QUEL PEXE SALGODE – ESPUNDRODE, SIRVINTIA DE NÔS ALDEIA


Naquel dia 17 de Julhe d’one 1960, depôs de ter estudode c’força e vontade pa vencê más uns alinea de sétem’one pa completá, quê jam tinha nha setem’one d’alinea “G”, já não c’mentalidade de mnine ma sim c’consciença dum rapaz que sabia qsê quel queria, cosa qu’um fazê e ganhá, c’dispensa d’exame d’admisson pa Faculdade de Direîto de Coimbra (Portugal) que na época era tude nh’ideia.

Enton, ‘m recebê um grande desiluson de nha vida quonde nha pai dzeme cma finança tava um bocode down, quê jal tinha mandode três pa Lisboa pa basse estudá e, cma vapor tinha escassiode tcheu na Baía de Porte Grande, quel truquim já ca tava ta ba dá pa mandasse um home pa Portugal pa ba continuá escola.

Chatiode p’afronta, depôs de dôs dede de conversa na mei de tude quel folia de rapaz nove na força d’idade, influíde pa pove ma culiguinhas, ‘m tive de calmá mi mesme pa’m pudia comprendê bem quel situaçon de nha pai e aceital c’tude serenidade, resignaçon, tristeza ma sem rancor na coraçon, quê na funde el tinha razon.

Assim, cma jam tava galim frenche ta ba ta vrá home grande, c’um stora de vida pa contá moda tude gente, sempre t’increncá cada vez más c’um home ba t’entrá n’idade.Mi, nhas gente, jam ca podia fecaba más lá na casa, quê moda Damatinha c’sês máxima sempre tive de dzem cma, num capoera nunca ca podê tem dôs gole.

Sodade de nôs casa, pena de nha santa mãe Bia, tude isse era bem pesode, ma um home já ca podia fecá. Quê senon m’tava sinti vergonha de vrá ta ser um carga a más pa nha pai, sempre exemplar, trabaiá pa sê vida e pa casa. Assim, moda pove ta custumá dzê na terra, um home tinha que mexê e ba espiá sê vida “n’oracle”.

Felizmente, nunca ‘m infrontá pa mode nha espirte de luta, que sempre ‘m tive, e nha boa estrela que nunca bandonome. Nh’amigue e colega Dinha de Ti Concha, que tava conchê bem nha problema, um dia na conversa perguntam s’um tava interessode na ba trabaiá na Meteorologia, lá pa Dja D’Sal. Log um dzel cma sim.

Enton, el po’m pa escrevê um carta pa Senhor Mário Rodrigues (Mayuca de Nha Isê Teresa), antigue defesa central d’Académica de Mindelo, que tava incarregode de recrutá malta pa quel traboie na época. Dá, log uns dia depôs parcê quel carta de chamada pa Dja D’Sal, quê resposta ca demorá, quê el incontrá ba ta bem.

E cma malta de nha rua sube cma ‘m tava ta bai pa Dja D’Sal pa fecá, ês resolvê fazem um grande despedida lá na Rebera Bote, na casa de Nha Clara, mãe de Djunga ma Zabel, pessoa que nunca ‘m podê esquecê, quê ela é que fui partera que ijdá nha mãe pom na munde.

Festa fui mute divertide e prop bem organizode pa malta: - Hirmine Manquim (Boring), Chima de Nhô Izê Ninclau, Teodoric sê irmon, Djunga de Nha Clara, Leizão, Lau de Briza e um monzada de gente cunchide ô não. O certe ê que sem m’sabê porquê, tude gente queria participá naquel festa de despedida prop p’amizade.

Plumanhã, lá naquel lorgue de Rebera, quês pô nome de Rebera de Paúl, quê tinha dode tchuva e lá tava tude virdim, sumenhode de midje, fejon, bobra, mindioca, batata doce ma inglesa. Nô cordá tude gente, na mei daquel friscura, c’nôs juguinha de rudiada pau, home c’amdjer trançode, num gritaiada de matá, ta ijgá, gole a gole, betada pa diante ma balizinha, lá naquel lorgue que tava separá Rebera Bote de Monte Sussegue, cosa que hoje em dia já ca ta nem existi, mode desenvolvimente de terra, ma que dexone c’um sodade bem gravode na nôs peite.

Duas’hora da tarde, Nha Clara somá na porta de casa, el dá gente fala c’aquel bom grite de custume, chei d’amizade de:

- Oh nhas fedjode, bsote bem quê quel chá já ta pronte!

Basta quês gente que tava lá ta sisti quês juguinha fecá tude intrigode, tê que tive alguns que dzê “Chá?... Destes’hora?!”

Moda ca pudia dexá de ser, ca faltá manhente pa ijdá nôs cmê quel bocode de cmida, quê porta tava sempre aberte pa tude quem quisesse ba matasse sê fome naquel bon fejon pedra c’pé de tchuque e tude ingridiente, mute bem preparode pa Nha Clara ma sê filha Zabel.

