Ó RECORDAI AQUEL QUE ESTÁ NO SONO

Era assim que no tava sei pa rua ta cantá recordai pa SanSulveste e na cada casa nô tava dzês cma "EL" mandone bem li nesse casa desejás quel Feliz One Nove pa tude familia!... Anton quês gente, pa sês ligria e mizade, tava dá nôs denher o bole, o que tivesse, ma pa nôs devera qsê que tava contá era más quel geste de dá e quês bons palavra recibide de boca daquês gente grande de ruspeite e quel ptar de bençon!

Tude one, nesse quadra de festa Natal/SanSulveste, ta beme na mimória um monte de lembrança de mim ma nhas amiguim d'infância e nos participaçon na mei daquel Pove de nossa, rique que pobre juntode naquel muvimente de labuta e ligria de passá más um Festa Feliz e procurá dá sês fidje quel prindinha dia de Natal, que pa nos no tava tchemá Bedje de Natal.

Logue um semana despôs, moda tradiçon de terra ta mandá, Pove tinha de torná vrá ta pô tude quel força na preparaçon, pa ptá más quel um one de vida pa trás dia 31 Dezembre, o seja, dia de Sr. SanSulveste.

Tud ês situaçon era vivide na época, pelo menos na nos rua, cum grande intensidade, na Paz e Amor e grande solidariadade, sem hipocrisia entre nos família, sem destinçon o complexe de nada. Pôs naquel tempe era té um prazer qonde vezim tinha um cosa que ote ca tinha de bá longal el pa partilhá daquel bom mumente chei d'amor e de boa vontade.

Era aquel época que tude menine tava proveitá daquel gzinha de liberdade pa fazê sês traquineza na preparaçon de Festa!... Quel trar de fuguitim na rua, que no tava prepará nos mez c'aquês rudinha de tchumbe ma foche (Jonkoping) raspode e não foche de cera, pal podia dá resultode, iliode naquês papilim de seda livezim…

Senhor Deus... Pum! Era cada espluson! Cuitode daquês gente d'idade de nos rua, que ca tava podê suportá quel barulhe e tava passá prope mal ma nos pa Natal e SanSulveste.

Ma também quixume ca tava cabá de tchegá na casa… Smeme assim, apesar daquês pascoçada que no tava levá de nôs mãe ma nôs pai pamode quês fuguitim, no tava cuntinuá ta fazês gatchode, quê intintaçon era más forte!..

Vespra de Natal de note, o que sone o sem sone, mãe ma pai tava mandone pa cama cede ba detá e era pa drumi quê senon, se bo fecasse cordode ta dá pa esperte, bo ca tava tem brinquede nem gaita e inda por cima, se Pai Natal tava oiobe cordode, el pudia té pobe catchupa inzed na boca. Assim, tude menine inganode e que mede tava fazê quel grande esforce pa drumi o anton fcá c'oie fetchode.

Plumanhãzinha cidim, na cantar de Gole de dia de Natal, tude menine tava dexí pa rua chei de ligria e marabidjode pa oiá qsê que Pai Natal tinha puste cumpanher e mostrá sês brinquede também. Ambiente prope sabim, quê lá na nôs rua no tava trocá nôs brinquede que cumpanher, pa nôs tude pudia assim brincá que brinquede duns e d'otes!

Cada um que sê brinquede dentre de pussiblidade de mãe o pai! Ma pa nôs menine, lá na nôs rua, que nôs oie pure de criança, cosa n'era prublema, quê pa nôs tude era devera un marabidja. Sobretude qonde tava parcê um de nôs cum cosa diferente d'ote.
Un ta lembrá d'Antone de Sabel um one, que sê Bedje de Natal fui um navizim bnitim fete de cana de midje, que lostre de padoce de ferre e vela de pena de galinha, fete pa Lau de Briza lá na nôs rua de Sanbandera, ma quel carrim d'arame fete pa Nho Delfin ferrer de rua de Matijim.

Nôs tude, marabidjode que sês brinquede, trás del ta pedil pa trocá quês super brinquede de seu pa quel de nossa?! Antone de Sabel, tude bajôfe que sê prenda, ca cris sabê nem flaça de trocá! Quel carrim d'arame d'Antone era un verdader obra d'arte que tava incantá tude menine.

Nôs grande prazer e ligria era fazê quês estrada de pidrinha ma buzim de praia-mar, naquês pracinha de cemente lá perte de casa, pa qonde Antone tava tchone passá quel carta de chofer!... Pa troca, no tinha que dá nôs amigue Antone um pon de midje o barão que sucrinha. Passá quel carta de chofer lá n'era cosa fácil paquê estradinha era tude em zig-zag e bô tinha que ser bzana pa passal dum só vez, sem fazê asnera.

Já um semana despôs de Natal tava bem ote priucupaçon e brinquede tava cumeçá ta ser esquecide na casa, pamode fim d'one que tava ta tchegá e que no tinha que prepará nôs "RECORDAI" pa no pudia sei ta cantá Senhor SanSulveste!

