QUEL SINE DE MINTIRA NA BARBARIA DE TI PLACE

Lá na rua de San Jon, num conte bem gatchadim de Barbaria de Ti Place, longe de tude oie mau pa ca descunfiá, perte daquel porta de quintal de casa de Nha Joana Coronel, linhode que rua de Matijim, marrode espundrode num grande barra de fer, tava quel SINE...

El fazê durante tcheu tempe, parte d’alvícera, cubiça ma intriga de gente daquel rua e de tude criston que passaba pra lá, pa bá cortá cabel, barba ô faze posente pa curiusidade e fecaba ta sabê nuvidade de terra, moda sempre fui custume na tude “Barbaria de Soncente”.

Ma, quel Barbaria de Ti Place lassim, era um lugar mute especial, nimode pa mnine ma gente grande sempre ta entrá ta sei, na respeite, uns sentode ta trá cabel ô ta esperá sês vez, otes ta ijgá uril ô bisca, ô anton ta conversá que cumpanher, pa bá ta ijdá betá quel dia pa trás, deboxe daquel ambiente natural chei de MORABEZA prop de terra.

Grogue ma bafa lá ca tava vindide, quê se gente queria, gente pudia passá da lá de barbaria sem prublema, de rua de San Jon pa rua de Sant’Antone, também cunchide pa rua de Matijim ô Canecadinha, ondê que cosa de manha ca tava faltá pa vendê!

Assim, lá era um lugar que ca tava cabá gente e bem poque era quel criston que tava fecá um dia sem bá marcá sê ponte lá na Barbaria de Ti Place.

Basta um pessoa estode infadode e queria esparajá vida ô sabê nuvidade de terra, era sô ba lá sentá um padoce ta esperá alvícera!... Assim, tava fecode ta sabê de tude inquante que tava estode ta passá na terra.

Lá era moda quês lugar sagrode, ondê que pove tava bá esquecê alguns hora de sês miséria de munde! E cabá,“EL”tava fecá situode num lugar de grande muvimente de negoce, coraçon de cidade de Mindelo, que tava brangi rua de San Jon, rua de Matijim, Plurim de Pexe ma Vascona (lugar de venda d’ága binde de Tarrafal de Monte-Trigo, SanAnton), Praça Estrela, Praia de Bote, Captania, etc…

Mute gente tava ba lá também, pamode Ti Place ma Jon Fibrinha, qu’era dôs bom Barber, sempre de coraçon na mon pa facilitá um corte de cabel de graça na fidje de pobreza... Ma também, ês era dôs pirracente sizude, stile dá que pedra gatchá que mon, sempre desposte p’uvi cosa que cada um ta tinha pa dzê ô contá.

Assim, deboxe de sês popularidade, naquel lugar, gente tava fecá ta sabê de tude inquante que tava estode ta passá na munde, ma na vida de nôs terra Soncente. Ma pove também, tinha que tem mute cuidode no qu’ês tava betá de boca pra fora, quê na mei de tude quês pirraça ma stora de vida de tude dia, prop de terra, lá ta tinha quel “SINE” sempre de standby (alerta) que ca tava perdoá, seja el quem fosse que basse pra lá que sês MINTIRA!

Contecê, q’um vez tive um crise d’ága na Soncente, mode tanque de vapurim que tava custumá trazê ága de Tarrafal de Monte Trigue-SanAnton pa Soncente, tinha frode.

Enton, Jon Alvacora, um daquês pescador famose, fidje de terra bastante cunchide e importante na mei, mode era daquês valente que tava custumá sempre pô pove quel pexe na prote pal cmê, tchegá lá na Barbaria sem sabê de nada, um segunda-fera plumanhã, cum cabelon ma um barbona cabode de criá, tamonhe de manhã, pa fazê, despôs dum data de dia mitide na pesca de lorgue, lá pa Deserta (Santa Luzia-Djeu Bronque-Djeu Roze).

Enton Jon Alvacora, despôs de ter betode Djondjon, sê subrim, bençon e dode quel bom dia de Deus pa tude gente uvi, cosa que tude gente log respondel!... Jon Fibrinha, barber de dia, cumpanher de Ti Place, log mandal sentá e, naquel ritme de expediente pa rapte, cumeçá pa tral cabel escovinha one time, despôs de ter el cabel cortode, bem cortode, Jon Fibrinha fazê um pausa, pará um bocode... Lá, Jon Alvacora, que era mnine de casa, otchá estronhe quel pausa de Jon Fibrinha e dal log fala ta dzel:

- Oh, boy, what about esse barba?!

