PRAÇA ESTRELA – NA TEMPE DAQUEL BONQUE DE SONE

Bem parcê Nh’Antunin Cunote, pai de criaçon de Mêmê Ove, ta tchemá tude gente atençon pa quel Bonque de Sone, quê quadre quel dia tava prop complete de gente lá sentode ta drumi, té um catchurrim que por acase tava ta passá pra lá, também fui panhode naquel vaga de sone... Quadre devera digne de pincel dum artista!

Praça Estrela, pa quem que ca sabê nem tchegá de conchel naquel tempe, era quel praça de pove situode na parte Sul de Mindelo, lá ondê que dantes foi Salina, palque de pratica de mil e um cena desportive, moda football ma cricket, que dexá registode naquel livre d’honra, nome de tude aquês atleta verdione que fazê glória e história de desporte de Mindelo, na Soncente - Cab Verd.

Hoje, té inda el ta lá, moda um fidje sem mãe, que sê estrutura completamente mudode, cosa que ta provocá um tristeza profunde na coraçon de tude quem conchel naquel época, que sê “obelisque de pedra prete polide” bem olte na mei ta fazê sombra pa ligria de tude quem sentaba deboxe del, lá naquel banda d’antigue Pavilhão q’era de Clube Sportive Mindlense oferecide pa John Miller, que despôs foi temode a força e ocupode pa tropa(cosa que Mindlense nunca más pude recuperá) e na fim fui Estaçon de Pliça.

Da lá de sê altura, quel “obelisque prete”, que foi quebrode e destruide sem ninguém podê da conta del nem sabê pa dondê quel bai, tava dominá panorama geral de Praça Estrela na tude sê extenson e explendor, calcetode de mil e um pidrinha brónc e prete linhode bem trabaiode (obra d’artista), binde dum pedrera da la de Rebera de Vinha, que sês bonque de semente pintode d’incarnode e brónc, e sês canter na forma de estrela que sês espinhera ma acácia, ta niná pove de sês sombra ma sês virdura...

Dividide na mei, Praça Estrela daquel ote banda, lode de Corte Tenis Mindelo, que sê Corete de Museca, que hoje também já ca ta lá e, tude sês renca de bonque de semente bem linhode, ondê que tcheu fidje de pobreza tava incontrá, sês desconse de corpe de tude dia e dum dia pa ote, sobretude na dia de calor...

Praça Estrela, naquel tempe que pirraça ca tava cabá na tchon de Soncente, cosa rore n’alguns parte de munde, sempre na sê juguinha de “cara ô xis” e deboxe de sê silencie, também tinha mil e um stora pa contá...

Assim, na mei daquel confuson de tude dia, c’aquel trupida de gente sempre ta passá pra lá, ta bai ta bem na fadiga de bescá vida, ô ês queria ô ês ca queria, ês tinha que fazê quel brake de custume, pará p’uvi alvicera, bibê quel grogue naquês butequim lá perte, dá dôs dede de conversa ma sês amigue e sei ta bai sês destine... Ma sempre que gitim pa ca sentada nunca naquel “BONQUE” bem especial, cunchide na pove pa “BONQUE DE SONE” ondê que tude quem sentada ô incostaba na el, del gente, del animal ô planta, tava cabá pa drumi quel sone profunde de tal manera que té dia dahoje ninguém ca sube explicá... eheheheh....

Fui lá na el q’aquel “MASCARODE”, que ta tinha quês mnina que tava estode pa camin ta bá bescá pon na paradia de Matos infrontode, naquel tempe de: Ô PIQUE... Ô PON, foi panhode, quê el incostaba um csinha pa descansá, sone panhal que sê mascra e tude, pliça tchegá prendel... Dá mascarode cabá na terra!

