GIRONE E MITCHILINHA

Gira cabá de conto’n esse li, malta largá t’arri, ma sine de Liceu tocá e nô tive tude de bá ta corrê entrá na aula. Nôs Gira, tude contente de ter fete malta arri, proveitá log de ba ta cmê uns bulim de borla, de casa de Dona Leia c’denher que malta tinha el dode e fecá lá ta esperone mode quel recode de Fofona, té hora que no saiba p’intervale

Tude malta que vivê naquel tempe, e sobretude lá pa quês banda de Praça Nova, devê ta lembrá c’certeza daquês dôs inseparável e grande cumpade, chei de partida ma pirraça tê quonde cabá, por nome de Girone Pê de Pata ma Mitchilinha Catador de Lefte que Deus haja, butzode “Mubília de Praça Nova” pa pove de Soncente.

Basta ês tava morá naquês casa de Nhô Lela de Farol, log la perte de loja de Sr. Valentim, que tava fecá cara a cara c’antigue Clube Greme, hoje em dia cunchide pa Centre d’Artesanato, sô pena ê quel lá ta fetchode sem nium atividade.

Tudes dôs madrugador e catador de lefte (tôc de cigorre) de tude dia, quês tava panhá la pa tchon de Praça ô Greme, quonde Chagoga tava dexás entrá, ondê que Mitchilinha, grande especialista na catá lefte, tava pô em vigor tude sê arte e manera d’actuá.

Na sê stile sô de seu e c’sê balaim de carice, de tampa rudonde, passode na pescoce, que tava sirvil de cofre ondê quel tava gordá tude sês lefte, el tava somá ta bem c’sê cara puste no ar, moda quem que ca queria nada. De pê descolce sempre ta rastá na tchon, de vez inquande, el tava fazê um break, marcá um stop na sê passei e sirvi de sês dedona de pé pal catá one time quês lefte, betás na mon, escuis pa despôs betás na sê balaim ô não.

El era tão hablidose, quel era capaz sem falhá quaz a cem por cente de dzê sem gaguejá colê daquês brancaja (brónc na Soncente, na época, n’era stora de cor de pele, ma sim queston de denher) ê que ta tinha femode quel cigorre ô quel charute de vespra. Enton, tude vez que nô tava incontrál, pa curiusidade e más pa chatial, nô tava perguntal cmanera quel tava fazê pa ser tão duvenhon assim. El, chei de raiba, tava mandá nôs log bá passiá na Praça, quê quel lá era sê segrede, de seu, el sô, quel ca tava desposte a passá ninguém.

Ma um dia, na sê manera de falá, nô bem descubri cma Sr. Mitchilinha, na funde, era esperte p’afronta e fine observador. Despôs, na fim de tude aquel catar de lefte na Praça Nova, el tava ba sentá naquel bónc deboxe de Corete de Múseca, ta ratchá quês toque de cigorre pel pudia recuperá tude sês tabóc, juntás, separás e podê rolás na sês papilim de cigorre Zig-Zag quel ta tinha comprode pa toston, lá na Loja de Senhor Valentim.

Basta quês cigorre de Mitchilinha era cunchide na lugar pa uns verdader mistura explusive, que ninguém tava querê nem tentá femal el. Na sê mistura ta tinha tabóc de cigorre Craven A dum banda, Lucky Strike ma Chesterfield dote, não sem esquecê, qonde pesca tava sail de poc, sês Smart ma Falcão, qu’era especialidade de terra, fabricode na época lá na Fábrica de Tabóc de Mindelo que também tava fecá la parriba na Praça Nova, perte de cortel d’antigue cumpainha de caçadores.

Ma, pa el, o qu’era bastante especial e más importante, era quês toque DE CHARUTE, quel tava custumá gordá tcheu tempe sô pal podia dá show na mei de malta, ô enton pa femás num dia Demingue, quonde el ta tinha sorte de fisgá um bom almucim na casa dum amigue.

