UM CODE D'HONRA NA TEMPE DE GUENTÁ SOQUE (ONES 1930/1960)

Na mei de tude ês Stora, tive alguns Guerra que marcá tchon de Soncente e tude um Geraçon de gente… Ma, moda ês li, que tita bem sigui, bsot creditame cma nunca tive igual: Jon Dilô tinha tchegode de Merca, forton, cum bom musclatura, daquês que só d'oial ta pô gente respeite e fazê gente prop mede. Tude Pove na Ilha já sabia cma na Merca el tinha frequentode quel bom scola de Boxe d'Irvin Cohen, grande treinador de Rocky Grazziano, que fui Campião de pese médio, pa ca cunfundí que Rocky Marciano Campião de pese pesode…

Já na tempe de Caniquinha, moda"história"de terra ta contá, quonde home tava ranjá sês fadiga na tchon de Soncente, cosa fei, quês ca tava podê resolvé d'ote manera, senon sende pa soque, sês "Guerra", moda tradiçon tava mandá, era marcode confirmode cum mon de palavra, naquês lugar cunchide de pove, pa quem que qisesse bá oiá. Ês tava cabá sempre pa ser brigode, bem brigode que tude valentia, lealdade e coraja q'um home ta podé suportá.

Ês situaçon, criá na mentalidade de Pove de Soncente d'épca, um espece de "Code D'Honra" natural, que durante tcheu tempe passá ta fazé parte de nôs vida, baseode num comportamente de seriedade e respeite (Man to Man) d'home pa home, mensaja que más bedje, na respeite pa tradiçon, procurá dexone, ma que inflizmnte hoje india jal ta pirdide na espace e tempe de vida de pove de nôs terra.

É de dzê, cma Soncente na épca tinha trinta e tal mil pessoa e, que quaz tude gente tava conchê cumpanher, mez se cada um era custumode na lidá de sê manera, solidariedade tava existi na Ilha de Monte Cara. Ma hoje india, cosa mudá tcheu, quê populaçon de Soncente de trinta mil, passá pa quaz oitenta mil, dôs vez más du c'aquel quel tinha (progresse). Tude ês pove lá juntode ta vivé num linha de pensamente diferente daquel dum vez, sobretude trazide pa gente de fora, cada um que sês use e custume, cabá pa fazene perdê, tcheu de nôs motivaçon e originalidade...

Quês Guerra, era "Guerra de Valente", sim!... Ma, pa nôs mnine que ca tinha orda de bá sistis mode diferença d'idade, p'uvi dzé e que nôs spirte de mnine na manera d'oiá cosa de munde, nô cascás nome de "Guerra de Gente Grande". Quê nôs, nô ca tinha ôte soluçon senon respeitá nôs tamonhe e nôs idade, quê se nô tava sei fora linha, tá tinha sempre um más bedje pa mostrone nôs lugar c'aquel grite de:

- Hei, cuidode!... Mnine tchequer fagon!

Pa bô pudia calmá, cabá que bôs rafiladeza na du que bô ca divia e pará de cantá abuse ma trivimente...

Sempre que tava tem quês Guerra de Valente na tchon de Soncente, alvícera tava corrê moda um rajada de vente pa tude conte d'Ilha... Basta tinha lugar na fralda, quês tava té tocá tambor pa Pove pudia fecaba ta sabê.

Nôs mnine, dês guerra, pa storia que nô tava uvi contá daquês home de força, pa otes gente grande que tava custumá bá sistis, tava fazene criá na nôs spirte e imaginaçon, moda tude mnine de munde, nôs Campião que sempre tava tmá nome dum daquês brigador valente de terra.

Assim, na mei de mnine de nôs idade, pa saíba um guirrinha daquês inocente nôs que nôs, tinha que tem pessoa má grande pa betá quel "CUSPE" na tchon pa provocaçon, anton pa quel que betasse sê pé derriba del primer é qu'era tmode pa más valente e assim, cma quel ote tava reagi... Tava sei log quel pate pate de fadiga de soque...

Tinha também quel menhoce de trá "CABEL" de cabeça dum, pa pol na cabeça d'ôte, pal pudia bá bescal, o que tava também dá lugar a soque derriba de soque!... Má felizmente, ta tinha sempre gente ma grande ta passá, pa parti nôs guirrinha.