Ta fazê parte importante de mobília de Praça Estrela, “BONQUE DE SONE” era quel bonque que tava fecá li derriba, descoberte de tude sombra d’arve, na ponta nordeste de Praça Estrela, quaz na entrada de rua de San Jon, perte de Sindicate Maritme e que costa verode pa parede de Vascona.

Enton, tude vês que gente passaba pa Praça Estrela, tava incontrode quel grupim fiel de sempre, mobilia daquel “Bonque de Sone” cunchide também pa “Bonque de Nhô Foste”(Fausto Coronel), lá sentode, moda de custume, bodzê ta pagá penitença e, Deus defendeba um qualquer que tchegaba e sentaba lá na sês lugar, sobretude naquel hora devide, quê ês tava pedil na ton, log quel culcincinha de favor...

Juntim, sempre ta drumi, incostode na cumpanher moda um cotche de banana, ta dá d’azete pa podia cabê na lugar, tava incontrode ês lá sentode naquel “bonque de maldiçon”, moda de custume bodzê ta pagá penitença, tude vez que gente passaba pa Praça Estrela...

Moda voz de pove tava custumá dzê e, voz de pove voz de Deus, cma era pamode sês culpa pecode seberba q’aquel “alma de sone” tinha binde, pa fecá na volta daquel bonque, pa bafás, pas podia cabá de pagá tude sês culpa, de do quês tinha fete e tava ta devê na munde!

Problema é q’aquel sonim ca tava perdoá, nem escui hora pa bafá gente, seja el quem fosse. As vez, té mei dia, na mei daquel sol quente quel pessoal tava estode lá sentode ta drumi, sem podê cordá, reagi ô dá corpe de si!... Era sentá, dá ba que sone! Enton, tude gente que ca sabia, era sempre conselhode pa ca sentaba naquel bonque maldiçuode!

Basta, tinha té quês gente más antigue que concheba bem stora daquel Bonque de Sone de Praça Estrela ma sês gente e, log que tava falode ês, na el, ês tava pô log ta esconjurá que sês reza de:

- “Sendimora, merda de gote prete, temporal de Sr.San Jon, piorrim, gilbon, maná... quês tava fectchá c’aquel Onje de bô Guarda Sonte de bô Serron (membrana que ta involvé mnine na barriga de mãe) pa fastá quel sombra mau de sone, pal ca bafada ninguém e basse que cara pa diante!...

Pove inter na terra, sabia daquel “Bonque” p’uvi falá ma sem conchê verdade de sê storia.

Enton, um segunda-fera (dia de sapater) datarde, nôs sentode deboxe daquel espinhera de sodade, la perte d’antigue Club Spotive Mindlense, despôs de ter esgotode tude quês alvicera ma relate de contecimente passode na terra na fim de semana.

Bem parcê Nh’Antunin Cunote, pai de criaçon de Mêmê Ove, ta tchemá tude gente atençon pa quel Bonque de Sone, quê quadre quel dia tava prop complete de gente lá sentode ta drumi, té um catchurrim que por acase tava ta passá pra lá, também fui panhode naquel vaga de sone... Quadre devera digne de pincel dum artista!...

Nh’Antunim Cunote, moda um juste, antes de rancá c’aquel stora de vida daquel pessoal de Bonque de Sone, cumeçá primer pa pontá sês nome, um por um, bodzê que mede de perdê um sequença de filme e, era:

- Nênê ma Fauste Coronel que sê canhote na boca, Lela Charute, Didi Fincá Pau, Antunzim Roncoi, impregode de Loja de Nhô Palmirim, que tava passá vida ta tchocál pregue pa ba vendê e betá culpa naquel gote de loja gôdzide grande cmedor de pregue, em vez de rote, Dufega, Jon Cabafume, Nênê Malagueta e más e más otes, quê quel dia, na expresson de Nh’Antunin Cunote, bidion tava ta quei prop forte na linha...

