"BOXE COMEÇA ÁS NOVE " ( ÔNES 1930/1960 )

Moda de custume, quel sexta-fera plumanhã, dia manchê, sem mute novidade, senon sende Baía de Porto Grande que já tava chei de vapor ta esperá vez de carregá carvon pa "steam" de máquena, pás pudia limentá foguera e sigui sês viája pa Sul aboxe.

Assim, ritme de navegaçon d'Atlântico, de tude esse muvimente comercial de vapor de tude nacionalidade que na épca tava andá a carvon e passá pa Porto Grande de Soncente Cab-Verd, era mantide pa quês carvoer inglês binde d'Inglaterra carregode de carvon, da lá de Cardiff ô Newcastel, que pove na sê facilidade de linga butzaba por nome de carvon Cardiff ma Nhôcasse...

E, cma inglês tinha um controte má português d'explorá quel situaçon durante 90 (noventa) one, anton tude quel carvon era descarregode na"shoot"(um espece de deslizador) directe pa lantcha pa ganhá tempe, ô pa lingada, naquês rede especial que "winch"(pau de carga) tava levantá e pô também na lantcha que despôs tava bem pa terra tracá naquês cais por de nome de Cais Nationale pa ser descarregode e gordode naquês quintalon de Cumpainha Millers & Corys ma Nationale.

Anton, cma ês vapor carvoer tava passá tcheu dia fundeode na lorgue ta descarregá, tava ranjode sempre jogue de competição de tude espece ( Futebol, Cricket, Golfe, Rugby ô Jogue de Carnirim, Boxe) pa sês tripulaçon que ta tinha bons team, pudesse descambrá perna despos de ter passode tcheu tempe, derriba de mar ta navegá.

Ma na terra também, nô ca tava "mejá na nhame", quê nô tinha bons team. E assim, sempre ta tinha bons desafiu, quê malta de nôs terra daquel tempe era bastante popode, ês ca tava femá, nem bibé e tava sigui, quel bom exemple dexode p'aquês atleta más antigue que na passaja de sês mensagem, pa más nove, sempre sube presentone um moral forte.

Basta, um jovem bom atleta que na épca ca tava femá nem bibé, era log bem notode na sociedade pa exemple d'educação de tude nôs mninada que tava estode ta bem pa trás!... Quem tava dzê, cma nôs terra Soncente ondê que tava praticode tude modalidade desportive, terra de bons atletas que siguiba na cuntinuidade de geração, tava caí num tal ponte d'abandone!... Culpa é de quenh'ê?!

Hoje india é cum grande tristeza q'um ta dzê, cma Soncente já ca tem más na Cab Verde, quel representação ma quel espirte de força desportiva ô (figthing spirit), herança daquele tempe! E, porquê?!... Talvez pa mode progresse, quê quonde 'm tive lá últmamente e tava estode na camin de Compe de Jogue ta ba oiá quel futebol de preparação e q'um tava incontrá alguns antigue ijgador, 'm tava perguntás sês ca tava ta bá oiá jogue?

Resposta era sempre negative ta dzem, cma ês ca tava que tempe pa perdê nas quês joguinha e quês tava preferi bá oiá sês futebol d'equipa estranger na televisão. Anton, a força de explicás cma quel é q'é de nossa e se nô ca protegel ninguém más ta protegê nôs el, alguns cumeçá ta bai dá quel apoie c'aquel 100 (cem) escude, la na nôs grande bancada sul!.. E pa bsote tude um SARAVAHHH...

No entante, pa nô podê cuntinuá nôs storia, se nô recuá um csinha na tempe, é de lembrá cma na mei de tude ês desporte que tava praticode na tchon de Soncente, já tinha alguns escola daquel Nobre Arte que ta tchmode Boxe, baseode na regra de marquês de Canterbury, trazide d'Inglaterra e, ondê que pove de Soncente sube herdá, tude quel lealdade na combate, seja tonte na ring cma na rua!...

Esse modalidade qu'era praticode naquel tempe na nôs terra, pa gigantes e homes de força, ma de coraçon d'ouro uns verdader "gentleman" que sabia distingui o qu'era respeite pa más fróc e p'adversarie, passaba ta fazê parte de nôs cultura, ma pena é que já nô perdel também diasá na tempe, moda tcheu cosa.