Tude sabim naquel despedida e, pa completá quel quadre, tinha pr’além de malta de nha rua e de nha idade, tude quel malta parodiente de ferraria de Jon Fliner, moda Maica Barronque, Lexandre de Nho Toi Lulú, Hilas Miranda, cumpanhode de nôs Jon Pope Seque, num ambiente prope quente, chei de pirraça ma partida e risarada, ondê que tive tê descurse.

Da tardinha, tude gente, forte e mei carrosque, cambá Compe de Jogue pa ba oiá um super Mindlense x Derby, ondê que Derby dá nôs Mindlense 2 x 1, pa nha grande tristeza. Ma, na qualidade dum bom desportista, ‘m tive que aceital, quê Derby fui amdjor naquel tarde. E, depôs de ter agradecide malta,’m cambá casa ba detá, quê ‘m tinha que argui cidim.

Na dia seguinte, ‘m cambá SanAnton, Compe de Cão, na Paúl, via Porto Nove, cuvedode pa nha grande amigue Minito Costa, cumpanhode de nhas colega Nhelas de Muchim Mercone, Djibla, Edgar Sousa e quel teimose de Neta Freitas (Deus dá ês dôs céu), que sebí de Mesa tê na Cova a pê, c’mania de querê fazê volta a SanAnton de bicicleta. Basta el escapá de psú nhondenga, ma inda malta dal força e el pude tchegá tê na Mar de Francês derriba de Compe de Cão na Vale de Paúl.

Também, pa trás de tude ês esforce, tinha nôs tchutcha que tava pra lá ta esperone. Cosa de rapaziada. Assim, no proveitá quel convite de Minito quê, camada mim, inda ‘m tinha uns dia de féria, pam proveitá antes dum cambá Dja D’Sal sem dia de vrá pa Soncente.

Nô tchegá na Porto Nove de note, log nô bá drumi quê na dia siguinte gente tinha que argui cidim. Enton, naquel ote dia, log cidim, ês ba levá nôs na jeep d’obra tê lá derriba na Mesa, lugar ondê qu’antes tinha quel boa ága de bibê, quês tava mandá tê pa Soncente. Depôs, da lá no bai tude a pê, ta sebí, ta gozá daquel bnite panorama, digne de pincel dum artista pa pô num quadre pa sempre. Cabá, quel one lassim tinha dode tchuva drete, era aga ta corrê grosse na rebera, que nô tinha qu’esperá guia pa mostrone ondê e cmanera que nô devia passal.

Paisaja daquês lá ca tem dôs igual na Munde e, el ta fecobe iternamente gravode na mimória, ma na coraçon, trançode c’aquês tcher de flor de laranjera, jasmin, nanaz, goiava, manga, mançã e más e más.

Quel tchegada de madrugadinha na Cova (cratera de vulcão), já derriba de Vale de Paúl, c’um cavole bronc solte, lá dentre, ta corrê c’sês longue crina espaiode na vente, um verdader maravilha.Nô fazê um pausa, pa descançá um csinha, nô proveitá d’intchi nôs cantil e bibé quel ága frisquim, na rolode de folha de nhame.

Depôs nô cuntinuá nôs marcha a pê tê tchegá na somada de Vale de Paúl, c’aquel vista prope bnite de Mar de Francês ondê que devera bô ta fecá derriba de nuva, mode quel altura. Da lá nô cuntinuá té tchegá na casa de nôs amigue Minito, ondê que despôs nôs tude fui presentode na família e tude quês vezim deboxe dum grande ligria e quel morabeza de custume.

Nunca ‘m esquecê daquel pove de Rebera. Gente pobre, sim! Ma dum grande riqueza espiritual, chei de bondade na coraçon, capaz de fecá tê sem cmê pal dá um ote criston, sê irmon home, pa cmê as vez tê sem conchel. Geste que tava fazê vergonha, pa tude aquel que ca tava custmode c’aquês liçon de tonte humildade.

Depôs que nô instalá, cmê, durmi, descansá bem descansode, nô pensá log na dexí p’as Pomba, quê mar tava prope bom pa nô bai dasse uns mergulhe lá naquel Baía de Poce, ondê que nô fazê cunhecimente ma Nhô Lela Gastão, que naquel tempe era autoridade incarregode de Porte de Baía de Poce na Paul-SanAnton.

Cma el gostá tcheu de nôs malta, assim el ranjone log um bote c’uns pescador p’ês fecaba ta cumpanhone na mar, na hora de nôs merguie de caça submarina, durante tude quês dia que nô tava ta ba fecá lá na Paúl.

