CURIUSIDADE Ê QUE DÁ TI CONCHA UM OIE FRODE

Emília, amdjer mute séria e educada, nocente daquel situaçon, nem ca tava passal pa cabeça cma sê vezinha e amiga Concha tava estode ta goital ô fazel um cosa daquel, pa despôs bá desfamal na boca pove...

Lá na Lombe, naquês tempe de “spend a good time ô d’everybody like Mari da Luz...”, tinha dôs mãe de fîdje por nome de Concha ma Emília que tava vivê perte daquês casa de “chungaria de Bauta (nome dum amdjer que tava dirigi casa de prostituiçon na Lombe) ”. Ma, em nada ca tava estorvás ser dôs senhora dona de casa bem respeitode e de tcheu d’amigue na vezinhança. As vez, moda ta dzîde, destine na vida quonde el é más forte, ta reservone cada surpreza?!... Apôs, sende assim, pachencha nha guenti!...

Enton, bem contecê, prope p’irunia e força de destine, qu’aquês dôs criatura de Deus, na época tava morá prá lá pegode, junte de cumpanher, num sô casa, na mei de tude aquel força de muvimente de vida de Lombe.

E, mez p’intintaçon, quel casa, sô um porta pintode de verde é que tava separá sês moradia um d’ote, ma cma cunfiança, paz e harmunia sempre ixisti entre quês dôs família, assim, nunca tava tem prublema. No intante, tude barulhe que tava fazide dum banda casa, tava uvide clarim daquel ote, ma nada ca tava incomodás ni um, nem ote, mode ês que já era custumode… E nunca tinha passode ninguém pa cabeça, cma separaçon daquês dôs moradia qu’era quel porta, tinha um BRAQUIM DE FETCHADURA...

Concha, estampa d’amdjêr, que tava andá, ta betá pé na tchon fiode na derriba do qu’ê de seu, era bem cunchide pra lá, pa grande curiosa, mentchurquera, intriguista (inventa, diz e nega), bisbilhotera, de butche frode que nem crive dum chuver… Assim, tude riola que tava parcê la pa Lombe, pove tava log dzê:

- Bsote bá espiá Concha, quê el é que dzê!...

Enton, tava saí cada riola ma pate-pate de fadiga de criol na lugar, cosa que nunca tava cabá sô sim e as vez té tinha bada pa Estaçon de Pliça, lugar que quaz sempre tava intchi de gente pafronta... A ponte que grande Chefe de Pliça na época, Nhô Manê Jejar, zarode, infrontode, era ubrigode a mandá pô tude quel pove na rua, pamode Estaçon já ca tava estode nem ta quêbê de gente!

Tude quês stora lá na Lombe era más pa galantaria de pove, que tava bá pa trás de Concha té Estaçon, só pa na dia siguinte ês tivesse um motive de conversa e dzê tude gente, cma ês também tinha bode té Esquadra cumpanhá Concha… Só p’alvicera ma felestria!

Basta, moda Mitchilinha tava custumá dzê, Lombe sem Ti Concha era moda um pirú sem crista ô um gote sem robe e ca tinha nium piada, quê Concha, na mei de tude quês sarrafada ma chatisse na lugar, é que tava nimá ambiente na tude quês conte de Lombe…

Enton, bem contecê que Concha, despôs de tonte one morode pegode lá ma Emilia, um dia na sê curiusidade bem descubri, pa maior ligria de sê ixistênça, aquel “BRAQUIM DE FETCHADURA” daquel porta que tava ligá e separá quês dôs moradia.

Pa depressa, quel curiusidade de Concha, vrá um obsesson tão grande que bodsê sê uim vrál galose na força de tonte estode ta goitá naquel braquim de fetchadura, de sê casa pa casa d’Emília. Volta e meia, basta ela uviba um barulhim na casa d’Emilia, ela tava bem ta corrê, log bem goitá, pa dasse fê du que tava estode ta passá na casa d’Emília.

Emília, amdjer mute séria e educada, nocente daquel situaçon, nem ca tava passal pa cabeça cma sê vezinha e amiga Concha tava estode ta goital ô fazel um cosa daquel, pa despôs bá desfamal na boca pove...