Pa quem que ca sabê, "RECORDAI" era um instrumente prope inventode pa menine de Soncente, fete cum padoce de pau moda um rectangle, duns 15 a 20 cm de cumpride e tampinha de cerveja o supirinha, qu'um vez plode ta vrá pratim, fixode pa pregue na madera... Ma, era dexode um folga naquel padoce de pau, paquês pratim pudesse sebí e dexí e fazê moda chocalhe espancode na mon, pa cumpanhá que cantiga sabim de Boas Festa:

- Ó recordai aquel que está no sone, aqui ela vem uma tropa e a rear… Oi daca, oi daca se bô ta daca, se bô ca ta daca, bô ta metê mon lá na tchave de bambaú…etc.

Era assim que no tava sei pa rua ta cantá recordai pa SanSulveste e na cada casa nô tava dzês cma "EL" mandone bem li nesse casa desejás quel Feliz One Nove pa tude familia!... Anton quês gente, pa sês ligria e mizade, tava dá nôs denher o bole, o que tivesse, ma pa nôs devera qsê que tava contá era más quel geste de dá e quês bons palavra recibide de boca daquês gente grande de ruspeite e quel ptar de bençon!

Nesse época de Festa, moda um dsê atrás, no tava proveitá daquel bocadim de liberdade pa inventá mil e um cosa pirracente entre nôs cumpanher amigue e menine de nôs rua, que regra que tude nôs tava ceitá. pelo menos na nha zona era assim! Tinha:

- Tchegá metê na minha na bossa! Que era um brincadera, se bô tivesse ta cmê, seja o que fosse e bô tivesse fete, tchegá metê ma um de bôs amigue o cumpanher. El tava tmobe do que bô tava stode ta cmê! Normalmente era pa surpresa. Ma bô também bo tinha direite de fazê mesma cosa!

- Pascoçadinha…Pascoçadinha té qonde cabá!... Lá bô tinha que andá sempre que mon na tutice. Quê se bô cumpanher tava panhobe sem mon na tutice, el tava bem ta corrê, el tava dobe logue um pascoçada, e bô, se bô panhaba el, bô tinha direite de dal também!... Quê assim era jogue!

- Nô tava também brincá "Rabata" entre menine de nôs rua e de zona. Rabata era sem maldade e também era fete de acorde que tude malta, moda um jogue quem fosse más rapte, podia tchegá e trá cumpanher um cosa de mon!... Ma, qonde nô tava rabatá cumpanher um cosa de mon que pudia tem valor, nô tava cabá sempre pa torná dal el!

Qonde era cmida, tava rabatode e partide el entre nôs! Ma Rabata também tinha esse espirte pirracente na Soncente na mei de malta más bedje que nôs!... E, era brinquode só pa SanSulveste, não pa nascidade o maldade moda mute gente podia ô podê pensá, ma sim más pa goze!...

Anton, cma dia de SanSulveste (Fim d'One) era dia de rabata, tude gente tava stode de standby, chei d'cuidode!... Moda na dia de Carnaval, c'aquel dada cumpanher de farinha!... Tude ês cosa, tinha un espirte más infantil do que maldose sempre!... Quê malta era más buzode do que malcriode!

Era um desfilá de plumanhã té de note daquês criadinha bem rocomendode ta ba assá quês leitunzim, pirú, perna de tchuque e más e más cmida lá na Padaria de Niclete Cabral, Rumalde o lá na Padaria de Nho Anter pa quel ceia de fim d'one, quê na Padaria forre era sempre más amdjor e más cuidode do que na casa.

Era um tcher sabe infrontode daquês cmida ta assá na forre de padaria!... Anton, um ta lembrá de nôs Guste Cavirinha, sentode naquel bonque de Praçinha de Igreja, cum pon ta moiá na ar de tempe, ta cmê, ta stalá que boca!... Pove oial naquel manobra e perguntal ô Guste cmanera?!... El ca desarmá e respondês:

- adeche menis, já cum ca tita bá podê tchegá naquês carre assode, sô sês tchirim ta tchegome!... El, cuntinuá cma se nada fosse, ta moiá sê pon na ar tempe ta cmê, sô pa fazê pove arri!...

Quês menina era sempre cumpanhode pa sês tchutche e aquês que ca tinha tchutche o cumpanher pa cumpanhás, quel malta pirracente e chei de manha tava ba ta corrê rapte de munde e tava dás quel salha na do quês tivesse na mon!…Dá sei ta corrê pa dsusper daquês cuitadinha.

Na dvera, quel cosa lá n'era um brincadera mute fixe, ma tem que tava dzê cma era tradiçon?!... E, tude one, pa SanSulveste, gente sabia ma nunca ninguém ba quexá. Quê uns tava tmal ta brincá e otes a série. Assim cosa tava cuntinuá!