Quel Baía de Poce nôs ê qu’estreial, quê lá era lugar ondê que tê quel data ninguém tinha merguiode nel pa fazê caça submarina. Enton, lá dentre daquel Baía tinha tonte pexe ma lagosta, que nem no ca mistia de bai mute longe nem merguiá mute funde.

Prop naquel primer dia, nô uvi um barulhe moda um expluson, enton, ês dzên cma era pescador que tava pra lá ta dá fogue na melon um csinha más pra boxe, quaz perte de Jenela. Fui assim que nô conchê Dminguim Canhota, c’sês dêde de mon esquerde tude cortode pa sarda (tubaron piqnim) quonde ês tava dá fogue na melon e el tava caí na mar na mei dês ta panhá melon o más depressa quês podia, pamode tubaron ca cmês tude. Tal era sês filosofia de vida e manera, ‘m ta supô, de vencê sês mede de tubaron.

No tchegá conchê um topógrafe angolano, por nome de Victória Pereira, que também vrá ta mergulhá ma nôs e de vez inquante, pa facilitone vida, el tava ba betá nôs té lá derriba, na Compe de Cão, na sê jeep. Assim era bom, quê no tava podê levá tcheu pexe pa casa, lá pa quês banda ondê que pexe ca tava parcê tude dia.

Caça submarina durante quês dia foi um riqueza. Pescador que tava cumpanhone c’sês bote ta remá pa done quel assistênça, pa defendene de perigue, ê que tava fecá que maior parte de nôs pesca, quê nô tava trá uns dôs cabeça de pexe pa levá pa cmê na casa, quel ote grande parte, cma no ca sabia qsê que nô tava fazê quel, ês tava fecá quel, pa vendê ô dá familai ma amigues.


Num dia que nô tive de bai a pê da lá de Poce pa Compe de Cão, quê nô ca tive jeep, bene n’ideia de levá, cada um de nôs, um grande nagoie fete d’arame, chei de pexe pa casa. Cma nô vrá ta fazê quel camin tcheu vez a pê, ‘m notá c’aquês gente de Rebera tava gostá de ter um pexe de cabeça daquês pas cmê. Ma sês humildade nunca tava dexás dzene nada, nem manifestá quonte a más pedí.

Assim, um dia, nô resolvê pa camin fecá ta dás parte de nôs pexe de caça submarina que nô tava trazê na nôs nagoie, sobretude quês bon pexe de cabeça que pamode destância ês ca tava nem oiá nem cmê, moda: - garopa, badeje, inforcode, chereu, esmoregal, bidion, etc,etc e que tinha tcheu naquês costa.


Pa ês, quel atitude de nô dás quês pexe establecê entre nôs um forte loce d’amizade. Sobretude quel pove de compe de SanAnton, custmode de vivê tude dia, naquel tempe, sô de produte de terra, frute honrode de sês traboi. Quês pexe que nô tive de dás durante quês dia que nô tava pra lá, bem trazês más um bocode de proteína na sês prote de catchupa, pa sês flecidade.

Na mei de tude quel pove, no tinha um amigue lavrador, home de terra por nome de Djô Maria, casode ma nha Rosinha de Compe de Cão. Djô era lavrador de terra de Senhor Djoca Oliveira e era um daquês que nô tava longá sempre uns pixim a más, quê el tava fecá bastante perte d’estrada na nôs camin de passaja.

Um certe dia, num de nôs pesca de sorte, um fisgá um esmoregal prete dentre de Baía de Poce, de quaz 20 (vinte) kg, basta quês pescador tê pô reme p’uar quonde ‘m somá na boia. Enton, cma quel pexe era mute grande e gorde, quês pescador log tral quel fíguede pa ca ser cmide, quê senon gente tava pêlá. Depôs ês cortal en dôs, no fecá c’aquel metade parte de cabeça, que nô levá nôs amigue Djô Maria.


El, Marabidjode c’sê bom pexe, de lode de cabeça el abril na mei, lanhal, salgal, bem salagode e pole um cruz de cana de carice travessode na mei, pa mantel aberte ta escorrê e secá na Sol quente.

E, depôs de note el tava entral pa casa e tava dexal “espundrode”, dia e note, num lugar lá na cume de casa ta escorrê. Basta quel dia jal tinha trode um bom nóc naquel pexe, el cuvedá nôs um colde de pexe de matá, mute bem fête pa sê amdjer Nha Rosinha, c’banana verde, mandioca, batata inglesa, batata doce, não sem n’esquecê quel bocal, também fête pa Nha Rosinha, daquel malaguitinha de pardal, furtim, panhode frisquin lá na sês horta.

Volta de duas’hora da tarde, nô ba ta tchegá pa quel cunvite na casa de Djô Maria, home alegre, conversador e sempre nimode, c’mil e um storia, moda tude gente pa contá, de sês fidje ma sê subrin Punhuque, quel educá e insená trabaiá terra.