Enton fui fete silencie, el rancá que sê stora e pove calá p’uvil. Moda el tchegá de contá, quês gente daquel bonque lassim, tava estode devera la prop ta pagá culpa, quê sorte tchegá de passaba na sês porta, ma cma ês ca sube proveital, agora era pagá penitença, cosa que Nhô Pitra log confirmá, ma dexá Antunin cuntinuá.

Quaz na fim d’ones 1940/1950 um noruega por nome de Thordal que tinha cumpainha de pesca de baleia la pa perte de Pole Sul, na Saint Georgia, de passaja pa Soncente-Cab Verd, oiá quel situaçon de nôs pove, enton bel n’ideia também mode situaçon geografeca de nôs Ilha, cma el podia contratás e fazês trabaiá pa ganhá dnher, em vez dês estode pra lá sentode sem fazê nada, o q’era bom pa el e pa nôs pove...

E, assim fui fete um controte de três one pa cada um dês, que destine pa quês Ilha Inglês lá pa quel Sul, friu pafronta... Naquel tempe, pesca de baleia tava prop forte e cma noruega tava que falta de mon d’obra, verdione cambá pra lá ba bescá vida.

Na principe, tude gente bai desposte pa trabaiá c’aquel oie de miséria de terra, naquês primer dia, tude gente tava ative e tude o quês poba ês na mesa, ês tava cmel sem descuti...

Traboi era prop dure, moda Antunin Cunote contá, deboxe dum tcher da matá, na mei daquel ratchá baleia, cortá baleia, derretê baleia de plumanhã té denote sem pará.... Era traboi pa rendimente, quonte más ês trabaiaba más dnher ês tava ganhá... Ma pra lá, ca tinha dondê gastál!

Lugar tinha tude inquante: - cmida ma bibida á vontade, cinema e um ambiente que tude conforte, que dente de casa nem friu sês tava sinti.Amdjor ca podia ser, sô que ca tinha amdjer!...

Seis mês despôs daquel controte de três one, cosa q’Antunin Cunote vivê djunte ma sês cumpanher, resultode de tude quel esforce ta guentá cosa sizude, trançode que sodade de terra ma tude quês tendença recalcode, criol cumeçá ta seberbá, ta rafilá! Ês tinha direite a dez latinha de leite condensode pa semana... Era abri um lata, tchepál té na mei, betá fora, assim na dôs dia jas ca ta tinha, ês tava bem reclamá más... Um lata de cinque libre de jam (strawberry) era abri plumanhã, datarde jas queria ote.

Pamode tude quês rafiladeza ma abuse, situaçon vrá prop mafe e cma controte era de mute tempe, inda más num compe e erme daquel lá, certe q’aquel cosa sebis na cabeça. Inda más, tende em conta que criol é um pove patriota amigue de sê terra, mi de nha parte até certe ponte ‘m ta compreendês.

Ma problema é quês vrá más noruega que noruega e más inglês q’inglês...Ta mandá na terra de gente. Antunin Cunote dzê cma la deboxe, tude ês era “snoka du” e cma fui dalá quês trazê quel “ciré”, quês vrá t’usá moda noruega e vral comerce na Socente.

Na mei daquel grande isolamente, trançode c’aquel sodade e tude tristeza de munde, mez na sês bem estar, Criol infrontá e, enton sei revolta, ês vrá mau dmunde esquode de cabeça ta dá noruega ma inglês de pau, sem midida nem brincadera!… Notícia bem log pa riba e Thordal, infrontode mandá log orda pa Saint Georgia pa cabás que controte!

Enton, ês fui tude imbarcode num vapor de guerra inglês, ondê quês fui bem tratode e trazide pa sês terra de Mindelo na Soncente de Cab Verd.

P’aquês que tive um csinha de juize, moda Antunin Cunote, Jack Cunqueli Coque, Dufega e otes más, ês comprá sês casa e metê na negoce de mei de Baía. Ma p’aquês más buzode que sempre vivê na descontra e pensá cma quel denhirim ca tava cabá, maldiçon panhaz e pôs cú la naquel “BONQUE DE SONE” ta pagá penitença... NA VOZ DE POVE...VOZ DE DEUS!

