MANIA DE MNINE DE SONCENTE - (ONES 1940/60)

Infelizmente, tude ês momente de gloria, ondê que Pove de Soncente tava exprimi tude sê liberdade ma sê estode d’alma, quê ca tinha ote manera na época, bem cumeçá ta caí quonde parcê A.D.B. (Associação Desportiva de Barlavento), chei de regra ma lei

Jon Cabral, mnine de Soncente nascide e criode na ága de Maderal, lá na Lombe, um daquês touro ‘’ring de boxe’’de nôs terra, dum vez, que foi também bom ijgador de football de Club Sportive Amarante, na tempe qu’Amarante tive quel bom team c’César de Nha Júlia, Nhanduc, César Xante, Xodi, Toi de Dua (ô Toi d’Muin), Jack Salema, Olave de Nhô Virice, etc, etc., equipa quel pertencê d’alma e coraçon e nunca bandoná, tê dia quel dexá terra pa ba bescasse sê vida na estranger.

Bom atleta confirmode, Jon Cabral também fazê parte daquel Grande Escola de Boxe de Soncente de casa de Nh’Antunin Mercone, pai de Djindjin, também lá na Lombe, ondê que saíba sô quês boxer bezana, de pese pesode, moda Chête de Nh’Antone d’Ana, Pentchibex, Ledy, Newton Djerê e más alguns bom pese médio, moda Jon Dilô, Bans, John Mascarenhas, Olave de Nho Virice, Djunga de Nuninha, Bronc de Nhô Matijim, Muchim Pulpinha, etc.,etc.

Sês influença na vida moral sportive de nôs juventude fui mute importante, cum impacte bastante positive pa nôs, mode sês manera pure e exemplar de comportá na sociedade daquel época, ondê que ca tinha nem vice, nem merrinha de femá, bibê, drogá e más otes porcaria dês munde de hoje em dia, dzide moderne e de tude espece de liberdade

Seriedade e orgui ê que sempre motivá nôs atleta más bedje dum vez a praticá e cultivá esse manera de vivê daquel época, sô pas podia mantê quel exemple de ser amdjor na sês mei e podê cuntinuá ta passone quel mensaja que jás tinha recibide d’otes, de manera simples sem mute conversa, sô pa sês valintia, força e coraja puste na luta de vida sportive que fazê glória de pove de Soncente e que na cuntinuidade sempre nô bescá imitás.

Ê de recordá, quê recordá ê vivê, quel grande note de boxe na Verbena (Corte-Tennis de Castilho), chei de pove, em que nôs Jon Cabral, bem treinode, favorite, c’tude gente postode na el, lançá log d’entrada na ring na primer round um atac furiose contra quel grande de tude tempe, depôs de Chete de Nh’Antone d’Ana, que foi nôs Newton-Djerê.

P’azar, Newton Djerê, num de sês super esquiva de cabeça qu’era sê forte, durante combate, ingataba na corda de ring, log Jon Cabral, num furia de matá, proveitá pa rufenal más de trinta e um soc e, ca panhá nium pa gloria de nôs Djerê, que na storia d’esquiva de cabeça na boxe de Soncente Cab Verd nunca tive igual.

Enton quês gente, vassalode, na sês delire e espantode c’aquel proeza de Djerê, invadi ring, nem ca dexá jogue de boxe cabá, pa esponte de tude sistência, ês rabatá Newton Djerê da lá derriba de ring, dal vitória e, moda de custume, ês sei quel puste n’andor pa rua de cidade de Mindelo ta gritá Newton...campião,Newton... campião…Newton... campião.

Era quel época em que tude cosa era fete c’amor e paixon. Futebolista tava ijgá pa amor a camisola, assim cma mute dês boxer que tchegá d’infrentá tcheu estranger que tava parcê na nôs terra. Ês tava ba ijgá pa gloria de Soncente de Cab Verd, num munde diferente dês d’hoje em dia, ondê que tude cosa ê denher.