Assim cma daquel ote subrin que no pô nome de Ratim, vitma dum tchuque que rufenal dum plar de mandioca quonde el tava tranquile ta dá de corpe (ta fazê sês nescidade).Ratim, cuitode, caíde da lá derriba, levode num padiola pa infermaria n’as Pomba na tempe d’infermer Dario, c’grite trocolode de tude quel pove de rebera, fui um cosa só. Ma nôs Ratim, na mei daquel afliçon e sofrimente , vrá pa sê mãe, el bá ta dzel:

- OH Mémé, ocê gorde’m nha betetinha, s’uvi Mémé ?!

Era um batatinha doce quel tinha puste na brasa de sês fogon de três pedra, daquel hora pal cmeba pa lonche.

Alvicera daquel metade esmoregal, quel bom pexe de cabeça bem gorde que Nhô Djô Maria tinha “espundrode na cume de sê casa”, já tinha curride Rebera de Compe de Cão de norte a sul, leste a oeste. Enton, cada dia e cada um sê vez, tava bem um mnine de gente cunchide e amigue da lá de funde de Rebera bem dzê Nhô Djô Maria:

- OH Nhô Djô, ocê betame bençon! Nha Mémé mandá dzê ocê s’ocê podia imprestal ocê “PEXE” pal merguiá na nôs cotchupa?!

Nhô Djô Maria, na tude sê humildade e boa fê, prope de quem que tava custumode a partilhá tude ma sês cumpanher de pobreza, lá tava dá quel mnine quel pexe recomendode c’um:

- Bai, ma bô bem trezel log que bsote desuc’pá, está bem ?!

Mnine, bem mandode, tava bai rapte, tude contente, betode quel bençon, c’aquel “PEXE” ta corrê, mãe tava tmal e log el tava dal quel bom merguie na catchupa pa dá quel gustim e, mnine tava torná voltá ta corrê, pa Nhô Djô Maria, ba leval sê “PEXE”pal podia torná pol lá na sê lugar, pal fecaba espundrode lá na cume de casa, pa sirvintia de quem mesteba.

Pa nôs, quel era cosa que tava fazene arrí, ma pa ês era um atitude normal de solidariedade. Enton, um dia pam satisfazê nha curiosidade, ´m intchí de coraja, ‘m perguntal :

- Ma cmanera, Nhô Djô Maria ma storia dès “PEXE”?!

Enton, el saí c’um máxima que dexá nôs tude de boca aberte e, el dzene:

- ÊS PEXE Q’STEI Ê SIRVINTIA DE NÔS ALDEIA. QUÊ QUONDE DEUS DA, DA PRÔ TODES. MA, USIS PODE STODE CERTE, QUÊ QUEL ÚLTEME MERGUIE, NÔS LI NA CASA É QUE TI TA BEM DAL UM DÊS DIA!!!...

Creditá quem querê, ma fui prope assim!

Uns dia depôs, quaz tude gente daquel Rebera sube que nô tava ta bai pa dondê que nô tinha binde, em especial mim, que tava ta bai p’um viaja longe, pa Sal, que talvez tão cede ês ca tava ta ba oia’m pra lá. Enton, ês bem carregode de doce de tude espece, de: - marmel, goiava, batata doce, nanaz, papaia, e de mantega de garrafa. Tude isse em sinal de reconhecimente d’amizade que nô mostrás quês quate semana que nô passá lá junte ma ês.

Ora di bai fui mute dure e bem triste, quê tude ês, grande que piqnim, braçá na nôs chei d’emoçon ta despedí e, nium de nôs ca pude resisti, quê ága esgritchi’n pa cara boxe sem nô querê, d’oiás naquês cabeçe tude de linçim brónc na mon ta sanone.


ZIZIM FIGUERA (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Nha Broda, Sempre que o Liberal publica as estórias a essa boa hora para nós cá em Sidney é magnifico porque ela nos acomapnha na hora do pequeno almoço em familia e depois á hora do almoço em grupo da nossa comunidade que aqui contam 200 pessoas. Posso dizer-te sinceramnete que as tuas estórias continuam fazendo furor e trazendo a nós todos de todas as Ilhas confundidas aquele mesmo calor. Essa então está uma maravilha e muito bem contada. Unanimamente gostamos! Bom domingo com muita saude junto á tua familia. Abraço de todos Terencio

Terencio Lopes               terenciolopes@yahoo.com.au


Comentário:

Caro Zizim, Vivemos num mundo em que cada dia busca-se a simplicidade das coisas para facilitar a vida mas infelizmente, no nosso país, há quem pense exactamente em buscar forma de complicar a vida dos outros. O alupek é o exemplo dissso. Ao ler a tua história, nao tenho dúvidas disso. O nosso crioulo é simples e puro. Escrito do jeito que sempre escrevemos, qualquer um pode entender. Obrigado por mais esta lição de simplicidade. Um forte abraço e muita saúde! Amigavelmente, E. Rocha