Guerra de Valente era ote cosa, era guerra de rixa d'Home Grande e, moda na tude parte de munde, tinha ses Campião… Nôs também, na tchon de Soncente, nô tinha nôs Valente, quês home esfolode de força, que ca tava levá abuse e que ca tinha mede de ninguém, nem de nada!

Naquel tempe ca tinha mute jornal, nem televisão, contamá pa teba internet! Ma nuvidade ma nutícia, bsot carditame se bsot crê, log que ta tinha, ês tava corrê pa depressa na telifone de moreia, moda Pove tava tchemal, pa tude conte de Soncente, desde Baía de Porto Grande, Praia de Bote, Plurim de Peche, Praça Strela, Barbaria, Plurim di Virdura, fralda de Mindelo e Ilha de Soncente, impese.

Quem ta dzê cma tude ês cosa já contecê na nôs Ilha, naquel tempe que té Gote de Mané Jon, moda Sérgio Frusoni dzê, tava ingordá na gemada… Tinha carvon pa Vapor na Baía, que tava passaba carregode de gente pa quês Sul aboxe, e quel negoce que tava dexá um truquim valente pa muvimentá vida de tude Cab Verd, via Soncente, que sempre partilhá sês rendimente ma tude ses otes Ilhas, irmon… Cosa que hoje india já nem ca ta lembrode…

Assim era vida de nôs Pove cabverdione, na sê manera de vivê… Ma despôs cabá carvon, carvon ca tem! Vida bem mudá tcheu e obrigá, tcheu de nôs gente ta fegí na vapor, pa basse spiá um vida amdjor na stranger.

Na épca de carvon, na mei de tude quel muvimente trabaiador de vida de Porto Grande tava tem sempre quês rixa de Valente, pa justá conta e pa exprimentá cumpanher força, que tava custumá parcê quaz sempre na mei de Baía, Cais d'Alfândega e Praia de Bote, tchmode Guerra de Gente Grande… Sim, moda um dzé atrás, Guerra ma cum Code d'Honra!!!

Cma Pove ca pudia brigá na traboi, quê senon ês tava perdê ses job, assim quês Guerra era marcode sempre pa despôs de traboi!

Homes Valente, dum cone só na pulse, daquel tempe que sabia prop brigá! Ma pa ês selvajaria era cosa que ca tava existi!... Assim, naquês rixa dum vez, bô ca tava uvi falá nunca nem na facada, paulada, pedrada, garrafada, ô nem ruma, que pa Pove de Soncente era cunsidrode cobardia!.. Era dvera, Guerra de quem pudesse a más, ma sempre naquel ruspeite d'home pa home…

Tude ês Guerra tava obedecê a um Ritual Sagrode!

Mi um tinha nhas nove one d'idade quonde nha pai, que Deus dal Céu, leváme pa primer vez pam ba oiasse nha primer Guerra D'Home Grande na Compe de Jogue, moda el dzeme pam pudia prendê ser Home!

Anton, na tchon de Soncente tinha tcheu lugar cunchide d'incontre pa quês Guerra despôs de traboi: - Praia de Corê, Cova d'Inglesa, etc. Ô anton, quonde cosa era dvera prop forte, lugar principal di ricurse pa quês Guerra de Valente, quê lá é que tava quebê más gente, era na nôs Grande Compe de Jogue, perte de Funtinha.

Tava fazide quel roda na tchon, tude gente de volta, só c'aquês dôs brigador lá na mei, ma quel Home de Ruspeite, que tava sirvi d'árbitre, pa controlaba guerra, pa ca tivesse golpe de cintura pra boche, qu'era cunsidrode falsidade ma vergonha e que Pove quonde quês cosa tava contecé, log tava reagi ta gritá…

Quel cosa era na realidade moda um espece de boxe sem luva, ondé qu'aquês dôs brigador tava pô tude sês força ta trabaiá sem brincadera naquel luta LEAL DE VALENTE ma de MON NU NA CARAN…

Anton, tava oiode bons Guerra, que tude espece e manera de boxeá:

- Uns era rapte, ês tava entrá que força… Dá, dá, dá té fazê adversar quei; Otes era moda ta dzide "counter punch", ês tava fecá ta esperobe bem dás, ês tava defendê, trocá pé e repicobe cuns bon "wind figth" (specialidade de DinDin de Nh' Antunin Mercone), bons esquiva de cabeça, bons hooks, upercuts ô straights (gonche, soque deboxe pa riba ô direte).