Lista dexe bons e antigue atleta de nôs terra ê tão grande, que s'um quisesse pontá tude ês li nesse storia lugar tava té sei de poque! Basta era sempre um prazer uvis contá sês façanha de desporte que quaz tude gente tava conchê. Anton um tarde, naquel ponta de esquina de Captania chei de gente, Damatinha apoiode pa sês cumpanher, cumeçá ta contá cma:

- Um vez tchegaba na Porto Grande de Soncente, um carvoer por nome d'Harpoon, ta bem dum daquês "Blackpool d'England", carregode de carvon "nhôcasse", pa Cumpainha Nationale. Contecê que na borde daquel carvoer tinha um boxer que tava passá sê vida ta treiná na convés ora na "puntching ball" ora na soque d'areia, descoberte pa tude gente oiá…

Anton, Damatinha ma Djô Figuera, shipchandler que tava ta fornecê quel vapor de cmida fresque de terra, dá capton d'Harpoon ma quel boxer fala e dzês cma sês quizesse ês tava ranjal um boxe na terra

Capton, log pô duvda fiode na força de sê boxer, ma Damatinha ma Figuera segural cma nô tinha gente na terra capaz de desafiá sê marinher... Quel boxer fecá contente pafronta, bá log ta dzês cma sim e q'aquel combate tava ta ba ser bom pa el, despôs de tonte tempe na mar, assim té q'infim el tava ta ba podê midi força e oiá czê quel tava valé.

Damatinha, na sê nervose de custume é que tmá dagada daquel organização e trazê quel alvicera betode pa diante, de borde pa terra.

El mandá log Fudjinha bá bescal Chête de Nh'Antone d'Ana, que na épca era daquês amdjor boxer de pese pesode que tinha na terra,"home" dum cone sô, cosa que n'é dode tude gente de tel, bem cunchide pa sê força, pal basse ijgá contra quel boxer de "Blackpool binde d'England" que ninguém tava conchê, ma que na boca de capton era um super boxer…

Fui log contacode admistração pa licença, sei log quês bnite cartaz de papel de cor, que na épca ês sabia fazê, pa tude banda de Soncente c'aquês letra bem desinhode, puste em especial lá na Praçinha d'Igreja, Praça Strela ma na tcheu montra e loja de nôs cidade de Mindelo, escrite:

- "BOXE COMEÇA ÂS NÔVE"

Combate fui lá naquel pátio de Ginástica de Liceu Gil Eanes, lugar chei de pove, bilhete esgotode que pove na rua ta reclamá!... Anton, Damatinha num atitude inteligente, mandá abri pove porta pás entrasse e arremasse moda ês pudesse...

Quel entrada na ring, fui espetacular e log um verdader choque, quê quel inglês, somá na corredor ta bem, betode bandera inglês na corpe, siguide duns grite d'England... England pa tcheu de sês cumpanher que tinha binde ma el de borde!…

Nôs Chête, na sê calma de custume, somá ta bem que sê peitaça, na tude simplicidade, sem nada betode derriba, puste sô sês liga de mon antes de pô luva. Ma tude quel pove que tava ma el, ca dexal desfrençode e pa dal coraja, pô também ta gritá num sô voz: Cab Verd…Cab Verd…!!!

Combate era de doze rounds, bastante bnite, leal e durá tcheu, pa ligria e prazer de tude espectador! Ma nôs Chête d'Nh'Antone d'Ana, cabá por dá quel inglês "Knock Out" (K.O.) na oitave round, cosa que inglês reconhcê e dal quel "chick hands"d'honra e, moda de custume, na terra quel note, fui um verdader delirio popular que nôs Chête campião e heroi, puste n'andor moda tradição sempre mandá e, rudiode pa ruas de Mindelo!

Inda jovem, ´m tchegá conchê quel grande Chête que tude gente, tava falá na respeite, já bedje na Praia de Bote, doente ta pedi esmola, ta lutá pa sê sobrevivença!… Já um bocode esquecîde de pove, pa sês façanha daquel bom boxer qu'el fui na tempe e naquel grande note na Liceu Gil Eanes, em qu'el tinha levantode cara de pove de nôs Ilha e de tude Cab Verd.

Inflizmente, moda romanos tava dzê: assim ta passá tude gloria de munde "sic transit glorias mundi". Ma, cma nô sabê, também pa experiença de vida, storia sempre ta repeti na desenrolar de munde, embora de manera diferente.

