PAULO GINGUINHAS - RUFIA VERDIONE (ONES 1910/1960)

Naquel note serene de sobede pa dmingue, ‘m tava t’observá da lá de janela de nôs casa que tude prazer e admiraçon dês munde, beleza daquel mar de nossa ta brilhá moda um espei, té que vapor na Baía de Porte Grande tava ta parcê dôs na um, mode reflexe de sês imaja naquel mar calme d’azete.

Basta, calor era demás té que ninguém tava ta podê durmi. Enton, pa completá beleza daquel quadre, lá na rua de Canecadinha (também rua de Matijim), perte de nôs casa, Lela Maninha que sê bom voz de tenor, tinha rancode c’aquel morna que tinha saíde naquês dia e entrode log na moda, de:

- Ôi calor… ôi calor… ôi calor… ôi calor di Sinhora Rosa! Estando eu assentado no barracão do meu Bar, ela atirou uma pedra que atingiu minha garrafa… etc…

Enton, levode pa quel músequinha sabim, na son e imagem daquel violino de Muchim de Monte (que Deus dal Céu) e otes figurante que tava lá ta prienchê quel note quente de Mindelo, moda Lela Preciosa, Luiz Rendall, Tchuff, Marcel de canalim de nh’Antone Djudjim ma Antunzim de Nha Chica Mari Chica, tude ês naquel acorde de violão que pove tava tchemá monzada de B.Leza.

Inda rapazim, um boys ca tinha orda de sei de casa despôs de certa hora, ma tentaçon fui ma grande, ‘m ca pude resistí nha curiosidade, um dexi escada devagarim de quarte pa quintal c’aquel catchorre de nossa, por nome de Nero, que denote ca tava conchê ninguém!... ‘M larunjal cuns pidrinha d’açucra escura quel tava gostá e, assim gatchode ‘m pude esquá pa porton de casa, sem fazê barulhe.

Pa nha primer note de giáda na Mindelo, fui um rique note sem igual, um daquês note que nunca gente ta podê esquecê, quê el ta fecone pa tude tempe de nôs vida gravode na coraçon!

Assim, log q’um pô pé na rua, ‘m ba ta sigui quel son té tchegá lá na Bar de Nininha d’Adão, ondê que festa daquel hora tava ta ba cumeçá, quê sê filha Betty tinha passode n’exame de quint’one de Liceu. Mi, na tude nha trivimente e galantaria já ta cantá vitória, ‘m ba ta dzê Nininha: - Ô que sabim, mi jam tchegá dente d’ora?!... Nininha marrá dente na quexada, e que sê cara mau, vrá dzeme:- Ei, culcincinha de favor, mnine tchequer fagon!!!... Cuidode, quê já bô fegí de casa e, se bô pai Ti Djô, suber, bô já bô psú!Enton, ‘m pô dede na bique pal calá, ‘m dzel cma de certeza, lá ca tinha ninguém que tava ta ba dzel!... E nha pai nunca sube!... Assim Nininha, qu’era moda nha tia e grande amiga de nha mãe, dexame fecá lá dessegadim.

Farrope que sê oie calôi, irmon de Viriote, tudes dôs magarefe especialista na matá tchuque, tava diasá lá pa quintal tude suode, trás dum já tinha meia hora, ta tentá matal... Ês bai devagarim, ês coçal na barriga pa ninal sone, ês metel um ingron d’oie na polpa pal ca gritá. Quonde quel tchequin sodá na sê sunim, ês rufnal que força um rebencada de pau de plon guentode, na mei de testa, seque pa cabeça de tchuque ca esflaçá… Dá fecá!

Despôs, log ês sangral pa pruveitá quel sangue pa fazê tchurice, el fui passode na paia de lume, raspode bem raspode pa tral tude quês cabel! Na mei daquel confuson de matá tchuque, sangrá tchuque, quemá tchuque, cortá tchuque, beme na ideia aquel “romântica expressão poética” de Nho Roque Gonçalves (Dr. Aurélio Gonçalves) de estrofegar um tchuque!...

