SANT ANTON MA SONCENTE NA TEMPE DE COLA SAN JON (SANTA CRUZ – SANT ANTONE – SAN JON - SAN PEDRE)

Tude one nesse quadra de festa de Sonte na mês de junhe, moda custume e tradiçon ta mandá, pove de Sant Anton ma Soncente ta formá um sô bloc, cosa más natural desse munde que tem sê explicaçon na raíz de pove, quê oitenta nove por cente, senão más, de gente de Soncente ê de Sant Anton.

Assim, tude one ês ta juntá pa’s podê honrá Sonte de sês freguesia, que ta cumeçá pa Santa-Cruz dia 3 (três) de Moie na Salamansa, passá pa 13 (treize) e 24 (vinte e quate) de Junhe, Sant Antone ma San Jon entre Sant Anton ma Soncente, e cabá dia 29 (vinte e nove) de Junhe c’festa de Senhor San Pedre, na Soncente.

Certe que San Ninclau, Ilha de nhas orija, ca podê fecá esfrençode de nium dês festa quê também lá ta fetejode ês bem festode. Ma, sem querê ofendê ninguém, li m´procurá reuni ês dôs de nôs Ilha por um queston de proximidade, volume e força de movimente.

Se nô espiá bem p’um calendar, gente ta tmá fê cma tude dia d’one tem sê Sonte, ma esse quadra de festa li pa nôs ê bem especial quê pove, na sê manera místico-religiose e grande respeite pa tradiçon, ta festejal cum força quaz sobrenatural, cumpanhode d’aquel repicá tambor que, sem nô querê nô ca ta podê explicál, quê nô ta sintil, nô ta vibral e vivel na nôs sangue, quê na funde de nôs alma, nôs tude ê TAMBOR!

Moda tude mnine que vivê e festejá ês festa naquel tempe, quel manera de festejá San Jon lassim, fecone gravode pa tude tempe na mimória e na más profunde de nôs coraçon.

Ê de lembrá quel presença bem forte de Nhô Morc Patada Muidor (arauto moda Nhô Padjal na San Ninclau) que tude one nesse época, c’sês broce chei de muscle, tava bem t’anunciá abertura dês festa c’sê TAMBOR passode na pescoce, ta bem ta dexí, ta repical e ta guental el sô, desd’ Olte de Solarine, Fonte Felipe, Fonte Dator, passonde pa nôs Pracinha de Liceu Gil Eanes tê tchegá na morada, lugar ondê quel tava bem anunciá pove, cma mês de junhe tinha tchegode e trazide ma el na tempe, tude quês “Festa de Sonte pa Colá sobretude quel Senhor San Jon REVULTEODE”.

Festa de Sonte tava cumeçá justim naquês data de mês de Moie/ Junhe qu’um ordiá log li na principe de storia. Pa Santa-Cruz era na Salamansa; Sant Antone ma San Jon na Rebera de Julion e San Pedre lá na S. Pedre de Soncente. Na Sant Anton, pa 13 (treize) de Junhe, Sant Antone era festejode na Vila das Pombas; pa 24 (vinte e quate) de Junhe, San Jon Baptista era na Porto Novo e 29 (vinte e nove) de Junhe, San Pedre era festejode la na Rebera de Garça, Tchã d’Igreja.

Era sempre um grande ligria na época dês festa na Soncente, d’oiá quês camionete tude coloride pintode de fresque c’sês bancada pa trás, na caixa, tude linhode, bem ranjode e já pronte pa carregá passagere, parode la naquel lorgue de rua de Coque ô de Corte Tenis Mindelo ma Clube Castilho, c’sês fiscal cobrador de bilhete, já bem cunchide de pove, moda cumpade Libertal ma Fudjinha que Deus haja, de bolsa na mon, porta-voz na boca ta gritá c’força quel “Ir e Bai” na goze, sô pa fazê pove arri, siguide daquel:

- Ó nhas gente, nô bai! Quê hoje é quê quel dia!!! Dôs e quinhente (2$50) “ir e bai”!!! Ma, sô pa bai!

Basta era sô esperá camiunitim intchí, pa chofer podia rancá. Enton, pove tava bai pa camin, ta manifestá tude sê ligria cuns gritim, na mei daquel muvimente de bai e bem de corre sem pará, de plumanhã tê de note, pa lorgue de COLÁ SAN JON na Rebera de Julion, que Deus na estrada ta cumpanhá criston.