Soncente sempre tive naquel tempe, tcheu Escola de Boxe:

- Quintalona que tude criston tava conché e que té inda ta existi, má só pa tistmunha!… Casa de Nhô Virice pai d'Olave ma Casemir, lá na Tchã de Sumeter; quel antigue Pavilhon de Mindlense (oferecide pa John Miller) ondê que tinha disposição pa praticaba tude espece de desporte, perte de Plurim de Pexe, ondê que na épca fui Estação de Pliça, hoje pra lá abandonode; Quês sobrode de Nhô Quim Chavinha (Joaquim Silva), ma lá na Sociadade Figuera e lá na Lombe na casa de Nh'Antunin Mercône…

De tude ês Escola, sei nôs amdjor valor de Boxe, moda Newton Gerê, pa quem sempre, um tive grande admiração, mode sê stile; Lêdy pa sê força, Jon Cabral, Bans, John Mascarenhas, Jon Dilô, Pápa, Jon Boi, Faia de Nho Quim Chavinha (Rafael da Silva) que fui campião de Portugal de pêso médio e más e más otes….

Também nô podê mentá quel grupe de nôs geraçon, moda: - Victor de Pole Táta, Tchabal de Nho Quim Chavinha, Chico, Brónc de Nhô Matijim, Tuquinha irmon de Toi de Cacai (futebolista exemplar pa correção na terreno),Titino Boxer, Zizim Figuera, Djunga Prîtim, Buxim, Tchaina, Muchim Pulpinha, Djunga de Nuninha, Brónc Williche, irmon de Faná dode que inshenaba nôs tcheu astúcia de boxe quel tinha trazide de Merca, e nôs amdjor boxer de jogue de espera"counter punch" Dindin e más otes que ca tita beme grinhassim na mimória, ma que ta fecá gravode na nôs "Livre" pa tude tempe de quem lembrá.

Quês escola de boxe era rinhide e chei de rivalidade, ma sempre são e desportive, sem rancor nem maldade! Na Praia - Ilha de SanTiago, na ones cinquenta ´m concheba, também quel scola de Boxe de Bugo, ondê que tinha uns dôs bons boxers, moda Camelo, Sema ( Deus dás céu), e Chiquinho…

Sempre que tinha combate, quês cartaz de "BOXE COMEÇA ÁS NOVE" era fete moda de custume, pa mon d'artista e era puste na rua, ma na montra de loja de rua de Lisboa p'admiração de tude quem passaba prá lá.

Na Soncente combate de Boxe era fete antes na Pavilhão de Mindlense, despôs passá ta ser na VERBENA qu'era, lá na corte de tennis de Clube Castilho, também lá naquele espace ondê que hoje é Hotel Porto Grande, ô na Éden-Park que nôs tude conchê, sala "pai e mãe" de nôs "CULTURA", e que fui vindidide pa fecá pra lá fetchode e condenode ta morrê, moda tcheu PATRIMÓNIO de nôs terra Soncente e também de Cab Verd e pa tristeza de nôs tude!!!

Também, quês efeite de corte de jornal, puste na cartaz p'animá ambiente, moda quel figura daquel grande boxer que fui Jöe Louise "The Bomber"(o bombardeiro) campião de Munde de pese pesode que tava na moda naquel tempe mode el que tinha batide Max Schemeling quel alemão, de tempe de Hiltler, pa "K.O." na Madison Square Garden, na menes de dôs minute de jogue.

Quaz tude pove, tinha bá uvide quel relate, lá naquel antigue rádio Philips de Moinho de Matos, na casa de Ti Manel, mode sô el é que tava cunsigui captá BBC de Londres na épca, pa ligria de tude nôs gente que tava admirá Joe Louise! Tcheu dês tava fecá espaiode na rua t'uvi, quê cma casa ca tava quebé de gente, Ti Manel anton, tava dexá porta de rua, má janela aberte pa tude quem quisesse uvi.

Aquel combate de Jöe Louise fui mute importante pa pove, quê tude gente, grande que piqnim tava gostá, na épca, de ser Jöe Louise…Tive té quem que dzé, cma fui el q'inspiraba B.Leza quel morna de: - Hitler ca ta ganhá Guerra nem nada… Quê dantes, Jöe Louise tive de perdê na Berlin ma Max Schemeling, môde el qu'era BLACK e, ês tinha prumitide matal na case de vitória!.. Assim na Soncente, tude cartaz de Boxe, na épca tava tem sempre, quel figura do grande Jöe Louise…

Combate de Boxe na Soncente na épca era frequente. Na ônes 1951/52 tive pa primera vez na um grande challênge de Boxe, em que Dakar-Sénegal fui representode, pa quel grupe que nô ca podê esquecê de Clovis, Mamadou, ma sês grupe…

Cma naquel tempe, ca tinha Federação Desportiva pa organizaba um tal disputa de Boxe, assim cosa fui organizode pa Artur Boxe (Deus dal Céu) e pessoal de boa vontade moda Belarmino de Nhô Quim Chavinha, ma Toi Cicile que sempre decicaba a fazê cartaz ma quês ringue de Boxe, na perfeição.