Moda j'am dzê, e um ta torná reptil, ês Guerra tava obedecê um RITUAL SAGRODE na nôs terra, cum VERDADER CODE d'HONRA, que Pove sempre respeitá tcheu!… Cosa era bem organizode, quê tinha uns árbitre (referee) bastante ruspeitode na mei de Pove, qu'era tchmode pa tistemunha, sempre que ta tinha ês Guerra, moda Nhô Guste, pai de Nhé de Bilaus, antigue guarda-redes d'Académica, Nhô Virice, pai d'Olavo ma Casemiro, Nhô Jack Rita e otes e otes, que ca tita beme grinhassim na mimória, quê lista é bem grande, pa sistiba quês moce na lorgue durante sês duel…

Diazá bsot divia estode ta perguntá porquê Code d'Honra?! Ma sê explicaçon é simples e bnite é que naquês guerra, home que levaba K.D. (Knock Down) ô K.O. (Knock Out), arbitre tava contá té dez, sel arguiba guerra tava cuntinuá, senon, el tava gritá quel OUT (fora), bem olte, pa tude gente uviba, siguide daquel:

- Home na tchon ca ta sotode!!!... (Aplicaçon de Code d'Honra ô respeite pa adversarie)

Cosa que tude gente tava respeitá e coroá despôs, quel silence cum salva de palma bem forte.

Aposta de denher gatchode, naquel mei, ca tava faltá…

Tava tem tcheu guirrinha, ma sempre c'aquel grande lealdade que tava fazê orguiu e gloria de nôs pove de Soncente, exemple que tude gente, menine que gente grande, tava procurá imitá e sigui daquês bons brigador, qu'era tude Home de Palavra( verga e nâo quebra), que tava mantê, té na fim, du quês tava dzê!

Na mei de tude ês Stora, tive alguns Guerra que marcá tchon de Soncente e tude um Geraçon de gente… Ma, moda ês li, que tita bem sigui, bsot creditame cma nunca tive igual:

Jon Dilô tinha tchegode de Merca, forton, cum bom musclatura, daquês que só d'oial ta pô gente respeite e fazê gente prop mede. Tude Pove na Ilha já sabia cma na Merca el tinha frequentode quel bom scola de Boxe d'Irvin Cohen, grande treinador de Rocky Grazziano, que fui Campião de pese médio, pa ca cunfundí que Rocky Marciano Campião de pese pesode… Ondê quel tava ba guentá time, de sparmat (um boxer más pesode, que ta treiná ma ote más leve, que ta stode ta bá izgá pa chalenge).

Assim, nôs Jon Dilô, tchegode na Soncente binde de Merca, sporton moda el tava, pensá na sê cabeça cma el é qu'era Chefe e que ninguém na terra ca tava influí pa bescál guerra, nem insultal!

Anton, num dia normal de stiva (descarga de vapor) moda tude dia na Porto Grande de Mindelo dum vez, na borde de paquete, tava Gaganha home poque falador, de pliça lá na borde, que também ca tava "mejá na nhame", bem fardode, pa controlaba situaçon de traboi ma stivador…

Contecê que Jon Dilô, que nesse dia também tava ta trabaiá na stiva de paquête, ta trá sê dia de traboi, tive um diferença que vrá stora grave ma Gaganha, na borde… E na mei daquel gritaiada dês dôs, Jon Dilô fetchá um mon de soque, spancal que força na palma daquel ote, na sinal de desafiu… Nhas gente, basta dá tude stiva pará, num silence de morte moda n'interre, ta sperá quel decison sei…

Anton Dilô dzel gritode, pa tude gente uvi:

- Hoje bo bá que sorte, quê mi, nem bô nem ninguém li na borde ca ta meteme mede e o que tita salvobe, pam ca betobe el li mez, é só bô fardinha limpim, prop bnitim, que bô ta bestide!
Gaganha, guarda ma também rapaz Valente, cunchide na praça pa sê bom esquerde, fecá que por dente ta fervel, vassalá, ma ca perdê sê calma e respondê Dilô log:

- Fardinha, não!!! FARDA!!!!!... Se bô quiser, despôs de traboi no t'oiá lá na Tabuga (Compe de Jogue) Man to Man, se bo crê OK?!
J

on Dilô reagí log ta corrê mon na cabeça e que sê U'Nha Má… Ês li é que boca tita pedime!... Fui log um abole! Na borde, stiva celerá pa traboi cabasse más depressa, alvícera bem log quel hora, de borde pa terra, na gasolina de Captania ma lantcha que trazê quês primer trabaiador.