Situaçon anton bem gravá, quê tude gente lá na Lombe, vezin e morador perte, ma alguns gente lá pa morada que já sabia, tava estode informode de tude o que tava passá dia e note na casa d’Emília, sem qu’ela subesse de nada! Cosa bá longe demás, e moda voz de pove ta dzê, cosa bá ta bái, té cum dia DEMONE INFADÁ!!!

Enton Concha, um dia influida na mei de gente, num lugar t’uvi cuntim, cuntim, tude imbutchode nem um pirú, ca pude guentá más, resolvê esgarrá boca e betá desêu… Basta tude gente pará p’uvi, quê jás sabia cma, quonde era Concha que tava contá, era sempre cosa grosse!

Bisbilhutera sem igual, ela pedí, moda de custume, tude quês gente que tava lá silencie ma segrêde, e da lá sem nium escruple ô respeite pa sê vezinha Emilia, ela rancá ta contá:

- cma quel amdjer, sê vezinha que ta lá, era uma granssissema patifa!... Quê da lá daquel “braquim de fetchadura” que tava separá sês casa, ela Concha tinha sistide aquela patifa d’Emília, tude “nu”, sentode n’orela de cama ta cmé catchupa diretamente na caldera!… Concha ba ta cuspi pa tchon, limpá boca ta esconjurá c’aquel livrode pecode seberba... e cuntinuá cum, oh nhas gente, bsote sculpame de favor, basta té “PÊDE” ela ta ba ta trá e ta dzê, cma sel ca basse na PIUUM, el tava bem na PÃOO… Oh que vergonha, oh que descaramente, tava ba ta dzê Concha pa metê mas sépia na sê riola... C’aquel pove seque russe de tonte arri.

Um amiga fixe d’Emília, por nome de Porfira, que tava lá t’uví, fecá imbutchode, chei de vergonha pa sê amiga, ca pude guentá más de tonte uvi quês cosa daquel riolenta de Concha. Enton, ela tude chatiada, esquá charutim e largá bá ter d’Emília, contal tude tintin por tintin, manera que Concha tinha ela sê nome desfamode pa tude banda na tchon de Soncente.

Porfira tchegá lá n’Emília suode, cansode, pedil um caneca d’ága fresque, qu’ela pô ta bibê devagarim, e bá ta esbaratal tude quês maldade de Concha, ma sem dzel quem era… Basta Emília, na principe, ca queria nem creditá.

Enton Porfira, pa convencel, tive de contal uns dôs passaja de vida, que tinha acontecide dentre de sê casa lá na Lombe, que tonte realidade que nôs Emília, prope espantode, té dá um senhora grite... E, chei de vergonha, sô tive boca pa confirmá sê amiga Porfira, cma tude quês cosa q’ela cabá de contal, era tude devera! Ma, de favor, el tava pedil d’ismola, pal dzel cmanera quel sube?

Porfira espial, torná espial, despôs de pensá um csinha e benzê sê corpe, da lá enton, ela pô ta contal chei de raiba, verdade de tude quel situaçon, quel tinha uvide de boca de concha e que tinha Emilia devera bem intrigode, desse manera:

- Mnina, mnina, devera devera jam oiá cma bô ta estode prope nocente! Ma, já ê tempe de bô cordá e fecá ta sabê d’ixistênça desse BRAQUIM DE FETCHADURA que ta separá bô casa ma casa de bô vezinha Concha, pa quel porta lá na mei, pintode de verde!

Emília, nervosa, fadigada, raivosa, quaz que tava dá um ataque de finiquite! Ela, mandá log bá tchemá sê cmade Alice p’ela podia uvisse também… Ma cmade Alice enton dzel cma diasá jal tinha uvide um fume, ma pa ca ranjá chatisse ela tive d’ingli pexe pa robe… Emília log riagi ta levantá broce pu ar e bá ta dzê:

- Ah bon?!.. Enton, bocê esperá nha cmade, quê Pascual cada qual sê vez, e agora ti ta bem tchegá vez daquela mentcherqueira de Concha bem pagá, basta ela ca sabê ma quem que jal metê... Despôs de tonte one de cunfiança na nôs vivença, mi jam bem desgraçá nhas gente, bsote tita bem oiá cma mi, Emília desse li, mi né bufe de valsa, Ti Concha já bem psú nhondenga…