Batucada continuá forte c’aquel grupe de Lela Maninha, té q’uns minute despôs cumeçá ta parcê tchorrêsque, tripa trucîdim, tchurice de sangue que catchupa guizode, num ambiente sabim, prop de nôs terra moda el ta custumá parcê... Era gente demunde lá na quintal de Nininha!... Mute risarada, mute sabura que cada um ta contá stora de sê vida e sês vintura vivide pesse munde fora.

Papa, irmon de Nininha, tava cum “blue” de gaita, sentode derriba duns caxote ta betá linha pa pescá cavala na seque, la na quintal de sê irman... Num ote cantim, ta curti festa sentode derriba duns soque de tchichorre seque binde de Bubista, tava quês dôs diabe inseparável, capaz de dá tude Soncente pancada na época, na pessoa de Sr. Groll e sê prime irmon Paulo Ginguinhas, que nunca tava andá sem cumpanher.

Groll escurim, magrim, home de sê grogue, valente que ca tinha dôs, capaz de fazê suá tude aquel que tava bescal guerra!... El, sê stora é quel tinha fegide num vapor Gregue, imbanderode de Panamá, que bá fundeá la pa Brasil na Santos e despôs Pernambuco, lugar ondê quel passaba uns mês valente, tratode moda um rei e inda por cima, tive pra lá mitide na escola de capoera, luta de pê, levode d’Angola pa Brasil, quel trazeba ma el pa Soncente!

Basta, uns dia antes dês festa, lá pa lode de Pracinha d’Igreja, ondê quel sistiba um stora que ca fecal sabe na sê goste, d’oiá Jorge Serradas, rapaz nove chei de força, de sês trinta one, ta abusá num home de quaz sessenta one, por nome d’Artur Silva, por razon que ninguém nunca sube.

Nôs Groll, que sês dôs coque na butche e que ca tinha nada a ver c’aquel stora, ca pude resisti d’oiá quel abuse de Jorge naquel home d’idade. Enton, el puxá Jorge log pa guerra!

Jorge fecá ta espial cum ar de desprese, log ta pensá na sê cabeça cma quel boys lassim el tava ta bá cmel, que cabel e tude!... Ingone!.. El pô Groll posiçon de boxe má nôs Groll pô ta rudiá... ta rudiá, ta cantá sê Paranaéee... e, diante dum data de gente que bem log ta juntá, cosa ca durá mute, fui Groll que mon na tchon, solte de macoque de diante pa trás, num ginga di gafieira, tombo na ladeira, siguide dum rabo da raia, que Jorge pesadon, de sês oitenta quile, ta debangá na tchon cum stronde sem sabê cmanera, fui um cosa só e cum broce quebrode direte pa Spital e tchau...

Emídio Barreto, pliça respeitode de tude gente, bem ta tchegá, mandá ote pliça tchmode Casemiro, pa levá Jorge pa Spital pa basse pô broce na gesse e el Emídio, é que levá Groll pa staçon de pliça, que bai sem rafilá... Ma, meia hora despôs, nôs Groll fui puste fora de cadeia, quê Nhô José cunchide pa 40 (corenta) que tava quel hora de planton na Squadra, otchá cma ês ca tinha nada que fazê quel!..

Paulo Ginguinhas, sê primeres prime, confirmá tude quel stora, devagarim sem fazê mute barulhe! Note pa madrugada, cada vez más clore, que dia ta crê manchê, trançode c’aquel batucada daquel grupe cada vez más bunzim... Nôs Nininha ma tude quês gente de rua de Matijim, prop feliz c’aquel quint’one de Betty, ta curti fistinha na mei daquel barulhada, de bafa de tchoresque ta dá na dente, inda quente ta sei de lume bem torrode pa Mari Gaga, siguide daquel bom grogue velha sem merrinha e especial pa amigues, binde lá de Ilas Miranda.

Pa cabá de fetchá quel momente de felecidade naquel ambiente, tchegá vez de nôs Paulo Ginguinhas, que tinha passode quel note tude calode, betá sê stora. Basta el pô mon na bique ta mandá tude gente calá p’uvil, quê el ta tinha sempre tcheu stora pa contá, ma era num só vez, quê el ca tava gostá de repetis!

Antes de tude, el cumeçá ta explicá gente cmanera quel vrá “rufia” e mode quem quês tava tchmal Ginguinhas lá pa Lisboa... Um, pamode el q’era brigador e ote pamode sê manera d’andá ta gingá ta balanciá dum banda pa ote, moda naviu na mar.