Tonte Mitchilinha cma Girone era dôs amigue bem cunchide de tude gente na tchon de Soncente e, em especial, naquês banda de Praça Nova. Girone era um grande pirracente, chei de bajofaria, que tava gostá de dá pa esperte, um bom pruveitador que tava querê más era femá Mitchilinha sês rolada de graça, godzide pa compensá, quê el é que tava ijdal catá quês lefte na tchon de Praça. Ma cma el, Girone, ca sabia fazê rolada, c’alguns cigarrim que sê cumpade Mitchilinha tava longal, cosa assim tava fecá sempre ok.

Gira, nome quel tava gostá de tude gente tchmal e pove, pa larunjal, já sabia de sê fraqueza, era dode na cumpanhá ma malta de Liceu, quonde el ca ta tinha nada que fazê.

Ma sê traboie principal pa quês banda de Praça Nova, era lavá corre daquês gente rique, fazês mandode e bai levá ô trazê recode quês tava dal pa fazê. Tude gente tava tchmal, mode el qu’era mute servental, quê naquel tempe tinha sô um taxi na praça de Soncente (Tcherera d’Armandim Morais) e ca tinha telifone. Ma Soncente tinha sês estafeta, expediente pa rapte p’afronta em que Girone Pê de Pata era “number one”.

Num sexta-fera plumanhã, antes de nô entrá pa aula na Liceu, el bem cum recode da lá de Praça-Nova de nôs amigue Fofona (Fausto Medina). Ma antes de dá recode, jal tinha puste tude malta lá t’arri c’aquel Stora daquel Talione, por nome de Sr. Fidelis, que tinha perdide um broce na Grande Guerra.

Enton, Gira rei de pantomima fazê um break pa dexasse malta juntá, pel ca ter de torná repeti, e assim el pude cuntinuá que sê stora:

- Sr. Fidelis, sô c’um broce, tava estode sempre debrucode naquel varanda de Nho Palmirim de plumnahã tê de note t’oiá pove ta passá, sempre c’um cara mute triste pamode quel broce quel perdeba na guerra e que sempre tava dexal falta.

No intante, tinha um cosa que ta tinha el mute intrigode, quê lá deboxe na rua tinha Nhinhon que tinha nascide fanoque de broce ma perna, ma que tava estode sempre alegre ta trá solte e ta rastá pa tude banda, num ligria de vivê sem igual, sempre t’arri, tude feliz, ta dá uns gritim de vez inquante moda Antone Catoque.

Enton, Sr. Fidelis intrigode c’aquel flecidade de Nhinhon, ca pude resisti más e um dia el dexi da lá derriba de sê varanda, el ba ter de Nhinhon e num criol rastode d’acente italione, el perguntal:

- Moce, mi m’ca ta “capiche nhente di piu”, mi m’tem sô um broce e m’ta vivê prop triste mode esse prublema. E bô, fanoque moda bô ê, bo ta estode li sô ta pulá pu’ar, sempre feliz t’arri. De favor moce dze’m colê bô segrede?

Enton Nhinhon, na tude força de sês fanoque, ta rintchá c’dente na boca, vrá pa Sr.Fidelis el respondel, naquel bom criol busode de mnine de Soncente:

- Adèche, bocê, inda bocê tem um broce! Ma mi, nem broce, nem perna, nem merda, nem cú. E se bocê t’oiome ás vez prei sempre t’arri, ta trá solte ma ta dá nhas gritim, ê mas só pa’m desfarçá nhas cumetchon cum ta custumá tem na nha bróc de cú, sem hipotese dum podê, nem teu um pessoa pa coçáme el!!! Cma bocê já oiá, cada um que sê problema e s’um t’arri, nê daquel tal ligria que bocê ta estode ta pensá. Dá Sr.Fidelis ba embora ta dá cabeça e um surise na conte de boca.

Gira cabá de conto’n esse li, malta largá t’arri, ma sine de Liceu tocá e nô tive tude de bá ta corrê entrá na aula. Nôs Gira, tude contente de ter fete malta arri, proveitá log de ba ta cmê uns bulim de borla, de casa de Dona Leia c’denher que malta tinha el dode e fecá lá ta esperone mode quel recode de Fofona, té hora que no saiba p’intervale.