Quê camin de corre naquel tempe n’era grandes cosa e pra lá ca tinha luz. Inda más tinha quel curva perigose inclinode de quaz 45º grau, log na entrada daquel lugar de colá, ondê que corre tava sebi e dexi sempre ingatode na primera, pal c’imbalaba. Cosa que pove nunca pude custumá e tava pô log ta gritá, tude vez que corre passaba naquel lugar.

Quel muvimente na época dvera, devra, era bem forte e mute importante, moda espece dum peregrinaçon, ondê que cada um ta tem sê prop razon de bai, na sê crença, pa bá cumpri sê promessa de manera tão pessoal, cosa que ninguém tava podê atingi pa pudesse explical.

Enton, era tude quel pove ta desimbarcá naquel lorgue de Colá San Jon de Rebera de Julion, sem pará dia e note durante tude quel quadra de festa de Senhor Sant Antone ma Senhor San Jon, o que era log um afronta, sobretude da tardinha, hora que festa tava estode na sê Top de SABURA, c’de note ta bem ta fetchá e tude quês gente rinquiode uns trás d’otes pa saltá LUMENARA!!!

Ma moda de custume, antes de festa rancá, sempre tinha, e um ta supô cma tê inda hoje devê tem, quel missa de plumanhã na Igreja de Rebera de Julion, chei de pove que ca ta tinha nem lugar dentre d’Igreja pa tude gente. Enton pove, era ubrigode de fecá na rua, quaz sempre na mei daquel ventania de matá, prop de salgá criston oie. Assim, pove zarode daquel vente de quaz tude one pa San Jon, butzá quel festa, de Senhor San Jon revulteode!!!

Na Porte Novo-Sant Anton, Freguesia de S.João Bapbtista que na épca ca tinha padre fixe e Igrijinha era bem pobre cuberte de paia, la num cantim de Rebera d’Igreja, tava bem padre Cecilio sempre na depressa, dá quel missa e despôs rinquiá quel monzada de mnine, as vez más de vinte, bem dzês de ponta de fila até fim de fila, cma el tava butzás em Nome de Pai, Filho e Espirte Sonte!... Amen!!! Depôs, sacriston tava formá log ote fila pa batisme podia cuntinuá naquel expediente pa rapte de nhô padre Cecilio.

Depôs de tude ês missa, era quel rancada pa lorgue de Colá San Jon de Rebera de Julion, pra lá chei de BARRACA c’sês reservode tude infeitode, ta vendê quês rosare de Senhor San Jon fete de midje iliode, mancarra, brinhola, etc., e c’tude espece de cmida e cosa d’apetite já pronte, moda midje ingron, tchurice de sangue, botchada, tchoresque, pa quem sintiba fome, regode daquês bom grogue, pontche, bandoie e más otes cosa sabe de cmê ma bibê.

Festa lá fora ta roncá c’força, cumpanhode naquel ritme de repicá tambor, siguide daquês navizim de vela brónc bem infeitode, c’sês “Capton Farel”, Djê ma Capote de Monte Sussegue de bonê de capton c’pite na boca, vela na vente, sempre ta vançá moda ta buliná c’tude quel pove pa traz siguerode ta dançá, c’sês corpe além ta bai, ta bai, ta bai, ta colá, colá… ô SABE!!! Colá… colá… colá San Jon, colá na rebera de pic… colá na tchã de pentei... ô sabe!!!

C’aquel vluntarona d’Antonha de Bill ta comandá de xaile marrode na cadera ta ramexês naquel ritme dum dar de cadera sem igual e, sês grite pa completá, quel colá nesse pique Mari d’Aninha. Colá, colá pu’riba quê por boxe n’é nada c’bô!!!

Coladera de fama na Rebera de Julion ma naquel tchon de Soncente pa colá San Jon, era cosa que ca tava faltá! Ma chefona dês tude, dadera de liçon de colá San Jon, era prop Antonha de Bill carregadera de cais, cunchide de pove, vluntarona lá fora, desbocada e sempre na descontra.

