QUEL BILHETE DE LOTARIA – ONES 50/60

Moda de custume, sentode na sombra daquel entrada principal d’antigue Captania de Porte de Mindelo (parcide c’Torre de Belém na Portugal (Foto Djibla), hoje em dia restorode pa português, ma considerode nôs Patrimone nacional) num cantin daquel escada de cemente, pa c’incomodá passaja, tava tude quel malta fixe lá juntode ma quês moce amigue que tava trabaiá na Captania.

Era ês, Amerc de Nha Blica, Cuque, Luter, Manê Prete, Muchim de Faria, Lela Brindja, Grigol, Pidrin de Meteorologia, Pedre Tina e más e más otes, cada vez ta bem ta tchegá, tude nimode naquel sexta-fera datarde, ta prepará pa más um fim de semana na Soncente.

Na mei dês, tava Manim Estrela que n’era impregode de Captania, ma que tava fazê parte daquel malta fixe sô pa dá cumpanher,tude dia datarde, especialmente sexta-fera e c’razon, porque sexta-fera era sempre quel dia de más muvimente na lugar.

Pra lá ca tava cabá gente, sempre naquel muvimente d’incontrá bai ta bem na rua de Canecadinha, também cunchide pa rua de Matijim, camin de passaja de tude quês criolinha bnitinha puste cabel na bigudi, p’aquel boie de sóbede, ta bá comprá pexe na plurim ô bá bescá ága na Vascona, binde de Tarrafal de SanAnton naquês vapurin d’aga.

Assim, cma porta de Captania tava fecá na direçon, lá era ponte de passaja ubrigode de tude quel pessoal, sempre naquel ritme de bai-bem, deboxe duns gritin ma rizarada daquês criolinha prop bnitinha de dentadura de marfim, num ligria sem igual.

Dalá daquel área ê que tava sei tude quês cunquista, stora de tude dia e, más e más cosa, porquê lá ê qu’era coraçon de Mindelo, que tava fazê vivê e vibrá tude Soncente de plumanhã tê d’note num ritme “non stop”.

E pa cumpanhá quel espirte d’humor de nôs gente, pirraça ma stora d’arri, era cosa que ca tava cabá na mei daquel munde sô de malta busode. O que tava ijdá tcheu, pa cabá de colori quel mei ambiente e vral devera prop sabin, pas basse ta esparajá vida e betá más um dia pa traz.

Inda más naquel tempe que vapor na Baía que ca tava dexá pove faltá c’aquel truquim na bolse, pal podia comprá sê pexe na plurim e otes igridiente pal cmê e ba ta escativá vida, o que tava cabá pa completá quadre de vida e felicidade de nôs pove, que nunca fui isigente porque, el sempre sube vivê d’esperança, c’um filosofia e moral olte, de ganhá poc vivê bem.

Quel sexta-fera lassim, Ti Pedre Tina grande plote de barra de Baía de Porte Grande e amigue daquel malta, tinha proveitode boleia naquel táxi (por nome de Tcherera) d’Armandin Morais qu’era únique d’época na terra de Soncente.

Assim, de passaja pa Loja do Leão, moda de custume, el proveitá de comprá sê bilhete de lotaria e quonde el voltá pa Captania, el tchegá pra lá, c’um vassalamente na corpe, ta dzê pa tude quel malta, cma hoje quaz ê qu’era quel dia, quê basta el, c’aquel palpite da gaita quel tava, jal tinha cabode de comprá quel hora mesme um “Bilhete Inter de Lotaria” lá na Loja da Casa do Leão.

Basta, já tinha uns data d’one c’aquel palpite tava estode ta persiguil, nada ca ta estode ta querê tchegá, ma cma ninguém ê bedje pa fortuna... Enton, Farnande, fidje de Pidrim de Nh’Iszé Felicia, que também tava trabaiá lá na Captania, na Sirvice de Meteorologia, e que tinha bode ma Ti Pedre Tina naquel táxi, pa goze, sem pensá na consequença c’aquel brincadera podia dá, tchegá de cupiá quel numbre inter daquel bilhete de lotaria de Ti Pedre Tina e el pôl na bolse.