Zizim Figuera ( José Figueira,junior )

V o l t a r


Comentário:

Nem de propósito, vens dar-me razão, com esta estória quanto à nossa natureza quando mudamos do conforto do nosso banco de sono. Por acaso tenho cá em Paço de Arcos, por baixo da minha janela um confortável banco de sono... Bom domigo Mag

Margarida Salomão Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt


Comentário:

Dear Zizim, Outra estória que nos leva até ao final sem poder parar,,,,, para decifrar o mistério do Bonque de Sone. Estas escrevendo cada vez melhor, com muito humor sempre, e com muita clareza Parabens por mais esta storia tão envolvente, que nos leva de volta a nos terra, que mute sodade....a descrição que fazes da Praçaa Estrela dos bons tempos , do campo de tennis, das ruas, é como se eu estivesse andando por là agora mesmo. A riqueza de detalhes que pões nas tuas estórias e fantástico. E que memoria tens! Parabens!!! E continua. Só que mais uma vez digo-te , essas estórias deveriam estar todas juntas jà, num livro, para a posterirade. O que tens feito é uma verdadeira " Historia " de São vicente, em contos que não se ouvem mais, e que no futuro quem as ler vai entender melhor o nosso São Vicente e a nossa cultura. Great job my dear friend Beijinhos Ju

Judith Wahnon            juwahnon@aol.com


Comentário:

Ôh Nha Broda Zizim, Sempre quel boa disposição e saúde pá bô e tude familha ê cum tá desejá bôcês. Nôs na graça de DEUS nô ta tude de saúde. Bô storia 'm lêl e um ôtchál formidável que tude sês ingridiente complete e prop sabim pafronta moda um filme e jam arri pa morrê. Foi lá na quel bonque que pliça ôtchá nhô Fauste ta da quel mnininha de BOMBA e cma bô sabê nôs de SONCENTE nôs ê bunzim na pô nome, desde daquel momente nhô Fauste passá a ser conchide pá nhô Fauste Bomba... Ahahahah.Parabens bôs storia é um sucesso chei de recordaçon de nôs terra ma nôs pove que ta matá gente de SODADE!!! Um fim de semana que mute ligria e felicidade. Um rije braça de bô bróda RUITUDA

Rui Pereira Vaz da Fonseca            ruituda@hotmail.com


Comentário:

Olá Zizim Figuera, Enquanto lia a história da Praça Estrela era como se um filme estivesse passando na minha frente, e eu recordava aqueles lugares . Um bom fim de semana . Obrigado por tudo isto . Um grande abraço para ti, do amigo Álvaro Benrós(Brasil)

Alvaro Benrós               albenros@hotmail.com


Comentário:

Zizim,Hoje foi um dia em cheio com esta "storia tão sabim" cheia de gente da minha familia como Ti Fausto Coronel que realmente apreciava aquele "Bonque de Sone" que todos conheciamos e as nossas mães nos proibiam de nele assentarmos. Eram tantos ali a dormirem debaixo daquele Sol quente que até causava impressão. Bravo broda a estória está creme das cremes. All th best! Um rijo abraço daqui de Sidney-Austrália do teu amigo de sempre Terencio

Terencio Lopes            terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Brother Zizim, Isto hoje está mesmo uma paródia porque a cada parágrafo cá em casa, do nosso grupo dos domingos, havia quem ria ás bandeiras despregadas mas também quem chorasse de "sodade ma tristeza" sobre a Praça Estrela e toda aquela nossa boa gente que nunca poderemos esquecer ainda mais agora que já os fixaste nas tuas estórias. Fausto e Néné eram primos direito do nosso Ti Manel que também riu e chorou por causa da tua pena sensível e rica de cores e cenas do nosso Soncente bem amado de outrora. Pena terem dado cabo da Praça Estrela. Bem hajas! Um beijo e abraços de todos daquei de Montana-USA Stella