Tude cosa fui bem organizode, e primer combate que fazé quaz tude Soncente dexi na Éden Park, fui de nôs possante Lêdy contra quel jovem e rapide Clovis. Moda de custume, tive cinque combate preliminar que nô ta tchmaba "guentá time" e ondê que normalmente tava saí bons boxe, quê malta, sempre tava dá sês best e tmá cosa a serie!

Lêdy ganhaba pa ponte, cum bom vantaja, quê el poba Clovis dôs vez "Knock Down"(um boxer ta caí, ma el t'argui antes de contador tchegá na 10(dez)) , naquês doze round… Desforra, fui um mês despôs na Praia, ma Lêdy torná ganhal más um vez, na tchon de Cab Verd… Finalmente, Clovis sô tchegaba ganhá Lêdy pa ponte na Dakar num tercer combate. Ma pove de Soncente fazeba smeme assim, Lêdy um super recepção de heroi nacional, quonde el tchegaba de Dakar, quê dvera el tava merecê.

Levode pa tude ês storia de desporte, cma 'm criá na Ponta de Praia de nôs Mindelo, Eccola de Remador, Mergulhador e Brigador, um ca pude escapá a tude exe regra daquel vida na lugar.

Nem nunca um pude esquecê nha primer surra, q'um levá de mon de nh'amigue d'infancia Curuca de Nininha, que Deus haja, em que Pá Quim Chavinha que tava ta sîsti nôs guerra, dexá guerra cabá, pegame na mon, el pome pa diante, el dzem: - bô é forte, má bô tem que prende defendé e dá também, quê senon, tude exe mnine de rua, ta fazebe tchorrésque e já bô ta n'idade de prendê!...

E, fui assim, cum entrá pa scola de Boxe de Pá Quim Xavinha, ondê que Tchabal, Chico ma Toi cumeçá t'inshená, mi má otes, manera e arte de defendé na boxe. Seis mês despôs, um tive nha desforra de rua, ma Curuca, ranjode pa Bertole de Nha Mari Guimâr, lá na Praça Strela, que fecá espantode, mode mi que lombal bem lombode… Nho Bernolde pliça que partiba nôs guerra, ma ca levaba nôs pa cadeia, vrá al perguntame, ondé q'um tinha prindide ijgá boxe?!..

Sempre um treinaba boxe, gatchode de nha mãe que ca tava gostá de violença, ma cma tem momente na vida que lei de Natureza, t'obrigá um home a ca recuá, manté e aceitá cosa na lorgue moda el bem, o que na Soncente dum vez era um questão prop d'honra, nem qu'alguém saíba levode, ma ca tava recuode!

Anton, na mês de Junhe de 1960, um saltá na ringue, na Eden-Park, pa primera vez, influenciode pa tude nhas colega de Liceu ma pove Mindlense que tava fiode e segure, té más que mi, de nhas possiblidade de baté Titino Boxer, que na épca era Campião de Cab Verd de pese-médio. Cosa q'um fazé, não sem dificuldade (modestia à parte pa salvá honra), quê Titino, era também um grande boxer, honeste e correcto.

É de esperá, cma pove de Soncente, um pove de fibra de Campião, que nascê dum épca, em que nada tinha a ver q'u que ti ta passá hoje india, ma que tava sobrevivê graças a sê amor pa desporte , onde quel tava podé exprimi que força tude sês paixão, sês revolta e sobretude, defendé sê honra, q'um dia el ta torná incontrá sê vocação!... Basta gente uni, creditá e ter boa vontade!

E Boxe na Cab Verd, ca podê fecá pa trás, pal podê torná ser relançode, isdode e protigide moda um vêz! Quê longe du que mute gente pode pensá pa mode sê aspecte de violença, el ca ta dexá de ser, quonde el é bem praticode cum bom MENTAL, de ser quel NOBRE ARTE !

Zizim Figuera (José Figueira,jùnior)

V O L T A R

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Com que então estamos todos repirando o boxe que se desenrolará ás 9. Não sendo adepta do boxe não deixo de respirar esta expectativa e sentir a ressonãncia social desta troca de experiências culturasi que só me chegam através da BBC e de outas rádios. E esse movimento portuário mesmo por baixo do meu nariz em casa da minha avó Bia, onde o meu tio João se prepara.