Tude cosa cumeçá, quonde sê prima Tmete levaba el pa Lisboa já rapazîm. Log quel tchegá pra lá, el ca queris sabê d’escola nem de nada, el ba ta vrá rapaz, el metê na má vida lá pa Cais Sodré, Mouraria, na mei de puta e malandraja de tude espece.

Enton, el criá um style prop de seu! Inda ‘m conchel sempre que sê buininha prete pa banda puste na cabeça, lincim brumedje marrode na pescoce, andar gingão prop de rufia naifista, moda el tava dzê, que sê navalha de ponta e mola sempre na bolse de trás!.. Mez que sês setenta e tal one já vançode, nunca el dexá d’andá daquel manera!

Basta sê stora, demanera nimode quel tava ta contal ba ta vrá cada vez más interessante, quês tive de baxá múseca pal pudia falá, quê log la intchi de gente de volta del... Enton, Paulo Ginguinhas, na cuntinuaçon de sê stora dzê cma:

- El sim!.. El fui rufia confirmode na linha direta de Mouraria, ondê quel ta tinha 3 (três) ô 4 (quate) mnina de vida ta trabaiá pa el, la pa quês banda!... Ma, quel n’era chule, quê el Paulo daquel la, só tava era protegês quês mnina... E, el tava ba dzinde:

- Ma só bsote cuidode, quê quonde Paulo Ginguinhas tava entrá naquês tasca, tude gente tava fecá log ta tremé de mede!... Uns tava fegí log, otes más corajose tava fecá!... Mi era dode na bescá guerra!... Enton, ´m tava tchegá naquês café, ´m tava pezá quês gaje cole de pé pa devontade, só pas pudia regai, pa enton ´m pudia perguntás log:

- Eh pá, de que lado é que queres cair?... Apanhas já um buto na viola ou um pontapé no fole das migas!...

Só nesse manera rufion de falá del, quês gaje tava log fegí tude, quê inda por cima ês tude sabia, cma el era naifista (home de sê navalha de ponta e mola)!

Enton, acontecê que na tempe de Sidónio Pais (1910/1918), naquel tempe de proclamaçon de República na Portugal, em que ca tava cabá tire, bomba ma pranchada lá pa quês banda de Rossio, na tempe daquel tal marujo dente d’ore que fazeba tcheu desgraça pra lá.... Fui decretode “recolher obrigatório”, tude gente na casa pa 18 (dezoite) hora, que “Guarda Republicana” ta patrulhá rua, sem brincadera...

Paulo, lá na Nininha, despôs dum piquene pausa, que dôs golpada daquel bom grogue e um noque de tchoresque na boca, pude continuá que sê storia, naquel linga criole diferente, trançode que português, ta fazê tude gente arri e fecá cada vez más intressode na sê storia...

Enton, el contá cma um dia, lá naquel tasca de Mouraria, ondê quel ma patron era mute amigue, ês imbalá lá na conversa ta tmá coque, té quel esquecê daquel hora de “recolher obrigode”. Quonde el tmá fé era já quaz onz’iora da note!... El sei ta ba pa casa a pé, sempre ligere e que cuidode… Ma, um azar de gaita... Quonde jal tava perte de sê casa, lá pa lode de Largo do Rato na Lisboa, Guarda Republicana parcê ta bem muntode na cavole, log ês dal fala de:

- Alto lá!!!... Mãos á nuca!!!...

Nôs Paulo Ginguinhas, tude trapaiode… dzê cma, quasi que “borrava-me todo!!!”. E, Guarda Republicana continuá:

- Então o Senhor não sabe que devia mas, era estar já em casa pois é hora do “recolher obrigatório” por causa da revolução?... Em vez de dezoito horas são agora quasi vinte e três da noite!... Vai já daqui, mas é para a Esquadra e isso pode lhe custar muito caro, com cadeia e tudo, sabe?!...

Moda el dzê: - Mi Paulo desse li, ‘m ca inrascá, quê quel hora ´m dexá de ser “rufia lisboeta”, quê lembrame cma mi era más mnine de Soncente q’ote cosa!.. Na sê manera de contá quel stora, el pô tude gente,na fim, lá na Nininha num suspense de morte, na mei daquel boa festa, ta esperá sabê cmanera quel safá!