Quonte inglês de Blackpool e otes ca perdê boxe, naquês ring daquel Soncente sportive dum vez?! Quonte vapor de guerra, de tcheu Naçon, ca fecá espantode de ter pirdide Football ma Cricket e otes jogue frente a quês amdjor atleta de nôs terra?!

Na Soncente, sempre tive quês momente sportive famose, que fecá gravode pa tude tempe na ‘’história’’ ma na coraçon de pove, que nunca nô podê esquecê nem dexá de mentá, quê tê inda ês ta fazê parte de história de nôs passode e mesme pa nôs ‘’new génération’’ podê fecá ta sabê cma na Cab Verd sempre tive bons atleta de grande valor fisic e moral.

Cmanera que nô podê esquecê, por exemple, dum jogue de football moda aquel contra Göthland, um vapor de guerra Suêc, chei de bom ijgador que parceba na Porte Grande de Mindelo, ta bem de manobra de Mar Mediterrâneo, ondê quês tinha side, p’uvi dzê, Campião de Football de tude quês ote Esquadra que tava juntode pra lá na manobra.

Compe de Jogue intchi de pove, bô tava dzê cma tude Soncente em pese tava lá dentre mitide pa basse oiá quel jogue, quê ês era sempre de graça, inda más que Suêc, metene um goal log na principe de jogue. Nhas gente, ma na dvera daquel lá nunca nô tinha oiode na tchon de Soncente, quê dvera, dvera, ês tinha um bom team e assim foi, um a zere (1x0) na marcador, na primera parte.

Sigunda parte, quaz na fim de jogue, c’aquel pove triste e já desconsolode, bem parcê nôs Lela de Raul de Mindelense, um daquês grande avançade centre de tude tempe de nôs terra, que isolaba ma quel “Gigante” daquel quipra (keeper) Suêc, de 2,04 m (dôs metre e quate), em que nôs Lela de Raul na tude sê inteligência, cabecial quel bola pa tchon, na mei de perna, dá foi goooaaallll. Daquês imaja que ta fecone pa sempre gravode na nôs mimória, ma na nôs coraçon, siguide daquel delire de pove, uns ta saltá, otes ta tchorá ma braçá de ligria, pa tude banda de Compe de Jogue.

Quel guarda-redes Suêc, chei de raiba tê rancá sês cabele de cabeça c’mon, ma depôs, quonde el calmá,num bom geste sportive, el ba dá Lela de Raul quel “cheek hands” ô monzada de parabéns, ta dzel cma goal daquel lá ninguém tê hoje tinha el mitide um igual, na tude história de sê tude vida de football e quel tava levá ma el quel bon souvenir de nôs terra Soncente.


Um foto pa lembrança d'aqés bom têmpe d'Mindelo Sportive q'jà ca ta bem mâs: Inpé d'esqa. pa direita: Adérito Sena, Djunga Tchquà, Fûtche, Tola, Tony d'Picarône, Djunga d'Nuninha, Eduardo Fula, Châu d'Pedro Teodora, Blàda e José Figueira (Ti Djô Figuera). Incôcra d'esqa. pa direita: Pôte, Niclàu d'Pinga, Lêla d'Raul, Tatôche d'Picarône, Djusinha.

 

Monte Cara - Vista de Mindelo

Infelizmente, tude ês momente de gloria, ondê que Pove de Soncente tava exprimi tude sê liberdade ma sê estode d’alma, quê ca tinha ote manera na época, bem cumeçá ta caí quonde parcê A.D.B. (Associação Desportiva de Barlavento), chei de regra ma lei.

Assim, bem dexá de tem quês jogue ranjode, expediente pa rapte, trazide alvicera de borde pa terra pa competiçon, nôs contra ês moda era custume, dode fala pa Joâo Damata Costa (The Old Costa assim cunchide p’inglês mode sês façanha na Cricket), vulgue Damatinha ô José Figueira (Ti Djô Figuera) log quonde ta tinha vapor de Guerra na Porte, ô Carvoer ta descarregá carvon na mei de nôs Baía de Monte Cara.