Enton, quonde ês tchegá de Loja do Leão, Farnande mostrá sê pai quel numbre de bilhete de Ti Pedre Tina quel tinha cupiode. Pidrim log mostrá quel “mufine” de Manin Estrela el também. Manin, busode moda el era e cunchide na praça pa sês goze, pirraça ma mufneza, largá t’arri, porquê bel log um ideia na cabeça, que tive de cabá, quaz pa custá vida del ma sês cumpanher.


Captania de Porte antigue - copia da torre de Belem
Manin Estrela sempre c’aquel ideia na cabeça, tava só t’arri, sentode na mei de tude sês cumpade lá na escadinha de Captania. Log que coraja dal, enton el vrá cum façura na descontra, el perguntá Pidrin, que tinha tchegode de correi daquel hora, depôs de ter intregode quel observaçon de tempe de tude dia, pa mandá pa Centre Meteorólogico na Dja d’Sal :

- Enton Piras (numinha d’amizade de Pidrim na mei de malta ) nuvidades? Dzê Manin?!

Pidrim, c’sê cara séria, vrá dzel:

- Nuvidade qu’um tem ê ês numbre lissim de lotaria, que sei hoje premiode na lista que tchegá de Lisboa, lá na Casa do Leão.

Enton, moda de custume e pa curiosidade, quês moce que tava lá e que tava custumá ijgá, sem sabê cma quel cosa era um goze, vrá log pa Piras e dzel, pal dexás oiá quel numbre e ês bai ta passal de mon pa mon e cma ca podia dexá de ser, el passá também pa mon de Ti Pedre Tina, que espial moda tude gente, cum sô diferença ê quel dá um grite bem forte, que despertá log atençon de tude quel malta, e dzê:

- Quaaallllll??? Dzê Ti Pedre Tina! Ês numbre tita dzeme algum cosa. Bsote esperá um csinha dexam bai tê lá dentre, jame ta bem. El bai que bem, foi one time log ta mudá de ton. Basta sem gaguejá, el esquecê tê de falá sê criol, el vrá pa Pidrim, na sê bom purtuguês, el perguntal:

- Oh Senhor Pedro Melo, o Senhor tem a certeza que é este o número premiado que viu???!!!

Pidrim d’acorde c’Manim Estrela ma más alguns daquês moce, ca vergá e confirmá Ti Pedre Tina, c’certeza, c’firmeza, cma quel numbre lá ê quel tinha oiode premiode na Lotaria de Casa do Leão!!!

Quonde Pedre Tina convencê de situaçon, porque pa el, Pidrim era um moce mute série que ca tava falá mintira, enton el dobrá sê grite de força, que quaz tude quel rua impese uvil. Jal entrá na Patronia, el ba log dzê Senhor Patramor cma jal tava rique, lá mesme um data gente pô log traz del pa felicital, el cegue sem pensá na nada, tude feliz, cuntinuá sempre na quel refron ta dzê pa tude gente uvi de:

- Estou rico!… Estou rico!… E traboi li quaz tê já bem cabá na mim, depôs dês tonte one de cansera ma labuta, derriba dês mar de mei de Baía.

Da lá, el ba log ter de Nhô Manê Becente qu’era Caixa de Captania, pedil um avance de cinque conte, que naquel tempe era denher pafronta (basta um pon de midje era 2 (dôs) toston), pa preparaçon daquel grande festa que cumeçá log lá. Quê el vrá pa tude quês moce que tava lá sentode na escadinha de Captania, el dzês:

- Oh mnis, tê inda ‘m ca tinha dezide bsote nada, ma bsote fecá ta sabê, “all over the way”, cma bsote tude ê cuvedode e, nô largá já grinhassim pa casa, quê jame mandá Bia, nh’amdjer, um grande esmoregal prete pal podê bai ta prepará quel CMIDA D’ONJE pa tude gente de nôs rua ma vezinhança.

Basta, tude quel aldeia trás de Spital, entrá log na festa ta agradecê Deus daquel bondade de Ti Pedre Tina. Lá na rua, perte de porta d’entrada, fui poste dôs garrafon de 20 (vinte) litre de grogue, ma cmida à vontade, pa tude quem passaba, c’tocatina ma boie, num festa de lacacai. Basta quel alvicera, moda de custume, corrê tude tchon de Soncente “full up”.