Enton, el nas calmas, vrá paquês Guarda Republicana, num golpe teatral de mestre el dzês:

- Ó Senhor Sargento, levar o Paulo Ginguinhas para cadeia por várias e outras razões, tudo muito bem!... Mas por causa da Revolução?!... Não!!!

Quel sargento de Guarda Republicana, replicá: - Mas isto aqui é lei igual para todos !!!

Paulo Gingunhas, respondel:

- Pois é!... E, isto lá eu sei!... Mas trata-se duma Guerra entre BRANCOS!!!...E, eu cá, Paulo Ginguinhas, sou PRETO e nada tenho a ver com isso homem!

Paulo dzê cma, quês Guarda Republicana otchá sê reflexon que tonte piada, té quês largá t’arri, enton ês dzel:

- Eh pá, tens razão! Estás com muita sorte, vai lá embora e tem mais cuidado para a próxima vez!!!...

Enton, tude quês gente la na Nininha que sube apreciá quel storia e intligência de Paulo Ginguinhas, largá t’arri!… E assim, storia ma festa pude continuá lá na Nininha, que gente demunde sempre t’entrá, ta sei, naquel rebulice de bem dá parabens paquel quint’one de Betty, num ambiente popular prop sabim sem igual nem rival, cum Lela Maninha inspirode quel note ta fazê gente sabe que sê voz ma sês Morna, um trás d’ote, té dia manchê...

 

Zizim Figuera (José Figueira, Júnior)

V o l t a r


Comentário:

Bravo! Hoje a estória veio cedinho e nós por cá todos felizes com isso pelo que felicitamos e agradecemos ao nosso grande Jornal Liberal On-line pelo esforço. Quanto a estória está como sempre uma maravilha de decor puramente Mindelense com rua de Matijim e toda essa gente dos meus afectos que bem conheci desde nosso Groll ao excelente cantor Lela Maninha que enchia as nossas ruas do seu cantar pelas noites quentes de Mindelo. Mais uma vez muito obrigado amigo Zizim por estas estórias reconfortantes de fim de semana. Um grande abraço de todos nós Terencio

Terencio Lopes                  terencio.lopes@yahoo.com.au


Comentário:

Dear Zizim, Como de costume já passei a "storia no print" para a leitura da meninada e adultos logo lá na Associação Eles vão como eu adorar e rir das peripécias da nossa gente e em especial dos dois primos Groll que bem conheci e Paulo Ginguinhas de quem só ouvi falar. Obrigado irmão por mais esta que nos enche o coração.Tua sempre amiga Yo

Yolanda Dias                        yoldias@aol.com


Comentário:

Zizim, Adorei e já fartei-me de rir dessa estória de coisas que parecem ireais, mas que sei que sempre existiram na minha terra São Vicente. Parebenizo o autor por todos os seus descritivos de forma mui "sui generis" e de um estilo verdadeiramente Jorge Amado. Olhe, tornei-me fan das tuas estórias não há muito tempo. Pois só últimamente as descobri e lá vou tentando recuperar o tempo perdido. Bom domimngo e um forte abraço Gilda

Gilda Leite                     gilda.leite@hotmail.com


Comentário:

Parabens Zizm! Adorei imenso esta estória que como sempre me transportou pela rua de Canecadinha dos meus tempos cheia daquele calor humano que hoje já não existe por lá. Pois os tempos mudam e as gentes também. Mas fico feliz de te ver relembrar tudo isso. Grande abraço Jorge Pedro

Jorge Pedro Barbosa              jp.barbosa@aol.com


Comentário:

Caro (irmao das comunidades) , mais uma das tuas boas estorias , da nossa terra , escrita de forma alegre e tradional ,terminada com aquela morna , interpretada pelo nosso grande cantor, Lela Maninha !. Muito bem , aquele abraço ...(do irmao das comunidades).
Um criol na Frânça , Morgadinho !..