Cosa bem piorá quonde vapor vrá ta trabaiá a“diesel”, que dexá de ter quês vapor que tava custumá tmá carvon na nôs Baía de Porte Grande de Mindelo, pa depôs podia sigui viaja pa Sul. Carvon c’aquês vapor carvoer tava descarregá, binde de New Castle (carvon Nhôcasse) ma de Cardiff (carvon Cardiff).

Cma traboi na Baía bem escassiá, quaz tude ês nôs atleta, tive que sei de terra e bai bescá vida na terra longe, pas podia garanti quel sustente de família. Triste sina de nôs pove qu’embora patriota e amigue de sê terra, vivê empre d’esperança e consolode c’sê pobreza. Enton, c’tude ês problema Soncente tive de perdê tcheu valor sportive qu’imbarcá pa estranger.

Assim, um grande atleta moda Jon Cabral tive de bai, primer pa Dakar-Senegal, que fecal más na jete e ondê quel vivê uns one lorgue ta trabaiá moda el podia. Ora de pintor ô caiador de casa, ô enton d’estivador, etc.,etc.

Enton, bem contecê num daquês dia de sorte, el t’andá lá pa quês cais de Porte de Dakar, bem parcê un “Vapor Mercone” ta pedi marinher pum grande viaja, que nem destine el sabia. Enton, log el dá de sola ba ter de sê cumpade John de SaNinclau que sempre tinha el ijdode la pa quês terra de Dakar, dês quonde el tchegá pra lá, fala. E, lá ês imbarcá djunte, de marinher naquel grande Tanker Mercone, pronte pa trabaiá no dure, moda cosa dá, quê quel vida de terra la pa Dakar, já ca tava grandes cosa e ês tava prop sês quebradon nem Djosa.

Assim foi sês primer viaja d’imbarcadista na vapor, c’destine pa terra longe de Japão. Depôs dum longue viaja e de ter travessode um monzada de terra e mar que nunca ês tinha oiode de tude sês vida, nôs dôs cumpade tchegá na Tókio.

Log qu’aquel Tanker Mercone tracá na cais, Capton, contente de sês traboi, dás uns dia free pês bai pa terra estrá perna de viaja e divirti um csinha. Enton, ês cambá terra c’uns dollar na bolse ma sempre djunte pês ca perdeba, quê nunca ês tinha saide pa terra longe, inda más num cidade tão grande assim, sende primer vez quês dôs tava t’incontrá num tal situaçon. Basta, pa tude lugar qu’um dês tava resolvê bai, quel ote tava siguil log sem gaguejá.

Es otchá Tókio-Japâo sabe pafronta. E c’sês truquim na bolse, ês cambá quês três dia pa terra ondê quês fazê tcheu amigue. Vesita e contra vesita pa tude banda de Tókio, ês tive na Casa de Gueixas ondê quês dás quel bonhe d’ága quente revulteode naquel tanquin ( jacusi ), t’uvi múseca. Ma cma ês ca tinha custume daquês cosa lá, quonde quês japonesa fazês ‘’tolabidja’’ e betás na tanque d’ága quente, ês tude gritá na contacte c’aquel ága quente pafronta, basta, nôs John de SaNinclau vrá pa sê cumpade Jon Cabral, el dzel:

- Iau, cumpade! Conbersa ê ês?! Djoa, quaz ês mnina querê ma bem esfolone vive?!

Ma uns minute depôs, ês otchá cosa sabe e ês cumeçá ta gostá. Enton, fui massaja corpe inter tê fartá, c’sakê ( grogue d’arroz japonês ) ta tchuvê tê betá pa oie, ês num SABURA de matá sem igual, moda ês mesme depôs bem contá. Assim, três dia depôs passode na Tókio, vivide bem vivide na terra de Japão, ês vrá pa borde, cansode ma feliz e tude contente moda ca podia dexá de ser, ondê qu’ubrigaçon mandás log pa betá mon na traboi.