Evel Rocha                       ildo0836@gmail.com


Comentário:

Que seria um domingo nessa diáspora sem uma "sturinha" do nosso Zizim que nos traz atravéz delas todo aquele de uma época revoluta. Fiz toda minha vida de estudante em S.Vicente de onde guardo boas reordações da nossa malta fixe. Certo que a morabeza e solidariedade sempre fizeram parte integrante e de um forma geral do povo das Ilhas. Mas realmente aquela morabeza Santantonense era fora de serie e nunca igualado com qualquer outra ilha. Será talvez por causa de terem sido conjuntamente com o povo de São Nicolau os que sofreram da fome de 1939 (Os Famintos de Luiz Romano)? De toda maneira meu caro Zizim a tua estória está muito bem relatada numa expressão bem da nossa lingua cabo-verdiana. Gostei imenso. Um abarço amigo Vava

VLADEMIRO                  valdemiro@gmail.com


Comentário:

Um maravilhoso texto de relações humanas digno do estudo de sociólogos sobre as Ilhas de Cabo Verde.Caro Sr Zizim, tenho tido sempre aquele imenso prazer de poder ler todos os domingos as suas estórias de São Vicentee, muito bem escritas na nossa lingua cabo-verdiana sem o uso daquele aberrante " K " do tal alupek badiu santacatarinense que o governo de JMN masis os seus nos tem tentado impor. Mas nós os das Ilhas do Norte nada temos a ver com eles. Eles que guardem o seu K e que nos deixem em paz com o nosso " C " e nosso alfabeto que todos conhecemos. E podem levar com eles todos aqueles sampadjudos traidores corruptos utilizadores do K na escrita da nossa lingua variante Norte. Já basta de abusarem da nossa paciência. Adorei o conto e força para continuar. Pois estamos consigo. Forte abraço de um sanantonense. Julio

Julio Monteiro                  juliomonteiro@gmail.com


Comentário:

Caro Djô, Gostei imenso dessa storia porque assim era a nossa gente humilde e cheia de morabeza. Oh tempo volta para trás. Um forte abraço Lili

Larry de Pina                LPINA1@tamapbay.rr.com


Comentário:

Caro Zé, gotei como sempre esta bonita storia'umildamente formidavel, a maneira como citaste, como screves da mesmo a sentir aqueles tempos, sempre com nomes bastante conhecidos muita gente daquela epoca. Daqui vaie um forte abraço amigo de sempre Januário

Januário Matias Soares                  jmsoares@kpnmail.nl


Comentário:

Grande história pessoal esta tua despedida Zizim de S. Vicente em partida para o Sal para entrada na vida activa. Reconheci muita gente da nossa zona Chima Teodorico e obviamente Damatinha. Enfim as tuas aventuras pela mais linda ilha do arquipélago caboverdiano Santo Antão. A Ilha tem algo que enfeitiça qualquer citadino, neste caso o mindelense. Ficávamos deslumbrado com a natureza telúrgica da ilha e a natureza hospitaleira do povo desta ilha irmã e sua solidariedade demonstrada pela história deste peixe seco que percorreu a aldeia toda para temperar a cachopinha do povo.

José Fortes Lopes



Comentário:

Oh " Irmao das nossas comunidades" , na verdade ( um posta de pexe espundrode ) ê motivo de ligria , pâ um bom colde de pexe d'dia de manhâ , mà conzinhôde qu'mandiôca ,batata doce , n'nhâme , bem malaguetôde )!! Hà...sétimo one imcomplete , foi motivo de uma - carta de chamada - pâ bà trabaià na meteorogia na aeroporto de Sal !...Aquele abraço do ( irmao das nossas comunidades ) Um Criol na Frânça ) ; Morgadinho !...

Joaquim ALMEIDA                            soalmeida@free.fr


Comentário:

Carro Zizim: Como è bom recordar os pasados que nos faz reviver essos acontecimentos tão maravilhosos que encham os nossos corações de uma imença saudade. Santo Antão foi e sempre serà uma ilha em que os povos têm essa morabeza de hospatilidade para com todas as pessoas que vizitem a ilha. Eu tambèm pessoalmente vizite à ilha nos tempos de juventude e sem conhecer ninguèm,pois fui recebido com tanta gentileza do bom povo santantonence ali em Garza de um senhor chamado Nhô Manel Frederico, com uma amabilidade que sòmente existe em Santo Antão.Muitas recordações em tuas estòrias que por causalidades as vezes me tocam um pedaçinho tambèm para ilustrar as tuas estòrias. Saudades fraternais desde de America. Djê Guebara Lake Worth Fl.U.S.A.