ALMEIDA Joaquim              soalmeida@free.fr


Comentário:

Um storia sabim de gente sabim,inda más escrite e bem escrite na criol de nha terra Soncente de Cabo Verde. Dvera nha broda Zizim de Ti Djô Figuera, só quem que ca conchê quel terra dnossa dum vez que nõs Rua de Matijim chei daquel tchirim sabe daquel bom grogue de Sintanton e daquês bafa de "Slazz ma tchoresque e cavala frite" é que ca podê apreciá esse sturinha. Assim era nôs Soncente quês ti ta procurá cabone quel. Ma inda bem que nô tebe Zizim pa trás mania e mostrás cmanera que nôs era qu~e nôs terra tem um Alma e Alama ca ta destruide nunca! Mantenha de nôs malta e mi também. Guey

Miguel M.Monteiro                mucimdereberabote@cvtelecom.cv

V o l t a r


Comentário:

Adé Zizim, ese li e un repitisaun. N ti ta oiá ke bo ka ten xtode ke tenpe de xkrevê koizax novax. Forsa ke ese imajinasaun rapaz! Muita saúde ok!, o pelu menex kel kzinha ke nox tude prisizá. Enton, atê pa semana kon un nova xtória dakex tenpe antige. Mantenha pa tude malta.

Djonny                          djoni55@gmail.com


Comentário:

è un prazer meu amigo ler os teus texto atè prossimo domingo.

zego                             idaina_zego@msn.com


Comentário:

Sr.Zizim, Muito obrigado por mais esta rica estória da nossa terra e da nossa gente de S.Vicente que tanto já nos divertiu hoje á minha mãe eu. Pois a mãe era amiga intima de Nininha de Adão mãe da Betty e se lembra bem desta festa na rua de Matijim que foi feita pela passagem do quinto ano dos Liceus da Betty sua filha. Ela manda-lhe dizer que como sempre fica muito admirada da maneira como consegue se lembrar de tantos nomes de gente que ela também conheceu mas já nem se lmbrava e muito em especial do Groll.Quanto ao Paulo Ginguinhas já velhote se lembra bem pois eram vizinhos e se lembra também do seu ar gingão tanto no andar como na maniera de falar. Adoramos suas estórias. Até próximo domingo se Deus quizer. Saudinha da boa para si sempre.Via daí nosso abraço Suelly

Suelly Fonseca                      suellyfonseca17@gmail.com


Comentário:

Um bom dia e boa semana para si amigo Zé Figueira, Pois gostei desta estória pelo seu realismo em todos os sapectos. Pelo festivo bem enquadrado na nossa sociedade mindelense-cabo-verdiana e também pela saída do embaraço lógico do nosso Paulo Ginguinha...São brancos... entendam se! Como sempre o "criol mnine de Soncente" tirou-se bem daquela trapalhada, aliás acho foi o melhor que fez. Espero que continues bem e dando noticias sempre. Um xi-coraçon bem pertode da miga Dulce

Dulce Chantre                       dulce.chantre@yahoo.com.br


Comentário:

Boa Djô! Esse é daquês sturunha q'um ta gostá tcheu.ês ta lembram so nôs tempe ma nôs rua que tcheu sodade. Many thanks and big hug Lili

Larry de Pina                         LPINA1@tampabay.rr.com


Comentário:

Amigo Zizim, Permite-me de te chamar de amigo porque somos compatriotas e adoro tuas "Storia Mindelenses de Soncente Cabo Verde". Que Deus te dê forças sempre para que venham mais. Pois a nossa terra Soncente tem um passado histórico riquíssimo e acho que tens desbravado ao longo destes anos com critério, sinceridade e fidelidadde muito terreno interessante pelo que eu mais amigos cá do bairo te felicitamos. Grande e fraterno abraço. RUI

Rui Braz Ferreira                  ruibferreira75@hotmail.com

V o l t a r

Comentário:

Amigo, Oi calor...Oi calor...oi calor, assim entramos na estória cosmopolita de qualquer porto por este mundo fora. Mas hoje estou triste como se tivessem atingido com uma pedra a minha garrafa. Morreu o meu tio Djô Spencer(Djô de nhô Cone antigue guarda-redes da Académica do Mindelo) um amante da vida, e capaz de apreciar este mundo por ti descrito que eu perdi como mulher "bem comportada".

