sê "kisslanding"na mar de Baía de Porto Grande, que sê dose de PENICILINA pa fidje de consul inglês, pa dez hora de plumanhã e ba fecá lá perte de Praia de Bote pa esponte de pove. Penicilina desimbarcode, levode pa Spital d'inglês, que hidroavião sebide no ar, fui one time.

Penicilina ma Streptomicina só bem parcê na Soncente na ones 50, quonde Dator cumeçá ta fazê quês operaçon de cesariana ma pendecite.

Dr. Daniel, que era dator de inglês, bai fazê sê traboie, injectá Clife, fidje de cônsul, quel penicilina e el, bem limentode, ba ta otchá bom poque a poque daquel infecção pulmonar que el tinha, na space de uns semana.

Uns tempe despôs, moda impregada bem contá, Dr. Daniel fecaba uns dia bem triste só ta pensá na injustiça de munde e na Ninina quel podia ter salvode também c'aquel PENICILINA, que dose fui só pa fidje de consul!

Anton um dia, sentode na mesa na hora d'almoce, dal um crise de raiba ta pensá na situaçon, el vrá pa Guida sê impregada el dzel:

- Oh, que rima triste, menina!

Guida vrá, dzel, colê?

El respondê:

- PA NININA, CA TIVE PENICILINA!!!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V O L T A R