Stella Lopes            stella.lopes@verizon.com


Comentário:

Zizim, Bom dia! Adorei a sua storia, como sempre. Gosto dos seus considerandos de um tempo e um povo, num jeito de estudo antropológico sem presunção. Pois aquele banco tinha penitências para pagar mas não havia de ser dos crioulos que não quiseram estar lá no meio do nada e - pior ainda - sem um carinho de Mulher. A esses, toda a nossa compreensão! Haviam de la ter passado outros pecadores, culpados de pecados maiores (soberba, arrogância?). Claro que os que voltaram e entraram no pecado da "descontra", também foram pecadores mas... há os bem maiores! Passe um bom domingo. Abraços

Maria Armanda Ferreira           marmandaferreira@gmail.com


Comentário:

Zizim: Olá! Pertenço ao grupo dos que partiram e ficaram. Retorno quando leio as tuas crónicas que vêm pelo meu intermediário e grande amigo Elias. Consigo chegar ao Mindelo, dar-te um abraço com aqueles “braços abertos” que julgo ainda fazerem parte de ti. As tuas crónicas são cheias de autenticidade (escrita, linguagem, etc. etc.). Vejo-me no Liceu no meio do pessoal que era bem “companheirão” com aquela alegria, descontracção, liberdade e tudo o mais. Revejo-me nos bancos da praça a ver o pessoal que rodeava e “desrodeava” apanhando aquela lufadinha de ar fresco vindo do mar. Depois era a minha vez com as minhas amigas. Lembras-te do “andar de cima” da praça (só para a malta de “samatá” e o “andar de baixo” para quem não tinha sapatos). Sou tua leitora assídua e “só lamento detestar o computador”. Sou avessa às tecnologias assim, perco a oportunidade de não te dizer a todo o momento “viva quêl bolo”. Continua a fazer-nos ficar. Um abraço amigo da, Celeste Costa Martins

Celeste Costa Martins              elias.silva69@gmail.com


Comentário:

Oh Zizim, Como sempre bem sabes que não podia ficar calada sem dizer algo sobre a "storia" porque sou eu que preparo a leitura para os meninos e adultos todos os domingos cá na Associação em Orlando USA. O ano passado estive em Soncente e como tu verifiquei com tristeza a maneira como deram cabo da Praça Estrela dos nossos amores e de lembranças imperecíveis. Bastava restaurá-la e deixá-la como era. Ainda bem que o teu descritivo aí põe em evidência todas as nossas recordações que tanto animavam a vida da nossa Praça. Um xi-coração apertdao de todos nós. Yo

Yolanda Dias                yoldias@aol.com


Comentário:

Oh Sr.Zizim, Mi ma nha Mãe Tudinha tem um sô palavra ba dzê bocê ahoje desse sturinha:MARAVILHA MARAVILHA MARAVILLHA Bijins Suelly

Suelly Fonseca               suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Bravissimo Zizim, Não acabas de siderarmente com o teu potencial sociológico de observação que bem traduzes nestas tuas estórias Mindelenses. Conversando com meu amigo Moreira, eu que não nasci em São Vicente,lendo a tua estória fiquei com uma ideia bem clara do que Praça Estrela representava para a gente da terra como ponto de convergênvia do jornal popular falante. Mais uma vez te felicito por esta extraordinária crónica. Abraços GIL

Gil Semedo                   gil.semedo@cvtelecom.cv


Comentário:

Tu és o melhor de todos nós. Pois pões sempre em evidência toda a nossa giria popular de gentes que sempre passaram despercebidos por certos mas que graças a ti ficarão fazendo parte da nossa HISÒRIA. Grande e fraterno abraço Chico

Francisco Sales              chico.sales@cvtelecom.cv


V o l t a r