Certe c’aquês moce devera tinha culpa. Ma Ti Pedre Tina, também tive sê parte de culpa porquê quel cosa contecê sexta-fera datardinha e el podia ter bode sóbede plumanhã verificaba sê bilhete de lotaria na Casa do Leão. Ma na sê cabeça, cma sóbede era sê dia de folga e Dmingue loja ca tava abri. De manera quel dzê “never mind” dexá bai, quê quel dia era dia de festa e el tava dexá tude pa segunda-fera pamode c’certeza, sê denher ca tava ta ba fejil da lá.

Tude cool, tude nice… Sóbede, c’tude quês moce lá na casa num sabura de matá. Ti Pedre Tina era Derby e na dia Dmingue era final de campionate Mindlenses x Derby, log el mandá Tiu Afonso de Pedre Antonha, dirigente de Derby, um grande capode pal fazê quês moce festa se no caso ês ganhaba Campionate. Cosa que infelizmente ca contecê, quê Mindlense dá Derby um 5(cinque) a 3 (três) que fecá na história de football de Soncente.

Sexta-fera já tava longe, sóbede tude gente sabim dmunde. Ma dia Dmingue da tarde, tude quel pessoal que temá parte naquel goze orientode pa Manim Estrela, cumeçá ta sinti “tcherrica” trançode c’mede e c’razon, d’oiá tonte denher que Ti Pedre já tinha gastode ma gente na sê festa. Ma, ês cuntinuá ta guentá time, ma sempre c’aquel mede trancode na corpe, já ta pensá na consequença daquel exploson de segunda-fera e quel “pate pate de fadiga” que tava ta ba saí de tude quel stora.

Festa cabode, tude gente, cada um abri pa sê casa, uns inocente e contente pa Ti Pedre Tina, otes culpode e cum mede de gaita trancode na corpe, sô ta esperá pa quel momente de verdade.

Enton, segunda-fera log cidim, Ti Pedre Tina ba ta dexi devagarin pa morada, pa Casa do Leão, pa recebê sê cheque. Inda c’sê voz um bocode rôc daquel grande farra daquês dôs dia bem passode la na Rebera Bote.

Log que Loja abrí, el foi primer qu’entrá, c’sê “Bilhete Complete de Lotaria“ moda um baroi de carta ta vential na mon. Inda tude na extenson de sê ligria el dá Senhor Celso Leão um “muito bom diaaaa!!!“, bem prolongode e prununciode.

Sr.Celso, um poc espantode d’oial pra lá daquel hora, respondel sê bom dia e perguntal : - Sr. Pedro, que bom vento o traz por estas paragens a estas horas da manhã?

Ti Pedre sem gaguejá, rancá log que sê resposta clore e chei de firmeza: - Então o Sr.Celso não sabe qu’estou rico?! Sr.Celso dzel cma não, quel ca sabia!

Mas então Sr.Pedro, “vamos lá ver isso“. Sr.Celso já trazê tude quês lista de Lotaria que tinha tchegode de Lisboa de vespera. Ti Pedre Tina, c’sê “Bilhitim de Lotaria“ na mon, espiá.. espiá… torná espiá, nada!… Más uns, dôs ô três vez, ês esfolhá tude quês pagena de jornal de Lotaria… nada de nada!!!

Sr. Celso de Casa do Leão, que ca sabia de nada, só dzel cma el tinha mute pena ma, moda ês dôs já tinha verificode, el ca tinha ganhode nada de nada.

Quonde Ti Pedre Tina cumeçá ta comprendê situaçon, chei de raiba, el largá pa casa caladin, bá bescá sê pistola (browning), prop vassalode, e desposte a matá uns dôs daquel malta quel tava descunfiá.

Basta quês moce, tcherrica temás conta de corpe c’mede de ressaca, daquel vassalamente de Ti Pedre, ês tude bá gatchá, sem ninguém sabê dá conta dês na tchon de Soncente. Quaz tude ês faltá traboi, dode parte de doente quê cosa vrá prope fei. Manin Estrela, actor principal daquel goze ô brincadera de mau goste, sei de Rua de Moeda, ondê quel tava morá, el ba gatchá uns tempe lá pa casa dum mãe de fidje d’seu, dzide quel tinha lá pa Farnande Pau.

