CAELA MA ARLOCE DUM BÔI NA CAIS D’ALFÂNDEGA (ONES 1950/1960)

Enton, quonde Caela temá fé de situaçon na mei daquel afronta, ela betá quel soque qu’ela tinha na cabeça lá pa tchon e cabá, cma boi já tava quaz derriba dela e cma ela já ca tinha más pa dondê bai, pa rapte, ela infiá dritim pa mar, ma prublema é qu’ela ca sabia nadá... Oh nhas gente, oh q’afronta!!!

Quel dia plumanhã, vida tinha cumeçode naquel tranquilidade, moda de custume, na cidade de Mindelo, cum calor de matá, ma smeme assim que tude quel pove trabaiador de Soncente ta dexi de fralda pa morada, lode d’Alfândega, ba espiá que catá pa podia garanti sês menine quel panela na lume de tude dia.

Bicha de trabaiador espaiode na lugar quel dia era bem grande, uns lá pa porta d’Alfândega, otes deboxe daquel varanda d’antigue Consolode Inglês, e mas otes sentode deboxe daquel sombra de Posse de Praça dos Aviadores (homenaja daquês dôs aviador português Gago Coutinho e Sacadura Cabral que passaba na Soncente na 1922) ta esperá ser tchemode na lista d’estiva de capataz Quirino e pudesse imbarcá, pa ba trabaiá na borde de paquete, o na lista de tiu Afonso de Pedre Antonha, capataz de terra d’armazém n’Alfândega de Mindelo.

CAELA, carregadera de cais, canhota, amdjer valente, que ca tinha dôs, pai e mãe de sês fidje, barulhenta na descuti sê parte de traboie, quel dia tava chei de raiba, quê já era 10 hora de plumanhã e té inda tiu Afonso ca tinha el tchemode pa traboie, na livre de ponte.

Basta quel cosa dal um raiba, enton ela pô ta dá que mon na peite, inda más c’aquês dôs grogue na butche, que jal tinha inglide lá na butequim de Nh’Anton Soares.... Ela, da lá de longe ondê quel tava, pô ta escompô tiu Afonso ma Quirino, que naquel tempe era tude dôs dirigente de Club Sportive Derby, e cma ela, Caela, culcincinha de favor, ela nãooo! Que certeza, que firmeza, ninguém ca tava podé compral, quê ela era Mindlense té morrê…

Quel lá era sê manha, quê assim jal sabia cma tiu Afonso, pa calal boca, log tava tchemal ta corrê, só pal pudia calmal, quê além dela ser amdjer de sê tapona, que tava pô home c’amdjer respeite c’aquel bom “crochet” d’esquerde de seu, já cunchide na pove, era também um amdjer de traboie, que sabia dá sê expediente pa rapte, na tude traboie quês tava dal pa fazê, o que tava fazel também ser sempre mute prifirida...

Um bocode despôs, muvimente cumeçá ta tchegá que força, que tude quês gente já colocode na sês poste... Uns deriba de cais, moda Caela, otes ta imbarcá pa estiva na borde de paquete, fundiode lá na lorgue, na mei de Baía de Porto Grande. Quem pudia duvenhá, num dia daquel tão bnite, calme de sol, cma na espace duns sigunde, tava ta ba contecé um tal areloce derriba daquel Cais d’Alfândega?!

Naquês tempe qu’inda tchuva tava quei um csinha, contecê que Dja de Moie tava custumá tem tcheu paia pa bitche, assim Ilha era cunchide n’Arquipélago pa ser principal fornecedor de carre pa matador de Soncente, que limentaba pa tcheu tempe pove e isdá fornecé vapor estranger que tava passá pa Porto Grande, mar aboxe.

Assim, naviu ca tava pará de fazê viaja de Dja de Moie pa Soncente, sempre carregode de boi, carner, capode e paia pa cumpanhasse quês bitche, pa besse ta dás pa cmê pa viaja e pa isdás guentá em vida bem nutride, inda uns dia.

Na mei de tude quês animal, era pa tem sempre cuidode nalguns carner brobe que tava corrê na gente pa dá de tchife e que força. Ma, más pior inda que tinha, era quês boi brobe (Xibante) grandon, de tchifona bem nutride, que tava bem recomendode, iliode e marrode de corda pa tude banda...