Até logo ás nove e certa da vitória do meu favorito. Mag

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Li com com especial deleite, e até comovido, a crónica desta semana que o nosso broda Zizim nos escreveu. Isto porque o boxe é um desporto que eu aprecio, embora nunca o tenha praticado, e também porque, tal como escrevi em recente artigo a propósito da intenção de demolir a Casa do Dr. Adriano, todas estas crónicas configuram um valioso património imaterial da nossa ilha de S. Vicente. O Zizim transporta consigo memórias de valor incalculável sobre a nossa ilha natal, que nos permitem ligar as pontas do tempo e contar a sua história sob perspectivas em que a alma do povo se abre por inteiro.

Feliz foi o dia em que ele decidiu trazê-las à luz do dia, partilhando-as com os seus conterrâneos. Alguns de nós, os mais velhos, conservam retalhos dessas memórias, uns mais do que outros, é um facto, mas é bom que se diga que só um número muito escasso reterá a dimensão e a especialidade das lembranças de que o Zizim é um felizardo portador. A roda do tempo vai girando inexoravelmente e são cada vez menos os detentores das memórias de Soncent de outrora. Estou a lembrar-me do saudoso Nena.

Outros que felizmente ainda estão vivos não terão a capacidade de retenção mental de nomes, figuras populares, factos e acontecimentos, de que o Zizim nos tem dado provas sobejas. Eu sou um dos que têm fraca memória ou então vivências insuficientes para a sua arrumação lógica e consistente. Portanto, é bom e confortante saber que estas crónicas não tardarão a ser publicadas e divulgadas, para gáudio do nosso povo, residente e no estrangeiro.

Gostaria de sublinhar estas duas passagens distintas da narrativa do Zizim: "Esse modalidade qu'era praticode naquel tempe na nôs terra, pa gigantes e homes de força, ma de coraçon d'ouro uns verdader "gentleman" que sabia distingui o qu'era respeite pa más fróc e p'adversarie, passaba ta fazê parte de nôs cultura, ma pena é que já nô perdel também diasá na tempe, moda tcheu cosa." "Inda jovem, ´m tchegá conchê quel grande Chête que tude gente, tava falá na respeite, já bedje na Praia de Bote, doente ta pedi esmola, ta lutá pa sê sobrevivença!…

Já um bocode esquecîde de pove, pa sês façanha daquel bom boxer qu'el fui na tempe e naquel grande note na Liceu Gil Eanes, em qu'el tinha levantode cara de pove de nôs Ilha e de tude Cab Verd." Estas duas passagens permitem-nos tirar duas conclusões: primeira conclusão, em S. Vicente sempre se cultivou em elevado grau o espírito desportivista, muito graças à influência cultural britânica. Este é um valor que não podemos deixar desaparecer e deve ser inculcado no espírito das novas gerações.

Digamos que é uma marca indelével da ilha de S. Vicente. Segunda conclusão, tudo é efémero na vida, bem sabemos, mas quando o destino é tão ingrato quanto o foi para com o valoroso Chête, é nosso dever colher também nestas crónicas pontos de reflexão sobre o sentido da vida mesmo na esfera pequena da ilha em que nascemos e crescemos. Uma que me ocorre é esta.

Talvez Chête não aceitasse ser a bandeira gloriosa que mais tarde seria atirada para a areia da Praia de Botes, derrotada pela má fortuna, esfarrapada e sem nenhum valor, se conhecesse estas palavras de Honoré de Balzac: "a glória é um veneno que se deve tomar em pequenas doses".

Adriano Miranda Lima

V O L T A R

ºººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººººº

Comentário:

Caro Zizim Figueira, Falando ontem domingo dia 2 de Maio de 2010 com amigos cabo-verdianos cá no bairro que como eu muito apreciam as tuas estórias Unanimamente, chegamos á conclusão que com este manancial rico de crónicas em todos os pontos de vista quer que sejam de ordem socio-histórico-cultural, que todos os domingos nos vens oferecendo desde há anos,num estado da escrita trabalhada e bastante avançada da lingua cabo-verdiana, estamos todos dispostos a obrar na publicação do teu/nosso Livro de "Storias Mindlenses de Soncente Cab Verd".

Certo que a Libgua continuará a sua devida evolução com o povo de Cabo Verde como é óbvio e tu sendo homem de diálogo, sabemos de antemão que as portas estão sempre abertas para todos aqueles que de bom senso e inteligentemente queiram particpar no melhoramento da escrita da lingua.

Mas para isso tem de haver consenso nas calmas numa atitude comum refletida. Porque lingua não é questão nem politica nem de maiorias porque senão em certos paises como Portugal, Espanha, França, Inglaterra etc não se falaria nem se escrevia as Linguas que respectivamente lhes são devidas.

Já tenho os teus numeros de telefones e se permites vou-te contactar. Boa semana e rijo abraço Noel

Noel Pacheco                noel.pacheco@clix.pt

V O L T A R