Djê Guebara                   nhela80@yahoo.com


Comentário:

Caro Sr Zizim, A minha mãe sendo Santanonense natural de Figueiral de Rebeira Grande, ficou muito emocionada com a sua estória no que diz respeito a morabeza e solidadierdade da nossa gente que ao que parece até isso teem tentado apagar-nos da memória. Como ela disse é que o muitos não sabem é que cada povo das Ilhas teem a sua Alma e e Alma não se destroi. Pois da última vez que fomos de férias fomos muito bem tratados com a mesma morabeza de sempre embora houvesse e há muita pobreza. Fizemos do nosso melhor que podemos e partilhamos num gesto de solidariedade tudo aquilo que podemos com a nossa gente nos sentindo felizes interiormente Como sempre adoramos a sua estória e está muito bem escrita naquela lingagem clara habitual. Boa semana e até próximo domingo. Um beijinho carinhosos nosso. Suelly

Suelly Fonseca                  suellyfonseca@gmail.com


Comentário:

Sr Z.Figueira, Ha muito que leio as suasa estórias pois sou fan assidua e grande admiradora da sua obra. Encontro neste seu estilo "mui sui generis" de escrever a nossa lingua cabo-verdianatoda aquela simplicidade alfabética que não sei por que razão deu na cabeça de certos de a querem mudar e demolir a todo preço. Porquê? E com que direito? Acho que o povo das Ilhas tem direito de se exprimir se é que vivemos num contexto democrático não é? De toda maneira sou pelo seu modo de escrita sem utilização do tal K.Porque razão "CASA" deve ser com K se a palavra na sua origem foi sempre com " C ". Tudo isso releva de uma atitude de conotação negativa e dizer que em Barlavento há corruptos que vão no erro. Que os da Praia queiram fazer a sua lingua está tudo muito bem. Porque nós já temos a nossa de há séculos Bravo Sr Z.Figueira e força para continuar a nos deliciar com esssa estórias que fazem a felicidade domingueira de todos nós amigos da nossa terra. Grande abraço Dulce

Dulce                       dulce@aol.com


Comentário:

Pa 1º komentariu di Evel Rocha / ildo0836@gmail.com: ----§---- Efetivamenti, nhu ten razon ti ki nhu ta afirma: “Vivemos num mundo em que cada dia busca-se a simplicidade das coisas para facilitar a vida mas infelizmente, no nosso país, há quem pense exactamente em buscar forma de complicar a vida dos outros.” (sic) ----§---- Entretantu, nhu ta labora na eru ti ki nhu aprezenta alfabetu kabuverdianu (ex-ALUPEC) komu ezenplu di tentativa di konplika-nu vida. ----§---- Na verdadi, alfabetu kabuverdianu ta faze presizamenti kontrariu: el ta sinplifika-nu vida pois el ta kaba ku nesesidadi di dekora ortografias etimolojiku di palavras, fonti di perda di tenpu na striba ku memoriza, fonti di vergonha trokadu erus ortografiku, fonti di sofrimentu. ----§---- Efetivamenti, pa un dependenti kimiku, midjor manera di vive prosimus minutu, e konsumi mas droga. ----§---- Entretantu, kel la ka e soluson rasional a longu prazu. Partikularmenti, e tremendamenti irasional i dezumanu pretende (pa nu pode kontinua ku nos visiu) visia tanbe kes ki inda nen ka nase. ----§---- Nho, provavelmenti nhu obrigadu, atraves di purada, dekora ortografias di palavras na purtuges. I pabia dja nhu dekora, gosi es sa ta parse-nho sinplis. Si, nho, nhu ka leba purada, na poku nhu odja kolegas di-nho ta leba. ----§---- Nhu ta skese di kes kriansa ki inda ka nase i ki ta ben ten nesesidadi di pasa pa mesmu sofrimentu ki nhu pasa pa dekora. ----§---- Ora, si sientistas dja diskubri forma di kaba ku es sofrimentu pa jerasons futuru, e irasional i dezumanu kre kondena futurus jerason a es sofrimentu dibaldi na skrebe lingua KABUVERDIANU, lingua ki nos ki ta manda nel. ----§---- I e isu ki kre kes ki sa ta defende alegadu “ortografia etimolojiku” pa lingua kabuverdianu – sofrimentu pa nos desendentis. Tudu justifikadu ku kel li: DJA NU ABITUA. ----§---- Storia di Umanidadi e un suseson di mudansas, di substituisons di uns abitu pa otus. So abelha ki sa ta faze mel di MESMU manera dja ten milharis di anu... ----§---- Nu ben odja faktus konkretu konprovativu di kuzas ki N kaba di afirma pois kontra faktus, ka ten argumentu! Pa isu, ta txiga analizi di ortografia di 1º paragrafu di testu supra di Zizim. Tudu kes son ki ka ta reprezentadu (na ortografia etimolojiku sigidu pa Zizim) di forma fonolojiku (istu e, sigundu prinsipiu di biunivosidadi entri fonema i grafema), N ta destaka-s atraves di letras maiuskulu: ----§---- “NaQUel dia 17 de Julhe d’one 1960, depôs de ter estudode C’forÇa E vONtade pa vENCê más UNs alinea de Sétem’one pa COMpletá, QUê jam tinha nha Setem’one d’alinea “G”, já nãO C’mENtalidade de mnine ma sIM C’CONsCiENÇa dUM rapaZ QUe sabia QSê QUel QUeria, CoSa QU’UM faZê E ganhá, C’dispENSa d’eXame d’admiSSON pa FaCuldade de DireîtO de CoIMbra (POrtugal) QUe na époCa era tude nh’ideia.” (sic) ----§---- So nes 78 palavra di 1º paragrafu, un kriansa di 6 anu di idadi ten ki DEKORA: Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [k]: ku Q (nes palavra li: qsê); ku QU (nes palavras li: naquel, quê, que, quel, queria, qu’um); ku C (nes palavras li: c’força, completá, cosa, Faculdade, Coimbra, época). Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [s]: ku Ç (nes palavras li: força, consciença); ku C (nes palavras li: vencê, consciença); ku S (nes palavras li: séteme, sim, sabia, qsê, dispensa); ku SS (nes palavra li: admisson). Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [nazalizason di O]: ku ON (nes palavras li: vontade, consciença, admisson); ku OM (nes palavra li: completá). Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [nazalizason di U]: ku UN (nes palavra li: uns); ku UM (nes palavras li: dum, qu’um). Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [z]: ku S (nes palavra li: cosa); ku Z (nes palavra li: fazê); ku X (nes palavra li: exame). Ma Zizim ta OBRIGA-L skrebe un MESMU son [u]: ku U (nomeadamenti nes palavras li: julhe, estudode, uns); ku O (nes palavras li: não, Direito, Coimbra, Portugal). ----§---- Uf! Dja N kansa. N ta para li. ----§---- Forti dekora! Forti sofrimentu! ----§---- Tudu pabia es e skravus di Zizim – Zizim dja abitua ku skrebe lingua KABUVERDIANU sigundu regras di skrebe lingua PURTUGES i el tene prigisa di muda. Dja el dekora tudu kes ortografia ilojiku ki N kaba di sita i el ka kre prende un forma LOJIKU (undi un MESMU son, bazikamenti, ta skrebedu ku MESMU letra na tudu palavra) pa ka OBRIGA kes nos desendenti DEKORA dibaldi. ----§---- Tudu es sofrimentu ta kaba si Zizim fika ku konpaixon di ses desendenti ki ta ba skola na futuru i prende skrebe sima nos Stadu SOBERANU dja OFISIALIZA: “NaKel dia 17 de Julhe de one 1960, depos de ter estudode Ke forSa Y vONtade pa vENSê más UNs alinea de Séteme one pa KONpletá, Kê já N tinha nha Séteme one de alinea “G”, já nãu Ke mENtalidade de mnine ma sIN Ke KONSSiENSa dUN rapaS Ke sabia KSê Kel Keria, KoZa Ke N faZê Y ganhá, Ke dispENSa de eZame DE admiSON pa FaKuldade de Direitu de Kuinbra (Purtugal) Ke na époKa era tude nha ideia.” ----§---- Si idadi avansadu di Zizim, ka ta da pa el prende skrebe sigundu alfabetu ofisial, el pode kontinua ta skrebe sima el kre, mas sen pretenson di sirbi komu modelu, sen pretenson di ben maltrata nos desendentis ku ses kaprixu. ----§---- Alias, so nos desendentis ki ta ben ser obrigadu prende skrebe nos lingua. I es e milhons i milhons, jerasons i jerasons ti fin di mundu. ----§---- Atuais pesoa di idadi ka e obrigadu skrebe nos lingua sigundu alfabetu ofisial. Es, es pode kontinua ta skrebe purtuges (sima Evel Rocha faze) o skrebe lingua kabuverdianu sima da-s na kabesa, sima Zizim sa ta faze. Ningen ka ta xatia-nhos! ----§---- Sivilizason kriston ta nxina ma nos ki debe sakrifika pa asegura un vida midjor pa nos desendentis. Ka e kontrariu, nau!

Marsianu nha Ida padri Nikulau Ferera           marciano_moreira@yahoo.com


Comentário:

Jà se esperava ( a presença do nosso Marsianu di Nha Ida ) com as suas liçoes da ( sua ) lingua desta vez mixturada com a lingua de Camoes !.- NOSSA LINGUA OFICIAL -O que mais nos chateia é que êle veio preencher este espaço de forma tal para DESVALORIZAR ESTA BELA ESTORIA DO ZEZINHO FIGUEIRA - Francamente isto é insulto no sentido DEMAGOGO !...Este Marsianu julga que comportando-se desta maneira, ou seja interferindo nos textos de todos aqueles que nao estao de acordo - COM A SUA LINGUA- està a contribuir para o avanço na propaganda da mesma !!.. Marsianù lingua câ tem idade e êl câ tâ tem dono!... êle tâ nascê junto que tudo ser humano racional !.. Bô bem pâ esse mundo , mà bô tem que bai pâ ôtu mundo , bô t'chà nos lingua pâ sirvi pâ otos ser humanos ( cabo-verdianos ) que cada dia titâ nascê !..UM CABO VERDIANO !..