Emília, que na mei de tude esse stora bem fecá ta sabê de más cosa e daquel BRAQUIM DE FETCHADURA, cosa que sempre el ignoraba, log cumeçá ta pensá na manera, de prepará sê vingança… Enton, jal tinha sê ideia na cabeça, ma preferi ca dzeba ninguem nada, té dia c’aquel momente tchegasse…

Barulhe fui fete pa de vontade lá na casa d’Emília, pamode jás sabia cma Ti Concha, curiosa moda el era, tava bem log ta corrê bem goitá… Fui lá qu’Emília fecá trás de porta, cum “gonche de cabel” finim desdobrode fête um sô, na mon, ta esperá quel sombra pesode daquela desgraçada de Concha bem goital, c’aquel uim galose que jal tava diasá custumode ta pô lá naquel braquim de fetchadura!

Emília sinti Concha ta bem, esperal justá sê oie de goitadera bem justode lá na bróc de fetchadura… Enton, fui log um desgraça, quê log q’aquel “OIE” de Concha tava na bom posiçon… PUFFE… PUFFE… EMÍLIA RAIVOSA, TCHEQUIL QUEL GONCHE diretamente dentre d’oie, lá naquel braquim de fetchadura, dá fráááá!

Já bsote pensá na dor q’aquel cuitada de Concha sofrê?!... Uiiiiiii!...Uiiiii!... Dá femaça tapá, quê fui grite e más grite naquel lorgue de Lombe, que pove ta bem ta juntá, siguide de Pliça, Spital, despôs Estaçon de Pliça que tude espece de chatissee desse munde e daquel ote!!!

Ma nada ca fui provode contra Emília, quê tude gente lá na Lombe fecá muque e bem muque, sem dá tistemunha. E cabá, tude quel pove que tava conchel e bem, sabia cma ela era um amdjer séria, mãe d’oite fidje paride dum sô home, livrode de pecode, seberba, tude contrare daquel Concha que tive sê merecimente!

E, Ti Concha pagá bem core tribute de sê curiusidade, sem nada podê fazê ô reclamá, e ela fecá que sê “OIE FRODE” pa tude tempe de vida!

E assim, na tradiçon de terra de Soncente-Cab Verd fecá, cma quonde um pessoa é mute CURIOSE, pal tmá cuidode quê:

- CURIUSIDADE É QUE DÁ TI CONCHA UM OIE FRODE !

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Bom Domingo meu Amigo, e votos de boa saude. As estorias da nossa terra bem contadas, sao sempre uma maneira para nos lembrar os velhos tempos. Continua sempre assim. Muita força,sempre. Com afecto. Cancio

Joao Cancio                 joaocancio51@hotmail.com


Comentário:

Carissimo Mano, Estória bem contada e aperfeiçoada. Um paradigma das nossas riolas e revanchezinhas. Pertence ao grupo que já uma vez denominei de "crueldades". Saúde e um bom domingo. Your sister MAG Saúde e um abraço da Mag

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

 


Comentário:

Caro Zizim, Como sempre tuas estórias são fantásticas e trazem-nos lembrancas da nossa querida cidade do Mindelo. Mais uma vez muito obrigado pelas tuas notícias e contos no nosso crioulo de Soncente. Alguém há-de estar a compilar toda essa riqueza histórica para um dia serem reunidas num livro. Keep up the good work, my Friend.God bless You. Teu Amigo de longa data, Tony Marques da Silva

Antonio Marques da Silva             tonimarques29@gmail.com


Comentário:

Meu Zizim, Mesmo para quem não gosta de "cosa mariode" como eu, não pode resistir entre o riso e as lágrimas pensando na peripécia e nas dores da Ti Concha por causa da sua curiosidade. Ela pagou bem caro o fruto da sua bisbilhotice. Mas lá na minha rua onde vivi a vida era mesmo assim sempre movimentadas por "riolas de criol" com outros protagonistas e outros nomes. Esta da Ti Concha foi sempre das mais célebres na vida de riola de criol na Soncente que eu também conheci. A estória está muito bem contada, excelente mesmo. Passa um bom domingo e vai daí aquele nosso abraço de Sidney-Austrália. Teu amigo de sempre Terencio

Terencio Lopes             terencio.lopes@yahoo.com.ar


Comentário:

Sr.Zizim,Parabens! Uma crónica muito bem estruturada e de leitura cada vez mais fácil. Como diz a minha mãe, este é aquele lado de São Vicente que eu não conheci de "riola" mas muitas vezes sem maldade, sendo este caso da nha Concha no Lombe um caso d'excepção que deu origem ao tal adágio " Curiosidade é que..."Isso não nos impediu de rir das outras passagens do texto.Bem hajas! Um grande abraço da mãe e meu. Suelly

Suelly Fonseca            suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Oi Zizim, Ulim li! Só para te dizer que desde domingo passado já temos mais 15 amigos na associação a participarem no FÓRUM de leitura, discussão e critica construtiva das tuas/nossas Storias Mindlenses de Soncente Cab Verd, totalizando assim 118 pessoas. Pois a sala já nos vai ficando pequena. Mas já temos outro sítio em vista, maior, para esta nossa simpática reunião dos domingos pura e calorosamente cabo-verdiana de gente de bom senso. Pois temos amigos e compatriotas de todas as Ilhas e o público venera e adora tuas estórias. Saúde sempre my brother!Um beijinho Yo

Yolanda Dias               yoldias@aol.com


Comentário:

Nha Broda Zizim de Ti Djô Figuera, Esse é daquês sturinha de nôs terra q'um conchê que bô ta contal tão bem contode que gente bodzê t'oiá Lombe dum vez ma tude sês gente moda num film. Hoje malta gostá tonte té quês pedi bis e tris. Almoce ahoje é um colde de pexe de bidion ma garopa. Nô ti ta gordobe quel cabeça! Bô é sirvide? Mantenhas de nôs tude e em especial de bô cumpade Djobla. Bô broda Guey

Miguel M.Monteiro           mucimdereberabote@cvtelecom.cv


Comentário:

Sei de longa data que todos os domingos vens tendo a gentileza de nos honrar das tuas ricas crónicas e digo-te que dentro de um contexto histórico, nos honrando a nós vais te honrando a ti mesmo, a todo o teu S.Vicente e a todo o teu Cabo Verde. Olha aqui em Londres já se pode traduzir as estórias em qualquer lingua. Mas acho que sendo assim, há expressões idiomáticas tão ricas e típicamente caboverdianas que são intraduziveis e deste modo perderiam aquele cheirinho de mnarezia de Praia de Bote. Boa continuação e muito obrigado po esta rica prestação sem igual nem rival dado á tua humilde simplicidade na maneira aplicada que como sempre tens vindo a apresentar a coisa. Saúde sempre amigo e boa continuação. Juntos estaremos sempre como no nosso bom velho tempo. Abraços Caluca

Carlos Spencer                caluspencer@yahoo.com.uk


Comentário:

Zizim, Deixa falar quem quizer mas as tuas super estórias domingueiras continuam sendo o ponto de encontro da malta da nossa geração para juntos recordarmos e revivermos aquele Soncente de saburas e marguras, mas sempre aquele "Soncente um vez era sabe" de memória de nôs Sergio Frusoni.Bravo Zizim.Abaraço Vicente

VICENTE                   vicente@cvtelecom.cv


Comentário:

Carissimo, como sempre excelente e igual a Ti mesmo. FORÇA e saúde sempre. Aproveito para te informar que continuas fazendo furor com as tuas crónicas cá nas Rádios Nacionais na divulgação digna dos tesu artigos. Estamos assim todos de parabens. Um abraço fraternal do amigo Ilidio

Ilidio Fortes                ilicio.fortes@cvtelecom.cv


Comentário:

Zizim, Gostei imenso desta estória em todos os seus aspectos, tanto do conteúdo bem como na arte e a maneira como a descreves num criol de Soncente deveras rafinadao que poderia servir de exemplo na reconstrução da nossa lingua escrita. Parabens e até á proxima. Tua admiradora de sempre Silvia

Silvia Lopes               silvia.lopes@yahoo.com.br


Comentário:

Zè, sempre tràs passados, que muita gente não sabe, e nen todos conheçe, mas são boas lembraças,para que não cair no esquecimento, pertence a cultura Mindelence. Daqui vaie aquel abraço Januàrio

Januàrio M.Soares             jmsoares@casema.nl

V o l t a r