Pedro Melo, aliás Pidrim de nhô Iszé Felicia tive quaz dôs mês t’entrá pa traboi sô gatchode, binde de lode de rua de Matador o Plurim de Pexe, em vez de banda de Praça Estrela, moda era sê custume.

Amerc de Nha Blica ma quês ote moce, jurá cumpade Pedre Tina, pa sês mãe ma fidje quês tinha deboxe e derriba de tchon, cma ês tava inocente e quês ca sabia de nada.Certe qu’era mintira, um manera dês defendê sês cabeça.

Enton Ti Pedre Tina,raivose e c’tude sê razon dês munde, ma também c’um csinha de culpa, cosa quel reconhecê, pa ca ter verificode sê “Bilhete de Lotaria“ log quel sexta-fera quonde Pidrin dzel assim, ô na sóbede, bem zangá ma quaz tude quês moce de sê malta e, tive que fecá ta pagá de poc tude quel avonce de denher quel tinha tmode na Caixa de Captania e jurá cma pra vida el ca tava fazê cunfiança na ninguém, pa nunca más!!!


ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V O L T A R


Comentário:

Caríssimo primo, Booa e bem contada estória,de nôs tempe. Um episódio igual passou-se com Quim Chavinha.Naquele tempo, quem tivesse lotaria passava à porta de telegrafe, numa determinada hora, vinha à janela um patrício dar notícia do numero premiado. Certa vez, descobriram o número do Quim e,em combinação com um operador, dito e feito. Este veio à janela e disse para as pessoas que la se encontravam: o número que acabamos de recer é o tal. Oh menino, o Quim olhou para o seu bilhete e desatou a gritar para um moço que fazia recados: bá depressa la na nha casa dz~e Lulul pa matá tude quês bitche q`tem na quintal.... O resto poderas imaginar. Força, coragem e aquele abraço Gui

Aguinaldo Wahnon guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Sr.Zizim, Sou grande fan admiradora das suas crónicas sobretudo escritas num crioulo bem castiço abordavel por todos os de boa vontade.Não conhecia esta, mas já a pasei no print para meus amigos para logo irmos ler e comentar. Pelo que já li, digo-lhe que apesar de ter sido uma brincadeira de mau gosto entre amigos, não pude conter-me perante o lado hilarante da setória e desatei e desato-me a rir todas as vezes que penso nela. Parabens e muita força para contiuar a nos deleitar das suas/nossas estória do nosso querido São Vicente.Um baraço Tanti

Tatiana Meyrelles                   tantimeyreles@live.com


Comentário:

Bravo Zizim, Por mais esta estória bem contada e divertissima. Embora tenha conhecido o nosso amigo Ti Pedro Tina bom piloto da barra de S.Vicente, pelo que lamento um pouco, embora tenha tido culpa um pouco na medida em que havia Manim Estrela metido naquilo. But anyway. a estória está um regalo e a malta vai se divertir daqui a pouco á hora do jantar. Pois ja são 19 h e 45 Sidney-Australia de onde te enviamos grande abraço Terencio

Terncio Lopes                 terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Dear Djô Figuera, Today you made my day with this very funny story.Big hug Lili

Larry de Pina               LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Caro irmão, Sinceramente que não me canso de ler e reler as tuas crónicas domingueiras que me acompanham por vezes tanto na hora do café como do almoço num ambiente caseiro onde toda gente se enche de saudades daquele Soncente d'outrora que tens aguentado graças a tua boa memória "pa ca dxal morré". Bem hajas! Grande abraço Toi

Antonio Araujo                  toiaraujo@hotmail.com


Comentário:

Zizim Esta história verídica que envolveu nho Pedre Tina , Manin Estrela e tantos outros personagem mindelenses, é daquelas que retratam o Mindelo lá para as banda da Rua de Matejim, Plurim de Pexe e Vascona. Esta história orquestrada pelo saudoso Manin Estrela, um personagem popular envolvido em tantas brincadeiras de bom e mau gosto, poderia acabar muito mal. São brincadeiras que tendo sido iniciadas não se sabe terminar, para não se perder a face, e a malta gostava de testar os nervos das pessoas. Só que às vezes a coisa tomava proporções muito feias e tornando brincadeiras de muito mau gosto como é o caso desta história com desfecho imprevisível, quando toca o bolso das pessoas. Imagino gastar 50 contos na época, devido a um autêntico bluff que foi ganhar a lotaria. O homem foi aos arames e tinha razão. Houve incontáveis outras histórias hilariantes similares envolvendo outras personagens típicas e que acabaram sempre naquele espírito ‘bon enfant’ característico do mindelense da época.

José Fortes Lopes

Comentário:

Bôs stórias ê sabe de munde, ta fazeme renascê. Abração Broda.

Francisco X Santos Silva chico.piteira@gmail.com


Comentário:

O QUE ESTORIA SABIM SO NA SONCENTE E QUE TEM DESS HEM: O NHA MA DAQUI A NADA QUEL SENHOR PELO SINAL SANTA CRUZ TA BEM DZE QUE ESS CRIOL DE MAL ESCRITE?????

JONDEBRA                    JONDEBRA@HOTMAIL.COM


Comentário:

Caro " irmao das nossas comunidades"; esta bela e real estoria , acontecida nos ( ones 50/60 ) ( no nosso Mindêlo ) que nos faz reviver com uma nostalgia bem caboverdiana relembrando-nos ,-como se fosse ontem - esse acontecimento . Esta estoria ( quel bilhete de lotaria ) , jà saiu uma vez nesta pàgina , mas como està aumentando cada domingo jovem colunistas que nao tiveram o ( previlégio ) de viver esses grandes e inesqueciveis momentos tipicamente cabo-verdiano , - particularmente do Mindêlo das épocas - 40/ 50 / 60 e 70 e que agora atravez desta pàgina, Liberal online , se disfrutam desses bons- e inoubliables momentos- , que jà nunca mais voltarao !.. Aquele abraço ( irmao ) d'Um Criol na Frânça !. Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA                  soalmeida@free.fr


Comentário:

Caro amigo Zé, formidavel STORIA, daquelos tempos, dos nossos conhecidos, principalmento do Manin Estrela, que nunca faltava uma boa partida para contar, não sei quem era melhor, el ou o Capitcha, erm verdadeiros CAMPIÕES, e bem conhecidos. Abraço Zé

Janu.ario Matias Soares               jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Caro Zizim de Ti Djô Figuera: O nosso soncente è cheio de estòria bonitas de bom gosto e tambèm de mau gosto,igual a este de hoje. As coisas que passavam pelas as mãos de Mani Estrela toda a gente jà sabia que ali estava uma das suas pirraças que sempre terminava em fadiga.Tambèm não esqueças de fazer uma crònica do nosso famosso Djony Barber que era um pirraçento la na pracinha D'Igreja,e la na rua D'Praia de bôte. Zizim quase tud qes nome q'bô menciona na bô estòria contada um conxês porque um foi m'nin de soncent de tud q'es aria.Nhô Pedro Tina têm um filho por nome de Piduca que tambèm jogava no Derby saberia tu emformar-me donde esta e tambèm uma filha por nome de Fàtima que foi noiva de Armando Tchuquim,antigo guarda redes de Mindelense a èquipa dos meus amores. Saudades fraternais para todo o meu povo de Soncente desde de aqui de Amèrica. Djê Guebara Lake Worth FL.U.S.A.

Djê Guebara             nhela80@yahoo.com


Comentário:

Ainda bem que temos o nosso Zizim nacional Mindelense Sao Vicentino de gema para manter vivo a chama atraves das suas deliciosas estorias toda essa nossa gente inesquecivel que continuarao para sempre a fazer parte dos nossos afectos.A escrita como sempre esta excelente e ao nivel de leitura de todos.Todo ca onde vivemos se regalam das tuas estorias e te agradecem.Fraterno abraco Feliciano

Feliciano Cruz            felicruz@netcabo.pt