Basta, quonde ela tava rancá pa “COLÁ SAN JON”, pove tava abri ala pa dexá Antonha de Bill, quel padoce d’amdjer passá. Enton, era ela ta bai, ta rabolá sempre ta mexê c’sês bnite cadera tê tchegá na bô, mandobe fetchá perna, pal ca quebrobe ove, quonde ela espancasse na bô. Quê moda ela tava explicá, home na hora de colá, devê ter sempre sês perna fetchode, mode...

E assim, ela tava cuntinuá c’sês grite, ta vivê quel festa de Senhor San Jon revulteode cum força de matá, junte ma quês ote amdjer coladera de sê grupe sem rival, moda Caela, Mari Caela, Mari Binisse, Julieta Boca Motcha, Mana, quel que tava vendê cana lá na rua de Suburbana, Funny Eyes, Mari Curvim e tcheu otes amdjer prop bom naquel arte de Colá... Colá, ô Sabe!!!

Tude one, pa completá quel show, pove tinha custume de fazê quel roda, pa dexaba quel bnite cavole de Nhô Manilim Feijôo dançá na ritme e som daquês tambor. Dvera, era um espectacle bnite d’oiá quel bnite cavole espendê sês dôs pê de diante no ar, c’sê cavaler muntode derriba, el ta dançá que sês dôs pê de trás fincode na tchon, sempre na ritme daquel tocar de tambor que tava fazê admiraçon de tude gente.

Tonte na Soncente cma na Porte-Novo de Sant Anton, tude one pa ês festa ta tinha quês grande corrida de cavole que tava fazê ligria de pove e metê imbiente na festa.

Nô tinha também na terra quês valente na arte de repicá tambor bem repicode, cosa série e quaz sem rival na Munde, moda Nizim de Cambra, Ti Pedre Gigante, Tota, Morc Patada Muidor, Sbeca, Lela Cassarola, etc, etc. Não sem esquecê tude quês “Bzana”, tocador de tambor que tava custumá tchegá inda naquel tarde na Faluche de Porte-Novo Sant Anton, pa quel grande desafiu de tocá tambor betada fora, pa fetchasse más quel festa de Senhor San Jon Revulteode lá na Rbera de Julion, junte ma sês pove irmon de Soncente.

Ma um cosa ê certe, nhas gente. Ondê que festa de Senhor San Jon Baptista foi sempre famose e bem festejode, ê na Porte-Novo Sant Anton de Cab Verd! Pra já, lá ê quê freguesia de Senhor San Jon Baptista. Assim, tude one na época quel pove ta fazê quel data de quilómetre pa bá bescá Sr. SanJon Baptista lá na Rebera das Patas e trazel n’andor c’força de sês broce, ta tocá tambor, ta colá San Jon, ta pará pa camin pa descansá, ta cmê ma bibê, tê tchegá na Porte-Novo! E, quem bá bescal é que ta torná bá leval. Assim, quonde festa tava cabá, ês ta torná fazê quel caminhada de volta, pa torná bá levá Sr. San Jon Baptista lá na sê posente.

Tive um tempe quês tinha decidide de fecá ta bá bescá Sr. San Jon de corre lá na sê lugar na Rebera das Patas. Ma, cma tive um grande desastre de corre um vez pa festa, em que morrê tcheu gente e tcheu fecá feride, pove enton, pa superstiçon ô azar de vida (cosa absurde), resolvê fecá ta bá bescal ma bá leval a pê pa festejal devidamente, moda ês tava custumá fazê dantes na camin.

Assim, festa tava roncá rije, forte e valente despôs daquel missa de freguesia de Sr San Jon Baptista, siguide de corrida de cavole ma desafiu de tocá tambor, na tcheu ritme diferente, num quem pudesse a más.

Que gente ta colá, tude c´aquel força d’alma misteriose que ta na sangue, ma ninguém ca sabê explicá, moda espece dum ritual d’espirte ta bescá sê “LIBERDADE” de qu’el fui privode desde sês origem de dondê quel bem. Pa completá festa, era quês barraca sempre chei de gente ta cmê ma bibê, binde de tude parte d’Ilha de Sant Anton e também tcheu gente de Soncente, que tava bem pa Porte-Novo bem festejá e bem bescá quel bençon, direte na Senhor San Jon Baptista.