Cma ca pudia dexá de ser, num daquês dia de grande muvimente de descarga na cais, era um trupida só de boi ta desimbarcá, tude ta bem de Dja de Moie. Prublema é que lá na mei dês tinha um que beba bem recomendode e fecá na storia de Soncente.

Era um boi forte e valente, daquês prop mau, marrode corda na pé de trás, ma na tchife e pa tude banda, que gente sempre que cuidode na el. De vez inquante, el tava dá uns salha ma ta tinha três o quate home sempre pa guentál.

Contecê q’aquel pessoal que tava ta gordal descuidá uns sigunde, foi suficiente p’aquel bitche, forte e valente moda el era, dás dôs safarnada e cunsigui soltá, derriba dum Cais d’Alfândega chei de gente!... Foi grite trapaiode, que pove ta corrê pa tude banda sem rume nem direçon, num abole de gaita derriba de cais, cosa mudá log de situaçon e dá, INGANHA PARI FAREL.

Uns ta gatchá, otes ta garanhá moda ês tava ta podê pa fegí daquel boi, que tava prop desuriantode, ta corrê na mei de tude gente... Devera, devera, um verdader afronta derriba daquel cais.

Enton, boi na sê currida cegue de raiba, primer pessoa quel infiá foi directamente pa Sr. Ivandro de Matos, nos primer jornalista desportive de terra, na época más cunchide pa Ivandrita, que naquel dia lassim Deus tava prop ma el.

Quê quel boi, além de ser grande e forte, tinha também uns tchifona tão grande e lorgue na sê cabeça que foi o que salvá Sr. Ivandro. Panhode de surpresa, cma el fecá isulode, el só ma boi derriba de cais, el ca tive más ramede senon sende de fecá incostode num daquês coluna de cemente qu’era poste de luz de Cais.

Ivandro fetchá oie ta esperá quel hora, “Boiona” rufenál tchife, ma cma Ivandro tava incostode naquel poste de luz, assim lá el fecá pa sorte na mei daquês dôs tchife daquel grande animal, raivose fume ta esqual pa nariz, ma inda assim, el pude garanhá naquel poste de luz, que salval sê vida!!!

Festa de boi inda ca tinha cabode, quê el cuntinuá sê currida de ponta de cais pa porta de saída d’Alfândega... E lá enton, fui vez daquel gritaenta veluntara de Ponta de Cais de Caela, que tava um csinha más pa riba cum soque na cabeça, ocupode na sê traboie que nem ca tava ta temá fé d’arloce daquel “boi”, que já tinha puste tude gente derriba d’Cais na respeite.

Boi rancá pa Caela, basta tude gente gritál p’ela temasse cuidode e ês tive tempe só de fetchá oie, pês c’oiaba quel desgraça...

Enton, quonde Caela temá fé de situaçon na mei daquel afronta, ela betá quel soque qu’ela tinha na cabeça lá pa tchon e cabá, cma boi já tava quaz derriba dela e cma ela já ca tinha más pa dondê bai, pa rapte, ela infiá dritim pa mar, ma prublema é qu’ela ca sabia nadá... Oh nhas gente, oh q’afronta!!!

Assim, pa salvá sê vida e fegí de tchife daquel desgraçode daquel “boi”, ela ba ta DEBANGÁ NA MAR ta gritá pa sê POVE:

- Uuuuiiii bsote bem panhame, quê ‘m ca sabê nadá. Quê sé PA MORRÊ DE TCHIFE... MORRÊ FOGODE...OIOIE... !!!

Quel malta nadador, moda Manel de Chica, cumpanher e amigue de Caela, e más otes quei log na mar, sem gaguejá, pa trás dela, bá panhal. Cuitada, tude moiode, mode ela que tinha caíde na mar que ropa e tude, donde qu’ela sei tude sustada, ingiode moda um petim… Dritim pa quel butequim de Nh’Anton Soares, lá na Praça dos Aviadores, mudá de ropa e trá friu c’uns dôs bom grogue que malta betal log na corpe.