Quel recode, era pa dze’n cma nô tava cuvdode num grande butzode de sóbede pa dmingue, na Cruz de Jon d’Ebra e recador, qu’era Sr.Gira, que nem n’era cuvedode, ba log ta cuvedá sê cabeça e sei ta bá ma nôs, quê el, sê boca ca tava lá. Basta já nô tinha custume del, quê tude fim de semana sê priucupaçon era perguntá malta se ca tinha nium lugar pa dondê bai.

Influíde moda el era, el entrá na festa de gente log ta cumpanhá orquesta c’chocalhe, tê cinque hora de plumanhã, sabim de munde. Festa dvera, dvera, prop sabim, só gente nice, cmida imbarda e à vontade pa tude quem somasse na porta tê n’ote dia.

Madrugada, pa completá, parcê quel canja c’malagueta pa trá espece. Siguide dum surpresa pa tude gente plumanhã, antes de ba pa casa, daquel bom cuscus quente, inda ta sei de binde, prop ta betá fume c’aquel bom cafizim quente binde da lá daquês cabece de SanAnton, cumpanhode que mantega de garrafa. Amdjor ca podia ser, quê moda Gira tava dzê: - despôs desse li, só o CÉU!!!

Quonde festa cabá, nô pô pé na mama de cadera, no bem ta dexi Cruz de Jon d’Ebra a pê, devagarim, deboxe de son meludiose daquel rabeca de nôs grande amigue e falecide Fausto Medina, más cunchide pa Fofona, cumpanhode pum cavaquin e uns violão, num ambiente sem igual, que malta pa traz, na direçon de Praça Nova, tude feliz, deboxe daquel musequinha de “Soncente Um Vez Era Sabe” c’aquel Sol, lá longe já ta raiá n’horizonte.

Nô fazê um stop, ma sempre que nôs musequinha ta tocá perte de Cinema Éden Park, naquel bónc de Mitchilinha que nô otchá já lá sentode, deboxe de Corete de Múseca de Praça Nova já cabode de catá sês lefte. Gira ba log ta longal um grogue.

Tocatina cuntinuá naquel ritme sempre suave e prop sabim, c’gente que tava ta passá pra lá daquel hora,ta pará p’uvi um csinha. Basta tê Pliça de sirvice na lugar bem ta tchegá, nem ca dze’n nada e c’admiraçon pa nôs bom comportamente, el mado’n cuntinuá, ma sô el pedine pa baxá ton de múseca um csinha, e assim fui!

Pove tava dvera tude prop feliz! Ma na mei de nôs sô tinha um que ca tava nada contente, sempre ta resmungá, ta ruspingá, tê ta fazê “shadow boxing”. Bsote duvenha’m quem era?

Era quem ca podia dexá de ser, senon sende nôs amigue Girone Pê de Pata. Basta tude malta, admirode d’oial assim, perguntal se festa ca tava sabe? Enton, el tude raivose, dze’n cma festa ca tinha side sabe nem gaita! Malta em pese vrá pa el admirode e perguntal porquê? Sê resposta fui dure, séc, firme e sem gaguejá: - FESTA CA TIVE SABE, QUÊ CA TIVE GUERRA!!!

Enton, el que ca tinha nem side cuvdode, deboxe de sê malcriaçon, largá nôs lá, el cambá ote vez pa festa na Cruz, ba bescá do quel tinha dexode lá. El tchegá lá na casa de gente, camisinha brónc de nylon aberte na peite ta da show, num gritaiada ta fazê um barulhe de matá. Ma cosa ca durá mute tempe e, el ca tive sorte, quê uns Boys Fortalhace na lugar, rabatal cagarrinha,betal mon,espendel pê de tchon, fazel TOLABIDJA / TOSSERON, ês rufnal na rua, passode pa janela, dá inganha pari farel!

Nôs que tinha fecode lá na nôs bónc dessegode, t’uvi nôs múseca, quem que nô oiá ta bem, tude escavacode, que sê camizinha de nylon tude ratchode de queda ma pancada, quês dal lá pa Cruz? Nôs Gira Pê de Pata!!! Dá tude malta qu’inda tava lá espiá pa el, ma el ca desarmá, nem ca dá ninguém tempe de pôl pergunta! El gritá log:

- Ei, malta, agora sim! Agora ê que festa tava sabe!!!