Na nôs lembrança de menine, chei de curiosidade, nô tava gostá de bá fecá lá na ponta de Padrão, deboxe de Furtim, tchmode também Puntinha, t’oiá tude quês naviu moda, Faluche, Liberal, Carvalho, Atalanta, S. Vicente, carregode de gente, c’sês vela desfraldode na vente, além ta bai, ta bai e bem, ta travessá quel Canal de Soncente – Sant Anton deboxe daquel vente, temporal de Sr. San Jon, pa bem e basse festejá quel Grande Festa que ta contecê um vez sô pa one! Tcheu de nôs gente tava cambá Porte Novo pa esse festa, inda ês tava torná voltá, godzide sô pês pudia inda trazê um padoce “d’EL”, pa bem dasse quel fim e interasse festa, na Rebera de Julion de Soncente, tude naquel ritme e um sabura prop INFRONTODE!!!

Tude ês festa, seja pa Santa Cruz, SanAntone, SanJon ô San Pedre, tive e tem sempre quel mesme manera de procedê, na sê jete e na sê forma, prop de nôs folclore, c’ aquel missa e butzode plumanhã na Igreja, currida de cavole, despôs quel bada juntá na lugar de festa pa colá, ondê que t’otchode quês BARRACA, que tude espece de cmida ma bibida, sobretude trazide de Sant Anton. Sô cosa d’apetite, num verdader troca inter-cultural, pa enriquecê e reforçá cada vez más nôs cultura.

E, pove naquel lorgue de Colá SanJon, juntode, formode um só corpe, na mei daquel sol, vente e calor sem dá fê, chei de gota de suor ta esgritchis pa tude banda, ma sempre ta sigui quel Festa de Sonte cum seriedade, trançode c’aquel ritme de tambor, num verdader misticisme ta preenchê quel parte más profunde de nôs tradiçon

Moda nh’amigue-irmon DEMBA (Kaoberdiano d’Ambará) ta dzê, e bem, na sê poesia:

- ê ussu’l tera, sabi nôs guentis… no nassê no atchal, no ta morê no ta dexal…

Força de tradiçon ê tão grande na alma de nôs pove cabverdiane, pove patriota, amigue de sê terra que, ondê quel tiver, el tem sempre quel poder mágic de trazê ô levá sempre um padoce de sê tradiçon ma el na sê coraçon, lá ondê quel tiver ta vivel!!!

Assim, na Rotterdam-Holanda, ondê que nôs pove ta vivê bastante perte de cumpanher, más que n’alguns parte de Munde e de Europa, mode cidade quê piqnim, ês tava festejal tude one, autorizode pa Governo Holandês, e que tcheu força na rua, muntada barraca moda na Cab-Verd, lá na Pracinha de Quebrode (nome que fui puste e butzode na dvera, pa Câmara Municipal de Rotterdam), lá ondê que era antigue rua tchemode Hemaratsplein, isto é, recunhicide pa instituiçon holandês.

Basta era um beleza oiá quel pove na Rotterdam-Holanda, na força de preparaçon de sês Festa de Sr. San Jon, quonde quadra tava tchegá, que Ti Manel Belchior ta dirigi operaçon, chei de experiença e conseil pa dá e vendê.

Naquel dia ês tava junta tude quês Sonte num sô Festa!

Cosa era sempre bem organizode pa sês fundador, c’tocador de tambor ma guentador de quês navizim, famose moda Manel Belchior que nô ca podê esquecê, home d’idade que já hoje ta vivê num casa de bedje, ma que tava custumá dás consei, qu’era mute escutode na festa pa malta jovem. E siguide de tude quês incansavel cumpanher, moda Djusinha de Bernalda (Djosa Funha), Dindin, Jon Lorenço, más tcheu rapaz de SanNiclau quês ca dame sês nome, ma que tem sempre participode na festa c’alma e coraçon.

Na França, pove tem cunsiguide sempre fazê festa de Colá SanJon, sobretude lá pa lode de Fameco, ondê que tem tcheu Verdione e ês ta vivê más perte de cumpanher. Na Paris, one passode, pove fazeba um grande festa pa Sr. San Jon que fui mute bom e tive um bom participaçon, na Compe de Jogue de Futebol na Porte de Montreuil. Esse one li, cosa tita bem ser forte também, moda boca de pove já ti ta dzê.

