BOIE DE CARNAVAL NA ÉDEN PARK (CUIDODE NA MASCRINHA)

Quel plumanhã de dia d'Intrude, mês de Fevrer de mil novecentes e troca o passo, dia mancheba na Soncente cum ventania chei de poera pa tude banda, té que ca tava ta dá gente nem goste de sei pa rua.

Ma smeme assim, Memê Ove, fidje de criaçon de Nh'Antunin Cunote, chei de coraja, fui primer mascra que abri Carnaval quel dia na nôs rua, despôs el cambá rua de Moeda tude de castonhe, bestide de Pierrot na papel de saquinha de semente.

Era um monzada de menine pa trás del, sempre ta corrê e, à força de tonte mexê, vente cabá pa ratchal tude sê bestimenta tão bnitim que Urisa de Nha Rosa Mendes tinha el fete, té quel fcá tude nu em plote, moda sê mãe paril.

Anton, mnines na rua fcá ta metê quel, ta dzel cma já agora el tava mas era bestide de croquete e o que tava ta faltal era só quel palitim na polpa! Eheheh!

No intante, quel Pove, prop vassalode, cuntinuá ta prepará sês bloque pa desfile moda tradiçon Mindlense ta mandá e, ô que vente ô sem vente, pa diante é que cosa tinha que bai! Ma flizmente, lá pa volta de mei dia, quel ventania bem calmá, pa ligria de tude um Pove que sube dá Deus Santas Graça!

Moda de custume, nô tava ba sentá lá na Manin Strela na rua de Moeda, quê naquel tempe tude quês mascra más fei, busode, pirracente, binde de Monte, Montsussegue, rua de Morguine ma Craca, tude tava cumeçá sês muvimente daquel fulia de Carnaval era lá na zona de Praça Strela, perte de casa de nôs Manin de sodade, que tava pô quel garrafon de vinte litre de grogue lá na rua, cosa ranjode pa el ma Sr. Belmiro Gil pa mascra que cria quentasse corpe, antes de sebí pa Rua de Lisboa, Praça Nova e otes zona, que já daquel hora tava estode chei de gente ta esperá bloque.


Foto: Djibla

Manin Strela, home de bon coraçon, fui na época um daquês grande ijgador de futebol de Clube Sportive Mindlense, famose e cunchide na Pove. Era também um daquês mnine más busode de Soncente, chei de pirraça! Basta el tava fazê quaz tude gente de rua mexê que sês goze, ma sempre que sê cara séria, ta fazê de nocente!...

Dá que pedra, gatchá que mon! Cosa que tude gente sabia, ma ca tava estorvás de caí na sê rede.

Inflizmente, já na sê idade el bem fcá paralitique, ma tude gente na Soncente, e em special de sê rua de Moeda que queria el tcheu, tava tmá conta del, assim nunca el tava sinti só. Tude vez cum daquês amigue de zona tava morrê, el lá sentode na sê cadera é que tava organizá coleta pa caxon ma interre e tude gente tava dá sê parte.

Manin interrá Leisão, Lau de Briza, Hermine Manquin, cumpade Chima e otes más, té dia que tchegal sê vez. Um interre sem igual e voz de Pove, voz de Deus, quê té gote ma catchorre bá cumpanhal té sumeter, tão boa Alma quel era.

Pirraça lá na Manin ca tava cabá nunca e tinha sempre um nocente que tava ba nimode na conversa. Tude quel pessoal sentode djunte naquês mutchinha (bonque) rinquiode na porta de rua de sê casa, cum monzada de gente lá ta esperá bloque de Carnaval passá! Ma, lá na mei daquês mutchinha, tinha um bonque que tava fcá sempre baziu pa quem tchegaba de nove e quisesse sentá...

Bonque baziu sim, ma era pirraça de Senhor Manin, quê naquel bonque tinha um braquin na mei, cum grande agulha de cosê soque, guentode pa dôs linha de barbante, passode na dôs braquin de cada banda daquel mutchinha.

Quês malta tava tchegá tude bajofe, cuns gargantona de gaita, na mute conversa na mei de pessoal, que tava cuntinuá ta dás corda té ês sentá naquel bonque...