De vez inquande, era grite trocolode de dá-me nha pirú ô nha leitunzim…Ma quês menine tava corrê tcheu demás e cosa era fete tão rapte qu'as vez ca tava nem oiode quem era e quonde Pliça tava tchegá já pra lá ca ta tinha, nem fume, nem mandode de malta!…

Um vez, um amiguim de nossa e de nôs rua, por nome d'Armande de Nha Dado, fidje dum home de bigode, mute série, que ca tava brincá, tchmode Sr. Tiofe, tinha apostode ma sê amigue Pinúria de Nha Candinha cma quel note lá ês tava ta ba cmê Pirù!... Basta quel cosa lá, el tava ta ba fazel mas pa galantaria, quê tonte el, Armande, cma Pinúria era menine de gente cunchide e sês casa ca tava tchorá miséria!...

Quel aposta também fui más pa mostrone sês valintia e dá show na mei de malta, moda ta dzide na nôs terra.

Assim fui!.. Dez hora da note ês oiá quel criadinha de Dona Vivi ta sei de padaria de Niclete c'aquel super pirú bem assode, c'uns batatinha corode, prope petitose. Armande ca esperá pa más, el trá um pé de carrera, passá, dá quel menininha um salha naquel bandeja de pirú dá sei ta bai…

Maria, na sê dor e dsusper, inda corrê un gzinha trás dês, ma Senhores Armande e Pinùria fui más rapte, dá ês desaparcê na fmaça… Ma pa azar d'Armande, qu'era vezim de Dona Vivi, fui topode pa criadinha Maria na mei daquel fuga, cosa que Armande nunca pensá mode certeza quel tinha na sê carrera de vlucidade.

El ma Pinúria, más uns dôs amigue, tude ês sabim, ba cmê quel pirú lá pa rotcha, na Olte de Sularine!...Meia Note inpine, que vapor ta pitá na Baìa, foguete imbarda deboxe dum vista de Baía de Porte Grande que sê Monte de Cara lá na funde, prope bnite, chei de luz e côr tude luminode, num ambiente sem igual prop daquês passaja d'One na Mindelo, cum data gente ta bá quei na mar pa purificá e trá quel one bedje que tude sês prublema de sês costa, e rogá sorte na Deus pa quel entrada de Nove One!...

Lá na casa de Dona Vivi, quel Ceia lá fcás na Storia, quê ês tive que fazê fui Bife de Caneca!... Armande, sê cama já tava bem remode, quê Dona Vivi bá ter logue de Sr.Tiofe, sê pai, pessoa quês tava tratá mute bem na vezinhança e que fcá mute burrecide e indignode c'aquel má acção de sê fidje Armande.

Basta Sr.Tiofe ca queria nem creditá, el tava corrê mon na cabeça, el tava torná perguntá Maria s'el tinha certeza cma era Armande?! Ma quel menininha tava que certeza que ela tinha cunchide Armande dritim na sê carrêra, quê Armande era sê tchutche, té que na fim, uns one despôs, ês bem cabá por casá e tive um monsada de fidje!... Ironia de destine de cada um!...

Na dia siguinte, dia d'One Nove, Armande tchegá na casa que sê ar nocente, ta dá Boas Festa! Ma tude família já tava lá ta speral cum raiba de matá pamode quel vergonha quel tinha ês fete!.. Sr.Tiofe, anton abri active diante de tude família, na sê bom português:

- Armando, meu filho! Que vergonha é esta que fizeste à nossa família na noite de ontem para hoje? Desonraste-nos a todos!... Armando, não tinhas necessidade de fazer isso Armando, pois lembra-te, meu filho, que ontem à noite cá em casa tínhamos uma travessa de QUIROQUETES(crocketes)e aquele bom cuscuz quente com manteiga de garrafa vinda de Santo Antão!...

Armando!...
Armande, tude jatim, c'aquel medonha de sê pai Tiofe, ma que na fim ca nem dal de lote e nem sequer um pascoçada, quê Sr. Tiofe, home de bom funde moda el era, preferí dal um bon liçon de moral e pol pa jurá pa nunca más!...

Qonde Armande sei na rua, malta tava tude lá ta speral sei intchode de pancada, quê noticia já tinha curride pa tude banda!... Finalmente, el parcê tude frisquim e sempre busode, c'aquel cara estanhada de Gote Tatanha quel tinha, ta fazê malta arri!... Sê primer cosa quel dzê nôs fui "Feliz One Novo"!... Despôs: - ó Menis, mi más nunca más, quê já-me scapá desse li e cum sorte de matá, basta um ca sabê qzê dá Tiofe na cabeça, pal ca lombá-me?!

Qonde tude gente calmá e pará d'arri, prope busode moda el era, el vrá cum façura pa nôs, quê nôs era tcheu la na rua, el dzê-ne: - bsote qria era oiá Armande intchode de pancada?!...

Ma q'esse graça já bsote fcá e já bsote psú!.. El feni malta polpa num geste obsene, ta mostrone sê grilim de cú, e bá ta dzê nôs gritode : - Li na oie pernode e, cma bsote tude sabê, despôs de sabe morrê ca nada!...

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)


V o l t a r