É desse manera lissim que nôs pove ta ba ta passá quel mensaja forte de nôs Tradiçon e Cultura, na tude sê extenson e simplicidade, pa otes pove espaiode p’esse munde fora e, ranjá manera pa completá tude quel traboie, na continuidade e linha de Bana, Cesária Évora, Sara Tavares e tude nôs Artista, Poetas, Escritores, Músecos, Compositores más tude quês otes que ti ta bem pa trás e cuntinuá ta fazê conchê nôs Cab-Verd. Quê tempe ta mudá, gente ta evoluí e geraçon ta cuntinuá ta bai ta passá na tempe e na espace, moda Glória de Munde e, ta sucedê GERAÇON, PA CA DEXÁ CULTURA NÔS TERRA MORRÊ!!!

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Zizim um abraço muito grande por mais este contributo. Zizim o desejo de uma boa saúde e Deus o proteja meu irmão... Aqui está um verdadeiro diamante cultural para Cabo Verde...Obrigado e muita força estamos juntos... Mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso              hpcardoso@mail.telepac.pt


Comentário:

Dear Zizim, Tardou mas veio e todos cá em Sidney-Austrália nos regozijamos da tua crónica que como sempre nos enche o coração de recordações inequescíveis de que tens sempre sabido retratar aqui no grande Liberal online.Soubemos que setives-te mal de saúde, mesmo hospitalizado por mais de uma semana e todos nós cá estivemos e estamos sempre torcendo por ti.Voltando á estória ela está uma maravilha e bem representada nesta época de festas de Santos do mês de Junho, com todos esses personagens que guardava no mais recôndito da minha memória e graças a ti vieram á superficie.A célebre Antonha de Bill companheira da minha mãe como carregadeira de cais e coladera de San Jon sem rival com seu corpo negro de azeviche e escultural. Uma beleza natural sem ingredientes de de maquilagem.Obrigado Zizim por mais esta estória que la vai fazedno História na tradição do nosso povo Mindelense Sãovicentino Cabo-Verdiano.Saúde e boa festa de Sr Santo António.Um abração da nossa comunidade toda inteira. Terencio

Terencio Lopes                      terenciolopesw@yahoo.com.au


Comentário:

Boa,primo, estoria de boas recordações, bem contada e rica em pormenores, que estavam escondidos na nossa memoria Faço votos de uma boa recuperação que com a tua força, esta garantida.Aquele abraço GUI

Aguinaldo Wahnon                   guiwahnon@gmail.com


Comentário:

Caro Ti Figas, Desejo-lhe rápidas melhoras, para que continue a escrever essas histórias maravilhosas de Soncente Um rigíssimo abraço. Alcides

Alcides Brito                          acidesbrito@hotmail.com


Comentário:

Querido Zizim, Ainda bem que me levantei cedo hoje, e assim sendo sabado, tive tempo de ler hoje mesmo a tua Storia. Oh nha amigue, que storia sabe, que trazem me tonte lembranca de nha meninice. Lembra cma formacao daquele pove tude ta ba pa Ribera de Julion, era prope na frente de nha casa!!!!!!!!!!!!! ainda me ta lembra que tonte sodade aquele rapicar de tambor, aquele home na se navizim tude enfeitode, tudo gente que ses conta de midje illhode , e mi na janela ta spias la de boxe naquela alegria e algazarra. Sao imagens que ficaram para sempre na minha memoria como dias de grande festa. Tambme lembrome ter ido a Ribeira de Juliao , e era fascinante ver as mulhers a colar !! OLha , nunca mais tinha ouvido esse tambor, ate ha uns anos atras quando Cabo Verde foi representado no Smithsonian, em D.C. Fui la, claro, e nao acreditas, tinham ate o naviozinho, e as mulheres colando,quando ouvi aquele tambor,,,,oh nha mae.....da me um coza dentro de peite,,, um sentimneto que ca pode nem explicote. Sabe de munde. Um sabe, que ma mim me sai pa tras de navizim ta baia que gente tude! Entao, como estas? Desejo que muito bem, com a graca de Deus. Aqui tudo indo bem, dias instaveis no trabalho, e chato, mas vai se levando. Semana passada fui a Massachusets, graduation de High school de meu neto, foi muto bonito. Pena e a viagem tao longa! Ah, hoje e aniversario da Solange na Pracinha! parece ate festa de verdade.Vai ser as 5 da tarde hora de Massachusets, para mim 2 da tarde,Tenho que ficar atenta para nao perder a hora!! moda coza de menine!!!! ma e sabe. Ba dze Mercone um cosa desse, nem as ca ta intende, O pove triste!Bijim, um bom fim de semana e um ta encontrobe mas tarde na Pracinha, na festa,,,,,seria bom mesmo, nao é? Um dia,quem sabe?! Ju