Currida de “boi” cuntinuá desinfriode, derriba de Cais d’Alfândega, inda que tude gente garanhode, uns derriba de soque chei de carga, otes na cachote, otes imitá Caela e quei na mar... Basta, Cais fecá prop BAZIU de gente!...

Enton, fui lá que bem parcê Jule Pliça, que tava de sirvice la perte, e bem espiá qsê qu’era quel barulhada?! Surprindide na mei daquel confuson, el fecá desuriantode e fui ubrigode de fegí e sebí derriba duns soque de pulguera de Djar Fogo, moda tude gente! Lá enton, el trá sê pistola e descarregá tude bala quel tinha na carregador, naquel bitchona de “Boi”,e mez p’azar de vida, nium bala ca panhá naquel animal!!!... Bala que Esquadra na época, pol pa pagá!

Rua na roda de Cais, ma quês mas perte, nuns sigunde, fecá tude baziu, quê alvícera corrê pa depressa pa tude banda, pamode quel “Boiona de Dja de Moie” solte, que pô quaz tude Soncente ma sê pove pé na polero, ta gatchá e ta gritá que mede de tchife.

Assim, “Boi Xibante” cuntinuá sê currida pa quês rua de cidade de Mindelo e ta pô Soncente em pese num afronta sem igual...

Na mei daquel desuspere, bem parcé Cunha, Caraca ma Nukim, tude ês três magarefe famose de nôs Matador, que já tinha custume daquês cosa!... Esperte p’afronta, ês pô log sês intligênça ma expriença de vida a sirvice de Pove de Soncente... Que pa sês esponte, foi moda stora D’OVE DE COLOMBE puste na prática!

Enton, ês cambá pa Curral de Matador Bedje ba bescá um “VACA”, e sende assim e só assim é quês cunsigui calmá e panhá quel “Boi”, que despôs ter passode na rua de Cráca, ma rua de Muralha ô de Escadinha, já tinha cambode lá pa lode de praia de Galé, que ta fecá lá pa funde de Baía de Porto Grande, pa tranquilidade de tude quel POVE ALVOROCODE SEM PODÊ SEI DE CAS!

Moda de custume, e sempre quonde tinha um cosa dês na terra que tava marcá pove, de note tava falode del pa tude banda...

Ma naquel note especial lassim, na butequim de Nh’Anton Soares, na Praça dos Aviadores perte d’Alfândega de Mindelo de Soncente CAB VERD, tive coque ma viva p’afronta e pa saúde de Caela, cuitada que escapá pum unha negra de morrê de tchife, pa saúde de Cunha, Caraca ma Nukim, que fui quês heroi daquel saga que libertá tude Soncente de pesadel daquel BOI BROBE QUE BEBA RECOMENDODE DE DJA DE MOIE…

Zizim Figueira (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Zizim, Um grande abraço de parabéns e continua a prendar-nos, semanalmente,com estas "estorinhas" de "fazê cordà morte p'arri tambèm". Elias

Elias Silva                elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Oi Mano, Quem relata assim não é gago não! Esta excelente reportagem cheia de termos e expressõs mindelenses transpota-nos ás festas de S.Firmin em Espanha e ao elefante da embaixada ao Papa no tempo de D.Manuel que dizem andou a espatifar o Rossio.Sem tempo nem lugar. Mas deve ter sido digno de se ver todo aquele alvoroço no Cais de Alfândega do Mindelo. Saúude!Fraterno abraço MAG

Margarida S.Mascarenhas

Comentário:

Força Irmão! Cá vim ao Forum das nossas reuniões domingueiras, conjuntamente com o clube de fans da malta daqui do bairro que sabe apreciar-te, para te felicitar por mais esta maravilhosa narrativa, que hoje e sempre nos vem transportando para aquele Mindel de Soncente da minha época de estudante. Ela, nos enche o coração daquela nostalgia no Cais de ver partir que era o Cais de Alfândega e que o boi virou de pernas para o ar. Com um abração de todos. Necas

Manuel de Sousa              manuel.sousa@clix.pt


Comentário:

Sr. Engº Geógrafo Z.Figueira, Gostei imenso da estória, dos personagens de que de muitos ainda me lembro e da riqueza de termos de que já me tinha esquecido completamente e que graças a si vou enriquecendo o meu repertório em crioulo. A estória está ótimamente bem elaborada. Parabens! Um abração daqui de Goíás-Brasil. Fernando