Jon Fibrinha fecá muque ta pensá dôs vez e despôs dzel, bom ok e, enton el continuá sê traboie, el panhá sabon em pó pa barba daquel que ta tcherê prop sabe, comprode lá na drogaria de Djandjan, e cumeçá ta betal naquel putim de fazê prute prute de sabon pa barba e ta betál cuspe de sê boca, ta mexel c’aquel pincilim pa trançal té espuma de sabon cumeçá de parcê.

Jon Alvacora trá log um solte daquel cadera pra fora, prop chatiode, descunfiode, cum raiba que só Deus ma el sabê!... El vrá pa Fibrinha num ton grave, el perguntal:

- Oh, Jon, afinal esse é o quê?!

Jon Fibrinha, que tava custumá arri mute poque, vrá que sê cara séria lá na mei de tude quês gente, el dzel:

- Com muita pena, nh’irmon!... Adeche Jon, godzide bô n’sebe cma já tem uns dia lorgue que Vapurim, ta variode rastode na rastador cum broque na tanque d’ága, que nem ága Vascona ma Maderal se já tem na tchon de Soncente?!

Jon Alvacora, sempre descunfiode, pensá cma era goze, quê devera c’aquês data de dia cambode lá pa Deserta el ca podia nunca duvenhá quel situaçon, inda más custumode c’aquês goze de Barbaria!... Enton, chei de raiba Jon Alvacora argui, trá denher de bolse, bá ta longá Jon Fibrinha valor de sê traboie e, na rafiladeza ta mascá taboque, sem gaguejá na sê voz roque rastode, dzê que voz olte pa tude gente uvi:

- Ooohhh... Fibrinha, mi é fidje de pobreza, ma mi n´é tchuque!... E bô podê dexá, quê um sabê cma bo aguinha bô tel li gatchode só pa bôs mnine bnite! Ma ca ta fazê nada! E, pa esse reste um ti ta ba cabá de tral lá na Barbaria de Jon Monque!

Basta tive um silencie, e despôs tude quês gente lá na barbaria, espiá pa cumpanher, ês largá t’arri, quê uns boys que tava lá sentode t’uvi quel conversa vrá pa Jon Alvacora, ês dzel:

- Ommm, bai na hora de Deus, quê lá na Barbaria de Ti Jon Monque, qu’esse falta d’ága que prei está, p’ês fazê gente barba, ês ca tita betá cuspe na potim moda li na Fibrinha! Lá, ês tita cuspi gente el diretamente na cara!

Foi log um risarada geral ta sei que força, da lá de dentre de barbaria, siguide dum “Diun… Diun.. Diun… Tlão”repicode naquel “SINE”, que tude gente de rua ma vezim que já sabia, tive de bem log ta corrê juntá na porta de Barbaria de Ti Place, sô pas podia oiá quem quel que tinha basode sê FNINHA (MINTIRA)?!...

E assim, risarada tive de fecá más nimode, que tude quel pove ta participá naquel paródia, ta espiá p’aquel moce, que log abri na tchada, ba’mbora, quê jal sabia qsê q’aquel tocar de SINE queria dzê!!!

Uns dia despôs desse passaja de Jon Alvacora na Barbaria, bem parcê um vente na Soncente que pô tude pescador na terra... Enton tinha tonte falta de pexe, que nem cavala se tava otchode na pedra de Plurim ta vendê. E, cma quel vente ca queria pará, pove d’orela de mar, na sês superstiçon, cumeçá log ta dzê cma era maldiçon, mode n’era normal um ventania daquel que terra sempre ta rudiá, té ta fazê fenil!

Enton, num dia que vente calmá um csinha, bem parcê um moia de posse voador (pexe voador) ta bem de San Pedre. O que foi um verdader salvaçon pa pove e, pô tude gente admirode c’aquel moia que Deus mandá de ceu e vrá log assunte de conversa pa tude banda de Ilha de Monte Cara.