Dôs minute despôs de pessoa stode bem instalode, quel malta tava pxá quês dôs fiu de linha que tava fazê sebí quel agulha, dá picás polpa e ês tava dá cada grite cum solte pu ar!... Uns tava zangá, bá ambora, otes tava crê rafilá prope pa guerra, malta tava calmas e dzes t'arri:

- Adech, moce, dexá de bôs sparate, bô ca tita oiá cma hoje é dia d'Intrude-Carnaval!...

Assim, stora tava cabá logue c'aquês risarada sem fim, cumpanhode sempre dum gruguim pa cabá de calmá spirte ma imbiente.
Lá pa duas ora da tarde, cumeçá ta parcê CHIMY-BOI (mascra prop original de Soncente), um home que mascra e dôs grande tchife de boi na cabeça, marrode um corda, cum grande inchumace na costa que tava vral caracunda, cum guia ta seguil na sê currida ta dal de pau) na sê arreloce, ta corrê desivode, ta cercá pove na rua, ta pôs incostode na parede que sês tchifona, té gente dal quel cinque toston tradicional! Um verdader delire de grite ma currida, num ligria sem par.

 

Foto: Djibla

E assim tava cumeçá quel abertura de Carnaval na Soncente, binde sobretude de zona de pobreza, que sempre sube nimá quel festa, na tude sê spontanidade e originalidade dum Pove unide e orgulhose de presentá tude sês valor e riqueza cultural na mei daquel bacanal. Basta té tava fazê gente lembrá quel cantiga daquel grande filme Orfeu Negro:

- Tristeza não tem fim, felicidade sim, etc…

E despôs, na fim, quel refron:

- Pra tudo si acabá na quarta-feira!...

Carnaval, um vez aberte pa POVE, tava expandí na sê cuntinuidade prop daquel dia, que tude quês grupe que já-me tinha mentode num storia antes, moda Dô-Di-Dô-Dô-Di-Quá-Parafu-di-Polegá, grupe pirracente que tava fazê arri tude gente, siguide daquês grupe de força que ta tinha treinode tude um one pa concurse de beleza, moda Flor Azul,Vindos do Oriente, Júnior, Juvenil, etc, etc…

Carnaval ta dá sê best, que tcheu múseca e cor ta intchi quês rua de cidade de Mindelo-Soncente, na tude sê força de cstume, sem rival nem igual, cum data de gente gatchode cara que pone, puste luneta pa protegê oie que mede de levá de farinha, moda sempre fui tradiçon de terra.

Despôs de tude ês peripécia vivide, que tude passaja de grupe ma mascrinha de cú pelode de tude spece e má fgura, dada de farinha sem rei nem roque, moda sempre fui cstume na nôs terra, naquel fulia prop daquel dia de Carnaval que tava ta cumeça! Dia de Carnaval inda olte, já na pensamente de Pove tava ta corrê quel ideia pa completá note, quel Grande Boie Popular de tude tempe na Éden Park, que sempre marcá nos existência de cabverdione mindlense, mnine de Soncente que nôs é!

Manin Strela, sentode na sê cadera de roda t'oià de note ta bem ta fetchá, que mede de malta dexal lá el só, bem pô ta contone um storia que passaba ma el na sê tempe de rapaz nove chei de força, em quel tava pensá té cma Munde era de seu, moda el tava repeti sempre. Sobretude tude vez, nesse épca d'one em quel nunca tava faltá, um só daquês boie sabim p'afronta de Mascra de ÉDEN PARK.

Plácido Estrela, de nome de registe e batisme, ma más cunchide pa Manin Strela, na flor d'idade de sê tempe, solteron, sport e conquistador moda el era, tava tchegá na Boie só despôs de meia note, na hora que festa já ta stode merguiode naquel sabura prop quente e na sê TOP!

Basta sê prazer maior, moda el dzê, era tchegá lá na Éden Park, sebí lá derriba na Olte, quês tava tchemá Plateia, pal pudia preciá amdjor quel delire colective de sê POVE, formode um sô bloque de CORPE e ALMA!