Enton, um boys de nôs malta que siguil, mandode pa Fofona, sô pa ba oiasse pel ca falá amentira, reagi log e dzel:

- Tava sabe?... Tava sabe duma gaita?! Ês fazê’b fui guerra de catchorre… e bô ê que fecá por boxe!

Basta tude quem tava lá ca pude resisti, enton foi um risarada geral. Fofona, sê grande amigue, longal un cigorre, dzel cma jal tinha el dzide pa ca basse. Lá múseca pude cuntinuá, naquel sabura serena de más um madrugada de paz e harmonia na nôs cidade de Mindelo.

Moral de Storia de nôs Gira, que fui vítma dum GUERRA DE CATCHORRE, bescode que sê mon pa dseafor, inda por cima p’azar de vida, el ê que fecá por boxe, sô pa faze’n lembrá quel dzê, que ta dzide na boca de pove de Soncente:

ÊSSE COSA Ê MODA GUERRA DE CATCHORRE!. QUEM FECÁ POR BOXE JÁ CAGÁ!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Zizim Parabéns! Fantástica recordação da nossa terra que talvez um dia se tornará livre e com as tuas estórias a sua alma se engrandeça!... Peço a Deus força e saúde para continuares a escrever as coisas que sabes sobre nós todos caboverdeanos! Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso             hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Oi Zizim, Esta sturinha é uma maravilha em todos os seus aspectos os mais pitorescos. Pois ela traduz aqueles tempos das boas "fenhengas e rusgas" e também das noites bem quentes das nossas serenatas com esses dois comparsas Mitchilinha e seus lefts e o Girone Pé de Pata com sua guerra de catchorre quem fcá por boxe já cagá! Ahahahaha ainda estou a rir ao vê-lo chegar na Praça "tude escavacode daquel Tolabidja-Toseron. Adorei. Um Abração do amigo Arsénio

Arsénio Matos Costa              arseniomcosta@gmail.com


Comentário:

Zizim, Muito obrigado por mais esta magnifica e hilarante estória. Claro que me lembro bem destas duas figuras Mindelenses dos lados de Praça Nova que eram pessoas bem conviviais. A parte final está estupenda e ainda estou a rir. Melhoras e bom domingo. Segue aquele fraterno abraço do amigo Jorge

Jorge Cleofas Martins           jcleofasmartins@yahoo.com.br


Comentário:

Dear Zizim, Já nos habituaste de tal maneira que um fim de semana sem sturinha fica como um dia sem Cinema no Éden Park nos nossos tempos. Pois ela chegou um bocadinho tarde hoje mas ainda veio a tempo e a nossa comunidade pode se deleitar com muito riso e aquela alegria tipicamente nossa. Recebe um abarço de todos com os melhores agradecimentos. Terencio

Terencio Lopes            terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro irmao das comunidades. E preciso ter uma memoria (de lagranceta ) pâ lembrà, estoria de Girone mà Mitchilinha, Lembro-me perfeitamente, desses bons momentos, porque sendo eu, um dos alunos do nosso grande professor de mùsica Sr.José Reis e nao so, um assìduo, (menine de cinema) Eden-Park, praça nova, era a minha paragem predileta, assim, tenho razoes, de lembrar a forma de viver desses dois protagonistas, da tua estòria, deste domingo. Na verdade, so com uma memoria-repito- de (lagranceta ) e que so tu podias lembrar, desse momento, tao tradicional, do (nosso Sao Vicente ). Uma pequena rectificaçao, Valentim, era "cacher", de nhô Lela d'Farol, nesta mesma loja, com a morte de Nhô Lela, Valentim assumiu a responsabilidade, na continuaçao deste estabelicimento, que podemos considerar o mais antigo, que so fechou as portas, -salvo erro- hà pouco tempo .Aquele abraço, do irmao das comunidades, Um criol na Frânça, Morgadinho !..