Cma ca podia dexá de ser, done daquel monzada de pexe, que n’era nem más nem menes que Sr. Jack Camila cobe-chef de San Pedre, pescador strong, talvez segunde home más forte de Soncente, daquês tempe, despôs de Nhô Faustino de Maderal, tchegá tude bajofe, na galantaria e um data de cantan cantan, lá na Barbaria de Ti Place, ta contá pove cma el ê que tinha trazide quês tonte juvita (carrinha) lugode, carregadim de pexe de San Pedre, pa besse matá pove de morada fome!

E, el fecá sempre naquel lenga lenga, d’etc, etc, malagueta...Ta pensá cma uvide de cada um era tchequer!.. Ma, cma naquel lugar ca tava faltá curiose, tive um daquês “rote busode” de Barbaria que parcê pra lá e dzel:

- Oh, Nhô Jack, devera, devera, bsote foi salvaçon desse pove! Ma bocê bem contone cmanera que bsote consigui panhá tonte pexe assim, despôs de tonte dia de tormente, sem pescador podê panhá nada?!

Enton Jack Camila, na tude sê firmeza que certeza, tmá tempe de rolá sês manga curte de sê camisa, pa quês muscle de broce podia fecasse ta subsaí más e, el rancá log ta contá sê storia, ta dzê cma, sentode trás de casa lá na San Pedre ta dá de corpe, bel um ideia na cabeça! Assim, el ma sês fidje e cumpanher pô ta betá padoce de queje de cabra ralode na mar e foi c’aquel tipe d’ingode quês fazê tude quês posse voador parcê na mar!... E, enton ês proveitá!!!

Mal el fetchá boca, sei log quel SINE DE MINTIRA, “Diun…Diun…Diun Tlão!”, tocode pum corajose, que ba ta tocá bá log ta dá milha que mede de reaçon de Jack!...

Basta tude gente largá t’arri e, Jack Camila vrá que sê calma d’home prop forte e segure del mez quel era, e que ca tava nunca busá de sê força, ma tava impô respeite!... Só el perguntá quem que tinha el tocode na SINE?!

Ninguém ca piá! Basta, nem mosca nem mosquite se bô tava uvi ta voá quel hora, tude gente fecá muque e ninguém ca respondê, quê quel boys já ca tava nem pra lá... Jack vrá mau dmunde e, cma ca tive resposta, el panhá sê boina, jal ca nem trá cabel lá na Ti Place, sô el pô pê na mama de cadera e, el sei pa rua ta bai ta tchiá…

Ma, cma naquel Barbaria ca tava cabá pirraça, enton foi vez de Capton Jesuíne, natural de DjaMoie, mestre d’ilhas e costas e dono de naviu REX, que devera na época era naviu de vela más rapte e corredor, cunchide na tude mar d’Ilhas de Cab Verd. Grande amigue de Ti Place e dode n’equipa de Clube Sportive Mindlense, que naquel tempe tava ta mandá na Campionate de Soncente sem nium derrota, cosa que fecá na storia de terra e fazê Capton Jesuíne criá um slogan, prop dseu, que sempre el tava repeti diante de sês amigue q’era: - REX NA MAR, MINDLENSE NA TERRA!

Capton Jesuíne tchegá tude feliz na Barbaria pa ba tra cabel, log Ti Place mandal sentá e cumeçá sê traboi. Enton, na base daquel amizade quês tinha pa cumpanher, amigue bedje e fixe, ês rancá num conversa nimode, daquês que pove tava gostá d’uvi e que ca tava faltá nunca lá na Barbaria.

De vez inquante, tava ta sei um gruguim que Ti Place ta tinha lá especial na sê armore sô pa sês amigue. Quê la ca tava vindide nium espece de bibida! Quonde cosa quentá, Capton Jesuíno, imbalode, que sê voz olte e roque, dzê pa tude gente uvi cma REX tava prop limpim e el tava ta ba sei de rastador n’Wilson dritim pa mar, quel dia mez!

Ti Place, que já tava conchê bem sê amigue Capton, pô log lume na banca e crescentá:

- Rex, limpim???!!!.. Hum?!.. Enton, agora é quel ti ta bá corrê!!!...