Na menos dum hora, tude Soncente já sabia daquel incontre de VALENTE, que tava ta ba tem na nôs Ilha… E naquel tempe, moda Pove tava dzê, ês era dvera quês dôs HOME más forte de terra…E, já era tempe de saí um decison!...

Anton, incontre fui marcode, moda era de esperá, quê tava ta ba tem Pove pa fronta lá na Compe de Jogue, pa cinque hora e meia da tarde (17h30).

Loja ma comerce quaz tude fetchá! Basta era Pove e mas Pove ta infiá, desde quate hora da tarde, pa Compe de Jogue, home c'amdjer trocolode, trapaiode num currida sem fim…

Basta té Nha Biláia, amdjer grande naquel currida pa Compe de Jogue, pa basse oiá Guerra, na mei daquel trupida de gente, tchegá perdê sê dentadura, que fazê Pove pará pa spial el, ma cma despôs ês otchal, ela ma Pove pude sigui sês camin sem merrinha… Ma Nhô Abel, sê maride, furiose na mei daquel confuson, betal sê mosque na mei de Pove e dzel:

- Ó Biláia, lugar d'amdjer é na casa, qsê quê bô também ta bem oiá Guerra?!

Nha Bilaia, fresca moda el era, dal log sê respustinha lá mese:

- Adéche Abel, mi, culcincinha de favor, um Guerra desse li né tude dia que gente t'oiàl.

Hoje, ô bô cré, ô bô ca cré, mi jáme cmê corrente e fecá ta sabê cma nôs tude tem direite.

Pove largá t'arri daquel façura de Nha Biláia, ês pôl na mei, pé na mama de cadera, ês sigui sês viaja pa Guerra na Compe de Jogue. Tude gente sabia, na terra, cma era Guerra de Respeite, basta té "PLIÇA", trode capacete, já tava instalode lá na olte, traz de parede de Compe de Jogue, pa basse oiá quel Guerrona.

Dvera dvera, naquel tarde fui um verdader liçon de boxe, sem igual, pa tude quem tava ta sisti… Quê nô oiá tude espece de soque, ma tapona, ma esquiva, que pudia tem na Munde. Fui um super Guerra de dôs HOME VALENTE, que fazê inveja e orgui de tude gente de nôs terra que tchegá sistil.

Basta ês brigá, bem brigode, quê tude ês dôs naquel "GUENTADURA DE SOQUE", panhá knock down dôs vez (quer dzer, ba pa tchon dogode de soque, ma cma home na tchon ca ta sotode), ma sempre ta reagi, moda tude VALENTE, t'argui de tchon, marrá dente na boca, torná bem, cuntinuá sê Guerra sem reiá bandera!...

Na fim, Nho Guste, pai de Sua ma Nhé, arbitre (referee) de Respeite, dás por impote, quê ês tude na fim tava cansode, que nem uns tchuck… Decison que tude Pove impé concordá e otchá normal, siguide ôte vez pa quel salva de palma de custume, que naquel dia d'excepçon, durá quaz más de meia hora.

Guerra d'Home Valente de Soncente, dês lissim, fecá resgistode na nôs Livre de História,(FOR EVER) pa sempre!

Basta té hoje india, quonde no t'incontrá que malta más bedje ô de nôs idade, inda ta lembrode desse Guerrona de Gaganha ma Jon Dilô, que bem intchi mas um recital de Pove Mindlense de Soncente Cab Verd, na sês tradiçon d'OUTRORA, moda Sr. Nena tchegá de dzê, na sê livre.

Despôs na fim daquês Guerra, tava fecá sempre quel lembrança agradável de tude quel pove ta rumá pa quel Bar de Nh'Antone Patrice, lá na Lombe, pa basse tmá quel"Gruguim", godzide pa trá poera e falá daquês momente más bnite daquel Guerra…

Pa nôs mnine (tchequer fagon), era um ligria bem grande, quê nôs nô tinha direite a tmá nôs "Pirulite", qu'era quel limonada que tinha um bulinha de vidre lá dente de garrafa, binde da lá de Fábrica de Limonada de Sr.Timote Antunes e que tava fazê inconte de tude mnine na hora d'abril.