Joaquim ALMEIDA               soalmeida@free.fr


Comentário:

Nha Broda, Sempre corajosamente fiél ao posto para fazer a nossa alegria dos fins de semana. A sturinha como sempre teve sucesso e com muito riso cá na Associação de Orlando USA. Deus te dê vida e saúde sempre meu caro. Beijinhos Yo

Yolanda Dias                    yoldias@aol.com


Comentário:

Meu caro Ti Figas, Graças a si cosefuimos passar um bom domingo de risos e saudades da nossa terra S.Vicente. Um abração londoniano Afonso

Afonso Estrela               afonsoestrela@aol.com


Comentário:

Sr.Zizim, Só para lhe dizer que a estória está apenas admirável e eu nunca vi a mãe rir tanto como hoje e até foi contagioso porque depois que ela explicou-me quem eram os personagens não pude conter-me de rir também.Pois são coisas que a meus olhos até parecem impossivel, não sei se é da minha educação de por cá nessas Europas. Felicitações e saude.Rijo abraço Suelly

Suelly Fonseca              suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Olá meu velho amigo de infância, Continuo lendo e compilando com a mesma paixão de sempre essas riquíssimas estórias que deleitam nos fins de semana toda a nossa coumnidade caboverdiana espalhada pelo mundo. Esta é sem dúvida um dos teus "Best Sellers" que devia até fazer objecto de um filme. Bem hajas! E muita força para continuares. Abs Nilton

Nilton Santos                   nilton.santos@aol.com


Comentário:

Amigo Zè, formidavel, veio na memoria, de pessoa que conheci naquelos tempos, era pessoa muito conhecida, pelas suas picardias, parabens Zè, assim comtinuaremos relembrando, para que o nosso Mindelo não caie no esquecimento, daqui vaie aqulo abraço Januàrio


Januàrio M. Soares            jmsoares@casema.nl

 

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, É só para te dizer que após várias tentativas de envio de comentário, esperando ao menos que este passe. Cá estou para ta felicitar mais uma vez e agradecer-te de me fazeres passar um rico domingo cheio de alegria e muito riso, através de mais esta rica estória sobre peripécias de personagens que encheram no quotidiano com muito afecto a nossa sociedade sãovicentina. Me lembro muito bem de todos estes personagens que tão bem soubeste descrever aí. Obrigado amigo e até á próxima.Forte abraço Zuca


Zuzca:       zuca@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

My Dear Zizim, Como sempre adorei mais esta estória que num mistico de rir e lágrimas me encheu de saudades pelas lembranças de sítios da Praça Nova e todos estes nossos personagens, em especial Fofona meu grande amigo.É com imensa admiração pela tua brilhante memória de coisas vividas por todos nós que termino com um fraterno abraço. Yo

Yolanda Dias:  yoldias@aol.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Amigo Zizim, Um bom "dia dmingue" para ti e familia. Estive de alerta ao Liberal como todos os domingos e eis que a tua estória tão desejada apareceu. Não calculas o quanto me fez rir e verter umas lágrimas daquel SODADE de terra. Conheci o Girone e Mitchilinha bem como o meu saudoso e grande amigo Fausto Medina (Fofona) de quem guardo excelentes recordações. Obrigado a ti e ao Liberal por nos dares tanta satisfação. Um abraço cá de Sidney-Austrália e até próximo domingo. Terencio

Terencio Lopes: terencio.lopes@yahoo.com.au

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Viva Zé, Oh que sturinha sabim. Bô é um impagável ma esse mimória de bossa nês storia. 'M ta lembrá dritim de tude esse pessoal especialmente de nôs Gira qu tava estode sempre ma nôs malta de Liceu naquel tempe de bole ma vin ondê quel era chef. Já bô fazem passá um bom dia dmingue. Ubrigada e saúde sempre.Nhas mantenha Idalina

Idalina Matias: idamatias78@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Bom dia irmão. Há muito que não apareci para comentar mas podes crer que continuamos seguindo com aquele mesmo entusiasmo inicial tuas deliciosas estórias que cada vez teem mais adeptos. Estava para te dizer que fui convidado a um almoço um dia em casa de amigos e tal não foi meu espanto lá também já conheciam as tuas estórias. Achei fantástico este teu sucesso que vens tendo desinteressadamente e sempre naquela humildade que te é peculiar. Já fizemos a leitura e houve muito riso na "guerra de catchorre quem fcá por boxe já... C" Forte abraço Toi