Capton Jesuino, sem pensá, respondel log tude nimode cma naquel ote dia plumanhã, log cidim se Deus quizer, el tava ta bá “tumá café na SanBicenti e djanta lá Maio!!!”... Diun… Diun… Diun...Tlão!... Sei log quel tocar de SINE, que pove ta bem ta cumeçá de juntá!

Capton Jesuíne, que comprendé situaçon, quê log lembral naquel SINE, já ca dzê más nium palavra e quel risarada, moda de custume, intchí log tude conte daquel Barbaria de Ti Place!... Quê assim era vida sempre nimode daquel lugar bençuode de Deus, ondê que tude criston tava cunsigui otchá sê posente...

Na 1987/1991, tude vez q’um tive na Soncente, um tava ba tmá quel bençon lá na Barbaria de Ti Place, que inda el era vive, e djunte no fartá d’arri ta lembrá tude quês stora de nôs gente daquel tempe ma sês monte de pirraça. No falá daquel bonque d’uril quês tava sirvi pa trá nôs mnine cabel, c’aquel corte ratchode na mei moda um livre, nôs sempre t’arri, quê Ti Place, parcende que não, era também home de sê partida!!!

É de lembrá cma enton, despôs de mute conversa, tude quês one q’um bai, el tava dzem sempre pam entrá e basse oiá um surpresa que té inda el tinha lá gordode pa recordaçon, só pal oiá s’inda um tava ta lembrá?!...

Enton, mi chei de curiosidade, um bai ta corrê e, tal ca fui nha esponte, um incontrá quel “SINE DE PANHÁ GENTE NA MINTIRA”, de tonte recordaçon inda lá, moda quês brinquede mute desejode que mnine nunca ta esquecê nem ta gostá de perdê!...

Enton, Ti Place inda em vida, bem que tude sê calma, pegá naquel corda de SINE, el toca quel, “Diun… Diun… Diun... Tlão” e t’arri el dzem pam oiasse cma té inda el tava lá ta dá conta de recode!!!...

Ma, já ultemamente, n’agoste de 2006, quonde um tive lá, foi cum grande tristeza cum sube de morte de nôs grande Ti Place. E, um otchá quel Barbaria de nôs rua de San Jon, que foi lugar de tude aquês recordaçon de nôs infância e escola de vida de tonte geraçon, que nunca no ta podê esquecê, betode pra lá pa tchon, bandonode moda tcheu cosa de nôs terra que marcone, e sem quel SINE, calode pa nunca más fazê quel “DIUN… DIUN... DIUN… TLÃO!!!…” pa panhá mintirose!...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Caro Zizim, Tu ainda tens pachorra para nos trazeres todas as semanas essas "storias sabe de nôs terra"! Que Deus te dê muitos anos de saúde para nos deliciares com essas bençãos e recordações do nosso Mindelo querido. Tambem havia a barbearia de Nhô Tchitche onde ele costumava contar os últimos acontecimentos da terra. Uma vez, no tempo da tropa portuguesa em S.Vicente, ouvi o nosso Nhô Tchitche a contar uma história do Dr. Baltazar no Tribunal com um oficial português que estava acusando um soldado de São Nicolau por ter batido num sargento que o tinha esbofateado. Naquela maneira de falar de São Nicolau, Nhô Tchitche contou: "Aquel dvogado português stava cma boi brobe betode robe na lombe, ta papia, ta papia e o nosso Baltazar a nhemer, a nhemer tude quante ele flaba! De repente... Dr. Baltazar tomou-lhe vento fresque de proa, esmasterou quel coitode que ja não deu mais um pio, emborquiu ... trap! Quel português saiu do Tribunal caladim e com robe na mei de perna. El ca sabia que Baltazar era, sim cma quel soldode, de SaNinclau também. Ma mnines de terra prindido na Seminar bô ca ta brinca, bô ca ta pezáz sês batatal ô sês robe, nhas gente... Dr. Baltazar saiu, vitorioso, na ombre de povo naquele dia gloriose pa nôs terra." Eu nâo sei, Zizim, se já tinhas publicado isto. Em caso negativo podes desenvolve-lo e contares numa "Storias de nôs terra", OK? Aquele abraçoo e não te esquecas da nossa amizade mindelense. Um "garrotche" bem apertado do amigo Tony Marques da Silva

Antonin Marques      tonimarques29@gmail.com


Comentário:

Bom dia Mano, Extraordinária descrição de uma babaria com aquele sino provocador. Serias capaz de descrever o ambiente dum são de cabeleireiro de senhoras?? Pois eu já apreciei esse ambiente tão especial dessas barbaria de Homens sentada numa cadeira de cromados quando acompanhei por duas vezes os meus sobrinhos ao corte de cabelo. Acho que desempenhei o papel do sino do Ti Place para desespero da assistência. Ahahah... Saúde e bom domingo da mana MAG


Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt


Comentário:

Olá Zizim, Gostei imenso dessa "STORIA DE DIA DMINGUE"! Uma maravilha de multitudes de recordações. Um grande abraço Álvaro Benrós

Alvaro Benrós     
         albenros@hotmail.com


Comentário:

Oi! Brother, Tive um tempinho e então logo li a storia bunzin pafronta. Quando eu leio as storias E' INCRIVEL como eu vejo as ruas nitidamente, vejo aquele pove d'outrora. Vi a Barbaria, imediatamente pensei que ias falar de "Djony Barber". Gostei imenso e cma BÔ é sô BÔ... " Ommm, bai na hora de Deus, quê lá na Barbaria de Ti Jon Monque, qu’esse falta d’ága que prei está, p’ês fazê gente barba, ês ca tita betá cuspe na potim moda li na Fibrinha! Lá, ês tita cuspi gente diretamente na cara! Quês Cosa só de Soncente prop!!! Love your sister Sivi

Sivi Almeida


Comentário:

Dear Brother Zizim, Cá estou mesmo de longe lendo, pensando na nossa terra e matando saudades daquele nosso deveras ambiente caloroso de Soncente que não se encontra em nenhuma parte do mundo. Não calculas o efeito bem fazejo que nos proporcionas com as tuas Storias dos domingos. Esta então está de matar uma pessoa de tanto rir e ainda estamos todos a rir dos diálogos e dos personagens que todos bem conheci. Força sempre irmão e at+é próximo domingo se Deus quizer. Abraços Terencio

Terencio Lopes   
      terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Zizim, Só tu sabes contar estórias vividas como esta e tamntas outras. Claro que me lembro muito bem da Barbaria do Ti Place, Jon Fibrinha e nosso Bissau que andava sempre ali na porta e que fazia medo a ceros de nós.Deveras o ambiente com aquele SINO era radical para apanhar gentes nas suas mentirinhas.Saudoso ambiente! Obrogado Zizim.Beijo Yo

Yolanda Dias   
        yoldias@aol.com


Comentário:

Meu caro Djô Figuera, Se bô ca tava existi um tava mandá fabricobe só pa bô podia bem lembram nha terra que bôs storia sabim pafronta. Mi também mi era mnine de nôs rua de SanJon e que tude eche lembrnça que bô pô bnitim li na papel. Ubrigada nha irmunzim. Mantenhas Chiquim

Francisco da Cruz   
     frandacruz16@gmail.com


Comentário:

Broda Zizim de Ti Djô Figuera, P'esse sturinha lissim um ca ta dobe más que 20 valor quê mas ca tem. Um gostá tcheu e hoje más um vez já bô intchine coraçon de lembranças daquele bom Soncente d'outrora. Braçona Guey

Miguel M.Monteiro
       mucimdreberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Precisamente, a minha mãe morava numa daquelas casas sociais chamadas "Frisa" que eram ligadas por uma escada lado e outro ligando assim a rua de São João (San Jon) com a rua de Sá da Bandeira (Sanbandera). A barbaria do Ti Place ficava mesmo em face na rua de San Jon. Do rir ás lágrimas foi como é costume o despertar da minha mãe ao ler estas sturinhas tão sabim. E tiro vantagem porque assim vou conhecendo da nossa terra tudo aquilo que não conheci. O amigo Batcha agora tem estado a vir todos os domingos participar na leitura das estorias junto com seus filhos e todos vos agradecemos Sr Zizim. Forte abraço Suelly

Suelly Fonseca   
          suellyfonseca17@gmail.com

V o l t a r


Comentário:

Sempre que leio as suas estórias, embora seja de uma nova geração que com muita pena não conheceu tudo isto, cá vou me instruindo para que no dia em que ali for não me sinta despaisado. E sobretudo um obrigadíssimo por escrevê-las na nossa língua cabo-verdiana que leio sem dificuldades, apreço e vou aprendendo. Boa continuação e rijo abraço Humberto

Humberto Cruz      
       cruz.humberto@clix.pt


Comentário:

olisanto kuntent pa kuntribut...

antonio santiago     
        oliveira oliversan3@hotmail.com


Comentário:

Nha broda, estória muito engraçada e contada num crioulo bem escorreito e perceptível por qualquer mindelense. Esta é das que mais retratam o humor típico da nossa cidade.