Judith Wahnon                   judithwahnon@aol.com


Comentário:

Grande amigo e amigo do teu povo que te adora. Não podia deixar de me manifestar ao ver-te ali de novo em força com tuas estórias ricas do folclore da nossa terra tais como assegurar a maneira com festejavamos San Jon na nossa terra Soncente/Sant Anton/San Ninclau. As tuas estórias continuam tendo aquele valor inestimável dentro do contexto histórico socio cultural. Essa como tantas outras da tua autoria bem dariam para fazer um bom filme. Esperemos que um dia isso aconteça. Abraços do amigo Tuia

Artur Vieira                   artur.vieira@yahoo.com.br


Comentário:

Amigão, Com a graça de Deus já tenho o meu amigo de volta. Pensei que já não nos poderíamos conhecer pessoalmente, quando o meu irmão me disse que estavas muito doente. Hoje senti uma grande alegria, quando vi a tua crónica cá no Liberal. Como sempre ela está sublime e mesmo a propósito na época. Obrigada ao meu Deus e a ti também, por estares entre as pessoas que te querem bem. Um grande abraço. Juvenia

Juvenia Ferreira                    juveniaferreira@gmail.com

V o l t a r


Comentário:

Zizim!!!!!!! Ainda bem que estas melhor e aqui estas de novo enviando a tua Storia para nosso deleite. So ha dois dias soube de ti, pela Jessica, mas ja te tinha tentado ligar muitas vezes pois estranhei a tua falta e tambem que nao me tenhas escrito pelo meu aniversario. Logo pensei que nao estarias bem de saude. Escreve me e diz como estas, se o perigo ja esta passado e se estas mais recuperado. A Jessica disse me que estavas muito enfraquecido. Mandei te beijos... A Tua Storia eh, como sempre, um encanto. Os crioulos nasceram para dancar porque a danca lhes da a liberdade que tanto almejaram durante seculos, quando os seus ancestrais foram escravizados e oprimidos. Nunca as tradicoes hao de morrer porque, em todo o canto do Mundo que tem gentes de Cabo Verde e seus descendentes, as tradicoes sao cuidadas e honradas. Assim vi em Boston, em Lisboa, onde algumas associacoes laboriosamente celebram cada evento festivo do calendario (e sao muitos.....!), e assim, em pequena dimensao, celebram os poucos crioulos do Reino Unido. E, na sua casa, fazem um pequenino Cabo Verde nas datas que recordam da sua infancia ou juventude nas Ilhas. Mais um grande painel de figuras desfilou na tua Storia, galeria imensa de gente que nao tem o nome escrito na Historia mas foi quem a escreveu. Beijo da tua amiga de sempre que te adora Helena

Helena Santos                           helenasantos@hotmail.com


Comentário:

Caro Sr.Zizim, A mãe e eu nos alegramos de o ver de volta em força, após a sua hospitalização, com seta magnifica estória de uma época que infelizmente não cheguei a conhecer, mas graças á fidelidade do seu descriptivo e ajuda da minha mãe lá vou conseguindo arrumar o puzzle na minha cabeça. Aquilo era verdadeiramente um festa co Alma e pena é de a terem deixado morrer naquele ritmo e estilo tipicamente local. Saude e força amigo e Sr Zizim. Obrigado por deliciar-mos com tão sublimes contos. Um abraço da Mãe e Eu Suelly

Suelly Fonseca                        suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Zizim nha broda d'infancia! Ja'm fecá prop contente d´oiobe de volta li na Liberal qu'esse Storia tchegode dentre d'hora. Pos no ta prop naquel quadra sabe de festa de san Jon na Soncente ma Porte Nove Sant Anton. M ta espera que te inda ês t'ixisti.ma principal é bo saude moce. Força coraja e Deus c'bô. Um braçona tamonhe de Munde Lili