E ta seguí quel ritme, na tom dode pa quel tradicional orquesta de Tchá Jazz de Ti Goy Caraca, chei d'inspiraçon na grupe de Ti Fefa (Alfrede) naquel clarinete, Jack Strilinha na sê trompete, que más otes ta cumpanhás naquel verdader cocktail marabidjose de múseca de quaz tude parte de munde quês sabia tocá e bem, cumeçode pa samba, bolero, patchanga, rumba, mazurca…

 

Foto: Djibla

Em que gente de SanAnton, lá na Boie de Éden Park, quonde ta tocode mazurca, tude gente tava dá banda quê ês é que sabia dá quel tom, que sês grite de "en avant, cote", siguide daquel "changement de cavalière"! Um verdader spetacle, mute sui generis.

Um cosa certe naquês boie d'Éden Park, é que tude quem sabia tocá e que tava crê ba scançá orquesta ta tinha sê chance de sebí na palque.

Assim, pa contraste daquel boa múseca, tinha de vez inquante Jimmy, que sê toque de clarinete bem cunchide, pamode sês falha na sopre de nota, moda um criston chei dor na bexiga. Basta era cada fiummm, fiummm, na foche de nota, ta ratchá pove uvide, quês tava cabá sempre pa vassalá e mandal pa dexí de palque.

Ma também, pa equilibrá cosa, ta tinha otes "grupe da pesada" que tava tmá conta e guentá orquesta pa scançá cumpanher. Assim, festa tava podê bá ta guentá té plumanhã, que Lulú Marques na concertina, Antonim Marques na pione, Auguste Pirique na violão, quel incansável daquel Marcel de canalim na bantche, Djosa Marques na bataria, ta pô quel Pove ta saltá que sês "Ó raspa, ó raspa, ó raspa, ó raspa de meu maride"... Não sem esquecê de vez inquante quel coladera ma quel murninha, pa ca ofendê tradiçon!

E Manim Strela cuntinuá que sê stora, despôs de ter falode de tude ês múseca ma orquesta que tava interessal tcheu. Anton, el dzê cma na mei daquel bacanal que era quel Carnaval de Soncente, chei daquês mascrinha ta pulá, ta dançá, sê boca ca tava lá, quê el sê priocupaçon, Gaton moda el era e moda el dzê nôs, era de fcá ta guitá colê mascrinha fema quel tava ta bá panhá, pa cabá de passá quel reste de note...

Tonte spiá quel spiá, torná spiá, té quel oiá esse mascrinha prop bnitinha, de corpe moda um boneca, lá na mei de sala ta rebolá, ta jingá, ta swingá, ta dá uns caroce na mei daquel Pove sem brincadera!…

Anton, Manin intchi de coraja, el ba ta tchegá de perte, el vrá pa um amigue de seu que tinha panhode esse mascrinha boa gaja, el ba ta dzel:

- Ó cumpade, anton passa camarote (um manera de trocá dama na boie, de terra).

Cumpade, que sabia bem quem era quel mascrinha ma ca dzel nada, passal dama! Assim, Manin tmá dagada tude inganode e vrá logue dode naquel mascrinha prop bnitinha de corpe! Eheheh... Jal leval pa Bar de Cinema Éden Park, jal mandá Saturnine dá mascrinha tude do quel pedí, anton fui coque moda paia, bafa, chuclate e tude de bon e d'amdjor que pudia ter na Bar de Cinema Éden Park.

Foto: Djibla

Manin, sabe de munde, desufná, fcá prop vassalode, dode na mascrinha, que tava ta continuá sempre ta dal um bola de gaita! Ês sfregá bem sfregode tude quel note, ês fazê caroce que tchegá sem brincadera, ma mascrinha tude muque (calode) sem descubri quem el era, que Manin infrotode sempre ta insisti...

Anton Manin, chei de esperança, cabá pa perguntal: "Bô ta dexáme bá levobe?" Mnina sô dzel que cabeça cma sim!... Ligria fui demás e flicidade cumeçá ta sebí Manin Strela na tude sê corpe! Basta ês sei ta bai pa casa tude feliz e contente, inda sem boie cabá! Manin, que sê mascrinha de curpim de vilude, moda um boneca prop bnitinha, ma sempre sem oiá sê cara ô sabê quem quel era!...