Adriano Miranda Lima


Comentário:

Como sempre maravilhoso estas tuas crónicas que tanto me enchem de saudades daquele bom velho tempo da nossa infância. Rijo abraço Xante

Alexandro Moreira  
         alex.moreira@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Um abração. Temos de pedir-te emprestado "quel sine de mintira" de Ti Place para ver se conseguimos desmascarar alguns macacos que querem fazer passar por gente. Mantenhas, Elas

Elias Silva     
           elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Como sempre já bô matame de ri...eh eh eh já bô imagina quel sine de ti place nos dias de hoje?ma cá só li na São Vicente espaiôte pa ês ot Ilhas. Era piraça cá tava cabé nem ne mei de mar. Saude sempre caro amigo

Fatima Ramos  
       fatimaramosm@yahoo.com

V o l t a r


Comentário:

Zizim, Já marcas-te e continuas afirmando a tua passagem no âmbito literário sócio-cultural do nosso país Cabo-Verde com as tuas sublimes estórias refletindo com grande dextreza o quotidiano sãovicentino repleto de gentes dos nossos afectos e ainda por cima escritas na nossa língua de forma a poderem ser lidas por qualquer cabo-verdiano.

Mais digo com todo o respeito pelo teu trabalho que espero um dia a quando da publicação do teu livro de "Storias" que espero também seja já, poderão ser introduzidas nos bancos das nossas escolas para os mais jovens. Pois actualmente por causa do tal "alupec" muitos se encontram numa confusão danada que nem sabem o que escrever.

Pois foi-lhes complicado o sistema mais do que faclitado. Foraç e até próximo domingo como sempre. A malta toda gosta e sagradamente leem as tuas estórias com zelo, alegria e boa compreensão seja de que Ilha forem. Pois tenho aí mais do que provas. É bom continuares a escrita no estilo Claridoso que nos deixaram uma boa obra hoje sabotada por partidários do PAICV, mesmo por uma corja de sampadjudos frustrados. Aquel abraço Jorge

Jorge Cleofas Martins    
         jorge.cleofasmartins@cvtelecom.cv


Comentário:

Caro Zizim, Tenho estado longe mas continuo seguindo com grande entusiasmo as tuas crónicas que cxontinuam fazendo vez de leitura como um rito sagrado dos domingos. Grande abraço Noel

Noel Pacheco    
         noel.pacheco@clix.pt


Comentário:

Estorinha prop sabe mim nem d quel tpo ma um q te perde nhum des estoria u te arri pa fronta saocente prop sabim um q ta la tcheu sdade jaqueline

jaqueline      
            jneves@hotmail.com


Comentário:

Ah Zizim bô ta matá gente de curaçon c´ês esturinha sabim. Ma tcham dezêb um cosa, se fosse ote pessoa que m´ca tava conchê, moda bê que ê serio, m´tava mantá tocal um sine tambem, mode esse sabonzim trançode ma cuspe naquel putim de fazê prute prute de sabon pa barba!

Humberto 
             bitucalopes@cvtelecom.cv

V o l t a r


Comentário:

Pa Sr. Jorge Cleofas Martins: ti ki nhu ta kritika un kuza sima ALUPEC (un kuza dezenvolvidu pa sientistas di lingua di nivel di lisensiadu, mestradu i doutoradu; un kuza aprovadu na 3 kolokiu - 1979, 1989, 2008), nhu ten ki aprezenta fundamentasons i/o faktus - ka es afirmasons prekonseitozu i xeiu di disrespeitu, skrebedu nun purtuges di porkaria.