Enton, era traboie pafronta que tava ta esperás na borde de ‘’Tanker Mercone’’ tracode na cais de Tókio, inda más c’aquel calor de ratchá que pra lá tinha, trançode c’aquel espece de gaita de “sakê” quês trazê ma ês pa borde, na lugar daquel gruguin de nôs terra que pra lá ca tinha nem flaça e, foi cosa qu’aquês japonesa intchis na butche bem intchide.

Ês na mei daquel labuta de limpá convês de vapor, deboxe daquel quintura de matá, bem parcês um ‘’CORVE’’ sempre ta voás pa riba de cabeça. Chatiode c’presença daquel animal, quês dôs cumpade já bem fecá prop zarode, quê corve na nôs terra, moda nôs tude sabê, ê um posse gorente que sô t’anunciá morte ma azar.

Inda por cima, cosa que zarás más é qu’aquel corve, num descontra de matá, moda se nada fosse, sentá, fecá lá t’oiás trabaiá moda na goze. Enton, cumpade Jon Cabral e John SaNinclau,num mistic de superstiçon e raiba, pô log ta esconjural c’aquel:

- Bá sombrá bo mãe, Fi de cadela.

Nôs Jon Cabral, mnine de Soncente, log pô ta querê dá pa esperte ma quel “CORVE”, enton, el rufenal um bassora. Corve esquivá bnitim, ma fecá sempre lá sentode na sê lugar sem mexê num descontra de matá. John de SaNinclau vrá dzê:

- Bi, cumpade, dja bocê odja cma tem corve na tude parte de Munde ondê que gente bai?! Patchê a mim um pensá cma corve era sô lá pa nôs terra ê que tinha.

Enton, Jon Cabral rapte dmunde, pegá, torná rufená corve um balde... mesma cosa... corve esquivá, fecá lá tude paradin, sem mexê, pa esponte daquês dôs cumpade, amigue e cumpanher.

Pês consolá sês cabeça, quê jás ca tava ta podê c’aquel bitche d’infer, ês dzê cma quel corve lassim tava ta dá pa esperte, ma pal esperá, quê ês dôs juntode tava ta bá mostral regra de bom viver.

Ma lá enton ê que ‘’loreta bem sentás pele’’ e foi inda pior. Quê nôs dôs cumpade juntode tentá mostrá quel corve sês esperteza, enton ês pegá ês rufenal um balde chei d’ága, siguide de tude cosa quês tinha perte de mon, prop pa matal!!! Corve, sempre na sê descontra torná esquivá e fecá tranquile sem mexê, tude lá ta espiá pa ês.

E, ês pra lá sem ricurse, completamente desconsolode e vincide p’aquel animal, inda lançá cumpanher uns palavrinha pa tentá consolá ês mesme ta dzê: - Bom, bom cumpade, ca nô cansá cabeça más qu’esse animal lissim,quê ês li ê prop esperte.

Enton, sês esponte foi geral, quê basta ês ca queria nem creditá, inda más c’aquel calor na convês de Tanker trançode c’uns vapor daquel espece de Sakê na cabeça, John de SaNinclau, resolvê desisti e largá stora de corve damon e cuntinuá sê traboie.

Ma Jon Cabral, teimose c’aquel mania de mnine de Soncente, ta querê dá pa esperte, sempre ta goitá quel CORVE, fecá ta desfarçá tê quel torná rufenal um caneca baziu que passá reitrunfe dá bai sem tocá na el. Enton, lá ê qu’aquel corve reagi e dzês assim:

- Adèche tcheps! Ome c’mi ca bsote boda, quê mi também mi ê MNINE DE SONCENTE, HUM ???!!!...


Zizim Figuera (José Figueira, jùnior)


V o l t a r