Ês trá rume de Soncente Sul, já ês travessá tude morada (cidade de Mindelo) a pé naquel friscura de madrugada, rua num silence que nem mosca nem musquite se tava uvide, quê tude pove tava na Éden Park! Té quel ventania de dia tinha desaparcide, moda pa incantamente!

Manin, pa camin chei de calor ma vice na corpe, de vez inquante tchegá dá mascrinha uns garrotche de matá!… Té se fosse pa el, hora de verdade era log lá! Ma mascrinha, spirtinha moda el era, tava ta duminá situaçon e tava ba ta dzel:

- Calma, Moce, quê já nô ta quaz ta tchegá!

Manin, sempre infrontode, ba ta bai, té quês tchegá na casa de mascrinha, que mandal logue ba lavá e pol ta esperá, té quonde ela tava tchemal!... E assim fui, quê nôs Manin Strela sigui tude moda mascrinha tava ta dzel, el lavá e fcá lá na sala ta esperà!…

 

Foto: Djibla

Quel momente de desinfrontá, de tonte sperá, tchegá pal ba oiasse cara daquel beleza que fazel senhá tude quel note!!! Anton, mnina já detode lá na quarte na sê boa cama, dzel:

- BEM, NHA MOTCHE, BEM!!!

Surpreza grande, quê quel mascrinha de curpim de vilude, moda um mnininha nova de vinte one, n'era na realidade nem más nem menes que Briza, bedja já de sês quaz sessenta one d'idade, ma que direite de vivê sê vida!

Ela era pessoa cunchide de tude gente lá derriba na Monte, antes rapariga bnita que vrá feia pa cagá, de boca torte inflizmente, sempre ta babá paquel banda ondê que parlizia tinha ela panhode!

Ver é oiá quel desiluson de Manin quonde el entrá na quarte, quel oiá Briza sem mascra!... Basta dá corpe rupial e el ca dá um grite diante daquel fiura de Briza só Deus na Céu sabê!...

Ma Manin ca pude fcá sem reagi d'oiá Briza lá detode, lavode bem lavode, ta tcherê sabe, estindide naquel cama que sê curpim de vilude, que perna mei scancarode! Anton el, Manin, recuá um vez, decidide pa bá imbora!

Lá Briza torná dal fala, pegal na mon, dá quel calor de motche sebil na corpe, quê pedra ma garrafa ca ta ijgá, el ca pude resisti quel tentaçon, dá el bafà Briza bem bafode!..

E sê cumpade Jack Cunqlicoque, que sabia e tinha el passode quel mascrinha na boie d'Éden Park e que tinha siguide tudes dôs naquel peripécia, sô pa oiá té ondê que sê cumpade Manin Strela era capaz de bai ma Briza!?

Assim, cumpade Jack bem fcá de standby, sempre ta guita, ta sperá sê cumpade Manin sei da lá de casa de Briza, sô pal ca dzeba cma era mintira! Assim, logue que Manin sei da lá dente, cumpade Jack Cunqlicoque dzel pa galantaria:

- Já-me panhá malondre…e li ca tem mintira quê um oiá tude! E porra, cumpade, bocê dvera tem estome forte! Nunca um pensá cma…

Lá cumpade Manin pô cumpade Jack mon na bique pa fazêl calá, pará sê jeep e respondel seque, na seriedade:

- FEIA, SIM! MA FOR D'AMJER BOA NA MUNDE, CUMPADE JACK!!! NUNCA, NA TUDE NHA VIDA D'HOME, CONTECEME DO QUE CONTECEME NESSE NOTE DE CARNAVAL!

Cumpade Jack anton dzel:

- Verdade confessode, mei perduode!

Assim, Manin Strela e sê cumpade Jack Cunqlicoque pude sigui a pé sem dzê cumpanher más um só palavra, só pas pudia ba ta scutá quês reste de múseca binde de longe, ta ratchá quel spertar de dia na cantar de gole de más um note de Carnaval bem passode, na nôs Cidade de Mindelo!

E pa cabá de completá quel note, ês bá trá espece cum bom colde d'ove de malagueta cuns gruguinha, lá na casa de sês cumpade vezim e amigue d'infancia, Antunin Cunote!


Zizim Figuera (José Figueira, Júnior
)

V o l a r