**** Alias, atraves di es purtuges bera li, ta odjadu ma nhu ka e un omi kultu. **** Klaridozus ka dexa un ortografia uniformi nen pa kada (o alguns) varianti di nos lingua kifari pa un uniku standarti. Basta leitor ba konsulta konpilason faksimiladu di revista CLARIDADE pa odja ma kada Klaridozu ta skrebeba di se manera, un mesmu Klaridozu ta skrebeba kada ora di manera diferenti, sima da-l na kabesa, ku bazi na regras ortografiku di skrebe otu lingua (lingua di Tugas) i non ku bazi na regras ortografiku konsebedu pa linguistas dibididu pa sirbi nos lingua medianti un pertinenti investigason di fonolojia di lingua kabuverdianu.

**** Purtantu, ortografia di nos lingua na revista Claridade - enbora kes artigu e louvavel - ka pode ser referensia pa skolas di nos tera di sekulu XXI. **** Di mesmu manera ki ortografia di Zizim Figuera - non obstanti ser louvavel ses kronika i/o kontu - ka pode ser referensia pa skolas di nos tera pabia kada ora Zizim ta skrebe di manera diferenti i, ademais, el ka e linguista nen el ka publika investigasons di nos lingua i, pa kaba mata, Zizim ta skrebe sima da-l na se kabesa di leigu na linguistika i non na bazi di rekomendasons di linguistas spesializadu na investigason di nos lingua.

**** Nen si Zizim paga-m, N ka al dexaba-el nxina nha fidju lingua kabuverdianu! **** Pa termina, N ta lenbra-nho ma kenha ki aprova ALUPEC foi Governu di MpD, atraves di Dekretu-Lei nº 67/98, di 31 di Dezenbru di 1998, in 5º Suplementu di Boletin Ofisial nº 48, I Serie (nhu konferi lisin: ://alupec.kauberdi.org/decreto-lei-67-98.html - ka nhu skese po, na prinsipiu di es link: h t t p).

**** Konven sklarese-nho inda ma, na obra-prima disel (O DIALECTO CRIOULO DE CABO VERDE – un livru di gramatika + leksiku), Baltazar Lopes da Silva, lider di Klaridozus, uza skluzivamenti alfabetu fonetiku pa skrebe palavras di nos lingua (ku uzu di “K” pa reprezenta son [k] i ku uzu di mesmus letra utilizadu pa ALUPEC pa reprezenta tudu kes otu son di nos lingua, exseptu pa nazalizasons i sons palatal). **** Purtantu, Sr. Jorge Cleofas Martins, nhu ta papia so padja.

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera   
            marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Moda tava dzê pápá Damata sel tivesse vive: WELL DONE ZIZIM! Bôs storia de vida de Soncente que nôs tude grande que piqnim nô conchel e nô vivel é fora de serie porque é cosa que bô ta fazê que grande facilidade de pena na escrevel na nôs linga baseode naquel escrita que nôs pai Claridoso dexone. Mi 'm ta procurá escrevê criol moda bô e bô tem rason.Pa czê cumplicá vida. Bô tem fete um bom traboi e ulim li pa felicitobe. Sturinha ta prop nice e já nô arri pafronta. 'M t'otchá cma hoje em dia na tude Ilha de Cabo Verde divia ter QUEL SINE PA PANHÀ TCHEU NA MINTIRA. Mantenhas Gaspar

Gaspar L.Fonseca    
      gaspar.lfonseca@cvtelecom.cv


Comentário:

Sr. Marsianu Nha Ida Padri Ferreira, Despeitado! Nhô ca tenne bergonha é sempre ta metê nariz na cusas undi qi ninguém ca tchuma nhô. Nhô também ca é linguista ma sim linguiça! Tude nhôs teoria dja sta CADUQUE quê nhôs alupek foi um catastrofe pa tude alguém qi tentá adoptal e mute t'adoptal pamode partido e mede de represália. Ma nhôs reinado dja ta caba na 2011 qu MPD. Nhô dixa nha amigo Zizim tranquilo na sê obra qi ta pô nhôs tudo ciumes na corpo pamodi nhôs ca tenne nada pa conta. Na tude parti di mundo unde qi tenne sampadjuda tude alguém sta ta usa escrita de Zizim e tchau! 'M ca sta li pa perdê nha tempo qu nhô quê MEI TOSTON CA TEM TROQUE!

Jorge Cleofas Martins jorge.cleofasmartins@cvtelecom.cv

V o l t a r