Antonio B de Pina: toipina@clix.pt

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Bravo Zé, Por me fazeres reviver o meu país Cabo Verde e a minha terra São Vicente. As tuas estórias cá onde moro já são conhecidissimas e toda a gente as aprecia. Conseguiste conquistar os nossos corações com todo este realismo posto nas estórias e muito te agradecemos. Pois como lá diz o dictado "recordar é viver". Aquel abraço António

António Lima: toilima@live.nl

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Nha broda, venho de apanhar cerejas lá para os lados da Sertã e encontro a tua estória desta semana, que nos fala dos “lefts” da nossa terra. “Lefts” de cigarro mas lefts iguais a outros de rosto humano atirados para as ruas e esquinas da vida, como os recolectores Girano Pé de Pata, Mitchlinha e Nhinhon. Dir-se-á que assistimos a um processo de recolha numa cadeia de sobrevivência cujo topo não sabemos onde começa e acaba. É verdade que senti vontade de rir com algumas passagens pirracentas, mas logo o riso se me estacou na garganta ao pensar em quantos Girano e Mitchilinha e Ninhon andarão por estas horas pelas mesmas ruas e esquinas do Mindelo. Sem rumo e sem esperança no futuro, presos na mesma teia e vivendo na triste ilusão de que a felicidade se resume a umas migalhas e restos aqui e além recolhidos da caridade e complacência.

Adriano Miranda Lima

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Relembrar Girone, e Mitchilinha assim como todos os personagens envolventes, depois de mais de 50 anos, é reportar-nos á nossa adolescência. Depois disso, com o tempo,a lembrança foi-se diluindo e talvez, sómente, povoando o nosso imaginário fantasista, pelo que algumas vezes ficamos na dúvida se existiram essas pessoas fabulosas que tivemos o prazer e a honra (verifico agora) de um dia conhecer. A tua crónica, com uma descrição primorosamente minuciosa, actuou, em mim, como um beliscão, dos grandes, relembrando-me que realmente Girone e Mitchilinha existiram e que eu os conheci muito bem. Por isso e por outras, a única coisa que me ocorre é:- "MUITO OBRIGADO". Um abração Elias


Elias Silva eliasilva69@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Zizim, Me lembro tão bem destes personagens. Pois o Ti Goy Caraca uma vez lá no Lombo fizera uma peça de teatro que foi aparesentada numa pequena sala perto da casa do Sr Dufega em que participou o nosso amigo Leizão entre outros figurantes e havia uma cena em que cantavam uma cantiguinha que começava assim: Pápépé pópó.pupu... a mãezinha leva já... È Mitchel ta catá left etc... A peça teve grando sucesso claro mas ficou só no nosso pequeno meio que bem conheceste. Esta estória está mesmo rica e com uma certa moral de fazer rir, chorar ou refeltir sobre a condição humana e as misérias do MUNDO. Continua com esta força e memória que Deus te deu porque somos muitos que te são gratos. Grande abraço Pinúria

Pedro S. Teixeira: pinuria@cvtelecom.cv

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Sempre contigo amigo Zizim, Pois se o mundo tem fim finda, porque senão prossegue indefinidamente, já lá dizia o Ti Junzim Mariano, grande poeta espontâneo do nosso Cabo Verde.Toda esta pequena introdução é só para te felicitar por mais esta linda estória cuja a leitura nos embala na hilaridade mas quando bem a compreendemos realça uma certa miséria que ainda perdura e finamente soubeste po-la aí nesta nossa excelente linguagem escrita, nos conduzindo á reflexão. Fraterno abraço Tony

Tony Silva: tonysilva70@gmail.com

ººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Primo, e amigo Zizim,das estorinhas que tenho lido, e não têm sido poucas, considero esta uma das melhores. na sua simplicidade e sabia estrutura, contem todos os elementos de um bom trabalho etnografico: costumes,usos, temperamentos e personalidades que espelham e identificam uma época, a nossa, que vivemos com intensidade, no quadro de princípios e valores que, ainda hoje, orientam a nossa geração. Qua saudades suscita a figura saudaosa do Amandim Morais, do pe de Pata e do girone. Tais figuras, fazem-nos reviver um passado e, com isto, reconstruir um castelo de lembranças. Aquele abraço, muita força e.. que venham mais.


aguinaldo wahnon: guiwahnon@sapo.pt


V o l t a r