Êsse Guerra lissim fui falode tcheu tempe e senon quaz tude um vida na tchon de Soncente, assim cma sês Campião, estimode, respeitode de pove, qu'alvícera fui mandode também na papel scrite de telegrama, ma carta de pove cabverdione spaiode pa MUNDE INTER.

Zizim Figuera (José Figueira, jùnior)

V o l t a r

Comentário:

OK, Zizim, moda ês tava dzê naquel temp, gent de Soncente era difrent na tudo sês cosa. De facto, é como tu dizes, o culto do soco, só o soco, no confronto físico sintetizava um tão interiorizado código de honra masculino que até a miudagem desde cedo o assimilava e seguia à risca e com brio. As lutas eram com as mãos desarmadas do que quer que fosse e nelas não entravam golpes baixos, mediante um acordo tácito que não precisava da formalidade do papel ou de testemunhas prévias. O opróbrio recaía sempre sobre o contendor que infringisse a regra sagrada.

E onde é que o povo do Mindelo aprendeu isso? No Eden Park, pois claro, rapaz, naqueles pugilatos que regra geral apimentavam os Westerns e que quebravam a harmonia dos saloons, do terreiro dos ranchos ou dos sertões do Texas, Arizona ou Colorado. Os ídolos mais aplaudidos e emulados nos meus tempos de menino ainda bem novinho - estou a falar dos anos 50 - eram o Gary Cooper, o John Wayne, o James Stewart, o Randolph Scott, o Joel McCrea, o Robert Ryan, o Jack Palance, o Henry Fonda, o Richard Widmark, entre outros. Noutro estilo, pontificavam o Kirk Douglas, o Gregory Peck, o Glenn Ford, o Burt Lancaster e outros mais. Depois, apareceriam o Lee Marvin, o Charles Bronson, o Clint Eastwood, o Steve McQueen e na actualidade temos em forma pujante o Kevin Coster, o Mat Dammon, o Brad Pit e outros rapazes da mesma laia e geração.

Ah, e havia aqueles cowboys românticos antigos como Gene Autry, Roy Rogers, Tom Mix, Hopalong Cassidy, etc, que estavam mais virados para o canto e a estética dos sentimentos, embora não dispensassem também o seu soquinho punitivo quando chegava a hora. Portanto, o cinema e, sobretudo, o imaginário aventureirista plasmado dos Westerns foi o principal contributo para a formatação da mentalidade do mindelense, moldando o seu estilo e influenciando o seu comportamento quer nas coisas sérias quern nas mais prosaicas. Mas temos que ver que o efeito nem sempre era o mais positivo, bem pelo contrário.

Hoje, com a evolução das mentalidades e a uniformização dos usos e costumes, aquele imaginário mindelense já se extinguiu por assim dizer, ainda que possam restar uns pequenos lampejos da sua influência marcante. Todos sentimos uma certa nostalgia daqueles tempos antigos, se bem que não deixando de censurar o excesso de ridículo e presunção de algumas cenas e situações em que os protagonistas perdiam a noção completa do que separava a fantasia da realidade.

Querer meter à força as cenas do Eden Park no quotidiano mindelense nem sempre resultava. Para te dizer a verdade, Zizim, a única sessão de pugilato de rua a que eu assisti entre gente adulta foi entre duas mulheres, vê lá tu. Teria eu na altura na altura eu uns 10 anos e tudo se passou naquele largo entre Fonte Cónego e Fonte do Doutor, onde morávamos.

Duas mulheres bem jovens, por sinal bem robustas, iam com latas de água à cabeça quando se desentenderam, talvez por uma riola qualquer de namorado. Pois, nem de propósito, pousaram as latas e desataram numa troca de tapona de fazer inveja aos machos com eles no sítio. Ainda me lembro do som cavo dos dois punhos fechados de uma das contendoras sobre as costas da outra quando ela, por qualquer contingência da refrega, se dobrou. Não houve puxar de cabelos, arranhões ou mordeduras.

Foi a primeira e única vez que presenciei uma luta em público entre duas mulheres e não fiquei com vontade de de ver repetida a cena, pois a minha sensibilidade de menino ficou magoada por ver a condição feminina naqueles tratos. É claro que se juntou logo uma boa assistência par ver o desfecho do pugilato.