Mas sei apreciar a descrição destes portos de Cuba, NY, Roterdão, Singapura ou Buenos Aires onde haverá sempre um patrício. Mas em termos de escrita acho que perdeste de todo o juízo com estes termos (larunjal, pafronta, tchequer-fagon, pé-de-galome, rufnal; esfalaçá etc.) termos que já nem me lemvbrava, com que andas desmontando tudo que duvido que os pupilos de crioulo que vens granjeando em Portugal e noutras paragens da segunda geração de filhos de emigrantes deslindem. Tão internacional, e tão "Mc'Giver" que pedes para tirar a pontuação francesa.

Logo eu uma rebelde das vírgulas! Espero que o tio Djô esteja lá no céu petiscando uns torresmos com os amigos, nalguma matança de porco. Sem choros nem velas mas muitas "moreninhas sem par".

Desculpa ter invadido o teu espaço com a minha homenagem ao meu tio Djô. (Acabei de saber que levou o irmão Aguinaldo com ele). Aquele abraço MAG

Margarida S.Mascarenhas
magui.salomao@netcabo.pt

V o l t a r

Comentário:

Nha broda, hoje consegues oferecer-nos um raro cocktail literário a condizer bem com aquelas bafinhas saborosas de tchorresque e tchurice de quel tchuquim sacrificode na quel quintal de nha Nininha.

Até se propiciou o ambiente de uma madrurada a que nem tu resististe, ninando o cão e saltando a vedação, para chegares à presença dos convivas e convenceres a nha Nininha a fechar os olhos à inconveniência da tua presença adolescente no meio daquela gente de barba rija, ainda por cima a horas indecentes.

Mas não lhes passava pela cabeça que aquele menino ia ali recolher material para um dia contar a estória daquela bela e leda madrugada. E o cocktail que hoje nos ofereces tem como fundo líquido aquela "madrugada em que mar ta brilhá nem espei, té que tude quês vapor rinquiode de luz na Baía de Porte Grande, tava ta parcê dôs na um, mode reflexe de sês imaja naquel mar calme d'azete".

Rapaz, boa expressão literária no nosso crioulo, a fazer-nos sentir genuinamene o momento de rara e esfusiante beleza nocturna de que é pródiga a nossa baía. Depois, acrescentas-lhe, entre outros ingredientes saborosos, a evocação da antiga matança de tchuque familiar nos nossos quintais e a descrição dos episódios da vida aventureira de dois crioulos.

Um deles, rufia rematado com requintes apurados em terra estranha, outro, mais contido na sua mansidão, mas ambos filhos da mesma matriz: Menin de Soncent. Gostei muito, Zizim.

Adriano Miranda Lima

V o l t a r

Comentário:

Ah, ah… Oh Djô "Ginguinhas" Figueira, quel bôxe dzarente de bossa, afinal, êl ta levá uns ginguinhas vassalode de capoera, ê nê dvera?! "…Mon na tchon, solte de macoque de diante pa trás, num ginga di gafieira…". Bzote oiá lá: "Grol pô log ta rudiá, ta cantá sê Paranaée e, diante dum data de gente que bem ta juntá, cosa ca durá mute, mon na tchon, solte de macoque de diante pa trás, num ginga di gafieira, um tombo na ladeira, siguide dum rabo da raia". Nôs li mute dsegode, bô ê que tchegá li quesse bô conversa, agora ben dzê nôs ondê que bô prendê luta-do-pé? Bô tive uns aula gatchode ma mestre Grol? Ou bô prendê ês técnica daquês vez que bô fegi tê terra do samba?!

E já pra já, uns colega de bossa, que já bô devê sabê ê quen, ês ta li ta danôs conta de bô lá pa Nordeste de Fortaleza, Belém, Pará, Baía, Pernanbuco e tê Ceara. Devê ser por isse quel bôxe de bossa ca tava da gente nen tempo de desviá! Apôs, Senhor Djô "Ginguinhas" Figueira, agora, bô ta multode e bô multa ê pa pagá aoje, dia dmingue - culcincinha de favor, li ca ten desculpa - un vatapá (colde de pexe) pa tude leitor. A não ser que bô ta preferi nô junta na bô, no aplicobe un "…solte de macoque de diante pa trás, num ginga di gafieira, um tombo na ladeira…"? Apôs, inton bon apetite pa nôs tude.

Nuno Ferro Marques


V o l t a r