Fernando F. Nobre               fernando.fnobre@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim, Se eu não te tivesse todos os fins de semana neste grande Jornal que é o Liberal e que vos felicito, a vida por cá de tão longe em Sidney-Austrália seria deveras monótona. Mas graças a ti e o que sinceramente repito com estas tuas sensaionais sturinhas lá vamos tomando tudo com calma. Porque um sabê cma um dia um ta voltá. Thanks nha broda. Saúde e até próximo domingo. Forte abraço Terencio

Terencio Lopes                     terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Dear Zizim, A estória já era conhecida mas não impediu o bom ambiente na leitura. Pois coisa agradável nunca cansa e havia no nosso meio associativo muitos recém-chegados mas mesmo muitos, que a não conheciam e se deleitaram. Como sempre houve muito riso e os mais velhos do grupo lá foram explicando aos mais novos o modo de operar na descarga de víveres e animais na época no nosso cais de Alfandega. E todos torceram por CAELA.Eheheh.Mantenhas YO

Yolanda Dias                        yoldias@aol.com


Comentário:

Obrigado Zizim, Adorei e passei a mensagem para meus filhos e vizinhos que também adoraram e continuam adorando. O livro já meu amigo, pois estamos todos ansiosos á espera. Rijo abraço Viriato

Viriato Brito Évora                 viritaobevora22@gmail.com

V o l t a r


Comentário:

Caro Sr.Zizim, A minha mãe e eu achamos esta estória uma maravilha " nem camoca q'mel" com ela disse. Ainda estamoa a rir mas a situação devia ser terrível em cima do cais que nem imagino. Beijinhos da mãe e eu. Suelly

Suelly Fonseca                    suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Nh'Irmunzim de sodade, Festival esse one cumeçá nice dmunde ma tchuva que nô tem falta tcheu tchegá e mandá pará e nô tive que paral mode perigue de fiu má eletricidade. Ma ca ta fazê nada e Deus tem. Agora nô tem qua fcá ta propô mas cosa drete, porque n'é só Festival que nô ta devê tem pa nô podê exprimi nôs cultura má nôs talente. Sturinha tchegá dente d'hora quê hoje dmingue nô tava prei triste. Ma, almoce hoje é arroz que faba e um escabechada de pompe ma cavala. Faltá só bô nha broda. Ma d'aqui a nada bô ta bem e nô ta li ta gordobe bô lugar na bancada sul de estádio Adérito Sena. Obridaga p'esse sturinha sabim ma um malaguitinha nesse escabeche ti ta cai prop sabe. Um braçona de malta. Nununa

Nununa                              nununa@cvtelecom.cv


Comentário:

Como uma droga, não pude prescindir de ler e vir cá comentar este teu tão rico trabalho de longa data onde pões toda gente tanto prós como contras na selecta Só quem deveras não conheceu aquele Soncente de outrora não pode avaliar a densidade do conteúdo destas tão bem elaboradas estórias do amigo Zizim. Mas, estou certo que um dia serão lidas e comentadas pelas novas gerações de cabo-verdianos enquanto existir a nossa força de caboverdianidade como identidade socio-cultural. Bem hajas amigo.Fraterno abraço Jorge

Jorge Manuel Cleofas Martins                    jorge.cleofasmartins@cvtelecom.cv


Comentário:

Very good one may big brother Zizim, Jam arri pafronta, quê um ta lembrá moda se fosse ahoje de tude esse storia. You made my day! Big hug Toi

Antonio Santos                         toisantos@verizon.net


Comentário:

Meu Zizim de Ti Djô Figuera, Nô sube cma ês operobe coraçon e q'tude corrê drete. Jon Modeste e malta de Rebera Bote ma Banca Sul de Compe de Jogue ta desejobe de coraçon um bom e rapte restablecimente. Pa esse Sturinha sabe na coraçon e que já pô tude gente sabe t'arri no ta dobe quel 20 valor qu~e ca tem más. Um braça pertode de malta. Guey

Miguel M.Monteiro                    mucimdereberabote@cvtelecom.cv