Mas o mais que eu presenciei em matéria de pugilato consistiu naquelas briguinhas entre miúdos, e não escondo que ocasionalmente, uma ou duas vezes, fui protagonista forçado, mas coisa episódica e de feição mais desportiva que para tirar desforço, e, claro, sem o aparato das lutas organizadas com a pompa e a circunstância que tu aqui nos evocas com mestria.

Nessa luta que parece ter ficado nos anais do Mindelo, confesso-te que eu teria tomado o partido do Caganha, porque não é qualquer um que despe a farda para limpar a honra pessoal. Honra pois ao valente Caganha, que o outro não passava desses basofos que nos irritam até à medula! Outra questão agora.

Quanto à escrita em crioulo, queria perguntar-te, Zizim, porque escreves a palavra india e não inda ou mesmo ainda. É que tens escrito sempre india e não me recordo de se pronunciar assim a palavra em crioulo, se é que queres com essa grafia fazer a rigorosa trancrição fonética. Também aparece a palavra mez a corresponder ao mas e não sei se haverá necessidade de evitar escrevê-la precisamente como em português, uma vez que o que o crioulo pronuncia é mais condizente com a grafia da palavra portuguesa.

Ou talvez se pudesse escrever apenas ma. Apareceu no texto a palavra qisesse e suponho que não há razão para se evitar escrever precisamente como em português: quisesse. É que a sonorização da sílaba qui não é possível sem a junção da letra u. Se queremos seguir a etimologia das palavras de lingua portuguesa, e acho bem que seja, não podemos prescindir de todo das respectivas regras gramaticais. Bem, a escrita em crioulo dificilmente será domada em dezenas de anos, não te parece?

A levar avante esse propósito, vamos ter um bico de obra pela frente, nha broda. Não tenhas dúvidas de que o que fazemos é apenas um contributo, e bem bom, convenhamos, para o processo de invenção de uma escrita do crioulo de Soncent nôs terra. Tomar, 17 de Janeiro de 2010

Adriano Miranda Lima

V o l t a r

Comentário:

Amigo Zizim, Esta é quanto a mim, entre outras, uma das tuas melhores estórias sobre a qual traduzes com precisão a real atitude daquela mentalidade desportiva "gentleman" do povo sãovicento do meu e até certo ponto nosso tempo.

Uma beleza! Tanto a estória como a escrita estão bem escalonadas e te felicito mais uma vez por este apreciável contributo que vens fornecendo á nossa Língua e História cabo-verdianas. Mais te digo com sinceridade que um dia serás lembrado e relembrado académicamente falando nos anais da nossa Literatura. Por todo o lado onde tenho passado sempre oiço falar do fenómeno crioulo Zizim.

Certo que há os por e os contra mas isso é um fenómeno natural que nada tem de pessoal e deve ficar sempre dentro do contexto de discussão sem rixas ou tentativas de melindrar quem quer que seja porque o problema é bem sério e nada de desperdiçar energias negativas. Aliás neste capitulo acho que tens sido á altura.

Pois só lançaste a ideia e aí está.Também tens demonstrado conjuntamente com outros que veem compartilhando da tua opinião a verdadeira via da Alma Claridosa (Imortal) a seguir para uma melhor elaboração escrita da nossa língua para que ela seja acessível a todos.

Pois por esta via que vens seguindo basta apenas uns retoques e establecimento de certas regras para que tudo fique esclarecido e obter se o necessário.

Tenho seguido com grande atenção e uma certa emoção todo o teu esforço em procurares melhorar cada vez mais a escrita da nossa lingua e isso é ótimo. Bem sei que apeasr de seres Geógrafo, portanto mais homem de ciências do que letras, tens tido não obstante a preocupação de deixar portas abertas ao diálogo a todos aqueles que como tu são homens de horizontalidade e de muita boa vontade para que juntos possamos progredir.

Continua nos dando o grande prazer da leitura das tuas estórias dominicais que são lidas por todos, e são muitos, mesmo pelos contras que veem aí espreitar e lá vão dando uma vista de olhos. Afirmativo e quanto ao resto "no comments".Parabens!

Vai daí mais uma vez um robusto e fraterno abraço do amigo Tony

Antonio de Sousa Lopes
tonysousalopes15@hotmail.com