Larry de Pina                      LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Nha broda! Bom dia e mute saúde pa bô podê bai ta guentá n~es canela e fecá ta relembrone nôs Soncente/Sant Anton/San Ninclau ma nôs pove nês festa de Colá San Jon que hoje já nê moda um vez.ma na bôs storia m tem notode esse mensaja forte d'bossa ta mostrá nôs gente manera que tava vive tude ês cosa um vez. Força nesse mensaja sempre. Storia te prop bunzim como sempre. Saude e coraja. Um braça Guey

Miguel M.Monteiro                  mucimdereberabote@gmail.com


Comentário:

WELCOME HOME! Nh'irmon Zizim c'força vida ma saúde pa bô podê cuntinuá ta beto'n sempre uns storia sabim dês. Quel braça de broda to broda Ney

Manuel Fortes                    neyfortes@yahoo.com.br


Comentário:

ÓI zizim, marcámos-te falta de comparência na semana passada e falta de atraso nesta semana, mas já sabemos que as faltas foram devidamente justificadas. Bom regresso com este excelente rapicar de tambor.

NFM                              ferromarques@gmail.com


Comentário:

Meu Caro, Zizim, todas as semanas leio as tuas estorias e delicio-me na tua escrita. Que Deus te dê saúde e força para continuar na nossa companhia por longos anos. Um abraço salense, Evel.

Evel Rocha                    ildo0836@gmail.com


Comentário:

Zè, eu ja estava preocupado de tantos dias sem saber de ti. Ainda onten enviei um E-mel para saber o que passava com a tua saude, felismento ja estas de volta, mas espero de ter boas notiçias tuas A minha esposa ja estava preocupada, que Forças souperiores te acompanha. Esta cronica veio mesmo a tempo, nesta epoca è a maies apreciados, uma das festejada pela maioria dos Caboverdianos, onde quer que esteja, aqui na Holanda è bastante festejada. Em Soncent, e Sananton creio que ja não com nos outros tempos. Por exemplo, ja não temos os tranportes que avia naquel tempo dos caminhões, cheo de gente para Ribeira de Julião, parece outra maneira diferente, não sei talves a minha maneira de ver, naquelos tempos eu estava bastante envolvido nos tranportes, talves esta è a razão. Zè dqui vaie aquel abraço Januàrio

Januàrio Matias Soares                 jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Carissimo Zizim, Para além de te felicitar por este excelente recital folclórico das nossas festas juninas que cobrem muito em especial as nossas Ilhas do Norte onde o aspecto misticista já se confonde grandemenete com o aspecto racional religioso. Queria ao mesmo tempo desejar-te um bom restabelecimnto salutar para que continues todos os fins de semana a nos deliciar dessas magnificas estórias. Um forte e fraterno abraço do amigo Tiago

Tiago Lopes Santos                         tiagolopessantos@yhaoo.com.br


Comentário:

Já tinha dado pela falta da sua /nossa crónica de todos os domingos , por isso enviei-lhe um e-mail mas nessa altura devia estar hospitalizado . Muitos parabéns por mais este excelente trabalho , votos de muitas felicidades e rápida recuperação . Um grande abraço Gaby .

Gabriela Amado Silva                 gabybamado@hotmail.com


Comentário:

Amigo Zizim,Todo este trabalho que tens feito através destes anos, cuja evolução sobretudo escrita tenho seguido, bem como das ricas estórias que espero ficarão nos anais da história de São Vicente de Cabo Verde, são de um valor inestimável. Já é tempo de pores tudo isso num livro afim de afirmares a tua presença no nosso mundo literário. Soube que estiveste doente e estimo-te as melhoras. Boa recuperação e um abraço. Pedro

Pedro Gregório               pgregorio@yahoo.com.br


Comentário:

Um sturinha sabim, chei de gente na muvimente, chei de recordaçon daquel tempe que tava festejode San Jon sem merrinha, c'tambor, navizim, pite, gente ta colá c'sês corpe além ta bai, seguerode naquel ritme que quonde gente tava uvil nôs corpe ma coraçon tava vibrá c'tude nôs Alma. Quel vez Soncente era sabe!!! Hoje ês querê matal pa cabá quel ma ALMA ca ta morrê!!! Basta uli prova na pena de nôs patriota e amigue de sempre Zizim de Ti Djô Figuera. Força nh'irmon. Quel braçona Tchitcha


Antonio Simplicio da Cruz                toitchitchadaruz@hotmail.com

V o l t a r