UM CABO VERDIANO                caboverdianamente@gmail.fr


V o l t a r


Comentário:

Olá amigão, Descobri suas magnificas estórias sobre S.Vicente, terra dos meus pais, graças ao amigo Edgar. E como felizmente sempre me empenhei em aprender o crioulo que domino relativamente bem.Assim, sendo fan das suas crónicas lá vou aperfeiçoar ainda mais a minha língua. O meu pai que o conheceu bem manda um grande abraço. Espero que hajam mais estórias para nos deliciarmos os domingos cá em casa.Está mesmo sublime essa. Adorei! Obrigado e forte abraço Paulo

Paulo Vieira              paulo.vieira@yahoo.com.br


Comentário:

Zizim Nha Broda, Mais uma para a rica colecção que já possuo graças a ti cá em Sidney. Essa "sturinha" está mesmo fantástica onde o inacreditável joga com o absurdo na conclusão. Como sempre todos nós já a estavamos aguardando, mas tudo chegou "in time" pude printá-la e distribui-la para os que cá ainda não teem internet. Como vês guardamos aquela solidariedade tipica ou morabeza conosco numa transferência educacional da nossa cultura. Boa semana e um farterno abraço Terencio

Terencio Lopes              terencio.lopes@yahoo.com.br


Comentário:

Carissimo, Continuo siderada com todo este manacial de estórias, algumas de coisas vividas como esta e outras de coisas que nós sãovicentinos não precisamos verificar porque foram mesmo assim e cá está você relembrando-nas. Esta então está uma maravilha no seu estilo mui sui generis capaz de nos levar do rir ás lágrimas. Certo que conheci e bem a morabez santantonense. Pois a minha mãe era das Fontaiinhas. Parabens e boa sorte sempre. Abarços Gilda

Gilda B.Leite                  gilda.bleite@gmail.com


Comentário:

Bom dia irmunzim, Obrigado por toda esta actividade escrita que continua fazendo enchentes aos domingos cá na Associação.Todos apreciam as estórias do "cumpanher Zizim Figuera". Bom domingo e rijo abraço Yo

Yolanda Dias                 yoldias@aol.com


Comentário:

Boa Djô, Um sturinha divertide pafronta pena é que jam ca tava pra lá. Ma jam tinha bode té Sintanton ma nh'irmon Manel e nô gostaba tcheu. Boa storia prop nice e bem divertide. Have a nice day Lili

Larry de Pina                    LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Zizim de Ti Djô Figuera, Mi é sempre contente d'oiobe li na Liberal que bôs sturinha sabim ta nimá pove, que nôs de pobreza ma nôs misera prei pa Soncente. Bô li prisente é sinal que bô saúde ti ta bai drete. Força nh'irmunzim pa cuntinuá más e más. Malta inter tude mandobe mantenha. Um braçona Guey

Miguel M.Monteiro                 mucimdereberabote@yahoo.com.br


Comentário:

Obrigado Zizim, Por todas estas magnificas estórias que tens contado todos esses anos e que continuam nos enriquecendo relembrando a nossa boa espiritualidade de outrora de gente boa em todo o Cabo Verde. Hoje os tempos mudaram, as coisas e as gentes também, mas dias melhores virão. Guardemos esperanças.Esta estória traduz tudo aquilo que acabo de te dizer.Tornas-te um excelente contista na tua arte de saber fazer mover corações. Until next time dear brother. Big hug Gil

Gilbert o Évora                        gilberto.evora@verizon.com


Comentário:

Que mais dizer amigão, uma vez que continuas no TOP dos TOP'S com tuas lindas crónicas domingueiras que podem e devem continuar a existir. Mesmo se já as li podes estar certo que as releio e envio a minha apreciação, porque considero que a nossa escrita estará por muito tempo em ensaio sem querer substimar ou negligenciar o excelente trabalho que tens feito e deves continuar a fazer. Parabens pela "Storia" que está magnifica. Abraços Delmira

Delmira Neves                     delneves@hotmail.fr


Comentário:

Olá Meu irmão! Esta estória é deveras interessante. Fala da nossa vivência. Fala de ti e do nosso Cabo Verde nos tempos passados ... será que é possível imaginar os dias de hoje? mantenha desde cá do exílio

Henrique De Pina Cardoso                       hpcardoso@mail.telepac.pt

V o l t a r